Vacinas Humanas Testadas estavam Contaminadas com Metais e Detritos Tóxicos, novo estudo revela

 Em Toxicidade

vacinas e contaminantes

Investigadores examinaram 44 amostras de 30 vacinas diferentes e encontraram contaminantes perigosos, incluindo glóbulos vermelhos numa vacina e metais tóxicos em cada amostra testada – excepto numa vacina animal.

Utilizando tecnologias extremamente sensíveis não utilizadas na fabricação de vacinas, cientistas italianos relataram que ficaram “confusos” com as suas descobertas que incluíam partículas únicas e agregados de detritos orgânicos, incluindo glóbulos vermelhos de origem humana ou possivelmente animal e metais, incluindo chumbo, tungstênio, ouro e crómio, que têm sido associados às doenças autoimunes e leucemia.

No estudo, publicado esta semana no International Journal of Vaccines and Vaccination, os investigadores liderados por Antoinetta Gatti, do Conselho Nacional de Pesquisa de Itália e o Director Científico de Nanodiagnóstico, afirmam que os resultados “revelam a presença de micro e nano partículas e compostos de elementos inorgânicos nas amostras de vacinas e que “não estão declarados nas listas de ingredientes dos produtos”.

Partículas de chumbo foram encontradas nas vacinas contra o cancro do colo do útero, a Gardasil e a Cevarix, por exemplo, e na vacina contra a gripe sazonal Aggripal, fabricada pela Novartis, bem como na vacina Meningetec destinada a proteger contra a meningite C.

Verificou-se que as amostras de uma vacina infantil denominada Infarix Hexa (contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B, poliomielite e haemophilus influenzae tipo B) fabricada pela GlaxoSmithKline (GSK) continham aço inoxidável, tungsténio e um agregado ouro-zinco.

Outros contaminantes de metal incluíam platina, prata, bismuto, ferro e crómio. O crómio (isolado ou em liga com ferro e níquel) foi identificado em 25 das vacinas humanas de Itália e França que foram testadas.

A vacina Fluarix da GSK, para crianças de três anos ou mais, continha 11 metais e agregados de metais. Agregados semelhantes aos identificados nas vacinas têm-se mostrado prevalentes em casos de leucemia, realçaram os investigadores.

vacinas contaminadas 2

Muitas das vacinas continham ferro e ligas de ferro que, de acordo com os pesquisadores, “podem ser corroídas e os produtos da corrosão exercem uma toxicidade que afecta os tecidos”.

Os investigadores fornecem uma imagem de uma área numa gota da vacina Repevax da Sanofi Pasteur MSD (difteria, tosse convulsa, tétano, poliomielite) “onde a morfologia dos glóbulos vermelhos – não podemos dizer se eles são humanos ou animais – é claramente visível “a presença de “detritos” de compostos de alumínio, bromo, silício, potássio e titânio”.

A Feligen, a única vacina veterinária testada nas 44 vacinas totais amostradas, provou ser a única amostra livre de contaminação inorgânica.

A investigação revelou que o alumínio e o cloreto de sódio, o componente habitual da solução salina, como era esperado estavam presentes, pois eles são nomeados ingredientes da maioria das vacinas. Usando um Microscópio de Varrimento de Campo Eletrónico, os investigadores produziram fotos deste sal de alumínio que formaram ramos cristalinos brancos semelhantes aos da geada numa superfície de vidro, no topo das gotas de líquido da vacina. Uma vacina alemã contra as alergias produziu uma camada de sais inorgânicos tão espessa que os pesquisadores não conseguiram penetrar na gota para nem detectar outros contaminantes particulados.

O alumínio tem uma neurotoxicidade por si só já documentada. As vacinas veterinárias francesas excluem-no por esse motivo. As vacinas humanos. Os investigadores expressam a sua preocupação com a sinergia de múltiplas toxinas adicionadas a esta conhecida neurotoxina.

“É um facto bem conhecido em toxicologia que os contaminantes exercem um efeito mútuo, sinérgico e, na medida em que o número de contaminantes aumenta, os efeitos tornam-se menos e menos previsível. Tanto mais que algumas substâncias são desconhecidas”.

“A quantidade de corpos estranhos detectada e, em alguns casos, as suas composições químicas invulgares confundiram-nos”, evidenciam os investigadores. “Na maioria das circunstâncias, as combinações detectadas são muito estranhas, pois não têm uma utilidade técnica, não podem ser encontrados em qualquer manual de materiais e parecem ser o resultado da formação aleatória que ocorre, por exemplo, quando o lixo é queimado. Em qualquer caso, qualquer que seja a sua origem, não deveriam estar presentes em nenhum medicamento injectável, muito menos em vacinas destinadas a lactentes”.

Impacto indesejável

vacinas contaminadas 3

O estudo explica que estas impurezas estranhas, quando injectadas, podem explicar uma vasta gama de eventos adversos, aparentemente não relacionados mas associados à vacinação, como dores de cabeça, convulsões, fadiga, dores musculares, paralisia e o síndrome de morte súbita infantil. Muito provavelmente, especulam, os contaminantes das vacinas “terão um impacto mais sério em organismos muito pequenos como os das crianças”.

Uma vez no interior do corpo, o material estranho numa injecção de uma vacina, esteja destinado a lá estar como no caso do alumínio ou não, como no caso dos contaminantes, acciona o formidável sistema imunológico.

Como com qualquer coisa pequena e estranha, a sua reacção aos ingredientes das vacinas é potente, mal compreendida, imprevisível e, como os investigadores italianos afirmam, pode ser “indesejável.” O sistema imunitário pode despachar um exército de grandes glóbulos brancos chamados macrófagos para engolir os corpos estranhos e contê-los em inchaços e granulomas no local da injecção. Mas se os contaminantes são varridos pela circulação do sangue para qualquer local distante ou órgão, incluindo a microbiota que regula numerosas funções, incluindo o sistema imunológico, o seu efeito pode ser sentido muito tempo após eles secretamente terem entrado no corpo.

Nalguns casos o sistema imunológico inicia um ataque inflamatório contra o que ele percepciona como invasor. Isso pode incluir o lançamento de uma série de compostos chamados de citocinas. Alguns desses mensageiros químicos como a interleucina-6 estão ligados ao autismo.

Por o corpo não se poder livrar desses contaminantes – os poluentes metálicos não são biodegradáveis ​​- este tipo de inflamação pode ser sustentada e crónica, e pode manifestar-se posteriormente em doenças autoimunes quando o sistema imunológico ataca as suas próprias células como na esclerose múltipla ou na diabetes do tipo 1.

Também foi demonstrado que os contaminantes encontrados nas vacinas podem entrar nos núcleos das células e interagir com o ADN, realçam os investigadores. Ninguém sabe o que isso pode fazer.

História Obscura

As vacinas têm uma longa e sórdida história de contaminação. Em 1955, os lotes de vacinas contra a poliomielite contendo o vírus vivo da pólio infectaram e paralisaram centenas de crianças. A tragédia ficou conhecida como o incidente Cutter para o laboratório onde as vacinas tinham passado os testes de segurança com distinção.

Mas há dezenas de outros “incidentes”, que poderiam melhor serem apelidados de actos de negligência criminal, incluindo:

  • A vacina contra a pólio distribuída entre 1955 e 1963 foi contaminada com o vírus símio 40 (SV40) das células de rins de macaco usadas para produzir a vacina. Tem sido associada à crescente epidemia de cancro.
  • Em 2007, a Merck & Company, Inc. mandou recolher 1,2 milhões de doses de vacinas Hib devido à contaminação com bactérias chamadas de cereus, uma bactéria potencialmente letal que causa intoxicação alimentar.
  • Em 2009, mais de 40.000 doses de uma vacina contra a meningite C para bebés foram retiradas do mercado britânico quando se descobriu que estavam contaminadas com bactérias venenosas para o sangue S aureus.
  • Em 2010, a análise da sequência profunda de oito diferentes vacinas vivas atenuadas revelou sequências virais inesperadas em três delas: a leucose aviária retrovírus foi encontrada numa vacina contra o sarampo, um vírus semelhante ao retrovírus simio foi identificado na vacina antidiarréia Rotateq desenvolvida pela consultora CDC Paul Offit, e toda a sequência genómica do cirovírus porcino1 foi encontrada na Rotarix levando a FDA a suspender a vacina contra o rotavírus.
  • Em 2014, a Food and Drug Administration (FDA) dos EUA ordenou à GlaxoSmithKline que revisse o processo de fabrico da sua vacina contra a gripe quando detectou contaminação microbiológica em produtos que se pretendiam estéreis.
  • Em 2013, a Merck & Company, Inc. mandou recolher um lote de Gardasil quando partículas de vidro foram descobertas em várias ampolas.
  • Recentemente foi relatado que a Sanofi Pasteur se recusou a recolher a sua vacina ActHIB para bebés, mesmo sabendo que estava contaminada com fragmentos de vidro. A FDA não se opôs.

Existem dezenas desses casos e, mesmo se os fabricantes de vacinas são omissos nos vários “avisos”, as acções raramente são tomadas para limpar o processo de fabricação da vacina. Uma vez que as empresas farmacêuticas têm imunidade geral em acções judiciais para as vacinas com defeito, não há incentivo para que eles corrijam os seus actos.

vacinas contaminadas 4

Um perigo claro e presente

Os investigadores do estudo concluem que a contaminação detectada por si nas vacinas é provavelmente acidental. “A nossa hipótese é que essa contaminação não é intencional, uma vez que é provavelmente devida a componentes poluídos ou a procedimentos de processos industriais (por exemplo, filtrações) usados na produção de vacinas, não investigados e não detectados pelos Produtores”.

A discussão sobre porque é que as empresas farmacêuticas não produzem vacinas limpas é uma coisa distinta. Mas a realidade das vacinas como elas o são agora é outra. Isso não muda o conteúdo do que está a ser injectado em milhões de pessoas hoje. As toxinas não intencionais e perigosas estão em cada uma das vacinas testadas nesta investigação, com excepção de uma para gatos.

Esta pesquisa não mostra apenas que as vacinas estão cheias de contaminantes que os cientistas de topo nem sequer conseguem definir. Faz um escárnio das agências de supervisão da saúde como o FDA e o CDC e as suas mentiras acerca das vacinas passarem por verificações e avaliações de risco de segurança adequadas.

Não se limita a revelar que as consequências a longo prazo da vacinação nem sequer podem ser avaliadas. Se vacinas as anticancro como a Gardasil e o Cevarix contêm agregados cancerígenos de metais tóxicos, o seu uso como uma arma contra o cancro numa menina que tem zero hipóteses de o contrair antes de fazer 21 anos não é apenas inútil. É um abuso flagrante.

Agora, todas as reivindicações de vacinas para salvar vidas devem ser pesadas contra os seus riscos de causar cancro, doenças de desenvolvimento neurológico, doenças autoimunes e todos os outros “misteriosos” distúrbios mediados pelo sistema imunológico, agora classificados como epidemias em ascensão.

Os resultados dessas investigações não só negam toda afirmação de que as vacinas são “seguras e eficazes”, mas confirmam que eles são realmente um perigo claro e presente.

Veja o novo estudo na sua totalidade aqui.

Para mais pesquisas sobre os efeitos adversos e indesejados da vacinação, use o painel de pesquisa do GreenMedInfo.com sobre o tópico:

vacinas contaminadas 5

Publicado originalmente pelo Children’s Medical Safety Research Institute 

Fonte: http://www.greenmedinfo.com/blog/dirty-vaccines-every-human-vaccine-tested-was-contaminated-metals-and-debris-new-

Artigos Recomendados

Deixe uma resposta

Contacte-nos

Envie-nos um email e responderemos assim que possível.

Não legível? Alterar texto.

Pesquisar