Etiqueta: vacinas

A Emergência das Vacinas para a COVID-19 pode causar efeitos colaterais massivos

A Emergência das Vacinas para a COVID-19 pode causar efeitos colaterais massivos

vacinas COVID-19

RESUMO DA HISTÓRIA DAS VACINAS PARA A COVID-19

  • No início de Novembro de 2020, a Pfizer anunciou que sua vacina tinha uma eficácia de mais de 90%. Uma semana depois, a Moderna – que projectou a sua vacina em apenas dois dias – ostentava uma taxa de eficácia de 94,5%.
  • Os dados dos ensaios clínicos deixam de fora informações cruciais, como o limite dos ciclos usado para o teste de PCR, se os “casos” apresentaram sintomas ou não e quanto tempo o efeito protector da vacina dura.
  • Nenhum dos ensaios das vacinas de COVID-19, dos quais temos dados, foi criado para descobrir se a vacina reduz as taxas de hospitalização ou mortes. Eles apenas verificam se existe redução de sintomas e se os sujeitos foram infectados.
  • O número estimado necessário de indivíduos que que é necessário vacinar no caso da vacina da Moderna é de 167, o que significa que 167 pessoas devem receber a vacina para prevenir um caso de COVID-19.
  • O número estimado para a vacina da Pfizer é de 256.

Como as vacinas para a COVID-19 estão à beira da distribuição em massa, os meios de comunicação estão a debater ao rubro sobre quem deverá receber primeiro a vacina, e como ela será distribuída. A única coisa que eles não debatem, entretanto, é a definição de “eficaz”, quando se fala dessas mesmas vacinas.

No início de Novembro de 2020, as acções da Pfizer dispararam nos mercados bolsistas (1) quando anunciou que a sua vacina tinha uma eficácia superior a 90% (2). Uma semana depois, a Moderna – que concebeu a sua vacina em apenas dois dias (3) – ostentava uma taxa de eficácia de 94,5 % (4).

No entanto, se ler as notas de imprensa da Pfizer e da Moderna assim como outras informações provenientes de estudos clínicos, verá que eles deixaram de fora algumas informações verdadeiramente cruciais. Por exemplo: (5)

  • Eles não dizem quantos ciclos usaram para os testes de PCR que usaram para contar os casos de COVID-19, algo que é fundamental para determinar a precisão desses testes.
  • Eles não dizem se os “casos” tinham sintomas ou não.
  • Eles não mencionam nada sobre hospitalizações ou mortes, o que significa que não há nenhuma indicação de que a vacina impeça isso.
  • Não há nenhuma indicação sobre quanto tempo o efeito da vacina dura e se é realmente eficaz e protectora. Algumas indicações sugerem que pode ser necessário tomar a vacina a cada três a seis meses, para que ela seja eficaz.

Os Rácios de Probabilidades podem ser enganosos

Num artigo publicado pelo Mises Institute, o Dr. Gilbert Berdine, professor associado de medicina do Texas Tech University Health Sciences Center, escreve (6):

O estudo da Pfizer teve 43.538 participantes e foi analisado após 164 casos. Portanto, cerca de 150 dos 21.750 participantes (menos de 0,7%) tiveram testes PCR positivos no grupo de controle, e cerca de um décimo desse número no grupo vacinado tinha PCR positivo.

O ensaio Moderna teve 30.000 participantes. Houve 95 “casos” nos 15.000 participantes de controlo (cerca de 0,6%) e cinco “casos” nos 15.000 participantes vacinados (cerca de um vigésimo de 0,6%). Os números da “eficácia” citados nestes anúncios são rácios de probabilidade…

Quando os riscos de um evento são pequenos, as taxas de probabilidade sobre o risco absoluto podem ser enganosas. Uma medida mais significativa da eficácia seria o número [necessário] para vacinar por forma a evitar uma hospitalização ou uma morte. Esses números não estão disponíveis.

Uma estimativa do Número Necessário para Vacinar (NNV) a partir do ensaio da Moderna para prevenir um único “caso” seria de 15.000 vacinações para prevenir 90 “casos” ou 167 vacinações por “caso” evitado, o que não soa tão bem quanto 94,5% de eficácia.

Número necessário de inoculados com a vacina da Pfizer para prevenir 1 caso = 256

Numa carta ao editor, o Dr. Allan Cunningham, um pediatra reformado de Nova York, também evidencia que a classificação de eficácia de 90% da Pfizer falha em contar a história duma forma que as pessoas possam entender, e segue estimando o Número necessário de inoculados com a vacina da Pfizer para prevenir 1 caso. Ele escreve (7):

Dados específicos não são fornecidos, mas é fácil estimar os números envolvidos, com base nos 94 casos dum ensaio que envolveu cerca de 40.000 indivíduos: 8 casos num grupo de 20.000 vacinados e 86 casos em um grupo de placebo de 20.000.

Isso produz uma taxa de ataque de COVID-19 de 0,0004 no grupo vacinado e de 0,0043 no grupo placebo. Risco relativo (RR) para vacinação = 0,093, o que se traduz numa “eficácia da vacina” de 90,7% [100 (1-0,093)]. Isso parece impressionante, mas a redução do risco absoluto para um indivíduo é de apenas 0,4% (0,0043-0,0004 = 0,0039).

Número Necessário para Vacinar (NNV) = 256 (1 / 0,0039), o que significa que para prevenir apenas um caso de COVID-19, 256 indivíduos devem tomar a vacina; os outros 255 indivíduos não obtêm benefícios, mas estão sujeitos aos efeitos adversos da vacina, sejam eles quais forem e sempre que forem identificados.

Ainda permanecem questões importantes de segurança

De facto, quando se trata de segurança, é importante percebermos que, uma vez que apenas alguns milhares de voluntários saudáveis ​​verificados foram expostos à vacina real, os verdadeiros usuários “beta” serão as massas de pessoas que se chegarem à frente para tomar as vacinas, assim que estiverem disponíveis no mercado.

No seu artigo, Berdine enfatiza que ainda não encontrou um único colega médico que esteja disposto a ser um dos primeiros a tomar a vacina experimental. A maioria afirma que deseja rever os dados de segurança após um ano ou mais de uso, antes de considerar tomá-la.

“Esses colegas estão preocupados com os possíveis efeitos colaterais autoimunes que podem aparecer meses após a vacinação”, escreve Berdine. É importante notar que nenhum dos testes em curso inclui voluntários imunocomprometidos e, portanto, os efeitos dessas vacinas em pessoas com a função imunológica suprimida são totalmente desconhecidos.

Este é um problema significativo, visto que [nos EUA] cerca de 14,7 milhões a 23,5 milhões de americanos sofrem de alguma forma de doença autoimune (8) e essas pessoas também demonstram um risco aumentado de complicações de COVID-19 e morte.

Se a vacina agravar os problemas autoimunes, o resultado pode ser devastador para um número extraordinário de pessoas. Os voluntários atualmente inscritos nos ensaios são todos mais saudáveis ​​do que o americano médio, mas os efeitos colaterais parecem ser comuns, mesmo apenas nesse grupo de “elite”.

O que pode esperar da vacina para a COVID-19

Um artigo (9) de 20 de outubro de 2020 no Observer lista os efeitos colaterais conhecidos que surgiram nos vários testes. Calafrios, febre, dores no corpo e dor de cabeça são os mais comuns, mas pelo menos dois casos de mielite transversa – inflamação da medula espinhal – também ocorreram.

Até mesmo o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos alerta que os efeitos colaterais da vacina não são “pêra doce” (10) e Saad Omer, director do Instituto de Saúde Global de Yale, enfatizou a necessidade de uma ampla campanha de divulgação para discutir a realidade dos efeitos colaterais, visto que os pacientes podem não voltar para a segunda dose necessária se os efeitos colaterais os apanharem de surpresa (11).

O Dr. Eli Perencevich, professor de medicina interna e epidemiologia da University of Iowa Health Care, sugeriu que os trabalhadores essenciais deveriam ter três dias de licença remunerada após serem vacinados, pois muitos vão sentir-se mal e não estarão em condições para trabalhar (12).

Um artigo da CNBC de 1 de Dezembro de 2020 (13) que analisou a frequência das reacções adversas, notou que 10% a 15% dos participantes dos estudos da Pfizer e da Moderna relataram efeitos colaterais “significativamente perceptíveis”.

Escondida no final do artigo está a sugestão de um ex-membro do comité consultivo, que propõe que a nomenclatura de “reação adversa séria” seja alterada para “resposta imunológica”, para que eles possam reprogramar a forma como as pessoas olham para esses efeitos colaterais, mesmo até quando acabam por ter de ficar em casa sem poderem trabalhar por causa disso.

O artigo também admite que eles não têm ideia de quais as reacções a longo prazo que podem ocorrer, se existirem, o que significa (como já sabíamos) que este é uma grande experiência de saúde pública e, claro, qualquer coisa que aconteça pós-marketing irá ser rotulado de “coincidência”.

Numa notícia relacionada, um participante da Índia no ensaio da AstraZeneca está a processar a empresa, alegando que a vacina causou “graves danos neurológicos” (14), e um grupo de investigadores alertou que as vacinas COVID-19 podem aumentar potencialmente o risco de infecção pelo HIV (15). Depois existem as preocupações relativas à possibilidade da vacina para o COVID-19 alterar permanentemente o seu ADN, transformando-o, efectivamente, num transumano (16). Como pode ver, há muito para pensar antes de tomar esta vacina.

Precisamos realmente de uma vacina para a COVID-19?

Berdine também realça que a maioria dos seus colegas acredita que “as incertezas sobre a segurança excedem o que eles percepcionam ser um pequeno benefício” (17). De facto, neste ponto, uma série de dados sugere que a vacina para o COVID-19 pode ser completamente desnecessária. Por exemplo:

A mortalidade por COVID-19 é extremamente baixa fora dos lares de idosos – 99,7% das pessoas recuperam de COVID-19 (18). Se tem menos de 60 anos de idade, a probabilidade de morrer de gripe sazonal é maior do que a de morrer de COVID-19 (19).

Os dados mostram claramente que o COVID-19 não causou excesso de mortalidade, o que significa que o mesmo número de pessoas que morrem anualmente, em média, morreram neste ano de pandemia (20) (21). Isso é verdade mesmo entre os idosos, como evidenciado por um artigo da Universidade Johns Hopkins, publicado um pouco antes de 26 de Novembro de 2020, o Dia de Ação de Graças. De acordo com o artigo: (22)

As mortes de pessoas mais velhas permaneceram as mesmas antes e depois da COVID-19. Como a COVID-19 afecta principalmente os idosos, os especialistas esperavam um aumento na percentagem de mortes em grupos de idades avançadas. No entanto, esse aumento não é visto nos dados do Centro de Controlo de Doenças dos EUA. Na verdade, as percentagens de mortes em todas as faixas etárias permanecem relativamente as mesmas.

Assim que o artigo começou a virar tendência no Twitter, o Johns Hopkins apagou-o, com a justificação de que “estava a ser usado para apoiar falsas e perigosas imprecisões sobre o impacto da pandemia” (23).

vacina covid-19 PFIZER MODERNA
Percentagens de mortes total por faixa etária nos EUA de 02.01.2020 a 09.05.2020

Estudos (24) (25) (26) (27) (28) (29) (30) (31) sugerem que a imunidade contra a infecção por SARS-CoV-2 é mais disseminada do que o normal, graças à reatividade cruzada com outros coronavírus que causam as vulgares constipações.

É pouco provável que as pessoas assintomáticas propaguem o SARS-CoV-2 – Um estudo (32) que analisou dados de testes de PCR de quase 10 milhões de residentes na cidade de Wuhan, descobriu que nem um único daqueles que estiveram em contato próximo com um indivíduo assintomático (alguém que testou positivo mas não apresentou sintomas) foi infectado com o vírus. Em todos os casos, culturas de vírus de pessoas com teste positivo, mas sem sintomas, também deram resultado negativo para vírus vivo.

A vacina para a COVID-19 salvará vidas?

Peter Doshi, editor associado do British Medical Journal, também questiona a eficácia das vacinas COVID-19, apontando que os testes actuais não foram elaborados para nos dizerem se as vacinas realmente salvarão vidas. E, se não o fizerem, valem realmente os riscos envolvidos? Doshi escreve (33):

O que significa exactamente uma vacina ser declarada “eficaz”? Para o público, isso parece bastante óbvio. “O objectivo principal de uma vacina para o COVID-19 é o de evitar que as pessoas adoeçam e morram”, foi afirmado num programa da National Public Radio, sem rodeios…

No entanto, os testes actuais da fase III não foram realmente configurados para provar isso. Nenhum dos estudos em curso foi pensado para detectar uma redução em qualquer dimensão importante, como os internamentos hospitalares, uso de terapias intensivas ou mortes. Nem as vacinas estão a ser estudadas para determinar se podem interromper a transmissão do vírus.

Doshi destaca que, quando o Dr. Paul Offit foi questionado numa entrevista se um “evento” registado nesses estudos significava doença moderada a grave, ele respondeu que sim, “isso mesmo”. Mas isso não é, de facto, correcto. Todos os estudos de Fase 3 contam os sintomas leves, como tosse, como um “evento COVID-19” e todos darão por concluída a contagem após apenas 150 ou 160 dos voluntários desenvolverem COVID-19 sintomático – independentemente da gravidade.

“Parte da explicação pode estar nos números. A doença grave que requer internamento hospitalar, que ocorre em apenas uma pequena fracção dos casos de COVID-19 sintomáticos, seria improvável de ocorrer em números significativos nos ensaios.

Dados publicados pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos no final de Abril relataram uma taxa de hospitalização de casos sintomáticos de 3,4%, no geral, variando de 1,7% nos 0-49 anos, 4,5% nos 50-64 anos a 7,4% naqueles com 65 ou mais anos.

Como a maioria das pessoas com COVID-19 sintomático apresenta apenas sintomas leves, mesmo os ensaios envolvendo 30.000 ou mais pacientes revelariam relativamente poucos casos de doença grave”, escreve Doshi (34).

“As admissões hospitalares e mortes por COVID-19 são simplesmente muito raras na população em estudo para que uma vacina possa ser considerada eficaz e demonstradas diferenças estatisticamente significativas num ensaio com 30.000 pessoas.”

Esses testes também não nos dizem nada sobre a capacidade da vacina de prevenir a transmissão, pois isso exigiria o teste de voluntários duas vezes por semana durante longos períodos – uma estratégia que é “operacionalmente insustentável”, de acordo com Tal Zaks, director médico da Moderna (35).

Vacina para a COVID-19 coloca raros desafios de distribuição

Também foram levantadas questões sobre o potencial das vacinas COVID-19 se “estragarem” devido ao armazenamento impróprio. A vacina para o COVID-19 da Pfizer deve ser armazenada  numa temperatura fria nunca antes vista, mesmo para a Antártica – 70 graus Celsius negativos ou 94 graus Fahrenheit abaixo de zero. A da Moderna pode ser mantida a uma temperatura um pouco superior, a “apenas” menos 20 graus Celsius ou 4 abaixo de zero Fahrenheit. Ambas constituem um problema para os provedores que administrarão as injecções.

Para se ter uma ideia do motivo pelo qual as vacinas precisam de ser congeladas, a National Public Radio compara-as a chocolates que derretem facilmente (36). A razão pela qual as vacinas são tão frágeis é porque são feitas com RNA mensageiro (mRNA), que transforma as suas próprias células em pequenas fábricas que produzem a proteína SARS-CoV-2 e que, por sua vez, desencadeia a produção de anticorpos.

O problema é que o mRNA decompõe-se facilmente, pelo que então ele necessita das temperaturas de congelamento para se manter estável. A Pfizer disse que a sua embalagem especial mantém as vacinas congeladas com a ajuda de gelo seco. Mesmo assim, os provedores ainda terão que obedecer a directrizes rígidas, uma das quais diz que o compartimento do congelador que armazena as vacinas não pode ser aberto mais de duas vezes ao dia e que, quando aberto, deve ser fechado num minuto. Depois de descongelada, a vacina pode ser mantida refrigerada durante cinco dias.

Toda a situação torna a distribuição num desafio, pois a menor quantidade que pode adquirir são 975 doses. Isso significa que as vacinas provavelmente terão que ir para locais capazes de administrar um grande número de vacinas num curto período de tempo para evitar a deterioração. O que acontece se a vacina for manuseada incorretamente e se estragar? Ninguém sabe. Na melhor das hipóteses, pode ser ineficaz. Na pior das hipóteses, pode causar efeitos colaterais completamente inesperados.

A corrida ao ouro das vacinas e as indeminizações

O risco de efeitos colaterais é particularmente preocupante à luz do facto de que os fabricantes de vacinas são indemnizados por qualquer dano que ocorra com o uso de suas vacinas [nos EUA]. No vídeo acima, a Children’s Health Defense (CHD), fundada por Robert F. Kennedy Jr., destaca a corrida do ouro que ocorreu para as empresas farmacêuticas quando a Organização Mundial da Saúde declarou a gripe suína uma pandemia em 2009.

Várias vacinas experimentais foram levadas à pressas para o mercado após a declaração de pandemia da OMS, uma das quais resultou em milhares de crianças e adolescentes europeus desenvolvendo narcolepsia e cataplexia crónica (o colapso repentino devido à perda de controle muscular voluntário desencadeada por fortes emoções ou risos).

Em 2011, a vacina contra a gripe suína com adjuvante ASO3 Pandemrix (usada na Europa, mas não nos EUA durante 2009-2010) foi causalmente associada (37) à narcolepsia infantil, que disparou abruptamente em vários países (38) (39). Crianças e adolescentes na Finlândia (40), no Reino Unido (41) e na Suécia (42) foram os mais atingidos.

Análises posteriores também detectaram um aumento na narcolepsia entre adultos que receberam a vacina, embora a ligação não fosse tão óbvia quanto em crianças e adolescentes (43).

Um estudo de 2019 (44) relatou a descoberta de uma “nova associação entre a narcolepsia associada à Pandemrix e o gene não codificante de ARN GDNF-AS1” – um gene que se acredita regular a produção de factor neurotrófico derivado de linha celular glial ou GDNF, uma proteína que desempenha papel importante na sobrevivência neuronal.

Eles também confirmaram uma forte associação entre a narcolepsia induzida pela vacina e um certo haplótipo, sugerindo que “variações nos genes relacionados à imunidade e sobrevivência neuronal podem interagir para aumentar a suscetibilidade à narcolepsia induzida por Pandemrix em certos indivíduos.

Agora, no meio de outra pandemia polémica, estamos enfrentando um manual assustadoramente semelhante – com empresas farmacêuticas ansiosas para lucrar com a primeira vacina COVID-19, o que levanta a questão: “Estamos a ser enganados – de novo?”

Não é o primeiro embuste – a prática leva à perfeição

As pandemias vêm e vão ao redor do mundo há séculos, mas na história recente elas têm sido usadas como pontos de manipulação com os quais têm lucrado corporações, principalmente as farmacêuticas.

Preveu-se que a epidemia de gripe aviária de 2005, por exemplo, mataria de 2 a 150 milhões de pessoas. Matou apenas 98 pessoas, em todo o mundo, em 2005, 115 em 2006 e 86 em 2007 (45). Ninguém nos EUA morreu desta infecção. A ousadia da farsa levou-me a escrever o meu livro best-seller do New York Times, “O Grande Embuste da Gripe Aviária”.

Em 2006, 2007 e novamente em 2008, advertências exageradas sobre a gripe aviária foram repetidamente expostas como pouco mais do que uma farsa cruel, projetada para incutir medo e encher os bolsos da indústria e de vários indivíduos investidos nela. Em 2009, houve a farsa da gripe suína, cuja campanha de vacinação, conforme mencionado, acabou por se transformar num desastre.

O Verão de 2012 foi novamente repleto de previsões terríveis de uma mutação da gripe aviária, suficiente para causar uma pandemia humana, imediatamente seguida por pedidos urgentes de vacinas aceleradas. Nenhuma dessas pandemias jamais se transformou em assassinas globais, e o COVID-19 não é diferente. Como mencionado anteriormente, não há evidência de excesso de mortes devido a esse novo vírus.

A pandemia COVID-19 difere das anteriores, no entanto, por estar a ser usada não apenas para enriquecer as empresas farmacêuticas e justificar a existência de pesquisas de ganho de função, mas também para inaugurar um “reinício” de toda a economia global pelos tecnocratas. Embora a decadência das economias por todo o mundo seja atribuída à pandemia, o sistema de bancos centrais vacila já há algum tempo e agora está na sua derradeira etapa.

A carga da dívida global agora é tão alta que os países não conseguem nem mesmo pagar os juros e, portanto, o sistema não funciona mais. Ele precisa ser “redefinido”, mas em vez de abandonar o sistema de banco central e redefini-lo para algo estável (como retornar a um sistema lastreado em ouro), os tecnocratas no comando estão a introduzir uma moeda centralizada totalmente digital que dará a eles controle total sobre as finanças de cada ser humano na Terra.

Além do mais, a reinicialização económica é apenas uma parte dessa aquisição totalitária abrangente. A vacina para o COVID-19 encaixa-se no esquema, fornecendo uma desculpa para rastrear o paradeiro de todos e conectar esta vigilância médica com a economia digital. Pode aprender mais sobre isso neste vídeo “O Grande Reset Global”.

Sem responsabilidade pelos danos causados pela vacina

Conforme observado por Barbara Loe Fisher, co-fundadora do National Vaccine Information Center (NVIC), com base nas falhas históricas das vacinas anteriores contra o coronavírus, uma vacina para o COVID-19 acelerada poderá tornar-se num dos maiores desastres de saúde pública da história.

E nenhum dos envolvidos será responsabilizado ou sofrerá qualquer repercussão, assim como a GlaxoSmithKline não foi responsabilizada pelos casos de narcolepsia causados ​​pela Pandemrix. Em vez disso, todos continuarão a lucrar, enquanto um público desprevenido fará o teste beta de outra vacina potencialmente perigosa.

Mesmo que os efeitos colaterais graves sejam raros, quando se fala em vacinar cerca de 7 biliões de pessoas, mesmo uma pequena percentagem se traduzirá em milhões de pessoas afetadas.

Um dos vídeos mais poderosos que já vi

O vídeo a seguir, de Barbara Loe Fisher, é um dos vídeos mais poderosos que já vi. Tenho esperança de que assistir a este vídeo irá inspirá-lo a assumir esta causa e juntar-se à luta pela liberdade e independência das vacinas.

Há uma guerra cultural e conluio entre muitas indústrias e agências regulatórias que resultam na supressão da verdade sobre questões vitais de saúde importantes. Se essa supressão continuar, gradualmente e progressivamente vamos assistir à corrosão dos nossos direitos individuais que os nossos ancestrais tanto lutaram para conquistar. Por favor, dedique alguns minutos para assistir a este vídeo.

Proteja o Seu Direito ao Consentimento Informado e Defenda as Isenções de Vacinas

Com toda a incerteza em torno da segurança e eficácia das vacinas, é fundamental proteger o seu direito de fazer escolhas de saúde independentes e exercer o consentimento voluntário e informado para a vacinação. É urgente que todos se levantem e lutem para proteger e expandir as proteções de consentimento informado sobre vacinas nas leis de saúde pública e de emprego. A melhor forma de fazer isso é envolver-se pessoalmente com os legisladores e educar os líderes da sua comunidade.

Pense globalmente, aja localmente

É fundamental que TODOS se envolvam agora na defesa do direito legal de fazer escolhas voluntárias relativamente às vacinas, porque essas escolhas estão a ser ameaçadas por lobistas que representam empresas farmacêuticas, associações comerciais médicas e funcionários de saúde pública, que estão a tentar persuadir os legisladores a retirar todas as isenções de vacinas das leis de saúde pública.

Partilhe a sua história nos mídia e com as pessoas que conhece

Se você ou um membro da sua família tiverem sofrido uma reacção grave à vacina, ferimentos ou morte, fale sobre isso. Se não partilharmos informações e experiências uns com os outros, todos se sentirão sozinhos e com medo de falar. Escreva uma carta ao editor se você tiver uma perspectiva diferente sobre a história de uma vacina publicada no seu jornal local. Faça uma chamada para um programa de rádio ou TV que apresenta apenas um lado da história da vacina.

Tenho de ser franco consigo: precisa de corajem porque pode ser fortemente criticado por ousar falar sobre o “outro lado” da história da vacina. Esteja preparado para isso e tenha a coragem de não recuar. Somente ao partilhar a nossa perspectiva e o que sabemos ser verdade sobre a vacinação, a conversa pública sobre a vacinação poderá abrir-se para que as pessoas não tenham medo de falar sobre isso.

Não podemos permitir que as empresas farmacêuticas e associações comerciais médicas financiadas por empresas farmacêuticas ou funcionários de saúde pública que promovem o uso forçado de uma lista crescente de vacinas, dominem a conversa sobre vacinação.

Os danos causados pela vacinação não podem ser varridos para baixo do tapete e tratados como nada mais do que “danos colaterais estatisticamente aceitáveis” das políticas nacionais de vacinação obrigatória e única, que colocam muitas pessoas em risco de ferimentos e morte. Não deveríamos tratar as pessoas como cobaias em vez de seres humanos.

Referências

Axios November 9, 2020

NPR November 9, 2020

Business Insider November 26, 2020

NPR November 16, 2020

5, 6, 17 Mises Institute November 24, 2020

The BMJ Letter to the Editor November 13, 2020

Autoimmune Registry, Estimates of Prevalence

Observer October 20, 2020

10 The Hill November 24, 2020

11, 12 Kaiser Health News November 12, 2020

13 CNBC December 1, 2020

14 RT November 29, 2020

15 Forbes October 20, 2020

16 The Vaccine Reaction September 29, 2020

18, 19 Annals of Internal Medicine September 2, 2020 DOI: 10.7326/M20-5352

20 YouTube, SARS-CoV-2 and the rise of medical technocracy, Lee Merritt, MD, aprox 8 minutes in (Lie No. 1: Death Risk)

21 Technical Report June 2020 DOI: 10.13140/RG.2.24350.77125

22 Johns Hopkins Newsletter November 26, 2020 (Archived)

23 Twitter JHU News-Letter November 26, 2020

24 Cell June 25, 2020; 181(7): 1489-1501.E15

25 Wall Street Journal June 12, 2020 (Archived)

26 Nature Immunology September 30, 2020 DOI: 10.1038/s41590-020-00808-x

27 The Lancet Microbe September 4, 2020 DOI: 10.1016/S2666-5247(20)30114-2

28 UPI September 4, 2020

29 Nature July 15, 2020; 584: 457-462

30 Daily Mail June 12, 2020

31 Science Times June 12, 2020

32 Nature Communications November 20, 2020; 11 Article number 5917

33, 34, 35 The BMJ 2020;371:m4037

36 NPR November 17, 2020

37, 42 Eurosurveillance June 30, 2011; 16(26)

38 European Centre for Disease Prevention and Control September 20, 2012

39, 43 CIDRAP January 30, 2013

40 PLoS One. 2012;7(3):e33536

41 BMJ 2013;346:f794

44 EBioMedicine. 2019 Feb; 40: 595–604

45 AIER March 22, 2020

Traduzido do Artigo original: http://video.greenmedinfo.com/blog/emergency-covid-19-vaccines-may-cause-massive-side-effects

A vacina contra a gripe é totalmente ineficaz por causa da forma como é fabricada, revela um novo estudo

A vacina contra a gripe é totalmente ineficaz por causa da forma como é fabricada, revela um novo estudo

vacina da gripe

Um novo e inovador estudo publicado por investigadores do The Scripps Research Institute (TSRI) na Flórida, determinou que a forma como as vacinas contra a influenza são feitas, praticamente desde o início, é essencialmente imperfeita e o resultado final torna as vacinas contra a gripe em grande parte ineficazes.

Isso tem a ver com a forma como os fabricantes das vacinas usam os ovos de galinha como incubadoras para o crescimento dos vírus sazonais da gripe, uma prática que por si só é controversa pelo facto de que o uso de embriões de frango nas vacinas foi associado às alergias a ovos.

Pelo menos nos últimos 70 anos, os fabricantes das vacinas têm injectado vírus da gripe em ovos de galinha, de modo a permitir-lhes terem tempo para se replicarem. Depois desta replicação estar terminada, o fluido é drenado dos ovos e o vírus é extraído – os próprios ovos funcionam como um ambiente de crescimento artificial onde os vírus da gripe florescem.

Mas, de acordo com as descobertas deste novo estudo, que foram publicadas na revista de acesso livre PLOS Pathogens, os ovos de galinha realmente acabam por introduzir perturbações nas principais zonas-alvo dos anticorpos nas superfícies dos vírus da gripe, fazendo com que eles se tornem menos eficazes posteriormente quando são injectados nos corpos humanos.

“Agora podemos explicar – ao nível atómico – porque é que a produção de vacinas à base de ovos causa problemas”, afirmou Nicholas Wu, Ph.D., um dos principais autores do estudo. [enfase adicionado]

A forma como as vacinas são produzidas em massa faz com que elas adquiram mutações, tornando-as inúteis.

Para o estudo, Wu e seus colegas testaram a progressão do vírus da gripe H3N2 à medida que incubava nos ovos de galinha. O H3N2, afinal, é um dos vários subtipos de gripe que se tornou mais prevalente e virulento, razão pela qual tipicamente acaba nas vacinas contra a gripe ano após ano.

Usando uma técnica de imagem de alta resolução conhecida como cristalografia de raios-X, para examinar mais de perto o H3N2, a equipa descobriu que uma proteína chave no vírus muda tanto durante a incubação em ovos de galinha que já não funciona para o emparelhamento em seres humanos. Na realidade, o resultado final é que as células das aves, ao invés das células humanas, acabam por estar melhor ajustadas.

Esta mutação é descrita no estudo como L194P, e ocorre na glicoproteína da hemaglutinina H3N2, também conhecida como HA. Afirmam que interrompe completamente a região da proteína que o sistema imunológico humano pode reconhecer, tornando-a completamente ineficaz em termos prácticos.

Para que uma vacina contra a gripe (ou qualquer outra vacina no que a isto diz respeito) seja considerada eficaz, ela deve activar continuamente uma resposta imune dentro do corpo e que resulta na criação de anticorpos para combater o virus real. Mas a mutação H3N2 que resulta dos procedimentos convencionais de incubação durante a produção da vacina deixa o vírus impotente, por assim dizer.

“Qualquer vírus da gripe produzido em ovos tem de se adaptar ao crescimento nesse ambiente e, portanto, gerar mutações para crescer melhor”, admitiu Ian Wilson, um professor da Universidade de Hansen de biologia estrutural na TSRI, e o principal autor do estudo.

Para além disso, seu colega Wu pediu aos produtores das vacinas para “olharem para essa mutação” e trabalharem numa solução. Ele e os seus colegas afirmaram que outros métodos de produção de vacinas que as tornam mais eficazes “estão agora a serem usados e explorados”.

“Há uma grande necessidade de investigação das vacinas contra a gripe”, afirmou Wu.

A ineficácia das vacinas contra a gripe não é novidade, é claro. A Natural News tem feito soar o alarme sobre a fraude das vacinas contra a gripe desde há anos, destacando ainda que as pessoas correm um grande risco cada vez que concordam em ter seus órgãos injectados com vacinas contra a gripe que, além de vírus ineficazes, geralmente contêm mercúrio (timerosal), alumínio e vários outros aditivos auxiliares que são tóxicos.

As fontes deste artigo incluem:

ScienceDaily.com

TheRefusers.com

NaturalNews.com

Fonte: https://www.naturalnews.com/2017-11-02-scientific-proof-flu-vaccine-found-to-be-completely-ineffective-because-of-how-it-is-made-new-study-finds.html

O New York Times confirma que a papeira propaga-se principalmente entre as crianças vacinadas

O New York Times confirma que a papeira propaga-se principalmente entre as crianças vacinadas

papeira

O New York Times [NYT] está agora a confirmar o que a Natural News tem dito insistentemente sobre a verdadeira causa dos surtos de papeira nos EUA. Num artigo explosivo intitulado “a papeira regressa, mesmo entre os vacinados”, o NYT admite que as crianças vacinadas estão a propagar a papeira. Pelo NYT:

A maioria dos casos recentes ocorreram em surtos, incluindo um de grandes dimensões no Arkansas, em vez dos habituais casos episódicos. A maioria dos surtos ocorreu em pessoas com idades compreendidas entre 18 e 22 anos, a maioria das quais tinha as duas doses necessárias de vacina contra papeira na infância. “Estamos verificar isto numa população jovem e altamente vacinada”, afirmou o Dr. Routh.

O New York Times em 2017 confirma o que a Natural News tem reportado desde há uma década

O Natural News, é claro, advertiu repetidamente que os surtos de papeira ocorrem predominantemente entre crianças que foram vacinadas contra a papeira, provando assim que as vacinas contra a papeira não funcionam. Essa validação está totalmente alinhada com a surpreendente descoberta científica divulgada na semana passada que resolveu o enigma do porquê das vacinas contra a gripe também não funcionarem.

No início deste ano, a Natural News antecipou-se ao NYT com o artigo: “Surtos de papeira relatados entre as crianças vacinadas… Será que é a vacina que está a causar surtos?”

Mesmo antes disso, o Natural News promoveu um jornalismo baseado na verdade sobre o tema das vacinas, com todos os artigos seguintes que explicaram aquilo que o New York Times apenas descobriu agora… que as vacinas de papeira não funcionam. Algumas das histórias que publicamos na última década incluem:

Estupidez da papeira: após as vacinas falharem em evitar de surtos de papeira, jornalistas em morte cerebral pedem uma TERCEIRA rodada de injeções… Não tarda pedem uma quarta!
Surto de sarampo provavelmente causado por crianças vacinadas, ciência prova.
85% das vítimas do surto do sarampo já receberam vacinas.
Estrela de futebol contrai papeira após ser vacinado com a vacina fraudulenta da tríplice viral da Merck.
Surto de papeira propaga-se entre as pessoas que se vacinaram contra a papeira.
40 pessoas que contraem papeira em Harvard colocadas de quarentena… todas foram vacinadas… vacinas contra papeira têm por base uma fraude científica.

Mais uma vez, as notícias que lêm no Natural News desde há cinco ou dez anos são a notícia de hoje no New York Times. (Se quiser estar 5 ou 10 anos à frente, leia o Natural News diariamente).

Quando a primeira vacina não funciona, tente um segundo ou terceiro reforço, os charlatões das vacinas insistem

Pateticamente (e previsivelmente), o New York Times promove o mesmo e antigo charlatão que a indústria de vacinas historicamente invocou para tentar encobrir o facto de que os seus produtos foram aprovados apenas tendo por base a fraude científica sistemática (veja abaixo os detalhes).

Essencialmente, todos eles afirmam que a forma de impedir que as pessoas vacinadas de propagarem a papeira é vaciná-las vez após vez com a mesma vacina que não funcionou à primeira.

Pelo NYT:

A Dra. Patricia Quinlisk, directora médica e epidemiologista estadual do Departamento de Saúde Pública de Iowa, lidou com um surto na Universidade de Iowa e na área envolvente de 2015 a 2016 com mais de 450 casos de papeira. Os estudantes envolvidos levaram todos a vacina da tríplice viral [M.M.R.] na sua infância, afirmou ela, conforme exigido pela universidade, e a decisão foi tomada de ter uma série de clínicas que disponibilizaram uma terceira dose da vacina.

Na realidade, quando a primeira rodada de engodo das vacinas da papeira não funciona, a resposta da indústria corrupta e inepta das vacinas é insistir com a segunda, terceira e pouco depois até uma quarta vacina de papeira. Isso, dizem-nos, magicamente as fará funcionar se nós injectarmos as suficientes.

As vacinas da papeira, por outras palavras, criam o seu próprio modelo de negócio ao não funcionarem repetidamente. Isto seria o equivalente na indústria automóvel a um revendedor de automóveis que lhe vende um carro antigo que se começa a desfazer ao começar a andar na estrada, alegar que precisa de comprar um segundo ou um terceiro veículo para “reforçar” o primeiro carro que comprou, porque esse primeiro carro era lixo. Em nenhuma outra indústria, a propósito, as pessoas são tão frequentemente pressionadas para comprarem e consumirem produtos com falhas baseadas em vigarices tão óbvias e pseudo-ciência.

Lembre-se, também, de que toda a ideia de imunização é a de que, uma vez que seu corpo esteja exposto ao vírus, ele constrói anticorpos para o resto da vida. Mas, numa tentativa de explicar o porquê das vacinas contra a papeira não funcionarem, a indústria das vacinas fabricou um novo conceito que tem por base a ficçãototal: a ideia de que as vacinas “se desgastam” e precisam de ser repetidas vezes sem conta para garantir que elas “pegam”. Este pressuposto anti-científico é, obviamente, vendido com o único propósito de serem vendidas mais vacinas mesmo quando elas realmente não funcionam conforme reivindicado.

Este é o verdadeiro motivo pelo qual as vacinas contra papeira não funcionam

A verdadeira razão pela qual as pessoas vacinadas continuam a propagar a papeira é, claro, porque a vacina contra papeira é uma fraude total. Este facto foi abertamente admitido por dois virologistas que trabalharam para a Merck, um dos maiores fabricantes da vacina da tríplice viral [MMR].

Conforme detalhado no artigo da Natural News, “a fraude da vacina da Merck exposta por dois virologistas da mesma; Os resultados da eficácia da vacina de papeira são falsificados há mais de uma década, afirma acção judicial”:

De acordo com dois cientistas da Merck que apresentaram uma queixa por publicidade enganosa em 2010 – uma queixa que acabou de ver revogado o segredo de justiça – o fabricante de vacinas Merck falsificou conscientemente os dados do teste da vacina de papeira, infundiu amostras de sangue com anticorpos animais, vendeu uma vacina que realmente propagou a papeira, surtos de sarampo e roubou governos e consumidores que compraram a vacina pensando que era “95% eficaz”.

O documento em PDF detalhando esta queixa sobre publicidade enganos foi publicado aqui.

Do artigo da Natural News:

De acordo com Stephen Krahling e Joan Wlochowski, ambos ex-virologistas da Merck, a empresa Merck comportou-se, conscientemente, da seguinte forma:

• A Merck conscientemente falsificou os resultados dos testes da vacina de papeira para fabricar uma “taxa de eficácia de 95%”.
• Para fazer isso, a Merck adicionou aos testes de sangue anticorpos animais para inflaccionar artificialmente o aparecimento de anticorpos no sistema imunológico. Conforme relatado pelo CourthouseNews.com:

A Merck também adicionou anticorpos animais a amostras de sangue para obter resultados de testes mais favoráveis, embora soubesse que o sistema imunológico humano nunca produziria tais anticorpos e que os anticorpos criavam um cenário de teste em laboratório que “de forma alguma corresponderia, correlacionava-se com ou seria representativo de uma situação real… a neutralização de vírus em pessoas vacinadas”, de acordo com a queixa.

• A Merck então usou os resultados falsificados do teste para defraudar o governo dos EUA em “centenas de milhões de dólares por uma vacina que não oferece a imunização adequada”.
• A fraude da vacina da Merck realmente contribuiu para a propagação da papeira por toda a América, fazendo com que mais crianças fossem infectadas com papeira. (O quê, a sério? Isto é o que a NaturalNews tem relatado desde há anos… que as vacinas são realmente fabricadas para criar os surtos, porque isso é óptimo para a redundância do modelo de negócio!)
• A
Merck usou as suas falsas reivindicações de “eficácia de 95%” para monopolizar o mercado das vacinas e eliminar a possivel concorrência.
• A fraude da vacina da Merck vem acontecendo desde o final da década de 1990, dizem os virologistas da Merck.
• O teste da vacina da Merck nunca foi feito contra o
vírus da papeira do “mundo real” e no estado natural. Em vez disso, os resultados do teste foram simplesmente falsificados para alcançarem o resultado desejado.
• Toda esta fraude ocorreu “com o conhecimento, a autoridade e a aprovação da administração sénior da Merck”.
• Os cientistas da Merck “testemunharam em primeira mão os testes inadequados e a falsificação de dados em que a Merck se comprometeu a inflaccionar artificialmente as descobertas sobre a eficácia da vacina”, de acordo com documentos judiciais (veja abaixo).

Após a revelação desta queixa por publicidade enganosa, a clínica Chatom Primary Care, com sede no Alabama, antecipou que algo não estava bem. Há três dias atrás, a Chatom abriu um processo-crime contra a Merck. O registo da acção está disponível aqui.

Alega, entre outras coisas chocantes:

[Merck participou]… num esquema que dura há uma década para falsificar e deturpar a verdadeira eficácia da sua vacina.

A Merck representou fraudulentamente e continua a indicar falsamente na sua rotulagem e noutros lugares, que a vacina de eficácia superior a 95%.

Na realidade, a Merck conhece e tomou medidas conscientes para ocultar – usando técnicas de teste impróprias e falsificando dados de testes – que a vacina da papeira é, e tem sido desde pelo menos 1999, muito menos do que 95% eficaz.

A Merck projectou uma metodologia de teste que avaliou a sua vacina contra uma cepa menos virulenta do vírus da papeira. Depois dos resultados não terem produzido a eficácia desejada pela Merck, a mesma abandonou a metodologia e ocultou as descobertas do estudo.

…incorporando o uso de anticorpos animais para inflaccionar artificialmente os resultados…
…destruindo evidências dos dados falsificados e ter mentido a um investigador da FDA [Agência Reguladora dos Fármacos e Alimentos nos EUA]…
…ameaçou um virologista da divisão de vacinas da Merck com prisão se ele relatasse a fraude à FDA …
…as principais vítimas são as milhões de crianças que todos os anos estão a ser injetadas com uma
vacina contra papeira que não lhes proporciona um nível adequado de protecção. E, embora esta seja uma doença que, de acordo com o Centros de Controle de Doenças (CDC), devesse agora estar erradicada, a falha na vacina da Merck permitiu que essa doença continuasse a existir e com surtos significativos que continuam a ocorrer.

A Chatom Primary Care também alega que a vacina fraudulenta da Merck contribuiu para o surto de papeira de 2006 no Centro-Oeste e para um surto de 2009 noutro lugar. Eles afirmam:

“Permanece um risco significativo de ressurgimento de surtos de papeira…”

Fonte: https://www.naturalnews.com/2017-11-06-new-york-times-confirms-natural-news-investigation-mumps-now-spread-by-vaccinated-children.html

Debate sobre Vacinação ~ 5 de Novembro ~ Sintra

Debate sobre Vacinação ~ 5 de Novembro ~ Sintra

Um convite para um debate amigável para falar sobre vacinação.

Um debate em círculo com moderador e convidado. Com base em informação científica, faremos um debate deste tema tão controverso, não para criar um consenso, mas para dar espaço a cada um para ouvir outras informações e opiniões.

A decisão informada e consciente cabe a cada um e deve ser respeitada, encorajada e defendida.

Reservas (inscrições limitadas a 30 Px): geral@infovacinas.com

debate sobre vacinação

As Nações Unidas admitem que o último surto de poliomielite na Síria foi causado pelas vacinas contra a poliomielite

As Nações Unidas admitem que o último surto de poliomielite na Síria foi causado pelas vacinas contra a poliomielite

síria poliomelite

Na Síria devastada pela guerra, existem poucas dúvidas de que o conflito teve um impacto na saúde. Agora, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) relata que a tentativa de usar as vacinas para “proteger” as crianças contra a pólio fez ricochete – infectando mais crianças com a doença devastadora em vez de as salvar.

As vacinas fazem as crianças adoecer não diria?

Como Elizabeth Hoff, a representante da Organização Mundial de Saúde informa:

“Até 18 de Agosto de 2017, 33 crianças com menos de cinco anos ficaram paralisadas. A detecção dos casos de vírus da pólio de derivados da vacina circulante tipo 2 (cVDPV2) demonstra que os sistemas de vigilância de doenças estão funcionais na Síria. A nossa prioridade agora é alcançar a cobertura de imunização de poliomielite mais alta possível para impedir a circulação de vírus”.

Trinta e três crianças paralisadas pela vacina que deveria protegê-las – e a resposta da ONU é a de apenas distribuir ainda mais vacinas? Infelizmente, isso é o pão nosso de cada dia. Obviamente, um mau medicamento nunca é o problema – simplesmente não existem maus medicamentos que cheguem, e este é o estado das coisas.

Fran Equiza, um representante da UNICEF, comentou:

“Nenhuma criança deve ter que viver com os efeitos devastadores da poliomielite”.

E, no entanto, esse é o segundo surto de poliomielite que atingiu a Síria desde que o conflito começou em 2011.

No início deste Verão, a NPR [rádio pública nacional dos EUA] reportou esse mesmo fenómeno, em que as cepas mutantes da vacina contra a poliomielite causaram mais paralisias do que a poliomielite selvagem. Poderá realmente acontecer que uma versão do vírus, alterada em laboratório, é mais perigosa do que aquela que existe na natureza? Absolutamente.

Como Jason Beaubien relata, desde Junho de 2017, surgiram mais casos de paralisia infantil causados pela vacina contra a poliomielite do que a própria doença real, contraída no estado selvagem. Até à publicação deste artigo, apenas seis casos de poliomielite “selvagem”, que ocorre naturalmente no meio ambiente, foram relatados por todo o mundo. Por outro lado, 21 casos de pólio derivada de vacina foram relatados internacionalmente em Junho.

Obviamente, na Síria, esse número disparou nos últimos dois meses – 33 crianças, somente na Síria, ficaram paralisadas pela pólio derivada das vacinas.

Raul Andino, professor de microbiologia na Universidade da Califórnia em San Francisco, explica:

“Descobrimos que existem apenas algumas [mutações] que devem acontecer, e acontecem bastante rapidamente no primeiro mês ou dois após a vacinação. À medida que o vírus começa a circular na comunidade, ele adquire novas mutações que o tornam basicamente indistinguível do vírus do tipo selvagem. É a poliomielite em termos de virulência e em termos de propagação do vírus”.

A pesquisa de Andino também mostra que o vírus da poliomielite utilizado na vacina replicar-se-á dentro dos intestinos dos hospedeiros humanos. Em locais com saneamento deficiente, isso geralmente significa que tem mais probabilidades de se propagar de pessoa para pessoa com relativa facilidade. Os locais onde o conflito e a guerra dizimaram os sistemas de cuidados de saúde são conhecidos por serem focos de epidemias.

Não será surpresa (infelizmente) que a Síria, cansada da guerra, deverá ter ainda mais casos de poliomielite nos próximos meses. Michael Zaffran, director do programa de erradicação da poliomielite na Organização Mundial da Saúde, afirma:

“Na Síria, podem ocorrer mais casos”. Zaffran acrescenta que a OMS está ciente do risco que advém da inoculação com o vírus vivo na vacina contra a poliomielite e diz que é “um contratempo lamentável para as crianças pobres que ficaram paralisadas, é claro. Mas no que diz respeito à iniciativa como um todo, sabemos que não é algo inesperado”.

Ele acrescentou que, embora a paralisia das crianças seja uma infeliz ocorrência, “na perspectiva da saúde pública, os benefícios superam em muito o risco.” Acha que isso irá confortar as crianças e as suas famílias enquanto lutam com os efeitos secundários da pólio derivada da vacina?

[Relacionado: Saiba mais sobre os riscos de inoculação em Vaccines.news]

As fontes deste artigo incluem:

UNICEF.org.hk

UN.org

NPR.org

Estudo Piloto entre Crianças Vacinadas Precocemente Vs Não Vacinadas Denota o Aumento Exponencial de Doenças e Transtornos Crónicos

Estudo Piloto entre Crianças Vacinadas Precocemente Vs Não Vacinadas Denota o Aumento Exponencial de Doenças e Transtornos Crónicos

Estudo comparativo entre  crianças vacinadas e não vacinadas. Este estudo inovador foi imediatamente retraído por razões políticas. Leia a nossa actualização sobre isso aqui.

O progresso no sentido da vacinação obrigatória já não é uma teoria da conspiração. O projecto de lei 277 do Senado da Califórnia despertou as famílias para uma realidade onde o consentimento informado e a liberdade em matéria de saúde não se aplicam.

Actualmente, o povo americano enfrenta 173 projectos de lei relacionados com as vacinas em 40 estados diferentes. A linguagem de muitas das novas leis visa aumentar o rastreamento, identificar as famílias que não vacinam, forçar os calendários de vacinação e perseguir ainda mais as famílias que optam por não dar as vacinas. Os produtos privados de empresas farmacêuticas com fins lucrativos e legalmente protegidas. Os meios de comunicação corporativos e as indústrias médicas têm exercido a sua plena influência por detrás da mensagem de transparência e segurança das grandes farmacêuticas. Ao mesmo tempo, ambas as indústrias estão simultaneamente a censurar as discussões sobre a fraude, os perigos, os danos crescentes e o comportamento criminoso inerente à indústria das vacinas e daqueles que pressionam no sentido da vacinação obrigatória. Um ponto central da disputa e de violação de direitos humanos é o facto de que, historicamente, nenhum estudo comparativo sério tinha sido feito entre as populações vacinadas versus não vacinadas. No entanto, esse estudo já existe agora.

O Estudo

Tendo trabalhado no estudo ao longo de 15 anos, desde a sua concepção original à conclusão, o Dr. Anthony Mawson e os seus co-autores viram agora o seu trabalho publicado no Journal of Translational Science. O estudo, intitula-se “estudo piloto comparativo na saúde entre crianças vacinadas e crianças não vacinadas dos 6 aos 12 anos de idade nos EUA”. [1] Uma vez que os efeitos sobre a saúde a longo prazo, do calendário de vacinação actual, não foram estudados, o Dr. Mawson e os seus co-autores foram então comparar as crianças vacinadas e não vacinadas através de uma ampla gama de resultados de saúde. O estudo foi concebido como um estudo transversal de mães  e das suas crianças biológicas vacinadas e não vacinadas com idades entre os 6 e os 12 anos de idade, em regime de ensino doméstico. Incluiu mães de 666 crianças que vão desde as totalmente vacinadas, parcialmente vacinadas e não vacinadas. As mães foram convidadas a indicar, numa lista de mais de 40 doenças agudas e crónicas, todas aquelas que nos seus filhos tinham sido diagnosticadas por um médico, entre outras questões.

Os Resultados

As crianças vacinadas tinham significativamente mais probabilidade, do ​​que as não vacinadas, de lhes ser diagnosticada: rinite alérgica, outras alergias, eczema / dermatite atópica, uma deficiência de aprendizagem, distúrbios do espectro do autismo, qualquer distúrbio do desenvolvimento neurológico e doença crónica.

O que se segue é a enumeração dos resultados específicos para as crianças vacinadas:

  • Os Transtornos do Espectro do Autismo (ASD) eram 4,7 vezes superiores em crianças vacinadas;
  • O risco de Transtorno de Défice de Atenção e Hiperactividade era 4,7 vezes maior;
  • O risco de incapacidades de aprendizagem era 3,7 vezes maior;
  • As crianças vacinadas do estudo tinham 3,7 vezes mais probabilidades de serem diagnosticadas com algum tipo de distúrbio do sistema neurológico;
  • O parto prematuro e a vacinação foram associados a probabilidades aumentadas de 6,6 vezes de distúrbios do sistema neurológico;
  • As crianças vacinadas também estavam significativamente mais propensas a serem diagnosticadas com um distúrbio imunológico. O risco de rinite alérgica (vulgarmente conhecida como a febre do feno) era 30 vezes maior em crianças vacinadas, enquanto o risco de outras alergias foi aumentado 3,9 vezes, e o risco de eczema aumentava 2,4 vezes.

Crianças Vacinadas e Não Vacinadas

A Conclusão

Dado o clima global nos dias que correm, conforme descrito na introdução deste artigo, o estudo destacou três conclusões extremamente notáveis, ​​que são:

“…a força e a consistência das descobertas, a aparente relação “dose-resposta “entre o estado de vacinação e várias formas de doenças crónicas, e a associação significativa entre a vacinação e os distúrbios do sistema neurológico, suportam a possibilidade de que algum aspecto do actual programa de vacinação possa ter contribuindo para os riscos de mortalidade infantil”.

“A vacinação também permaneceu significativamente associada aos distúrbios do desenvolvimento neurológico após estarem controlados outros factores…”

“…o parto prematuro associado à vacinação estava associado a um aparente aumento sinergético das probabilidades de distúrbios do desenvolvimento neurológico, mais elevados do que na vacinação isolada”.

Embora todas as três conclusões possam, e ressoem profundamente por entre as massas de profissionais de saúde e pais, a terceira conclusão do estudo é particularmente oportuna e relevante para além da sua asserção declarada. Ao longo do último ano, numerosos denunciantes médicos e trabalhos de investigação científica têm alertado e evidenciado que as lesões estão a ocorrer, devido às vacinações de rotina, em prematuros nas unidades de cuidados intensivos neonatais hospitalares. As enfermeiras denunciantes Michelle Rowton James e Joanne [apelido não disponível] destacaram publicamente como as lesões desumanas e comuns das vacinas administradas nas unidades de cuidados intensivos neonatais hospitalares, têm raízes na cultura médica do estabelecimento. Entretanto, três grandes estudos [2],[3],[4] corroboram os relatos das enfermeiras delatoras. Em Abril de 2017, o Instituto para o Conhecimento Puro e Aplicado (IPAK) emitiu uma declaração a pedir que todos os americanos se juntassem a eles no seu apelo à proibição da vacinação de crianças nas unidades de cuidados intensivos neonatais hospitalares. Falando sobre o apelo à acção, o Dr. James Lyons-Weiler, PhD, CEO e Diretor do IPAK, declarou:

“Pedimos à comunidade biomédica que produzisse estudos que mostrassem os efeitos negativos das vacinas sobre os recém-nascidos, e eles não os produziram”.

Actualmente, está a ocorrer um choque entre o dogma do tipo religioso, da vacinação, e os segmentos cada vez mais conscientes das comunidades públicas, de pesquisa e médica. Na corda bamba está a oportunidade de uma discussão verdadeiramente aberta sobre as vacinas e uma rara oportunidade de reformar uma comunidade médica dominada pelas farmacêuticas, e totalmente sem rumo. Tendo em conta a tendência actual, as consequências de não aproveitarmos a oportunidade para termos um diálogo aberto, parece levar-nos por um caminho de actos médicos obrigatórios e censura sobre o aumento exponencial dos danos humanos e da mortalidade. Simplificando, a batalha agora ao rubro entre a abertura e a transparência versus a protecção, por meio da omissão e da censura aberta, do modelo de negócios das grandes farmacêuticas e da necessidade de expansão a todo custo.

Referências:

[1] Anthony R Mawson, Brian D Ray, Azad R Bhuiyan, Binu Jacob (2017) Pilot comparative study on the health of vaccinated and unvaccinated 6- to 12- year old U.S children, Journal of Translational Science, DOI: 10.15761/JTS.1000186

[2] Sen S, Cloete Y, Hassan K, Buss P (2001) Adverse events following vaccination in premature infants, Acta Paediatrica, Aug;90(8):916-20.

[3] J  Bonhoeffer, C‐A Siegrist, and P T Heath (2006), Immunisation of premature infants, Archives of Disease in Childhood, Nov; 91(11): 929–935. DOI: 10.1136/adc.2005.086306

[4] Stephen D. DeMeo, Sudha R. Raman, Christoph P. Hornik, Catherine C. Wilson, Reese Clark, and P. Brian Smith, (2015), Adverse Events After Routine Immunization of Extremely Low Birth Weight Infants, JAMA Pediatrics, 2015 Aug 1; 169(8): 740–745. DOI: 10.1001/jamapediatrics.2015.0418

As Convicções Anti-Vacinação de Gandhi soam a Verdade, quase Um Século Depois

As Convicções Anti-Vacinação de Gandhi soam a Verdade, quase Um Século Depois

Gandhi e as Vacinas. Há quase um século, Gandhi publicou um livro onde ele desconstruía os perigos e a falta de eficácia das vacinas e as agendas que as motivavam. As suas palavras ressoam como verdadeiras, agora mais do que nunca.

O tópico das vacinas na internet tem sido tema de controvérsia. Não só Gandhi assumiu o que muitos hoje consideram ser uma posição “anti-vacinas” extremista, como também alguns têm questionado se ele alguma vez fez essa declaração ou semelhantes.

gandhi e as vacinas
“A vacinação é uma prática bárbara, e é uma das mais fatais de todas as ilusões actuais do nosso tempo”. “Aqueles que são objectores conscienciosos à vacinação devem, se necessário, ficarem isolados contra o mundo inteiro, em defesa da sua convicção”. Mahatma Gandhi

A verdade é que esta citação apenas arranha a superfície da crítica mordaz que Gandhi fez sobre os perigos, ineficácia e malfeitorias associadas às campanhas de vacinação no seu tempo. Gandhi, é claro, é o mais célebre anti-imperialista da história, tendo quase sozinho desencadeado o movimento da independência da Índia do domínio colonial britânico. Ele era extremamente sensível às formas ocidentais de controlo e opressão, e pôde aplicar seu intelecto à forma pela qual o estabelecimento médico ocidental estava a forçar milhões de índianos a sucumbir à prática insalubre da vacina contra a varíola e a praga.

guia da saúde gandhi
guia da saúde gandhi

Leia / Faça o download do livro inteiro aqui

Os capítulos relevantes do seu livro Um Guia para a Saúde são republicados abaixo, mas resumimos alguns dos pontos-chave que ele aborda para que você possa ter uma noção rápida de como as suas visões sobre o tópico são notavelmente relevantes ainda hoje, e talvez atraí-lo para ler todo o capítulo depois.

Pontos chave:

  • A natureza de doenças como a varíola tem sido mal entendida. Embora a varíola tenha uma componente contagiosa, os indivíduos vacinados podem ser infectados e os indivíduos não vacinados permanecem imunes, refutando a teoria original de Jenner de que a vacinação é equivalente à imunidade de boa-fé.
  • A vacinação é uma prática não-sanitária. Ao injectar a “sujeira” de uma vaca e de um paciente com varíola doente no corpo de um indivíduo saudável inevitavelmente torna-os mais doentes, possivelmente produzindo novas infecções, resultando numa maior carga de doença.
  • A via de administração da vacina – a injecção — abriga perigos especiais versus exposições naturais (orais) à infecção.
  • O medo da doença leva as pessoas a vacinar contra o senso comum e a racionalidade.
  • A vacinação é antiética e imoral devido à forma como a vacina é produzida (através do grande sofrimento de animais envenenados)
  • A renda gerada através da vacinação é a principal razão pela qual a profissão médica não deseja identificar os problemas acima mencionados de segurança e eficácia.
  • Os objectores de consciência devem estar dispostos a resistir com coragem e enfrentam perseguições e penalidades.
  • Aqueles que se opõem por razões médicas devem aspirar ao domínio do assunto de tal forma que eles serão capazes de conquistar os outros na sua perspectiva.
  • O saneamento, higiene, ar fresco, água e alimentos limpos são essenciais para prevenir a infecção e / ou ajudar os infectados a recuperarem-se.

Sinta-se livre para partilhar nosso artigo com algumas das citações mais destacadas de Gandhi sobre os problemas com a vacinologia:

guia da saúde gandhi
“A vacinação é uma prática bárbara, e é uma das mais fatais de todas as ilusões actuais do nosso tempo”. “A vacina é uma substância imunda, e é tolice esperar que um tipo de sujeira possa ser removido por outra”. “Aqueles que são objectores conscienciosos à vacinação devem, se necessário, ficarem isolados contra o mundo inteiro, em defesa da sua convicção”. Mahatma Gandhi – Citações do seu Livro “Um Guia para a Saúde”, publicado em 1921.

Abaixo está o capítulo completo onde Gandhi revela as suas visões sobre a vacinação em detalhe.

UM GUIA PARA A SAÚDE

Por Mahatma Gandhi

Capítulo VI

DOENÇAS CONTAGIOSAS: VARÍOLA

Agora vamos discutir sobre lidar com o tratamento de doenças contagiosas. Eles têm uma origem comum mas, uma vez que a varíola é, de longe, a mais importante, dedicaremos um capítulo separado para ela, lidando com o restante noutro capítulo. Todos temos um medo terrível da varíola, e temos noções muito grosseiras sobre isso. Nós, na Índia, até o adoramos como uma divindade. Na verdade é causada, assim como outras doenças, pelo sangue ficando impuro devido a algum distúrbio das entranhas. E o veneno que se acumula no sistema é expelido sob a forma de varíola. Se esta visão for correta, então não há absolutamente nenhuma necessidade de ter medo de varíola. Se fosse realmente uma doença contagiosa, todos deveriam pegá-la apenas tocando o paciente. Mas esse nem sempre é o caso. Portanto, não causa realmente nenhum dano tocar o paciente, desde que tomemos algumas precauções essenciais ao fazê-lo. Não podemos, é claro, afirmar que a varíola nunca é transmitida pelo tacto, pois aqueles que estão fisicamente numa condição favorável à sua transmissão, vão fazê-lo. É por isso que, numa localidade onde a varíola surgiu, muitas pessoas são atacadas por ela ao mesmo tempo. Isso deu origem à superstição de que é uma doença contagiosa e, portanto, à tentativa de induzir o povo a acreditar que a vacinação é um meio eficaz de a prevenir. O processo de vacinação consiste em injectar na pele o líquido que é obtido aplicando a descarga do corpo de um paciente de varíola para o úbere de uma vaca. A teoria original era que uma única vacinação bastaria para manter um homem imune a esta doença para o resto da sua vida. Mas, quando se descobriu que mesmo as pessoas vacinadas foram atacadas pela doença, surgiu uma nova teoria: a vacinação deve ser renovada após um certo período, e hoje tornou-se a regra para todas as pessoas – já vacinadas ou Não – de se vacinarem sempre que a varíola enfurece como uma epidemia em qualquer localidade, de modo que não é incomum encontrar pessoas que foram vacinadas cinco ou seis vezes, ou até mais.

A vacinação é uma prática bárbara, e é uma das mais fatais de todas as ilusões actuais do nosso tempo, e não se encontra mesmo entre as chamadas raças selvagens do mundo. Os seus partidários não se contentam com a sua adopção por aqueles que não têm objecção a ela, mas procuram impô-la com o auxílio de leis penais e castigos rigorosos a todas as pessoas igualmente. A prática da vacinação não é muito antiga, datada apenas desde a partir de 1798 dC mas, durante este período comparativamente curto que se passou, milhões ficaram prisioneiros da ilusão de que aqueles que se vacinam estão a salvo da varíola. Ninguém pode dizer que a varíola irá necessariamente atacar aqueles que não foram vacinados. Em muitos casos foram observadas populações não vacinadas que estão livres de seu ataque. Pelo facto de que algumas pessoas que não estão vacinadas recebem a doença não podemos, é claro, concluir que elas teriam ficado imunes se tivessem sido vacinadas.

Para além disso, a vacinação é um processo muito sujo, pois o soro que é introduzido no corpo humano inclui não só o da vaca, mas também do doente real da varíola. Um homem comum vomitava mesmo simplesmente observando essas coisas. Se a mão lhe tocar, poderá sempre ser lavada com sabão. A mera sugestão de prová-lo enche-nos de indignação e nojo. Mas como são poucos os que se vacinam que percebem que eles estão a comer esse material imundo! A maioria das pessoas sabe que, em várias doenças, medicamentos e alimentos líquidos são injetados no sangue, e que são assimilados no sistema mais rapidamente do que se fossem tomados pela boca. A única diferença, de facto, entre a injecção e o processo ordinário de comer pela boca é que a assimilação no primeiro caso é instantânea, enquanto que na segunda é lenta. E, no entanto, não nos recusamos a vacinarmos! Como bem se disse, os covardes morrem de morte viva, e a nossa mania de vacinação é unicamente devido ao medo da morte ou da desfiguração pela varíola.

Também não posso deixar de sentir que a vacinação é uma violação dos ditames da religião e da moralidade. Até o beber do sangue de animais mortos é olhado com horror mesmo pelos comedores de carne habituais. No entanto, o que é vacinação senão a absorção do sangue envenenado de um animal vivo e inocente? Era melhor para os homens temerosos de Deus que eles fossem mil vezes vítimas da varíola e até mesmo morrerem uma morte terrível do que serem culpados de tal sacrilégio.

Vários dos homens mais atenciosos da Inglaterra investigaram laboriosamente os múltiplos males da vacinação, e também foi formada uma Sociedade Anti-Vacinação. Os membros desta sociedade declararam uma guerra aberta contra a vacinação, e muitos até foram presos por essa causa. As suas objecções à vacinação são resumidamente as seguintes:

(1) A preparação da vacina do úbere de vacas ou bezerros implica um sofrimento incalculável em milhares de criaturas inocentes, e isso não pode ser justificado por quaisquer ganhos resultantes da vacinação.

(2) A vacinação, em vez de fazer o bem, causa um prejuízo considerável, dando origem a muitas doenças novas. Mesmo os seus defensores não podem negar que, após a sua introdução, muitas novas doenças têm vindo a surgir.

(3) A vacina que é preparada a partir do sangue de um paciente com varíola é susceptível de conter e transmitir os germes de todas as várias doenças das quais ele pode estar a padecer.

(4) Não há garantia de que a varíola não ataque os vacinados. Dr. Jenner, o inventor da vacinação, originalmente supôs que imunidade perfeita poderia ser assegurado por uma única injecção num único braço. Mas quando se descobriu que falhava, foi afirmado que a vacinação em ambos os braços serviria o propósito. E quando mesmo isso se revelou ineficaz, chegou-se a considerar que ambos os braços deveriam ser vacinados em mais do que um lugar e que também deveria ser renovado uma vez em cada sete anos. Finalmente, o período de imunidade foi ainda reduzido para três anos! Tudo isso mostra claramente que os próprios médicos não têm opiniões definidas sobre o assunto. A verdade é que, como já dissemos, não há como dizer que a varíola não ataca os vacinados, ou que todos os casos de imunidade devem ser devidos à vacinação.

(5) A vacina é uma substância imunda, e é tolice esperar que um tipo de sujeira possa ser removido por outra.

Por estes e outros argumentos similares, esta sociedade já produziu um grande volume de opinião pública contra a vacinação. Numa determinada cidade, por exemplo, uma grande proporção das pessoas recusam-se a ser vacinadas, e ainda as estatísticas provam que estão singularmente livres de doenças. O facto da questão é que é somente o interesse próprio dos médicos que se interpõe no caminho da abolição desta prática desumana, porque o medo de perder os grandes rendimentos que actualmente derivam desta fonte cega  para os incontáveis ​​males que ela traz. Há, entretanto, alguns doutores que reconhecem estes males, e que são oponentes determinados da vacinação.

Aqueles que são objectores conscienciosos à vacinação devem, naturalmente, ter a coragem de enfrentar todas as penas ou perseguições a que possam ser sujeitos por lei e, se necessário, ficarem isolados contra o mundo inteiro, em defesa da sua convicção. Aqueles que se opõem a ela meramente por razões de saúde devem adquirir um domínio completo do assunto e devem ser capazes de convencer os outros sobre a correcção dos seus pontos de vista e convertê-los a adoptar esses pontos de vista na prática. Mas aqueles que não têm opiniões definitivas sobre o assunto nem coragem suficiente para defenderem as suas convicções devem, sem dúvida, obedecer às leis do Estado e moldarem a sua conduta em deferência às opiniões e prácticas do mundo à sua volta.

Aqueles que se opõem à vacinação devem observar com mais rigor as leis da saúde já explicadas, pois a estrita observância dessas leis assegura no sistema aquelas forças vitais que contrapõem todos os germes da doença e é, portanto, a melhor proteção contra a varíola e outras doenças. Se, ao mesmo tempo que se opõem à introdução da vacina venenosa no sistema se renderem ao veneno ainda mais fatal da sensualidade, perderão sem dúvida o seu direito de pedir ao mundo que aceite as suas opiniões sobre o assunto.

Quando a varíola realmente apareceu, o melhor tratamento é o das “folhas molhadas”, que deve ser aplicado três vezes por dia. Alivia a febre e as feridas cicatrizam rapidamente. Não há necessidade de aplicar óleos ou pomadas nas feridas. Se possível, um cataplasma de lama deve ser aplicado em um ou dois lugares. A dieta deve consistir em arroz, frutas frescas leves, e todas as frutas ricas como tâmaras e amêndoa ser evitadas. Normalmente as feridas devem começar a cicatrizar sob a “as folhas molhadas” em menos de uma semana. Se não o fizerem, significa que o veneno no sistema não foi completamente expulso. Em vez de considerar a varíola como uma doença terrível, devemos considerá-la como um dos melhores expedientes da Natureza para se livrar do veneno acumulado no corpo e restaurar a saúde normal.

Após um ataque de varíola o paciente permanece fraco por algum tempo e, em alguns casos, o mesmo sofre de outras doenças. Mas isso não se deve à própria varíola, mas aos remédios errados que são empregues [Pg 112] para a curar. Assim, o uso de quinina na febre frequentemente resulta em surdez e até leva à forma extrema conhecida como quininismo. Assim também, o emprego de mercúrio em doenças venéreas leva a muitas novas formas de doença. Então, novamente, o uso frequente de purgantes na constipação traz novos lotes de doenças. O único sistema sensato de tratamento é aquele que tenta remover as causas de raiz da doença por uma estrita observância das leis fundamentais da saúde. Mesmo os dispendiosos Bhasmas, que são supostos remédios infalíveis para tais doenças são, de facto, altamente prejudiciais. Pois, embora pareçam fazer algum bem, excitam as paixões malignas e, finalmente, arruínam a saúde.

Depois das vesículas no corpo darem lugar a crostas o azeite deve ser constantemente aplicado e o paciente banhado todos os dias. Posteriormente, as crostas rapidamente caem, e até mesmo as marcas logo desaparecem e a pele recupera a sua cor normal e frescor.

Capítulo VII

OUTRAS DOENÇAS CONTAGIOSAS

Não tememos a varíola tanto quanto sua irmã mais velha, já que não é tão fatal, e não causa desfiguração e coisas do género. É, no entanto, exactamente o mesmo que a varíola noutros aspectos e, portanto, deve ser tratada da mesma forma.

A peste bubónica é uma doença terrível, e tem causado a morte de milhões de pessoas desde o ano de 1896, quando ele fez verdadeiramente a sua entrada na nossa terra. Os médicos, apesar de todas as suas investigações, ainda não foram capazes de inventar um remédio seguro para ela. Hoje em dia a prática da inoculação entrou em voga, e a crença ganhou terreno de que um ataque de peste pode ser evitado por ela. Mas a inoculação para a praga é tão má e tão pecaminosa como a vacinação para a varíola. Embora nenhum remédio seguro tenha sido planeado para esta doença, nós aventuramo-nos sugerir o seguinte tratamento para aqueles que têm a fé cheia na providência, e que não estão receosos da morte.

(1) O “tratamento das folhas molhadas” deve ser aplicado logo que os primeiros sintomas de febre surjam.

(2) Um cataplasma de argila grosso deve ser aplicado ao bubão.

(3) O doente deve ficar completamente em jejum e com fome.

(4) Se ele sentir sede a ele deve ser dado sumo de limão em água fria.

(5) Ele deve estar ao ar livre.

(6) Não deve haver mais do que um auxiliar ao lado do paciente.

Podemos confiantemente afirmar que, se a peste (página 114) pode ser curada por qualquer tratamento, ela poderá ser curada com este.

Embora a origem exacta e as causas da peste ainda sejam desconhecidas, é indubitável que os ratos têm algo a ver com a sua comunicação. Devemos, portanto, tomar todas as precauções, numa área infectada pela peste para evitar a aproximação de ratos às nossas habitações e se não nos pudermos livrar deles devemos desocupar a casa.

O melhor remédio para prevenir um ataque de peste é, naturalmente, seguir estritamente as leis da saúde, viver ao ar livre, comer alimentos saudáveis ​​e com moderação, fazer bons exercícios, manter a casa limpa e limpa para evitar todos os maus hábitos e, em suma, levar uma vida de absoluta simplicidade e pureza. Mesmo em tempos normais a nossa vida deve ser assim mas, em tempos de peste e de outras epidemias, devemos ser duplamente cuidadosos.

A praga pneumónica é uma forma ainda mais perigosa desta doença. O seu ataque é súbito e quase invariavelmente fatal. O paciente tem febre muito alta, sente extrema dificuldade em respirar e, na maioria dos casos, fica inconsciente. Esta forma de praga despoletou em Joanesburgo em 1904 e, como já foi dito, apenas um homem escapou vivo dos 23 que foram atacados. O tratamento para esta doença é exactamente o mesmo que o da Peste Bubónica, com a diferença de que o cataplasma deve ser aplicado neste caso a ambos os lados do tórax. Se não houver tempo para fazer o “tratamento das folhas molhadas”, um fino cataplasma de lama deve ser aplicado à cabeça. Escusado será dizer, aqui como em outros casos, que a prevenção é melhor do que remediar.

2. Parte II, cap. IV

Estamos terrivelmente temerosos da cólera como de peste mas, na verdade, é muito menos fatal. No entanto, o “tratamento das folhas molhadas” não tem qualquer efeito, mas o cataplasma de lama deve ser aplicado no estômago e, quando há uma sensação de formigamento, a parte afectada deve ser aquecida com uma garrafa cheia de água morna . Os pés devem ser esfregados com óleo de mostarda e o paciente deve ficar em jejum e com fome. Cuidados devem ser tidos para que ele não se assuste. Se os movimentos são muito frequentes o paciente não deve ser retirado repetidamente da cama, mas um vaso plano raso deve ser colocado por baixo para receber as fezes. Se estas precauções são tomadas no devido tempo não haverão razões para ter medo. Esta doença geralmente começa na estação quente, quando geralmente comemos todos os tipos de frutas não maduras e mais maduras em quantidades desmesuradas  para além do nosso alimento comum. Também a água que bebemos durante esta estação é muitas vezes suja, e como a quantidade que existe nos poços e tanques é pequena e não nos damos nenhum trabalho para a ferver ou filtrar. Então, novamente, as fezes dos pacientes são permitidas [Pg 116] ficarem expostas, os germes da doença são comunicados através do ar. Na verdade, quando consideramos a pouca atenção que damos a esses factos e princípios mais elementares, podemos apenas ficar surpresos por não sermos mais atacados por essas terríveis doenças.

Durante a prevalência da cólera devemos comer alimentos leves com moderação. Devemos respirar bastante ar fresco e a água que nós bebemos deve sempre ser fervida completamente e filtrada com uma parte grossa e limpa de pano. As fezes do paciente devem ser cobertas com uma espessa camada de terra. De facto, mesmo em tempos normais, devemos invariavelmente cobrir as fezes com cinzas ou terra solta. Se o fizermos, haverão muito menos perigo de propagação da doença. Mesmo os animais inferiores como o gato tomam esta precaução, mas somos piores do que eles no que a isto este respeito.

Deveria também ser completamente impresso nas mentes das pessoas que sofrem de doenças contagiosas, bem como nas pessoas ao seu redor que eles, em nenhuma circunstância, devem entrar em pânico, pois o medo sempre paralisa os nervos e aumenta o perigo de fatalidade.

 Escrtito por: Sayer Ji,