Etiqueta: estudos de segurança da vacina covid-19

A Emergência das Vacinas para a COVID-19 pode causar efeitos colaterais massivos

A Emergência das Vacinas para a COVID-19 pode causar efeitos colaterais massivos

vacinas COVID-19

RESUMO DA HISTÓRIA DAS VACINAS PARA A COVID-19

  • No início de Novembro de 2020, a Pfizer anunciou que sua vacina tinha uma eficácia de mais de 90%. Uma semana depois, a Moderna – que projectou a sua vacina em apenas dois dias – ostentava uma taxa de eficácia de 94,5%.
  • Os dados dos ensaios clínicos deixam de fora informações cruciais, como o limite dos ciclos usado para o teste de PCR, se os “casos” apresentaram sintomas ou não e quanto tempo o efeito protector da vacina dura.
  • Nenhum dos ensaios das vacinas de COVID-19, dos quais temos dados, foi criado para descobrir se a vacina reduz as taxas de hospitalização ou mortes. Eles apenas verificam se existe redução de sintomas e se os sujeitos foram infectados.
  • O número estimado necessário de indivíduos que que é necessário vacinar no caso da vacina da Moderna é de 167, o que significa que 167 pessoas devem receber a vacina para prevenir um caso de COVID-19.
  • O número estimado para a vacina da Pfizer é de 256.

Como as vacinas para a COVID-19 estão à beira da distribuição em massa, os meios de comunicação estão a debater ao rubro sobre quem deverá receber primeiro a vacina, e como ela será distribuída. A única coisa que eles não debatem, entretanto, é a definição de “eficaz”, quando se fala dessas mesmas vacinas.

No início de Novembro de 2020, as acções da Pfizer dispararam nos mercados bolsistas (1) quando anunciou que a sua vacina tinha uma eficácia superior a 90% (2). Uma semana depois, a Moderna – que concebeu a sua vacina em apenas dois dias (3) – ostentava uma taxa de eficácia de 94,5 % (4).

No entanto, se ler as notas de imprensa da Pfizer e da Moderna assim como outras informações provenientes de estudos clínicos, verá que eles deixaram de fora algumas informações verdadeiramente cruciais. Por exemplo: (5)

  • Eles não dizem quantos ciclos usaram para os testes de PCR que usaram para contar os casos de COVID-19, algo que é fundamental para determinar a precisão desses testes.
  • Eles não dizem se os “casos” tinham sintomas ou não.
  • Eles não mencionam nada sobre hospitalizações ou mortes, o que significa que não há nenhuma indicação de que a vacina impeça isso.
  • Não há nenhuma indicação sobre quanto tempo o efeito da vacina dura e se é realmente eficaz e protectora. Algumas indicações sugerem que pode ser necessário tomar a vacina a cada três a seis meses, para que ela seja eficaz.

Os Rácios de Probabilidades podem ser enganosos

Num artigo publicado pelo Mises Institute, o Dr. Gilbert Berdine, professor associado de medicina do Texas Tech University Health Sciences Center, escreve (6):

O estudo da Pfizer teve 43.538 participantes e foi analisado após 164 casos. Portanto, cerca de 150 dos 21.750 participantes (menos de 0,7%) tiveram testes PCR positivos no grupo de controle, e cerca de um décimo desse número no grupo vacinado tinha PCR positivo.

O ensaio Moderna teve 30.000 participantes. Houve 95 “casos” nos 15.000 participantes de controlo (cerca de 0,6%) e cinco “casos” nos 15.000 participantes vacinados (cerca de um vigésimo de 0,6%). Os números da “eficácia” citados nestes anúncios são rácios de probabilidade…

Quando os riscos de um evento são pequenos, as taxas de probabilidade sobre o risco absoluto podem ser enganosas. Uma medida mais significativa da eficácia seria o número [necessário] para vacinar por forma a evitar uma hospitalização ou uma morte. Esses números não estão disponíveis.

Uma estimativa do Número Necessário para Vacinar (NNV) a partir do ensaio da Moderna para prevenir um único “caso” seria de 15.000 vacinações para prevenir 90 “casos” ou 167 vacinações por “caso” evitado, o que não soa tão bem quanto 94,5% de eficácia.

Número necessário de inoculados com a vacina da Pfizer para prevenir 1 caso = 256

Numa carta ao editor, o Dr. Allan Cunningham, um pediatra reformado de Nova York, também evidencia que a classificação de eficácia de 90% da Pfizer falha em contar a história duma forma que as pessoas possam entender, e segue estimando o Número necessário de inoculados com a vacina da Pfizer para prevenir 1 caso. Ele escreve (7):

Dados específicos não são fornecidos, mas é fácil estimar os números envolvidos, com base nos 94 casos dum ensaio que envolveu cerca de 40.000 indivíduos: 8 casos num grupo de 20.000 vacinados e 86 casos em um grupo de placebo de 20.000.

Isso produz uma taxa de ataque de COVID-19 de 0,0004 no grupo vacinado e de 0,0043 no grupo placebo. Risco relativo (RR) para vacinação = 0,093, o que se traduz numa “eficácia da vacina” de 90,7% [100 (1-0,093)]. Isso parece impressionante, mas a redução do risco absoluto para um indivíduo é de apenas 0,4% (0,0043-0,0004 = 0,0039).

Número Necessário para Vacinar (NNV) = 256 (1 / 0,0039), o que significa que para prevenir apenas um caso de COVID-19, 256 indivíduos devem tomar a vacina; os outros 255 indivíduos não obtêm benefícios, mas estão sujeitos aos efeitos adversos da vacina, sejam eles quais forem e sempre que forem identificados.

Ainda permanecem questões importantes de segurança

De facto, quando se trata de segurança, é importante percebermos que, uma vez que apenas alguns milhares de voluntários saudáveis ​​verificados foram expostos à vacina real, os verdadeiros usuários “beta” serão as massas de pessoas que se chegarem à frente para tomar as vacinas, assim que estiverem disponíveis no mercado.

No seu artigo, Berdine enfatiza que ainda não encontrou um único colega médico que esteja disposto a ser um dos primeiros a tomar a vacina experimental. A maioria afirma que deseja rever os dados de segurança após um ano ou mais de uso, antes de considerar tomá-la.

“Esses colegas estão preocupados com os possíveis efeitos colaterais autoimunes que podem aparecer meses após a vacinação”, escreve Berdine. É importante notar que nenhum dos testes em curso inclui voluntários imunocomprometidos e, portanto, os efeitos dessas vacinas em pessoas com a função imunológica suprimida são totalmente desconhecidos.

Este é um problema significativo, visto que [nos EUA] cerca de 14,7 milhões a 23,5 milhões de americanos sofrem de alguma forma de doença autoimune (8) e essas pessoas também demonstram um risco aumentado de complicações de COVID-19 e morte.

Se a vacina agravar os problemas autoimunes, o resultado pode ser devastador para um número extraordinário de pessoas. Os voluntários atualmente inscritos nos ensaios são todos mais saudáveis ​​do que o americano médio, mas os efeitos colaterais parecem ser comuns, mesmo apenas nesse grupo de “elite”.

O que pode esperar da vacina para a COVID-19

Um artigo (9) de 20 de outubro de 2020 no Observer lista os efeitos colaterais conhecidos que surgiram nos vários testes. Calafrios, febre, dores no corpo e dor de cabeça são os mais comuns, mas pelo menos dois casos de mielite transversa – inflamação da medula espinhal – também ocorreram.

Até mesmo o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos alerta que os efeitos colaterais da vacina não são “pêra doce” (10) e Saad Omer, director do Instituto de Saúde Global de Yale, enfatizou a necessidade de uma ampla campanha de divulgação para discutir a realidade dos efeitos colaterais, visto que os pacientes podem não voltar para a segunda dose necessária se os efeitos colaterais os apanharem de surpresa (11).

O Dr. Eli Perencevich, professor de medicina interna e epidemiologia da University of Iowa Health Care, sugeriu que os trabalhadores essenciais deveriam ter três dias de licença remunerada após serem vacinados, pois muitos vão sentir-se mal e não estarão em condições para trabalhar (12).

Um artigo da CNBC de 1 de Dezembro de 2020 (13) que analisou a frequência das reacções adversas, notou que 10% a 15% dos participantes dos estudos da Pfizer e da Moderna relataram efeitos colaterais “significativamente perceptíveis”.

Escondida no final do artigo está a sugestão de um ex-membro do comité consultivo, que propõe que a nomenclatura de “reação adversa séria” seja alterada para “resposta imunológica”, para que eles possam reprogramar a forma como as pessoas olham para esses efeitos colaterais, mesmo até quando acabam por ter de ficar em casa sem poderem trabalhar por causa disso.

O artigo também admite que eles não têm ideia de quais as reacções a longo prazo que podem ocorrer, se existirem, o que significa (como já sabíamos) que este é uma grande experiência de saúde pública e, claro, qualquer coisa que aconteça pós-marketing irá ser rotulado de “coincidência”.

Numa notícia relacionada, um participante da Índia no ensaio da AstraZeneca está a processar a empresa, alegando que a vacina causou “graves danos neurológicos” (14), e um grupo de investigadores alertou que as vacinas COVID-19 podem aumentar potencialmente o risco de infecção pelo HIV (15). Depois existem as preocupações relativas à possibilidade da vacina para o COVID-19 alterar permanentemente o seu ADN, transformando-o, efectivamente, num transumano (16). Como pode ver, há muito para pensar antes de tomar esta vacina.

Precisamos realmente de uma vacina para a COVID-19?

Berdine também realça que a maioria dos seus colegas acredita que “as incertezas sobre a segurança excedem o que eles percepcionam ser um pequeno benefício” (17). De facto, neste ponto, uma série de dados sugere que a vacina para o COVID-19 pode ser completamente desnecessária. Por exemplo:

A mortalidade por COVID-19 é extremamente baixa fora dos lares de idosos – 99,7% das pessoas recuperam de COVID-19 (18). Se tem menos de 60 anos de idade, a probabilidade de morrer de gripe sazonal é maior do que a de morrer de COVID-19 (19).

Os dados mostram claramente que o COVID-19 não causou excesso de mortalidade, o que significa que o mesmo número de pessoas que morrem anualmente, em média, morreram neste ano de pandemia (20) (21). Isso é verdade mesmo entre os idosos, como evidenciado por um artigo da Universidade Johns Hopkins, publicado um pouco antes de 26 de Novembro de 2020, o Dia de Ação de Graças. De acordo com o artigo: (22)

As mortes de pessoas mais velhas permaneceram as mesmas antes e depois da COVID-19. Como a COVID-19 afecta principalmente os idosos, os especialistas esperavam um aumento na percentagem de mortes em grupos de idades avançadas. No entanto, esse aumento não é visto nos dados do Centro de Controlo de Doenças dos EUA. Na verdade, as percentagens de mortes em todas as faixas etárias permanecem relativamente as mesmas.

Assim que o artigo começou a virar tendência no Twitter, o Johns Hopkins apagou-o, com a justificação de que “estava a ser usado para apoiar falsas e perigosas imprecisões sobre o impacto da pandemia” (23).

vacina covid-19 PFIZER MODERNA
Percentagens de mortes total por faixa etária nos EUA de 02.01.2020 a 09.05.2020

Estudos (24) (25) (26) (27) (28) (29) (30) (31) sugerem que a imunidade contra a infecção por SARS-CoV-2 é mais disseminada do que o normal, graças à reatividade cruzada com outros coronavírus que causam as vulgares constipações.

É pouco provável que as pessoas assintomáticas propaguem o SARS-CoV-2 – Um estudo (32) que analisou dados de testes de PCR de quase 10 milhões de residentes na cidade de Wuhan, descobriu que nem um único daqueles que estiveram em contato próximo com um indivíduo assintomático (alguém que testou positivo mas não apresentou sintomas) foi infectado com o vírus. Em todos os casos, culturas de vírus de pessoas com teste positivo, mas sem sintomas, também deram resultado negativo para vírus vivo.

A vacina para a COVID-19 salvará vidas?

Peter Doshi, editor associado do British Medical Journal, também questiona a eficácia das vacinas COVID-19, apontando que os testes actuais não foram elaborados para nos dizerem se as vacinas realmente salvarão vidas. E, se não o fizerem, valem realmente os riscos envolvidos? Doshi escreve (33):

O que significa exactamente uma vacina ser declarada “eficaz”? Para o público, isso parece bastante óbvio. “O objectivo principal de uma vacina para o COVID-19 é o de evitar que as pessoas adoeçam e morram”, foi afirmado num programa da National Public Radio, sem rodeios…

No entanto, os testes actuais da fase III não foram realmente configurados para provar isso. Nenhum dos estudos em curso foi pensado para detectar uma redução em qualquer dimensão importante, como os internamentos hospitalares, uso de terapias intensivas ou mortes. Nem as vacinas estão a ser estudadas para determinar se podem interromper a transmissão do vírus.

Doshi destaca que, quando o Dr. Paul Offit foi questionado numa entrevista se um “evento” registado nesses estudos significava doença moderada a grave, ele respondeu que sim, “isso mesmo”. Mas isso não é, de facto, correcto. Todos os estudos de Fase 3 contam os sintomas leves, como tosse, como um “evento COVID-19” e todos darão por concluída a contagem após apenas 150 ou 160 dos voluntários desenvolverem COVID-19 sintomático – independentemente da gravidade.

“Parte da explicação pode estar nos números. A doença grave que requer internamento hospitalar, que ocorre em apenas uma pequena fracção dos casos de COVID-19 sintomáticos, seria improvável de ocorrer em números significativos nos ensaios.

Dados publicados pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos no final de Abril relataram uma taxa de hospitalização de casos sintomáticos de 3,4%, no geral, variando de 1,7% nos 0-49 anos, 4,5% nos 50-64 anos a 7,4% naqueles com 65 ou mais anos.

Como a maioria das pessoas com COVID-19 sintomático apresenta apenas sintomas leves, mesmo os ensaios envolvendo 30.000 ou mais pacientes revelariam relativamente poucos casos de doença grave”, escreve Doshi (34).

“As admissões hospitalares e mortes por COVID-19 são simplesmente muito raras na população em estudo para que uma vacina possa ser considerada eficaz e demonstradas diferenças estatisticamente significativas num ensaio com 30.000 pessoas.”

Esses testes também não nos dizem nada sobre a capacidade da vacina de prevenir a transmissão, pois isso exigiria o teste de voluntários duas vezes por semana durante longos períodos – uma estratégia que é “operacionalmente insustentável”, de acordo com Tal Zaks, director médico da Moderna (35).

Vacina para a COVID-19 coloca raros desafios de distribuição

Também foram levantadas questões sobre o potencial das vacinas COVID-19 se “estragarem” devido ao armazenamento impróprio. A vacina para o COVID-19 da Pfizer deve ser armazenada  numa temperatura fria nunca antes vista, mesmo para a Antártica – 70 graus Celsius negativos ou 94 graus Fahrenheit abaixo de zero. A da Moderna pode ser mantida a uma temperatura um pouco superior, a “apenas” menos 20 graus Celsius ou 4 abaixo de zero Fahrenheit. Ambas constituem um problema para os provedores que administrarão as injecções.

Para se ter uma ideia do motivo pelo qual as vacinas precisam de ser congeladas, a National Public Radio compara-as a chocolates que derretem facilmente (36). A razão pela qual as vacinas são tão frágeis é porque são feitas com RNA mensageiro (mRNA), que transforma as suas próprias células em pequenas fábricas que produzem a proteína SARS-CoV-2 e que, por sua vez, desencadeia a produção de anticorpos.

O problema é que o mRNA decompõe-se facilmente, pelo que então ele necessita das temperaturas de congelamento para se manter estável. A Pfizer disse que a sua embalagem especial mantém as vacinas congeladas com a ajuda de gelo seco. Mesmo assim, os provedores ainda terão que obedecer a directrizes rígidas, uma das quais diz que o compartimento do congelador que armazena as vacinas não pode ser aberto mais de duas vezes ao dia e que, quando aberto, deve ser fechado num minuto. Depois de descongelada, a vacina pode ser mantida refrigerada durante cinco dias.

Toda a situação torna a distribuição num desafio, pois a menor quantidade que pode adquirir são 975 doses. Isso significa que as vacinas provavelmente terão que ir para locais capazes de administrar um grande número de vacinas num curto período de tempo para evitar a deterioração. O que acontece se a vacina for manuseada incorretamente e se estragar? Ninguém sabe. Na melhor das hipóteses, pode ser ineficaz. Na pior das hipóteses, pode causar efeitos colaterais completamente inesperados.

A corrida ao ouro das vacinas e as indeminizações

O risco de efeitos colaterais é particularmente preocupante à luz do facto de que os fabricantes de vacinas são indemnizados por qualquer dano que ocorra com o uso de suas vacinas [nos EUA]. No vídeo acima, a Children’s Health Defense (CHD), fundada por Robert F. Kennedy Jr., destaca a corrida do ouro que ocorreu para as empresas farmacêuticas quando a Organização Mundial da Saúde declarou a gripe suína uma pandemia em 2009.

Várias vacinas experimentais foram levadas à pressas para o mercado após a declaração de pandemia da OMS, uma das quais resultou em milhares de crianças e adolescentes europeus desenvolvendo narcolepsia e cataplexia crónica (o colapso repentino devido à perda de controle muscular voluntário desencadeada por fortes emoções ou risos).

Em 2011, a vacina contra a gripe suína com adjuvante ASO3 Pandemrix (usada na Europa, mas não nos EUA durante 2009-2010) foi causalmente associada (37) à narcolepsia infantil, que disparou abruptamente em vários países (38) (39). Crianças e adolescentes na Finlândia (40), no Reino Unido (41) e na Suécia (42) foram os mais atingidos.

Análises posteriores também detectaram um aumento na narcolepsia entre adultos que receberam a vacina, embora a ligação não fosse tão óbvia quanto em crianças e adolescentes (43).

Um estudo de 2019 (44) relatou a descoberta de uma “nova associação entre a narcolepsia associada à Pandemrix e o gene não codificante de ARN GDNF-AS1” – um gene que se acredita regular a produção de factor neurotrófico derivado de linha celular glial ou GDNF, uma proteína que desempenha papel importante na sobrevivência neuronal.

Eles também confirmaram uma forte associação entre a narcolepsia induzida pela vacina e um certo haplótipo, sugerindo que “variações nos genes relacionados à imunidade e sobrevivência neuronal podem interagir para aumentar a suscetibilidade à narcolepsia induzida por Pandemrix em certos indivíduos.

Agora, no meio de outra pandemia polémica, estamos enfrentando um manual assustadoramente semelhante – com empresas farmacêuticas ansiosas para lucrar com a primeira vacina COVID-19, o que levanta a questão: “Estamos a ser enganados – de novo?”

Não é o primeiro embuste – a prática leva à perfeição

As pandemias vêm e vão ao redor do mundo há séculos, mas na história recente elas têm sido usadas como pontos de manipulação com os quais têm lucrado corporações, principalmente as farmacêuticas.

Preveu-se que a epidemia de gripe aviária de 2005, por exemplo, mataria de 2 a 150 milhões de pessoas. Matou apenas 98 pessoas, em todo o mundo, em 2005, 115 em 2006 e 86 em 2007 (45). Ninguém nos EUA morreu desta infecção. A ousadia da farsa levou-me a escrever o meu livro best-seller do New York Times, “O Grande Embuste da Gripe Aviária”.

Em 2006, 2007 e novamente em 2008, advertências exageradas sobre a gripe aviária foram repetidamente expostas como pouco mais do que uma farsa cruel, projetada para incutir medo e encher os bolsos da indústria e de vários indivíduos investidos nela. Em 2009, houve a farsa da gripe suína, cuja campanha de vacinação, conforme mencionado, acabou por se transformar num desastre.

O Verão de 2012 foi novamente repleto de previsões terríveis de uma mutação da gripe aviária, suficiente para causar uma pandemia humana, imediatamente seguida por pedidos urgentes de vacinas aceleradas. Nenhuma dessas pandemias jamais se transformou em assassinas globais, e o COVID-19 não é diferente. Como mencionado anteriormente, não há evidência de excesso de mortes devido a esse novo vírus.

A pandemia COVID-19 difere das anteriores, no entanto, por estar a ser usada não apenas para enriquecer as empresas farmacêuticas e justificar a existência de pesquisas de ganho de função, mas também para inaugurar um “reinício” de toda a economia global pelos tecnocratas. Embora a decadência das economias por todo o mundo seja atribuída à pandemia, o sistema de bancos centrais vacila já há algum tempo e agora está na sua derradeira etapa.

A carga da dívida global agora é tão alta que os países não conseguem nem mesmo pagar os juros e, portanto, o sistema não funciona mais. Ele precisa ser “redefinido”, mas em vez de abandonar o sistema de banco central e redefini-lo para algo estável (como retornar a um sistema lastreado em ouro), os tecnocratas no comando estão a introduzir uma moeda centralizada totalmente digital que dará a eles controle total sobre as finanças de cada ser humano na Terra.

Além do mais, a reinicialização económica é apenas uma parte dessa aquisição totalitária abrangente. A vacina para o COVID-19 encaixa-se no esquema, fornecendo uma desculpa para rastrear o paradeiro de todos e conectar esta vigilância médica com a economia digital. Pode aprender mais sobre isso neste vídeo “O Grande Reset Global”.

Sem responsabilidade pelos danos causados pela vacina

Conforme observado por Barbara Loe Fisher, co-fundadora do National Vaccine Information Center (NVIC), com base nas falhas históricas das vacinas anteriores contra o coronavírus, uma vacina para o COVID-19 acelerada poderá tornar-se num dos maiores desastres de saúde pública da história.

E nenhum dos envolvidos será responsabilizado ou sofrerá qualquer repercussão, assim como a GlaxoSmithKline não foi responsabilizada pelos casos de narcolepsia causados ​​pela Pandemrix. Em vez disso, todos continuarão a lucrar, enquanto um público desprevenido fará o teste beta de outra vacina potencialmente perigosa.

Mesmo que os efeitos colaterais graves sejam raros, quando se fala em vacinar cerca de 7 biliões de pessoas, mesmo uma pequena percentagem se traduzirá em milhões de pessoas afetadas.

Um dos vídeos mais poderosos que já vi

O vídeo a seguir, de Barbara Loe Fisher, é um dos vídeos mais poderosos que já vi. Tenho esperança de que assistir a este vídeo irá inspirá-lo a assumir esta causa e juntar-se à luta pela liberdade e independência das vacinas.

Há uma guerra cultural e conluio entre muitas indústrias e agências regulatórias que resultam na supressão da verdade sobre questões vitais de saúde importantes. Se essa supressão continuar, gradualmente e progressivamente vamos assistir à corrosão dos nossos direitos individuais que os nossos ancestrais tanto lutaram para conquistar. Por favor, dedique alguns minutos para assistir a este vídeo.

Proteja o Seu Direito ao Consentimento Informado e Defenda as Isenções de Vacinas

Com toda a incerteza em torno da segurança e eficácia das vacinas, é fundamental proteger o seu direito de fazer escolhas de saúde independentes e exercer o consentimento voluntário e informado para a vacinação. É urgente que todos se levantem e lutem para proteger e expandir as proteções de consentimento informado sobre vacinas nas leis de saúde pública e de emprego. A melhor forma de fazer isso é envolver-se pessoalmente com os legisladores e educar os líderes da sua comunidade.

Pense globalmente, aja localmente

É fundamental que TODOS se envolvam agora na defesa do direito legal de fazer escolhas voluntárias relativamente às vacinas, porque essas escolhas estão a ser ameaçadas por lobistas que representam empresas farmacêuticas, associações comerciais médicas e funcionários de saúde pública, que estão a tentar persuadir os legisladores a retirar todas as isenções de vacinas das leis de saúde pública.

Partilhe a sua história nos mídia e com as pessoas que conhece

Se você ou um membro da sua família tiverem sofrido uma reacção grave à vacina, ferimentos ou morte, fale sobre isso. Se não partilharmos informações e experiências uns com os outros, todos se sentirão sozinhos e com medo de falar. Escreva uma carta ao editor se você tiver uma perspectiva diferente sobre a história de uma vacina publicada no seu jornal local. Faça uma chamada para um programa de rádio ou TV que apresenta apenas um lado da história da vacina.

Tenho de ser franco consigo: precisa de corajem porque pode ser fortemente criticado por ousar falar sobre o “outro lado” da história da vacina. Esteja preparado para isso e tenha a coragem de não recuar. Somente ao partilhar a nossa perspectiva e o que sabemos ser verdade sobre a vacinação, a conversa pública sobre a vacinação poderá abrir-se para que as pessoas não tenham medo de falar sobre isso.

Não podemos permitir que as empresas farmacêuticas e associações comerciais médicas financiadas por empresas farmacêuticas ou funcionários de saúde pública que promovem o uso forçado de uma lista crescente de vacinas, dominem a conversa sobre vacinação.

Os danos causados pela vacinação não podem ser varridos para baixo do tapete e tratados como nada mais do que “danos colaterais estatisticamente aceitáveis” das políticas nacionais de vacinação obrigatória e única, que colocam muitas pessoas em risco de ferimentos e morte. Não deveríamos tratar as pessoas como cobaias em vez de seres humanos.

Referências

Axios November 9, 2020

NPR November 9, 2020

Business Insider November 26, 2020

NPR November 16, 2020

5, 6, 17 Mises Institute November 24, 2020

The BMJ Letter to the Editor November 13, 2020

Autoimmune Registry, Estimates of Prevalence

Observer October 20, 2020

10 The Hill November 24, 2020

11, 12 Kaiser Health News November 12, 2020

13 CNBC December 1, 2020

14 RT November 29, 2020

15 Forbes October 20, 2020

16 The Vaccine Reaction September 29, 2020

18, 19 Annals of Internal Medicine September 2, 2020 DOI: 10.7326/M20-5352

20 YouTube, SARS-CoV-2 and the rise of medical technocracy, Lee Merritt, MD, aprox 8 minutes in (Lie No. 1: Death Risk)

21 Technical Report June 2020 DOI: 10.13140/RG.2.24350.77125

22 Johns Hopkins Newsletter November 26, 2020 (Archived)

23 Twitter JHU News-Letter November 26, 2020

24 Cell June 25, 2020; 181(7): 1489-1501.E15

25 Wall Street Journal June 12, 2020 (Archived)

26 Nature Immunology September 30, 2020 DOI: 10.1038/s41590-020-00808-x

27 The Lancet Microbe September 4, 2020 DOI: 10.1016/S2666-5247(20)30114-2

28 UPI September 4, 2020

29 Nature July 15, 2020; 584: 457-462

30 Daily Mail June 12, 2020

31 Science Times June 12, 2020

32 Nature Communications November 20, 2020; 11 Article number 5917

33, 34, 35 The BMJ 2020;371:m4037

36 NPR November 17, 2020

37, 42 Eurosurveillance June 30, 2011; 16(26)

38 European Centre for Disease Prevention and Control September 20, 2012

39, 43 CIDRAP January 30, 2013

40 PLoS One. 2012;7(3):e33536

41 BMJ 2013;346:f794

44 EBioMedicine. 2019 Feb; 40: 595–604

45 AIER March 22, 2020

Traduzido do Artigo original: http://video.greenmedinfo.com/blog/emergency-covid-19-vaccines-may-cause-massive-side-effects