Etiqueta: segurança das vacinas

As vacinas podem alterar o percurso da saúde duma criança?

As vacinas podem alterar o percurso da saúde duma criança?

As vacinas podem alterar o percurso de saúde de uma criançaA questão contida no título deste artigo é aquela que nunca escapou totalmente das tramas da minha mente inquisitiva. No treino médico, somos ensinados que as vacinas previnem as doenças agudas, frustrando, às vezes, infecções causadas por vários microrganismos que ameaçam a vida. Certamente, a prevenção de uma infecção potencialmente fatal é uma alteração no percurso de saúde de uma criança, mas em que direcção e para que fim? Certamente pareceria que a única trajetória de saúde possível para a prevenção de uma infecção aguda seria melhorar a saúde, a vitalidade e diminuir o sofrimento, mas será esta imagem da realidade que enfrentamos?

Será que realmente possuímos imunoterapias, como vacinas, que não trazem riscos e apenas impulsionam as crianças na direcção de mais bem-estar, menos intervenção médica e menos sofrimento?

A narrativa médica dominante neste momento afirma que as vacinas, como as actualmente administradas aos jovens, acarretam riscos mínimos e que previnem mortes “evitáveis” por doenças infecciosas, sem um aumento recíproco no sofrimento total ao longo da vida da criança. Infelizmente, ainda não temos os dados para apoiar totalmente ou refutar esta narrativa médica dominante, pois não haviam essencialmente estudos clínicos concluídos até à data que compararam rigorosamente a trajetória dinâmica da saúde de crianças seguindo o calendário das vacinas recomendado mais recente, com o daaquelas que renunciaram a alguns ou a todas as vacina. Nós simplesmente não sabemos.

Como clínico, e testemunha do maior aumento de doenças crónicas entre os jovens que a humanidade já viu, como poderia não ficar curioso de saber porquê?

A questão é complexa e com muitas nuances. Os nossos ambientes estão mais tóxicos do que nunca e a dieta de uma criança normal é uma lixeira pró-inflamatória e com défices de nutrientes. Os laços sociais e familiares aparentemente carregam mais tensão e trauma do que Amor, e o conceito de brincadeiras ao ar livre está a ser erodido da nossa juventude. A verdade é que o aumento de doenças crónicas na juventude está relacionado com todos esses factores e ainda outros mais que não nomeamos, mas não ter todas as respostas não pode impedir-nos de sermos curiosos, de procurarmos pistas e de as desenterrarmos por meio de um corajoso inquérito científico.

Em Novembro passado, um estudo pioneiro foi lançado no Jornal Internacional de Pesquisa Ambiental e Saúde Pública pelo investigador James Lyons-Weiler e pelo pediatra integrativo Paul Thomas através do qual eles próprios procuravam responder à pergunta inevitável: “As vacinas podem alterar o percurso da saúde de uma criança?”

Talvez nesta altura já tenha uma resposta para esta pergunta. Talvez tenha uma experiência pessoal como mãe, pai, provedor de serviços médicos ou como indivíduo que constroi as suas crenças com base na informação. Talvez tenha lido estudos que apontam para a segurança das vacinas e outros que ainda destacam os seus danos. Talvez tenha acedido a este artigo com base no título para procurar uma resposta que ainda não encontrou. Não importa em que ângulo entra neste espaço exploratório, não importa quais as suas crenças atuais ou compreensão deste tópico, eu gentilmente convido-o a libertar-se dessas crenças, dessas narrativas, dessa compreensão actual.

Eu convido-o a explorar este resumo do estudo recente de vacinação de Weiler e Thomas com “uma mente de iniciante”, esperando até depois dessa exploração consciente terminar para integrar a sua compreensão dos seus dados e conclusões numa nova narrativa pessoal e profissional. Deixo então o convite.

Visão geral do estudo

Os investigadores examinaram um total de 3.324 pacientes pediátricos que receberam atendimento em prática pediátrica integrativa ao longo dum período de 10 anos. Os pacientes poderiam ser incluídos no estudo se fossem examinados até 60 dias após o nascimento (essencialmente nascidos nas instalações onde são feitas as consultas) e tivessem uma consulta final pelo menos até aos 60 dias de vida. (Falaremos mais sobre esse facto importante mais tarde!) Nenhum outro critério restritivo de inclusão ou exclusão foi utilizado.

  • 2763 receberam pelo menos 1 vacina (grupo vacinado de forma variável)
  • 561 não receberam vacinas (grupo não vacinado)

Demografia dos Pacientes

  • Pacientes vacinados e não vacinados tiveram taxas de amamentação extremamente altas, perto de 97-98%
  • Houve uma percentagem estatisticamente maior de pacientes não vacinados com um histórico familiar de autoimunidade (provavelmente representando uma escolha informada pelos pais / cuidadores de abster a criança da toma de vacinas que poderiam ser um rastilho para a desregulação imunológica)
  • Percentagem semelhante de homens e mulheres em grupos vacinados e não vacinados
  • Peso ao nascer semelhante em grupos vacinados e não vacinados
  • Os pacientes vacinados em média receberam cuidados duas vezes mais que os pacientes não vacinados (os investigadores chamaram isso de Dias de Cuidado [DC] e realizaram correções / correspondências nas suas análises estatísticas para corrigir isso, conforme explicarei mais adiante).

Taxas de vacinação

Existiram taxas marcadamente variáveis ​​de vacinação naqueles que receberam vacinas, conforme ilustrado na Figura 2 do estudo.

vacinados e não vacinados e vacinas
Distribuição da vacinação ao longo da cohorte de pacientes.

Principais questões de estudo

Na tentativa de responder à questão de se as vacinas mudam o percuros de saúde das crianças, os investigadores empregaram quatro variáveis primárias de estudo.

Incidência Relativa de Visitas ao Escritório [Em Inglês Relative Incidence of Office Visits ou a sigla RIOV]

Os investigadores analisaram o registo médico eletrónico e os dados de facturação dos pacientes para determinarem o número de pacientes que tiveram uma visita ao consultório associada a um diagnóstico específico ou estado de doença (ex. Eczema). Eles queriam saber se as crianças vacinadas tinham mais ou menos probabilidade de ter uma visita ao consultório em cerca de 20 doenças / problemas de saúde diferentes em comparação com as crianças não vacinadas.

Incidência de doenças

Para além da análise RIOV, os investigadores também conduziram uma análise de mais de incidência padrão da doença, essencialmente olhando para os grupos de estudo, vacinados e não vacinados, e observando se havia um número maior de crianças em qualquer um dos grupos, a desenvolverem alguma das condições de saúde predeterminadas ao longo historia de cuidados.

Infecções diagnosticadas preveníveis por vacinas

Os investigadores rastrearam o número de infecções documentadas, preveníveis por vacinas, de acordo com o cronograma do Centro de Controlo de Doenças dos EUA, entre os grupos.

Infecções diagnosticadas preveníveis por vacinas
Infecções diagnosticadas preveníveis por vacinas

Risco de visita cumulativa ao escritório

Para além da variável da incidência relativa de visitas ao consultório (RIOV) mencionada anteriormente, os investigadores também procuraram observar o número cumulativo ou total de visitas ao consultório entre pacientes vacinados e não vacinados. Por meio dessa análise, cada visita ao consultório para uma condição de saúde específica, ainda que do mesmo paciente, seria examinada para entender melhor a utilização total dos cuidados de saúde e o sofrimento potencial.

Análise estatística

As análises estatísticas utilizadas foram bastante complexas e não entraremos em grandes detalhes para explicá-las para não nos alongarmos neste resumo mas, no entanto, quero reconhecer a diferença observada anteriormente na linha de base entre as crianças vacinadas e não vacinadas em torno do total de Dias de Cuidado (DC), no decorrer da prestação de cuidados. Vendo que as crianças não vacinadas recebiam cuidados, em média, metade do tempo das crianças vacinadas, os investigadores conduziram a correspondência de pacientes do grupo vacinado de forma variável para formar dois grupos (vacinados e vacinados de forma variável) que tinham o mesmo número de crianças (561) e a mesma média de dias de atendimento. Eles então realizaram análises estatísticas separadas usando os grupos não combinados (total) e combinados.

Resultados Chave

Geral

  • Nenhuma criança no grupo não vacinado foi diagnosticada com transtorno do défice de atenção com hiperatividade.
  • As taxas de autismo e atrasos no desenvolvimento nos casos analisados não estavam em níveis altos o suficiente para encontrarem qualquer diferença significativa entre vacinados ou não vacinados (a incidência estava abaixo da média nacional).

Análise Incomparável (total somado de todos os grupos) para Incidência Relativa de Visitas ao Escritório (RIOV)

  • Existiram tendências marcantes de RIOV mais altos para quase todos os diagnósticos estudados no grupo vacinado em comparação com o grupo não vacinado.
  • Entre os grupos vacinados, existem tendências marcantes de maior RIOV para aqueles que receberam um maior número de vacinas (mais vacinas = mais consultas ao consultório para uma determinada doença).

Nota: Veja a Figura 4 do estudo onde estão esses gráficos.

Análise de correspondência (grupos de tamanhos iguais) para incidência relativa de visitas ao escritório (RIOV)

  • As mesmas tendências observadas na análise do “Grupo Total” foram observadas na análise combinada, com crianças vacinadas a terem mais consultas para quase todas as doenças estudadas, em comparação com o grupo não vacinado.
  • As únicas 2 condições para as quais existiam numericamente mais visitas ao consultório em crianças não vacinadas em comparação com as crianças vacinadas foram a urticária (urticária) e dermatite (irritação da pele), mas essas não foram estatisticamente significativas.

Análise sem correspondência (grupo total) para incidência de doenças

  • Semelhante à análise RIOV, os investigadores encontraram níveis mais altos de pacientes vacinados com diagnóstico de doenças específicas em comparação com os pacientes não vacinados.
  • Em comparação com o grupo vacinado, o grupo não vacinado apresentou a maior redução absoluta no risco de desenvolver anemia (baixa hemoglobina), distúrbios de peso / alimentação e infecções respiratórias (sem vacinas = risco significativamente reduzido de ser diagnosticado com anemia, peso / distúrbio alimentar e infecções respiratórias, entre muitas outras condições).

Infecções diagnosticadas preveníveis por vacinas

  • Não existiram mortes por nenhuma das infecções visadas pelas vacinas no grupo dos não vacinados (e no grupo dos vacinados também não).
  • Conforme descrito na Tabela 7 do estudo (imagem abaixo), ocorreram mais casos de crianças não vacinadas que contraíram tosse convulsa e varicela do que nas crianças vacinadas.
  • Não mais do que 6% do grupo de não vacinados desenvolveu uma infecção prevenível por vacinas e a esmagadora maioria dos casos estavam relacionados com a varicela.

Risco de visita cumulativa ao escritório

Mesmo depois de corrigir a diferença de tamanho entre os grupos não vacinados e vacinados, os investigadores encontraram diferenças surpreendentes em relação ao número cumulativo de consultórios para doenças específicas entre os dois grupos, com os pacientes vacinados acumulando, de forma destacada, mais consultas para todas as doenças estudadas, incluindo condições alérgicas, infecciosas e de desenvolvimento neurológico. A Figura 5 em baixo, retirada do estudo, representa o número de visitas ao consultório de pacientes, relacionadas com vários diagnósticos feitos em consultas ao longo da vida do paciente. (nota: o eixo x ou eixo horizontal dos gráficos representa os dias de vida, o eixo y ou eixo vertical representa o número de visitas ao consultório).

As vacinas podem alterar o percurso de saúde de uma criançaAs vacinas podem alterar o percurso de saúde de uma criançaPrincipais conclusões

Estes dados inspiram preocupação com a trajetória de saúde das crianças vacinadas. Como médico residente de medicina familiar, observei um “trauma médico” significativo, no qual as crianças recebiam constantemente cuidados médicos ou iam a consultórios para doenças crónicas que aparentemente não tinham cura. Geralmente cuidadas por pais bem-intencionados e amorosos, essas crianças estavam presas numa roda viva de cuidados médicos convencionais. Embora seja impossível quantificar universalmente a experiência de cuidados médicos de uma criança e procurarando discernir, em seu nome, o que é o cuidado amoroso versus “trauma médico”, eu não posso deixar de concluir, a partir dos dados apresentados aqui, que as crianças vacinadas estavam mais doentes e a sofrerem de mais doenças infecciosas, autoimunes e de desenvolvimento neurológico do que as crianças não vacinadas. Reconhecendo que esse sofrimento também seria sentido, em alguma medida, nas famílias, podemos expandir estes gráficos e levantar a hipótese de que os pais e irmãos mesmo não estando representados neste estudo, provavelmente foram afectados negativamente também.

Olhando mais de perto os gráficos cumulativos de visitas ao escritório partilhados anteriormente, outra tendência fascinante começa evidenciar-se. Dentro do grupo dos não vacinados, parece que muitas das condições de saúde examinadas neste estudo atingem uma assíntota por volta dos mil dias de vida ou 3 anos de idade. Essencialmente, o grupo dos não vacinados atingiu um estado estacionário de visitas ao consultório, para cada condição estudada, por volta dos 3 anos de idade em diante. Ao olhar para o grupo dos vacinados, no entanto, observamos tendências muito diferentes. De um modo geral, para condições que chegam até mesmo a uma assíntota, o “nivelamento” das visitas ao consultório é marcadamente adiado para muito mais tarde na vida. Em alguns casos / condições de saúde, os gráficos representam um aumento persistente nas visitas ao consultório sem ainda atingirem uma assíntota. Se as vacinas estivessem realmente a tornar as crianças geralmente mais saudáveis, não veríamos pelo menos tendências comparáveis ​​(ou opostas) entre os grupos?

Limitações do estudo

A ciência não é perfeita. É simplesmente uma ferramenta de investigação curiosa. O estudo foi limitado pelo facto de envolver crianças de uma prática pediátrica integrativa. Compreendendo esse facto, eu levantaria a hipótese de que essas crianças receberam cuidados médicos mais holísticos no início do estudo e faziam parte de unidades familiares mais envolvidas e preocupadas com a saúde do que a criança mediana. Embora essa seja certamente uma limitação do estudo, também levanta a questão: veríamos resultados de saúde e cuidados médicos ainda piores para pacientes vacinados em clínicas pediátricas comuns?

Para além disso, algumas das principais condições neurológicas, como o autismo e os desafios de desenvolvimento, não estavam presentes em níveis elevados o suficiente na prática pediátrica integrativa, na globalidadem para sermos capazes de ver qualquer sinal significativo em relação aos vacinados ou não vacinados. Estudos maiores e com números mais elevados dessas condições nas amostras, ajudar-nos-iam a entender melhor como as vacinas podem estar envolvidas na mudança do percurso de saúde das crianças, em relação a essas condições neurológicas.

Porque é que ninguém viu isto antes?

O estudo de vacinas é extremamente controverso. A maioria dos estudos realizados por empresas farmacêuticas duram apenas meses. Mesmo os estudos retrospectivos olham para um intervalo de tempo relativamente estreito. Este estudo envolveu 10 anos de atendimentos aos pacientes pediátricos.

Para além do seu longo período de análise, o estudo também foi extraordinariamente único no que diz respeito às origens dos próprios pacientes. Eles nasceram nos prestadores de serviços de saúde que os acompanharam posteriormente! Embora as crianças obviamente viessem de mães e famílias diferentes com um número inumerável de variáveis ​​confusas, estes pacientes foram acompanhados desde um ponto de partida e ao longo de um percurso de saúde mais semelhante do que poderemos alguma vez encontrar em qualquer outro estudo.

O que posso eu fazer?

Então, o que é que está a pensar agora? As vacinas mudam negativamente o percurso de saúde das crianças? Eu não posso dar uma resposta definitiva a esta pergunta simplesmente a partir de um estudo ou responder a esta pergunta por si. Só posso convidá-lo a incorporar esta nova informação na sua compreensão actual do papel das vacinas na saúde dos nossos filhos, enquanto faço uma pausa para me perguntar que disparates andamos a fazer.

Fonte do Artigo Original: https://kellybroganmd.com/can-vaccines-alter-a-childs-health-trajectory/

A Emergência das Vacinas para a COVID-19 pode causar efeitos colaterais massivos

A Emergência das Vacinas para a COVID-19 pode causar efeitos colaterais massivos

vacinas COVID-19

RESUMO DA HISTÓRIA DAS VACINAS PARA A COVID-19

  • No início de Novembro de 2020, a Pfizer anunciou que sua vacina tinha uma eficácia de mais de 90%. Uma semana depois, a Moderna – que projectou a sua vacina em apenas dois dias – ostentava uma taxa de eficácia de 94,5%.
  • Os dados dos ensaios clínicos deixam de fora informações cruciais, como o limite dos ciclos usado para o teste de PCR, se os “casos” apresentaram sintomas ou não e quanto tempo o efeito protector da vacina dura.
  • Nenhum dos ensaios das vacinas de COVID-19, dos quais temos dados, foi criado para descobrir se a vacina reduz as taxas de hospitalização ou mortes. Eles apenas verificam se existe redução de sintomas e se os sujeitos foram infectados.
  • O número estimado necessário de indivíduos que que é necessário vacinar no caso da vacina da Moderna é de 167, o que significa que 167 pessoas devem receber a vacina para prevenir um caso de COVID-19.
  • O número estimado para a vacina da Pfizer é de 256.

Como as vacinas para a COVID-19 estão à beira da distribuição em massa, os meios de comunicação estão a debater ao rubro sobre quem deverá receber primeiro a vacina, e como ela será distribuída. A única coisa que eles não debatem, entretanto, é a definição de “eficaz”, quando se fala dessas mesmas vacinas.

No início de Novembro de 2020, as acções da Pfizer dispararam nos mercados bolsistas (1) quando anunciou que a sua vacina tinha uma eficácia superior a 90% (2). Uma semana depois, a Moderna – que concebeu a sua vacina em apenas dois dias (3) – ostentava uma taxa de eficácia de 94,5 % (4).

No entanto, se ler as notas de imprensa da Pfizer e da Moderna assim como outras informações provenientes de estudos clínicos, verá que eles deixaram de fora algumas informações verdadeiramente cruciais. Por exemplo: (5)

  • Eles não dizem quantos ciclos usaram para os testes de PCR que usaram para contar os casos de COVID-19, algo que é fundamental para determinar a precisão desses testes.
  • Eles não dizem se os “casos” tinham sintomas ou não.
  • Eles não mencionam nada sobre hospitalizações ou mortes, o que significa que não há nenhuma indicação de que a vacina impeça isso.
  • Não há nenhuma indicação sobre quanto tempo o efeito da vacina dura e se é realmente eficaz e protectora. Algumas indicações sugerem que pode ser necessário tomar a vacina a cada três a seis meses, para que ela seja eficaz.

Os Rácios de Probabilidades podem ser enganosos

Num artigo publicado pelo Mises Institute, o Dr. Gilbert Berdine, professor associado de medicina do Texas Tech University Health Sciences Center, escreve (6):

O estudo da Pfizer teve 43.538 participantes e foi analisado após 164 casos. Portanto, cerca de 150 dos 21.750 participantes (menos de 0,7%) tiveram testes PCR positivos no grupo de controle, e cerca de um décimo desse número no grupo vacinado tinha PCR positivo.

O ensaio Moderna teve 30.000 participantes. Houve 95 “casos” nos 15.000 participantes de controlo (cerca de 0,6%) e cinco “casos” nos 15.000 participantes vacinados (cerca de um vigésimo de 0,6%). Os números da “eficácia” citados nestes anúncios são rácios de probabilidade…

Quando os riscos de um evento são pequenos, as taxas de probabilidade sobre o risco absoluto podem ser enganosas. Uma medida mais significativa da eficácia seria o número [necessário] para vacinar por forma a evitar uma hospitalização ou uma morte. Esses números não estão disponíveis.

Uma estimativa do Número Necessário para Vacinar (NNV) a partir do ensaio da Moderna para prevenir um único “caso” seria de 15.000 vacinações para prevenir 90 “casos” ou 167 vacinações por “caso” evitado, o que não soa tão bem quanto 94,5% de eficácia.

Número necessário de inoculados com a vacina da Pfizer para prevenir 1 caso = 256

Numa carta ao editor, o Dr. Allan Cunningham, um pediatra reformado de Nova York, também evidencia que a classificação de eficácia de 90% da Pfizer falha em contar a história duma forma que as pessoas possam entender, e segue estimando o Número necessário de inoculados com a vacina da Pfizer para prevenir 1 caso. Ele escreve (7):

Dados específicos não são fornecidos, mas é fácil estimar os números envolvidos, com base nos 94 casos dum ensaio que envolveu cerca de 40.000 indivíduos: 8 casos num grupo de 20.000 vacinados e 86 casos em um grupo de placebo de 20.000.

Isso produz uma taxa de ataque de COVID-19 de 0,0004 no grupo vacinado e de 0,0043 no grupo placebo. Risco relativo (RR) para vacinação = 0,093, o que se traduz numa “eficácia da vacina” de 90,7% [100 (1-0,093)]. Isso parece impressionante, mas a redução do risco absoluto para um indivíduo é de apenas 0,4% (0,0043-0,0004 = 0,0039).

Número Necessário para Vacinar (NNV) = 256 (1 / 0,0039), o que significa que para prevenir apenas um caso de COVID-19, 256 indivíduos devem tomar a vacina; os outros 255 indivíduos não obtêm benefícios, mas estão sujeitos aos efeitos adversos da vacina, sejam eles quais forem e sempre que forem identificados.

Ainda permanecem questões importantes de segurança

De facto, quando se trata de segurança, é importante percebermos que, uma vez que apenas alguns milhares de voluntários saudáveis ​​verificados foram expostos à vacina real, os verdadeiros usuários “beta” serão as massas de pessoas que se chegarem à frente para tomar as vacinas, assim que estiverem disponíveis no mercado.

No seu artigo, Berdine enfatiza que ainda não encontrou um único colega médico que esteja disposto a ser um dos primeiros a tomar a vacina experimental. A maioria afirma que deseja rever os dados de segurança após um ano ou mais de uso, antes de considerar tomá-la.

“Esses colegas estão preocupados com os possíveis efeitos colaterais autoimunes que podem aparecer meses após a vacinação”, escreve Berdine. É importante notar que nenhum dos testes em curso inclui voluntários imunocomprometidos e, portanto, os efeitos dessas vacinas em pessoas com a função imunológica suprimida são totalmente desconhecidos.

Este é um problema significativo, visto que [nos EUA] cerca de 14,7 milhões a 23,5 milhões de americanos sofrem de alguma forma de doença autoimune (8) e essas pessoas também demonstram um risco aumentado de complicações de COVID-19 e morte.

Se a vacina agravar os problemas autoimunes, o resultado pode ser devastador para um número extraordinário de pessoas. Os voluntários atualmente inscritos nos ensaios são todos mais saudáveis ​​do que o americano médio, mas os efeitos colaterais parecem ser comuns, mesmo apenas nesse grupo de “elite”.

O que pode esperar da vacina para a COVID-19

Um artigo (9) de 20 de outubro de 2020 no Observer lista os efeitos colaterais conhecidos que surgiram nos vários testes. Calafrios, febre, dores no corpo e dor de cabeça são os mais comuns, mas pelo menos dois casos de mielite transversa – inflamação da medula espinhal – também ocorreram.

Até mesmo o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos alerta que os efeitos colaterais da vacina não são “pêra doce” (10) e Saad Omer, director do Instituto de Saúde Global de Yale, enfatizou a necessidade de uma ampla campanha de divulgação para discutir a realidade dos efeitos colaterais, visto que os pacientes podem não voltar para a segunda dose necessária se os efeitos colaterais os apanharem de surpresa (11).

O Dr. Eli Perencevich, professor de medicina interna e epidemiologia da University of Iowa Health Care, sugeriu que os trabalhadores essenciais deveriam ter três dias de licença remunerada após serem vacinados, pois muitos vão sentir-se mal e não estarão em condições para trabalhar (12).

Um artigo da CNBC de 1 de Dezembro de 2020 (13) que analisou a frequência das reacções adversas, notou que 10% a 15% dos participantes dos estudos da Pfizer e da Moderna relataram efeitos colaterais “significativamente perceptíveis”.

Escondida no final do artigo está a sugestão de um ex-membro do comité consultivo, que propõe que a nomenclatura de “reação adversa séria” seja alterada para “resposta imunológica”, para que eles possam reprogramar a forma como as pessoas olham para esses efeitos colaterais, mesmo até quando acabam por ter de ficar em casa sem poderem trabalhar por causa disso.

O artigo também admite que eles não têm ideia de quais as reacções a longo prazo que podem ocorrer, se existirem, o que significa (como já sabíamos) que este é uma grande experiência de saúde pública e, claro, qualquer coisa que aconteça pós-marketing irá ser rotulado de “coincidência”.

Numa notícia relacionada, um participante da Índia no ensaio da AstraZeneca está a processar a empresa, alegando que a vacina causou “graves danos neurológicos” (14), e um grupo de investigadores alertou que as vacinas COVID-19 podem aumentar potencialmente o risco de infecção pelo HIV (15). Depois existem as preocupações relativas à possibilidade da vacina para o COVID-19 alterar permanentemente o seu ADN, transformando-o, efectivamente, num transumano (16). Como pode ver, há muito para pensar antes de tomar esta vacina.

Precisamos realmente de uma vacina para a COVID-19?

Berdine também realça que a maioria dos seus colegas acredita que “as incertezas sobre a segurança excedem o que eles percepcionam ser um pequeno benefício” (17). De facto, neste ponto, uma série de dados sugere que a vacina para o COVID-19 pode ser completamente desnecessária. Por exemplo:

A mortalidade por COVID-19 é extremamente baixa fora dos lares de idosos – 99,7% das pessoas recuperam de COVID-19 (18). Se tem menos de 60 anos de idade, a probabilidade de morrer de gripe sazonal é maior do que a de morrer de COVID-19 (19).

Os dados mostram claramente que o COVID-19 não causou excesso de mortalidade, o que significa que o mesmo número de pessoas que morrem anualmente, em média, morreram neste ano de pandemia (20) (21). Isso é verdade mesmo entre os idosos, como evidenciado por um artigo da Universidade Johns Hopkins, publicado um pouco antes de 26 de Novembro de 2020, o Dia de Ação de Graças. De acordo com o artigo: (22)

As mortes de pessoas mais velhas permaneceram as mesmas antes e depois da COVID-19. Como a COVID-19 afecta principalmente os idosos, os especialistas esperavam um aumento na percentagem de mortes em grupos de idades avançadas. No entanto, esse aumento não é visto nos dados do Centro de Controlo de Doenças dos EUA. Na verdade, as percentagens de mortes em todas as faixas etárias permanecem relativamente as mesmas.

Assim que o artigo começou a virar tendência no Twitter, o Johns Hopkins apagou-o, com a justificação de que “estava a ser usado para apoiar falsas e perigosas imprecisões sobre o impacto da pandemia” (23).

vacina covid-19 PFIZER MODERNA
Percentagens de mortes total por faixa etária nos EUA de 02.01.2020 a 09.05.2020

Estudos (24) (25) (26) (27) (28) (29) (30) (31) sugerem que a imunidade contra a infecção por SARS-CoV-2 é mais disseminada do que o normal, graças à reatividade cruzada com outros coronavírus que causam as vulgares constipações.

É pouco provável que as pessoas assintomáticas propaguem o SARS-CoV-2 – Um estudo (32) que analisou dados de testes de PCR de quase 10 milhões de residentes na cidade de Wuhan, descobriu que nem um único daqueles que estiveram em contato próximo com um indivíduo assintomático (alguém que testou positivo mas não apresentou sintomas) foi infectado com o vírus. Em todos os casos, culturas de vírus de pessoas com teste positivo, mas sem sintomas, também deram resultado negativo para vírus vivo.

A vacina para a COVID-19 salvará vidas?

Peter Doshi, editor associado do British Medical Journal, também questiona a eficácia das vacinas COVID-19, apontando que os testes actuais não foram elaborados para nos dizerem se as vacinas realmente salvarão vidas. E, se não o fizerem, valem realmente os riscos envolvidos? Doshi escreve (33):

O que significa exactamente uma vacina ser declarada “eficaz”? Para o público, isso parece bastante óbvio. “O objectivo principal de uma vacina para o COVID-19 é o de evitar que as pessoas adoeçam e morram”, foi afirmado num programa da National Public Radio, sem rodeios…

No entanto, os testes actuais da fase III não foram realmente configurados para provar isso. Nenhum dos estudos em curso foi pensado para detectar uma redução em qualquer dimensão importante, como os internamentos hospitalares, uso de terapias intensivas ou mortes. Nem as vacinas estão a ser estudadas para determinar se podem interromper a transmissão do vírus.

Doshi destaca que, quando o Dr. Paul Offit foi questionado numa entrevista se um “evento” registado nesses estudos significava doença moderada a grave, ele respondeu que sim, “isso mesmo”. Mas isso não é, de facto, correcto. Todos os estudos de Fase 3 contam os sintomas leves, como tosse, como um “evento COVID-19” e todos darão por concluída a contagem após apenas 150 ou 160 dos voluntários desenvolverem COVID-19 sintomático – independentemente da gravidade.

“Parte da explicação pode estar nos números. A doença grave que requer internamento hospitalar, que ocorre em apenas uma pequena fracção dos casos de COVID-19 sintomáticos, seria improvável de ocorrer em números significativos nos ensaios.

Dados publicados pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos no final de Abril relataram uma taxa de hospitalização de casos sintomáticos de 3,4%, no geral, variando de 1,7% nos 0-49 anos, 4,5% nos 50-64 anos a 7,4% naqueles com 65 ou mais anos.

Como a maioria das pessoas com COVID-19 sintomático apresenta apenas sintomas leves, mesmo os ensaios envolvendo 30.000 ou mais pacientes revelariam relativamente poucos casos de doença grave”, escreve Doshi (34).

“As admissões hospitalares e mortes por COVID-19 são simplesmente muito raras na população em estudo para que uma vacina possa ser considerada eficaz e demonstradas diferenças estatisticamente significativas num ensaio com 30.000 pessoas.”

Esses testes também não nos dizem nada sobre a capacidade da vacina de prevenir a transmissão, pois isso exigiria o teste de voluntários duas vezes por semana durante longos períodos – uma estratégia que é “operacionalmente insustentável”, de acordo com Tal Zaks, director médico da Moderna (35).

Vacina para a COVID-19 coloca raros desafios de distribuição

Também foram levantadas questões sobre o potencial das vacinas COVID-19 se “estragarem” devido ao armazenamento impróprio. A vacina para o COVID-19 da Pfizer deve ser armazenada  numa temperatura fria nunca antes vista, mesmo para a Antártica – 70 graus Celsius negativos ou 94 graus Fahrenheit abaixo de zero. A da Moderna pode ser mantida a uma temperatura um pouco superior, a “apenas” menos 20 graus Celsius ou 4 abaixo de zero Fahrenheit. Ambas constituem um problema para os provedores que administrarão as injecções.

Para se ter uma ideia do motivo pelo qual as vacinas precisam de ser congeladas, a National Public Radio compara-as a chocolates que derretem facilmente (36). A razão pela qual as vacinas são tão frágeis é porque são feitas com RNA mensageiro (mRNA), que transforma as suas próprias células em pequenas fábricas que produzem a proteína SARS-CoV-2 e que, por sua vez, desencadeia a produção de anticorpos.

O problema é que o mRNA decompõe-se facilmente, pelo que então ele necessita das temperaturas de congelamento para se manter estável. A Pfizer disse que a sua embalagem especial mantém as vacinas congeladas com a ajuda de gelo seco. Mesmo assim, os provedores ainda terão que obedecer a directrizes rígidas, uma das quais diz que o compartimento do congelador que armazena as vacinas não pode ser aberto mais de duas vezes ao dia e que, quando aberto, deve ser fechado num minuto. Depois de descongelada, a vacina pode ser mantida refrigerada durante cinco dias.

Toda a situação torna a distribuição num desafio, pois a menor quantidade que pode adquirir são 975 doses. Isso significa que as vacinas provavelmente terão que ir para locais capazes de administrar um grande número de vacinas num curto período de tempo para evitar a deterioração. O que acontece se a vacina for manuseada incorretamente e se estragar? Ninguém sabe. Na melhor das hipóteses, pode ser ineficaz. Na pior das hipóteses, pode causar efeitos colaterais completamente inesperados.

A corrida ao ouro das vacinas e as indeminizações

O risco de efeitos colaterais é particularmente preocupante à luz do facto de que os fabricantes de vacinas são indemnizados por qualquer dano que ocorra com o uso de suas vacinas [nos EUA]. No vídeo acima, a Children’s Health Defense (CHD), fundada por Robert F. Kennedy Jr., destaca a corrida do ouro que ocorreu para as empresas farmacêuticas quando a Organização Mundial da Saúde declarou a gripe suína uma pandemia em 2009.

Várias vacinas experimentais foram levadas à pressas para o mercado após a declaração de pandemia da OMS, uma das quais resultou em milhares de crianças e adolescentes europeus desenvolvendo narcolepsia e cataplexia crónica (o colapso repentino devido à perda de controle muscular voluntário desencadeada por fortes emoções ou risos).

Em 2011, a vacina contra a gripe suína com adjuvante ASO3 Pandemrix (usada na Europa, mas não nos EUA durante 2009-2010) foi causalmente associada (37) à narcolepsia infantil, que disparou abruptamente em vários países (38) (39). Crianças e adolescentes na Finlândia (40), no Reino Unido (41) e na Suécia (42) foram os mais atingidos.

Análises posteriores também detectaram um aumento na narcolepsia entre adultos que receberam a vacina, embora a ligação não fosse tão óbvia quanto em crianças e adolescentes (43).

Um estudo de 2019 (44) relatou a descoberta de uma “nova associação entre a narcolepsia associada à Pandemrix e o gene não codificante de ARN GDNF-AS1” – um gene que se acredita regular a produção de factor neurotrófico derivado de linha celular glial ou GDNF, uma proteína que desempenha papel importante na sobrevivência neuronal.

Eles também confirmaram uma forte associação entre a narcolepsia induzida pela vacina e um certo haplótipo, sugerindo que “variações nos genes relacionados à imunidade e sobrevivência neuronal podem interagir para aumentar a suscetibilidade à narcolepsia induzida por Pandemrix em certos indivíduos.

Agora, no meio de outra pandemia polémica, estamos enfrentando um manual assustadoramente semelhante – com empresas farmacêuticas ansiosas para lucrar com a primeira vacina COVID-19, o que levanta a questão: “Estamos a ser enganados – de novo?”

Não é o primeiro embuste – a prática leva à perfeição

As pandemias vêm e vão ao redor do mundo há séculos, mas na história recente elas têm sido usadas como pontos de manipulação com os quais têm lucrado corporações, principalmente as farmacêuticas.

Preveu-se que a epidemia de gripe aviária de 2005, por exemplo, mataria de 2 a 150 milhões de pessoas. Matou apenas 98 pessoas, em todo o mundo, em 2005, 115 em 2006 e 86 em 2007 (45). Ninguém nos EUA morreu desta infecção. A ousadia da farsa levou-me a escrever o meu livro best-seller do New York Times, “O Grande Embuste da Gripe Aviária”.

Em 2006, 2007 e novamente em 2008, advertências exageradas sobre a gripe aviária foram repetidamente expostas como pouco mais do que uma farsa cruel, projetada para incutir medo e encher os bolsos da indústria e de vários indivíduos investidos nela. Em 2009, houve a farsa da gripe suína, cuja campanha de vacinação, conforme mencionado, acabou por se transformar num desastre.

O Verão de 2012 foi novamente repleto de previsões terríveis de uma mutação da gripe aviária, suficiente para causar uma pandemia humana, imediatamente seguida por pedidos urgentes de vacinas aceleradas. Nenhuma dessas pandemias jamais se transformou em assassinas globais, e o COVID-19 não é diferente. Como mencionado anteriormente, não há evidência de excesso de mortes devido a esse novo vírus.

A pandemia COVID-19 difere das anteriores, no entanto, por estar a ser usada não apenas para enriquecer as empresas farmacêuticas e justificar a existência de pesquisas de ganho de função, mas também para inaugurar um “reinício” de toda a economia global pelos tecnocratas. Embora a decadência das economias por todo o mundo seja atribuída à pandemia, o sistema de bancos centrais vacila já há algum tempo e agora está na sua derradeira etapa.

A carga da dívida global agora é tão alta que os países não conseguem nem mesmo pagar os juros e, portanto, o sistema não funciona mais. Ele precisa ser “redefinido”, mas em vez de abandonar o sistema de banco central e redefini-lo para algo estável (como retornar a um sistema lastreado em ouro), os tecnocratas no comando estão a introduzir uma moeda centralizada totalmente digital que dará a eles controle total sobre as finanças de cada ser humano na Terra.

Além do mais, a reinicialização económica é apenas uma parte dessa aquisição totalitária abrangente. A vacina para o COVID-19 encaixa-se no esquema, fornecendo uma desculpa para rastrear o paradeiro de todos e conectar esta vigilância médica com a economia digital. Pode aprender mais sobre isso neste vídeo “O Grande Reset Global”.

Sem responsabilidade pelos danos causados pela vacina

Conforme observado por Barbara Loe Fisher, co-fundadora do National Vaccine Information Center (NVIC), com base nas falhas históricas das vacinas anteriores contra o coronavírus, uma vacina para o COVID-19 acelerada poderá tornar-se num dos maiores desastres de saúde pública da história.

E nenhum dos envolvidos será responsabilizado ou sofrerá qualquer repercussão, assim como a GlaxoSmithKline não foi responsabilizada pelos casos de narcolepsia causados ​​pela Pandemrix. Em vez disso, todos continuarão a lucrar, enquanto um público desprevenido fará o teste beta de outra vacina potencialmente perigosa.

Mesmo que os efeitos colaterais graves sejam raros, quando se fala em vacinar cerca de 7 biliões de pessoas, mesmo uma pequena percentagem se traduzirá em milhões de pessoas afetadas.

Um dos vídeos mais poderosos que já vi

O vídeo a seguir, de Barbara Loe Fisher, é um dos vídeos mais poderosos que já vi. Tenho esperança de que assistir a este vídeo irá inspirá-lo a assumir esta causa e juntar-se à luta pela liberdade e independência das vacinas.

Há uma guerra cultural e conluio entre muitas indústrias e agências regulatórias que resultam na supressão da verdade sobre questões vitais de saúde importantes. Se essa supressão continuar, gradualmente e progressivamente vamos assistir à corrosão dos nossos direitos individuais que os nossos ancestrais tanto lutaram para conquistar. Por favor, dedique alguns minutos para assistir a este vídeo.

Proteja o Seu Direito ao Consentimento Informado e Defenda as Isenções de Vacinas

Com toda a incerteza em torno da segurança e eficácia das vacinas, é fundamental proteger o seu direito de fazer escolhas de saúde independentes e exercer o consentimento voluntário e informado para a vacinação. É urgente que todos se levantem e lutem para proteger e expandir as proteções de consentimento informado sobre vacinas nas leis de saúde pública e de emprego. A melhor forma de fazer isso é envolver-se pessoalmente com os legisladores e educar os líderes da sua comunidade.

Pense globalmente, aja localmente

É fundamental que TODOS se envolvam agora na defesa do direito legal de fazer escolhas voluntárias relativamente às vacinas, porque essas escolhas estão a ser ameaçadas por lobistas que representam empresas farmacêuticas, associações comerciais médicas e funcionários de saúde pública, que estão a tentar persuadir os legisladores a retirar todas as isenções de vacinas das leis de saúde pública.

Partilhe a sua história nos mídia e com as pessoas que conhece

Se você ou um membro da sua família tiverem sofrido uma reacção grave à vacina, ferimentos ou morte, fale sobre isso. Se não partilharmos informações e experiências uns com os outros, todos se sentirão sozinhos e com medo de falar. Escreva uma carta ao editor se você tiver uma perspectiva diferente sobre a história de uma vacina publicada no seu jornal local. Faça uma chamada para um programa de rádio ou TV que apresenta apenas um lado da história da vacina.

Tenho de ser franco consigo: precisa de corajem porque pode ser fortemente criticado por ousar falar sobre o “outro lado” da história da vacina. Esteja preparado para isso e tenha a coragem de não recuar. Somente ao partilhar a nossa perspectiva e o que sabemos ser verdade sobre a vacinação, a conversa pública sobre a vacinação poderá abrir-se para que as pessoas não tenham medo de falar sobre isso.

Não podemos permitir que as empresas farmacêuticas e associações comerciais médicas financiadas por empresas farmacêuticas ou funcionários de saúde pública que promovem o uso forçado de uma lista crescente de vacinas, dominem a conversa sobre vacinação.

Os danos causados pela vacinação não podem ser varridos para baixo do tapete e tratados como nada mais do que “danos colaterais estatisticamente aceitáveis” das políticas nacionais de vacinação obrigatória e única, que colocam muitas pessoas em risco de ferimentos e morte. Não deveríamos tratar as pessoas como cobaias em vez de seres humanos.

Referências

Axios November 9, 2020

NPR November 9, 2020

Business Insider November 26, 2020

NPR November 16, 2020

5, 6, 17 Mises Institute November 24, 2020

The BMJ Letter to the Editor November 13, 2020

Autoimmune Registry, Estimates of Prevalence

Observer October 20, 2020

10 The Hill November 24, 2020

11, 12 Kaiser Health News November 12, 2020

13 CNBC December 1, 2020

14 RT November 29, 2020

15 Forbes October 20, 2020

16 The Vaccine Reaction September 29, 2020

18, 19 Annals of Internal Medicine September 2, 2020 DOI: 10.7326/M20-5352

20 YouTube, SARS-CoV-2 and the rise of medical technocracy, Lee Merritt, MD, aprox 8 minutes in (Lie No. 1: Death Risk)

21 Technical Report June 2020 DOI: 10.13140/RG.2.24350.77125

22 Johns Hopkins Newsletter November 26, 2020 (Archived)

23 Twitter JHU News-Letter November 26, 2020

24 Cell June 25, 2020; 181(7): 1489-1501.E15

25 Wall Street Journal June 12, 2020 (Archived)

26 Nature Immunology September 30, 2020 DOI: 10.1038/s41590-020-00808-x

27 The Lancet Microbe September 4, 2020 DOI: 10.1016/S2666-5247(20)30114-2

28 UPI September 4, 2020

29 Nature July 15, 2020; 584: 457-462

30 Daily Mail June 12, 2020

31 Science Times June 12, 2020

32 Nature Communications November 20, 2020; 11 Article number 5917

33, 34, 35 The BMJ 2020;371:m4037

36 NPR November 17, 2020

37, 42 Eurosurveillance June 30, 2011; 16(26)

38 European Centre for Disease Prevention and Control September 20, 2012

39, 43 CIDRAP January 30, 2013

40 PLoS One. 2012;7(3):e33536

41 BMJ 2013;346:f794

44 EBioMedicine. 2019 Feb; 40: 595–604

45 AIER March 22, 2020

Traduzido do Artigo original: http://video.greenmedinfo.com/blog/emergency-covid-19-vaccines-may-cause-massive-side-effects

Vias para os Danos Causados pelas Vacinas

Vias para os Danos Causados pelas Vacinas

O “maior risco para a Humanidade” (*) não são os não vacinados, mas a falha em reconhecer os potenciais efeitos nocivos da vacinação!

(*) Referência à OMS e à imprensa internacional que agora alegam que:

“Os críticos de vacinas são um dos (entre uma lista de 10) maiores riscos de saúde para a Humanidade.”

Resumo

A OMS afirma que os cépticos das vacinas são um dos dez desafios de saúde mais iminentes para a Humanidade em 2019. Ao mesmo tempo, o crescente número de alergias, doenças auto-imunes e neuro-desenvolvimentais que podem ser cientificamente associadas a possíveis efeitos colaterais das vacinas tornaram-se numa epidemia global e leva a crer que as próprias vacinas se tornaram num verdadeiro desafio para a saúde global do nosso tempo.

Actualmente, não existe controle independente da segurança e eficácia das vacinas, sendo a indústria a única responsável por todos os dados das vacinas. Quantias substanciais de indemnizações foram concedidas a vítimas de danos causados por vacinas em alguns países, mas outras não têm nenhum programa de compensação.
A pesquisa mostra que apenas uma pequena percentagem de tais eventos é relatada ou reconhecida, pelo que então o número real deve ser muitas vezes superior aquele que é oficialmente reconhecido.

A recente resolução da UE sobre a hesitação das vacinas salienta a necessidade de mais transparência e monitorização da segurança neste campo. Pesquisas científicas na Itália revelaram uma ligação causal entre vacinas militares, doenças auto-imunes e cancro, resultando em maiores medidas de segurança impostas. Análises independentes noutros lugares, em Itália, revelaram muitas impurezas desconhecidas nas vacinas, bem como inconsistências nos ingredientes dos seus rótulos.

Indivíduos vacinados com vacinas de vírus vivos podem propagar o vírus muitas semanas ou meses após, infectando tanto os vacinados como os não vacinados. Os receptores das vacinas também podem transmitir doenças e infectar outras pessoas enquanto permanecem assintomáticas. A imunidade induzida pela vacina não é permanente, pelo que a falha das vacina é generalizada. Receptores de vacina contra a gripe tornam mais susceptíveis a futuras infecções após a vacinação repetida. Os testes de vacinação não exigem um placebo verdadeiro e as coortes recrutadas não são representativas do mercado-alvo.

Como tal, o EFVV pede uma reavaliação dos programas de vacinas atuais e uma discussão científica aberta e honesta sobre este tópico. É fornecida uma lista completa e detalhada de mecanismos para possíveis danos neurológicos e imunológicos causados ​​por vacinas:

  •  Genética predisponente e polimorfismos de nucleotídeo único
  •  Carga de fundo de toxina ambiental
  •  Reacção alérgica aos ingredientes
  •  Reacção auto-imune
  •  Inflamação e libertação de citocinas
  •  Ingredientes tóxicos
  •  Danos causados ​​por adjuvantes
  •  Contaminantes
  •  Reactividade dos peptídeos cruzados
  •  Modificação do microbioma
  •  Efeito sinérgico com outros agentes neurotóxicos

Conclusões

Dada a ciência exposta neste artigo, o facto de que os níveis reconhecidos de danos causados ​​por vacinas estão subestimados e a resolução da UE exigindo maior transparência, declaração de conflitos de interesses e mais financiamento para as pesquisas independentes sobre as vacinas e os seus adjuvantes, a EFVV pede a aplicação urgente do consentimento informado e do princípio da precaução, com total transparência dos dados e a retirada da vacinação obrigatória por todo o mundo, para evitar danos irreversíveis a toda uma geração.
Nenhum ingrediente vacinal deve ser prejudicial de qualquer forma, e os níveis de segurança devem ser fisiologicamente ajustados, os peptídeos adequados – e não o ADN – devem ser seleccionados para evitar a reactividade cruzada e as vacinas na gravidez devem ser evitadas.

Acontece que esse não é o caso actualmente.
Os decisores devem, portanto, manter uma mente aberta quanto aos perigos potenciais que a vacinação pode causar e tomarem medidas urgentes.

Vias para os danos causados por vacinasVias para os danos causados pelas vacinas

A quem possa interessar,

A OMS publicou recentemente uma declaração listando os dez desafios de saúde mais urgentes da Humanidade em 2019 [1]. A lista inclui uma cruzada contra os chamados “cépticos das vacinas”, ou sejam, as pessoas que desafiam a segurança e a eficácia dos programas nacionais de imunização.

Considerando que não existe controlo independente desses dois parâmetros importantes nos programas de vacinas actuais e que as farmacêuticas são as únicas responsáveis pelo fornecimento dos dados sobre os seus produtos, existem motivos significativos para preocupação ao compararmos esses dados com a investigação feita por fontes independentes. A imprensa agora afirma que “os críticos das vacinas são um dos maiores riscos para a saúde da Humanidade”. A ciência tenderia no entanto a sugerir que, pelo contrário, é a falta de segurança das vacinas que é um dos maiores riscos de saúde para a Humanidade.

O Fórum Europeu para a Vigilância das Vacinas (EFVV) é uma associação que exige a liberdade no consentimento informado sobre as vacinas e a aplicação do princípio da precaução relativamente às vacinas, na Europa e além. Muitos países têm esquemas de compensação pelos danos causados por vacinas e os montantes pagos pelos efeitos adversos das vacinas são significativos: mais de 4 biliões de dólares nos EUA e mais de 74 milhões de libras em 39 anos no Reino Unido. No Reino Unido as reclamações só são consideradas para pessoas com mais de dois anos de idade [2], excluindo assim as reclamações relacionadas com a maior parte das vacinas incluídas no cronograma. Para além disso, as reacções adversas reconhecidas pelos esquemas de compensação de danos causados por vacinas lidam apenas com os efeitos colaterais em estreita proximidade temporal com a vacina administrada, quando na realidade pode levar algum tempo para uma condição auto-imune manifestar-se e, frequentemente, as vítimas têm de provar que mais de 50% da incapacidade é derivada da vacina. De acordo com um estudo da Harvard Medical School, financiado pelo governo dos EUA, “menos de 1% dos eventos adversos da vacina são relatados” [3], pelo que então esses números surpreendentes representarão apenas uma fracção muito pequena do número real. A recente resolução da União Europeia sobre a hesitação em vacinar também afirma claramente que a transparência e a monitorização da segurança neste campo são insuficientes. A segurança das vacinas é, portanto, um assunto de preocupação significativa, exigindo mais investigação antes que qualquer vacina seja exigida, onde quer que seja.

Como tal, o EFVV gostaria de ser citado com a inclusão dos factos científicos. O retrato actual dos indivíduos cépticos em relação às vacinas como sendo “emocionais, irracionais e irresponsáveis” é um insulto para os terapeutas, familiares, cuidadores e activistas que testemunharam os danos causados ​​pelos programas de vacinação nessa geração. O aumento das doenças neurológicas e imunológicas crónicas até há data é, de facto, proporcional ao aumento do número de vacinas administradas. Essa é a realidade que enfrentamos.

Não são apenas cientistas isolados, activistas ou pais de crianças com problemas de vacinas que questionam a segurança das vacinas hoje em dia. Depois das pesquisas científicas revelarem uma ligação causal entre as vacinas e muitas doenças auto-imunes (DAI) e cancro em soldados italianos, uma comissão de inquérito parlamentar italiana, Commissione parlamentare uranio impoverito-Inchiesta SIGNUM [4], emitiu as seguintes directrizes imperativas para vacinar os membros das forças armadas:

  • Antes da vacinação, todo o pessoal militar deve passar por testes de hipersensibilidade e avaliação do sistema imunológico para determinar se a vacina pode causar danos.
  • Recomenda-se vacinas de dose única em vez de dose múltipla.
  • Não mais do que cinco vacinas individuais podem ser dadas a qualquer momento, devido ao aumento do risco DAI e de cancro.
  • Cada indivíduo vacinado deve ser monitorizado durante dez anos após a vacinação para determinar quais os efeitos colaterais que se podem manifestar mais tarde.
  • Pessoas alérgicas às vacinas administradas a militares não poderão juntar-se às forças armadas.

Uma questão importante na ciência das vacinas é a potencial disseminação de patogenos por meio de uma vacina, conhecida como “propagação pela vacina”.

Evidências científicas demonstram que os indivíduos vacinados com vacinas de vírus vivos, como MMR (tríplice viral para o sarampo, papeira e rubéola), rotavírus, varicela (catapora), zona e influenza, podem liberar o vírus ao longo de várias semanas ou meses e também infectarem tanto vacinados quanto não vacinados (Rosen, 2014) (Rota, 1995). Para além disso, os receptores das vacinas podem transmitir doenças nas alojadas nas suas gargantas e infectarem outras pessoas, embora não exibam sintomas da doença. “Numerosos estudos científicos indicam que as crianças que recebem uma vacina com vírus vivos podem eliminar a doença e infectarem outras pessoas, semanas ou mesmo meses após. Assim, os pais que vacinam os seus filhos podem, de facto, colocar outras pessoas em risco”, explica Leslie Manookian, documentarista e activista [4]. O documentário premiado de Manookian, The Greater Good, pretende abrir um diálogo sobre a segurança das vacinas.

Tanto os indivíduos não vacinados como os vacinados estão em risco de exposição aos recém-vacinados. A falha das vacinas é generalizada. A imunidade induzida pelas vacinas não é permanente e os surtos recentes de doenças como tosse convulsa, papeira e sarampo ocorreram em populações totalmente vacinadas (Faryon, 2014). Os receptores das vacina contra a gripe também se tornam mais susceptíveis a futuras infecções após a vacinação repetida (Mc Lean, 2014).

“As autoridades de saúde devem exigir uma quarentena de duas semanas a todas as crianças e adultos que recebem vacinas”, afirma Sally Fallon Morell, presidente da Weston A. Price Foundation.

“Esta é a quantidade mínima de tempo necessária para prevenir a transmissão de doenças infecciosas ao resto da população, incluindo indivíduos que foram previamente vacinados”.

“A falha das vacinas e a falta de reconhecimento de que as vacinas vivas podem propagar a doença, resultaram num aumento de surtos das doenças infecciosas em indivíduos vacinados e não vacinados”, afirma Manookian, “O CDC [Centro para o Controlo de Doenças dos EUA] deve instruir os médicos que administram vacinas a informarem os seus pacientes sobre o riscos para os outros que foram recentemente vacinados”.

O número de mortes por sarampo diminuiu de 7.575 em 1920 (10.000 por ano em muitos anos na década de 1910) para uma média de 432 por ano, de 1958 a 1962. A vacina foi introduzida em 1963. Entre 2005 e 2014, não houve mortes por sarampo nos EUA, mas 108 mortes pela vacina MMR (Shilhavy, 2019).

Também devemos chamar a sua atenção, e de forma urgente, para os resultados de uma análise independente feita aos ingredientes das vacinas, realizada recentemente em Itália pelo grupo Corvelva, usando laboratórios independentes [5], que se correlacionam com os mecanismos dos danos potenciais, abaixo descritos. As análises revelaram numerosas impurezas, desde ADN humano e de ratos a vírus, substâncias químicas, etc., encontradas em grandes quantidades nos frascos testados. Cinco das sete vacinas não estão em conformidade com as diretrizes para a quantidade de material biológico, ADN ou ARN estranho de origem humana ou animal, ou para a presença de mutações genéticas dos antigenos. Portanto, é de suma importância não apenas responsabilizar indústria pela segurança e a coerência das vacinas com os ingredientes rotulados, mas também insistir que o monitoramento independente seja introduzido pelos estados que recomendam ou determinam esses programas de vacinação. Os actuais sistemas regulatórios são oficialmente patrocinados pelos fabricantes ou, como no caso do CDC [Centro de Controlo de Doenças) dos EUA, os próprios reguladores possuem interesses financeiros nas patentes das vacinas. A Colaboração Cochrane criticou frequentemente esse conflito de interesse e falta de independência no passado.

Para além disso, os testes às vacinas hoje em dia não exigem mais um verdadeiro placebo [6], tornando-os inválidos para julgar a segurança a partir do momento em que as vacinas são lançadas no mercado e administradas ao público. Como regra geral, apenas homens jovens e saudáveis ​​são recrutados para esses estudos e a população estudada não é, portanto, representativa do mercado-alvo da vacina. Um retorno aos padrões da indústria científica deve ser uma prioridade para que os painéis reguladores possam fazer uma declaração informada sobre a segurança real das vacinas actuais.

A EFVV, portanto, considera necessário e oportuno reavaliar os actuais programas de vacinação e iniciar uma discussão científica, aberta e honesta sobre esse assunto. Os critérios investigação italiana da SIGNUM deve ser aplicada não apenas aos militares italianos, mas também ao público em geral, onde quer que os programas de vacinação sejam impostos, em muitos casos por mandato.

Não é o nosso objectivo discutir a efetividade real das vacinas individuais aqui (mesmo que isso seja também uma questão de grande preocupação), mas destacar as potenciais vias comprovados dos danos causados pelas vacinas, a maioria das quais são, de facto, causas desconsideradas dos muitos problemas de saúde actuais, os problemas dos nossos filhos. Por favor, dedique tempo para considerar estes pontos e criar uma plataforma para um intercâmbio equilibrado e para um debate que garanta a saúde das nossas crianças.

Mecanismos para os possíveis danos neurológicos e imunológicos causados pelas vacinas:

  • 1. Genética predisponente e polimorfismos de nucleotídeo único MTHFR, apo E 4, COMT, VDR Taq, GST, etc.
  • 2. Carga de fundo da toxina ambiental ou sejam, metais, produtos químicos, etc.
  • 3. Danos da vacina por reacção alérgica aos ingredientes ou sejam a gelatina, neomicina, etc.
  • 4. Danos nas vacinas via autoimunidade ou seja, a ASIA.
  • 5. Danos causados pelas vacina via Inflamação e libertação de citocinas como o alumínio e polissorbato 80 por serem fortes estimuladores imunológicos.
  • 6. Danos causados pelas vacinas através dos seus ingredientes tóxicos, ou sejam o alumínio, esqualeno, timerosal, etc.
  • 7. Danos causados pelas vacinas via adjuvantes como o alumínio, por ser um forte estimulador imunológico.
  • 8. Danos causados pelas vacinas via contaminantes ou sejam é, compostos virais e bacterianos encontrados em cerca de 60% de todas as vacinas.
  • 9. Danos causados pelas vacina via reactividade cruzada de peptídeos.
  • 10. Danos causados pelas vacinas via modificação do microbioma ou seja, estimulação de mastócitos a partir do alumínio,
  • 11. Efeitos sinérgicos com outros agentes neuro-tóxicos como o mercúrio e o flúor.

Vias potenciais para os danos causados por vacinas:

Genética predisponente e polimorfismos de nucleotídeo único associados

Uma variedade de marcadores genéticos tem sido associada a uma diminuição da capacidade do corpo em desintoxicar. O polimorfismo MTHFR, por exemplo, leva a uma diminuição na síntese de glutationa, uma das principais vias de eliminação do corpo.

A maioria das crianças do espectro autista pertence a essa classificação. O APO E 4 foi associado a uma série de doenças neurológicas e, como tal, foi reconhecido como um importante factor de risco para a doença de Alzheimer. A ciência dirá se esses marcadores genéticos serão uma contra-indicação para fármacos com ingredientes neurotóxicos, como as vacinas e o alumínio neurotóxico nelas contido. Muitas crianças com efeitos colaterais das vacinas apresentam esses marcadores e os cientistas estão a debater se as crianças com os factores de risco individuais não deverão ser vacinadas.

Carga de toxina ambiental

Em toxicologia, a maioria das substâncias é estudada individualmente pelos seus efeitos nocivos.

No entanto sabemos agora que, para avaliar o efeito tóxico, também devemos levar em conta o seu efeito sinérgico com outras toxinas. Considerando o aumento de produtos químicos, metais pesados etc., no nosso meio ambiente, devemos olhar cuidadosamente para o dano cumulativo potencialmente causado por substâncias individuais trabalhando sinergicamente. O alumínio por si só é neurotóxico. Se combinamos com doses pequenas de mercúrio, o efeito é muito maior. Se tomarmos uma dose de alumínio capaz de matar um em cem ratos e combiná-lo com a dose de mercúrio capaz de matar um em cem, o resultado é a morte de todos os cem ratos observados.

Danos causados por vacinas via reação alérgica aos ingredientes

Vários ingredientes de vacinas demonstraram causar reações alérgicas severas. A vacina da tríplice viral [MMR], por exemplo, mostrou desencadear alergias a ovos, uma vez que os vírus são cultivados em ovos de galinha (Herman, 1983). Outros ingredientes das vacina como o antibiótico neomicina (Kwittken, 1993), a gelatina (Sakaguchi, 1995), a levedura (Brightman, 1989), o formaldeído (de Fabry, 1968), o timerosal (Cox, 1988), o esqualeno (Asa, 2000), o alumínio ( Cosnes, 1990), óleos de hidrocarbonetos (Kuroda, 2004), etc. demonstraram propriedades alergénicas. Mesmo os componentes activos das vacinas como o toxóide tetânico (Jacobs, 1982), demonstraram isso.

O efeito nos sistemas imunológico e nervoso fetal, por exemplo, não foi estudado e deve ser objecto de estudos futuros para garantir a segurança do feto, no caso das vacinas administradas durante a gravidez. Para além disso, os resultados da recente análise independente aos ingredientes das vacinas, organizada pelo grupo Corvelva em Itália, revelam que as vacinas contêm ingredientes desconhecidos com potenciais propriedades alergénicas, mas esses não estão listados na bula ou em qualquer outro documento. Em tais circunstâncias, como é que o potencial alergénico ou os efeitos de tais produtos podem ser estabelecidos?

Danos causados pelas vacinas via autoimunidade

Um livro inteiro de autores internacionais respeitados, sobre a ligação entre as vacinas e a auto-imunidade (Vaccines and Autoimmunity [Vacinas e Auto-imunidade], 2015) foi publicado pelo Prof. Shoenfeld.

Em problemas neurológicas do sistema nervoso central (SNC), os auto-anticorpos contra diversas estruturas cerebrais, tais como os receptores de serotonina, proteína básica de mielina, proteína de filamento neurónio axónio, factor de crescimento do nervo e neurofilamentos cerebelares, etc., foram observados (Fawal, 1996; Singh, VK, 1993/1997/2004, Singer, HS, 2006).

Os imunologistas concluíram agora que os distúrbios auto-imunes não são o resultado da activação excessiva de um sistema imunológico normal, mas sim da activação de um sistema imunológico disfuncional. Existem também evidências convincentes de que certas vacinas estão associadas a estas condições auto-imunes (Shoenfeld, Y, 2000).

Ironicamente, as substâncias que suprimem uma parte do sistema imunológico, geralmente a imunidade do tipo celular, aumentam a probabilidade de auto-imunidade. Os imunologistas falam de uma mudança Th1 a Th2 e vice-versa. Isso pode ocorrer com a exposição ao mercúrio, bem como em resposta à vacinação. Um grande número de doenças auto-imunes está associado a um desvio de Th2.

Danos na vacina via citocinas e excitotoxinas

Estudos em animais e humanos mostram que as infecções sistémicas e também a activação imunológica pelas vacinas activam rapidamente o sistema microglial do cérebro. Na realidade, as vacinas podem fazê-lo por períodos prolongados. Profissionais relataram citocinas aumentadas até onze anos após uma imunização em indivíduos com danos causados pelas vacina. Uma vez que a microglia preparada é reactivada por uma vacinação ou infecção subsequente, a microglia activa-se totalmente e segrega os seus compostos destrutivos, como mencionado anteriormente.

O sistema imunológico pode eliminar rapidamente uma infecção natural e, posteriormente, interromper a activação imunológica permitindo assim reparar os danos que podem ter sido causados. Este desligamento da microglia é muito importante. Existem evidências de que, com o estímulo imunológico desencadeado pela repetida e excessiva vacinação, a microglia não é desativada.

Qualquer inflamação via infecção ou vacina resultará numa libertação de citocinas. A inflamação sistémica tem demonstrado aumentar o risco de desfechos neurológicos adversos em recém-nascidos de gestação extremamente baixa (Kuban, 2015). Em baixas concentrações, as citocinas actuam para proteger as células cerebrais em desenvolvimento e promoverem o desenvolvimento do cérebro (função neurotrófica), mas em elevadas concentrações elas podem ser muito destrutivas, em particular quando combinadas.

De particular importância são as citocinas inflamatórias interleucina 1 e 1β (IL-1 e IL-1β), IL-6 e o factor de necrose tumoral alfa (TNF-α). Sabe-se, por exemplo, que as mulheres que estão infectadas com a gripe durante a gravidez são significativamente mais propensas a dar à luz uma criança autista ou uma criança com esquizofrenia, dependendo de quando a infecção ocorreu. Inicialmente, eles presumiram que isso se devia ao facto do vírus ser transmitido ao feto, mas estudos subsequentes descobriram que não era o vírus, mas sim a reacção imunológica da mãe que causava o problema – isto é, eram as citocinas imunológicas (IL-1). , IL-2, IL-8, IL-6 e TNF-α) que estavam a causar a lesão do cérebro em desenvolvimento do bebé.

A propósito, se apanhar uma gripe durante a gravidez pode aumentar a probabilidade de dar à luz uma criança autista ou esquizofrénica devido a um aumento intenso na libertação de citocinas, o que é que as vacinas administradas durante a gravidez podem provocar, sabendo que também cauam uma intensa libertação de citocinas?

Outra citocina é o interferão tipo I. Baseado numa série de experiências em ratos na década de 1970, Ion Gresser e os seus colegas chamaram a atenção para a possibilidade da exposição inapropriada ao interferão do tipo I (IFN) – por exemplo, durante muito tempo ou na hora errada – ser prejudicial em mamíferos. Com notável presciência, eles postularam que os efeitos tóxicos para o embrião resultantes infecção viral congénita podem estar directamente relacionados com a resposta do IFN do hospedeiro (induzida pelo agente infeccioso) e não ao vírus per se (Crow, 2015).

Em células de mamíferos, as respostas imunes à infecção viral frequentemente envolvem receptores de reconhecimento de padrões (PRRs) de ligação ao ácido nucléico codificados pelo hospedeiro, incluindo receptores TOS tipo endossômicos (TLRs, TLR3, TLR7, TLR8 e TLR9), sensores de ARN, o gene indutível pelo ácido retinóico I (receptores do tipo RIG-I (RLRs) IFIH1 e RIG-I) e sensores de ADN (em particular o GMP-AMP sintase cíclica (cGAS)) e a proteína indutível por γ-IFN 16 (IFI16)).

Ácidos nucleicos codificados em vírus são reconhecidos como padrões moleculares associados a patógenos não-próprios (PAMPs) e a ligação de PAMPs virais a PRRs desencadeia cascatas de sinalização que actuam através das moléculas adaptadoras TRIF (no caso de TLR3), MYD88 (no caso TLR7 e TLR9), a proteína de sinalização antiviral mitocondrial MAVS (no caso dos RLRs) e o estimulador da proteína IFN dos genes IFN (no caso de cGAS e IFI16).

Essas vias induzem a expressão de genes que respondem a vírus e citocinas pró-inflamatórias (incluindo os IFN tipo I), que restringem a replicação viral e modulam a imunidade inata e adaptativa (Crow, 2015). Embora a rápida indução e amplificação do sistema de interferão tipo I seja altamente adaptativa em termos de erradicação do vírus, a estimulação aberrante ou o controlo desregulado do sistema pode levar à saída inadequada e / ou excessiva de interferões (Crow, 2013).

Os interferões mostraram ser neurotóxicos (Kessing, 2015) através da activação do receptor tipo I e da subunidade GIuN2A do receptor NMDA.

Interferências do tipo I foram sugeridas como sendo um adjuvante futuro em vacinas o que esperamos, baseado no nosso conhecimento actual, não seja implementado (Bracci, 2008). Vale ressaltar que os ácidos nucléicos também podem desencadear a activação do inflamassoma, algo que tem sido relacionado com pelo menos um fenótipo de doença humana (Kaneko, 2011; Tarallo, 2012).

Após o tratamento com IFN (por exemplo, para infecções pelo vírus da hepatite C ou como terapia contra o cancro), vários relatos descrevem a ocorrência de características como vasculite digital, LES e glaucoma (Bessis, 2002; Ronnblom, 1990; Kwon, 2001). A produção de IFN também pode ser um mecanismo de uma vacina potencialmente prejudicial ao cérebro. No caso da microcefalia em crianças brasileiras, pode ser que o vírus Zika, geralmente inofensivo, possa causar produção de citocinas, que pode ser prejudicial ao cérebro em desenvolvimento. Também é plausível que isso tenha ocorrido devido à vacinação ou, num terceiro cenário, a combinação dos dois ou ainda mais fatores como uma superestimulação cumulativa do sistema imunológico.

Danos causados pelas vacinas através dos ingredientes tóxicos

O mercúrio (Bjørklund, 2018, Ha, 2016) e o alumínio (Zhang Q, 2018) são conhecidos por serem fortes neurotoxinas, mas mesmo ingredientes como o esqualeno demonstram efeitos tóxicos dando origem a células patogénicas em linfonodos que drenam e que não drenam (Holm , 2002). Muitas substâncias são geralmente declaradas como seguras pois supostamente não atravessam a placenta, mas há um número considerável de factores conhecidos que modificam a passagem da placenta, bem como a barreira hematoencefálica ainda não implantada no sistema nervoso central fetal.

O alumínio nas vacinas foi recentemente observado como nanopartícula. Muitos estudos geralmente consideram as nanopartículas inseguras, já que elas podem entrar em organelas celulares, mas o efeito sobre o feto ainda não foi estudado. Os níveis de segurança dos ingredientes das vacinas são geralmente estabelecidos para adultos, mas não para crianças. Até hoje, eles não existem para o feto.

Isso deve ser de suma importância para os estudos de segurança das vacinas e deve ser definido antes de legalizar as dosagens prejudiciais para o cérebro fetal ou infantil no início do desenvolvimento. Mais uma vez, os resultados da recente análise independente aos ingredientes das vacinas, organizada pelo grupo Corvelva, em Itália, revela que as vacinas contêm ingredientes desconhecidos com potenciais propriedades toxicológicas, mas estes não estão listados na inserção ou em qualquer documento. Como tal, como podem ser estabelecidos os efeitos toxicológicos de tais produtos?

Danos causados pelas vacinas via contaminantes

Não mencionados em listas oficiais estão os contaminantes bacterianos e virais das vacinas (Cutrone R, 2005; Harasawa R, 1994). Vários estudos constataram uma alta incidência de contaminação por microorganismos em vacinas feitas por uma série de grandes empresas farmacêuticas, com números tão altos quanto 60% das vacinas contaminadas (Cutrone R, 2005; Geier M, 1978; Giangaspero M, 2001; Harasawa R , 1994; Johnson JA, 2001; Potts BJ, 1987).

Fragmentos bacterianos e virais também foram encontrados em várias vacinas. Os promotores das vacinas foram rápidos em nos assegurar que esses fragmentos virais não deveriam causar nenhum problema, mas a pesquisa indica o contrário.

De facto, um fragmento viral não viável implantado na microglia e astrócitos do cérebro causou a devastadora demência associada ao vírus HIV (Gonzales-Sarano F, 2005; Rubin SA, 1999). O vírus não infecta os próprios neurónios do cérebro. O mecanismo proposto é o de uma toxicidade induzida pela imunotoxicidade / excitotoxicidade, como vemos com a vacinação repetida.

O mesmo mecanismo é visto com vários vírus, incluindo o vírus do sarampo, o vírus borna e o vírus do herpes (De la Torre JC., 2002; Lellouch-Tubiana A, 2000; Ovanesov MV, 2006; Rubin SA, 1999; Volmer R, 2000). Quando as células da glia do cérebro ou neurónios são cronicamente infectadas com esses vírus (chamada de infecção viral persistente), a reacção imune / excitotóxica lentamente destrói as conexões das células cerebrais porque o sistema imunológico está a tentar destruir o microrganismo infeccioso.

No entanto, nunca pode matar o organismo de modo a que a destruição (e intensa activação microglial) continue ao longo de décadas, como vemos no cérebro autista (Vargas DL, 2005). Em 2017, Gatti e Montanari conseguiram demonstrar a nano contaminação em amostras de vacinas. Os resultados desta nova investigação mostram a presença de material em partículas micro e nanométrico, composto por elementos inorgânicos em amostras de vacina. Isso não é declarado entre os componentes e sua presença indevida é, por enquanto, inexplicável. Em detalhe, eles verificaram a presença de sais salinos e de alumínio, mas a presença de corpos estranhos inorgânicos micro, submicro e nanométricos (variando de 100 nm a cerca de dez mícrons) foi identificada em todos os casos. Dadas as contaminações observadas em todas as amostras de vacinas para uso humano, os efeitos adversos após a injeção dessas vacinas são possíveis e críveis, e também têm o carácter de aleatoriedade, pois dependem para onde os contaminantes são transportados pela circulação sanguínea.

Danos causados pelas vacinas via adjuvantes

Embora na história das vacinas contemporâneas os adjuvantes de alumínio tenham sido retratados como inerentemente seguros (Offit e Jew, 2003), estudos em modelos animais e humanos demonstraram a sua capacidade de infligir condições imunoinflamatórias por si mesmos (Authier et al., 2001; Petrik et al. al., 2007; Couette et al., 2009; Israeli et al., 2009; Shaw e Petrik, 2009; Gherardi e Authier, 2012).

Não há exigência legal ou médica para demonstrar que os adjuvantes de alumínio não apresentam risco para uso humano e não existem mecanismo de aprovação. Apenas as vacinas são aprovadas para uso humano. Existem dois adjuvantes de alumínio regularmente usados, o Alhydrogel® e o AdjuPhos®, para além de uma versão sulfatada do último, que está incluída no Gardasil, uma vacina contra o vírus do papiloma humano (HPV). Os dados do estudo de segurança da Merck sugerem uma frequência de eventos adversos para a vacina de aproximadamente 2,5% e similarmente 2,5% para o seu “grupo placebo” que recebeu o seu adjuvante proprietário. Assim, apesar de 25.000 / 1.000.000 de receptores perfeitamente saudáveis ficarem doentes ao receberem o Gardasil, é considerado seguro, pois o mesmo número ficou doente ao receber apenas o adjuvante sozinho. Num grupo de controle muito pequeno, onde o placebo foi relatado como sendo salino, houve zero (nenhum) evento adverso. Isso levanta algumas questões sérias sobre os próprios adjuvantes.

Numerosas publicações demonstram claramente a natureza tóxica do alumínio (Exley, 2016) e o seu papel na etiologia de doenças desde a esclerose múltipla (Mould, 2018) até a doença de Alzheimer (Exley, 2017) e até mesmo no autismo (Mould, 2017). As vias para como o alumínio adjuvante pode contribuir para problemas de saúde foram identificados (Mold, 2016; Mujika, 2017, Shardlow, 2018). Recentemente, descobriu-se que os efeitos de um adjuvante de alumínio podem ser muito mais complexos, uma vez que parece não existir uma correlação clara dependente da dose e mesmo as concentrações menores podem levar a situações mais perigosas a nível celular (Crepeaux, 2017).

Em particular, a interferência do alumínio nas vias regulatórias dos sistemas endócrino e imunológico pode desencadear cascatas pró-inflamatórias e pró-oxidativas com efeitos prejudiciais no desenvolvimento e função do cérebro (Tomljenovic e Shaw, 2011b; Blaylock, 2012).

É o adjuvante nas vacina mais frequentemente usado, mesmo que tenha provado ser uma neuro-toxina e um forte estimulador imunológico. Dessa forma, o alumínio adjuvante tem as propriedades necessárias para induzir distúrbios neuro-imunes. Os bebés no útero têm uma fisiologia diferente e são muito mais vulneráveis a desafios tóxicos. Mesmo em adultos, os adjuvantes podem causar condições auto-imunes e inflamatórias graves, e os níveis de segurança geralmente são estabelecidos para o organismo adulto.

As doses a que crianças, bebés e fetos são expostos são, portanto, proporcionalmente muito mais altas e, geralmente, não foram investigados. O aumento dos problemas neurológicos e de neurodesenvolvimentais em crianças não está a ser associado aos danos tóxicos dos sistemas imune e nervoso em desenvolvimento, um elo comprovado em inúmeros estudos de campo na medicina ambiental, na imunologia e na toxicologia.

O alumínio por si é tóxico para todas as formas de vida (Exley, 2009). O alumínio é genotóxico, pró-oxidante, pró-inflamatório e imunotóxico (Shoenfeld e Agmon-Levin, 2011; Tomljenovic, 2011; Tomljenovic e Shaw, 2011a, b; Blaylock, 2012). Para além disso, o alumínio é um disruptor endócrino: deprime o metabolismo da glicose e interfere com muitos outros processos celulares essenciais, como a homeostase do cálcio, vários mecanismos dependentes do ATP, a sinalização do receptor de membrana e a função mitocondrial (Agarwal et al., 1996; Tomljenovic, 2011).

Dados experimentais e clínicos identificaram claramente o sistema nervoso central (SNC) como o alvo mais sensível dos efeitos tóxicos do alumínio. A neurotoxicidade do alumínio manifesta-se tipicamente em défices de aprendizagem, memória, concentração e fala, controle psicomotor prejudicado, aumento da actividade convulsiva e comportamento alterado (isto é, confusão, ansiedade, comportamentos repetitivos e distúrbios do sono (Tomljenovic, 2011), embora seja o mais vulgarmente usado, o alumínio tem efeitos estimulantes potentes e multifactoriais no sistema imunológico (Exley et al., 2010).

Para além dos vírus atenuados, na ausência do alumínio, a maioria dos compostos antigénicos falha em lançar uma resposta imunológica adequada (Israeli et al., 2009), sugerindo que uma parte significativa da estimulação imunológica induzida pela vacina pode ser impulsionada pelo próprio adjuvante do alumínio. Na vacina da tríplice viral usada em mulheres grávidas no Brasil, por exemplo, o alumínio é usado como hidróxido de alumínio hidratado adsorvido (Al (OH)) e fosfato de alumínio.

Os compostos de alumínio servem para aumentar drasticamente e prolongar a reacção imunológica da vacinação. Algum alumínio permanece no local da injecção ao longo de anos. O alumínio foi adicionado pela primeira vez às vacinas em 1926 e levou décadas até se começar a questionar o seu uso. Os compostos de alumínio, bem como outros componentes das vacinas, aumentam a imunidade – incluindo alguns componentes indesejáveis do sistema imunológico, como as células B. Os adjuvantes da vacina são projectados para produzirem estimulação imunológica prolongada e, por isso, representam um perigo específico para o sistema nervoso em desenvolvimento. Estudos demonstraram que a activação imunológica após a vacinação pode durar até dois anos.

Isso significa que as células microgliais do cérebro também são preparadas pelo mesmo período de tempo ou, possivelmente, por mais tempo até. O que isso causa ao cérebro em desenvolvimento no feto não foi estudado. Sabe-se que o alumínio pode-se acumular no cérebro e que esse alumínio acumulado está associado à neuro-degeneração.

As evidências de uma ligação entre a neuro-toxicidade do alumínio e a doença de Alzheimer continuam a aumentar. O alumínio, tal como o mercúrio, activa a microglia criando uma inflamação crónica no cérebro – um evento importante na doença de Alzheimer e na doença de Parkinson (Armstrong RA, 1995; Bishop NJ, 1997; Campbell A, 2004; Esparza JL, 2003; Shirabe T, 2002; Yokel RA, 1999). Flarend et al conduziram um estudo (usando alumínio radiomarcado [26Al]) no qual uma das duas formas aprovadas de adjuvantes (hidróxido de alumínio ou fosfato de alumínio) usadas em vacinas foi injectada numa dose aprovada pelo FDA [organismo regulador dos fármacos e alimentos nos EUA] (0,85 mg por dose) (Flarend RE, 1997 ).

Os resultados mostraram que o alumínio foi rapidamente absorvido no sangue de ambas as formas.
No entanto, o fosfato de alumínio foi absorvido mais rapidamente e produziu níveis de tecido 2,9 vezes mais elevados do que o hidróxido de alumínio. Os níveis sanguíneos de alumínio permaneceram elevados após 28 dias, com ambos os adjuvantes. Níveis de alumínio elevados foram encontrados no rim, baço, fígado, coração, gânglios linfáticos e cérebro. O que isto faz aos órgãos em desenvolvimento no útero não foi investigado. Sabe-se também que o alumínio aumenta a toxicidade do mercúrio e que o alumínio, mesmo de fontes diferentes das vacinas, aumenta a inflamação no corpo (Rojo, 2006). A pergunta que ninguém parece estar a fazer é: o alumínio age como uma fonte constante de inflamação cerebral? A pesquisa, em particular a focada na activação da microglia desencadeada pelo alumínio, parece indicar que sim (Zhao, 1998).

Portanto, parece plausível que as interrupções de eventos críticos no desenvolvimento imune também possam desempenhar um papel no estabelecimento de distúrbios neuro-comportamentais (Dietert e Dietert, 2008). De facto, a estimulação imunológica (inclusive induzida pelas vacinas) durante as janelas críticas de vulnerabilidade do desenvolvimento, tanto pré como pós-natal, mostrou produzir resultados comportamentais e anormalidades neuroanatómicas.

Danos causados pelas vacina via reactividade cruzada de peptídeos

Darja Kanduc descreve a reactividade cruzada do peptídeo como o pecado original das vacinas (Kanduc, 2012). Ela começa o seu importante artigo realçando que a evolução criou uma extensa plataforma de identidade peptídica que é partilhada entre os vírus e seres humanos. Essa partilha pode trazer efeitos colaterais prejudiciais na administração de vacinas e que podem resultar em consequências autoimunológicas para o indivíduo.

Ela descreve um ciclo vicioso ligando peptídeo partilhados, detritos imunes microbianos, adjuvantes em vacinas e reactividade cruzada auto-imune. Em 1962 (Rowley, 1962), descobriu-se que as infecções podem levar à doença auto-imune em resultado de anticorpos de reação cruzada ou células T. Isso levou a novas pesquisas demonstrando que a partilha de sequências de aminoácidos de estruturas entre vírus e seres humanos era uma raiz de doenças auto-imunes (Shapiro, 1976; Ebringer A, 1979; Fujinami, 1983; Albert, 1999).

Nesta nova interpretação chamada de conceito de mimetismo molecular, o sistema imunológico “vê”, “reconhece” e “ataca” as sequências / estruturas do patogeno. Ao fazer isso, o sistema imunológico não presta atenção ao facto de que as principais sequências e estruturas podem estar presentes no hospedeiro. Como tal, uma reacção auto-imune é desencadeada, uma teoria que ainda está a ser debatida actualmente. Kanduc e outros (Trost, 2010) identificaram uma sobreposição massiva entre as proteínas virais e o proteoma humano. Na verdade, milhões de peptídeos estão a ser partilhados. Eles demonstraram que a um nível hexapeptídico, a semelhança entre os micróbios e os seres humanos mostra uma proporção de proteínas humanas contendo heptapéptidos bacterianos de 99,7% e aqueles que não o fazem, de 0,3%. Isto ilustra que apenas uma fracção minúscula de aproximadamente 30.000 proteínas que formam o proteoma humano está isenta de motivos heptapeptídicos bacterianos. Kanduc (Trost, 2010) descreve os vírus e bactérias como uma porção do “eu” humano e aponta que eles estão sujeitos aos mesmos mecanismos tolerogénicos que caracterizam os antígenos e tecidos humanos. Kanduc também afirma que apenas as sequências de aminoácidos exclusivamente expressas num proteoma podem ter um potencial imune (Segal, 2017).

Assim, protocolos de vacinação que incluem uma resposta imune contra antigenos inteiros de vírus e de bactérias também podem induzir um vasto leque de respostas auto-imunes no hospedeiro vacinado devido à partilha generalizada de pentapeptídeos entre as proteínas virais e bacterianas e o proteoma humano (Kanduc, 2009; Kanduc 2011 , Kanduc, 2012).

Esse mecanismo também pode explicar o facto de que vacinas activas baseadas em antigenos de agentes infecciosos podem produzir uma resposta fraca (ou nenhuma) no sistema imunológico humano, uma vez que não as reconhece como estranhas, já que muitas sequências de peptídeos são partilhadas com o hospedeiro. É por isso que os adjuvantes foram introduzidos. Eles estimulam uma resposta imune, mas ao fazê-lo levam à hiperactivação do sistema imunológico e podem alterar ou silenciar os mecanismos ainda mal definidos que mantêm o sistema imunológico sob controle e levam a evitar ataques auto-imunes prejudiciais. Subsequentemente à vacinação adjuvada, portanto, podem ocorrer reacções específicas entre as moléculas / estruturas hospedeiras, devido à correspondência massiva de péptidos entre os micróbios e os péptidos humanos, iniciando assim uma resposta auto-imune. Este factor não foi investigado em todos os estudos de segurança de vacinação para o feto.

Danos causados pelas vacinas via modificação do microbioma

A ciência acaba de começar a descobrir a vida de biliões de microrganismos nos nossos corpos. Os 100 triliões de micróbios do intestino têm cerca de 4,3 milhões de genes e estamos apenas a começar a descobrir o quanto eles são importantes para muitos sistemas e funções do corpo. Uma bactéria intestinal, por exemplo, demonstrou regular o metabolismo da glutationa em ratos. Este é o nosso principal processo de desintoxicação intrínseca (Mardingogiu, 2015) que pode determinar a forma como reagimos às toxinas (e às vacinas por exemplo) nos nossos corpos.

Muitas bactérias intestinais têm influência directa na função cerebral. Ainda não está claro como o microbioma altera o cérebro. A maioria dos investigadores concorda que os micróbios provavelmente influenciam o cérebro através de múltiplos mecanismos. Os cientistas descobriram que as bactérias do intestino produzem neurotransmissores como a serotonina, a dopamina e o GABA.

As propriedades imunoestimuladoras do alumínio têm sido rotineiramente exploradas para induzir alergias alimentares dependentes de mastócitos em modelos animais experimentais. Os mastócitos desempenham papéis fundamentais numa ampla gama de patologias gastrointestinais inflamatórias, nas quais comprometem a imunidade da mucosa e aumentam a permeabilidade intestinal (Berin e Mayer, 2009; Theoharides et al., 2009). A disfunção gastrointestinal e alergias alimentares são as patologias não neurológicas mais comuns no autismo, e a activação de mastócitos está fortemente implicada como o factor subjacente (Theoharides et al. 2009).

De facto, praticantes de todo o mundo que lidam com as lesões causadas pelas vacinas relataram uma elevada incidência de níveis altos de histamina no TGI, provavelmente induzidos pela libertação de mastócitos em reacção à vacina. Como isso ocorre ainda não é claro, mas qual o efeito duma vacina no TGI fetal e infantil e, portanto, no microbioma ainda não foi estudado de forma nenhuma. Para entender as interacções importantes entre o microbioma e as vacinas foi recentemente criado um projecto com o nome de Microbiome Vaccine Safety Project (7).

Sabe-se que a microbiota intestinal afeta a resposta à vacina, como vários estudos já demonstraram.

A flora desequilibrada está associada à inflamação sistémica e à resposta imune à vacinação. Um artigo recente foi publicado com uma hipótese central de que a microbiota intestinal tem um efeito significativo na resposta do hospedeiro à vacinação e na qual foi postulado que uma população reduzida ou ausente da flora comensal, juntamente com um supercrescimento de cepas patogénicas, pode-se tornar uma predisposição microbiana a reacção vacinal (8).

Efeitos sinérgicos com outros agentes neurotóxicos

Efeitos de toxicidade sinérgica ocorrem com ingredientes de vacinas quando combinados com vários outros agentes (químicos, metais, etc.). Um deles é a combinação do flúor (água potável, pasta dentífica, etc.) e alumínio. O fluoroalumínio é uma substância que interfere na função imunológica, assim como muitos insecticidas e herbicidas usados em todos os lares. O efeito sinérgico mais perigoso de qualquer vacina que contenha alumínio ou timerosal (etilmercúrio) é o mercúrio. Num estudo em crianças amazónicas foi demonstrado que o metilmercúrio de origem materna (ou seja, o consumo de peixe) tinha um efeito neurotóxico sinérgico quando combinado com o etilmercúrio das vacinas, manifestando-se em atraso no desenvolvimento neurológico (Marques, 2016).

Nutrição e relevância para a inflamação e possíveis danos causados por vacinas

O sistema imunológico depende de muitos factores nutricionais e psicológicos. O sistema digestivo é responsável por quase 80% da função imunológica e o seu estado é de vital importância para os mecanismos de defesa humanos. Um feto não tem um sistema imunológico activo próprio. Isso depende em grande parte da sua mãe. Factores que podem influenciar o microbioma intestinal e o sistema imunológico em geral podem ser:

Utensílios de cozinha em alumínio

Como ouvimos acima, o alumínio é uma neurotoxina. Em muitos países mais pobres, um grande número de famílias usa principalmente utensílios de cozinha de alumínio. É possível que não exista apenas um efeito neurotóxico, mas também pode ocorrer uma sensibilização imunológica através da exposição repetida. A maioria das vacinas hoje em dia usa o alumínio como adjuvante. Isso poderia ser um factor que contribui para o facto de que as pessoas nesses países são mais propensas a reacções à vacina.

Óleos

Embora os óleos ómega-3 sejam saudáveis, o componente EPA é significativamente imuno-supressor e, em resultado, altas ingestões devem ser evitadas. É o componente DHA que tem a maioria dos efeitos benéficos, particularmente no que diz respeito à reparação do cérebro e à redução da inflamação. O DHA também inibe a excitotoxicidade. Na inflamação do cérebro, uma combinação de EPA e DHA é preferível, com um menor teor de EPA.

A desnutrição e também a fast food moderna podem ser factores que causam deficiências ortomoleculares, o que pode tornar o feto mais vulnerável quando exposto a uma inflamação.

Muitas vezes esquecido é a evidência substancial de que os óleos ómega-6 induzem inflamações e imunossupressão quando consumidos em grandes quantidades.

As mulheres grávidas e as crianças devem evitar os óleos imuno-supressores, como os óleos ómega-6 (óleos de milho, soja, cártamo, girassol e amendoim). Através do consumo de alimentos que contêm esses óleos, a imunidade das crianças pode ser alterada, tornando-as não apenas mais susceptíveis à infecção natural, mas também propensas a complicações das vacinas.

Leite, glúten, flúor, soja

O leite, os produtos lácteos e alimentos que contêm gliadina e glúten como os grãos, por exemplo, podem ter um efeito sinérgico nos processos de auto-imunidade. A proteína láctea caseína está às vezes contida em vacinas e um adjuvante pode, portanto, estimular uma resposta imune a ela. O polissorbato 80, que é frequentemente usado em vacinas, pode conter trigo. Os alimentos à base de soja também são responsáveis ​​por um número significativo de alergias alimentares e são muito ricos em glutamato, flúor e manganês, para além de terem um efeito tóxico sobre a glândula tiroide. O fluoreto deve ser evitado. A água é também uma fonte significativa de alumínio na dieta (é adicionada como agente clarificador) e, na água fluoretada, o flúor complexa com o alumínio para formar o composto de fluoroalumínio altamente neurotóxico. Farinha, chá preto, alguns sais convencionais e produtos de panificação feitos com fermento em pó contendo alumínio são fontes adicionais de alumínio.

Deficiências minerais

A baixa ingestão de magnésio está associada a maiores graus de inflamação no corpo e menores níveis de glutationa. A deficiência de magnésio aumenta a excitotoxicidade, porque é um modulador natural do receptor de glutamato NMDA. Baixas ingestões de magnésio aumentam consideravelmente a sensibilidade do receptor de glutamato, agravando a excitotoxicidade. O baixo teor de magnésio também reduz os níveis de glutationa no cérebro, o que aumenta a sensibilidade do cérebro à toxicidade do mercúrio. O aumento dos níveis de magnésio reduz a inflamação, aumenta os níveis de glutationa e reduz a sensibilidade excitotóxica. O zinco e o selénio são muito importantes em muitos processos de desintoxicação e também precisam de ser monitorizados. Se os níveis fisiológicos não estiverem presentes no momento de uma infecção ou vacinação, isso pode predispor a efeitos colaterais.

Deficiências de vitaminas

Para um estado neuroprotector adequado, as vitaminas B (em particular as B1, B3, B6 e B12), vitamina D e vitamina C são importantes. Os folatos tornaram-se cada vez mais importantes nos últimos anos, as mutações da MTHFR estão a ocorrer em maior número, tornando difícil para o portador metabolizar a forma activa do ácido fólico, tão importante nos processos de desintoxicação do corpo através da síntese da glutationa. Portanto, é muito útil iniciar a suplementação de folato na gravidez com o metiltetrahidrofolato de forma activa. Se os níveis fisiológicos não estiverem presentes no momento de uma infecção ou vacinação, isso pode predispor a efeitos colaterais.

Kalokerinos (1974) demonstrou repetida e conclusivamente que bebés e crianças aborígenes, um grupo com uma taxa de mortalidade anormalmente alta após a vacinação, estavam quase completamente protegidos desse resultado ao dosá-los com vitamina C antes e depois da vacinação.

O sarampo é uma das principais causas de morte em crianças em países pobres e é particularmente perigoso em crianças com deficiência de vitamina A.

Oito estudos envolvendo 2.574 participantes foram incluídos numa revisão publicada pela Cochrane Collaboration e eles descobriram que não houve uma redução significativa na mortalidade em crianças que receberam vitamina A. Megadoses de vitamina A, (200.000 unidades internacionais (UI) em cada dia durante dois dias) no entanto, diminuiram o número de mortes por sarampo em crianças hospitalizadas com menos de dois anos de idade (Yang, 2006).

Duas doses de vitamina A não são consideradas excessivamente caras, e provavelmente não produzirão efeitos adversos, concluiu o relatório. A deficiência de vitamina A está associada ao aumento da mortalidade e isso é particularmente verdadeiro para uma infecção por sarampo. Para proteger contra as consequências da deficiência de vitamina A, a Organização Mundial da Saúde recomenda que altas doses de suplementos de vitamina A sejam administradas juntamente com vacinas de rotina para crianças entre seis meses e cinco anos de idade em mais de 100 países de baixa renda. A recomendação é baseada em considerações logísticas. As consequências da combinação de vitamina A e vacinas não foram investigadas em estudos aleatórios antes da implementação desta política. Assumiu-se que as intervenções eram independentes. Bern (Berna, 2012) descobriu, no entanto, que enquanto a suplementação de vitamina A aumentaria os efeitos benéficos não específicos sobre a mortalidade da vacina BCG e do sarampo, também aumentaria os efeitos negativos da vacina da tríplice bacteriana.

A vacina da tríplice bacteriana inactivada tem sido associada, de forma preocupante, ao aumento da mortalidade por outras doenças infecciosas. Embora a vitamina A possa, portanto, ser benéfica em algumas circunstâncias e grupos etários, pode ser perigosa para outras pessoas ao combiná-la com vacinas.

Essas considerações, embora cientificamente comprovadas, nunca são consideradas nas políticas de saúde. Note-se que os estudos mostraram que megadoses de vitamina A, sem a implementação da vacina, demonstraram eficácia na redução da mortalidade.

Deficiências fitoquímicas (frutas, ervas e vegetais, etc.)

Um número de fitoquímicos (flavonóides, polifenóis, quercetina, etc.) são neuroprotetores, especialmente contra inflamação e excitotoxicidade. Altamente anti-inflamatórios são os alimentos como abacaxi, maçãs, cerejas, mamão, amêndoas, nozes, gengibre, açafrão, espinafre e batata-doce.

Se os níveis fisiológicos não estiverem presentes no momento de uma infecção ou vacinação, isso pode predispor a efeitos colaterais.

Conclusões

Os efeitos colaterais das vacinas raramente são relatados. Os números variam de um em cem a um em mil. Como vimos acima, através dos diferentes mecanismos pelos quais os danos podem ocorrer, as evidências de danos podem-se manifestar com um atraso de tempo significativo e, até ao momento, isso não tem sido um assunto para os estudos de segurança das vacinas. A maioria dos estudos de acompanhamento das vacinas termina após apenas alguns dias. O actual aumento de problemas psicológicos, de neuro-desenvolvimento e auto-imunes em crianças deve-nos alertar e incitar a considerarmos os efeitos colaterais das vacinas como um factor de risco potencial para essas preocupações.

Todos os mecanismos acima mencionados devem ser tópicos de investigações científicas para garantir que os programas de vacinação em massa ou até mesmo obrigatórios, direcionados a uma geração inteira, não resultem em danos irreversíveis para os nossos filhos. O ênfase principal deve ser o de que qualquer ingrediente usado numa injeção não deve ser toxicologicamente ou imunologicamente prejudicial. Actualmente não acontece assim. Os níveis de segurança para ingredientes e adjuvantes devem ser estabelecidos para a fisiologia específica e os peptídeos adequados, e não o ADN, devem ser usados nas vacinas para evitar qualquer reactividade cruzada.

Até que tenhamos dados reais sobre esses factores, as vacinas durante a gravidez devem ser evitadas.

Mais ainda, a resolução do Parlamento Europeu de 19 de Abril de 2018 sobre a hesitação relativa às vacinas [9] sublinhou que os conflitos de interesses dos investigadores devem ser declarados, que deve haver maior transparência em torno do painel EMA e dos dados clínicos e de ensaios realizados, bem como o financiamento de programas de pesquisa independentes sobre vacinas e os seus adjuvantes. Aqui abaixo estão estes artigos vitais destinados a garantir a confiança do público (2017/2951 (RSP)):

  • 5) Salienta que as vacinas são rigorosamente testadas em vários estádios de ensaios antes de serem pré-qualificadas pela OMS e aprovadas pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA) e reavaliadas regularmente. Salienta que os investigadores devem declarar quaisquer conflitos de interesses;
  • 6) Propõe que os investigadores sujeitos a conflitos de interesses sejam excluídos dos painéis de avaliação. Solicita que a confidencialidade das deliberações do painel de avaliação da EMA seja levantada. Propõe que os dados científicos e clínicos que informam as conclusões do painel e cujo anonimato está garantido de antemão, sejam tornados públicos;
  • 14) Recorda a importância da transparência na construção e manutenção da confiança do público nos medicamentos;
  • 15) Recorda a importância do Regulamento relativo aos ensaios clínicos (10) para estimular e facilitar a investigação de novas vacinas e garantir a transparência dos resultados dos ensaios clínicos. Insta a Comissão e a EMA a aplicarem o Regulamento relativo aos ensaios clínicos sem mais demora, em particular através da criação do Portal e Base de Dados Europeus (EUPD), cuja execução foi sujeita a atrasos significativos de mais de dois anos. Solicita, para além disso, a todas as partes envolvidas que assegurem que o actual processo de recolocação da EMA fora de Londres não cause qualquer perturbação adicional ou atrasos no trabalho da agência;
  • 20) Salienta que uma maior transparência no processo de avaliação das vacinas e dos seus adjuvantes e o financiamento de programas de investigação independentes sobre os seus possíveis efeitos secundários, contribuiriam para restaurar a confiança na vacinação;

Por conseguinte é da maior importância, em conformidade com a resolução do Parlamento Europeu e dados científicos apresentados neste documento, que os decisores mantenham a mente aberta em relação aos riscos potenciais que a vacinação pode causar e que evitem, por todos os meios, danos que podem ser causados a um indivíduo ou à população em geral.

Matar o mensageiro nunca evitou uma catástrofe.

Da mesma forma, desacreditar aqueles que apontam para os riscos cientificamente comprovados não contribuirá para o bem-estar das populações europeias e globais.

O Fórum Europeu para a Vigilância das Vacinas (EFVV).

Fonte: https://www.efvv.eu/pathways-for-vaccine-damage/

Notas de rodapé

1.    https://www.who.int/emergencies/ten-threats-to-global- health-in-2019

2.   https://healthit.ahrq.gov/sites/default/files/docs/publication/r18hs017045-lazarus-final-report-2011.pdf, p. 6.

3.   https://www.dropbox.com/sh/ybwfqth0xyps25o/AADf3IcBTy94iZTSaRgMY-hla?dl=0&preview=Final+Report+of+IV+Parliamentary+Commission.pdf   pp 144-202.

4.   https://www.faim.org/leslie-manookian

5.   https://www.corvelva.it/speciali-corvelva/analisi.html

6.  https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/94056/9789241506250_eng.pdf;jsessionid=0E5A50FDF67F6054557D265A446A46D3?sequence=1

7.  https://www.patreon.com/thegutclub/overview

8.   http://www.alliedacademies.org/timely-topics-in-clinical-immunology/

9.  http://www.europarl.europa.eu/sides/getDoc.do?type=TA&reference=P8-TA-2018-0188&language=EN&ring=B8-2018-0188#def_1_8

10. Ibid.

Outras referências listadas, por ordem alfabética

  1.  Agarwal SK, Ayyash L, Gourley CS, et al.  Evaluation of the developmental neuroendocrine and reproductive toxicology of aluminium.  Food Chem Toxicol. 1996; 34(1):49–53.
  2.  Albert, LJ, Inman, RD: Molecular mimicry and autoimmunity.  N Engl J Med, 1999, 2068-2074
  3. Au-Jensen, M,  Heron, I., Synergistic teratogenic effect produced in mice by whole cell pertussis vaccine.  Vaccine 1987 Sep; 5(3):215-8.
  4. Armstrong, RA et al. Hypothesis: Is Alzheimer’s disease a metal-induced immune disorder.  Neurodegeneration 1995; 4:107–11.
  5. Asin J, Molin J, Perez M, Pinczowski P, Gimeno M, Navascues N, Muniesa A, de Blas I, Lacasta D, Fernandez A, de Pablo L, Mold M, Exley C, de Andres D, Reina R. & Lujan L (2018), Granulomas following subcutaneous injection with aluminium adjuvant-containing products in sheep. Veterinary Pathology (ePrint). doi: 10.1177/0300985818809142.
  6. Benn CS, Combining vitamin A and vaccines: convenience or conflict? Dan Med J. 2012 Jan;59(1):B4378.
  7. Bessis, D. et al. Necrotizing cutaneous lesions complicating treatment with pegylated-interferon alfa in an HIV-infected patient. Eur. J. Dermatol. 12, 99–102 (2002)
  8.  Bjørklund G, Hilt B, Dadar M, Lindh U, Aaseth J., Neurotoxic effects of mercury exposure in dental personnel.  Basic Clin Pharmacol Toxicol. 2018 Dec 27.
  9.  Bozzo, P, Narducci, A, Einarson, A., Vaccination during pregnancy, Can Fam Physician. 2011 May; 57(5):555-7.
  10.  Bevins, V. Brazil’s historically poor northeast finally gets its boom.  Los Angeles Times May 24, 2012.
  11.  Berin, MC, Mayer, L. Immunophysiology of experimental food allergy.  Mucosal Immunol. 635 2009; 2(1):24–32.
  12.  Bishop, NJ et al. Aluminum neurotoxicity in preterm infants receiving intravenous feeding solutions. N Engl J Med 1997; 336:1557–61.
  13. Blaylock, R, The danger of excessive vaccination during brain development: the case for a link to Autism Spectrum Disorders (ASD), R.L. Blaylock/Medical Veritas 5 (2008):1727–174
  14. Blaylock, RL. Aluminum-induced immunoexcitotoxicity in neurodevelopmental and neurodegenerative disorders.  Curr. Inorg. Chem. 2012; 2(1):46–53.
  15. Cáceres, M; Tdap Vaccinations for All Pregnant Women in Brazil Mandated in Late 2014, https://thevaccinereaction.org, 02.01.16
  16. Campbell, A., Inflammation, neurodegenerative disease, and environmental exposures.  Ann NY Acad Sci 2004; 1035:117–32.
  17.  Campbell, A et al. Chronic exposure to aluminum in drinking water increases inflammatory parameters selectively in the brain.  J Neuroscience Res 2004; 75:565–72.
  18.  Couette, M, Boisse, MF, Maison, P, et al.  Long-term persistence of vaccine-derived aluminum hydroxide is associated with chronic cognitive dysfunction. J Inorg Biochem. 2009; 103(11):1571–8.
  19.  CPC, CarProCon.org, Vaccine Ingredients and Manufacturer Information, 2016
  1. Crepeaux G et al. Non-linear dose-response of aluminium hydroxide adjuvant particles: Selective low dose neurotoxicity. Toxicology. 2017, 375, 48-57.
  1. Crow, Y J,  Vanderver, A, Orcesi, S, Kuijpers, T W,  Rice, G I. Therapies in Aicardi–Goutières syndrome, Clinical and Experimental Immunology. 2013, 175:1–8.
  2.  Crow Y, Lebon P, Casanova J L, Gresser I, A Brief Historical Perspective on the Pathological Consequences of Excessive Type I Interferon Exposure In vivo, Journal of Clinical Immunology, August 2018, Volume 38, Issue 6, pp 694–698.
  3.  Cutrone, R et al. Some oral polio vaccines were contaminated with infectious SV-40 after 1961. Can Res 2005; 65:10273–9.
  1.  De la Torre, JC. Borna virus and the brain. J Infect Dis 2002; 186:(suppl. 2):S241–7.
  2.  Dietert, RR, Dietert, JM. Potential for early-life immune insult including developmental immunotoxicity in autism and autism spectrum disorders: focus on critical windows of immune vulnerability. J Toxicol Environ Health B Crit Rev. 2008; 11(8):660–80.
  3.  Ebringer, A:  Ankylosing spondylitis, immune-response-genes and molecular mimicry. Lancet, 1979, 313, 1186.
  4.  Esparza, JL et al. Aluminum-induced pro-oxidant effect in rats: protective role of exogenous melatonin. J Pineal Res 2003; 35:32–9.
  1.  Exley, C. Aluminium and medicine. In: Merce, ALR, Felcman, J, Recio, MAL, editors. Molecular and supramolecular bioinorganic chemistry: applications in medical sciences. New York: Nova Science Pub Inc; 2009. p. 45–68.
  1. Exley, C. The toxicity of aluminium in humans. Morphologie. 2016, 100, 51-55. doi:http://dx.doi.org/10.1016/j.morpho.2015.12.003.
  1. Exley, C. Aluminium should now be considered a primary etiological factor in Alzheimer’s disease.  Journal of Alzheimers Disease. 2017, 1, 23-25. doi: 10.3233/ADR-170010.
  1.  Fawal-el, HA et al. Exposure to methylmercury results in serum autoantibodies to neurotypic and gliaotypic proteins. Neurotoxicology 1996; 17:531–9.
  2. Faryon J. https://www.kpbs.org/news/2014/jun/12/immunized-people-getting-whooping-cough/ 2014.
  1.  Flarend, RE, Hem, SL, White, JL, Elmore, D, Suckow, MA, Rudy, AC, Dandashli, EA. In vivo absorption of aluminum-containing vaccine adjuvants using 26Al. Vaccine 1997 Aug.-Sept.; 15(12-13):1314–8.
  2.  Fujinami, RS, Oldstone, MB, Wroblewska, Z, Frankel, ME, Koprowski, H,: Molecular mimicry in virus infection: cross-reaction of measles virus phosphoprotein or herpes simplex virus protein with human intermediate filaments. Proc Natl Acad Sci USA, 1983, 2346-2350.
  3.  Garay, PA, McAllister, AK. Novel roles for immune molecules in neural development: Implications for neurodevelopmental disorders. Front Synaptic Neurosci. 2010; 2:136.
  4.  Gatti, A, Montanari, S. New Quality-Control Investigations on Vaccines: Micro- and Nanocontamination. International Journal of Vaccines and Vaccination. Volume 4 Issue 1 – 2017.
  5.  Geier, M et al. Endotoxins in commercial vaccines. Appl Environ Microbiol 1978; 36:445–9.
  6.  Giangaspero, M et al. Genotypes of pestivirus RNA detected in live virus vaccines for human use. J vet Med Sci 2001;63:723–33.
  7.  Gonzales-Sarano, F, Martin-Garcia, J. the neuropathogenesis of AIDS. Nat Rev Immunol 2005; 5:69–81.
  8.  GSK, GlaxoSmithKline Package Insert for Boosterix, 2016
  9.  Ha E, Basu N, Bose-O’Reilly S, Dórea JG, McSorley E, Sakamoto M, Chan HM , Current progress on understanding the impact of mercury on human health. Environ Res. 2017 Jan;152:419-433. doi: 10.1016/j.envres.2016.06.042. Epub 2016 Jul 18.
  10.  Harasawa, R, Tomiyama, T. Evidence of pestivirus RNA in human virus vaccines. J Clin Microbiol 1994;32:1604–5.
  11.  Ha E, Basu N, Bose-O’Reilly S, Dórea JG, McSorley E, Sakamoto M, Chan HM. Current progress on understanding the impact of mercury on human health. Environ Res. 2017 Jan;152:419-433.
  12.  Israeli, E, Agmon-Levin N, Blank, M, et al. Adjuvants and autoimmunity. Lupus. 721 2009; 18(13):1217–25.
  13.  Ivanovic, DM, Leiva, BP, Pérez, HT, Olivares, MG, Díaz, NS, Urrutia, MS, Almagià, AF, Toro, TD, Miller, PT, Bosch, EO, Larraín, CG. Head size and intelligence, learning, nutritional status and brain development. Head, IQ, learning, nutrition and brain. Neuropsychologia. 2004; 42(8):1118-31.
  1.  Johnson, JA, Heneine, W. Characteristics of endogenous avian leukosis virus in chicken embryonic fibroblast substrates used in production of measles and mumps vaccine. J Virol 2001; 75:3605–12.
  2.  Johnston, MV. Neurotransmitters and vulnerability of the developing brain. Brain Dev. 728 1995; 17(5):301–6.
  3.  Kalokerinos, A.(1974) Every Second Child. New Canaan, CT: Keats Publishing, Inc.
  4.  Kanduc D., Quantifying the possible cross-reactivity risk of an HPV16 vaccine. J Exp Ther Oncol. 2009;8(1):65-76.
  5.  Kanduc D., Potential cross-reactivity between HPV16 L1 protein and sudden death-associated antigens. J Exp Ther Oncol. 2011;9(2):159-65
  6.  Kanduc D., Peptide cross-reactivity: the original sin of vaccines. Front Biosci (Schol Ed). 2012 Jun 1;4:1393-401.
  7.  Kanduc D, Shoenfeld Y., From HBV to HPV: Designing vaccines for extensive and intensive vaccination campaigns worldwide. Autoimmun Rev. 2016 Nov;15(11):1054-1061.
  8.  Kaneko, H. et al. DICER1 deficit induces Alu RNA toxicity in age-related macular degeneration. Nature 471, 325–330 (2011).
  9.  Kessel, A, Tal, Y, Jaffe, M, Even, L. Reversible brain atrophy and reversible developmental retardation in a malnourished infant. Isr J Med Sci. 1996 May;32(5):306-8.
  10.  Kidd, P. Th1/Th2 balance: The hypothesis, its limitations, and implication in health and disease. Altern Medicine Rev 2003; 8:223–46.
  1.  Kuban, KC, O’Shea, TM, Allred, EN, Fichorova, RN, Heeren, T, Paneth, N, Hirtz, D, Dammann, O, Leviton, A; ELGAN Study Investigators. The breadth and type of systemic inflammation and the risk of adverse neurological outcomes in extremely low gestation newborns. Pediatr Neurol. 2015 Jan; 52(1):42-8.
  2.  Kwon, Y. S., Choe, Y. H. & Chin, H. S. Development of glaucoma in the course of interferon α _therapy for chronic hepatitis B. Yonsei Med. J. 42, 134–136 (2001).
  3.  Lellouch-Tubiana, A et al. Immunocytochemical characterization of long-term persistent immune activation in human brain after herpes simplex encephalitis. Neuropathology Appl Neurobiol 2000; 26:285–94.
  4.  Malaki, M, Acute encephalopathy following the use of aluminum hydroxide in a boy affected with chronic kidney disease, J Pediatr Neurosci. 2013 Jan-Apr; 8(1): 81–82.
  1.  Mardinoglu, A, Shoaie, S, Bergentall, M, Ghaffari, P, Zhang, C, Larsson, E. , Backhed, F,  Nielsen, J. The gut microbiota modulates host amino acid and glutathione metabolism in mice. Molecular Systems Biology, 2015; 11 (10): 834.
  2.  Marques, RC, Abreu, L, Bernardi, JV, Dórea, JG. Neurodevelopment of Amazonian children exposed to ethylmercury (from Thimerosal in vaccines) and methylmercury (from fish). Environ Res. 2016 Jan 7. pii: S0013-9351(15)30184-5.
  3.  Matalon, KM, Acosta, PB, Azen, C. Role of nutrition in pregnancy with phenylketonuria and birth defects. Pediatrics. 2003 Dec; 112(6 Pt 2):1534-6.
  1. McLean H, Thompson M, Sundaram M, Meece J, McClure D, Friedrich T, Belongia E, Impact of Repeated Vaccination on Vaccine Effectiveness Against Influenza A(H3N2) and B During 8 Seasons, Clinical Infectious Diseases, Volume 59, Issue 10, 15 November 2014, Pages 1375–1385, https://doi.org/10.1093/cid/ciu680
  1. Mold M, Shardlow E & Exley C. Insight into the cellular fate and toxicity of aluminium adjuvants used in clinically approved human vaccinations. Scientific Report. 2016, 6, 31578. doi: http://dx.doi.org/10.1038/srep31578
  1. Mold M, Chmielecka A, Rodriguez M, Thom F, Linhart C, King A & Exley C. Aluminium in brain tissue in multiple sclerosis. International Journal of Environmental Research and Public Health. 2018, 15(8), 1777. doi: 10.3390/ijerph15081777.
  1. Mold M, Umar D, King A & Exley C. Aluminium in brain tissue in autism. Journal of Trace Elements in Medicine and Biology, 46, 76-82. 2017,doi: 10.1016/j.jtemb.2017.11.012.
  1. Mujika JI, Torre GD, Formoso E, Grande-Aztatzi R, Grabowski SJ, Exley C & Lopez X . Aluminium’s preferential binding site in proteins: sidechain of amino acids versus backbone interactions. Journal of Inorganic Biochemistry. 2017, 181, 111-116. doi: 10.1016/j.jinorgbio.2017.10.014.
  2.  Potts, BJ et al. Possible role of pestivirus in microcephaly. Lancet 1987; 1:972–3.
  3. Offit, PA, Jew, RK. Addressing parents’ concerns: do vaccines contain harmful preservatives, adjuvants, additives, or residuals? Pediatrics. 2003;112 (6 Pt 1):1394–7.
  4.  Olney, JW. New insights and new issues in developmental neurotoxicology. Neurotoxicology. 2002; 23(6):659–68.
  5.  Ovanesov, MV et al. Activation of microglia by Borna disease virus infection: In vitro study. J Virol 2006; 80:12141–8.
  6.  Petrik, MS, Wong, MC, Tabata, RC, et al. Aluminum adjuvant linked to gulf War illness induces motor neuron death in mice. Neuromolecular Med. 2007; 9(1):83–100.
  7.  Ronnblom, L. E., Alm, G. V. & Oberg, K. E. Possible induction of systemic lupus erythematosus by interferon-α treatment in a patient with a malignant carcinoid tumour. J. Intern. Med. 227, 207–210 (1990).
  8.  Rojo, LE, Fernandez, JA, Maccioni, AA, Jimenez, JM, Maccioni, RB: Neuroinflammation: implications for the pathogenesis and molecular diagnosis of Alzheimer’s disease. Arch Med Res 2008; 39: 1–16.
  1. Rosen J, Rota J, Hickman C, Sowers S, Mercader S, Rota P, Bellini W, Huang A, Doll M, Zucker J, Zimmerman C, Outbreak of Measles Among Persons With Prior Evidence of Immunity, New York City, 2011, Clinical Infectious Diseases, Volume 58, Issue 9, 1 May 2014, Pages 1205–1210, https://doi.org/10.1093/cid/ciu105.
  2. Rota PA, Khan AS, Durigon E, Yuran T, Villamarzo YS, Bellini WJ. Detection of measles virus RNA in urine specimens from vaccine recipients. J Clin Microbiol. 1995;33(9):2485-8.
  1.  Rubin, SA et al. Viral teratogenesis: brain developmental damage associated with maturation state at time of infection. Brain Dev Rev 1999; 112:237–44.
  2.  Segal, Y., Dahan, S., Calabrò, M., Kanduc D., Shoenfeld Y. et al. HPV and systemic lupus erythematosus: a mosaic of potential cross-reactions, Immunol Res (2017) 65: 564.
  3.  Shapiro, RF, Wiesner, KB, Bryan, BL, Utsinger, PD, Resnick, D, Casteles, JJ: HLA modified bone formation. Lancet, 1976, 307, 230-231.
  1.  Shardlow E, Mold M & Exley C. Unraveling the enigma: elucidating the relationship between the physicochemical properties of aluminium-based adjuvants and their immunological mechanisms of action. Allergy, Asthma and Clinical Immunology. 2018, 14:80. doi: 10.1186/s13223-018-0305-2.
  1. Shoenfeld, T, Aron-Maor, A. Vaccination and autoimmunity-‘vaccinosis’ a dangerous liaison? J Autoimmunity 2000; 14:1–10.
  2.  Shoenfeld, Y, Agmon-Levin, N. ‘ASIA’ – Autoimmune/inflammatory syndrome induced by adjuvants. J Autoimmun. 2011; 36(1):4–8.
  3. Shirabe, T et al. Autopsy case of aluminum encephalopathy. Neuropathology 2002; 22:206–10.
  4.  Sells, H. Brazil’s Northeast Emerging as Economic Powerhouse. CBN News July 23, 2012.
  1. Shilhavy B. http://vaccineimpact.com/2015/zero-u-s-measles-deaths-in-10-years-but-over-100-measles-vaccine-deaths-reported/
  1.  Singh, VK, Rivas WH. Prevalence of serum antibodies to caudate nucleus in autistic children. Neuroscience Lett 2004; 355:53–6.
  2.  Singh, VK et al. Antibodies to myelin basic protein in children with autistic behavior. Brain Behavior Immunol 1993; 7:97–103.
  3.  Singh, VK et al. Circulating autoantibodies to neural and glial filament proteins in autism. Pediatr Neurol 1997; 17:88–90.
  4.  Singer, HS et al. Antibrain antibodies in children with autism and their unaffected siblings. J Neuroimmunol 2006; 178:149–55.
  5.  Skull, SA, Ruben, AR, Walker, AC. Malnutrition and microcephaly in Australian aboriginal children. Med J Aust. 1997 Apr 21; 166(8):412-4.
  6.  Tarallo, V. et al. DICER1 loss and Alu RNA induce age-related macular degeneration via the NLRP3 inflammasome and MyD88. Cell 149, 847–859 (2012).
  7.  Theoharides, TC, Zhang, B. Neuro-inflammation, blood-brain barrier, seizures autism. J Neuroinflammation. 2011;8(1):168.
  8.  Tishler, M, Shoenfeld, Y. Vaccination may be associated with autoimmune disease. Isr Med Assoc J 2004; 6:430–2
  9. Tomljenovic, L. Aluminum and Alzheimer’s disease: after a century of controversy, is there a plausible link? J Alzheimers Dis. 2011; 23(4):567–98.
  10.  Tomljenovic, L, Shaw, CA. Aluminum vaccine adjuvants: are they safe? Curr Med Chem. 2011a; 18(17):2630–7.
  11.  Tomljenovic, L, Shaw, CA. Do aluminum vaccine adjuvants contribute to the rising prevalence of autism? J Inorg Biochem. 2011b; 105(11):1489–99.
  12.  Tomljenovic, L, Shaw, CA. Mechanisms of aluminum adjuvant toxicity in pediatric populations. Lupus. 2012; 21(2):223–30.
  13.  Trost B, Lucchese G, Stufano A, Bickis M, Kusalik A, Kanduc D., No human protein is exempt from bacterial motifs, not even one. Self Nonself. 2010 Oct;1(4):328-334.
  14.  Vargas, DL et al. Neuroglial activation and neuroinflammation in the brain of patients with autism. Ann Neurol 2005; 57:67–81.
  15.  Verma, R, Khanna, P, Dhankar, M. Vaccination during pregnancy: Today’s need in India. Hum Vaccin Immunother. 2015 Nov 30:0.
  16.  Volmer, R et al. Borna disease virus infection impairs synaptic plasticity. J Virol 2007; 81:8833–7.
  17.  Vranja,.A; http://www.saude.sp.gov.br/cve-centro-de-vigilancia-epidemiologica-prof.-alexandre-vranjac/areas-de-vigilancia/imunizacao/,  Centro de Vigilância Epidemiológica, October 2014
  18.  Yang HM, Mao M, Wan C. Vitamin A for treating measles in children. Cochrane Database of Systematic Reviews 2005, Issue 4. Art. No.: CD001479. DOI: 10.1002/14651858.CD001479.pub3
  19.  Yokel, RA et al. The distribution of aluminum into and out of the brain. J Inorg Biochem 1999; 76:127–32.
  20.  Zhang Q.; Aluminum-Induced Neural Cell Death. Adv Exp Med Biol. 2018;1091:129-160
  21. http://www.europarl.europa.eu/sides/getDoc.do?type=TA&reference=P8-TA-2018-0188&language=EN&ring=B8-2018-0188

Descarregar o documento em PDF

“Vaccinegate”: relatório da análise metagenómica da Gardasil 9

“Vaccinegate”: relatório da análise metagenómica da Gardasil 9

Resultados

Com estas análises, terminamos a triagem de primeiro nível da vacina Gardasil 9.

Presença de material genético adventício em quantidades residuais. Os seguintes pontos essenciais podem ser resumidos:

Presença de material genético adventício como ADN:

Bactérias: A percentagem é significativa: 54% do ADN total. A contaminação pode derivar principalmente da cultura de fungos, mas também de contaminantes no laboratório. Mais soluções em branco foram feitas para minimizar o erro devido à contaminação ambiental, mas teremos dados mais precisos quando fizermos réplicas com outros laboratórios. O ADN bacteriano pode interagir com o alumínio adjuvante e causar alergias, inflamação e auto-imunidade. Dados a confirmar.

ADN humano e de ratos: a sua origem não é conhecida! Pode ser que o ADN humano possa ser uma contaminação cruzada de outras linhas celulares usadas na produção de vacinas (é uma hipótese). Esse ADN pode interagir com o alumínio adjuvante e causar reacções inflamatórias e auto-imunes.

Vírus adventícios: fragmento L1 do ADN de dupla tensão do vírus HPV – vem do processo de fabricação do antígeno. É um contaminante porque apresenta problemas de segurança, pois não é degradado e permanece nos macrófagos ligados ao alumínio adjuvante por um longo período. O seu efeito biológico não é totalmente conhecido, mas provavelmente pode ser integrado no ADN hospedeiro, estimular a inflamação através da produção de citocinas pró-inflamatórias e reacções auto-imunes (ver pesquisa do Prof. Lee).

Fagos: eles derivam do processo de fabricação, são contaminantes adventícios comLet perigos desconhecidos. Os anticorpos contra fagos podem interagir com bactérias na flora bacteriana intestinal? Eles podem integrar-se na flora bacteriana?

Vírus de moluscos contagiosos: pertencem à família Poxviridae, subfamília Chordopoxvirinae, género Molluscipoxvirus. O termo varíola contido no nome desses vírus vem das vesículas (N.T.: do inglês “poxes”) produzidas pelo vírus da varíola.

Retrovírus: potencialmente incorporáveis no ADN. Podem causar transformação neoplásica e mutações do genoma do hospedeiro. Derivam da contaminação do ADN humano e dos ratos, uma possível contaminação cruzada com outras linhas celulares.

  • Vírus da leucemia do rato.
  • Retrovírus endógeno humano K.

Material genético adventício presente como ARN:

Bactérias: as transcrições indicam que as bactérias estão presentes e activas durante o processo de fabricação.

Construções sintéticas (sequências artificiais): podem derivar do processo de produção de antigéno por recombinação genética com o plasmídeo. Elas são potencialmente capazes de se recombinar com o ADN humano. A ligação com o adjuvante de alumínio pode prolongar e aumentar o efeito biológico (inflamação e auto-imunidade).

Os fungos e os seus vírus (vírus L-BC e narnavírus): o ARN dos fungos pode dar origem a proteínas alergénicas (que podem ligar-se ao alumínio adjuvante) enquanto, no que diz respeito aos vírus, não são conhecidos efeitos sobre as células humanas e da microbiota.

O vírus da anemia equina infecciosa e o vírus da leucemia do rato: (este último está presente tanto no ADN como no RNA e, portanto, é um vírus completo). Esses vírus são derivados da contaminação de matérias-primas e não devem estar presentes.

Descarregue: CORVELVA-Metagenomic-análise-relatório-em-Gardasil-9.pdfF

Fonte: https://www.corvelva.it/speciali-corvelva/analisi/vaccinegate-metagenomic-analysis-report-on-gardasil-9.html?fbclid=IwAR13to_mTxQw_DzQYNweb8HhVr1QrtrzNgvATvbHRD2Pq7xzxPwML-JrYz4

Infanrix Hexa: 65 toxinas encontradas, somente riscos e nenhum benefício

Infanrix Hexa: 65 toxinas encontradas, somente riscos e nenhum benefício

Já desde há vários ANOS que afirmo que temos de angariar 50 mil dólares para testarmos todas as vacinas para sabermos o que realmente é injectado por essas agulhas. Isso ficou claro para mim em 2009 com o fiasco da “gripe suína” do H1N1. Tantas pessoas ficaram com danos causados por ela e um grande aumento nos abortos e nados-mortos ocorreu. Comecei-me a perguntar em voz alta: “O que é que há nessas coisas? Devíamos testar esses frascos”.

Bem, finalmente está a acontecer.

Com a implementação das vacinas obrigatórias pelo governo, que de repente exigiram que as crianças italianas recebessem 11 vacinas para frequentarem a escola, os italianos estão a reagir.

Primeiro, eles substituíram o governo que pressionou pela obrigatoriedade das vacinas. Apelidando o seu movimento de #GovenmentofChange [#GovernodaMudança]. E, a 4 de Dezembro, o novo ministro da saúde italiano expulsou todos os 30 membros do conselho consultivo para a política de saúde.

A 13 de Dezembro, o Corvelva, um grupo de pesquisa científica, anunciou que havia recebido 10.000€ da Ordem Nacional de Biólogos da Itália para o projecto de usar o dinheiro para testarem o conteúdo de cada vacina actualmente disponível no mercado. O resultado do primeiro teste foi lançado em 16 de Dezembro, e o relatório deixa qualquer um boquiaberto.

Certamente não vai ouvir isto vindo dos meios de comunicação social convencionais.

A primeira vacina que testaram completamente foi a Infanrix Hexa – uma vacina seis-em-um fabricada pela GlaxoSmithKline (GSK) que deveria conter os seguintes antígenos: toxóides do tétano, da difteria e da tosse convulsa, estirpes virais de poliomielite inactivadas 1-2-3, antígeno de superfície da hepatite B. De forma chocante, o Corvelva não encontrou NENHUM desses antígenos na vacina, o que significa que nenhum anticorpo para os antígenos pretendidos será criado.

E, pior ainda, para além de nenhum antígeno de vacina, eles descobriram o seguinte:

  • vestígios de 65 contaminantes cruzados químicos de outras linhas de fabricação;
  • toxinas químicas;
  • macromoléculas irreconhecíveis;
  • vários peptídeos bacterianos livres que são potenciais alergénos e são capazes de induzir reacções auto-imunes;

Estas descobertas podem trazer justiça aos pais que perderam os seus filhos em 2009, quando 36 crianças morreram e mais de 1.700 ficaram com danos resultantes de um “ensaio clínico” – um bom nome para a experimentação em seres humanos.

Eu suspeito que, à medida que continuarem a testar cada uma das vacinas do calendário infantil. eles encontrarão compostos metálicos, nanotecnologia e uma longa lista de contaminantes químicos. Nalgum momento o trabalho publicado anteriormente por Gattis será vingado. Eu escrevi sobre as suas descobertas chocantes em um artigo anterior que poderá encontrar aqui.

O Infanrix Hexa é amplamente utilizado no mercado internacional. A vacina comporta todos os riscos e, literalmente, nenhum benefício. A sua utilização deve ser suspensa imediatamente, aguardando uma futura investigação. Se os testes continuarem a revelar cada vez mais inconsistências, a GSK poderá ficar em sérios apuros legais por rotulagem inadequada, processos de fabricação deficientes e talvez até serem acusados de homicídio.

Fonte:  https://vaxxter.com/infanrix-hexa-65-toxins-found-all-risk-no-benefit/?fbclid=IwAR2EZohKxrLFe1eNM4RyO7r3lgWbvpM1K3BubgxeEchZOwBRXsCsPxaiHWk

Compromisso entre a vacina e a doença enganando o sistema imunitário da criança

Compromisso entre a vacina e a doença enganando o sistema imunitário da criança

Compromisso entre a vacina e a doença enganando o sistema imunitário

Hoje em dia os formuladores de políticas, um após outro, parecem estar a promover políticas de vacinação sem isenções – apresentando um incessante e crescente volume de vacinas infantis que começa no período pré-natal e continua ao longo de toda a infância. Apesar desses esforços, a narrativa de que as vacinas mantêm as crianças saudáveis está rapidamente a desmoronar-se. As taxas de doenças crónicas e auto-imunes em crianças americanas subiram a níveis obscenos (54% na última contagem), concomitantemente com o aumento das taxas de vacinação – enquanto a expectativa de vida dos EUA está a diminuir.

Nenhum dos indivíduos que apresentam a vacinação como um bem inquestionável discute os compromissos envolvidos na adulteração do sistema imunológico humano primorosamente sofisticado, em particular durante os primeiros estágios de desenvolvimento da criança, nem reconhecem que as duas das premissas básicas da vacinação são inerentemente falsas:

  1. Tornou-se claro que a produção de anticorpos de curta duração que as vacinas buscam induzir não se compara à imunidade abrangente ao longo da vida que resulta da infecção natural.
  2. Uma análise honesta das estatísticas de saúde mostra que as vacinas exigem um alto custo quando redesenham o sistema imunológico das crianças e, ao invés de entrarem na vida adulta com saúde uma robusta, muitas crianças estão a pagar o preço através de alguma forma de disfunção imunológica nalgum momento da sua vida.

Criando um sistema imunitário desequilibrado

Os cientistas admiram o sistema imunitário como “o sistema mais complexo que o corpo humano possui”. É também um “modelo de versatilidade”, realizando uma impressionante variedade de funções essenciais. Estes incluem a diferenciação entre “eu inofensivo” e os invasores prejudiciais (por exemplo, bactérias, vírus, fungos ou toxinas), amplificação da resposta imune, excreção de detritos celulares (através de mecanismos como a febre, sudorese, erupção cutânea e expectoração) envolvimento na reparação de tecidos, interacção com o microbioma intestinal e muito mais.

Este sistema “incrivelmente preciso” tem dois braços coordenados. O sistema imunológico celular é caracterizado pela actividade dos glóbulos brancos que viajam para a(s) área(s) da infecção com o objectivo de eliminar as células infectadas. O sistema imunológico humoral estimula a formação de anticorpos que atacam as proteínas específicas do invasor (antígenos) para a sua destruição.

“Interferir com uma resposta imunológica tão precisa (o resultado de milhões de anos de afinação evolucionária) acarreta um risco massivo de consequências indesejadas – e essas consequências estão agora a manifestar-se sob a forma duma crise de auto-imunidade.”

A marca registada da vacinação é o ignorar da resposta mediada pelas células a favor de uma “infecção simulada”, enquanto incentiva uma resposta humoral desproporcional. De acordo com um novo e elegante livro do Dr. Thomas Cowan (Vacinas, Autoimunidade e Mudança da Natureza da Doença na Infância), essa supressão “imprudente” da resposta mediada por células é uma ideia muito má: “Interferir com uma resposta imune tão precisa (o resultado de “milhões de anos de aperfeiçoamento evolucionário”) acarreta um enorme risco de consequências não intencionais”- e essas consequências estão agora a manifestar-se sob a forma de uma crise de auto-imunidade.”

Cowan afirma:

“A provocação deliberada de anticorpos sem actividade mediada por células produz um desequilíbrio no nosso sistema imunológico e um estado de produção excessiva de anticorpos. Essa produção excessiva de anticorpos realmente define a doença autoimune. (…) Com milhões de pessoas que sofrem de doenças autoimunes, em número inédito antes da introdução dos programas de vacinação em massa, como é que essa associação pode ser considerada controversa?” [Ênfase no original]

Perdendo a protecção

A desregulação imunológica – incluindo a disfunção do tipo que é causada pela vacinação – está associada não apenas à autoimunidade mas também ao cancro, e os cancros infantis estão a subir em flecha.

Em contraste, muitas das doenças da infância outrora universais eram, de facto, protectoras contra vários tipos de cancro. Dito de outra forma, as infecções agudas, e em particular aquelas que causavam febre, eram historicamente “antagónicas ao cancro”. Por exemplo:

  • A papeira [caxumba] adquirida naturalmente gera imunidade contra o cancro do ovário através dos anticorpos contra um antigeno associado ao cancro.
  • Os indivíduos que tiveram doenças infecciosas indutoras da febre na infância (como a rubéola e a varicela) tinham um risco menor de cancros não relacionados com a mama, incluindo o melanoma e cancro do ovário.
  • As infecções agudas da infância protegem contra o linfoma de Hodgkin e o sarampo, em particular, protege contra o linfoma não-Hodgkin.

“As crianças que passam com sucesso pelo sarampo têm menos doenças cardíacas, artrite, alergias, doenças auto-imunes e, em geral, melhor saúde do que aquelas que nunca contraem sarampo.”

Apesar das histórias frenéticas dos meios de comunicação sobre os “surtos de sarampo”, existem várias razões para considerar a infecção natural pelo sarampo na infância, benéfica. Conforme resumido no livro de Cowan, “as crianças que passam com sucesso pelo sarampo têm menos doenças cardíacas, artrite, alergias, doenças auto-imunes e saúde em geral melhor do que aquelas que nunca contraem sarampo”.

A Children’s Health Defense evidenciou anteriormente como os benefícios do sarampo antigamente eram dados como garantidos até que, afirma Cowan, a vacina surgiu “e mudou a forma como pensamos sobre o sarampo”.

Ironicamente, o potencial dos vírus para servirem como “possíveis agentes de destruição de tumores” despertou o interesse há um século atrás, quando as experiências clínicas mostraram que, “dado o conjunto certo de condições, o cancro regrediria durante infecções virais naturalmente adquiridas“. Na era actual, o uso dos vírus como tratamento anti-cancro transformou-se no “campo respeitável” da viroterapia oncolítica, levando até mesmo a testes clínicos – e “o vírus do sarampo ainda representa um candidato altamente interessante para essa abordagem”.

As intervenções virais geneticamente modificadas também prometem lucros para a indústria farmacêutica, ao passo que o simples facto de permitir que as crianças contraiam o sarampo e adquiram sua protecção contra o cancro naturalmente, inviabiliza o lucro.

Infelizmente, o entusiasmo pelos vírus como “sérios concorrentes no tratamento do cancro” fortaleceu ainda mais a confiança dos cientistas nas cepas de vacinas contra o vírus do sarampo – que são, afinal, “passíveis de modificação genética em laboratório” – estimulando o zelo por uma “nova era” de engenharia da imunidade ”e mais fé deslocada para a “manipulação racional do sistema imunológico” que levou às vacinas em primeiro lugar (e se alguém está preocupado com o potencial desses vírus geneticamente modificados para provocarem mais consequências não intencionais, eles estão a guardar essas preocupações para si mesmos). As intervenções virais geneticamente modificadas também prometem lucros para a indústria farmacêutica, ao passo que o simples facto de permitir que as crianças contraiam o sarampo e adquiram sua protecção contra o cancro naturalmente, inviabiliza o lucro.

Apertando o cerco

Cada vez mais os arruaceiros das vacinas empregam estratégias que seriam impensáveis até há cinco anos atrás. Por exemplo, um hospital para crianças na Flórida, que está sob investigação por erros médicos e uma taxa inesperadamente alta de mortalidade em pacientes jovens de cirurgias cardíacas, anunciou recentemente que negará serviços a crianças não vacinadas ou parcialmente vacinadas e o hospital também está a “endurecer” relativamente às vacinas contra a gripe, exigindo não apenas aos funcionários, mas também aos “médicos não-funcionários, estudantes de medicina em formação, comerciais da indústria farmacêutica e de dispositivos médicos e voluntários”, que tomem a vacina ou, (no caso dos funcionários) correm o risco de serem despedidos. A razão citada para essas políticas não anunciadas é a da “segurança do paciente”.

As vacinas prejudicam a função normal do sistema imunológico e deixam as crianças e adultos vulneráveis a doenças crónicas muito mais graves.

À medida que essas tácticas de linha-dura se multiplicam, é vital tornar visível o fracasso do programa de vacinação dos EUA, aos olhos do público. O fenómeno, longe de ser invulgar, do fracasso da vacina em indivíduos vacinados, tornou bem claro que uma resposta de anticorpos induzida pela vacina – o típico indicador de “protecção” da vacina – é essencialmente inútil como garantia da imunidade real.

Pior ainda, as vacinas estão a prejudicar a função normal do sistema imunológico e a deixar as crianças e adultos vulneráveis às doenças crónicas muito mais graves. O status quo das vacinas pode não estar disposto a admitir que o paradigma da vacinação é fatalmente errado, mas é lamentavelmente aparente que, nas palavras do Dr. Cowan:

“As nossas comunidades, hospitais e escolas estão a transbordar com crianças doentes e com danos — padecendo com frequência de doenças que mal existiam há cem anos atrás”.

Fonte: https://childrenshealthdefense.org/news/vaccine-vs-disease-trade-offs-cheating-childrens-immune-systems/?utm_source=mailchimp

Consequências não intencionais: genes sujos nas vacinas

Consequências não intencionais: genes sujos nas vacinas

Consequências não intencionais genes sujos nas vacinas

O que acontece quando as nossas agências reguladoras governamentais, encarregues de proteger a saúde pública, não divulgam os riscos conhecidos pela indústria?

No caso dos vírus e ADN nas vacinas, a FDA [agência reguladora dos fármacos e alimentos nos EUA] observou, a nível interno, que:

“Pequenas quantidades de ADN de substrato celular residual inevitavelmente estão presentes em todas as vacinas virais, assim como em outros produtos biológicos produzidos que usam substratos celulares. Existem várias formas possíveis do ADN ser um factor de risco. O ADN pode ser oncogénico ou infeccioso. Para além disso pode causar a mutagénese por inserção através da integração no genoma do hospedeiro”.

Como todas as vacinas contêm ADN residual que tem potencial para ser oncogénico (causando cancro), mutagénico (alterando o seu código genético) e infeccioso, não é de grande preocupação que a secção 13 de cada folheto informativo da vacina afirme que o produto não foi avaliado para efeitos cancerígenos (causadores de cancro) ou mutagénicos?

A FDA continua, afirmando que:

“O uso de linhas celulares derivadas de tumores humanos apresenta preocupações de segurança adicionais em relação à potencial presença de vírus inesperados e desconhecidos. Estes incluem vírus que podem estar presentes na linhagem celular devido à sua existência no tecido do paciente, tais como vírus de ADN latentes oncogénicos (por exemplo adenovírus, hepadenovírus, herpesvírus, papilomavírus, poliomavírus) e retrovírus endógenos (ERVs), que existem normalmente num estado latente no ADN da célula hospedeira de todas as espécies…”

Isto sugere que estes vírus estão adormecidos e inativos e actualmente não se expressam e têm todo o potencial para causarem infecções se forem despertados. Esses vírus silenciosos e adormecidos só podem ser detectados nas células usadas para produzir vacinas se forem activados, expondo-se, pelo que a sua detecção é bastante problemática. Este é um problema de todas as cepas celulares usadas para produzir vacinas e não é exclusivo das células tumorigénicas humanas.

A engenheira genética Dr. Theresa Deisher, PhD em Fisiologia Molecular e Celular da Universidade de Stanford, com mais de 20 anos de experiência em biotecnologia, relata que:

“Células humanas, não as só danificadas, mas também as células humanas saudáveis, podem absorver ADN estranho espontaneamente. O ADN humano estranho captado pelas células humanas será transportado para os núcleos e integrado ao genoma do hospedeiro, o que causará mudança fenotípica”.

Então, aqui temos as provas de que o ADN humano nas vacinas seguintes tem o potencial de causar mudanças genéticas em todas as crianças que as recebem:

  1. Vacina contra o sarampo, papeira [caxumba], rubéola / MMR / tríplice viral
  2. Vacina contra a difteria, tétano, tosse convulsa [coqueluche] e poliomielite (DTaP / TdP)
  3. Vacina contra a varicela e zona
  4. Vacina contra a hepatite A
  5. Vacina antirábica
  6. Vacina contra a poliomielite
  7. Vacina contra a Haemophilus influenzae

De acordo com o Comité Consultivo de Práticas de Imunização [Advisory Committee on Immunization Practices ou ACIP] e dependendo dos produtos utilizados, uma criança tem o potencial de receber até seis injecções separadas que contêm ADN humano residual até aos dois anos de idade.
A FDA prossegue, discutindo o aspecto da segurança do ADN residual nas vacinas: o Dr. Peden, chefe do Laboratório de ADN de Vírus da FDA, afirma que:

“Depende do mecanismo de transformação. Por exemplo, mutações, rearranjos cromossómicos, translocações, retrotransposições, etc., envolvem ADN. Portanto, a redução do tamanho e da quantidade do ADN deverá mitigar esse risco” (ênfase a negrito adicionado).

A conclusão de que o tamanho do ADN reduzirá o risco de mutagénese e infecção é baseado em nada mais do que uma crença. Pesquisas mostram que em mamíferos, tal como nos humanos, o código genético é altamente repetitivo, o que significa que é homólogo (similar em estrutura).

Pequenos fragmentos de ADN são usados para obter modificações genéticas de forma terapêutica. Não é muito difícil imaginar que essa mesma observação também ocorra de forma não terapêutica:

“A substituição homóloga é usada para modificar sequências genéticas específicas do ADN cromossómico num processo denominado “substituição homóloga de fragmento pequeno”, onde fragmentos de DNA substituem o alvo genómico, resultando em mudanças específicas na sequência.”

Estudos mostram que é a genética do indivíduo que aumenta o risco e a susceptibilidade à natureza infecciosa do ADN e mutagénese de inserção:

“O ADN residual (rADN) é composto por fragmentos de ácido desoxirribonucleico (ADN) e moléculas de maior comprimento originadas do organismo hospedeiro que podem estar presentes em amostras de processos biológicos recombinantes. Embora similar em unidades básicas básicas de pares de bases, o rADN pode existir em diferentes tamanhos e formas físicas. O interesse em medir o rDNA em produtos recombinantes é baseado principalmente na demonstração de purificação efetiva durante a fabricação, mas também em algumas preocupações hipotéticas de que, em casos raros, dependendo do sistema de expressão do hospedeiro, algumas sequências de ADN podem ser potencialmente infecciosas ou oncogénicas (por exemplo, vírus HIV e o oncogene Ras, respectivamente)”.

O Dr. Peden prossegue afirmando que “nas células primárias e diplóides não há limites para a quantidade de ADN nas vacinas”. Isso significa que essas medidas de segurança para limitar a quantidade de ADN residual não se aplicam às vacinas de vírus vivos cultivadas em células diplóides humanas, como a MMR (tríplice viral) e varicela.

Além da abominação de modificar geneticamente os nossos filhos através da mutagénese de inserção de ADN de linhagem diplóide humana macho e fêmea sem um consentimento informado, há outro elefante na sala: a presença de retrovírus endógeno humano K (HERV-K) que foi encontrado na MMRII e VARIVAX. É importante notar que foram as cepas de células WI-38 e MRC-5 que contêm esse contaminante que foram usadas e, como tal, todo e qualquer produto usado com essas linhas de células irá conter HERV-K.

Consequências não intencionais genes sujos nas vacinas
Veja Victoria et al., (2010)

O retrovírus endógeno humano (HERV) está associado a uma miríade de estados de doenças crónicas:

“Vários mecanismos pelos quais os HERVs poderiam produzir efeitos patológicos foram propostos, incluindo a criação de novas variantes de HERVs, mutagénese de inserção e toxicidade proteica. A este respeito, a activação do HERV parece influenciar a agressividade de diferentes cancros, incluindo o seminoma, melanoma, leucemia, carcinoma hepatocelular, sarcoma, próstata, mama e cancro do cólon. Da mesma forma, o processo patológico de doenças reumáticas, lúpus eritematoso sistémico, esclerose múltipla, transtornos do espectro do autismo, esquizofrenia, transtorno bipolar, psoríase, diabetes tipo I e esclerose sistémica mostra uma correlação com a actividade do HERV ”.

Consequências não intencionais genes sujos nas vacinas

Os cancros infantis estão em ascensão e não podemos subestimar o papel que a injecção directa de HERV-K tem nesse contexto, em particular quando está directamente associado à leucemia, como pode ser visto aqui:

“Em pacientes com leucemia, a presença de anticorpos contra o HERV-K foi identificada, o que poderia sugerir um aumento da expressão do HERV-K em células leucémicas.”

E aqui:

“A resposta do anticorpo contra os peptídeos HERV-K foi relatada em pacientes com leucemia, sugerindo uma possível superexpressão dessa sequência em células leucémicas.”

Consequências não intencionais genes sujos nas vacinas

Aqui vemos que os vírus herpes reactivam o HERV:

“Os vírus herpes também podem ser um gatilho significativo na expressão do HERV no SNC. Vários relatos detectaram EBV, vírus herpes simplex tipo 1 (HSV-1), vírus varicela-zona (VZV) e vírus herpes humano tipo 6 (HHV-6) em amostras de pacientes com EM. Todos esses vírus herpes também demonstraram desencadear a expressão dos HERVs.”

Deve ser altamente preocupante para todos haver HERV-K na presença de um vírus herpes vivo, como é o caso da vacina VARIVAX (varicela-zona).

Dada a informação acima, parece que todas as vacinas são inerentemente perigosas e cada indivíduo, não uma agência governamental, deveria estar a fazer a sua própria análise de risco-benefício para o uso desses produtos. Isso também significa que todos estamos a participar numa experiência com a qual não concordamos e sobre a qual ainda estamos a descobrir quais as consequências não intencionais do consumo desses produtos.

Não é um segredo – embora raramente seja debatido pelos meios de comunicação e profissionais médicos a quem confiamos os nossos filhos – que as infecções para as quais temos vacinas eram infecções infantis agudas, auto-limitadas, comuns, como pode ser visto aqui neste artigo fundamentado com uma pesquisa muito boa:

Consequências não intencionais genes sujos nas vacinas
Número de mortes estimado por cada tipo de acidente [dados dos EUA]. Fonte

Antes da vacinação, o risco de morrer dessas infecções ainda é menor do que o risco de morrer com um relâmpafo, sufocado ou escorregar no chuveiro. Era pouco frequente a criança ter um resultado adverso dessas infecções. Assim como é fora de vulgar a criança ter um resultado adverso com a vacinação, talvez tenhamos apenas trocado uma criança geneticamente susceptível por outra?

O Dr. James Lyons-Weiler explicou melhor:

“Se nós, como sociedade, desfrutamos do benefício colectivo da proteção contra doenças infecciosas devido às vacinas então, como sociedade, partilhamos a responsabilidade colectiva de proteger aqueles que correm um maior risco de danos das vacinas. Chega de propaganda que afirma que não existem riscos. Chega. Genética e atenção cuidadosa aos factores de risco confiáveis terão um papel fundamental na protecção daqueles que são mais susceptíveis…”.

Agora que 54% das nossas crianças sofrem de pelo menos uma de 20 doenças crónicas, incluindo transtornos do neurodesenvolvimento, distúrbios convulsivos, alergias severas, doenças auto-imunes e cancro, começamos a perceber que, se tem uma criança saudável, agora faz parte da minoria. Talvez seja hora de voltarmos às nossas raízes e abraçarmos os remédios naturais. Talvez seja a hora de pararmos de acreditar nos produtos farmacêuticos e nos médicos que os prescrevem em exclusivo. Talvez tenha chegado o momento de separarmos as grandes farmacêuticas e o estado.

Fonte: https://www.ipakmedicalhealthnews.com/home/unintended-consequences-dirty-genes-in-vaccines?fbclid=IwAR1kICgMTxPKzaXk5gAJd-YNW1M569xQYMRaRJSAD8OHWwlSYmGUjEw9lUs

Exposição natural vs artificial ao sarampo: não é a mesma coisa

Exposição natural vs artificial ao sarampo: não é a mesma coisa

Exposição natural vs artificial ao sarampo: não é a mesma coisa

Há um facto raramente considerado pelas autoridades de saúde pública: a vacinação não é uma intervenção que elimina a exposição à doença pelos indivíduos. A vacinação substitui a exposição natural pela exposição artificial e não é a mesma coisa. Estamos há muitas décadas em campanhas de vacinação em massa e é alarmante que, em vez da comunidade médica e científica recuar para examinar o impacto geral na saúde pública e individual para ver se as estratégias actuais devem ser reavaliadas, o foco está naqueles que questionam ou recusam a vacinação.

Os especialistas reconheceram que a actual vacina contra o sarampo não pode erradicar o sarampo por causa de falhas primárias e secundárias. [1] Estudos descobriram que a concentração e a duração da protecção dos anticorpos maternos para bebés com mães vacinadas é menor do que a proteção providenciada pelas mães não vacinadas [2], e verificou-se que uma terceira dose da tríplice viral [MMR] não pode aumentar a protecção por um período de tempo indefenido [3], deixando a maioria dos adultos desprotegidos. Entramos numa era em que vacinamos bebés e idosos vulneráveis ​​- populações que estavam protegidas quando o sarampo circulava naturalmente. É um enigma confuso cuja responsabilidade não pode ser colocada sobre daqueles que desistem da vacinação. Para a grande maioria das crianças saudáveis ​e ​que podem lidar facilmente com um caso de sarampo na infância, a vacinação não oferece nenhum benefício pessoal e apenas as expõe ao risco de lesões vacinais e vulnerabilidade ao sarampo na vida adulta.

Uma vez que a indústria não disponibiliza uma única vacina contra o sarampo, isso deixa apenas a controversa tríplice viral [MMR] que parece não ter tido nenhum ensaio clínico. A MMR contém ADN fetal fragmentado na porção da rubéola, que alguns acham moralmente censurável e outros medicamente problemáticos devido ao potencial de autoimunidade e mutagénese insercional [4]. Para além disso, a vacina é altamente contaminada com glifosato a partir da gelatina [5], e não existem estudos que mostrem que a injecção de glifosato seja segura ou como pode alterar a resposta imune aos outros ingredientes. Acrescente-se que a Merck já foi acusada de falsificar a eficácia da porção da papeira na sua vacina [6] e, Houston, temos um problema.

100% de vacinação não alteraria o dilema da falha ou risco da vacina. A OMS [Organização Mundial de Saúde] escolheu o objectivo da erradicação global antes de ter uma ferramenta segura capaz de o alcançar. Ao invés de pressionar por uma maior aceitação, o tempo e o dinheiro seriam muito melhor gastos na implementação de programas rápidos de diagnóstico e notificação usando novas tecnologias para detectar e isolar como antigamente, pesquisando os melhores e mais seguros tratamentos para o sarampo, cultivando os princípios básicos da imunidade saudável nas comunidades mais pobres: acesso a água limpa e saneamento e nutrição adequados.

Referências

[1] Poland, Gregory A and Robert M Jacobson. “The re-emergence of measles in developed countries: time to develop the next-generation measles vaccines?” Vaccine vol. 30,2 (2012): 103-4.

[2] Waaijenborg, et al. “Waning of Maternal Antibodies Against Measles, Mumps, Rubella, and Varicella in Communities With Contrasting Vaccination Coverage.” OUP Academic, Oxford University Press, 8 May 2013, academic.oup.com/jid/article/208/1/10/796786.

[3] Fiebelkorn AP, Coleman LA, Belongia EA, et al. Measles virus neutralizing antibody response, cell-mediated immunity, and IgG antibody avidity before and after a third dose of measles-mumps-rubella vaccine in young adults. The Journal of infectious diseases. 2016;213(7):1115-1123. doi:10.1093/infdis/jiv555.

[4] Deisher, T A, et al. “Epidemiologic and Molecular Relationship Between Vaccine Manufacture and Autism Spectrum Disorder Prevalence.” Issues in Law & Medicine., U.S. National Library of Medicine, 2015, www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26103708.

[5] Honeycutt, Zen. “Glyphosate in Childhood Vaccines.” Moms Across America, www.momsacrossamerica.com/glyphosate_in_childhood_vaccines.

[6] Solomon, Lawrence. “Merck Has Some Explaining To Do Over Its MMR Vaccine Claims.” HuffPost Canada, HuffPost Canada, 27 Nov. 2014, www.huffingtonpost.ca/lawrence-solomon/merck-whistleblowers_b_5881914.html.

Fonte: https://www.bmj.com/content/362/bmj.k3976/rr-11?fbclid=IwAR2Chr6XxBjV_C9JIrQN2bg84DZBtI94HZ9lL1PN4eHaAgLrE2MGy2s-ULQ

As Enormes Mentiras sobre as Vacinas

As Enormes Mentiras sobre as Vacinas

As Enormes Mentiras sobre as Vacinas

Colocadas as mentiras sobre vacinas no contexto de uma sessão de perguntas e respostas:

P: Digamos que aceito a ideia de que as vacinas dão protecção contra as doenças. As vacinas criam imunidade. Qual é o problema? Porque é que eu me deveria preocupar? Porque é que eu deveria procurar informações fora dos meios convencionais?

R: Bem, vamos começar por aqui. A teoria da vacinação afirma que as vacinas fazem com que o sistema imunológico de uma pessoa entre em acção contra um germe em particular que é colocado na vacina. Este é um “ensaio” que prepara o sistema imunológico para reagir quando a doença e o germe reais vierem mais tarde. Faz sentido?

P: Sim. Isso foi o que me ensinaram.

R: Mas repare, há uma vacina (da Hepatite B) que é administrada a bebés logo no dia em que nascem. O bebé não possui um sistema imunológico próprio. Na verdade, alguns investigadores afirmam que uma criança não desenvolve completamente o seu próprio sistema imunológico até os 12-14 anos.

P: Ai é? Como assim?

R: Uma vacina não pode criar o “ensaio” desejado, a menos que o destinatário tenha seu próprio sistema imunológico. Isso é óbvio.

P: Mas isso significaria que a vacina não pode funcionar ao longo daqueles anos em que uma criança não possui seu próprio sistema imunológico completamente desenvolvido.

R: Correcto.

P: Mas, então, todos os especialistas estariam errados.

R: Isso mesmo.

P: E quanto aos idosos? Nós ouvimos constantemente que eles devem receber vacinas porque têm sistemas imunológicos fracos.

R: Essa é outra informação falsa. As vacinas não podem tornar um sistema imunitário fraco mais forte. De acordo com a sabedoria convencional, as vacinas apenas preparam um sistema imunitário funcional para uma doença que virá mais tarde. Na verdade, uma vacinação dada a pessoas cujo sistema imunológico é fraco pode ter um efeito decididamente negativo. A vacinação pode sobrecarregar o sistema imunitário fraco.

P: Mas temos uma grande quantidade de informações que afirmam que as vacinas aniquilaram as doenças tradicionais. A taxa de sucesso foi notável.

A: Dois pontos aqui. Como Ivan Illich afirma no seu livro, Nemesis Médico:

“A taxa de mortalidade combinada da escarlatina, difteria, tosse convulsa e sarampo entre as crianças até quinze anos mostra que quase 90 por cento do declínio total da mortalidade entre 1860 e 1965 ocorreu antes da introdução dos antibióticos e da imunização generalizada. Em parte, esta recessão pode ser atribuída à melhoria das condições de habitação e à diminuição da virulência dos microrganismos mas, de longe, o factor mais importante foi a maior resistência do hospedeiro devido à melhor nutrição. ” (Ivan Illich, Medical Nemesis, Bantam Books, 1977)

P: E qual é o outro ponto?

R: Quando os especialistas afirmam que as vacinas aniquilaram as doenças tradicionais, o que é que eles estão realmente a dizer? Eles estão a dizer que os sintomas visíveis dessas doenças raramente são vistos, em comparação com as décadas anteriores. Mas porque é que esses sintomas visíveis se tornaram residuais?

P: Sim, porquê?

R: Pode ser porque esses sintomas foram eliminados. Mas pode ser também porque esses sintomas foram suprimidos.

P: Eu não estou a entender.

R: Considere os sintomas básicos do sarampo. Erupções cutâneas, febre. Na abordagem convencional eles são simplesmente o resultado da infecção pelo vírus do sarampo? Não. Os sintomas são uma combinação da infecção e da reacção do sistema imunológico do organismo ao germe. Essa reacção – a resposta inflamatória – é a tentativa do corpo de se descartar dos efeitos do germe. É POR ISSO QUE VEMOS OS SINTOMAS.

P: Ai é? Como assim?

R: As vacinas contêm elementos tóxicos. Germes, produtos químicos como o alumínio e o formaldeído. Se essas substâncias tóxicas enfraquecem o sistema imunológico, então NÃO haverá uma resposta inflamatória completa. O sistema imunológico não será capaz de montar essa resposta. Portanto, os sintomas visíveis da doença não aparecerão quando a doença real vier. Entende?

P: Sim. O sistema imunológico estará muito fraco para lutar.

R: A vacinação enfraquece o sistema imunológico. Então, quando a doença do sarampo chega posteriormente, a pessoa que recebeu a vacina não conseguirá confronta-la facilmente. Portanto, não verá as erupções cutâneas e a febre. As erupções cutâneas e a febre ocorrem quando o sistema imunológico é capaz de montar uma resposta completa.

P: Portanto?..

R: Portanto, após as campanhas de vacinação em massa contra o sarampo parecerá que o sarampo foi aniquilado porque, em geral, não vemos os sintomas tradicionais. Mas isso é uma ilusão. O sarampo realmente não foi exterminado. Em vez disso, as pessoas agora sofrem com um sistema imunológico mais fraco e os sintomas disso serão diferentes.

P: Essa é uma ideia perturbadora.

R: Sim é. Porque agora estamos a falar de doenças crónicas e não do sarampo agudo que se elimina rapidamente na presença de um sistema imunológico totalmente funcional.

P: Espere um minuto. Durante muito tempo milhões de casos de sarampo foram relatados no Terceiro Mundo, onde o sistema imunológico das crianças é muito fraco. Portanto, os sintomas do sarampo foram visíveis.

R: Sim. Digamos que o sistema imunológico dessas crianças foi, ao mesmo tempo, forte o suficiente para montar uma resposta inflamatória. É por isso que as erupções e a febre apareceram. Mas, depois da vacinação com elementos tóxicos, deixou de ser esse o caso. Todas essas crianças estavam agora “abaixo da linha”. Quando o sarampo surgiu deixamos de ver os sintomas. Após a vacinação, o seu sistema imunológico tornou-se muito fraco para montar a resposta inflamatória. Isso não é “eliminar o sarampo”. Isso é “substituir o sarampo pelas doenças crónicas”.

P: Parece estar a dizer que precisamos de fortalecer o sistema imunológico das pessoas. Essa é a verdadeira resposta. Então as crianças terão doenças verdadeiras e vão supera-las – e então elas terão imunidade para o resto da vida.

R: Sim, absolutamente.

P: Qual o “tratamento” médico que poderá conseguir isso?

R: Não há nenhum. Reforçar o sistema imunológico de uma pessoa é uma situação não médica. Envolve uma melhor nutrição, melhor higienização local e outros factores, nenhum dos quais tem que ver com o tratamento médico.

P: Também afirma que um sistema imunológico fraco abre a porta a todo tipo de doenças.

R: Correto. A vacinação não pode curar um sistema imunológico fraco. A solução não deve ser médica.

P: Imagino que essa ideia não seja apelativa para os médicos.

R: Dizer que não é apelativa é muito lisongeiro.

P: Mas deve haver uma solução médica para os sistemas imunológicos fracos.

R: Porquê?

P: Porque se não houver então tudo o que nos ensinaram está errado.

R: E não consegue aceitar isso?

P: Se eu aceitasse isso significaria que o sistema médico tem uma grande responsabilidade na debilidade do sistema imunológico das pessoas.

R: E a interminável propaganda diz-lhe que isso não pode ser verdade.

P: Certo.

R: E de quem é esse problema?

[SILÊNCIO]

P: Eu não quero pensar sobre isso. Prefiro enterrar minha cabeça na areia. Deixe-me mudar a conversa para algo sobre o qual escreveu – a vacina contra a gripe. Isso também me incomoda. Citou o autor Peter Doshi, que publicou um artigo no BMJ Journal. Posso citá-lo?

R: À vontade. Continue.

P:

“O Dr. Peter Doshi, no BMJ online (British Medical Journal), revela uma monstruosidade”.

“Como a Doshi afirma, todos os anos centenas de milhares de amostras respiratórias são retiradas de pacientes com gripe nos EUA e testadas em laboratórios. Aqui está destaque: apenas uma pequena percentagem dessas amostras evidencia a presença de um vírus da gripe”.

“Isso significa: a maioria das pessoas na América e que são diagnosticadas por médicos com a gripe não têm o vírus da gripe no corpo”.

“Então eles não têm gripe”.

“Portanto, mesmo que assuma que a vacina contra a gripe é útil e segura, não pode prevenir todos aqueles “casos de gripe” que não são casos de gripe”.

“A vacina nunca poderia funcionar”.

“A vacina não é projectada para prevenir a falsa gripe, a menos que os porcos tenham asas”.

“Aqui está a citação exacta da revisão do BMJ por Peter Doshi, (BMJ 2013; 346: f3037)”:

“…mesmo a vacina ideal contra a gripe, combinada perfeitamente com as cepas circulantes da gripe selvagem e capaz de parar todos os vírus da gripe, só pode lidar com uma pequena parte do problema da “gripe” porque a maioria das “gripes”parece não ter nada a ver com gripe. Todos os anos, centenas de milhares de espécimes respiratórios são testados por todos os EUA. Daqueles testados, em média 16% são validados como gripes”.

“(…) Não é de admirar que muitas pessoas sintam que as “vacinas contra a gripe” não funcionam: para a maioria das gripes não podem”. (Fim da citação de Doshi)

“Porque a maioria dos casos diagnosticados de gripe não são gripe”.

“Então, mesmo se for um verdadeiro crente na teoria das vacinas, está a cair num engodo. Eles estão a aldraba-lo.”

R: Tem alguma pergunta sobre isso?

P: É mais como uma… é chocante. Profundamente chocante.

R: É suposto ser chocante. Os factos às vezes são.

P: Mas como é que isto consegue escapar ao jornalismo convencional? Porque é que esta história de proporções gigantescas não é relatada na imprensa? Porque é que o governo não investiga isto?

R: Porque é que não responde à sua própria pergunta?

P: Porque eu tenho medo de ficar em estado de choque com a minha resposta.

R: E de quem é esse problema?

[SILÊNCIO]

O New York Times confirma que a papeira propaga-se principalmente entre as crianças vacinadas

O New York Times confirma que a papeira propaga-se principalmente entre as crianças vacinadas

papeira

O New York Times [NYT] está agora a confirmar o que a Natural News tem dito insistentemente sobre a verdadeira causa dos surtos de papeira nos EUA. Num artigo explosivo intitulado “a papeira regressa, mesmo entre os vacinados”, o NYT admite que as crianças vacinadas estão a propagar a papeira. Pelo NYT:

A maioria dos casos recentes ocorreram em surtos, incluindo um de grandes dimensões no Arkansas, em vez dos habituais casos episódicos. A maioria dos surtos ocorreu em pessoas com idades compreendidas entre 18 e 22 anos, a maioria das quais tinha as duas doses necessárias de vacina contra papeira na infância. “Estamos verificar isto numa população jovem e altamente vacinada”, afirmou o Dr. Routh.

O New York Times em 2017 confirma o que a Natural News tem reportado desde há uma década

O Natural News, é claro, advertiu repetidamente que os surtos de papeira ocorrem predominantemente entre crianças que foram vacinadas contra a papeira, provando assim que as vacinas contra a papeira não funcionam. Essa validação está totalmente alinhada com a surpreendente descoberta científica divulgada na semana passada que resolveu o enigma do porquê das vacinas contra a gripe também não funcionarem.

No início deste ano, a Natural News antecipou-se ao NYT com o artigo: “Surtos de papeira relatados entre as crianças vacinadas… Será que é a vacina que está a causar surtos?”

Mesmo antes disso, o Natural News promoveu um jornalismo baseado na verdade sobre o tema das vacinas, com todos os artigos seguintes que explicaram aquilo que o New York Times apenas descobriu agora… que as vacinas de papeira não funcionam. Algumas das histórias que publicamos na última década incluem:

Estupidez da papeira: após as vacinas falharem em evitar de surtos de papeira, jornalistas em morte cerebral pedem uma TERCEIRA rodada de injeções… Não tarda pedem uma quarta!
Surto de sarampo provavelmente causado por crianças vacinadas, ciência prova.
85% das vítimas do surto do sarampo já receberam vacinas.
Estrela de futebol contrai papeira após ser vacinado com a vacina fraudulenta da tríplice viral da Merck.
Surto de papeira propaga-se entre as pessoas que se vacinaram contra a papeira.
40 pessoas que contraem papeira em Harvard colocadas de quarentena… todas foram vacinadas… vacinas contra papeira têm por base uma fraude científica.

Mais uma vez, as notícias que lêm no Natural News desde há cinco ou dez anos são a notícia de hoje no New York Times. (Se quiser estar 5 ou 10 anos à frente, leia o Natural News diariamente).

Quando a primeira vacina não funciona, tente um segundo ou terceiro reforço, os charlatões das vacinas insistem

Pateticamente (e previsivelmente), o New York Times promove o mesmo e antigo charlatão que a indústria de vacinas historicamente invocou para tentar encobrir o facto de que os seus produtos foram aprovados apenas tendo por base a fraude científica sistemática (veja abaixo os detalhes).

Essencialmente, todos eles afirmam que a forma de impedir que as pessoas vacinadas de propagarem a papeira é vaciná-las vez após vez com a mesma vacina que não funcionou à primeira.

Pelo NYT:

A Dra. Patricia Quinlisk, directora médica e epidemiologista estadual do Departamento de Saúde Pública de Iowa, lidou com um surto na Universidade de Iowa e na área envolvente de 2015 a 2016 com mais de 450 casos de papeira. Os estudantes envolvidos levaram todos a vacina da tríplice viral [M.M.R.] na sua infância, afirmou ela, conforme exigido pela universidade, e a decisão foi tomada de ter uma série de clínicas que disponibilizaram uma terceira dose da vacina.

Na realidade, quando a primeira rodada de engodo das vacinas da papeira não funciona, a resposta da indústria corrupta e inepta das vacinas é insistir com a segunda, terceira e pouco depois até uma quarta vacina de papeira. Isso, dizem-nos, magicamente as fará funcionar se nós injectarmos as suficientes.

As vacinas da papeira, por outras palavras, criam o seu próprio modelo de negócio ao não funcionarem repetidamente. Isto seria o equivalente na indústria automóvel a um revendedor de automóveis que lhe vende um carro antigo que se começa a desfazer ao começar a andar na estrada, alegar que precisa de comprar um segundo ou um terceiro veículo para “reforçar” o primeiro carro que comprou, porque esse primeiro carro era lixo. Em nenhuma outra indústria, a propósito, as pessoas são tão frequentemente pressionadas para comprarem e consumirem produtos com falhas baseadas em vigarices tão óbvias e pseudo-ciência.

Lembre-se, também, de que toda a ideia de imunização é a de que, uma vez que seu corpo esteja exposto ao vírus, ele constrói anticorpos para o resto da vida. Mas, numa tentativa de explicar o porquê das vacinas contra a papeira não funcionarem, a indústria das vacinas fabricou um novo conceito que tem por base a ficçãototal: a ideia de que as vacinas “se desgastam” e precisam de ser repetidas vezes sem conta para garantir que elas “pegam”. Este pressuposto anti-científico é, obviamente, vendido com o único propósito de serem vendidas mais vacinas mesmo quando elas realmente não funcionam conforme reivindicado.

Este é o verdadeiro motivo pelo qual as vacinas contra papeira não funcionam

A verdadeira razão pela qual as pessoas vacinadas continuam a propagar a papeira é, claro, porque a vacina contra papeira é uma fraude total. Este facto foi abertamente admitido por dois virologistas que trabalharam para a Merck, um dos maiores fabricantes da vacina da tríplice viral [MMR].

Conforme detalhado no artigo da Natural News, “a fraude da vacina da Merck exposta por dois virologistas da mesma; Os resultados da eficácia da vacina de papeira são falsificados há mais de uma década, afirma acção judicial”:

De acordo com dois cientistas da Merck que apresentaram uma queixa por publicidade enganosa em 2010 – uma queixa que acabou de ver revogado o segredo de justiça – o fabricante de vacinas Merck falsificou conscientemente os dados do teste da vacina de papeira, infundiu amostras de sangue com anticorpos animais, vendeu uma vacina que realmente propagou a papeira, surtos de sarampo e roubou governos e consumidores que compraram a vacina pensando que era “95% eficaz”.

O documento em PDF detalhando esta queixa sobre publicidade enganos foi publicado aqui.

Do artigo da Natural News:

De acordo com Stephen Krahling e Joan Wlochowski, ambos ex-virologistas da Merck, a empresa Merck comportou-se, conscientemente, da seguinte forma:

• A Merck conscientemente falsificou os resultados dos testes da vacina de papeira para fabricar uma “taxa de eficácia de 95%”.
• Para fazer isso, a Merck adicionou aos testes de sangue anticorpos animais para inflaccionar artificialmente o aparecimento de anticorpos no sistema imunológico. Conforme relatado pelo CourthouseNews.com:

A Merck também adicionou anticorpos animais a amostras de sangue para obter resultados de testes mais favoráveis, embora soubesse que o sistema imunológico humano nunca produziria tais anticorpos e que os anticorpos criavam um cenário de teste em laboratório que “de forma alguma corresponderia, correlacionava-se com ou seria representativo de uma situação real… a neutralização de vírus em pessoas vacinadas”, de acordo com a queixa.

• A Merck então usou os resultados falsificados do teste para defraudar o governo dos EUA em “centenas de milhões de dólares por uma vacina que não oferece a imunização adequada”.
• A fraude da vacina da Merck realmente contribuiu para a propagação da papeira por toda a América, fazendo com que mais crianças fossem infectadas com papeira. (O quê, a sério? Isto é o que a NaturalNews tem relatado desde há anos… que as vacinas são realmente fabricadas para criar os surtos, porque isso é óptimo para a redundância do modelo de negócio!)
• A
Merck usou as suas falsas reivindicações de “eficácia de 95%” para monopolizar o mercado das vacinas e eliminar a possivel concorrência.
• A fraude da vacina da Merck vem acontecendo desde o final da década de 1990, dizem os virologistas da Merck.
• O teste da vacina da Merck nunca foi feito contra o
vírus da papeira do “mundo real” e no estado natural. Em vez disso, os resultados do teste foram simplesmente falsificados para alcançarem o resultado desejado.
• Toda esta fraude ocorreu “com o conhecimento, a autoridade e a aprovação da administração sénior da Merck”.
• Os cientistas da Merck “testemunharam em primeira mão os testes inadequados e a falsificação de dados em que a Merck se comprometeu a inflaccionar artificialmente as descobertas sobre a eficácia da vacina”, de acordo com documentos judiciais (veja abaixo).

Após a revelação desta queixa por publicidade enganosa, a clínica Chatom Primary Care, com sede no Alabama, antecipou que algo não estava bem. Há três dias atrás, a Chatom abriu um processo-crime contra a Merck. O registo da acção está disponível aqui.

Alega, entre outras coisas chocantes:

[Merck participou]… num esquema que dura há uma década para falsificar e deturpar a verdadeira eficácia da sua vacina.

A Merck representou fraudulentamente e continua a indicar falsamente na sua rotulagem e noutros lugares, que a vacina de eficácia superior a 95%.

Na realidade, a Merck conhece e tomou medidas conscientes para ocultar – usando técnicas de teste impróprias e falsificando dados de testes – que a vacina da papeira é, e tem sido desde pelo menos 1999, muito menos do que 95% eficaz.

A Merck projectou uma metodologia de teste que avaliou a sua vacina contra uma cepa menos virulenta do vírus da papeira. Depois dos resultados não terem produzido a eficácia desejada pela Merck, a mesma abandonou a metodologia e ocultou as descobertas do estudo.

…incorporando o uso de anticorpos animais para inflaccionar artificialmente os resultados…
…destruindo evidências dos dados falsificados e ter mentido a um investigador da FDA [Agência Reguladora dos Fármacos e Alimentos nos EUA]…
…ameaçou um virologista da divisão de vacinas da Merck com prisão se ele relatasse a fraude à FDA …
…as principais vítimas são as milhões de crianças que todos os anos estão a ser injetadas com uma
vacina contra papeira que não lhes proporciona um nível adequado de protecção. E, embora esta seja uma doença que, de acordo com o Centros de Controle de Doenças (CDC), devesse agora estar erradicada, a falha na vacina da Merck permitiu que essa doença continuasse a existir e com surtos significativos que continuam a ocorrer.

A Chatom Primary Care também alega que a vacina fraudulenta da Merck contribuiu para o surto de papeira de 2006 no Centro-Oeste e para um surto de 2009 noutro lugar. Eles afirmam:

“Permanece um risco significativo de ressurgimento de surtos de papeira…”

Fonte: https://www.naturalnews.com/2017-11-06-new-york-times-confirms-natural-news-investigation-mumps-now-spread-by-vaccinated-children.html