Etiqueta: vacinação

As vacinas podem alterar o percurso da saúde duma criança?

As vacinas podem alterar o percurso da saúde duma criança?

As vacinas podem alterar o percurso de saúde de uma criançaA questão contida no título deste artigo é aquela que nunca escapou totalmente das tramas da minha mente inquisitiva. No treino médico, somos ensinados que as vacinas previnem as doenças agudas, frustrando, às vezes, infecções causadas por vários microrganismos que ameaçam a vida. Certamente, a prevenção de uma infecção potencialmente fatal é uma alteração no percurso de saúde de uma criança, mas em que direcção e para que fim? Certamente pareceria que a única trajetória de saúde possível para a prevenção de uma infecção aguda seria melhorar a saúde, a vitalidade e diminuir o sofrimento, mas será esta imagem da realidade que enfrentamos?

Será que realmente possuímos imunoterapias, como vacinas, que não trazem riscos e apenas impulsionam as crianças na direcção de mais bem-estar, menos intervenção médica e menos sofrimento?

A narrativa médica dominante neste momento afirma que as vacinas, como as actualmente administradas aos jovens, acarretam riscos mínimos e que previnem mortes “evitáveis” por doenças infecciosas, sem um aumento recíproco no sofrimento total ao longo da vida da criança. Infelizmente, ainda não temos os dados para apoiar totalmente ou refutar esta narrativa médica dominante, pois não haviam essencialmente estudos clínicos concluídos até à data que compararam rigorosamente a trajetória dinâmica da saúde de crianças seguindo o calendário das vacinas recomendado mais recente, com o daaquelas que renunciaram a alguns ou a todas as vacina. Nós simplesmente não sabemos.

Como clínico, e testemunha do maior aumento de doenças crónicas entre os jovens que a humanidade já viu, como poderia não ficar curioso de saber porquê?

A questão é complexa e com muitas nuances. Os nossos ambientes estão mais tóxicos do que nunca e a dieta de uma criança normal é uma lixeira pró-inflamatória e com défices de nutrientes. Os laços sociais e familiares aparentemente carregam mais tensão e trauma do que Amor, e o conceito de brincadeiras ao ar livre está a ser erodido da nossa juventude. A verdade é que o aumento de doenças crónicas na juventude está relacionado com todos esses factores e ainda outros mais que não nomeamos, mas não ter todas as respostas não pode impedir-nos de sermos curiosos, de procurarmos pistas e de as desenterrarmos por meio de um corajoso inquérito científico.

Em Novembro passado, um estudo pioneiro foi lançado no Jornal Internacional de Pesquisa Ambiental e Saúde Pública pelo investigador James Lyons-Weiler e pelo pediatra integrativo Paul Thomas através do qual eles próprios procuravam responder à pergunta inevitável: “As vacinas podem alterar o percurso da saúde de uma criança?”

Talvez nesta altura já tenha uma resposta para esta pergunta. Talvez tenha uma experiência pessoal como mãe, pai, provedor de serviços médicos ou como indivíduo que constroi as suas crenças com base na informação. Talvez tenha lido estudos que apontam para a segurança das vacinas e outros que ainda destacam os seus danos. Talvez tenha acedido a este artigo com base no título para procurar uma resposta que ainda não encontrou. Não importa em que ângulo entra neste espaço exploratório, não importa quais as suas crenças atuais ou compreensão deste tópico, eu gentilmente convido-o a libertar-se dessas crenças, dessas narrativas, dessa compreensão actual.

Eu convido-o a explorar este resumo do estudo recente de vacinação de Weiler e Thomas com “uma mente de iniciante”, esperando até depois dessa exploração consciente terminar para integrar a sua compreensão dos seus dados e conclusões numa nova narrativa pessoal e profissional. Deixo então o convite.

Visão geral do estudo

Os investigadores examinaram um total de 3.324 pacientes pediátricos que receberam atendimento em prática pediátrica integrativa ao longo dum período de 10 anos. Os pacientes poderiam ser incluídos no estudo se fossem examinados até 60 dias após o nascimento (essencialmente nascidos nas instalações onde são feitas as consultas) e tivessem uma consulta final pelo menos até aos 60 dias de vida. (Falaremos mais sobre esse facto importante mais tarde!) Nenhum outro critério restritivo de inclusão ou exclusão foi utilizado.

  • 2763 receberam pelo menos 1 vacina (grupo vacinado de forma variável)
  • 561 não receberam vacinas (grupo não vacinado)

Demografia dos Pacientes

  • Pacientes vacinados e não vacinados tiveram taxas de amamentação extremamente altas, perto de 97-98%
  • Houve uma percentagem estatisticamente maior de pacientes não vacinados com um histórico familiar de autoimunidade (provavelmente representando uma escolha informada pelos pais / cuidadores de abster a criança da toma de vacinas que poderiam ser um rastilho para a desregulação imunológica)
  • Percentagem semelhante de homens e mulheres em grupos vacinados e não vacinados
  • Peso ao nascer semelhante em grupos vacinados e não vacinados
  • Os pacientes vacinados em média receberam cuidados duas vezes mais que os pacientes não vacinados (os investigadores chamaram isso de Dias de Cuidado [DC] e realizaram correções / correspondências nas suas análises estatísticas para corrigir isso, conforme explicarei mais adiante).

Taxas de vacinação

Existiram taxas marcadamente variáveis ​​de vacinação naqueles que receberam vacinas, conforme ilustrado na Figura 2 do estudo.

vacinados e não vacinados e vacinas
Distribuição da vacinação ao longo da cohorte de pacientes.

Principais questões de estudo

Na tentativa de responder à questão de se as vacinas mudam o percuros de saúde das crianças, os investigadores empregaram quatro variáveis primárias de estudo.

Incidência Relativa de Visitas ao Escritório [Em Inglês Relative Incidence of Office Visits ou a sigla RIOV]

Os investigadores analisaram o registo médico eletrónico e os dados de facturação dos pacientes para determinarem o número de pacientes que tiveram uma visita ao consultório associada a um diagnóstico específico ou estado de doença (ex. Eczema). Eles queriam saber se as crianças vacinadas tinham mais ou menos probabilidade de ter uma visita ao consultório em cerca de 20 doenças / problemas de saúde diferentes em comparação com as crianças não vacinadas.

Incidência de doenças

Para além da análise RIOV, os investigadores também conduziram uma análise de mais de incidência padrão da doença, essencialmente olhando para os grupos de estudo, vacinados e não vacinados, e observando se havia um número maior de crianças em qualquer um dos grupos, a desenvolverem alguma das condições de saúde predeterminadas ao longo historia de cuidados.

Infecções diagnosticadas preveníveis por vacinas

Os investigadores rastrearam o número de infecções documentadas, preveníveis por vacinas, de acordo com o cronograma do Centro de Controlo de Doenças dos EUA, entre os grupos.

Infecções diagnosticadas preveníveis por vacinas
Infecções diagnosticadas preveníveis por vacinas

Risco de visita cumulativa ao escritório

Para além da variável da incidência relativa de visitas ao consultório (RIOV) mencionada anteriormente, os investigadores também procuraram observar o número cumulativo ou total de visitas ao consultório entre pacientes vacinados e não vacinados. Por meio dessa análise, cada visita ao consultório para uma condição de saúde específica, ainda que do mesmo paciente, seria examinada para entender melhor a utilização total dos cuidados de saúde e o sofrimento potencial.

Análise estatística

As análises estatísticas utilizadas foram bastante complexas e não entraremos em grandes detalhes para explicá-las para não nos alongarmos neste resumo mas, no entanto, quero reconhecer a diferença observada anteriormente na linha de base entre as crianças vacinadas e não vacinadas em torno do total de Dias de Cuidado (DC), no decorrer da prestação de cuidados. Vendo que as crianças não vacinadas recebiam cuidados, em média, metade do tempo das crianças vacinadas, os investigadores conduziram a correspondência de pacientes do grupo vacinado de forma variável para formar dois grupos (vacinados e vacinados de forma variável) que tinham o mesmo número de crianças (561) e a mesma média de dias de atendimento. Eles então realizaram análises estatísticas separadas usando os grupos não combinados (total) e combinados.

Resultados Chave

Geral

  • Nenhuma criança no grupo não vacinado foi diagnosticada com transtorno do défice de atenção com hiperatividade.
  • As taxas de autismo e atrasos no desenvolvimento nos casos analisados não estavam em níveis altos o suficiente para encontrarem qualquer diferença significativa entre vacinados ou não vacinados (a incidência estava abaixo da média nacional).

Análise Incomparável (total somado de todos os grupos) para Incidência Relativa de Visitas ao Escritório (RIOV)

  • Existiram tendências marcantes de RIOV mais altos para quase todos os diagnósticos estudados no grupo vacinado em comparação com o grupo não vacinado.
  • Entre os grupos vacinados, existem tendências marcantes de maior RIOV para aqueles que receberam um maior número de vacinas (mais vacinas = mais consultas ao consultório para uma determinada doença).

Nota: Veja a Figura 4 do estudo onde estão esses gráficos.

Análise de correspondência (grupos de tamanhos iguais) para incidência relativa de visitas ao escritório (RIOV)

  • As mesmas tendências observadas na análise do “Grupo Total” foram observadas na análise combinada, com crianças vacinadas a terem mais consultas para quase todas as doenças estudadas, em comparação com o grupo não vacinado.
  • As únicas 2 condições para as quais existiam numericamente mais visitas ao consultório em crianças não vacinadas em comparação com as crianças vacinadas foram a urticária (urticária) e dermatite (irritação da pele), mas essas não foram estatisticamente significativas.

Análise sem correspondência (grupo total) para incidência de doenças

  • Semelhante à análise RIOV, os investigadores encontraram níveis mais altos de pacientes vacinados com diagnóstico de doenças específicas em comparação com os pacientes não vacinados.
  • Em comparação com o grupo vacinado, o grupo não vacinado apresentou a maior redução absoluta no risco de desenvolver anemia (baixa hemoglobina), distúrbios de peso / alimentação e infecções respiratórias (sem vacinas = risco significativamente reduzido de ser diagnosticado com anemia, peso / distúrbio alimentar e infecções respiratórias, entre muitas outras condições).

Infecções diagnosticadas preveníveis por vacinas

  • Não existiram mortes por nenhuma das infecções visadas pelas vacinas no grupo dos não vacinados (e no grupo dos vacinados também não).
  • Conforme descrito na Tabela 7 do estudo (imagem abaixo), ocorreram mais casos de crianças não vacinadas que contraíram tosse convulsa e varicela do que nas crianças vacinadas.
  • Não mais do que 6% do grupo de não vacinados desenvolveu uma infecção prevenível por vacinas e a esmagadora maioria dos casos estavam relacionados com a varicela.

Risco de visita cumulativa ao escritório

Mesmo depois de corrigir a diferença de tamanho entre os grupos não vacinados e vacinados, os investigadores encontraram diferenças surpreendentes em relação ao número cumulativo de consultórios para doenças específicas entre os dois grupos, com os pacientes vacinados acumulando, de forma destacada, mais consultas para todas as doenças estudadas, incluindo condições alérgicas, infecciosas e de desenvolvimento neurológico. A Figura 5 em baixo, retirada do estudo, representa o número de visitas ao consultório de pacientes, relacionadas com vários diagnósticos feitos em consultas ao longo da vida do paciente. (nota: o eixo x ou eixo horizontal dos gráficos representa os dias de vida, o eixo y ou eixo vertical representa o número de visitas ao consultório).

As vacinas podem alterar o percurso de saúde de uma criançaAs vacinas podem alterar o percurso de saúde de uma criançaPrincipais conclusões

Estes dados inspiram preocupação com a trajetória de saúde das crianças vacinadas. Como médico residente de medicina familiar, observei um “trauma médico” significativo, no qual as crianças recebiam constantemente cuidados médicos ou iam a consultórios para doenças crónicas que aparentemente não tinham cura. Geralmente cuidadas por pais bem-intencionados e amorosos, essas crianças estavam presas numa roda viva de cuidados médicos convencionais. Embora seja impossível quantificar universalmente a experiência de cuidados médicos de uma criança e procurarando discernir, em seu nome, o que é o cuidado amoroso versus “trauma médico”, eu não posso deixar de concluir, a partir dos dados apresentados aqui, que as crianças vacinadas estavam mais doentes e a sofrerem de mais doenças infecciosas, autoimunes e de desenvolvimento neurológico do que as crianças não vacinadas. Reconhecendo que esse sofrimento também seria sentido, em alguma medida, nas famílias, podemos expandir estes gráficos e levantar a hipótese de que os pais e irmãos mesmo não estando representados neste estudo, provavelmente foram afectados negativamente também.

Olhando mais de perto os gráficos cumulativos de visitas ao escritório partilhados anteriormente, outra tendência fascinante começa evidenciar-se. Dentro do grupo dos não vacinados, parece que muitas das condições de saúde examinadas neste estudo atingem uma assíntota por volta dos mil dias de vida ou 3 anos de idade. Essencialmente, o grupo dos não vacinados atingiu um estado estacionário de visitas ao consultório, para cada condição estudada, por volta dos 3 anos de idade em diante. Ao olhar para o grupo dos vacinados, no entanto, observamos tendências muito diferentes. De um modo geral, para condições que chegam até mesmo a uma assíntota, o “nivelamento” das visitas ao consultório é marcadamente adiado para muito mais tarde na vida. Em alguns casos / condições de saúde, os gráficos representam um aumento persistente nas visitas ao consultório sem ainda atingirem uma assíntota. Se as vacinas estivessem realmente a tornar as crianças geralmente mais saudáveis, não veríamos pelo menos tendências comparáveis ​​(ou opostas) entre os grupos?

Limitações do estudo

A ciência não é perfeita. É simplesmente uma ferramenta de investigação curiosa. O estudo foi limitado pelo facto de envolver crianças de uma prática pediátrica integrativa. Compreendendo esse facto, eu levantaria a hipótese de que essas crianças receberam cuidados médicos mais holísticos no início do estudo e faziam parte de unidades familiares mais envolvidas e preocupadas com a saúde do que a criança mediana. Embora essa seja certamente uma limitação do estudo, também levanta a questão: veríamos resultados de saúde e cuidados médicos ainda piores para pacientes vacinados em clínicas pediátricas comuns?

Para além disso, algumas das principais condições neurológicas, como o autismo e os desafios de desenvolvimento, não estavam presentes em níveis elevados o suficiente na prática pediátrica integrativa, na globalidadem para sermos capazes de ver qualquer sinal significativo em relação aos vacinados ou não vacinados. Estudos maiores e com números mais elevados dessas condições nas amostras, ajudar-nos-iam a entender melhor como as vacinas podem estar envolvidas na mudança do percurso de saúde das crianças, em relação a essas condições neurológicas.

Porque é que ninguém viu isto antes?

O estudo de vacinas é extremamente controverso. A maioria dos estudos realizados por empresas farmacêuticas duram apenas meses. Mesmo os estudos retrospectivos olham para um intervalo de tempo relativamente estreito. Este estudo envolveu 10 anos de atendimentos aos pacientes pediátricos.

Para além do seu longo período de análise, o estudo também foi extraordinariamente único no que diz respeito às origens dos próprios pacientes. Eles nasceram nos prestadores de serviços de saúde que os acompanharam posteriormente! Embora as crianças obviamente viessem de mães e famílias diferentes com um número inumerável de variáveis ​​confusas, estes pacientes foram acompanhados desde um ponto de partida e ao longo de um percurso de saúde mais semelhante do que poderemos alguma vez encontrar em qualquer outro estudo.

O que posso eu fazer?

Então, o que é que está a pensar agora? As vacinas mudam negativamente o percurso de saúde das crianças? Eu não posso dar uma resposta definitiva a esta pergunta simplesmente a partir de um estudo ou responder a esta pergunta por si. Só posso convidá-lo a incorporar esta nova informação na sua compreensão actual do papel das vacinas na saúde dos nossos filhos, enquanto faço uma pausa para me perguntar que disparates andamos a fazer.

Fonte do Artigo Original: https://kellybroganmd.com/can-vaccines-alter-a-childs-health-trajectory/