Etiqueta: efeitos secundários vacinas

Como a vacina para a COVID-19 pode comprometer o seu sistema imunológico

Como a vacina para a COVID-19 pode comprometer o seu sistema imunológico

Como a vacina para a COVID-19 pode destruir o seu sistema imunológico

A vacina para a Covid-19 pode comprometer o sistema imunológico

De acordo com um estudo que examinou como o consentimento informado é dado aos participantes no ensaio da vacina para a Covid-19, os formulários de divulgação falham em informar os voluntários de que a vacina pode torná-los susceptíveis a doenças mais graves se forem expostos ao vírus.

O estudo (1) “Divulgação de Consentimento Informado para Assuntos de Ensaio de Vacinas de Risco de Doença Clínica de Agravamento da Vacina COVID-19”, publicado no International Journal of Clinical Practice, a 28 de outubro de 2020, destaca que as “Vacinas para a COVID-19 destinadas a induzir anticorpos neutralizantes podem sensibilizar os destinatários da vacina para doenças mais graves do que se eles não fossem vacinados”.

As vacinas para o SARS, MERS e RSV nunca foram aprovadas, e os dados gerados no desenvolvimento e teste dessas vacinas sugerem uma séria preocupação mecanicista: que as vacinas projetadas empiricamente usando a abordagem tradicional (que consiste do espigão de glicoproteína do coronavírus não modificado ou minimamente modificado para induzir anticorpos neutralizantes), sejam eles compostos de proteína, vetor viral, ADN ou ARN e independentemente do método de entrega, podem piorar a doença COVID-19 através do Potenciamento Dependente de Anticorpos (PDA) [Antibody Dependent Enhancement ou ADE em Inglês]”, afirma o artigo.

“Este risco é suficientemente obscurecido em protocolos de ensaios clínicos e formulários de consentimento para ensaios de vacinas para a COVID-19 em curso, pelo que é improvável que exista uma compreensão adequada do paciente sobre esse risco, evitando o consentimento verdadeiramente informado dos sujeitos nesses ensaios.

O risco específico e significativo na COVID-19 de PDA deveria ter sido e deve ser divulgado de forma proeminente e independente para os sujeitos de pesquisa actuais nos ensaios das vacinas, bem como aqueles que estão a ser recrutados para os ensaios e futuros pacientes após a aprovação da vacina, a fim de atenderem aos requisitos padrão de ética de compreensão do paciente, para o seu consentimento informado.

O que é o Potenciamento Dependente de Anticorpos?

Conforme observado pelos autores deste artigo do International Journal of Clinical Practice, esforços anteriores para criar a vacinas contra coronavírus – para o coronavírus de síndrome respiratória aguda grave (SARS-CoV), síndrome respiratória do Oriente Médio coronavírus (MERS-CoV) e vírus sincicial respiratório (RSV) – revelou uma séria preocupação: as vacinas têm uma tendência para desencadear o Potenciamento Dependente de Anticorpos.

O que é que isso significa exactamente? Resumindo, isso significa que, em vez de aumentar a sua imunidade contra a infecção, a vacina na realidade aumenta a capacidade do vírus de entrar e infectar as suas células, resultando numa doença mais grave do que aquela que ocorreria se não tivesse sido vacinado (2).

Isso é exactamente o oposto do que uma vacina deve fazer, e um problema significativo que foi apontado desde o início desta campanha para uma vacina contra a COVID-19. O artigo de revisão de 2003 “Potenciamento Dependente de Anticorpos da infecção e doença por vírus” explica desta forma (3):

Em geral, os anticorpos específicos para um vírus são considerados antivirais e desempenham um papel importante no controlo de infecções virais, de várias formas. No entanto, em alguns casos, a presença de anticorpos específicos pode ser benéfica para o vírus. Esta actividade é conhecida como Potenciamento Dependente de Anticorpos (PDA) da infecção pelo vírus.

O PDA da infecção por vírus é um fenómeno no qual os anticorpos específicos para o vírus aumentam a entrada do vírus e, em alguns casos, a replicação do vírus em monócitos / macrófagos e células granulocíticas por meio da interação com Fc e / ou receptores de complemento.

Este fenômeno foi relatado in vitro e in vivo para vírus de  numerosas famílias e géneros com implicações de saúde pública e veterinária. Esses vírus partilham algumas características comuns, como a replicação preferencial em macrófagos, capacidade de se estabelecerem persistentemente e diversidade antigénica. Para alguns vírus, o PDA da infecção tornou-se uma grande preocupação para o controlo da doença por vacinação.

Todos os esforços anteriores para criação de vacinas contra o coronavírus falharam

Na minha entrevista de Maio de 2020, com Robert Kennedy Jr., ele resumiu a história do desenvolvimento da vacina contra o coronavírus, que começou em 2002, após três surtos consecutivos de SARS. Em 2012, cientistas chineses, americanos e europeus estavam a trabalhar no desenvolvimento de uma vacina contra a SARS e tinham cerca de 30 candidatos promissores.

Dessas, as quatro melhores vacinas candidatas foram então administradas a furões, que são os seres análogos mais semelhantes e que conseguem recriar de forma mais parecida as infecções pulmonares humanas. No vídeo abaixo, que é uma parte selecionada da minha entrevista completa, Kennedy explica o que aconteceu a seguir. Enquanto os furões exibiam uma resposta robusta de anticorpos, que é a métrica usada para o licenciamento da vacina, uma vez confrontados com o vírus no seu estado selvagem, todos ficaram gravemente doentes e morreram.

A mesma coisa aconteceu quando eles tentaram desenvolver uma vacina contra o RSV na década de 1960. O RSV é uma doença respiratória superior muito semelhante à causada pelos coronavírus. Naquela época, eles decidiram ignorar os testes em animais e foram directamente para os testes em humanos.

Eles testaram em cerca de 35 crianças, acho, e a mesma coisa aconteceu”, disse Kennedy. “As crianças desenvolveram uma resposta de anticorpos campeã – robusta e durável. Parecia perfeito mas quando as crianças foram expostas ao o vírus no seu estado selvagem, todas ficaram doentes. Duas delas morreram. Eles abandonaram a vacina. Foi um grande constrangimento para a FDA [Agência Reguladora dos Fármacos nos EUA] e o NIH [Instituto Nacional da Saúde dos EUA].

Anticorpos Neutralizantes Vs Anticorpos de Ligação

Os coronavírus produzem não apenas um, mas dois tipos diferentes de anticorpos:

  • Anticorpos neutralizantes (4) também chamados de anticorpos de imoglobulina G (IgG), que combatem a infecção:
  • Anticorpos de ligação (5) (também conhecidos como anticorpos não neutralizantes) que não podem prevenir a infecção viral;

Em vez de prevenirem a infecção viral, os anticorpos de ligação desencadeiam uma resposta imune anormal conhecida como “aumento imunológico paradoxal”. Outra forma de explicar isso é que o seu sistema imunológico está, na realidade, a ripostar contra si mesmo e não funciona para o proteger sendo que, na realidade, só o deteriora ainda mais.

Muitas das vacinas para a COVID-19 actualmente em desenvolvimento estão a usar mARN para instruir as suas células a produzirem a proteína do espigão da coroa do SARS-CoV-2 (proteína S). A o espigão de proteína, que se liga ao receptor ACE2 da célula, é o primeiro estágio do processo de dois que os vírus usam para entrar nas células.

A ideia é que, ao criar o espigão de proteína do SARS-CoV-2, o seu sistema imunológico dará início à produção de anticorpos, sem o fazer adoecer no processo. A questão principal é: qual dos dois tipos de anticorpos está a ser produzido por intermédio desse processo?

Sem anticorpos neutralizantes, espere doenças mais graves

Numa conversa no Twitter em Abril de 2020 (6), o The Immunologist notou que: “Ao desenvolver vacinas… e considerar a possibilidade de serem criados passaportes de imunidade, devemos primeiro compreender o papel complexo dos anticorpos na SARS, MERS e na COVID-19.” Ele prossegue enumerando vários estudos de vacinas contra o coronavírus que levantaram preocupações sobre o PDA.

O primeiro é um estudo de 2017 (7) na revista PLOS Pathogens, intitulado “Enhanced Inflammation in New Zealand White Rabbits When MERS-CoV Reinfection Occurs in the Absence of Neutralizing Antibody”, que investigou a hipótese de que, se ficar infectado com MERS o sujeito ficaria protegido contra a reinfecção, como é normalmente o caso com muitas doenças virais. (Ou seja, depois de se recuperar de uma infecção viral como, por exemplo, o sarampo, se fica imune e não contrairá a doença novamente.)

Para determinar como o MERS afecta o sistema imunológico, os investigadores infectaram coelhos brancos com o vírus. Os coelhos ficaram doentes e desenvolveram anticorpos, mas esses anticorpos não eram do tipo neutralizante, ou seja, o tipo de anticorpos que bloqueia a infecção. Como resultado, eles não foram protegidos contra reinfecção e, quando expostos ao MERS pela segunda vez, ficaram doentes novamente, e de forma mais grave.

“Na verdade, a reinfecção resultou no aumento da inflamação pulmonar, sem um aumento associado nos títulos de ARN viral”, destacaram os autores. Curiosamente, anticorpos neutralizantes foram produzidos durante esta segunda infecção, evitando que os animais fossem infectados pela terceira vez. De acordo com os autores:

Os nossos dados do modelo com coelhos sugerem que as pessoas expostas ao MERS-CoV que não conseguem desenvolver uma resposta de anticorpos neutralizantes, ou pessoas cujos títulos de anticorpos neutralizantes diminuíram, podem estar em risco de doença pulmonar grave na reexposição ao MERS-CoV.

Por outras palavras, se a vacina não resultar numa resposta robusta em anticorpos neutralizantes, pode ficar em risco de doença pulmonar mais grave ainda se fôr infectado com o vírus.

E este é um ponto importante: as vacinas par aa COVID-19 NÃO são pensadas para prevenir a infecção. Conforme detalhado em “Como os ensaios de vacinas para a COVID-19 são viciados”, uma vacina “bem-sucedida” precisa apenas de reduzir a gravidade dos sintomas. Eles nem procuram sequer reduzir as taxas de infecção, hospitalização ou mortalidade.

PDA em infecções com dengue

O vírus da dengue também é conhecido por causar ADE. Conforme explicado no jornal Swiss Medical Weekly publicado em Abril de 2020 (8).

Actualmente, acredita-se que a patogénese de COVID-19 prossegue por meio de mecanismos citotóxicos directos e imunomediados. Um mecanismo adicional que facilita a entrada viral na célula e os danos subsequentes, pode envolver o denominado Potenciamento Dependente de Anticorpos (PDA).

O PDA é uma sucessão de eventos, muito conhecida, em que os vírus podem infectar células susceptíveis por meio da interacção entre víriões complexados com anticorpos ou componentes do complemento e, respectivamente, Fc ou receptores do complemento, levando à amplificação da sua replicação.

Este fenómeno é de enorme relevância não só para a compreensão da patogénese viral, mas também para o desenvolvimento de estratégias antivirais, notavelmente as vacinas…

Existem quatro sorotipos do vírus da dengue, e todos induzem imunidade protectora. No entanto, embora a proteção homotípica seja de longa duração, os anticorpos de neutralização cruzada contra diferentes sorotipos têm vida curta e podem durar apenas até 2 anos.

Na dengue, a reinfecção com um sorotipo diferente segue um rumo mais grave quando o número de anticorpos protectores diminui. Aqui, os anticorpos não neutralizantes substituem os neutralizantes, ligam-se aos viriões da dengue, e esses complexos medeiam a infecção das células fagocíticas via interação com o receptor Fc, isto num PDA típico.

Por outras palavras, os anticorpos heterotípicos em aglomerados de subneutralização são responsáveis ​​pelo PDA em pessoas infectadas com uma estirpe do vírus da dengue diferente do da primeira infecção.

Os anticorpos neutralizantes com reactividade cruzada estão associados a probabilidades diminuídas de infecção secundária sintomática, e quanto maior o número de tais anticorpos após a infecção primária, maior o atraso até à infecção secundária sintomática… ”

O trabalho prossegue detalhando os resultados das investigações de acompanhamento da vacina contra a dengue, que revelaram que a taxa de hospitalização por dengue entre crianças vacinadas com menos de 9 anos foi maior do que a taxa entre os grupos de controlo. A explicação para isso parece ser que a vacina imitou uma infecção primária e, à medida que a imunidade diminuía, as crianças tornavam-se mais susceptíveis ao PDA quando encontraram o vírus pela segunda vez. O autor explica:

Uma análise post hoc de ensaios de eficácia, usando um ensaio de imunoabsorção enzimática (ELISA) anti-proteína não estrutural 1 proteína (1) imunoglobulina G (IgG) para distinguir os anticorpos desencadeados pela infecção do tipo selvagem após a vacinação, mostrou que a vacina foi capaz de proteger contra a dengue grave [em] naaqueles que foram expostos à infecção natural antes da vacinação, e que o risco de resultado clínico grave foi aumentado entre as pessoas soronegativos.

Com base nisso, um Grupo Consultor Estratégico de Especialistas convocado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) concluiu que apenas pessoas soropositivas para a dengue devem ser vacinadas sempre que os programas de controlo da dengue que incluam vacinação sejam planeados.

PDA em infecções por Coronavírus

Isto pode acabar sendo importante para a vacina COVID-19. Hipoteticamente falando, se o SARS-CoV-2 funcionar como o dengue, que também é causado por um vírus de ARN, então qualquer um que não tenha testado positivo para o SARS-CoV-2 pode realmente ter um risco aumentado de COVID-19 grave após a vacinação, e apenas aqueles que já se recuperaram dum ataque de COVID-19 estariam protegidos contra doenças graves pela vacina.

Para ser claro, não sabemos se esse é o caso ou não, mas essas são áreas importantes de investigação e os testes das vacinas atuais simplesmente não serão capazes de responder a essa pergunta importante.

O jornal Swiss Medical Weekly (9) também analisa as evidências de PDA em infecções por coronavírus, citando investigações que mostram que a inoculação de gatos contra o vírus da peritonite infecciosa felina (FIPV) – um coronavírus felino – aumenta a gravidade da doença quando desafiado com o mesmo sorotipo FIPV da vacina.

Experiências mostraram que a imunização com uma variedade de vacinas contra a SARS resultou em imunofatologia pulmonar, uma vez confrontada com o vírus da SARS.

O artigo também cita uma pesquisa que mostra que “Os anticorpos produzidos por uma vacina contra SARS-CoV aumentaram a infecção de linhas de células B, apesar das respostas protetoras no modelo com ratos”. Outro artigo (10), “Antibody-Dependent SARS Coronavirus Infection Is Mediated by Antibodies Against Spike Proteins”, publicado em 2014, concluiu que:

… Concentrações mais altas de anti-soros contra SARS-CoV neutralizaram a infecção por SARS-CoV, enquanto anti-soros altamente diluídos aumentaram significativamente a infecção por SARS-CoV e induziram níveis mais elevados de apoptose.

Os resultados dos ensaios de infecciosidade indicam que o PDA na SARS-CoV é principalmente mediado por anticorpos diluídos contra proteínas do espigão do envelope do vírus, em vez de proteínas do nucleocapsídeo. Também geramos anticorpos monoclonais contra proteínas do espigão do SARS-CoV e observamos que a maioria deles promoveu a infecção por SARS-CoV.

Combinados, os nossos resultados sugerem que os anticorpos contra as proteínas do espigão do SARS-CoV podem desencadear efeitos de PDA. Os dados levantam novas questões sobre uma potencial vacina contra SARS-CoV…

Um estudo (11) relacionado com isso foi publicado na revista JCI Insight em 2019. Aqui, macacos vacinados com o vírus vaccinia Ankara (MVA) modificado, que codifica a proteína do espigão do SARS-CoV no seu comprimento total, acabaram com patologias pulmonares mais graves do que quando os animais foram expostos ao vírus SARS. E, quando eles transferiram anticorpos IgG anti-espigão para macacos não vacinados, eles desenvolveram danos alveolar difusos agudos, provavelmente por “distorcerem a resposta de resolução da inflamação”.

A Vacina para a SARS piora a infecção após contacto com o SARS-CoV

Um artigo interessante de 2012 (12) com o título revelador, “A imunização com vacinas contra o coronavírus da SARS leva à imunopatologia pulmonar após contacto com o SARS”, demonstra o que muitos investigadoress temem agora, ou seja que as vacinas COVID-19 podem acabar por tornar as pessoas mais propensas à infeccção grave por SARS-CoV-2.

As investigações mostram que a imunização com uma variedade de vacinas SARS resulta em imunofatologia pulmonar, uma vez desafiada com o vírus SARS. Conforme observado pelos autores (13):

As vacinas de vírus inteiros inativadas, sejam inativadas com formalina ou beta propiolactona e administradas com ou sem adjuvante de alúmen, exibiram imunopatologia do tipo Th2 nos pulmões após o desafio.

Conforme indicado, dois relatórios atribuíram a imunopatologia à presença da proteína N na vacina; entretanto, encontramos a mesma reacção imunopatológica em animais que receberam apenas a vacina de proteína S, embora parecesse ser de menor intensidade.

Assim, uma reação imunopatológica do tipo Th2 na inoculação de animais vacinados ocorreu em três dos quatro modelos animais (não em ratos) incluindo em duas estirpes diferentes de ratos consanguíneos com quatro tipos diferentes de vacinas SARS-CoV com e sem adjuvante de alúmen. Não foi relatada uma única preparação de vacina inactivada que não induza esse resultado em ratos, furões e primatas não humanos.

Esta experiência combinada acarreta preocupações para os ensaios das vacinas SARS-CoV em humanos. Os ensaios clínicos com vacinas de coronavírus SARS foram pensados e implementados para induzirem respostas de anticorpos e serem “seguros”. No entanto, a evidência de segurança é apenas para um curto período de observação.

A preocupação decorrente do presente relatório é a de uma reacção imunopatológica que possa ocorrer em indivíduos vacinados em exposição ao SARS-CoV infeccioso, a base para o desenvolvimento de uma vacina para SARS. Questões adicionais de segurança estão relacionadas com a eficácia e segurança de variantes antigénicas do SARS-CoV e para segurança de pessoas vacinadas expostas a outros coronavírus, particularmente aqueles do grupo tipo 2.

Os idosos são mais vulneráveis ao PDA

Para além de todas essas preocupações, existem evidências que demonstram que os idosos – que são mais vulneráveis ​​a doença por COVID-19 grave – também são os mais vulneráveis ​​ao PDA. Resultados de pesquisas preliminares (14) na revista medRxiv, no final de Março de 2020, relataram que os pacientes de meia-idade e idosos com COVID-19 têm níveis muito mais altos de anticorpos anti-espigão [não neutralizantes] – o que, novamente, aumenta a infectividade – do que os pacientes mais jovens.

O aumento imunológico é uma preocupação séria

Outro artigo que vale a pena mencionar é a mini revisão de Maio de 2020 (15) “Impacto do Aumento Imunológico na Terapia Hiperimune de Globulina Policlonal COVID-19 e no Desenvolvimento de Vacinas”. Como em muitos outros artigos, os autores apontam que (16):

Embora o desenvolvimento da terapia de globulina hiperimune e da vacina contra o SARS-CoV-2 sejam promissores, ambos representam uma preocupação teórica comum de segurança. Estudos experimentais sugeriram a possibilidade de doença imunologicamente aumentada de infecções por SARS-CoV e MERS-CoV e que podem, portanto, ocorrer de forma semelhante com a infecção por SARS-CoV-2…

O aumento da imunidade nas doenças pode teoricamente ocorrer de duas formas. Em primeiro lugar, os níveis de anticorpos não neutralizantes ou subneutralizantes podem aumentar a infecção por SARS-CoV-2 nas células-alvo.

Em segundo lugar, os anticorpos podem aumentar a inflamação e, portanto, a gravidade da doença pulmonar. Uma visão geral dessas infecções dependentes de anticorpos e efeitos de intensificação da imunopatologia estão resumidos na Fig. 1…

Actualmente, existem vários candidatos às vacinas SARS-CoV e MERS-CoV em ensaios clínicos, pré-clínicos ou em fase inicial. Estudos em animais sobre esses CoV’s demonstraram que as vacinas baseadas em proteína espigão (S) (especificamente o domínio de ligação ao receptor, RBD) são altamente imunogénicas e protetoras contra a infecção por CoV de tipo selvagem.

As vacinas que visam outras partes do vírus, como o nucleocapsídeo, sem a proteína S, não mostraram proteção contra a infecção por CoV e aumento da patologia pulmonar. No entanto, a imunização com algumas vacinas CoV baseadas em proteína S também exibiu sinais de patologia pulmonar aumentada após o desafio.

Portanto, para além da escolha do alvo do antígeno, a eficácia da vacina e o risco de imunopatologia podem ser dependentes de outros factores auxiliares, incluindo a formulação adjuvante, idade na vacinação… e via de imunização.

vacina COVID-19 sistema imunológico
Figura 1: Mecanismo de PDA e imunopatologia mediada por anticorpos. Painel esquerdo: Para a PDA, a internalização de imunocomplexos é mediada interacção de receptores Fc ativadores na superfície celular. A co-ligação de receptores inibitórios resulta então na inibição das respostas antivirais, o que leva ao aumento da replicação viral. Painel direito: os anticorpos podem causar imunopatologia pela activação da via do complemento ou citotoxicidade celular dependente de anticorpos (ADCC). Para ambas as vias, a activação imune excessiva resulta na liberação de citocinas e quimiocinas, levando ao aumento da patologia da doença.

Faça uma análise de risco-benefício antes de tomar a sua decisão

Com toda a probabilidade, independentemente de quão eficazes (ou ineficazes) as vacinas COVID-19 acabem por ser, elas serão lançadas ao público num prazo relativamente curto. A maioria prevê que uma ou mais vacinas estarão prontas em 2021.

Ironicamente, os dados (17) (18) (19) que agora não suportam mais a ideia de vacinação em massa, considerando que a letalidade do COVID-19 é menor do que a da gripe para menores de 60 anos (20). Se tiver menos de 40 anos, op seu risco de morrer de COVID-19 é de apenas 0,01%, o que significa que tem 99,99% de hipóteses de sobreviver à infecção. E poderia melhorar isso para 99,999% se você for metabolicamente flexível e repleto de vitamina D.

Então, realmente, do que estamos a proteger com uma vacina contra a COVID-19? Como mencionado, as vacinas nem mesmo são desenhadas para prevenir a infecção, apenas reduzem a gravidade dos sintomas. Enquanto isso, elas podem potencialmente deixá-lo mais doente quando for exposto ao vírus. Isso parece muito arriscado para um benefício verdadeiramente questionável.

Para voltar ao ponto de partida, os participantes dos testes atuais da vacina COVID-19 não foram informados sobre esse risco – o de que, ao receber a vacina, eles podem acabar com COVID-19 mais grave, uma vez infectados pelo vírus.

Imunopatologia Th2 letal é outro risco potencial

Para encerrar, considere o que esta reportagem da PNAS afirma sobre o risco de aumento e disfunção imunológica induzida por vacina, particularmente para os idosos, as mesmas pessoas que precisariam da proteção que uma vacina poderia oferecer mais (21)

Desde a década de 1960, o testes de vacinas para doenças como o dengue, vírus sincicial respiratório (RSV) e síndrome respiratória aguda grave (SARS) mostraram um fenómeno paradoxal:

Alguns animais ou pessoas que receberam a vacina e foram posteriormente expostos ao vírus desenvolveram doença mais grave do que aqueles que não haviam sido vacinados. O sistema imunológico preparado com a vacina, em certos casos, parecia lançar uma resposta de má qualidade à infecção natural …

Esse retrocesso do seu sistema imunitário, ou o chamado aumento do sistema imunológico, pode manifestar-se de diferentes maneiras, como o aumento dependente de anticorpos (PDA), um processo no qual um vírus alavanca anticorpos para ajudar na infecção; ou aumento baseado em células, uma categoria que inclui inflamação alérgica causada por imunopatologia Th2. Em alguns casos, os processos de aprimoramento podem-se sobrepor…

Alguns investigadores argumentam que embora o PDA tenha recebido mais atenção até o momento, é menos provável que as outras vias de aprimoramento imunológico causem uma resposta desregulada ao COVID-19, dado o que se sabe sobre a epidemiologia do vírus e seu comportamento no corpo humano..

“Há potencial para o PDA, mas o maior problema é provavelmente a imunopatologia Th2”, diz Ralph Baric, epidemiologista e especialista em coronavírus… na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill.

Em estudos anteriores de SARS, foi descoberto que ratos mais velhos apresentam riscos particularmente elevados de imunopatologia Th2 com risco de vida… em que uma resposta das células T defeituosas desencadeia inflamação alérgica e anticorpos pouco funcionais que formam complexos imunes, activando o sistema de complemento e potencialmente danificando as vias aéreas.

Referências

Fonte do Artigo Original: https://www.lewrockwell.com/2020/11/joseph-mercola/how-covid-19-vaccine-can-destroy-your-immune-system/