Etiqueta: vacina contra a poliomielite

As Nações Unidas admitem que o último surto de poliomielite na Síria foi causado pelas vacinas contra a poliomielite

As Nações Unidas admitem que o último surto de poliomielite na Síria foi causado pelas vacinas contra a poliomielite

síria poliomelite

Na Síria devastada pela guerra, existem poucas dúvidas de que o conflito teve um impacto na saúde. Agora, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) relata que a tentativa de usar as vacinas para “proteger” as crianças contra a pólio fez ricochete – infectando mais crianças com a doença devastadora em vez de as salvar.

As vacinas fazem as crianças adoecer não diria?

Como Elizabeth Hoff, a representante da Organização Mundial de Saúde informa:

“Até 18 de Agosto de 2017, 33 crianças com menos de cinco anos ficaram paralisadas. A detecção dos casos de vírus da pólio de derivados da vacina circulante tipo 2 (cVDPV2) demonstra que os sistemas de vigilância de doenças estão funcionais na Síria. A nossa prioridade agora é alcançar a cobertura de imunização de poliomielite mais alta possível para impedir a circulação de vírus”.

Trinta e três crianças paralisadas pela vacina que deveria protegê-las – e a resposta da ONU é a de apenas distribuir ainda mais vacinas? Infelizmente, isso é o pão nosso de cada dia. Obviamente, um mau medicamento nunca é o problema – simplesmente não existem maus medicamentos que cheguem, e este é o estado das coisas.

Fran Equiza, um representante da UNICEF, comentou:

“Nenhuma criança deve ter que viver com os efeitos devastadores da poliomielite”.

E, no entanto, esse é o segundo surto de poliomielite que atingiu a Síria desde que o conflito começou em 2011.

No início deste Verão, a NPR [rádio pública nacional dos EUA] reportou esse mesmo fenómeno, em que as cepas mutantes da vacina contra a poliomielite causaram mais paralisias do que a poliomielite selvagem. Poderá realmente acontecer que uma versão do vírus, alterada em laboratório, é mais perigosa do que aquela que existe na natureza? Absolutamente.

Como Jason Beaubien relata, desde Junho de 2017, surgiram mais casos de paralisia infantil causados pela vacina contra a poliomielite do que a própria doença real, contraída no estado selvagem. Até à publicação deste artigo, apenas seis casos de poliomielite “selvagem”, que ocorre naturalmente no meio ambiente, foram relatados por todo o mundo. Por outro lado, 21 casos de pólio derivada de vacina foram relatados internacionalmente em Junho.

Obviamente, na Síria, esse número disparou nos últimos dois meses – 33 crianças, somente na Síria, ficaram paralisadas pela pólio derivada das vacinas.

Raul Andino, professor de microbiologia na Universidade da Califórnia em San Francisco, explica:

“Descobrimos que existem apenas algumas [mutações] que devem acontecer, e acontecem bastante rapidamente no primeiro mês ou dois após a vacinação. À medida que o vírus começa a circular na comunidade, ele adquire novas mutações que o tornam basicamente indistinguível do vírus do tipo selvagem. É a poliomielite em termos de virulência e em termos de propagação do vírus”.

A pesquisa de Andino também mostra que o vírus da poliomielite utilizado na vacina replicar-se-á dentro dos intestinos dos hospedeiros humanos. Em locais com saneamento deficiente, isso geralmente significa que tem mais probabilidades de se propagar de pessoa para pessoa com relativa facilidade. Os locais onde o conflito e a guerra dizimaram os sistemas de cuidados de saúde são conhecidos por serem focos de epidemias.

Não será surpresa (infelizmente) que a Síria, cansada da guerra, deverá ter ainda mais casos de poliomielite nos próximos meses. Michael Zaffran, director do programa de erradicação da poliomielite na Organização Mundial da Saúde, afirma:

“Na Síria, podem ocorrer mais casos”. Zaffran acrescenta que a OMS está ciente do risco que advém da inoculação com o vírus vivo na vacina contra a poliomielite e diz que é “um contratempo lamentável para as crianças pobres que ficaram paralisadas, é claro. Mas no que diz respeito à iniciativa como um todo, sabemos que não é algo inesperado”.

Ele acrescentou que, embora a paralisia das crianças seja uma infeliz ocorrência, “na perspectiva da saúde pública, os benefícios superam em muito o risco.” Acha que isso irá confortar as crianças e as suas famílias enquanto lutam com os efeitos secundários da pólio derivada da vacina?

[Relacionado: Saiba mais sobre os riscos de inoculação em Vaccines.news]

As fontes deste artigo incluem:

UNICEF.org.hk

UN.org

NPR.org

Os 10 piores EMBUSTES na Saúde e que foram promovidos como “ciência” nos últimos 100 anos

Os 10 piores EMBUSTES na Saúde e que foram promovidos como “ciência” nos últimos 100 anos

fraude na saúde

Quando uma tendência se torna viral, milhões de pessoas “juntam-se à caravana” sem pensarem duas vezes. No entanto, posteriormente descobre-se que a maioria dessas tendências massivamente populares não são tendências, mas sim esquemas em pirâmide na saúde, promovidos por propaganda e que levam milhões de pessoas (que agem como ovelhas ignorantes) ao seu próprio penhasco da Saúde. Muito antes da internet e mesmo antes da televisão, os demónios da ciência (humanos doentios que vestem batas brancas de laboratório) estavam a cogitar formas de envenenar lentamente a população com alimentos e medicamentos químicos, e eles precisavam de especialistas em marketing para enganarem o público, com uma imagem e slogans apelativos que pudessem ser aproveitados pelos meios de comunicação impressos.

Tudo o que parece ser bem pesquisado e é transmitido e anunciado através de milhares de canais de comunicação, eventualmente, e não importa o quanto a mentira é doente e dementia, depois de marketing e publicidade suficientes, as massas compram. A isso chama-se dissonância cognitiva – algo provoca o seu cérebro apenas o suficiente para suscitar o seu interesse, sendo que depois acaba por pesquisar um pouco, repara que “os outros estão a fazer isso”, e depois salta para a caravana do que está na moda. Da má ciência dos alimentos à péssima ciência da medicina, tudo se resume a más escolhas e a uma má saúde, e não existem maiores máquinas de fazer dinheiro do que aquelas administradas pelas grandes corporações do sector alimentar e as grandes farmacêuticas. Vamos então aprofundar isto, retrocedendo até ao princípio do século passado, quando o enredo do mal tinha começado na terra dos alimentos tóxicos processados e dos tratamentos crónicos de doenças.

Atente aos 10 piores embustes na Saúde promovidos como “ciência” nos últimos 100 anos

Mentira # 1

Se um estudo de saúde é “revisto por pares”, então é baseado em evidências, fiável e verdadeiro.

Sabia que 90% da informação médica publicada, na qual os médicos confiam, é completamente errada? É verdade. Muitos “estudos” científicos e pesquisas têm resultados predeterminados e que são primeiramente condicionados pelas empresas e corporações que beneficiarão da venda do produto e, após disso, os testes são “executados” por cientistas que ajustam, distorcem ou mesmo descartam aquilo que não se enquadra na conclusão do guião providenciado inicialmente. Posteriormente, o dinheiro passa de mão em mão e as descobertas são publicadas em revistas para os curiosos como a JAMA (Journal of the American Medical Association). Isso já acontece desde há um século.

Mentira # 2

Se um aditivo alimentar, medicamento de prescrição ou imunização for aprovado pelos agentes reguladores, isso quer dizer que os cientistas o testaram completamente no que diz respeito à sua “segurança e eficácia” e deve consumi-lo sem questionar.

Os agentes reguladores são fachadas para as empresas que buscam o lucro nas despesas de saúde da população. Nunca confie em nada aprovado por essas agências “reguladoras” que se movem por interesses próprios e que estão no negócio dos tratamentos crónicos a doentes e sempre estiveram, desde a sua criação. Peça ao seu médico naturopata conselhos sobre alimentos e medicamentos que são “aprovados” pelas agências reguladoras.

Mentira # 3

Os cigarros são bons para a digestão e recomendados por mais de 20 mil médicos.

Sim, eles fizeram isso. Os médicos anunciavam as suas marcas favoritas e mentiram durante décadas mesmo após a ciência ter provado que o fumo do cigarro causava cancro do pulmão.

Mentira # 4

A vacina contra a poliomielite é uma invenção milagrosa que erradicou a pandemia de poliomielite que assolava o mundo.

O infame Dr. Salk não inventou uma vacina que impediu a pólio, mas sim misturou várias estirpes de poliomielite e ajudou a propagar a doença ao redor do mundo. O embuste funcionou porque as estatísticas foram distorcidas para mostrarem que quaisquer casos de poliomielite que não debilitavam as vítimas eram classificados como meningite e, portanto, “provar” que a vacina quase eliminou a poliomielite em todo o mundo! E foi assim que milhões de pessoas foram alvo de uma lavagem cerebral para serem levadas a acreditar que as vacinas de hoje são “seguras e eficazes”.

Mentira # 5.

Os edulcorantes artificiais não contêm calorias, pelo que então ajudam-no a perder peso.

Os açúcares falsos são centenas de vezes mais doces do que a sacarose, enganando o seu corpo ao ingeri-los e fazendo-o desejar ainda mais açúcar. Diga adeus ao autocontrolo.

Mentira # 6.

Qualquer colesterol “alto” é um colesterol mau e por isso deve pedir ao seu médico um medicamento para o baixar.

Errado! Por outro lado, de acordo com um artigo altamente informativo publicado na Metabolic Healing, “Os esforços para reduzir a produção de colesterol e as lipoproteínas adjacentes do corpo, seja por meio de intervenção médica ou por meio de intervenção nutricional, podem ter repercussões muito graves para a saúde”.

Mentira # 7

Todas as gorduras saturadas são insalubres e causam doenças cardiovasculares.

A conspiração contra as gorduras saturadas já foi completamente desmascarada.

Mentira # 8

Leite – faz bem ao corpo.

Os produtos lácteos mais processados ​​(homogeneizados / pasteurizados) causam inflamações e produção excessiva de muco. Pesquise sobre isso.

Mentira # 9

Os OGM (Organismos Geneticamente Modificados) são resistentes à seca, seguros para consumo humano, aumentam o rendimento dos agricultores e são totalmente sustentáveis.

OGM significa que pesticidas tóxicos foram infundidos nos genes das culturas, e muitos agricultores que cultivam OGMs estão a descobrir que precisam de usar muito mais pesticidas para controlarem os insetos e ervas daninhas agora.

Mentira # 10

A quimioterapia é a sua melhor hipótese, e pode ser a sua única hipótese, de sobreviver ao cancro.

A quimioterapia tem uma miserável taxa de sucesso média de 2,3%. A quimioterapia destrói o seu sistema imunológico – a única coisa que o ajuda a sobreviver ao cancro. Vá-se lá perceber.

Pergunte ao seu médico naturopata se as fraudes na saúde são adequadas para si

Conclusão

Quando ouve um slogan de saúde na televisão, impresso no jornal ou veiculado por algum político que continua a insistir nisso incessantemente, pode ter 99,9% de certeza de que é um embuste de saúde projectado e propagandeado para roubar o seu dinheiro e a sua paz de espírito. Os efeitos secundários dos engodos na saúde incluem o cancro, a doença de Alzheimer e a perda de competências de pensamento crítico. Pergunte ao seu médico naturopático se os embustes mais conhecidos na saúde são bons para si. Para ler ciência a sério com resultados credíveis publicados, confira o site Science.NaturalNews.com, onde a verdade reina.

As fontes deste artigo incluem:

AHRP.org

TruthWiki.org

CDC.news

Tobacco.Stanford.Edu

TruthWiki.org

Science.NaturalNews.com

MetabolicHealing.com

NaturalNews.com

RealFarmacy.com

Fonte: http://www.naturalnews.com/2017-07-02-the-10-worst-health-hoaxes-pushed-as-science-over-the-last-100-years.html