Etiqueta: tratamento de doenças auto-imunes

Entrevista com a investigadora Dra. Stephanie Seneff

Entrevista com a investigadora Dra. Stephanie Seneff

entrevista com a Dra Stephanie SeneffHoje, no programa Health and Wellness, temos uma entrevista muito especial com a brilhante investigadora Dra. Stephanie Seneff.

Stephanie Seneff é investigadora sénior no Laboratório de Inteligência Artificial e Ciência da Computação do MIT. Ela recebeu o grau de licenciatura em Biofísica em 1968, o grau de mestre em Engenharia Eléctrica em 1980, e o doutoramento em Engenharia Eléctrica e Ciência da Computação em 1985, todos do MIT. Ao longo de mais de três décadas, os seus interesses de pesquisa sempre estiveram na intersecção entre a biologia e a computação: desenvolver um modelo computacional para o sistema auditivo humano, compreender a linguagem humana para desenvolver algoritmos e sistemas para interacções com computadores humanos, bem como aplicar a linguagem natural de processamento (NLP) para as previsões genéticas. Ela publicou mais de 170 artigos arbitrados sobre esses assuntos e foi convidada para proferir discursos em várias conferências internacionais. Ela também supervisionou várias teses de mestrado e de doutoramento no MIT. Em 2012, a Dra. Seneff foi eleita Membro da Associação Internacional de Fonoaudiologia (ISCA).

Nos últimos anos, a Dra. Seneff concentrou os seus interesses de pesquisa na biologia. Ela está a focar-se fundamentalmente na relação entre a nutrição e a saúde. Desde 2011, ela publicou mais de duas dúzias de artigos em várias revistas médicas e de saúde sobre tópicos como as doenças modernas (como por exemplo Alzheimer, autismo, doenças cardiovasculares), análise e pesquisa de bancos de dados de efeitos colaterais de fármacos usando técnicas de NLP e o impacto das deficiências nutricionais e toxinas ambientais na saúde humana.

Junte-se a nós para uma discussão fascinante com a Dra. Seneff, onde abordaremos uma ampla variedade de tópicos como a saúde e nutrição humana.

Ouça ao vivo, converse e ligue para os futuros programas da Rede de Rádio SOTT!

Aqui está a transcrição deste programa:

Elliot: Olá e bem vinda ao Health and Wellness Show. Hoje é 9 de Março de 2018 e eu sou o seu anfitrião, Elliot. Juntando-se hoje desde o nosso estúdio virtual, de todo o planeta, temos Doug e Gaby. Bem-vindos.

Gaby: Olá.

Doug: Olá.

Elliot: Então hoje eu tenho o prazer de anunciar que temos uma convidada muito especial no programa conosco, a Dra. Stephanie Seneff. Stephanie Seneff é investigadora sénior do Massachusetts Institute of Technology do laboratório de ciência da computação e inteligência artificial. Ela recebeu o seu diploma de bacharel em biofísica, mestrado e pós-graduação em engenharia eléctrica e, posteriormente, também fez um doutoramento em engenharia eléctrica e ciência da computação. Mas desde então ela passou muito tempo a estudar vários outros campos, incluindo a nutrição, saúde e bem-estar.

Ela é particularmente conhecida pelo seu trabalho no campo do autismo, doenças cardiovasculares, toxicidade ambiental e concentrou muita da sua pesquisa nos sulfatos. Esta entrevista provavelmente vai tocar em alguns conceitos que não são muito conhecidos e pode ser bastante técnica nalgumas áreas, mas acompanhe-nos e espero que desfrute do programa.

Então, bem-vinda ao programa Stephanie.

Stephanie: É um prazer em estar aqui. Obrigado por me receber.

Elliot: Para começar, eu só gostaria de perguntar, já que tem uma variedade tão grande de conhecimentos em tantas áreas diferentes, e vem dum conexto de engenharia, o que a fez querer começar a estudar a nutrição, saúde e bem-estar em maior profundidade?

Stephanie: Eu sempre me interessei pela nutrição e saúde e observei alguns conselhos interessantes – mas que sempre senti incorrectos – sobre coisas como as dietas com baixo teor de gordura, que eu nunca adoptei, e coisas como os fármacos de estatinas, que eu odiava. Assim sendo eu tive opiniões sobre a perspectiva médica actual acerca dos alimentos que não são saudáveis. Eu estava interessada. Mas foi há mais de 10 anos, quando ao meu marido foi diagnosticada uma doença cardíaca, surpreendentemente. Nós não percebíamos e foi-lhe prescrita uma alta dose de estatinas. Eu já odiava estatinas antes disso acontecer, pelo que então comecei a fazer pesquisas aprofundadas sobre as estatinas.

Ao mesmo tempo, observei um aumento exponencial das taxas de autismo. Os números ainda eram muito pequenos naquela época, mas eu pude ver o crescimento exponencial e isso realmente preocupou-me, porque eu entendi como um diagnóstico de autismo é devastador para a mãe, o ter de encarar o facto que o seu filho poderá nunca ser capaz de viver a sua vida independente, e que sempre será um desafio cuidar dessa pessoa mais a perda da contribuição dessa pessoa para a sociedade. Então eu estava interessada tanto em autismo como em doenças cardíacas, realmente curiosa sobre o que estava causar a epidemia. Queria chegar ao fundo da questão, frustrada por a maioria dos dólares investidos em pesquisas ir para a genética.

Existe uma componente genética, mas essa não é a causa. A causa da epidemia não é genética porque a genética não causa epidemias. Tem que ser algo ambiental.

Dessa forma comecei a pesquisar sistematicamente todos os produtos químicos tóxicos em busca de correlações com as doenças cardíacas e autismo e, claro, também estudar essas duas doenças para compreendê-las melhor. Eu realmente entrei no tema dos sulfatos muito cedo no processo, porque eu podia ver uma conexão tanto com o autismo como com doenças cardíacas, algo que foi realmente emocionante.

Então tudo se conjugou e percebi que eram manifestações muito diferentes do mesmo problema subjacente, e que a deficiência de sulfatos na generalidade do sistema era a origem do problema.

Elliot: Então, só para voltar atrás um pouco, para os ouvintes que não estão a par, seria capaz de abordar apenas, e de forma resumida, o que exactamente é o sulfato?

Stephanie: Sim, sim. Então, o enxofre é um dos elementos básicos da tabela periódica, como o oxigénio e o carbono, desse tipo. Se já teve algumas noções de química, sabe que esses elementos básicos se acumulam em todos os materiais da Terra e do Universo. É bastante surpreendente que a tabela periódica caracterize todos esses elementos, individualmente, que depois são agrupados para formarem moléculas que depois se recombinam para formarem moléculas de outros elementos.

O enxofre está bem por baixo do oxigénio na tabela periódica e tem muitas propriedades do oxigénio. De facto, acredita-se que, inicialmente, a vida era baseada no enxofre e não no oxigénio. Hoje, é claro, o oxigénio é essencial para nós, mas a hemoglobina, que é um transportador de oxigénio nos glóbulos vermelhos, parece que foi originalmente projectada para transportar o enxofre, o que é bastante interessante. Então, algumas das enzimas básicas que fazem coisas com enxofre, no corpo, são muito, muito antigas. Elas são enzimas muito antigas, e é por isso que é bastante interessante olhar para o início da vida.

Há pessoas que acreditam que a vida evoluiu primeiro nas fontes termais de enxofre, o que é realmente fascinante. Dessa forma o enxofre é muito básico e muito importante. O sulfato é enxofre e oxigénio. Então esses dois elementos são muito importantes para a vida, combinados para fazer o sulfato temos na realidade um enxofre, quatro oxigénios e menos dois de carga, e tudo isso está ligado nesta estrutura tetraédrica que é uma molécula realmente única e que tem propriedades biofísicas e bioquímicas realmente interessantes.

Elliot: Se falasse com alguém que é tipicamente treinado em biologia e perguntasse a eles, “Ok, quais as funções que o enxofre tem no corpo?” Quais são algumas das funções estudadas? O que isso contribui e porque precisamos disso?

Stephanie: O enxofre está num pequeno número de aminoácidos. Os aminoácidos são os blocos de construção das proteínas e são também o que o código do ADN – o famoso código de quatro letras do ADN – codifica para os aminoácidos. Existem cerca de 20 deles. Alguns deles contêm enxofre, taurina, cisteína, metionina e homocisteína. Esses quatro são o que eles chamam de aminoácidos contendo enxofre. Esses aminoácidos têm propriedades muito especiais e têm muitas funções interessantes que executam em todo o corpo, mas parte delas são utilizadas dentro da proteína e depois fazem coisas interessantes nas proteínas para as proteínas poderem fazer o seu trabalho.

As proteínas fazem todo o tipo de coisas. Elas são enzimas. Eles são transportadoras. Elas são receptores. Em todas as diferentes actividades que acontecem para gerir a vida, as proteínas estão envolvidas. Então elas são, verdadeiramente, pau para toda a obra, no corpo. Portanto, existem aquelas poucas que contêm enxofre e, depois, existem outros aminoácidos que não contêm enxofre mas que também têm papéis muito importantes a desempenhar.

Mas o sulfato não é uma proteína. É o chamado anião e há uma certa quantidade de sulfato livre no sangue. As pessoas provavelmente já ouviram falar de carbonato ou citrato. Existem todos esses aniões e uratos no sangue, e o sulfato é um deles. Mas o sulfato é particularmente interessante porque se liga a outras moléculas e altera as suas propriedades. Portanto, o sulfato é realmente importante para, por exemplo, desintoxicar-nos de certos produtos químicos tóxicos, tornando-os mais solúveis, o que permite o acesso às enzimas que podem destruí-los ou pode levá-los para a urina para serem expelidos do corpo.

Portanto, o sulfato é muito importante na desintoxicação de muitos produtos químicos tóxicos diferentes. O sulfato também se liga ao que é chamada de matriz extracelular, que é essa matriz fora das células, e que é uma espécie de sua interface com o mundo. O sulfato é realmente super, super importante para que a célula seja capaz de se comunicar com o mundo, para que a célula possa absorver a nutrição de que precisa. Muitas das actividades que a célula faz, nas suas interacções com o seu espaço exterior, com o que vem do sangue, envolve uma molécula chamada sulfato de heparano, que está anexada fora da célula e que orquestra os canais de comunicação e a importação e exportação de materiais. Então, é realmente importante para a saúde da célula.

Também é muito importante nos glóbulos vermelhos porque os glóbulos vermelhos contêm uma molécula chamada de sulfato de colesterol. Eles cobrem-se com o sulfato de colesterol. Eles não têm uma matriz extracelular típica como as outras células. Mas esse sulfato de colesterol fornece uma carga negativa que faz com que os glóbulos vermelhos se ripelam para que não se colem. Isso é muito importante para manter a circulação sanguínea saudável.

Portanto, se os glóbulos vermelhos não tiverem sulfato suficiente, eles podem-se unir e causar problemas no fluxo sanguíneo, criar bloqueios e coisas desse género.

Elliot: Então, por exemplo, quando ingerimos aminoácidos contendo enxofre na dieta, precisamos de convertê-los em sulfato, correto?

Stephanie: Isso mesmo, sim. Isso é muito, muito interessante. Eu gostaria de falar um pouco sobre um determinado aminoácido, a taurina, que é realmente fascinante. Eu realmente estudei a taurina um pouco porque acho isso muito interessante, e também está ligada ao autismo porque as crianças autistas tendem a ter uma deficiência em taurina. A taurina não é um aminoácido codificante. Então os outros três que eu mencionei – e eu mencionei quatro aminoácidos contendo enxofre – três deles entram nas proteínas. A taurina não. Ela fica sempre sozinha e, na verdade, é considerada inerte. As células humanas não têm a capacidade de a decompor, o que é bastante interessante.

No entanto, o fígado, o coração e o cérebro armazenam enormes quantidades de taurina. Eles acumulam-na e eles armazenam-na no seu interior, agarram-se a ela. E quando há uma condição stressante, como um ataque cardíaco ou, por exemplo, convulsões, o coração liberta taurina e, nas convulsões, o cérebro vaza taurina para o sangue, para a circulação sanguínea. Essa taurina vai para o fígado, é absorvida pelo fígado, é conjugada com bioácidos e enviada para o intestino. Tudo isso é feito, acredito, para permitir que os micróbios do intestino convertam essa taurina em sulfato. Esta é uma teoria minha. Mas as pessoas ficam intrigadas com o motivo pelo qual esses órgãos armazenam taurina e porque a despejam. Eles não conseguem descobrir.

Eu acho que é uma forma de armazenar uma capacidade de reserva de sulfato quando o sulfato é severamente deficiente e, portanto, o corolário que eu acredito ser uma grave deficiência de sulfato é o que causa um ataque cardíaco ou as convulsões.

Elliot: No passado eu ouvi-a falar sobre como o corpo irá preferencialmente reabastecer o sulfato em detrimento de outras funções. Então o sulfato é de alguma forma realmente importante para a nossa sobrevivência a curto prazo, certo? Dessa forma eu acho que o que estou a tentar dizer é, seria capaz de explicar porque é que o sulfato é tão fundamentalmente importante para o fluxo sanguíneo? Qual é o mecanismo exacto?

Stephanie: Sim, é bem interessante porque o sulfato tem uma propriedade única. Existem algumas outras moléculas que partilham essa propriedade, mas o sulfato é particularmente bom em algo chamado kosmotrope, um tipo particular de molécula capaz de transformar a água em gelatina.

Então, quando faz gelatina, pega aquele pequeno pacote de gelatina e deita na água a ferver, adiciona a água fria e deixa-a no frigorífico e ela transforma-se em algo sólido, mas sabe que é principalmente água, mas parece uma substância que tem muito mais do que água. Só tem aquele pouquinho de pó e, no entanto, a coisa toda torna-se nessa grande massa sólida de gelatina. Isso é água estruturada.

É disso que Gerald Pollack fala extensamente, da água estruturada. A maior parte da água no seu corpo é água estruturada e, para manter essa estrutura, ela precisa de moléculas como o sulfato para sustentar essa forma estruturada da água. Chamo-lhe gelo líquido porque tem a mesma organização física das moléculas de água que observa nos cristais de gelo. E essa água estruturada também é chamada de zona de exclusão, que é algo que Gerald Pollack fala, e que quando a água se estrutura assim, ela purga tudo para que se transforme em água verdadeiramente pura.

Isto é o que acontece ao longo das bordas de todas as paredes dos vasos sanguíneos. As células endoteliais que revestem os vasos sanguíneos têm essa matriz extracelular que tem esses sulfatos ligados a ela. Elas criam essa gelatina que lubrifica. Ela envolve a face interna do vaso sanguíneo e torna o vaso sanguíneo muito, muito escorregadio. Se pensar muma gelatina, a superfície da gelatina é muito, muito escorregadia e sem atrito, de modo que os glóbulos vermelhos possam deslizar pelos capilares sem terem muita resistência. É muito importante permitir que os glóbulos vermelhos fluam suavemente através da circulação.

O corpo tem um desafio interessante para manter o líquido sanguíneo, mas para manter essa superfície de gelatina na borda do sangue. Portanto, há um limite entre a água estruturada e a água desestruturada, que é apenas o sangue líquido, e é nesse limite que acaba funcionando como uma bateria. Essa é outra coisa sobre a qual Gerald Pollack fala. A água estruturada não apenas exclui coisas, mas também está carregada negativamente. Ela empurra os protões para forma e então cria, essencialmente, uma bateria, porque os protões são atraídos por essa carga negativa, de modo que eles se projectam ao longo da superfície desse limite entre a água estruturada que, é a gelatina, e a água líquida que é o sangue que flui. Há uma bateria que é criada ao longo da borda da parede da artéria e essas baterias alimentam todas as nossas células com electricidade.

Então isso é mais notável: se não tiver sulfato suficiente, não tem electricidade suficiente. Não tem energia eléctrica adequada para o seu corpo.

Elliot: Então aquela fonte eléctrica, isso entra na célula? Como é que isso entra exactamente na célula? Isso é através do citoesqueleto?

Stephanie: Isso é o que eu acredito, sim. Eu acredito que o citoesqueleto realmente transfere protões. Os protões reúnem-se na superfície, no limite, e então eles são reunidos nestas interessantes cavernas chamadas de caveolae, e que são formadas na membrana da célula. Os protões entram por aí e então ligam-se ao citoesqueleto que é essa malha grande que é considerada o suporte estrutural da célula, mas também funciona como os fios eléctricos. E então as mitocôndrias e os lisossomos deambulam e ligam-se ao citoesqueleto. Ambos precisam de ter uma separação da carga, mas também precisam de ter muitos protões. Ambos exigem um espaço confinado que é altamente ácido. Os lisossomos têm que ser muito ácidos para serem capazes de digerir os detritos celulares, e eles podem puxar esses protões do citoesqueleto que são criados através da bateria fornecida pelos sulfatos. Então é assim que voltamos ao sulfato, como tendo um papel essencial para que a célula seja capaz de digerir os detritos celulares. São os lisossomos.

Mas também para que a célula seja capaz de gerar ATP, que é a molécula transportadora de energia da célula, a mitocôndria gera ATP e depende também do fornecimento desses protões. Eles têm um espaço interno muito carregado negativamente e um espaço intermembranoso que tem todos os protões contidos nele. Então cria uma bateria de carga muito forte na mitocôndria que impulsiona a cadeia de transporte de protões que produz o ATP.

Elliot: Então o que está essencialmente a afirmar aqui é completamente divergente das ideias actuais de que…

Doug: sim.

Elliot: …Eu ia dizer as ideias antiquadas da biologia em que o corpo é feito de um punhado de sacos salgados de fluido…

Stephanie: Sim.

Elliot: …e todos os nossos organelos flutuam em todas essas coisas, enquanto na verdade parece que a pesquisa mais moderna está realmente a mostrar que não é assim.

Stephanie: Certo.

Elliot: Que existe esse citoesqueleto e que muitas das interações entre as células e dentro das células são fundamentalmente biofísicas por natureza.

Stephanie: Sim.

Elliot: E eu acho que é isso que está a abordar. Obrigado por explicar isso Dra. Seneff.

Stephanie: Então, é claro, o principal é que o citoplasma é um gel e esse gel realmente contém os íões, de modo que a célula não tem tanto trabalho para manter os gradientes iónicos que gere, os quais também são críticos para a energia de todas as coisas que faz. Ele precisa de ter diferentes concentrações de iões entre o interior e o exterior e isso, é claro, com um bombeamento que requer energia. Mas se ele puder manter esses íões no lugar devido à água estruturada, isso ajudará a diminuir a sua carga. Não é tão difícil manter esse gradiente de iões se a água não for líquida. É o que estou a tentar dizer.

Elliot: Dra. Seneff, eu poderia perguntar rapidamente, se está familiarizada com a hipótese de indução de associação de Ling?

Stephanie: Sim.

Elliot: Ok.

Stephanie: Isso é o que eu estava a pensar quando eu falei anteriormente. Absolutamente.

Elliot: Ok. Só para esclarecer, os capilares e os vasos sanguíneos, para facilitar o fluxo sanguíneo saudável, é preciso haver essa camada de água gelatinosa na borda da camada do vaso e é isso que nos ajuda a transportar essencialmente as coisas e que também fornece electricidade para a célula. Então, quais são os factores que podem afetar isso? Aflorou o trabalho de Gerald Pollack. As suas experiências mostraram que havia uma interacção entre a luz e essa zona de exclusão. Poderia abordar isso sucintamente?

Stephanie: Isso é tão fascinante. Eu li alguns dos seus documentos e li alguns dos seus livros. Os seus livros são óptimos porque são mais acessíveis ao público leigo, visto seu campo de investigação ser extremamente difícil e a maioria dos trabalhos escritos nessa área serem ininteligíveis. Eu tenho dificuldade em entendê-los. Os seus trabalhos são mais acessíveis, e os seus livros em particular. Ele tem uma forma muito boa de apresentar a informação de forma descritiva, para qualquer leigo entender. Mas ele mostrou, de forma muito brilhante, que quando ilumina com luz infravermelha essa zona de exclusão – ele configura essas artérias artificiais, se assim pudermos chama-las, usando esses materiais especiais que simulam a matriz extracelular – e ele pode mostrar que quando faz incidir a luz, em particularmente do espectro infravermelho, faz com que a água da zona de exclusão se expanda num factor de quatro, nas suas experiẽncias.

Então, quando a água da zona de exclusão se expande, isso também expande a capacidade da bateria. É pegar na energia da luz do Sol e transformá-la numa bateria. Então é basicamente como um painel solar. Eu considero a pele como um painel solar. E os glóbulos vermelhos estão a fazer isso também, eu acredito. Eles produzem esse sulfato. Eu acredito que eles estão a usar a energia da luz do Sol para fazer o sulfato. Isso é outra parte da minha teoria, e tem a ver com esta enzima chamada de sintase endotelial do óxido nítrico (eNOS), que é uma enzima altamente regulada com um controle muito complexo que a liga e desliga. Produz o óxido nítrico, mas o que eu acredito é que também faz dióxido de enxofre quando está presa à membrana.

Então, basicamente, vai da membrana para o citoplasma e de volta para a membrana, sob um controlo muito cuidadoso, e alguma sinalização é feita para as células decidirem, a qualquer momento. se “eu devo estar a fazer sulfato ou nitrato?” Porque esses dois oxidarão para outras enzimas, para sulfato ou nitrato. O sulfato gelifica a água e o nitrato desgelifica-a. Assim sendo, o que está a acontecer é que existe toda essa sinalização que está a acontecer no sangue para o controlar cuidadosamente, de modo a que tenha a capacidade de manter o fluxo através do nitrato e o gel através do sulfato, e fazer isso com um controlo intrincado através do canal de comunicação independentemente de qualquer outra coisa que esteja a acontecer no resto das células, nas proximidades. A comunicação muito interessante entre as células mantém a água no estado adequado em todos os momentos, colectivamente. Entende?

Doug: Sim.

Stephanie: É realmente fascinante. A eNOS pode ir e voltar entre a membrana, dependendo do tipo de sinalização que está a ser entregue à célula.

Doug: Isso é realmente fascinante.

Elliot: O que especificamente está contido dentro da fonte de luz ou que frequência de luz acha que tem esse efeito? Acha que é luz UV ou acredita que pode ser aplicável a luz infravermelha também?

Stephanie: Eu acho que a eNOS usa luz azul, luz infravermelha e luz UV para várias finalidades para orquestrar todo esse processo de síntese de sulfato. A eNOS anexou duas flavinas chamadas FMN e FAD que respondem à luz azul. E elas respondem à luz azul e emitem protões como consequência da resposta à luz azul e mudam a luz azul para a luz verde e então ela emite fotões de energia que produzem superóxido de oxigénio. Então é assim que obtém uma fonte de uma molécula reactiva que pode reagir na eNOS. A eNOS tem um enxofre, suspeito que esteja ligado à glutationa, que se torna sulfato ao reagir com o superóxido criado pela luz azul. Então a luz azul, na realidade, acaba sendo muito importante, eu suspeito.

Depois a luz ultravioleta também energiza a água extracelular, energiza a água estruturada para aumentar a probabilidade de causar reacções. Tenta energizar uma reacção para tornar a célula segura.

Elliot: Ok. Então, quando faz o sulfato… qual foi a pergunta? Desculpe. Quando faz o sulfato de colesterol, existe alguma coisa que impeça o seu corpo de o usar? Por outras palavras, existe alguma coisa que interrompa a capacidade do seu corpo de produzir o sulfato de colesterol?

Stephanie: Sim, bem, isso é onde eu acho que o glifosato entra e desempenha um papel importante porque eu acho que o glifosato danifica a eNOS de várias formas. O glifosato é o ingrediente activo do herbicida comercial Round-Up. É suposto ser não-tóxico para os seres humanos. É suposto ser um químico maravilhosa que usamos para matar ervas daninhas e torna a nossa produção de alimentos muito mais barata e eficiente, alegadamente, e que é inofensivo para os seres humanos e, portanto, é óptimo.

Eu peço desculpa mas não concordo. Eu acho que o glifosato é provavelmente o mais importante produto químico tóxico no nosso meio ambiente actualmente. Eu acredito que é a fonte da epidemia de autismo que estamos a viver. Também é, na verdade, a fonte do grave problema de LDL sérico que temos, que coloca as pessoas em estatinas e fonte de muitos, muitos outros problemas, tanto de cancro como da doença de Alzheimer e vários problemas intestinais, insuficiência renal. Todos os tipos de problemas diferentes que observamos. A artrite reumatóide. Eu associo todos eles ao glifosato. Eu acho que é uma toxina insidiosa e cumulativa que é difundida no nosso ambiente.

Na América, estamos completamente sobrecarregados no sistema de saúde agora por todas as doenças que as pessoas estão a ter, todas essas doenças crónicas, diabetes, obesidade, autismo. É muito, muito desafiador neste país agora poder pagar os serviços de saúde porque muitas pessoas estão tão doentes. Eu culpo a epidemia – não é que o glifosato seja a única coisa que causa essas doenças, mas está a causar a epidemia em todas essas doenças e está a fazer isso através de um notável mecanismo tóxico que envolve a sua capacidade insidiosa de entrar em proteínas por engano no lugar do aminoácido codificante glicina.

Portanto, o glifosato é uma molécula de glicina com material extra, preso ao seu átomo de nitrogénio. Eu acredito que se está a infiltrar nas proteínas e a torna-las numa bagunça. E assim pode encontrar todas essas diferentes proteínas que têm essa glicina natural. Uma delas é a eNOS. A eNOS possui glicinas terminais que são essenciais para que ela possa ligar-se às membranas. A eNOS também possui glicinas altamente conservadas adicionais que são necessárias para formar um dímero. Normalmente, a eNOS tem duas moléculas que se juntam e formam uma cavidade no meio e essa cavidade contém um átomo de zinco, e esse átomo de zinco atrai o enxofre. É o lugar onde o sulfato despoleta, onde o sulfato é feito.

Assim, tanto na formação de dímeros como a ligação à membrana dependem da glicina. Acredito que o glifosato esteja a substituir essa glicina, desconfigurando as moléculas, impedindo-as de ir para a membrana, impedindo-as de produzir sulfato e causando, portanto, uma crise pela insuficiência de sulfato.

Elliot: Isso ajudaria a explicar porque eles estão a encontrar o glifosato incorporado na carne muscular dos animais?

Stephanie: Absolutamente!

Elliot: Na verdade, está a ser incorporado no colágeno.

Stephanie: Sim. O colágeno é…

Elliot: Acha que é o caso?

Stephanie: Sim! O colágeno é a proteína mais comum no corpo. Vinte e cinco por cento das proteínas do corpo são moléculas de colágeno. O colágeno contém uma enorme quantidade de glicina. Vinte a 25% dos aminoácidos no colágeno são glicinas. É realmente invulgar a esse respeito. Por isso tem uma enorme oportunidade de ser destruído pelo glifosato e depende dessas glicinas para formar a sua estrutura helicoidal. Tem essa estrutura de hélice tripla que se forma e tem uma glicina a cada terceiro resíduo para fazer essa estrutura funcionar. Se substituir as glicinas com glifosato aleatoriamente, vai estragar a danificar do colágeno. Vai comprometer a sua resistência à tracção e à flexibilidade. Vai inviabilizar a sua capacidade de manter a água e vai causar coisas como artrite reumatóide e todos os tipos de dor óssea, dor nas articulações, o que estamos a observar. Vai causar coisas como uma epidemia de overdoses com fármacos opióides. Eu acho que está directamente ligado a isso.

Elliot: Então, substitui a glicina, mas não tem o mesmo efeito que a glicina.

Stephanie: É muito diferente.

Elliot: A proteína não funciona correctamente, sim?

Stephanie: Certo. Porque tem essa coisa extra ligada ao nitrogénio, que é esse grupo de metilfosfonila, e essa coisa é carregada negativamente e volumosa, o que a estraga totalmente. A glicina é o menor aminoácido. Não tem cadeia lateral e é escolhida para certos lugares em proteínas por causa disso. Tem um papel central que desempenha em muitas proteínas. Isso é o que estou a encontrar. Eu ainda estou a encontrar novas proteínas todos os dias que têm glicinas essenciais que causariam a doença se essas glicinas forem substituídas e é simplesmente surpreendente que se possa explicar muito facilmente todas essas doenças que estão altamente correlacionadas com o uso do glifosato.

Tivemos um crescimento exponencial do uso de glifosato nos cultivos essenciais nos Estados Unidos nas últimas duas décadas, acompanhando o crescimento exponencial do autismo, da doença de Alzheimer e da insuficiência renal, todos esses problemas diferentes, o diabetes, estão associados. Eu acho que eles estão directamente ligados ao glifosato que se está a acumulando nos nossos tecidos.

Eu vou-te dizer, a Monsanto tem um estudo que os investigadores da Monsanto fizeram em 1989 com algo chamado peixe de guelra azul. Eles expuseram este peixe ao glifosato radiomarcado. Eles tinham carbono 14 colocado no glifosato para que pudessem rastreá-lo e, depois, olhavam para os tecidos do peixe e encontraram níveis mensuráveis ​​desse rótulo nos tecidos e, quando tentavam detectar o glifosato, eles descobriram que o método usado para detectar o glifosato dependia de ser uma molécula independente, e descobriram que apenas 17% dos rótulo de rádio poderiam ser explicitamente explicados como glifosato.

Então eles ficaram confusos. O que aconteceu com o glifosato?

Doug: Uau!

Stephanie: Uma vez que eles adicionaram uma enzima digestiva que quebra as proteínas em aminoácidos individuais, eles aumentaram o rendimento em até algo como 57%, ainda perdendo um pouco do rótulo, o que significa que eles foram capazes de quebrar a proteína, mas não completamente. Então eu acho que o glifosato faz com que a proteína seja difícil de quebrar, assim como compromete a sua capacidade de fazer o seu trabalho, torna difícil quebrá-la. Então acaba por acontecer uma lenta acumulação de proteínas contaminadas com glifosato que o seu corpo não consegue limpar.

E, é claro, também danifica o sulfato necessário para decompor os detritos celulares. Então fica com essas proteínas quebradas das quais não pode se livrar porque não tem sulfato suficiente para criar o ambiente ácido que precisa para digerir e decompor essas proteínas quebradas.

Elliot: Eu só vou rever isto para ter certeza de que eu entendi. Então os lisossomas são organelas celulares.

Stephanie: Hum-hum.

Elliot: Eles são basicamente máquinas usadas nas células para quebrar e reciclar tecidos.

Stephanie: Sim.

Elliot: Recicla componentes celulares. Então, como estava a dizer antes, o sulfato é fundamentalmente tão importante para esse processo e o facto de que o glifostato não só perturba essa enzima eNOS, mas existem também várias outras formas pelas quais ele perturba o metabolismo do sulfato. Então, se houver um acumular de glifosato e depois houver uma diminuição subsequente ou simultânea na disponibilidade de sulfato, isso não vai correr muito bem, é correcto?

Stephanie: Não. Na verdade, o que vai acontecer é, por exemplo, a acumulação de placa beta-amilóide e terá a doença de Alzheimer.

Doug: Ah! Na verdade, só tivemos uma pergunta na nossa conversa sobre isso. Eles perguntaram se havia uma ligação entre as proteínas quebradas e as placas amilóides.

Stephanie: Eu absolutamente acho que existe. E na verdade é muito fascinante. Eu tenho lido, e recentemente processei nova informação que acabei de encontrar, por um motivo em particular. Eles têm essas coisas chamadas de motivos, que são padrões que aparecem em certas proteínas que são essenciais para a sua função, e há um motivo que aparece na placa de Alzheimer, que é chamado motivo GXXXG. Os dois G’s representam a glicina e os X representam aleatórios. Então tem um aminoácido glicina e depois três outros aminoácidos e depois outra glicina naquele padrão, motivo GXXXG. A placa beta amilóide tem três destes que estão altamente conservados. Existem outras moléculas que também têm este motivo GXXXG e que são proteínas transmembranares.

A placa de Alzheimer vem de uma proteína transmembranar que é rompida e acaba como uma proteína solúvel no citoplasma, em vez da sua posição adequada na membrana, e faz isso sob condições estranhas que eles não entendem, mas estão considerando que o motivo GXXXG será central no problema, porque eles podem encontrar nele a peça que faz com que a placa se forme.

Assim sendo, eles suspeitam que essas glicinas estão de alguma forma ligadas à doença de Alzheimer. Mas o que eles não entendem é que elas não são glicinas, são glifosatos. Isso é o que está a acontecer.

O glifosato cria uma carga negativa. Isso faz com que se ligue ao alumínio e o alumínio faz com que essas moléculas se unam. O alumínio une-as porque tem a carga +3, e depois as duas moléculas de glifosato carregadas negativamente em duas instâncias separadas dessa proteína prendem-se ao alumínio e ficam juntos para formar este tipo de complexo dessas moléculas no citoplasma, que não é onde deveriam estar e que é a fonte de problemas para o neurónio e que faz com que ele morra.

Doug: Existe esse pensamento comum de que o alumínio é, na verdade, o que causa a doença de Alzheimer, mas parece que o que está a dizer…

Stephanie: Christopher Exley tem feito muita investigação sobre o alumínio. Ele descobriu recentemente altos níveis de alumínio nos cérebros de autistas, o que é muito excitante para mim porque eu escrevi sobre alumínio e autismo. Eu acho que é um grande interveniente no problema do autismo. Eu escrevi sobre como o glifosato torna o alumínio muito mais tóxico do que de outra forma seria, porque o glifosato liga-se ao alumínio e neutraliza a sua carga positiva, o que torna muito mais fácil passar pela barreira intestinal. E o glifosato também abre a barreira intestinal, abre a barreira do sangue-cérebro e permite que o alumínio tenha acesso ao cérebro, e tanto o Alzheimer quanto o autismo estão a aumentar drasticamente com o uso do glifosato, e ambos têm elevados níveis de alumínio no cérebro associados. No post-mortem, quando examinam o cérebro, encontram altos níveis de alumínio.

Elliot: Voltando ao glifosato, se pudéssemos rever algumas das formas pelas quais ele interrompe o metabolismo do sulfato. Explicou como ele inibe a eNOS ou impede que a eNOS funcione, mas também tem muitas outras formas de disrupção não é?

Stephanie: Sim.

Elliot: E é uma loucura porque quando eu comecei a ler o seu trabalho, parecia que o glifosato era o pior inimigo do sulfato em todos os sentidos! De todas as formas! Porque há muitas.

Stephanie: É realmente incrível, sim. E devo mencionar que com a eNOS, a eNOS é uma enzima do citocromo P450 e o glifosato demonstrou realmente suprimir as enzimas CYPP450 no fígado e estas também são essenciais para a formação de bioácidos e também para a desintoxicação de muitos químicos tóxicos. Portanto, o glifosato torna tudo o resto mais tóxico do que seria, interrompendo as enzimas CYPP. Começando com o principal efeito do glifosato que Monsanto fala é a via do shikimato. Eles orgulhosamente dizem que as nossas células não têm essa via e é por isso que o glifosato é seguro. No entanto, os nossos micróbios intestinais têm essa via e a usam para produzirem os aminoácidos aromáticos, que são três dos aminoácidos essenciais que mencionei anteriormente, o triptofano, a tirosina e a fenilalanina.

O triptofano é um precursor da serotonina e a serotonina é produzida em maior quantidade no intestino e é enviada para o cérebro ligado ao sulfato. Assim a serotonina é produzida, sulfatada e transportada para o cérebro, e acredito que esteja a fornecer sulfato para o cérebro. Esse é um dos seus papéis importantes, o de fornecer sulfato para o cérebro. Assim, devido à deficiência de triptofano na comida, porque a comida é exposta ao glifosato e as plantas não serão capazes de produzir quantidades adequadas de triptofano, ficamos com uma deficiência na nossa dieta, e os nossos micróbios intestinais também supostamente produzem triptofano para nós também. Eles não conseguem fazer isso por causa do glifosato. Ficamos com deficiência de triptofano e portanto de serotonina. E, claro, a serotonina também é um neurotransmissor realmente importante, precursor da melatonina. Isso significa que a melatonina é deficiente e a melatonina fornece sulfato ao cérebro enquanto dorme. A melatonina é, na realidade, produzida pela glândula pineal, libertada ligada ao sulfato, quando dorme.

A glândula pineal produz sulfato diariamente. Ela está localizada atrás dos olhos, pelo que então quando os olhos recebem luz, a glândula pineal produz sulfato e, posteriomente, este é armazenado durante o dia e usado à noite ao ser fixado nas moléculas de melatonina. Então, quando o sulfato é deficiente e a melatonina é deficiente fica com uma deficiência de ambos no cérebro e não consegue dormir e, como consequência, temos uma epidemia de distúrbios do sono nos Estados Unidos.

Elliot: E também quela certos minerais, como o molibdénio, não é verdade?

Stephanie: Quelatos de enxofre. Por isso, evita que o próprio enxofre seja absorvido pelas células, e dessa forma terá uma deficiência de enxofre na sua alimentação. Há uma outra coisa que tem a ver com a síntese de metionina. Tem sido mostrado em e-colis que o glifosato suprime as enzimas críticas envolvidas na síntese de metionina a partir do enxofre inorgânico. Então, quando come enxofre precisa de produzir – de novo – os micróbios. Vocễ depende dos micróbios para fazer a metionina, que é um aminoácido essencial, e eles usam as enzimas que são destruídas pelo glifosato. Portanto, não pode transformar o enxofre inorgânico em metionina, o que resulta no crescimento excessivo de bactérias que reduzem o enxofre ao gás sulfídrico e que pode ser tóxico em quantidades excessivas.

Assim, sob exposição ao glifosato, as pessoas ficam com um excesso de espécies chamadas desulfovibrio e biophila wadsworthia. Estas são duas espécies que reduzem o enxofre contido em coisas como alho, cebola e vegetais crucíferos ou os sulfetos que estão no vinho ou frutas secas – todas essas coisas vão-se transformar em gás sulfídrico se o seu sistema que produz metionina não estiver a funcionar . E também a proteína que oxida o enxofre em sulfato é chamada de óxido sulfídrico, e que também depende do heme, a eNOS depende do heme. A síntese da heme é interrompida pelo glifosato. Portanto, existem como que um milhão de formas pelas quais o glifosato interrompe o enxofre.

Elliot: Sim, então quando come algo contendo enxofre, tem que passar por um monte de conversões para poder ser transformado nesse sulfato inorgânico, que é a forma utilizável, nós o activamos e então pode ser usado. Eu juro que praticamente cada uma dessas vias é bloqueada pelo glifosato, o que é absolutamente incrível. No entanto, a Monsanto conseguiu chegar a algo tão, tão mau que confunde a minha mente completamente.

Sobre que o que acabou de dizer é uma das coisas que realmente se destacaram, para mim, e realmente me fez querer aprofundar muito mais esse trabalho, e foi essa ideia de que há algum tipo de adaptação à incapacidade do corpo de ter acesso ao sulfato. Então, o que disse, se eu estiver correcto, só para dar uma visão geral, quando alguém come alimentos contendo enxofre e o seu corpo tem um problema em convertê-los porque as vias de conversão são bloqueadas pelo glifosato, então o que pode acontecer é que seu corpo pode realmente facilitar um crescimento excessivo de certas bactérias do intestino, o que conhecemos como disbiose intestinal. Facilita o crescimento de bactérias, e este crescimento de bactérias realmente encontra outra outra via para fornecer ao corpo sulfato produzindo gás sulfídrico. Correcto?

Stephanie: Absolutamente. Absolutamente. É realmente fascinante porque o gás sulfídrico é muito, muito móvel. É como um fantasma. Pode passar por todos os tecidos. Pode atravessar as membranas celulares. Não precisa ser transportado no sangue, apenas vagueia pelo corpo, como um gás. É um gás e vagueia por toda parte. Assim, os micróbios do intestino produzem e migram dessa forma para o fígado, para o pâncreas, para a medula espinhal e, quando chega ao seu destino, pode ser oxidado em sulfato pelas células que estão nesse local, nesse ambiente, por esses tecidos.

Mas para fazer isso tem que ter superóxidos, pelo que então terá de ter danos oxidativos. Então o que estamos a notar, com muitas dessas doenças causadas pela inflamação, a meta, eu creio, o principal objectivo da inflamação, é gerar o superóxido para poder produzir o sulfato a partir do gás sulfídrico. Isso acontece porque não pode garantir a entrega do sulfato, não tem suficientes transportadores de sulfato disponíveis para entregar o sulfato ao órgão e, portanto, o órgão teve que fazer o seu próprio sulfato a partir do gás que foi produzido por essas bactérias redutoras. Então, é um sistema incrível, como uma forma alternativa de transportar o sulfato, primeiro convertendo-o para este gás e, posteriormente, entregando-o a um destino que o oxidará de volta ao sulfato, mas sofrerá danos colaterais por causa dele.

Elliot: O gás de sulfeto de hidrogénio produzido no intestino também pode produzir alguns sintomas realmente desagradáveis, não é?

Stephanie: Absolutamente.

Elliot: Então, pode produzir diarreia e inflamação e coisas desse género.

Stephanie: Exactamente, e é por isso que as pessoas têm sensibilidade ao enxofre. Quando comecei a falar sobre o enxofre e o sulfato, muitas pessoas enviaram-me e-mails a dizer: “Mas eu não posso comer enxofre”, “não posso comer alho, isso deixa-me doente”. E foi isso que me adensou o mistério durante algum tempo antes de eu finalmente sentir que entendia o que estava a acontecer.

Mas é por causa dos mecanismos que o corpo tem implementados, que dependem dos micróbios do intestino, mecanismos esses que estão a ser comprometidos porque os micróbios estão a ser mortos pelo glifosato, que eles não são capazes de fazerem o seu trabalho. Então, tem esses outros micróbios que crescem alternativamente e que são capazes de fazer o mesmo, com o objectivo de fornecer a mesma solução, para resolver o problema da deficiência de sulfato através de uma estratégia completamente diferente, mas que infelizmente envolve efeitos colaterais. E isso é o que observamos, eu creio.

Por exemplo, a gota. Nós escrevemos um artigo inteiro sobre a gota, que também está a subir em sintonia com o uso do glifosato. A gota é como uma inflamação geralmente no dedão do pé, muito, muito dolorosa, que fica vermelha e inchada e vem periodicamente, geralmente a meio da noite.

Mas é muito fascinante quando olha exatamente o que se passa bioquimicamente no dedo do pé gotoso. Tem tudo a ver com a produção de sulfato. Na verdade, o gás sulfídrico é produzido, então ele é oxidado, e então ganha danos oxidativos, todas essas mesmas coisas. Todo esse padrão de dor nessas articulações, porque essa articulação está a assumir a responsabilidade de produzir sulfato de colesterol e entregá-lo ao sangue.

Elliot: Essa é uma ideia completamente radical, porque meio que se manifesta diante de tudo o que achamos que sabemos sobre a doença. O que sugere é que talvez o que é visto como uma doença seja, na verdade, uma forma de proteger o corpo, e é, na verdade, um mecanismo de contingência.

Dessa forma, existem algumas outras teorias que desenvolveu e que sinto que fazem muito sentido. Então, falou sobre disbiose no intestino e depois escreveu um artigo incrível com os seus colegas e foi sobre a aterosclerose. Então, seria capaz de explicar o que acha que a doença cardiovascular ou a aterosclerose realmente pode ser?

Stephanie: Absolutamente sim. Acho isso muito fascinante e, claro, também me diz muito por causa dos problemas do meu marido. É interessante que a placa cardiovascular se acumule nas artérias que alimentam o órgão mais importante do corpo. As pessoas afirmam que como que fica passivamente presa lá por engano, que como há muito colesterol no sangue, está apenas a acumular-se nas suas artérias. Isso definitivamente não é verdade. Está a ser activamente recrutada para os vasos que estão a trabalhar para o coração, para que o colesterol esteja pronto, assim que o sulfato esteja disponível. Então, sempre que o sulfato estiver disponível, o colesterol é enviado como sulfato de colesterol o mais rápidamente possível. Considerando que, se esse colesterol não estiver na reserva, você não vai ser capaz de tirar proveito desse sulfato que está agora disponível. O colesterol nas paredes das artérias que fornecem o coração está aí para evitar a insuficiência cardíaca, que é o que terá se não tiver suficiente sulfato de colesterol fornecido para o coração.

Gaby: Pode explicar o papel da clamídia pneumoniae, essa bactéria que é frequentemente encontrada na placa?

Stephanie: Sim, na verdade é encontrada na placa cardiovascular. É encontrado na placa de Alzheimer. Muito, muito interessante porque a Chlamydia pneumoniae é única, e acredito que sejam a única espécie que possui um conjunto único de enzimas que produz uma molécula muito semelhante ao sulfato de heparina. E o sulfato de heparina é uma molécula super importante no organismo. O nosso corpo tem dificuldade em produzi-la por causa dos venenos aos quais estamos expostos.

Então, essas chlamydia pneumoniae podem realmente ajudar-nos, incorporadas na parede da artéria, no local onde o colesterol está a ser armazenado e produzindo o sulfato de heparina, que é criticamente necessário para manter saudável o sangue que abastece o coração, para manter os vasos saudáveis. A deficiência de sulfato de heparina nos ventrículos cerebrais, a propósito, está directamente ligada ao autismo, não apenas em humanos, mas também em estudos com múltiplos ratos de laboratório. De facto, um artigo muito interessante que eu li falou sobre um defeito muito específico que eles introduziram nesses ratos de laborátório ao nascimento, onde eles interferiram com a sua capacidade de fazer sulfato de heparina no cérebro, e esses ratos de laboratório demonstraram todas as características do autismo em ratos.

Eles têm outro modelo de ratos que eles obtiveram ao longo de várias gerações de endogamia em ratos de laboratório alimentados com elevadas doses de glifosato na sua alimentação. Então eu suspeito que o glifosato criou o autismo nesses ratos. Esses ratos tinham uma grave deficiência de sulfato de heparina nos ventrículos, juntamente com um corpo caloso ausente, que é essa ponte no topo dos ventrículos, que une os hemisférios esquerdo e direito. Então, esses são dois modelos diferentes de ratos que mostraram essa deficiência de sulfato de heparina no cérebro ligada ao autismo, e que também observamos em humanos.

Elliot: E o que isso sugere é que há algum tipo de comunicação, a qualquer nível, que faz com que as bactérias que podemos permitir a entrada nos nossos corpos e que supostamente causam infecções e sejam patológicas, podem nem sempre ser patológicas. Na verdade, pode haver alguma cooperação. Certo? Isso recorda-me das várias das medicinas tradicionais como a Ayurveda, a medicina chinesa ou a naturopatia – falando sobre como o corpo tem esse sentido inato de inteligência e de saber, sobre o que ele precisa e a que horas. Com as diferentes coisas que está a mostrar, em particular com as coisas da chlamydia pneumoniae, isso foi fascinante, porque parece que isso está completamente em concordância com o que eles afirmam há milhares de anos.

Stephanie: Sim, isso é muito interessante. Eu também examinei o vírus da gripe, e que também é fascinante porque o vírus da gripe entra nas células musculares, infecta-as e depois reprograma-as para basicamente colocar pequenas camadas de matriz extra-celular ao redor de cada partícula de vírus da gripe que está a ser produzido. Ele reaproveita as células musculares. Depois, em vez de colocar esse sulfato de heparina do lado de fora da porta, normalmente redirecciona as suas energias para cobrir cada uma dessas pequenas partículas de vírus com sulfato de heparina e então a célula explode e envia todas as partículas de gripe por aí a fora. Ao serem consumidos pelos macrófagos estes dizem “muito obrigado pelo sulfato de heparina que acabou de me dar”. Por outras palavras, o vírus da gripe é um mecanismo para fornecer as células do sistema imunológico com sulfato de heparina, roubando-o dos músculos. As células imunitárias necessitam desesperadamente de sulfato de heparina para poderem suportar a função imunitária.

Doug: Isso é incrível!

Stephanie: A deficiência imunológica severa é o que causa a gripe e a gripe ajuda a melhorar a sua imunidade se sobreviver.

Gaby: Uau, isso é fascinante!

Doug: Deus!

Gaby: Deparou-se com outro vírus com propriedades semelhantes?

Stephanie: Eu suspeito que muitos deles têm essa propriedade. Estou a tentar descobrir mais sobre a doença de Lyme. A Lyme realmente fascina-me porque é um micróbio dependente de manganês e eu sei que o manganês é severamente afetado pelo glifosato. Eu escrevi um artigo sobre isso. O manganês é um metal realmente interessante porque possui propriedades que respondem a campos electromagnéticos. É magnético, chama-se paramagnético e suspeito que o manganês desempenha um papel importante nas comunicações electromagnéticas do corpo.

Mas o manganês é o único mineral que conheço que pode viajar ao longo das fibras nervosas e o que acontece com o glifosato, creio eu, é que o manganês acaba por se acumular no fígado, porque normalmente seria enviado pelos bioácidos, mas os bioácidos estão comprometidos por causa do problema da enzima CYPP. Como tal, o manganês acumula-se em níveis tóxicos no fígado e na vesícula biliar, e depois é transportado pelo nervo vago até o tronco cerebral e torna-se hiperconcentrado no núcleo do tronco cerebral, causando coisas como a doença de Parkinson e, suspeito, TDAH.

Enquanto isso, o manganês não é entregue ao resto do corpo, pelo que dessa forma ganha essa deficiência severa de manganês no sangue que observamos. Vê deficiência de manganês no cabelo, nos dentes e na urina no autismo. Eu acho que a deficiência de manganês é uma característica do autismo, mas eu acho que é coincidente com o excesso de manganês no tronco cerebral, que é uma característica do TDAH. Portanto, o manganês não está a ser distribuído adequadamente por todo o corpo por causa dos efeitos do glifosato.

Doug: Acredita que isso está relacionado com a doença de Lyme de alguma forma?

Stephanie: E então eu suspeito que a Lyme é capaz de redistribuir o manganês para onde ele precisa ir, assim como o vírus da gripe redistribui o sulfato. É isso que eu suspeito.

Elliot: Eu me lembro de você dizer algo sobre.. foi o micoplasma?

Stephanie: Sim, os micoplasmas são fascinantes. Ah, sim, eles ficam dentro da membrana celular e eu suspeito que eles infectam células que têm mitocôndrias defeituosas, o que é facilmente o caso do glifosato porque existe o citocromo. O oxidante é crucial e dependente da glicina. Portanto, o glifosato pode atrapalhar e causar danos oxidativos à célula e matar a mitocôndria, tornando a célula deficiente em energia. Mas os micoplasmas podem ficar dentro da membrana e podem converter a arginina em ATP. Então eles podem pegar na arginina, outro aminoácido, para produzir ATP, uma facilidade única que eles têm e que as nossas próprias células não têm. Eles não podem fazer isso. Assim sendo, eles fornecem ATP aquelas células mortas, aquelas células que estão severamente deficientes energeticamente porque as suas próprias mitocôndrias são defeituosas.

Elliot: E acha que o glifosato impede o corpo de reciclar as mitocôndrias defeituosas?

Stephanie: Ah sim, claro, porque tudo depende do funcionamento dos lisossomos e os lisossomos são destruídos pelo glifosato.

Elliot: certo.

Stephanie: Também há um problema nos canais de cloro. O canal de cloreto é realmente fascinante. O canal de cloreto tem um resíduo essencial de glicina no seu ponto de aperto. É como uma ampulheta e tem um resíduo de glicina no ponto de aperto e se alterar a glicina num aminoácido carregado negativamente, que é o que é um glifosato, bloqueia completamente a capacidade do cloreto de passar pelo canal. É assim que pode ter problemas com o estômago, não produzindo ácido clorídrico suficiente. Então fica com acidez insuficiente no estômago, que vai dar origem à SIBO, ao supercrescimento bacteriano do intestino delgado, levando a essa epidemia com que nos deparamos hoje também. Para além disso, o canal do cloreto é crucial para o lisossomo. O lisossomo precisa do ácido clorídrico e de ácido sulfúrico para produzir o ambiente ácido necessário para digerir os alimentos. Ambos são perturbados pelo glifosato.

Elliot: Sim, e baixo ácido estomacal parece ser uma coisa tão comum nos dias de hoje. Como disse, é epidémico e ninguém parece ser capaz de explicar isso com argumentos para além do stresse. As pessoas vão suplementar-se com toneladas de ácido clorídrico de betaína, mas isso nunca melhora. Então tem que haver uma resposta sobre porque é que o corpo não está a produzir enzimas pancreáticas suficientes, porque o corpo não está a produzir ácido biliar e estomacal suficiente. Peço desculpa, prossiga.

Stephanie: Eu não queria interromper-te porque eu não quero perder o fio desse pensamento, porque isso é óptimo. As células parietais do estômago e as células acinares do pâncreas são ambas tipos de células que produzem muitas proteínas que excretam. Naturalmente, as células acinares produzem todos os sucos pancreáticos. As enzimas, a tripsina, a pepsina, a lipase são todas produzidas por elas. Então eles têm que produzir muita proteína e enviá-la para fora, o que significa que eles precisam consumir muitos aminoácidos. O mesmo acontece com o fator intrínseco produzido por essas mesmas células que formam o ácido clorídrico, as células parietais do estômago.

Então, ambos os dois tipos de células, porque eles precisam produzir muita proteína, precisam de consumir muitos aminoácidos, e o glifosato é absorvido pelos canais dos aminoácidos porque é um aminoácido. Isso foi demonstrado em estudos. Então, o que acontece é que essas células recebem doses muito mais elevadas de glifosato do que outros tipos de células por esse motivo, porque elas precisam de muitos aminoácidos. Então, elas ficam particularmente danificadas e depois acabam colocando o glifosato nas proteínas que produzem para que o factor intrínseco se torne defeituoso, a tripsina torna-se defeituosa.

A tripsina tem quatro regiões separadas que são ricas em glicina e cada uma delas tem um papel diferente que desempenha, mas a molécula ficará realmente perturbada se for colocado glifosato em vários lugares, em vez da glicina. A tripsina não funciona. As Enzimas digestivas não funcionam. As proteínas não serão digeridas. Isso cria uma barreira intestinal permeável, e essas proteínas não digeridas saem para a circulação. As células do sistema imunológico respondem com doença autoimune. Essencialmente ganha anticorpos contra essas proteínas estranhas que se tornam auto-anticorpos para as suas próprias proteínas através de um processo chamado mimetismo molecular.

Elliot: Stephanie, temos uma pergunta de alguém no chat. O que eles perguntam é se as pessoas com sulfeto de hidrogênio SIBO, um crescimento excessivo de desulfodevibrio, se deveriam tentar matar essas bactérias como normalmente fariam com antibióticos, ou deveriam tentar resolver a questão da deficiência de sulfato ou a toxicidade do glifosato? Qual deles primeiro?

Stephanie: Eu sei, e essa é uma pergunta difícil de responder. Eu não gosto de antibióticos. Eu prefiro muito mais probióticos como uma solução, prefiro probióticos naturais, como comer chucrute. Meu marido realmente faz seu próprio tipo de legumes em conserva o que é muito divertido. Sela-os num frasco e, sabe, você simplesmente deixa-os ficar assim durante algum tempo. É realmente óptimo. Pode fazer seus próprios legumes em conserva, mas a acetobactéria é um micróbio comum no vinagre. Gostamos de usar o vinagre orgânico de maçã de Bragg. A acetobactéria está entre os poucos micróbios que podem realmente metabolizar o glifosato.

Então, uma coisa que pode fazer é comer probióticos, comer alimentos probióticos naturais, a fim de obter micróbios no seu intestino que possam realmente limpar o glifosato, muito, muito importante. Então eu recomendo isso. Eu acho que antibióticos são realmente complicados. Uma das coisas – e eu estou quase com medo de recomendar isso porque há muita controvérsia – mas há uma mulher chamada Kerri Rivera que mora na Alemanha e ela afirma que reverteu o autismo em como que 360 crianças. Ela usa uma dieta orgânica e probióticos, ácido húmico e ácido fúlvico, que são matéria orgânica do solo. E ela usa oxigenoterapia hiperbárica e também gosta de usar dióxido de cloro, que é a coisa controversa que ela usa. Ela disse-me que sem o dióxido de cloro ela não teve sucesso em reverter o autismo, pelo que então eu acho isso muito, muito interessante. Eu quero entender o que é que o dióxido de cloro está a fazer.

Bem, isso vai realmente fornecer cloreto para as células do sistema imunológico no intestino, o que lhes permitirá produzir hipoclorito, que é um agente antimicrobiano muito poderoso que o corpo produz naturalmente para combater os micróbios. As pessoas dizem que o dióxido de cloro é como comer lexívia e, por isso, afirmam que é muito mau, embora deixem os seus filhos nadarem na água tratada com cloreto. Então, é basicamente como o Clorox. O establishment médico americano tem implicado com Kerri por causa desse dióxido de cloro. Ela dá a eles em quantidades muito pequenas e ela não teve nenhuma reação negativa. Ela tratou milhares de crianças do mundo inteiro. Ela trata muito poucas crianças na América porque a América essencialmente a colocou numa lista negra. Por isso os americanos são muito tímidos em tomar esse dióxido de cloro. Mas as pessoas na Índia, na América do Sul e na Europa tiveram sucesso em reverter o autismo através do dióxido de cloro.

Eu acho que é porque está a fornecer o cloreto. O canal de cloreto é destruído pelo glifosato. O cloreto é realmente perturbado no cérebro, o que faz com que o GABA siga na direcção errada. É um processo muito interessante que acontece no nascimento e que transforma o GABA num neurotransmissor inibitório em vez de um neurotransmissor. E isso tudo depende dos canais de cloro que podem ser destruídos pelo glifosato. Então eu acho que o GABA acaba por ir na direcção errada no cérebro, e isso é parte do problema no autismo que pode ser corrigido.

Também tem muita diarreia que faz com que perca o cloreto de sódio, pelo que dessa forma acaba por ganhar um problema de deficiência de cloreto. É interessante porque o cloreto é um pouco como o sulfato. Ambos são tão comuns que as pessoas não percebem que podem ser ter deficiência dos mesmos. Mas acho que ambos são deficientes no contexto do glifosato.

Gaby: Então nós temos o problema de fontes ocultas de glifosato. Eu posso comer alimentos orgânicos, mas se eu tomo suplementos com enzimas que contêm glifosato, então não é muito bom para nós.

Stephanie: Absolutamente e de facto, Anthony Samsel ordenou uma investigação à tripsina, pepsina lipase porcina, e ele enviou amostras para um laboratório, testou-os e as três testaram positivo para elevados níveis de glifosato.

Doug: A sério?!

Stephanie: As pessoas esquecem-se de se preocuparem com o glifosato nos suplementos. E sim, é muito assustador.

Elliot: Isso é uma loucura.

Stephanie: O que me faz acreditar que é isso que está a acontecer com o pâncreas. As células acinares pancreáticas estão a captar o glifosato e a coloca-lo nas moléculas que produzem.

Elliot: Isso faria todo o sentido. Então, estou consciente de que estamos a chegar ao fim Stephanie. Antes de terminarmos, eu realmente gostaria que mencionasse quais são algumas das coisas que podemos fazer? Em primeiro lugar, a ideia de todos aumentarem a sua ingestão de enxofre ou há algumas coisas que devem ser lembradas quando se aumenta a ingestão de enxofre?

Stephanie: Sim, obviamente precisa de ter os seus micróbios intestinais saudáveis. Isso é realmente a número um, e certamente orgânica. O meu marido e eu só compramos orgânicos certificados quando fazemos compras. Nós sempre compramos a comida da mais alta qualidade que podemos encontrar. Nós sentimos que vale a pena o dinheiro extra, porque está irá ter o retorno financeiro disso em todos os custos de saúde em que não incorre, em virtude de permanecer saudável e não ter a doença de Alzheimer, que é uma ameaça muito clara nos dias de hoje.

Eu realmente acredito na Luz do sol, pelo que então eu faço tudo o que é possível para apanhar Sol, sem protetor solar e sem óculos de Sol. Eu nem uso os meus óculos quando estou do lado de fora para poder optimizar o Sol que entra nos olhos e para ajudar a glândula pineal a produzir o sulfato, que eu acredito ser crucial na protecção da doença de Alzheimer e do autismo.

Eu vejo óculos de Sol em crianças de dois anos e eu só me apetece tirar-lhes os óculos. Tenho muita dificuldade em não dizer nada à mãe porque fomos treinados para nos protegermos do Sol e o protector solar é tóxico. Tem alumínio nele. O alumínio pode trabalhar em sinergia com o glifosato para destruir a eNOS, pelo que então o alumínio na verdade vai atrapalhar activamente a capacidade da pele de produzir sulfato. A melanina é derivada do caminho do chiquimato, pelo que então também ganha mais um problema com o bronzeamento. Se está a ter muita exposição ao glifosato, não será capaz de se bronzear porque não tem melanina suficiente na sua pele.

Assim sendo: dieta orgânica e sair e apanhar sol. Se mora perto da praia, crie o hábito de dar um passeio na praia com a maior frequência possível – pés descalços na água, ao longo da costa – muito, muito saudável. Estará a conseguir um bom enraizamento através da água salgada e, claro, estará a receber a luz do Sol e o ar saudável de enxofre sobre o oceano. Actividade muito, muito saudável. E, claro, o exercício é sempre bom. Comer basicamente alimentos ricos em enxofre. Se tem uma sensibilidade ao enxofre, então tem que reparar o intestino primeiro. Mais uma vez, eu realmente não gosto de antibióticos. Teria que fazer isso sob a supervisão do médico. Pode ser que houvesse uma forma de fazer antibióticos, probióticos, você sabe. Há transplantes fecais interessantes, transplantes fecais. As pessoas tiveram um tremendo sucesso com isso. Parece um pouco estranho, mas essa é uma forma de reinicializar o seu microbioma se tiver uma fonte saudável.

E depois existem esses enemas de quelação e desintoxicação e coisas assim podem ser úteis para ajudar a eliminar parte da toxicidade. Os metais tóxicos são, obviamente, um problema. Os metais são todos perturbados pelo glifosato e assim todos os metais tóxicos ficam mais tóxicos. E mesmo os metais não-tóxicos ficam tóxicos, e dessa forma o ferro torna-se um problema, o manganês torna-se um problema, com o glifosato. Absolutamente precisa de se livrar do glifosato e é muito difícil tirar o glifosato das proteínas que já estão danificadas pelo glifosato, no seu cérebro, não é possível elimina-las. Isso é realmente muito, muito difícil e tem de trabalhar para obter suficiente sulfato para o seu cérebro por forma a activar os lisossomos que podem ajudar a limpar os detritos que se estão a acumular no seu cérebro, e que acabará por causar a doença de Alzheimer.

Elliot: Sim, tem que haver essa abordagem em duas frentes, não é? Não apenas evitando o glifosato, mas também tentando aumentar esse sulfato também. E também a utilização de sulfato. Eu sei que um dos seus colegas descobriu que alguns dos seus clientes beneficiaram com a suplementação de molibdénio, correto?

Stephanie: Isso mesmo, sim. Todos os minerais. Eu realmente recomendo usar o sal do mar do Mediterrâneo, em vez de usar sal de mesa. Espero que as pessoas saibam que o sal de mesa é apenas cloreto de sódio, enquanto esses sais do mar que são secos, têm todos os minerais no equilíbrio adequado, que normalmente que gostaria de ter. É perigoso pensar em tomar apenas sais minerais como zinco puro ou algo assim, porque pode facilmente deixá-los fora de equilíbrio. Se acumular muito, competirá com o outro porque acabará ganhando deficiências por causa do excesso de um.

Existe também uma grande quantidade de suplementos que contêm enxofre e que pode querer experimentar, e o meu marido realmente toma um que é metilsulfonilmetano, sulfato de condroitina e sulfato de glicosamina todos num só. Ele toma isso regularmente e nós dois também tomamos cúrcuma orgânica. A Cúrcuma é uma molécula incrível. Há tantos artigos escritos sobre os seus benefícios. Eu acho que o principal benefício é que ela transporta o sulfato do intestino para o fígado e depois existem muitos desses polifenóis e flavonóides que são encontrados em frutas e vegetais frescos. Acredito que um dos seus principais propósitos é o de obter o sulfato entregue ao fígado para o manter saudável o que é, obviamente, muito importante.

Doug: Isso é muito interessante porque os grandes meios de comunicação têm atacado o açafrão ultimamente. Realmente de forma desproporcional.

Stephanie: Isso é muito triste. Eu vi tantos documentos mostrando os benefícios da cúrcuma. Eu vi trabalhos também que falam sobre onde eles fizeram esses estudos. O resveratrol é outro e é encontrado nas uvas e vinho. Também transporta sulfatos. Então, tudo isso que estou a ver é que essas moléculas interessantes, que são moléculas complexas produzidas por plantas, quase todas elas transportam sulfato. É muito, muito interessante. Eu acho que esse é um dos principais objectivos deles.

Gaby: Talvez seja por isso que o sulforafano dos rebentos de bróculos é tão popular?

Stephanie: Sim, absolutamente. Eu realmente recomendo os vegetais crucíferos. Nós comemos muito disso. Acabamos de ter rebentos de couves de Bruxelas ontem à noite. Nós temos repolho. Estamos a comer isso o tempo todo. Realmente, alimentos verdeiramente saudáveis. E, é claro, alho. Nós comemos enormes quantidades de alho. Nós também comemos gengibre. Gengibre fresco, alho fresco. Então ervas e especiarias também, como – ah, e eu estava-me a esquecer…

Elliot: Coentros?

Stephanie: Sim! Coentro. Isso é incrível. Eu amo coentros, mas esqueci-me da palavra por um momento. Eu adoro isso.

Elliot: Tão gostoso.

Gaby: É minha erva favorita.

Stephanie: Sim, e tudo orgânico, sabe que tem que ser orgânico. Existem outros suplementos que contêm enxofre e, claro, glutationa. A glutationa é composta por três aminoácidos e um deles é a glicina. Então, muitas vezes pergunto-me se os problemas com a glutationa têm a ver com o glifosato que substitui a glicina na glutationa.

Gaby: Sim, era o que eu ia perguntar. A suplementação de glicina ajudará?

Stephanie: Certo, e as pessoas perguntam isso e faz sentido que assim o seja porque, se tem mais glicina, é menos provável que o glifosato seja substituído. No entanto, a própria glicina pode-se tornar tóxica em quantidades excessivas, porque substituirá a alanina durante a síntese de proteínas, se existir em demasia.

Elliot: Ok, quanto é demais?

Stephanie: Eu não sei. Eu geralmente gosto de comer alimentos em vez de suplementos. Primeiro de tudo, porque eu nunca tenho certeza acerca do processamento que envolvido na produção do suplemento e se ele vai estar livre de glifosato ou não, quando eu posso comprar comida orgânica. Posso ter suplementos orgânicos, que é o que eu faço com a cúrcuma. E, claro, o próprio gel pode ser problemático, em particular as cápsulas de gel que são derivadas da gelatina e que é derivada de vacas e porcos que são alimentados com doses pesadas de glifosato, pelo que terá contaminação na sua cápsula de gel. Então isso é preocupante.

Então, eu só gosto de comer alimentos integrais. A maioria do que comemos são frutas e legumes e carnes e peixes saudáveis. Nós gostamos de fígado de galinha. Fígado de frango orgânico eu creio que é uma das coisas mais saudáveis que pode comer. Carregado com vitaminas, minerais e colesterol. O meu marido que tem doenças cardíacas e come uma dieta rica em colesterol que quase que ofende a mente do seu médico.

Elliot: sim. Bem, há mais alguma coisa que gostasse de partilhar connosco Stephanie? Existe alguma coisa que esteja a trabalhar agora ou qualquer coisa que gostasse de promover ou algo do género?

Stephanie: Eu estou absolutamente fascinada por esta ideia do glifosato substituir a glicina durante a síntese de proteínas. Eu tenho dois artigos que estão agora na web, mas ainda não estão disponíveis nos periódicos, mas eles têm os links lá, pelo que eles serão divulgados em breve num periódico de acesso aberto – dois jornais – e são artigos complementares sobre o glifosato como um factor crítico na insuficiência renal entre os trabalhadores da cana-de-açúcar na América Central. Foi realmente uma catástrofe para eles. Pais de crianças pequenas estão a morrer em número recorde devido a insuficiência renal. uma forma bizarra de insuficiência renal entre as pessoas que trabalham nos canaviais.

Tem havido um monte de artigos escritos sobre isso, mas parece muito, muito claro para mim que o glifosato é o factor chave nessa doença. O que foi fascinante foi, quando olhamos para os sintomas únicos que eles têm, pode encontrar proteínas específicas que têm glicinas essenciais que, se fossem rompidas pelo glifosato, causariam exactamente esses sintomas, pelo que então é verdadeiramente uma bela história.

E é isso que estou a encontrar em todos os artigos que escrevo. Eu aprofundo um tópico específico, como a anencefalia. Eu mencionei a gota antes. Eu fiz um sobre a ALS que foi bastante surpreendente, várias proteínas que foram ligadas associadas ao ALS, ao ALS familiar que resulta das mutações genéticas. Essas mutações são frequentemente resíduos de glicina dentro de certas proteínas que estão a causar o ALS. Dessa forma vemos o ALS familiar a aparecer mais cedo na vida por causa de uma proteína que tem uma glicina fora do lugar. Não há mais glicina naquele lugar, mas agora observamos que a pessoa que tem ALS sem o gene tem isso porque o glifosato está a substituir o mesmo resíduo de glicina. É isso que eu acredito.

Então, é incrível o que eu estou a descobrir. Eu não tenho tempo suficiente para falar sobre toda a pesquisa. Mas a pesquisa já está feita. Isso é o que é fascinante para mim, a pesquisa já está feita, e mostra todas essas evidências que, para mim, apoiam o conceito de que o glifosato está a substituir, por engano, a glicina durante a síntese de proteínas e acho que é assim que se explica porque é que um único produto químico pode estar a causar tantas doenças como as que estamos a observar em todas essas correlações.

São correlações muito, muito fortes em termos temporais entre o uso de glifosato e todas essas doenças diferentes. Isso pode ser explicado através deste mecanismo.

Gaby: Também falou sobre a intolerância ao glúten.

Stephanie: Sim, a intolerância ao glúten é facilmente explicada pelo glifosato porque o trigo é pulverizado com glifosato logo antes da colheita e tem sido demonstrado que o glifosato está presente em altos níveis em produtos à base de trigo.

Doug: Uau.

Stephanie: E isso vai entrar no glúten e dificultar a decomposição, mas também vai entrar na tripsina, o que torna difícil para a enzima funcionar e então acaba por receber esses peptídeos indigestos que causam as doenças auto-imunes.

Gaby: Isso é muito chocante. Conhecimento é protecção. Esse é o nosso lema.

Stephanie: Eu vejo que há uma questão aqui sobre os campos de cana de açúcar e que não tem a ver com a cana de açúcar ser OGM, mas sim por a cana de açúcar ser tratada com glifosato pouco antes da colheita como um amadurecedor pois aumenta o rendimento do açúcar. Isso faz com que produza açúcar extra.

Doug: O mesmo se passa com o trigo.

Stephanie: Sim, com o trigo sim, isso mesmo. É também um amadurecedor. A propósito, também no grão de bico e grão de bico, lentilhas e todos esses legumes. Altos níveis altos de glifosato existem neles também.

Doug: Uau.

Elliot: Isso realmente transmite uma imagem perturbadora, não é?

Stephanie: Sim, é terrível…

Elliot: Realmente faz..

Stephanie: …e eu acho que temos que fazer algo rápidamente ou então vamos destruir a Terra, sabe? Não abona nada de bom.

Gaby: Falando sobre os problemas de infertilidade, também existe uma relação.

Stephanie: Absolutamente, absolutamente! Na verdade, o espermatozóide contém uma proteína de motilidade, uma proteína que lhes permite mover-se, que é criticamente dependente da glicina. Então, se começar a lançar o glifosato na proteína, que é uma proteína contráctil para o espermatozóide ser capaz de se mover, então poderá ter problemas de motilidade espermática que certamente estão relacionados com a infertilidade. Chama-se dineína.

Doug: Uau.

Elliot: Tudo bem. Alguém mais tem alguma dúvida?

Doug: Eu acho que nós cobrimos muito, tudo que eu queria cobrir.

Stephanie: Isso foi muito! Um pouco mais do que o glifosato.

Elliot: sim.

Gaby: Nós poderíamos continuar.

Elliot: Nós provavelmente poderíamos continuar por mais sete horas, mas estamos conscientes das limitações do seu tempo, Stephanie.

Stephanie: Ok, obrigada.

Elliot: Eu quero agradecer-lhe novamente por vir no programa.

Stephanie: Obrigado. Foi óptimo.

Elliot: Abordou muitos tópicos hoje e é impossível apenas ouvir esta entrevista e tentar entender até mesmo uma parte do que disse, porque há muita informação por detrás disso. É por isso que eu recomendaria a todos os ouvintes – vamos publicar um link para o site da Stephanie Seneff. Na verdade, vou lê-lo agora. Desculpe, seria capaz de dizer qual é o seu site, Stephanie?

Stephanie: Sim, sim é http://people.mit.edu/seneff, que é o meu sobrenome. E eu também tenho um livro de ficção que eu publiquei recentemente, que eu escrevi provavelmente há oito anos atrás, quando eu estava a descobrir todas essas coisas, e é sobre duas mães que são amigas e que descobrem todos os problemas com a comida e vacinas e coisas do género e é chamado “A obsessão de Cindy e Erica para resolverem a crise de saúde na América”. Ele fala sobre muitas dessas coisas. Eles estão numa missão para entenderem as coisas e, posteriormente, Cindy escreve posts e aborda muita ciência, mesmo que sendo uma ficção.

Elliot: É fantástico sim. Isso está disponível na Amazon?

Stephanie: Está disponível na Amazon, sim.

Elliot: Ah, tudo bem. Fantástico.

Stephanie: “A obsessão de Cindy e Erica” se se conseguir lembrar disso.

Elliot: Eu só gostaria de recomendar a todos que estão a ouvir que. se querem saber mais sobre o trabalho dela, irem ao seu site e existe um monte, quero dizer que existem basicamente muitos, muitos e muitos recursos diferentes como palestras, vídeos, áudios, artigos e tudo o que possa imaginar. Mas tem tudo a ver com o sulfato e tem tudo a ver com essa informação verdadeiramente interessante e que eu acho que é realmente importante e é bem difícil de entender, mas quando se começa a entender isto, tudo faz muito mais sentido.

Stephanie: Também existem muitas apresentações lá, e eu publico muitos slides para as minhas palestras e as pessoas devem sentir-se à vontade para as reutilizarem da forma que quiserem, porque estou muito ansiosa por divulgar esta mensagem ao mundo.

Doug: Isso é óptimo.

Elliot: Certo, obrigado por ter vindo Stephanie e continue a fazer o que tem feito.

Stephanie: Obrigado.

Elliot: É um óptimo serviço para a Humanidade.

Doug: Sim.

Stephanie: Obrigado. Estou a tentar divulgar ao mundo. Obrigado.

Elliot: Obrigado por se juntar a nós todos hoje. Este foi o Health & Wellness Show e até à próxima semana.

Doug: Adeus pessoal.

Gaby: Adeus

Fonte: https://www.sott.net/article/379514-The-Health-Wellness-Show-Interview-with-Brilliant-Researcher-Dr-Stephanie-Seneff

Jejum para curar doenças autoimunes

Jejum para curar doenças autoimunes

jejum

O jejum, um pilar de praticamente todas as tradições culturais e religiosas na Terra, é uma ferramenta essencial na gestão da doença auto-imune e deve ser considerado como uma intervenção terapêutica em pacientes de doenças auto-imunes, a fim de se melhorar os parâmetros metabólicos e imunes.

O Jejum: uma faceta negligenciada da Condição Humana

Ao longo de milénios o jejum tem sido um dos rituais de ancoragem de diversas tradições espirituais. Por exemplo, todas as principais religiões do mundo, incluindo o hinduísmo, o budismo, o islamismo, o cristianismo e o judaísmo defendem doutrinas religiosas que prescrevem jejum em dias designados (1). Para além disso, o jejum é uma prática enraizada na biologia evolutiva já que, ao longo da história evolutiva, os corpos humanos adaptaram-se a períodos de festa e fome. Matrona e os colegas articulam isso desta forma:

“Como os animais, incluindo os humanos, evoluíram em ambientes onde os alimentos eram relativamente escassos, eles desenvolveram inúmeras adaptações que lhes permitiram funcionar a um nível muito elevado, tanto fisica como cognitivamente, quando se encontram em estados de privação de alimentos / jejum continuado” (2).

Em contraste, as populações humanas contemporâneas são vítimas da falsa noção, socioculturalmente construída, de que três refeições quadradas por dia dão saúde. No entanto, os padrões alimentares ad libitum e o consumo excessivo de alimentos levam, provavelmente, a distúrbios metabólicos, como a resistência à insulina, adiposidade visceral e disfunção endotelial, em particular quando acoplados a um estilo de vida sedentário (2). Estas morbidades metabólicas são o precursor de muitas das latentes e degenerativas doenças da sociedade moderna, como doenças cardiovasculares, diabetes e doenças auto-imunes.

Benefícios do jejum para o envelhecimento e doenças

Por outro lado, a restrição calórica (RC) mostrou aumentar a longevidade e mitigar a doença, porque:

“Os mecanismos celulares e moleculares responsáveis ​​pelos efeitos protectores da RC provavelmente evoluíram biliões de anos antes em procariotas que tentavam sobreviver num ambiente em grande parte, ou completamente, desprovido de fontes de energia, evitando dessa forma os danos dependentes da idade que possam comprometer a aptidão ” (1, p.2).

Esses processos são conservados desde as formas de vida inferiores até às mais elevadas.

Por exemplo, quando a Escherichia coli (E. coli) é trocada dum caldo rico em nutrientes para um meio sem calorias, a sua expectativa de vida cronológica é estendida por um factor de quatro (3). Da mesma forma, as células de transição Saccharomyces cerevisiae (S. cerevisiae), ou levedura de cerveja comum, duma cultura de crescimento padrão para a água, constantemente multiplicam a sua vida útil duas vezes e o que leva a aumentos dramáticos na resistência ao estresse (4, 5). Igualmente, a diluição ou redução de alimentos prolonga de forma confiável o tempo de vida da Drosophila melanogaster, a mosca comum da fruta (6). Para além disso, submeter o nematóide Caenorhabditis elegans (C. elegans) à privação de alimentos também resulta num aumento importante da vida útil (7, 8).

Conforme discutido por Longo e Mattson (2014),

“Notavelmente, quando colocadas em condições de privação de alimentos, as bactérias e leveduras entram num modo hipometabólico que lhes permite minimizar o uso de fontes de carbono de reserva e também pode acumular elevados níveis de cetona semelhantes às do corpo – como o ácido acético, analogamente ao que acontece com os mamíferos “(1, p.2).

Estudos em modelos animais e em seres humanos destacaram que diferentes modelos de jejum, incluindo o jejum intermitente (IF), dietas mímicas de jejum (FMD), alimentação com restrição de tempo (TRF) e jejum periódico (PF), influenciam favoravelmente vários parâmetros de saúde e podem provocar resultados positivos na doença de Alzheimer, Parkinson, doença cerebrovascular, diabetes, doença cardíaca coronária, cancro e numa série de outras doenças crônicas (2).

Evidências que apoiam o jejum na auto-imunidade

Relativamente à doença auto-imune em particular, o jejum demonstrou reduzir a permeabilidade intestinal paracelular patológica, o precursor de todas as doenças auto-imunes (9). Juntamente com a predisposição genética e um gatilho ambiental, a integridade comprometida da barreira intestinal é um pré-requisito para o desenvolvimento das doenças auto-imunes (9). A violação da arquitectura de junção apertada é fundamental para a perda de tolerância oral, uma vez que a hiperpermeabilidade intestinal permite a translocação de antígenos, substâncias tóxicas e micróbios não digeridos, através da barreira mucosa, provocando uma resposta imune do tecido linfático associado ao intestino (GALT) , que pode se manifestar como doença auto-imune (9). A este respeito, o jejum é uma ajuda incrível, uma vez que

“O processo autoimune pode ser parado se a interacção entre os genes e desencadeantes ambientais for impedida pelo restabelecimento da função de barreira intestinal” (10).

Em particular, o agrupamento de dados provenientes de quatro estudos controlados elucidou que o jejum seguido por uma dieta vegetariana melhora a sintomatologia da doença e produz um benefício clínico significativo a longo prazo na artrite reumatóide (11). Outro estudo também demonstrou que o jejum prolongado por sete a dez dias leva a uma melhoria clínica significativa na artrite reumatóide, embora as melhorias fossem perdidas quando os hábitos alimentares normais fossem retomados, sugerindo que ciclos de jejum e re-alimentação podem ser necessários (12). Da mesma forma, outro estudo destacou que o jejum levou a um declínio na actividade da doença, medido por uma pontuação clínica de seis itens diferentes, em pacientes com artrite reumatoide, acompanhada da diminuição da permeabilidade intestinal e extra intestinal (13). Para além disso, num estudo de caso notável que incluiu pacientes com artrite reumatoide, fibromialgia e doença mista do tecido conjuntivo, o jejum prolongado seguido de uma dieta vegana permitiu diminuir os medicamentos e levaram os pacientes à ausência de sintomas ou com sintomas mínimos posteriormente (14).

Existe também um suporte empírico para uma dieta imitadora de jejum (FMD) na esclerose múltipla. Impressionantemente, demonstrou-se que a febre aftosa induz a regeneração de células precursoras de oligodendrócitos e axónios remielinados na encefalomielite autoimune experimental (EAE), o modelo de esclerose múltipla com espécies específicas de ratos de laboratório (15). De facto,

“A febre aftosa administrada todas as semanas foi eficaz para melhorar os sintomas de EAE em todos os ratos e reverteu completamente a progressão da doença numa porção dos animais após o início dos sinais de EAE” (15, p.221).

Neste estudo, foram realizadas reduções nas citocinas pró-inflamatórias, populações patogénicas de células Th1 e Th17 e números de células apresentadoras de antígenos, enquanto as células T reguladoras, o subconjunto de linfócitos responsáveis ​​pelo equilíbrio Th1-Th2-Th17 e a atenuação das respostas auto-imunes, foi expandido (15). A supressão da auto-imunidade também ocorreu tanto pela indução de apoptose linfocitária quanto pelo aumento nos níveis de corticosterona (15).

Para além disso, num ensaio piloto aleatório de grupo paralelo e com 3 vertentes, um único ciclo de febre aftosa durante sete dias, seguido duma dieta mediterrânea de seis meses, melhorou significativamente a qualidade de vida em comparação com uma dieta cetogénica (KD) e com o grupo de controlo grupo em pacientes com esclerose múltipla recidivante-remitente (RRMS) (15). Tanto o KD como o factor de febre aftosa também levaram a uma leve redução na pontuação da escala de estado de incapacidade expandida (EDSS), que estavam inversamente correlacionados com a qualidade de vida relativa à saúde (QVRS) (15). Em ambos os grupos de febre aftosa e KD, observaram-se pequenas reduções na contagem de glóbulos brancos e linfócitos, juntamente com o aumento do beta-hidroxibutirato plasmático, um corpo de cetona indicativo de indução de cetose terapêutica (15). Para além disso, no dia oito do jejum, a febre aftosa produziu um declínio de 20% na contagem total de linfócitos em 72% dos pacientes, o que os autores sugerem que pode melhorar os sintomas de esclerose múltipla através de reduções nos linfócitos auto-reactivos (15). No entanto, os níveis de linfócitos auto-imunes retornaram aos níveis basais no terceiro mês, depois dos pacientes serem transferidos para uma dieta mediterrânea, sugerindo novamente que os ciclos contínuos de jejum são necessários para manter os benefícios clínicos (15).

Mecanismos Moleculares dos Benefícios alcançados pelo Jejum

Mecanicamente, o jejum pode desencadear a síntese de glicocorticóides, o equivalente endógeno dos esteróides que são administrados a pacientes auto-imunes para reduzir a inflamação (15). Da mesma forma, o jejum atenua o estresse oxidativo, confere citoproteção, optimiza o metabolismo energético e reforça a resistência ao stresse aumentando o tom parassimpático (1). A actividade parasimpática aumentada pode melhorar o eixo cérebro-intestino, os meios de comunicação bidireccionais entre o sistema nervoso central e o sistema imunológico, levando a uma melhor motilidade intestinal, fluxo sanguíneo e secreções gástricas, redução da frequência cardíaca e pressão arterial e aumento da variabilidade da frequência cardíaca, a última gerando um melhor equilíbrio autonómico (2, 16). Uma melhor regulação do eixo do intestino-cérebro permite que o cérebro estimule as fibras vagais eferentes que inervam os receptores colinérgicos nicotínicos nas células imunes, modulando assim o sistema imunológico periférico numa direcção anti-inflamatória (17, 18, 19). Para além disso, a neurotransmissão antiinflamatória colinérgica aprimorada através do nervo vagal inibe a libertação de citocinas das células gliais, leucócitos e macrófagos, de modo que essas moléculas de sinalização intercelular pró-inflamatória envolvidas na patogénese autoimune são suprimidas (20).

Os mecanismos de reparação baseados no ADN, a regeneração baseada em células-tronco e autofagia das células mortas, detritos e placas beta amilóides e proteína tau, ambas implicadas nas doenças neurodegenerativas, também são promovidas pelo jejum (2). A autofagia, o processo de degradação da proteína e o volume de trocas dos outros constituintes celulares, são fundamentais para a manutenção da homeostase. Ao nível do cérebro, o jejum aumenta a função e cognição executivas, a plasticidade sináptica, a neurogénese, a biogénese mitocondrial, a síntese de factores neurotróficos e melhora a inflamação (1, 2).

Para além disso, o jejum pode mediar um efeito anti-inflamatório através da modulação do alvo mecanicista da rapamicina (mTORC) ou da proteína quinase activada com monofosfato de adenosina (AMPK), sensores intracelulares que integram as vias ambientais e a detecção de acessibilidade de nutrientes para ditar o destino das células (21). Em particular, o mTORC1 é considerado um determinante positivo crítico e um reostato das acções imunossupressoras de Tregs, que acopla os sinais imunes e a programação metabólica no estabelecimento da competência funcional das populações de Treg (22). A noção de que o jejum alivia a auto-imunidade através desses mecanismos moleculares é apoiada por estudos que mostram que o agonista da AMPK, a metformina ou o inibidor de mTORC1, a rapamicina, aliviam a EAE diminuindo as células T efectoras, aumentando as células de Treg e proibindo a infiltração do sistema nervoso central por células mononucleares (23, 24). Assim, o jejum pode ser eficaz na prevenção do recrutamento de células imunes em locais de lesões auto-imunes (15).

Mais ianda, o jejum leva a reduções significativas nos níveis de leptina, uma adipocina pró-inflamatória elevada na artrite reumatóide, lúpus eritematoso sistémico, diabetes tipo 1, hepatite auto-imune, esclerose múltipla, doença de Behcet, psoríase e colite ulcerativa (25, 26). Isso tem o efeito de regular as células T reguladoras CD4 + CD25 + Foxp3 +, o subconjunto de células imunes que induzem a tolerância imune periférica, são esgotados nas doenças auto-imunes e são inibidos pela leptina (26). O jejum também melhora a produção de cetona, a sensibilidade à insulina, a glicogenólise hepática, a lipólise do tecido adiposo e a actividade anabólica no músculo, todos promovendo a correcção metabólica (1, 2). Uma revisão da literatura também revela que o jejum melhora muitos outros biomarcadores metabólicos, como a glicose, lipídios, leptina e adiponectina (Patterson et al., 2015). Aumentos na adiponectina, que ocorre com jejum, são favoráveis, uma vez que os níveis dessa adipocina derivada de tecido adiposo anti-inflamatório estão comprometidos na esclerose múltipla, psoríase e Sjogren (25).

Jejum para dormir, desintoxicar e controlar o ritmo circadiano

O jejum também pode produzir melhorias cardiometabólicas alavancando e sincronizando a biologia do ritmo circadiano. De acordo com Patterson e os seus colegas (2015),

“É uma hipótese que alguns regimes de jejum e alimentação com restrições no tempo impõem um ritmo diurno na ingestão de alimentos, resultando em oscilações melhoradas na expressão de genes do relógio circadiano que reprogramam os mecanismos moleculares do metabolismo energético e regulação do peso corporal “(27, p.7).

Para além disso, o jejum pode mudar as populações de microbiota para uma composição mais saudável, de modo que colhem menos energia da dieta e afectam favoravelmente o gasto de energia e o armazenamento (27). Esse efeito também pode ser mediado através do ritmo circadiano, uma vez que a perturbação das flutuações diurnas e da disbiose da microbiota tem sido associada à intolerância à glicose e à obesidade (28).

Os regimes de jejum podem modificar o consumo de energia, restringindo as horas disponíveis para comer e alterando os níveis de hormonas reguladoras do apetite, como a leptina, a grelina e a xenina, reduzindo o risco de obesidade (Patterson et al., 2015).

Finalmente, o jejum pode melhorar a qualidade do sono, mitigar o risco de obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares e cancro, uma vez que

“Comer refeições em períodos circadianos anormais (ou seja, muito tarde à noite) foi teorizado que pode levar a dessincronização circadiana e subsequente ruptura dos padrões de sono normais” (27, p.8).

A melhoria do sono por si só pode ajudar nas estratégias de jejum, uma vez que o sono pode facilitar a excreção de produtos tóxicos implicados na auto-imunidade. Afinal,

“…dormir, no nível comportamental, é um processo de restituição neuronal e de desintoxicação ao nível celular” (29, p.91).

O sono restaurador e um ritmo circadiano normalizado aumentam a troca convectiva do líquido cefalorraquidiano com fluido intersticial o que, por sua vez, aumenta a depuração das placas de β-amilóide e de outros resíduos neurotóxicos que se acumulam no sistema nervoso central através do sistema linfático recentemente descoberto do cérebro (30, 31). Para além disso, demonstrou-se que as enzimas das três fases hepáticas da desintoxicação, bem como os receptores nucleares responsivos a drogas, funcionam num ritmo circadiano, de modo que um relógio biológico perturbado, que surge na auto-imunidade, pode levar à patologia induzida por tóxicos e metabolismos alterados do fármaco (29).

Finalmente, o jejum representa a redução final da carga antigénica. Por outras palavras, o jejum proporciona ao corpo um hiato nas demandas, energeticamente intensivas, dos processos digestivos e reduz temporariamente a exposição do trato digestivo às proteínas alimentares que podem estar a contribuir para a inflamação através de alergenicidade ou outras reações alimentares imunes mediadas. Portanto, dada a sua segurança, eficácia e benefícios para a saúde que transmite, o jejum pode ser uma opção viável para a inclusão de um regime holístico de “remédios como medicamentos” para o bem-estar autoimune.

Referências do artigo:

1. Longo, V. D., & Mattson, M. P. (2014). Fasting: Molecular Mechanisms and Clinical Applications. Cell Metabolism, 2, 181. doi:10.1016/j.cmet.2013.12.008

2. Mattson, M. P., Longo, V. D., & Harvie, M. (2016). Review: Impact of intermittent fasting on health and disease processes. Aging Research Reviews, 16, S1568-S1637. doi:10.1016/j.arr. 2016.10.005

3. Gonidakis, S., Finkel, S.E., & Longo, V.D. (2010). Genome-wide screen identifies Escherichia coli TCA-cycle- related mutants with extended chronological lifespan dependent on acetate metabolism and the hypoxia-inducible transcription factor ArcA. Aging Cell, 9, 868–881.

4. Longo, V.D., Ellerby, L.M., Bredesen, D.E., Valentine, J.S., & Gralla, E.B. (1997). Human Bcl-2 reverses survival defects in yeast lacking superoxide dismutase and delays death of wild-type yeast. Journal of Cell Biology, 137, 1581–1588.

5. Longo, V.D., Shadel, G.S., Kaeberlein, M., & Kennedy, B. (2012). Replicative and chronological aging in Saccharomyces cerevisiae. Cell Metabolism, 16, 18–31.

6. Piper, M.D., & Partridge, L. (2007). Dietary restriction in Drosophila: delayed aging or experimental artefact? PLoS Genetics, 3, e57.

7. Lee, G.D., Wilson, M.A., Zhu, M., Wolkow, C.A., de Cabo, R., Ingram, D.K., & Zou, S. (2006). Dietary deprivation extends lifespan in Caenorhabditis elegans. Aging Cell, 5, 515–524.

8. Kaeberlein, T.L., Smith, E.D., Tsuchiya, M., Welton, K.L., Thomas, J.H., Fields, S.,…Kaeberlein M. (2006). Lifespan extension in Caenorhabditis elegans by complete removal of food. Aging Cell, 5, 487–494.

9. Fasano, A. (2012). Leaky gut and autoimmune disease. Clinical Reviews in Allergy and Immunology, 42(1), 71-78.

10. Fasano, A., & Shea-Donohue, T. (2005). Mechanisms of disease: the role of intestinal barrier function in the pathogenesis of gastrointestinal autoimmune diseases. National Clinical Practice in Gastroenterology & Hepatology, 2(9), 416-422.

11. Muller, H., de Toledo, F.W., & Resch, K.L. (2001). Fasting followed by vegetarian diet in patients with rheumatoid arthritis: a systematic review. Scandinavian Journal of Rheumatology, 30, 1–10.

12. Skoldstam, L., & Magnusson, K.E. (1991). Fasting, intestinal permeability, and rheumatoid arthritis. Rheumatological Disease Clinics of North America, 17(2), 363-371.

13. Sundqvist, T., Lindstrom, F., Magnesson, K.E., Skoldstam, L., Stjernstrom, I., & Tagesson, C. (1982). Influence of fasting on intestinal permeability and disease activity in patients with rheumatoid arthritis. Scandinavian Journal of Rheumatology, 11(1), 33-38.

14. Fuhrman, J., Sarter, B., & Carabro, D.J. (2002). Brief case reports of medically supervised, water-only fasting associated with remission of autoimmune disease. Alternative Therapies in Health and Medicine, 8(4), 110-111.

15. Choi, I.Y., Piccio, L., Childress, P., Bollman, B., Ghosh, A., Brandhorst, S., & … Longo, V. D. (2016). A Diet Mimicking Fasting Promotes Regeneration and Reduces Autoimmunity and Multiple Sclerosis Symptoms. Cell Reports, 15(10), 2136-2146.

16. Studer, V., Rocchi, C., Motta, C., Lauretti, B., Peugini, J., Brambilla, L.,…Rossi, S. (2017). Heart rate variability is differentially altered in multiple sclerosis: implications for acute, worsening and progressive disability. Multiple Sclerosis Journal of Experimental and Translational Clinics, 3(2), eCollection Apr-Jun.

17. Levy, G., Jodan, E., Fishman, M.D., Da-Zhong, X., Dong, W., Palange, D.,…Ditch, E.A. (2012). Vagal nerve stimulation modulates gut injury and lung permeability in trauma-hemorrhagic shock. Journal of Trauma, Acute Care, and Surgery, 73(2), 338-342. doi:10.1097/TA.0b013e31825debd3.

18. Ulloa, L. (2005). The vagus nerve and the nicotinic anti-inflammatory pathway. Nature Reviews in Drug Discovery, 4, 673–684.

19. Wang, H., Yu, M., Ochani, M., Amella, C.A., Tanovic, M., Susarla, S.,…Tracey, K.J. (2003). Nicotinic acetylcholine receptor alpha7 subunit is an essential regulator of inflammation. Nature, 421, 384–388.

20. Tracey, K.J. (2017). Physiology and immunology of the cholinergic anti-inflammatory pathway. The Journal of Clinical Investigation, 117, 289-296.

21. Laplante, M., & Sabatini, D.M. (2012). mTOR signaling in growth control and disease. Cell, 149, 274–293.

22. Zeng, H., Yang, K., Cloer, C., Neale, G., Vogel, P., & Chi, H. (2013). mTORC1 couples immune signals and metabolic programming to establish T(reg)-cell function. Nature, 499(7459), 485-490. doi: 10.1038/nature12297.

23. Nath, N., Khan, M., Paintlia, M.K., Singh, I., Hoda, M.N., and Giri, S. (2009). Metformin attenuated the autoimmune disease of the central nervous system in animal models of multiple sclerosis. Journal of Immunology, 182, 8005–8014.

24. Esposito, M., Ruffini, F., Bellone, M., Gagliani, N., Battaglia, M., Martino, G., and Furlan, R. (2010). Rapamycin inhibits relapsing experimental autoimmune encephalomyelitis by both effector and regulatory T cells modulation. Journal of Neuroimmunology, 220, 52–63.

25. Hutcheson, J. (2015). Adipokines influence the inflammatory balance in autoimmunity. Cytokine, 2, 272. doi:10.1016/j.cyto.2015.04.004

26. Liu, Y., Yu, Y., Matarese, G., & La Cava, A. (2012). Cutting edge: fasting-induced hypoleptinemia expands functional regulatory T cells in systemic lupus erythematosus. Journal of Immunology, 188(5), 2070-2073.

27. Patterson, R.E., Laughlin, G.A., LaCroix, A.Z., Hartman, S.J., Natarajan, L., Senger, C.M., & … Gallo, L. C. (2015). Practice Applications: Intermittent Fasting and Human Metabolic Health. Journal Of The Academy Of Nutrition And Dietetics, 115(8), 1203-1212. doi:10.1016/j.jand. 2015.02.018

28. Thaiss, C.A., Zeevi, D., Levy, M., Ailberman-Schapira, G.Z., Suez, J., Tengeler, A.C.,…Elinav, E. (2014). Transkingdom control of microbiota diurnal oscillations promotes metabolic homeostasis. Cell, 159, 514–529.

29. Inoue, S., Honda, K., & Komoda, Y. (1995). Sleep as neuronal detoxification and restitution. Behavior and Brain Research, 69(1-2), 91-96.

30. Xiu, L., Kang, H., Xu, Q., Chen, M.J., Liao, Y.,…Nedergaard, M. (2013). Sleep drives metabolite clearance from the adult brain. Science, 342(6156), 373-377. doi: 10.1126/ science.1241224.

31. Mendelsohn, A.R., & Larrick, J.W. (2013). Sleep facilitates clearance of metabolites from the brain: glymphatic function in aging and neurodegenerative diseases. Rejuvenation Research, 16(6), 518-523. doi: 10.1089/rej.2013.1530.

Fonte: http://www.greenmedinfo.com/blog/fasting-heal-autoimmune-disease