Etiqueta: fraude científica

As Verdadeiras Notícias Falsas: quando a Ciência é usada como Propaganda

As Verdadeiras Notícias Falsas: quando a Ciência é usada como Propaganda

propaganda

Propaganda. Sabia que os médicos e cientistas podem ser corrompidos ou estarem simplesmente errados?

As pessoas parecem dar aos médicos e aos cientistas o benefício da dúvida quando se fala das suas descobertas e opiniões sobre coisas como aquecimento global, organismos geneticamente modificados, pesticidas, produtos químicos e o quão pouco saudáveis certos alimentos e hábitos são.

Mas, tal como qualquer outro ser humano, os cientistas e os médicos são, bem… humanos. Eles podem equivocar-se, ficarem confusos, serem corrompidos e obstinadamente opinativos.

De acordo com a Natural News, cerca de 20 mil médicos recomendaram fumar cigarros para ajudar na digestão.

A Camel em 1940 tinha uma campanha publicitária cujo slogan era “More Doctors Smoke Camels” [Mais Médicos fumam Camel].

Eles até distribuíram maços de tabaco aos médicos numa convenção médica e depois entrevistaram os médicos na entrada, perguntando qual era a sua marca de cigarros favorita ou o qual era a marca do maço que eles tinham no bolso naquele momento.

Infelizmente, o dinheiro corrompeu as indústrias como as grandes farmacêuticas que pagam aos médicos e cientistas para assumirem uma determinada posição e prescreverem fármacos e tratamentos específicos. Muitos estudos revistos ​​por pares têm resultados predeterminados que basicamente cuscam os factos adequados à sua narrativa. É mais um estratagema de marketing para publicar em revistas científicas e médicas do que evidências de descobertas credíveis.

O açúcar foi há muito considerado bom para enfiar pela garganta das crianças porque na década de 1960 um punhado de cientistas foi pago para o declarar como “bom”.

Os documentos mostram que um grupo comercial chamado Sugar Research Foundation, hoje conhecido como Sugar Association, pagou a três cientistas de Harvard o equivalente a cerca de 50.000 em dólares de hoje para publicarem uma revisão, em 1967, das pesquisas sobre o açúcar, a gordura e as doenças cardíacas.

Os estudos utilizados na revisão foram escolhidos a dedo pelo Sugar Research Foundation, e o artigo, que foi publicado no prestigiado New England Journal of Medicine, minimizou o vínculo entre o açúcar e a saúde do coração e despoletou confusão sobre o papel da gordura saturada.

Mas, mesmo na ausência da verdadeira corrupção, erros crassos estão a ser cometidos nas conclusões científicas.

A correlação não é causalidade. Este é um princípio fundamental da ciência. Duas coisas podem estar fortemente correlacionadas, mas isso não prova que uma cause a outra.

De acordo com a Reason Magazine:

Quando se trata de separar o trigo do joio nos estudos que são medíocres ou simplesmente de má qualidade, o epidemiologista Geoffrey Kabat da Universidade de Medicina Albert Einstein, é um tesouro nacional.

“A maioria das descobertas evidenciadas pelas pesquisas são falsas ou exageradas, e quanto mais dramático o resultado, menos provável é que seja verdade”, ele afirma no seu excelente e novo livro Getting Risk Right [Interpretando bem o Risco].

Kabat discute como “a dose faz o veneno”, na medida em que dizer que algo duplica o risco de uma doença pode ser estatisticamente irrelevante.

Por exemplo, pode acontecer que tenha ouvido que comer bacon aumenta o risco de cancro colorretal. Tecnicamente, isso é verdade. Se comer duas fatias de bacon todos os dias da sua vida, o risco de cancro colorretal aumenta de 5 para 6 por cento. Isso não é exactamente o mesmo risco que fumar cigarros, que aumenta o risco de cancro do pulmão entre 20 a 50 vezes.

E então, é claro, deve ser tido em conta o viés editorial. “Está a arriscar a sua vida ao comer Bacon” tem mais cliques do que “comer bacon todos os dias aumenta o risco de cancro em 1%”.

Kabat sugere que o princípio da precaução – “é melhor jogar pelo seguro” – é, em grande parte, um estratagema ideológico para alarmar o público e obter o seu apoio em relação às preferências políticas dos promotores.

Ele também destaca “a noção simplista de que o “consenso” entre os cientistas existe sempre.” Ele ressalva que o “consenso cientifico” já considerou outrora que as úlceras eram causadas pelos alimentos picantes e stresse em vez das bactérias…

avaliando o risco

O ponto a reter aqui é este: gosto de ser saudável e eu, pessoalmente e muitas vezes, sigo o princípio do “jogar pelo seguro”. Mas é um enorme abuso de autoridade impingir essa visão aos outros através do medo. É a atitude do “eu sei mais do que esses pacóvios” que infelizmente permeia a comunidade científica e médica.

Os OGMs [Organismos Geneticamente Modificados], pesticidas e produtos químicos como o BPA realmente são tão maus quanto dizem? Pessoalmente, eu evito-os mas, honestamente, não pesquisei o suficiente por mim mesmo para aferir com total certeza.

A gordura e o sal foram considerados e desconsiderados vezes sem conta como saudáveis e vice-versa.

O sal e a gordura foram considerados vezes sem conta como saudáveis, depois não saudáveis, e depois saudáveis ​​pelos especialistas.

As pessoas buscam nos médicos e cientistas orientação e, muitas vezes, sofrem uma lavagem cerebral através dos próprios preconceitos desses indivíduos e das suas opiniões infundadas.

Se um especialista não pode ou não quer responder a perguntas sobre o seu próprio trabalho, isso é um sinal de alerta. Quando as pessoas falam sobre o consenso entre especialistas em vez dos factos tangíveis, esse é outro sinal de alarme.

Muitas vezes na história recente deu-se o caso dos especialistas, cientistas e médicos estarem intencionalmente ou equivocadamente errados.

Às vezes, sim, devemos socorrer-nos dos especialistas, uma vez que é simplesmente impossível pesquisarmos tudo por nós mesmos. Mas isso não significa que devemos renunciar às devidas diligências, socorrendo-nos do pensamento crítico que a acompanha.

O medo vende. Estamos habituados a isso nos meios de comunicação mas, regra geral, não estamos à espera disso por parte dos médicos e cientistas. Mas eles também são humanos e estão tão propensos quanto os outros a promoverem e avançarem com a sua agenda pessoal em detrimento da verdade.

Fonte: http://www.thedailybell.com/news-analysis/real-fake-news-science-used-as-propaganda/

Os 10 piores EMBUSTES na Saúde e que foram promovidos como “ciência” nos últimos 100 anos

Os 10 piores EMBUSTES na Saúde e que foram promovidos como “ciência” nos últimos 100 anos

fraude na saúde

Quando uma tendência se torna viral, milhões de pessoas “juntam-se à caravana” sem pensarem duas vezes. No entanto, posteriormente descobre-se que a maioria dessas tendências massivamente populares não são tendências, mas sim esquemas em pirâmide na saúde, promovidos por propaganda e que levam milhões de pessoas (que agem como ovelhas ignorantes) ao seu próprio penhasco da Saúde. Muito antes da internet e mesmo antes da televisão, os demónios da ciência (humanos doentios que vestem batas brancas de laboratório) estavam a cogitar formas de envenenar lentamente a população com alimentos e medicamentos químicos, e eles precisavam de especialistas em marketing para enganarem o público, com uma imagem e slogans apelativos que pudessem ser aproveitados pelos meios de comunicação impressos.

Tudo o que parece ser bem pesquisado e é transmitido e anunciado através de milhares de canais de comunicação, eventualmente, e não importa o quanto a mentira é doente e dementia, depois de marketing e publicidade suficientes, as massas compram. A isso chama-se dissonância cognitiva – algo provoca o seu cérebro apenas o suficiente para suscitar o seu interesse, sendo que depois acaba por pesquisar um pouco, repara que “os outros estão a fazer isso”, e depois salta para a caravana do que está na moda. Da má ciência dos alimentos à péssima ciência da medicina, tudo se resume a más escolhas e a uma má saúde, e não existem maiores máquinas de fazer dinheiro do que aquelas administradas pelas grandes corporações do sector alimentar e as grandes farmacêuticas. Vamos então aprofundar isto, retrocedendo até ao princípio do século passado, quando o enredo do mal tinha começado na terra dos alimentos tóxicos processados e dos tratamentos crónicos de doenças.

Atente aos 10 piores embustes na Saúde promovidos como “ciência” nos últimos 100 anos

Mentira # 1

Se um estudo de saúde é “revisto por pares”, então é baseado em evidências, fiável e verdadeiro.

Sabia que 90% da informação médica publicada, na qual os médicos confiam, é completamente errada? É verdade. Muitos “estudos” científicos e pesquisas têm resultados predeterminados e que são primeiramente condicionados pelas empresas e corporações que beneficiarão da venda do produto e, após disso, os testes são “executados” por cientistas que ajustam, distorcem ou mesmo descartam aquilo que não se enquadra na conclusão do guião providenciado inicialmente. Posteriormente, o dinheiro passa de mão em mão e as descobertas são publicadas em revistas para os curiosos como a JAMA (Journal of the American Medical Association). Isso já acontece desde há um século.

Mentira # 2

Se um aditivo alimentar, medicamento de prescrição ou imunização for aprovado pelos agentes reguladores, isso quer dizer que os cientistas o testaram completamente no que diz respeito à sua “segurança e eficácia” e deve consumi-lo sem questionar.

Os agentes reguladores são fachadas para as empresas que buscam o lucro nas despesas de saúde da população. Nunca confie em nada aprovado por essas agências “reguladoras” que se movem por interesses próprios e que estão no negócio dos tratamentos crónicos a doentes e sempre estiveram, desde a sua criação. Peça ao seu médico naturopata conselhos sobre alimentos e medicamentos que são “aprovados” pelas agências reguladoras.

Mentira # 3

Os cigarros são bons para a digestão e recomendados por mais de 20 mil médicos.

Sim, eles fizeram isso. Os médicos anunciavam as suas marcas favoritas e mentiram durante décadas mesmo após a ciência ter provado que o fumo do cigarro causava cancro do pulmão.

Mentira # 4

A vacina contra a poliomielite é uma invenção milagrosa que erradicou a pandemia de poliomielite que assolava o mundo.

O infame Dr. Salk não inventou uma vacina que impediu a pólio, mas sim misturou várias estirpes de poliomielite e ajudou a propagar a doença ao redor do mundo. O embuste funcionou porque as estatísticas foram distorcidas para mostrarem que quaisquer casos de poliomielite que não debilitavam as vítimas eram classificados como meningite e, portanto, “provar” que a vacina quase eliminou a poliomielite em todo o mundo! E foi assim que milhões de pessoas foram alvo de uma lavagem cerebral para serem levadas a acreditar que as vacinas de hoje são “seguras e eficazes”.

Mentira # 5.

Os edulcorantes artificiais não contêm calorias, pelo que então ajudam-no a perder peso.

Os açúcares falsos são centenas de vezes mais doces do que a sacarose, enganando o seu corpo ao ingeri-los e fazendo-o desejar ainda mais açúcar. Diga adeus ao autocontrolo.

Mentira # 6.

Qualquer colesterol “alto” é um colesterol mau e por isso deve pedir ao seu médico um medicamento para o baixar.

Errado! Por outro lado, de acordo com um artigo altamente informativo publicado na Metabolic Healing, “Os esforços para reduzir a produção de colesterol e as lipoproteínas adjacentes do corpo, seja por meio de intervenção médica ou por meio de intervenção nutricional, podem ter repercussões muito graves para a saúde”.

Mentira # 7

Todas as gorduras saturadas são insalubres e causam doenças cardiovasculares.

A conspiração contra as gorduras saturadas já foi completamente desmascarada.

Mentira # 8

Leite – faz bem ao corpo.

Os produtos lácteos mais processados ​​(homogeneizados / pasteurizados) causam inflamações e produção excessiva de muco. Pesquise sobre isso.

Mentira # 9

Os OGM (Organismos Geneticamente Modificados) são resistentes à seca, seguros para consumo humano, aumentam o rendimento dos agricultores e são totalmente sustentáveis.

OGM significa que pesticidas tóxicos foram infundidos nos genes das culturas, e muitos agricultores que cultivam OGMs estão a descobrir que precisam de usar muito mais pesticidas para controlarem os insetos e ervas daninhas agora.

Mentira # 10

A quimioterapia é a sua melhor hipótese, e pode ser a sua única hipótese, de sobreviver ao cancro.

A quimioterapia tem uma miserável taxa de sucesso média de 2,3%. A quimioterapia destrói o seu sistema imunológico – a única coisa que o ajuda a sobreviver ao cancro. Vá-se lá perceber.

Pergunte ao seu médico naturopata se as fraudes na saúde são adequadas para si

Conclusão

Quando ouve um slogan de saúde na televisão, impresso no jornal ou veiculado por algum político que continua a insistir nisso incessantemente, pode ter 99,9% de certeza de que é um embuste de saúde projectado e propagandeado para roubar o seu dinheiro e a sua paz de espírito. Os efeitos secundários dos engodos na saúde incluem o cancro, a doença de Alzheimer e a perda de competências de pensamento crítico. Pergunte ao seu médico naturopático se os embustes mais conhecidos na saúde são bons para si. Para ler ciência a sério com resultados credíveis publicados, confira o site Science.NaturalNews.com, onde a verdade reina.

As fontes deste artigo incluem:

AHRP.org

TruthWiki.org

CDC.news

Tobacco.Stanford.Edu

TruthWiki.org

Science.NaturalNews.com

MetabolicHealing.com

NaturalNews.com

RealFarmacy.com

Fonte: http://www.naturalnews.com/2017-07-02-the-10-worst-health-hoaxes-pushed-as-science-over-the-last-100-years.html

Obtenha a sua proteína a partir das plantas e não da carne, se quiser continuar a ser saudável. Verdadeiro ou falso? Veja por si mesmo

Obtenha a sua proteína a partir das plantas e não da carne, se quiser continuar a ser saudável. Verdadeiro ou falso? Veja por si mesmo

dieta vegetariana

A Dieta Vegetariana. É muito fácil encontrar informações conflituosas, em particular no que diz respeito às ciências da saúde e ainda para mais quando se trata de examinar dietas à base de carne em comparação com as que são baseadas nos vegetais. As dietas à base de plantas podem ajudar a prevenir mais de 60% das mortes por doenças crónicas, mas as pessoas ainda debatem se o veganismo é uma dieta segura e sustentável. Isto é em grande parte devido à “ciência” da indústria alimentar, que está repleta de engodos e de informações falsas que são constantemente usadas tanto pelos nossos sistemas de educação e como de saúde. Isto não é nem um segredo nem uma teoria da conspiração como muitas pessoas dessas indústrias têm publicamente abordado essas questões e enfatizado essas mesmas ideias.

“Simplesmente já não é possível acreditar em muita pesquisa clínica que é publicada, ou confiar no julgamento de médicos de confiança ou directrizes médicas autoritárias. Não me agrada essa conclusão à qual cheguei lenta e relutantemente ao longo da minhas duas décadas como editora do New England Journal of Medicine– Dra. Marcia Angell, médica e editora chefe do New England Medical Journal (fonte)

Há dois anos atrás o Dr. Richard Horton, o actual editor-chefe da revista The Lancet, considerada uma das revistas médicas mais conceituadas do mundo, afirmou que metade de toda a literatura publicada pode ser falsa. Nas suas palavras:

As provas contra a ciência são simples: grande parte da literatura científica, talvez metade, pode ser simplesmente falsa. Estudos duvidosos com amostras de tamanho reduzido, efeitos reduzidos ou irrelevantes, análises exploratórias inválidas, e os conflitos flagrantes de interesse, juntamente com uma obsessão para perseguir as tendências da moda com relevância duvidosa, encaminharam a ciência de volta para a escuridão“. (Fonte)

Estes são pontos importantes a considerar quando se fala de ciência e é extremamente evidente no sistema alimentar, em particular quando se discutem as dietas à base de plantas. Temos sido martelados com a ideia de que a carne é necessária para uma boa saúde, mesmo numa época em que uma enorme quantidade de profissionais e publicações têm provado os benefícios nutricionais de uma dieta à base de plantas. Parece um pouco estranho, em particular se considerarmos o facto de que vários biliões de animais são criados e mortos para a produção de carne anualmente, e isso é somente na América.

Dietas Baseadas em Plantas Comparadas às baseadas na Carne

Se olharmos para a ciência “convencional”, os cientistas estão apenas agora a começar a aceitar as dietas baseadas em plantas como uma opção sustentável e saudável e aqueles que fazem as pesquisas são eles mesmos exemplos vivos disso.

Por exemplo, o Dr. Ellsworth Wareham, com 100 anos de idade e cirurgião cardíaco recentemente aposentado que foi vegan durante metade de sua vida explica que:

“O veganismo é uma forma muito refinada de nutrição. É um pouco extremo dizer a uma pessoa que está a usar alimentos de carne que você vai simplesmente retirar-lhes esses mesmos alimentos. Quando eu praticava medicina eu dizia aos pacientes que a dieta baseada em vegetais era o caminho mais saudável para prosseguir, e manterem-se afastados dos produtos animais, tanto quanto possível. As pessoas são muito sensíveis acerca daquilo que comem. Você pode falar com as pessoas sobre exercícios de relaxamento, uma boa atitude mental e eles aceitam isso. Mas falar com elas sobre o que estão a comer é um tema muito sensível. Se um indivíduo estiver disposto a ouvir então eu vou tentar explicar-lhes científicamente o que eu acho que é melhor para eles”.- Dr Ellsworth Wareham (fonte)

Outro exemplo é Kim A. Williams, M.D., presidente recém-empossado do Colégio Americano de Cardiologia, que também adotou uma dieta vegan. Ele muitas vezes observa pacientes que estão com peso acima do normal e lutam contra a hipertensão, diabetes do tipo 2 e colesterol alto. Uma das coisas que ele os aconselha a fazer especificamente é tornarem-se vegans. Ele também é o Presidente de Cardiologia do Rush University Medical Center, em Chicago. O seu entusiasmo por uma dieta baseada em plantas tem origem na sua interpretação da literatura médica, tendo citado vários estudos que provam que as pessoas que têm dietas vegetarianas vivem mais tempo do que aqueles que comem carne e têm menores taxas de morte por doenças cardíacas, diabetes e problemas renais. (fonte)

De acordo com a Harvard Medical School:

“Os estudos confirmaram os benefícios para a saúde de dietas sem carne. Hoje em dia a alimentação baseada em plantas é reconhecida como não só nutricionalmente suficiente, mas também como uma forma de reduzir o risco de muitas doenças crónicas”. (Fonte)

Existe uma infinidade de estudos que demonstram os benefícios das dietas vegetarianas e veganas. Por exemplo, a American Dietetic Association demarcou a sua posição concluindo que:

As dietas vegetarianas devidamente planeadas, incluindo as totalmente vegetarianas ou veganas, são saudáveis, nutricionalmente adequadas e podem proporcionar benefícios para a saúde na prevenção e tratamento de certas doenças. (Jornal da American Dietetic Association, Julho de 2009) (fonte).

Estas doenças incluem doenças cardíacas, cancro, diabetes e muitas mais. A pesquisa realizada pelo Dr. Dean Ornish, que descobriu que os pacientes colocados num programa que incluía uma dieta vegetariana tinham menos placa coronária e menos eventos cardíacos, também é recorrentemente citada.

Também é importante notar que quando se trata de ciência e de fazer ‘associações’, é crucial usar os Critérios de Bradford Hill. Todos sabemos que a correlação não significa causalidade e que, às vezes, a correlação poderá significar causalidade. Quando você tem um grande número de estudos mostrando tais fortes correlações, é geralmente seguro supor que a correlação em certos casos significa causalidade. Quando se trata da dieta baseada em plantas não existe escassez de evidências que claramente delineiam os seus benefícios à saúde. Obviamente, os benefícios de se comer mais alimentos à base de plantas vai muito além da simples correlação.

Essa tendência está a ganhar mais investigação científica à medida que popularidade cresce. Pelo menos 542.000 pessoas na Grã-Bretanha seguem agora uma dieta vegan – em 2006 eram apenas 150.000 – e outros 521.000 vegetarianos esperam reduzir seu consumo de produtos animais. É evidente que o veganismo se tornou uma das escolhas de estilo de vida em maior crescimento. (Fonte # 2)

Um dos estudos mais abrangentes já realizado sobre este assunto é o The China Study, realizado pelos Drs T. Colin Campbell e Thomas Campbell. As suas descobertas mostraram correlações directas entre a nutrição e as doenças cardíacas, diabetes e cancro, provando que as culturas que comem essencialmente dietas baseadas em plantas têm menor ou nenhuma ocorrência dessas doenças e que a mudança para uma dieta baseada em plantas pode reverter com sucesso as doenças já estabelecidas no corpo. O estudo da China é reconhecido como o estudo nutricional mais abrangente já realizado sobre a relação entre dietas e doenças. Eu recomendo assistir o documentário Forks Over Knives (disponível no Netflix), que investiga isso de forma mais detalhada.

A lista de estudos continua e, e se quiser encontrar mais informações recomendamos que você pesquise esse assunto por si mesmo, pois existem muitos estudos que podiam ser incluídos neste artigo.

Proteína Vegetal Comparada à Proteína Vegana

A proteína em produtos animais é preenchida com gorduras e produtos químicos e todos os tipos de coisas que são prejudiciais para si. Quando eu competia e ingeria todas essas coisas, eu tinha muitos problemas digestivos, eu estava constipado e inchado, e apenas sentia-me miserável o tempo todo. Eu não me preocupo mais com a proteína, porque obtenho a suficiente no que eu como. Eu não sou apenas saudável, mas eu sinto-me melhor acerca de mim e de como eu me relaciono com as outras criaturas do mundo

Acima estão as palavras de Jim Morris, um dos muitos culturistas vegans de competição que tem sido vegan durante a maior parte da sua vida. A última vez que vimos um culturista vegan estava a competir nos Jogos Olímpicos do Brasil. O seu nome é Kendrick Farris e ele foi o único americano halterofilista a competir nos Jogos Olímpicos do Rio. Você pode ler mais sobre isso aqui.

Se alguém lhe diz, “eu preciso da minha proteína”, e é por isso que come carne, eles estão muito mal informados. Você não precisa de proteína da carne para ser saudável. A realidade é completamente o oposto, visto que a proteína de origem vegetal é uma alternativa mais saudável. Claramente, os culturistas que adoptam essas dietas do vegan são um grande exemplo, mas vamos olhar sobre o que alguns dos “peritos” têm que dizer.

De acordo com o Dr. Deepak Bhatt, professor da Harvard Medical School e editor-chefe do Harvard Heart Latter:

“Quando se trata de obter proteínas da sua dieta, a carne não é a única opção. Evidências crescentes mostram que reduzir a carne e aumentar a proteína de origem vegetal é o caminho mais saudável. Uma dieta com qualquer tipo de carne aumenta o risco de doenças cardíacas e de cancro quando comparada com a dieta vegetariana.” (Fonte)

Um estudo mais recente realizado por investigadores da Harvard Medical School e do Massachusetts General Hospital acompanhou mais de 130.000 pessoas durante 36 anos, monitorizando doenças, estilos de vida, dietas e taxas de mortalidade.

Eles descobriram que a substituição de entre 15g e 19g de proteína animal, o equivalente a uma única salsicha, por leguminosas, frutos secos e outras proteínas do plantas diminuía significativamente o risco de morte precoce. Substituir os ovos por proteínas de origem vegetal também leva a uma redução de 19 por cento no risco de morte.

Os investigadores descobriram que uma ingestão 10 por cento maior de carne foi associada a uma taxa de mortalidade dois por cento maior e oito por cento mais de mortes cardiovasculares.

De acordo com o Dr T. Colin Campbell, mencionado anteriormente no artigo do The China Study:

“O que eu fiz durante a primeira parte da minha carreira não foi nada mais do que aquilo que a ciência tradicional sugeriria. Observei que dietas presumivelmente mais ricas em proteína animal estavam associadas a uma incidência maior de cancro do fígado nas Filipinas. Quando combinado com o relatório extraordinário da Índia mostrando que a caseína alimentada a ratos de laboratório, nos níveis habituais de ingestão, promovia dramaticamente o cancro do fígado, isso conduziu-me até ao meu estudo de 27 anos de duração, “O Projecto da China”, para perceber como isso funcionava. Fizemos dezenas de experiências para ver se isso era verdade e, mais ainda, para perceber como funcionava. “

No estudo, Campbell enfatizou o facto de que eles usaram os critérios tradicionais para decidir o que é um carcinogénico (em relação às proteínas de origem animal) do programa de testes de carcinogénese química do governo. Campbell também afirmou que “este não é um assunto discutível e as implicações desta conclusão são surpreendentes em muitos aspectos”.

Ele também mostrou, entre outras coisas, que a proteína animal é muito ácida, e vaza essa acidez, o que leva o corpo a retirar cálcio e fósforo dos ossos para neutralizar a acidez.

Abaixo está um vídeo dele a explicar algumas das suas descobertas:

Então qual é a melhor?

Obviamente, existem informações de ambos os lados. O ponto principal a reter aqui é que a proteína não é a mesma.

Proteína é construída a partir de blocos de construção conhecidos como aminoácidos, e os nossos corpos produzem-nos de duas formas diferentes. Talvez nem todos o corpos sejam iguais, e alguns podem os aminoácidos nas suas formas elementares ou podem modificar outras.

Uma pequena lista de aminoácidos conhecidos como os aminoácidos essenciais precisam de ser obtidos dos alimentos. De acordo com o modelo de educação actual, que é amplamente financiado por corporações de alimentos que controlam a agro-pecuária, o discurso é que as fontes animais de proteína tendem a ter todos os aminoácidos que precisamos. O que eles deixam de fora sobre a proteína animal é o que você acabou de ler acima.

Outras fontes de proteína não têm um ou mais aminoácidos essenciais, mas tudo o que um indivíduo vegetariano ou vegano precisa de fazer é ter certeza de que eles ingerem uma variedade de alimentos que contêm proteínas, o que ajudará o corpo a produzir mais proteínas.

Dito isto, estudos sobre a restrição calórica e o jejum têm demonstrado que uma elevada ingestão de proteínas, muita, é definitivamente algo que você não quer. Se você quiser saber mais sobre isso, você pode consultar o Dr. Valter Longo, ou confira mais alguns dos nossos artigos sobre o jejum.

Certas carnes também têm sido associadas a várias doenças. Por exemplo, uma pesquisa realizada na Escola de Saúde Pública de Harvard descobriu que comer, mesmo que em pequenas quantidades, carne vermelha, em particular a carne vermelha processada regularmente, está associado a um risco aumentado de doenças cardíacas e acidentes vasculares cerebrais e ao risco de morte por doenças cardiovasculares ou quaisquer outras causas. Certas carnes também são conhecidas por causarem cancro e váriadas outras doenças. Substituir essas carnes por fontes saudáveis ​​de proteína reverteu os efeitos. (fonte) (fonte)

Os alimentos processados ​​/ carne também são conhecidos por causarem cancro.

Enquanto o consumo deficiente de proteínas é prejudicial ao corpo, o consumo excessivo também comporta riscos. Nos Estados Unidos, o omnívoro mediano obtém mais do que 1,5 vezes a quantidade ideal de proteína, e a maior parte dessa proteína é de origem animal. Esta é uma má notícia, pois o excesso de proteínas é transformado em resíduos ou em gordura. Esta proteína animal armazenada contribui para o ganho de peso, doença cardíacas, diabetes, inflamações e cancro.

Por outro lado a proteína contida em alimentos vegetais integrais está associada à prevenção de doenças. De acordo com Michelle McMacken, médica de medicina interna e professora assistente de medicina na NYU School of Medicine:

“A proteína encontrada nos alimentos vegetais integrais protege-nos de muitas doenças crónicas. Não há necessidade de rastrear a ingestão de proteínas ou usar suplementos proteicos com dietas baseadas em plantas. Se você está a satisfazer as suas necessidades diárias de calorias, você terá muita proteína. As pessoas que vivem mais tempo na Terra, aquelas que vivem nas “Zonas Azuis“, obtêm cerca de 10% das suas calorias de proteínas, em comparação com a média dos EUA de 15-20%”.

Obviamente, existe uma grande riqueza de informações lá fora, e o que eu mencionei aqui é apenas uma amostra. Existem também outros factores a considerar nestes tempos também, como por exemplo a influência da indústria sobre as publicações científicas, e muito mais.

Fonte: http://www.collective-evolution.com/2017/02/06/get-your-protein-from-plants-not-meat-if-you-want-to-be-healthier-according-to-these-scientists/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+Collective-evolution+%28Collective+Evolution%29

O Porquê da maioria dos Médicos recomendar cegamente a Vacinação

O Porquê da maioria dos Médicos recomendar cegamente a Vacinação

O Porquê da maioria dos Médicos recomendar cegamente a VacinaçãoAs várias razões que explicam porque é que a grande maioria dos médicos apoia a vacinação

Os médicos recebem a maioria da sua formação na faculdade de medicina, que é fortemente influenciada pelas empresas farmacêuticas e instituições governamentais como as agências reguladoras da saúde.

Tanto as empresas farmacêuticas como as organizações governamentais apoiam uma agenda equivocada em que as vacinas são promovidas como uma ferramenta primária para prevenir doenças.

Os médicos são pressionados a vacinar ou terão de enfrentar as consequências profissionais e financeiras negativas. Os médicos pertencem a organizações médicas profissionais que recomendam vacinas.

O Porquê da maioria dos Médicos recomendar cegamente a Vacinação

Resumindo, os médicos existem num mundo onde as vacinas são consideradas a principal arma para a prevenção de doenças. A maioria acredita na segurança e eficácia das vacinas.

É preciso grande coragem, curiosidade e independência para os médicos pensarem fora da caixa e fazerem as suas próprias pesquisas sobre as vacinas. Aqueles que se atrevem a pensar fora da caixa podem enfrentar consequências profissionais e financeiras negativas.

A Formação em Vacinas na Faculdade

Ao ver um currículo real intitulado TIME [Teaching Immunization for Medical Education (Ensino da Imunização para Educação Médica)] utilizado na formação de médicos na escola de medicina, o foco parece estar na revisão do cronograma da vacinação infantil, métodos para incentivar a conformidade dos pais e na defesa da segurança e da eficácia das Vacinas na prevenção de doenças.

Este modelo foi usado na Faculdade de Medicina da Universidade de Pittsburgh, datado de 2011. [1,2]

Um exemplo de um cenário de preocupação dos pais sobre as vacinas em múltiplas doses:

“Como você responderia a pergunta dos pais:” São tantas doses realmente necessárias? ”

Historicamente, uma maior quantidade de casos de doenças evitáveis ​​pelas vacinas foi fortemente reduzida através da vacinação.

Mortes, hospitalizações e danos cerebrais também diminuíram. Uma vez que estas doenças são contagiosas, elas podem retornar se as taxas de imunização caírem, como aconteceu em noutros países desenvolvidos quando as taxas de vacinação caíram (ver Tabela 2).

O sistema imunitário é capaz de responder a 100.000 vacinas simultâneas, de acordo com a investigação do Dr. Offit, et al.”

O currículo lista os seguintes objectivos de aprendizagem para os estudantes de medicina:

  1. Dado o cenário de um paciente, recomenda a vacinação adequadamente, de acordo com o cronograma de imunização infantil recomendado, e indica os processos de administração e locais de toma dessas vacinas.

  2. Havendo uma criança que está atrasada no calendário de imunização, explique os princípios da vacinação acelerada e de recuperação, e determine as vacinas necessárias para as visitas actuais e subsequentes.

  3. Explicar o raciocínio subjacente à administração simultânea de vacinas e as potenciais consequências da administração não simultânea.

  4. Dado o cenário de um determinado paciente, identifique as contra-indicações e precauções válidas para a vacinação sem faltar às oportunidades de vacinação apropriadas.

  5. Explicar a segurança geral das vacinas e informações de eventos adversos, incluindo o Programa de Compensação de Danos por Vacinas (VICP), o Sistema de Notificação de Eventos Adversos das Vacinas (VAERS) e o uso das Declarações de Informação de Vacina (VISs). [Nota: Este ponto não é aplicável no nosso país visto não haver nem programa de compensação existente nem sistema de notificação de eventos adversos que especificamente distinga as vacinas dos outros medicamentos]

  6. Sugira três procedimentos que um médico possa implementar na prática clínica para melhorar as taxas de vacinação infantil.

Objectivos secundários:

  1. Dado o cenário de um paciente, recomenda a vacinação, se indicado, durante as visitas de atendimento agudo e bem-estar aos provedores, reduzindo assim as oportunidades perdidas.
  2. As fontes estatais de informações actuais sobre vacinação infantil, incluindo informações sobre o cronograma, intervalo mínimo entre doses e contra-indicações das vacinas”. [3] (ênfase adicionado)

“As formas de melhorar as taxas de vacinação nos locais de trabalho incluem o seguinte:

  1. Realização de actividades de resolução de problemas e metas, após uma avaliação das actuais taxas de vacinação praticadas. Posteriormente, as taxas de vacinação devem ser monitorizadas com feedback contínuo aos provedores sobre as taxas de vacinação.
  2. Ter colaboradores dedicados a avaliar o estado da vacinação no cadastro do paciente ou durante os sinais vitais. O computador do escritório pode gerar lembretes sobre vacinas.
  3. Administrar vacinas simultaneamente se assim for indicado.
  4. Ter um ponto dedicado no registro médico para informações de vacinação.
  5. Treinar provedores para distinguirem entre contra-indicações válidas e inválidas.
  6. Escrevendo ordens permanentes para permitir que a enfermeira administre as vacinas de rotina.
  7. Marcar cópias actualizadas das listas de verificação de horários e contra-indicações disponíveis.
  8. Taxas de monitorização, feedback, incentivo à competição e oferta de prémios.

Existem formas práticas de se aumentarem as taxas de vacinação que incluem a avaliação das taxas, resolução de problemas, definição de objectivos, monitorização e feedback” [4] (ênfase adicionado)

O que os médicos dizem sobre a sua formação

Este foco nas escolas de medicina sobre os calendários de vacinação e a conformidade foi validado por médicos que partilharam a sua experiência de formação na escola médica. Dois médicos bem conhecidos relataram o seguinte sobre a sua formação:

A Dra. Suzanne Humphries declarou:

“Nós aprendemos que as vacinas precisam ser dadas de acordo com um calendário. Somos doutrinados com o mantra de que “as vacinas são seguras e eficazes”, sendo que nenhum é verdadeiro. Actualmente, os médicos recebem um treinamento extensivo sobre como conversar com os pais “hesitantes” – como assustá-los com grandes enfatuações dos riscos durante a infecção natural… sobre a necessidade de torcer os braços dos pais para os validar ou incapacitar como pais. Os médicos são treinados de forma a que NENHUM mal deva ser dito sobre qualquer vacina, ponto final”.

O Dr. Bob Sears afirmou:

“Os médicos aprendem muito sobre doenças nas escolas de medicina, mas aprendemos muito pouco sobre as vacinas…”.

Nós não analisamos a pesquisa por nós mesmos. Nós nunca aprendemos o que se passa o fabrico de vacinas ou como a sua segurança é estudada. Então, quando os pacientes querem um pouco mais de informações sobre vacinas, tudo o que podemos realmente dizer como médicos é que as doenças são más e as vacinas são boas “. [5]

Aos médicos é ensinado que as vacinas salvam vidas

Os médicos são ensinados na escola de medicina que as vacinas são responsáveis ​​pela eliminação da doença. A sua formação é focada nos grandes perigos, que as outrora doenças normais da infância representavam.

Eles são informados sobre a morte e a miséria que resultaram dessas doenças, e que as vacinas ficaram com os louros pela sua erradicação. Opiniões contrárias, factos, realidade e posições sobre a eliminação de doenças e os perigos das vacinas não são enfatizados. [6]

O Financiamento das Escolas de Medicina

As empresas farmacêuticas doam biliões de dólares às escolas de medicina nos EUA, e com o seu financiamento veio a grande influência nos currículos dos estudantes de medicina.

As empresas farmacêuticas são os fabricantes de vacinas, de modo que eles beneficiam em grande parte pelo ensino dos estudantes de medicina, futuros médicos, sobre a importância das vacinas para a saúde.

O financiamento do governo é ainda maior em muitas escolas de medicina, o que significa que as instituições do governo, como as Agências Reguladoras, também exercem grande influência no currículo das escolas de medicina. Essas Agências promovem o actual cronograma da vacinação infantil.

A NPR [Rádio Pública Nacional nos EUA] fez uma pesquisa em que descobriu que entre 2 a 16 por cento dos orçamentos anuais das escolas médicas nos EUA eram derivados da indústria farmacêutica.

As suas organizações profissionais e os financiamentos das farmacêuticas

Todas as organizações médicas profissionais recomendam vacinas. Como um exemplo, a Academia Americana de Pediatria mantém uma posição em total conformidade com as vacinas.

A página inicial desta organização é inundada com informações sobre vacinas e a sua importância, incluindo a propaganda a lembrar os médicos das terríveis doenças que as vacinas são supostamente responsáveis ​​pela erradicação. [12]

No entanto, também é claro que a Academia Americana de Pediatria é altamente financiada pelas grandes empresas farmacêuticas, incluindo a Pfizer, Sanofi Pasteur, Merck, Meda Pharmaceutical e Astra Zeneca.

Essas empresas lucram com as vendas de vacinas e medicamentos, recomendadas pelos pediatras. [13]

Consequências para os médicos que NÃO vacinam

Os médicos podem enfrentar consequências negativas se não cumprirem os calendários de vacinação recomendados aos seus pacientes. Os médicos correm o risco de serem abandonados pelas companhias de seguros, perderem privilégios nos hospitais e serem condenados ao ostracismo pelos seus pares.

Eles podem enfrentar a perda de uma importante fonte de rendimento para as suas práticas se eles vacinarem menos. Para os médicos empregados em hospitais privados, a perda de bónus financeiro pode ser uma consequência da não vacinação. Em casos mais graves, os médicos podem mesmo arriscar-se a perder a sua licença médica. [14]

O Porquê de Não vacinar

Os médicos recebem uma visão unilateral sobre a segurança e a eficácia da vacinação. Na realidade, não foi provado que as vacinas sejam seguras ou eficazes na prevenção de doenças.

Os gráficos das vacinas mostram que a maioria das doenças foi eliminada antes da criação da vacina. As melhorias no saneamento são frequentemente creditadas com a eliminação da doença. [15, 16]

Mortalidades documentadas e mortes resultantes das vacinas, que desafiam a segurança das mesmas.

Surtos das doenças continuam a ocorrer naqueles que estão vacinados, levantando a questão da eficácia das vacinas. Para explorar mais dez razões para não vacinar, consulte o artigo dez razões para não vacinar.

Conclusão

Os médicos vivem num mundo onde as vacinas são uma parte fundamental do currículo da sua formação, com ênfase em como alcançar elevadas taxas de vacinação.

A segurança e a eficácia das vacinas na eliminação de doenças são enfatizadas, sem o ensino equilibrado sobre os perigos das vacinas e a sua eficácia questionável.

Os médicos enfrentam consequências negativas se questionarem as taxas de vacinação e não pressionarem os seus pacientes a serem vacinados. Todas as organizações profissionais de médicos apoiam fortes políticas de vacinação, o que coloca mais pressão adicional sobre os médicos para vacinarem seus pacientes.

As empresas farmacêuticas, que fazem as vacinas, são as financiadoras primárias da educação médica e das organizações profissionais médicas.

Este financiamento apresenta um enorme conflito de interesses. Com efeito, os médicos estão a ser usados ​​como comerciais de vendas para os fabricantes de vacinas.

A maioria dos médicos entra nessa profissão para curar os seus pacientes e ajudar a Humanidade.

Infelizmente, devido à grande influência das empresas farmacêuticas, agências governamentais e à sua formação, a maioria dos médicos são pressionados para recomendarem uma política de vacinação falhada e que já demonstrou ser mais perigosa do que benéfica para os seus pacientes.

Referências:

  1. http://c.ymcdn.com/sites/www.aptrweb.org/resource/resmgr/time…pdf
  2. http://www.aptrweb.org/?page=time
  3. http://c.ymcdn.com/sites/www.aptrweb.org/resource/resmgr/time…pdf
  4. http://c.ymcdn.com/sites/www.aptrweb.org/resource/resmgr/time…pdf
  5. https://www.vactruth.com/2012/07/31/what-your-doctors-know
  6. https://www.vactruth.com/2012/07/31/what-your-doctors-know
  7. http://www.npr.org/templates/story/story.php?storyId=4696316
  8. http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2012/06/02/bribery…
  9. http://www.cdc.gov/vaccines/programs/afix/about/overview.html
  10. http://www.cdc.gov/vaccines/programs/afix/resources.html
  11. http://www.cdc.gov/vaccines/programs/afix/components.html
  12. https://www.aap.org/en-us/advocacy-and-policy/aap-health-initiatives…
  13. https://www.aap.org/en-us/about-the-aap/corporate-relationships…
  14. http://healthimpactnews.com/2012/why-do-doctors-push-vaccines/
  15. http://www.healthsentinel.com/joomla/index.php…
  16. http://www.whale.to/vaccines/decline1.html

Fonte: http://humansarefree.com/2017/05/why-do-most-medical-doctors-blindly.html?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+humansarefree%2FaQPD+%28Humans+Are+Free%29

A Impossibilidade Total da Imunidade de Grupo Através da Vacinação

A Impossibilidade Total da Imunidade de Grupo Através da Vacinação


Imunidade de Grupo. Quem está atento já notou uma tendência perigosa nos EUA, assim como a nível mundial, que consiste no recurso a vários níveis diferentes de governo para forçar a vacinação sobre o público em geral. O meu Estado do Mississippi tem uma das leis mais restritivas dos EUA em relação à isenção da vacinação, onde as isenções são permitidas apenas por recomendação médica. Ironicamente, isso não passa do papel, pois algumas pessoas tiveram até três medicos, alguns deles especialistas em danos neurológicos causados pelas vacinas, a passar-lhes isenções escritas, apenas para serem recusadas pelas autoridades de saúde pública do Estado. Ainda piores são os Estados como Massachusetts, New Jersey e Maryland, onde as vacinações forçadas foram ordenadas pelos tribunais, a legislatura estatal, ou têm tais leis pendentes. Todas estas políticas se assemelham muito àquelas vigentes nos impérios Sociais Nacionalistas, nos países Estalinistas, ou na China Comunista.

Quando as autoridades de saúde pública são questionados acerca da justificação legal para tais medidas draconianas, como forçar as pessoas a aceitar vacinas que consideram um verdadeiro perigo para si mesmas e para os seus ou que tiveram experiência pessoal com reacções adversas sérias a tais vacinas, eles normalmente recorrem à necessidade de proteger o público. 

Uma pessoa rapidamente conclui que se as vacinas são tão eficazes como apregoadas pelas autoridades de saúde pública, porque razão se deve ter medo dos não-vacinados? Obviamente que os vacinados teriam pelo menos 95% de protecção.

Esta questão deixa-os numa posição muito difícil. A sua resposta mais frequente é que uma “pequena” percentagem dos vacinados não terá protecção suficiente e ainda estaria em risco. Agora, se admitirem o que a literatura científica demonstra, que a proporção de insucesso das vacinas é muito superior aos 5% que afirmam, têm que se debater com a pergunta óbvia seguinte – então porque é que alguém haveria de ser vacinado uma vez que há uma hipótese significativa de não ser protegido?

Quando pressionados ainda mais, têm que recorrer à sua justificação favorita, o Santo Graal dos proponentes das vacinas – imunidade de grupo. Este conceito é baseado na ideia de que 95% (e alguns agora dizem 100%) da população tem que ser vacinada para prevenir uma epidemia. As percentagens que precisam de vacinação crescem progressivamente. Eu ponderei esta questão durante algum tempo até que a resposta me bateu. A imunidade de grupo é maioritariamente um mito e aplica-se apenas à imunidade natural – isto é, contraindo a própria infecção.

A Imunidade de Grupo é Real?

Na descrição original de imunidade de grupo, a protecção da população em geral ocorria apenas se as pessoas contraíssem as infecções naturalmente. A razão de assim ser é que essa imunidade naturalmente adquirida dura a vida inteira. Os proponentes das vacinas rapidamente se agarraram a este conceito e aplicaram-no à imunidade induzida por vacinação. Mas houve um grande problema – a imunidade induzida por vacinação durava apenas um pequeno período de tempo, de 2 a 10 anos no máximo, e só se aplicava à imunidade humoral (não celular). E foi por essa razão que eles começaram, paulatinamente, a sugerir reforços para a maioria das vacinas, mesmo para as de infecções infantis comuns como a varicela, o sarampo, a papeira e a rubéola.

Depois descobriram um problema ainda maior, os reforços duravam apenas 2 anos ou menos. Essa é a razão pela qual vemos agora decretos para que os jovens que entram nas universidades sejam inoculados com múltiplas vacinas, até aquelas que os proponentes insistiam que conferiam imunidade vitalícia, como a MMR*.

E a mesma coisa está a ser sugerida para pessoas adultas. Ironicamente, ninguém nos média ou na área médica se pergunta o que é que se passa. Aceitam simplesmente que tem que ser assim.

Que a imunidade de grupo induzida por vacinação é um mito pode ser comprovado de forma muito simples. Quando eu andei na escola de medicina fomos ensinados que todas as vacinas infantis duravam a vida inteira. Este pensamento existiu por mais de 70 anos. Foi só recentemente que se descobriu que a maioria destas vacinas perdiam a sua eficácia 2 a 10 anos após terem sido administradas. O que isto significa é que pelo menos metade da população, ou seja, a geração do “baby boom”*, viveu sem qualquer imunidade induzida pela vacinação contra as doenças para as quais foi vacinada no início da sua vida. Em suma, pelo menos 50% ou mais da população viveu desprotegida durante décadas.

Se ouvirmos a sabedoria contemporânea, estamos todos em risco de uma epidemia maciça ressurgente, caso os níveis de vacinação desçam abaixo dos 95%. No entanto, temos vivido há pelo menos 30 ou 40 anos com 50% ou menos da população protegida pelas vacinas. Ou seja, a imunidade de grupo não existe neste país há muitas décadas e não ocorreu nenhuma epidemia ressurgente. A imunidade de grupo induzida por vacinação é uma mentira usada para amedrontar médicos, autoridades de saúde pública, outro pessoal médico e o público em geral, de forma a aceitarem a vacinação.

Quando examinamos a literatura científica, descobrimos que para muitas das vacinas a protecção imunitária foi de 30 a 40%, o que significa que 70 a 60% do público tem vivido sem a protecção das vacinas. Mais uma vez, isso significa que com um índice de eficácia de 30 a 40% combinado com o facto de que a maioria das pessoas perdeu a sua protecção imunitária 2 a 10 anos depois de ter sido vacinada, a maioria de nós viveu sem o índice mágico dos 95% necessário à imunidade de grupo. Esta é a razão pela qual a maioria dos proponentes das vacinas insiste que elas possuem um índice de 95% de eficácia.

Sem o mantra da imunidade de grupo, estas autoridades de saúde pública não seriam capazes de justificar as vacinações em massa forçadas. Normalmente dou aos médicos, que duvidam da minha declaração de que a imunidade de grupo é um mito, um único exemplo. Quando estudei medicina há quase 40 anos, ensinaram-me que a vacina do tétano duraria a vida inteira. Passados 30 anos de ter sido tornada obrigatória, descobrimos que a sua protecção não dura mais que 10 anos. Nesse momento pergunto aos médicos se alguma vez viram um caso de tétano? A maioria nunca viu. Depois peço-lhes que olhem para os dados anuais relativos a infecções de tétano – não se vê qualquer aumento de casos de tétano. O mesmo se pode dizer do sarampo, da varicela e de outras infecções infantis. Foi, e ainda é, tudo um mito.

A posição a favor da vacinação de massas forçada fundamenta-se essencialmente neste mito e é importante que demonstremos a falsidade desta ideia. Neil Z. Miller, no seu livro The Vaccine Information Manual, oferece provas convincentes de que a imunidade de grupo é um mito.

imunidade de grupo

O Caminho para o Inferno é Feito de Boas Intenções

As pessoas que promovem a vacinação obrigatória para uma lista crescente de doenças são muito diferentes umas das outras. Algumas são muito sinceras e querem melhorar a saúde do seu país. Acreditam no mito da imunidade de grupo induzida por vacinação e acreditam igualmente que as vacinas são essencialmente eficazes e seguras. Estas não são as pessoas maléficas.

Um número crescente de pessoas é composto por quem tem uma visão colectivista do mundo e que se vê como um núcleo sábio de homens e mulheres de elite que devem dizer a todos nós o que fazer em todos os aspectos da nossa vida. Vêem-nos como gado ignorante, incapaz de compreender as virtudes dos seus planos para o país e para o mundo. Como crianças, devemos ser forçados a tomar o remédio – uma vez que, segundo eles, não temos qualquer noção dos verdadeiros benefícios do remédio amargo que nos vão dar à boca.

Também descobri que um número reduzido de pessoas nas instituições governamentais e departamentos de saúde pública têm vontade de falar mas são tão intimidados e ameaçados com despedimento ou a destruição das suas carreiras, que permanecem em silêncio.

Quanto aos meios de comunicação, estão completamente a dormir.

Descobri que os “repórteres” (temos muito poucos jornalistas de verdade, hoje em dia) não têm quase nenhum entendimento acerca do que estão a reportar e confiam cegamente nas pessoas em posições oficiais de poder, mesmo que essas pessoas não estejam qualificadas para se pronunciar sobre o assunto. A maioria das vezes correm para os Centers for Disease Control** ou para as universidades de medicina à procura de respostas. Mal posso contar o número de vezes que vi directores de departamentos de universidades a serem entrevistados quando era óbvio que não tinham qualquer ideia do assunto que estava a ser discutido. Poucos professores desse tipo deixam passar uma oportunidade de aparecer em frente às câmaras ou de serem citados num jornal.

Uma pessoa também tem que compreender que os repórteres e editores estão sob uma enorme pressão económica, uma vez que os fabricantes das vacinas são os maiores contribuintes para a publicidade em todos os média, e por uma razão óbvia – dessa forma controlam o conteúdo. Uma data de histórias excelentes sobre assuntos médicos deste tipo são impedidas todos os dias. E isso significa que seremos sempre relegados para os canais “alternativos” de informação, tal como os apelidam. Apesar da elevada qualidade do jornalismo em muitos dos canais “alternativos”, têm uma audiência muito menor.

À Medida que o Público Desperta, os Colectivistas Tornam-se Desesperados

John Jewkes, no seu livro Ordeal by Planning, nota que há medida que os colectivistas Britânicos começaram a ver a oposição a erguer-se contra os seus pomposos planos, a sua reacção tornou-se mais desesperada e agressiva.

Iniciaram então uma campanha de difamação dos seus oponentes e a culpar cada fracasso na falta de vontade das pessoas em aceitar as imposições dos planeadores sem questionar. Temos certamente visto isto neste debate – os oponentes à vacinação forçada são referidos como cientistas marginais, loucos, sem instrução, desorientados, e inimigos da segurança pública – reminiscente da frase favorita de Stalin, “inimigo do povo”.

Este desespero tem raiz no medo de que o público possa em breve aperceber-se que todo o programa de vacinação é baseado no absurdo, no medo e em contos de fada inventados. Um dos seus medos particulares é que o público descubra o facto de que a maioria das vacinas estão contaminadas com uma quantidade de vírus conhecidos e ainda por descobrir, bactérias, fragmentos virais e fragmentos de ADN e ARN. E, além disso, que a ciência demonstra que esses contaminantes podem dar origem a doenças degenerativas a longo prazo, incluindo doenças degenerativas cerebrais. Isto raramente é discutido mas é de grande importância neste debate.

* Measles, Mumps, Rubella (vacina tríplice equivalente à VASPR em Portugal).

** Centro de Controlo de Doenças (instituição governamental dos EUA que será equivalente à Direcção Geral de Saúde em Portugal).

Pelo Dr. Russel Blaylock

Fonte: http://www.vaccinationcouncil.org/2012/02/18/the-deadly-impossibility-of-herd-immunity-through-vaccination-by-dr-russell-blaylock/