Etiqueta: cancro

Vírus do sarampo extingue tumor cancerígeno do tamanho duma bola de golfe em 36 horas

Vírus do sarampo extingue tumor cancerígeno do tamanho duma bola de golfe em 36 horas

O vírus do sarampo extingue tumor cancerígeno do tamanho duma bola de golfe em 36 horas

O sarampo pode ser uma “cura única para o cancro”, afirma um médico da Clínica Mayo

Os ensaios clínicos em andamento na Clínica Mayo estão a revelar um improvável aliado na luta contra o cancro… o vírus do sarampo.

Os cientistas há muito que sabem que ficar doente com o sarampo às vezes pode provocar uma redução espontânea no tamanho dos tumores, mas os recentes testes clínicos na Clínica Mayo demonstraram o potencial que o vírus tem para ser uma arma poderosa.

Num estudo de 2014, uma dose concentrada de sarampo colocou um paciente com cancro, em estágio avançado, em remissão a longo prazo.

A mulher em estado terminal havia sido tratada com todo o tipo de quimioterapias disponíveis e dois transplantes de células-tronco, apenas para reincidir sucessivamente.

Ela tinha um caso avançado de mieloma múltiplo, um cancro mortal do sangue difundido por todo o seu corpo e medula óssea, quando os investigadores propuseram-lhe um último recurso – uma dose enorme do sarampo.

Em cinco minutos, ela teve uma dor de cabeça e febre de 40.5º, seguida por vómitos e tremores.

No espaço de 36 horas, um tumor do tamanho de uma bola de golfe na sua testa tinha desaparecido, e duas semanas depois não havia nenhum cancro detectável no seu corpo.

“Foi o tratamento mais fácil que eu já fiz até agora”, afirmou à CNN.

A cepa do vírus foi projetacda e enfraquecida em laboratório, e depois de administrada numa dose forte o suficiente para vacinar 10 milhões de pessoas.

Tratar cancros com vírus não é novidade. Os cientistas da Clínica Mayo afirmam que a “viroterapia” tem sido usada com sucesso em milhares de pacientes com cancros, mas este é o primeiro caso de um paciente com cancro propagado por todo o corpo e entrar em remissão.

“Acho que tivemos sucesso porque aumentamos a dose mais do que nos outros”, afirmou o principal autor do estudo, o Dr. Stephen Russell.

“E eu acho que isso é crítico. A quantidade de vírus que está na corrente sanguínea é realmente o factor que determina o quanto penetra nos tumores.”

O vírus do sarampo faz as células cancerígenas unirem-se e explodirem, explica a pesquisadora da Clínica Mayo, a Dra. Angela Dispenzieri. Existem também evidências de que o vírus estimula o sistema imunológico, ajudando-o a reconhecer quaisquer células cancerígenas recorrentes e a “limpá-las”.

Ensaios clínicos subsequentes mostraram resultados similares com cancro do ovário, da mama e linfoma não-Hodgkin, de acordo com um estudo de 2016 intitulado “salvo pelo sarampo”. Os testes, actualmente, estão a avaliar o efeito do sarampo no glioblastoma multiforme, mesotelioma e carcinoma de células escamosas.

“Recentemente, começamos a pensar sobre a ideia de uma cura única para o cancro – e esse é o nosso objectivo com esta terapia”, afirmou Russell.

 

Comentário do autor: Fascinante. Na entrevista com a Dra. Stephanie Seneff, discutiu-se a ideia de que aquilo que pensamos serem bactérias e vírus patogénicos pode realmente servir como uma função útil para o organismo. Nós claramente temos uma compreensão bastante simplista de qual o efeito que os vírus e bactérias realmente têm sobre o organismo, tanto que, uma descoberta como esta, parece completamente desconcertante.

Fonte:https://www.sott.net/article/406958-Measles-virus-wipes-out-golf-ball-sized-cancer-tumor-in-36-hours

Compromisso entre a vacina e a doença enganando o sistema imunitário da criança

Compromisso entre a vacina e a doença enganando o sistema imunitário da criança

Compromisso entre a vacina e a doença enganando o sistema imunitário

Hoje em dia os formuladores de políticas, um após outro, parecem estar a promover políticas de vacinação sem isenções – apresentando um incessante e crescente volume de vacinas infantis que começa no período pré-natal e continua ao longo de toda a infância. Apesar desses esforços, a narrativa de que as vacinas mantêm as crianças saudáveis está rapidamente a desmoronar-se. As taxas de doenças crónicas e auto-imunes em crianças americanas subiram a níveis obscenos (54% na última contagem), concomitantemente com o aumento das taxas de vacinação – enquanto a expectativa de vida dos EUA está a diminuir.

Nenhum dos indivíduos que apresentam a vacinação como um bem inquestionável discute os compromissos envolvidos na adulteração do sistema imunológico humano primorosamente sofisticado, em particular durante os primeiros estágios de desenvolvimento da criança, nem reconhecem que as duas das premissas básicas da vacinação são inerentemente falsas:

  1. Tornou-se claro que a produção de anticorpos de curta duração que as vacinas buscam induzir não se compara à imunidade abrangente ao longo da vida que resulta da infecção natural.
  2. Uma análise honesta das estatísticas de saúde mostra que as vacinas exigem um alto custo quando redesenham o sistema imunológico das crianças e, ao invés de entrarem na vida adulta com saúde uma robusta, muitas crianças estão a pagar o preço através de alguma forma de disfunção imunológica nalgum momento da sua vida.

Criando um sistema imunitário desequilibrado

Os cientistas admiram o sistema imunitário como “o sistema mais complexo que o corpo humano possui”. É também um “modelo de versatilidade”, realizando uma impressionante variedade de funções essenciais. Estes incluem a diferenciação entre “eu inofensivo” e os invasores prejudiciais (por exemplo, bactérias, vírus, fungos ou toxinas), amplificação da resposta imune, excreção de detritos celulares (através de mecanismos como a febre, sudorese, erupção cutânea e expectoração) envolvimento na reparação de tecidos, interacção com o microbioma intestinal e muito mais.

Este sistema “incrivelmente preciso” tem dois braços coordenados. O sistema imunológico celular é caracterizado pela actividade dos glóbulos brancos que viajam para a(s) área(s) da infecção com o objectivo de eliminar as células infectadas. O sistema imunológico humoral estimula a formação de anticorpos que atacam as proteínas específicas do invasor (antígenos) para a sua destruição.

“Interferir com uma resposta imunológica tão precisa (o resultado de milhões de anos de afinação evolucionária) acarreta um risco massivo de consequências indesejadas – e essas consequências estão agora a manifestar-se sob a forma duma crise de auto-imunidade.”

A marca registada da vacinação é o ignorar da resposta mediada pelas células a favor de uma “infecção simulada”, enquanto incentiva uma resposta humoral desproporcional. De acordo com um novo e elegante livro do Dr. Thomas Cowan (Vacinas, Autoimunidade e Mudança da Natureza da Doença na Infância), essa supressão “imprudente” da resposta mediada por células é uma ideia muito má: “Interferir com uma resposta imune tão precisa (o resultado de “milhões de anos de aperfeiçoamento evolucionário”) acarreta um enorme risco de consequências não intencionais”- e essas consequências estão agora a manifestar-se sob a forma de uma crise de auto-imunidade.”

Cowan afirma:

“A provocação deliberada de anticorpos sem actividade mediada por células produz um desequilíbrio no nosso sistema imunológico e um estado de produção excessiva de anticorpos. Essa produção excessiva de anticorpos realmente define a doença autoimune. (…) Com milhões de pessoas que sofrem de doenças autoimunes, em número inédito antes da introdução dos programas de vacinação em massa, como é que essa associação pode ser considerada controversa?” [Ênfase no original]

Perdendo a protecção

A desregulação imunológica – incluindo a disfunção do tipo que é causada pela vacinação – está associada não apenas à autoimunidade mas também ao cancro, e os cancros infantis estão a subir em flecha.

Em contraste, muitas das doenças da infância outrora universais eram, de facto, protectoras contra vários tipos de cancro. Dito de outra forma, as infecções agudas, e em particular aquelas que causavam febre, eram historicamente “antagónicas ao cancro”. Por exemplo:

  • A papeira [caxumba] adquirida naturalmente gera imunidade contra o cancro do ovário através dos anticorpos contra um antigeno associado ao cancro.
  • Os indivíduos que tiveram doenças infecciosas indutoras da febre na infância (como a rubéola e a varicela) tinham um risco menor de cancros não relacionados com a mama, incluindo o melanoma e cancro do ovário.
  • As infecções agudas da infância protegem contra o linfoma de Hodgkin e o sarampo, em particular, protege contra o linfoma não-Hodgkin.

“As crianças que passam com sucesso pelo sarampo têm menos doenças cardíacas, artrite, alergias, doenças auto-imunes e, em geral, melhor saúde do que aquelas que nunca contraem sarampo.”

Apesar das histórias frenéticas dos meios de comunicação sobre os “surtos de sarampo”, existem várias razões para considerar a infecção natural pelo sarampo na infância, benéfica. Conforme resumido no livro de Cowan, “as crianças que passam com sucesso pelo sarampo têm menos doenças cardíacas, artrite, alergias, doenças auto-imunes e saúde em geral melhor do que aquelas que nunca contraem sarampo”.

A Children’s Health Defense evidenciou anteriormente como os benefícios do sarampo antigamente eram dados como garantidos até que, afirma Cowan, a vacina surgiu “e mudou a forma como pensamos sobre o sarampo”.

Ironicamente, o potencial dos vírus para servirem como “possíveis agentes de destruição de tumores” despertou o interesse há um século atrás, quando as experiências clínicas mostraram que, “dado o conjunto certo de condições, o cancro regrediria durante infecções virais naturalmente adquiridas“. Na era actual, o uso dos vírus como tratamento anti-cancro transformou-se no “campo respeitável” da viroterapia oncolítica, levando até mesmo a testes clínicos – e “o vírus do sarampo ainda representa um candidato altamente interessante para essa abordagem”.

As intervenções virais geneticamente modificadas também prometem lucros para a indústria farmacêutica, ao passo que o simples facto de permitir que as crianças contraiam o sarampo e adquiram sua protecção contra o cancro naturalmente, inviabiliza o lucro.

Infelizmente, o entusiasmo pelos vírus como “sérios concorrentes no tratamento do cancro” fortaleceu ainda mais a confiança dos cientistas nas cepas de vacinas contra o vírus do sarampo – que são, afinal, “passíveis de modificação genética em laboratório” – estimulando o zelo por uma “nova era” de engenharia da imunidade ”e mais fé deslocada para a “manipulação racional do sistema imunológico” que levou às vacinas em primeiro lugar (e se alguém está preocupado com o potencial desses vírus geneticamente modificados para provocarem mais consequências não intencionais, eles estão a guardar essas preocupações para si mesmos). As intervenções virais geneticamente modificadas também prometem lucros para a indústria farmacêutica, ao passo que o simples facto de permitir que as crianças contraiam o sarampo e adquiram sua protecção contra o cancro naturalmente, inviabiliza o lucro.

Apertando o cerco

Cada vez mais os arruaceiros das vacinas empregam estratégias que seriam impensáveis até há cinco anos atrás. Por exemplo, um hospital para crianças na Flórida, que está sob investigação por erros médicos e uma taxa inesperadamente alta de mortalidade em pacientes jovens de cirurgias cardíacas, anunciou recentemente que negará serviços a crianças não vacinadas ou parcialmente vacinadas e o hospital também está a “endurecer” relativamente às vacinas contra a gripe, exigindo não apenas aos funcionários, mas também aos “médicos não-funcionários, estudantes de medicina em formação, comerciais da indústria farmacêutica e de dispositivos médicos e voluntários”, que tomem a vacina ou, (no caso dos funcionários) correm o risco de serem despedidos. A razão citada para essas políticas não anunciadas é a da “segurança do paciente”.

As vacinas prejudicam a função normal do sistema imunológico e deixam as crianças e adultos vulneráveis a doenças crónicas muito mais graves.

À medida que essas tácticas de linha-dura se multiplicam, é vital tornar visível o fracasso do programa de vacinação dos EUA, aos olhos do público. O fenómeno, longe de ser invulgar, do fracasso da vacina em indivíduos vacinados, tornou bem claro que uma resposta de anticorpos induzida pela vacina – o típico indicador de “protecção” da vacina – é essencialmente inútil como garantia da imunidade real.

Pior ainda, as vacinas estão a prejudicar a função normal do sistema imunológico e a deixar as crianças e adultos vulneráveis às doenças crónicas muito mais graves. O status quo das vacinas pode não estar disposto a admitir que o paradigma da vacinação é fatalmente errado, mas é lamentavelmente aparente que, nas palavras do Dr. Cowan:

“As nossas comunidades, hospitais e escolas estão a transbordar com crianças doentes e com danos — padecendo com frequência de doenças que mal existiam há cem anos atrás”.

Fonte: https://childrenshealthdefense.org/news/vaccine-vs-disease-trade-offs-cheating-childrens-immune-systems/?utm_source=mailchimp

Consequências não intencionais: genes sujos nas vacinas

Consequências não intencionais: genes sujos nas vacinas

Consequências não intencionais genes sujos nas vacinas

O que acontece quando as nossas agências reguladoras governamentais, encarregues de proteger a saúde pública, não divulgam os riscos conhecidos pela indústria?

No caso dos vírus e ADN nas vacinas, a FDA [agência reguladora dos fármacos e alimentos nos EUA] observou, a nível interno, que:

“Pequenas quantidades de ADN de substrato celular residual inevitavelmente estão presentes em todas as vacinas virais, assim como em outros produtos biológicos produzidos que usam substratos celulares. Existem várias formas possíveis do ADN ser um factor de risco. O ADN pode ser oncogénico ou infeccioso. Para além disso pode causar a mutagénese por inserção através da integração no genoma do hospedeiro”.

Como todas as vacinas contêm ADN residual que tem potencial para ser oncogénico (causando cancro), mutagénico (alterando o seu código genético) e infeccioso, não é de grande preocupação que a secção 13 de cada folheto informativo da vacina afirme que o produto não foi avaliado para efeitos cancerígenos (causadores de cancro) ou mutagénicos?

A FDA continua, afirmando que:

“O uso de linhas celulares derivadas de tumores humanos apresenta preocupações de segurança adicionais em relação à potencial presença de vírus inesperados e desconhecidos. Estes incluem vírus que podem estar presentes na linhagem celular devido à sua existência no tecido do paciente, tais como vírus de ADN latentes oncogénicos (por exemplo adenovírus, hepadenovírus, herpesvírus, papilomavírus, poliomavírus) e retrovírus endógenos (ERVs), que existem normalmente num estado latente no ADN da célula hospedeira de todas as espécies…”

Isto sugere que estes vírus estão adormecidos e inativos e actualmente não se expressam e têm todo o potencial para causarem infecções se forem despertados. Esses vírus silenciosos e adormecidos só podem ser detectados nas células usadas para produzir vacinas se forem activados, expondo-se, pelo que a sua detecção é bastante problemática. Este é um problema de todas as cepas celulares usadas para produzir vacinas e não é exclusivo das células tumorigénicas humanas.

A engenheira genética Dr. Theresa Deisher, PhD em Fisiologia Molecular e Celular da Universidade de Stanford, com mais de 20 anos de experiência em biotecnologia, relata que:

“Células humanas, não as só danificadas, mas também as células humanas saudáveis, podem absorver ADN estranho espontaneamente. O ADN humano estranho captado pelas células humanas será transportado para os núcleos e integrado ao genoma do hospedeiro, o que causará mudança fenotípica”.

Então, aqui temos as provas de que o ADN humano nas vacinas seguintes tem o potencial de causar mudanças genéticas em todas as crianças que as recebem:

  1. Vacina contra o sarampo, papeira [caxumba], rubéola / MMR / tríplice viral
  2. Vacina contra a difteria, tétano, tosse convulsa [coqueluche] e poliomielite (DTaP / TdP)
  3. Vacina contra a varicela e zona
  4. Vacina contra a hepatite A
  5. Vacina antirábica
  6. Vacina contra a poliomielite
  7. Vacina contra a Haemophilus influenzae

De acordo com o Comité Consultivo de Práticas de Imunização [Advisory Committee on Immunization Practices ou ACIP] e dependendo dos produtos utilizados, uma criança tem o potencial de receber até seis injecções separadas que contêm ADN humano residual até aos dois anos de idade.
A FDA prossegue, discutindo o aspecto da segurança do ADN residual nas vacinas: o Dr. Peden, chefe do Laboratório de ADN de Vírus da FDA, afirma que:

“Depende do mecanismo de transformação. Por exemplo, mutações, rearranjos cromossómicos, translocações, retrotransposições, etc., envolvem ADN. Portanto, a redução do tamanho e da quantidade do ADN deverá mitigar esse risco” (ênfase a negrito adicionado).

A conclusão de que o tamanho do ADN reduzirá o risco de mutagénese e infecção é baseado em nada mais do que uma crença. Pesquisas mostram que em mamíferos, tal como nos humanos, o código genético é altamente repetitivo, o que significa que é homólogo (similar em estrutura).

Pequenos fragmentos de ADN são usados para obter modificações genéticas de forma terapêutica. Não é muito difícil imaginar que essa mesma observação também ocorra de forma não terapêutica:

“A substituição homóloga é usada para modificar sequências genéticas específicas do ADN cromossómico num processo denominado “substituição homóloga de fragmento pequeno”, onde fragmentos de DNA substituem o alvo genómico, resultando em mudanças específicas na sequência.”

Estudos mostram que é a genética do indivíduo que aumenta o risco e a susceptibilidade à natureza infecciosa do ADN e mutagénese de inserção:

“O ADN residual (rADN) é composto por fragmentos de ácido desoxirribonucleico (ADN) e moléculas de maior comprimento originadas do organismo hospedeiro que podem estar presentes em amostras de processos biológicos recombinantes. Embora similar em unidades básicas básicas de pares de bases, o rADN pode existir em diferentes tamanhos e formas físicas. O interesse em medir o rDNA em produtos recombinantes é baseado principalmente na demonstração de purificação efetiva durante a fabricação, mas também em algumas preocupações hipotéticas de que, em casos raros, dependendo do sistema de expressão do hospedeiro, algumas sequências de ADN podem ser potencialmente infecciosas ou oncogénicas (por exemplo, vírus HIV e o oncogene Ras, respectivamente)”.

O Dr. Peden prossegue afirmando que “nas células primárias e diplóides não há limites para a quantidade de ADN nas vacinas”. Isso significa que essas medidas de segurança para limitar a quantidade de ADN residual não se aplicam às vacinas de vírus vivos cultivadas em células diplóides humanas, como a MMR (tríplice viral) e varicela.

Além da abominação de modificar geneticamente os nossos filhos através da mutagénese de inserção de ADN de linhagem diplóide humana macho e fêmea sem um consentimento informado, há outro elefante na sala: a presença de retrovírus endógeno humano K (HERV-K) que foi encontrado na MMRII e VARIVAX. É importante notar que foram as cepas de células WI-38 e MRC-5 que contêm esse contaminante que foram usadas e, como tal, todo e qualquer produto usado com essas linhas de células irá conter HERV-K.

Consequências não intencionais genes sujos nas vacinas
Veja Victoria et al., (2010)

O retrovírus endógeno humano (HERV) está associado a uma miríade de estados de doenças crónicas:

“Vários mecanismos pelos quais os HERVs poderiam produzir efeitos patológicos foram propostos, incluindo a criação de novas variantes de HERVs, mutagénese de inserção e toxicidade proteica. A este respeito, a activação do HERV parece influenciar a agressividade de diferentes cancros, incluindo o seminoma, melanoma, leucemia, carcinoma hepatocelular, sarcoma, próstata, mama e cancro do cólon. Da mesma forma, o processo patológico de doenças reumáticas, lúpus eritematoso sistémico, esclerose múltipla, transtornos do espectro do autismo, esquizofrenia, transtorno bipolar, psoríase, diabetes tipo I e esclerose sistémica mostra uma correlação com a actividade do HERV ”.

Consequências não intencionais genes sujos nas vacinas

Os cancros infantis estão em ascensão e não podemos subestimar o papel que a injecção directa de HERV-K tem nesse contexto, em particular quando está directamente associado à leucemia, como pode ser visto aqui:

“Em pacientes com leucemia, a presença de anticorpos contra o HERV-K foi identificada, o que poderia sugerir um aumento da expressão do HERV-K em células leucémicas.”

E aqui:

“A resposta do anticorpo contra os peptídeos HERV-K foi relatada em pacientes com leucemia, sugerindo uma possível superexpressão dessa sequência em células leucémicas.”

Consequências não intencionais genes sujos nas vacinas

Aqui vemos que os vírus herpes reactivam o HERV:

“Os vírus herpes também podem ser um gatilho significativo na expressão do HERV no SNC. Vários relatos detectaram EBV, vírus herpes simplex tipo 1 (HSV-1), vírus varicela-zona (VZV) e vírus herpes humano tipo 6 (HHV-6) em amostras de pacientes com EM. Todos esses vírus herpes também demonstraram desencadear a expressão dos HERVs.”

Deve ser altamente preocupante para todos haver HERV-K na presença de um vírus herpes vivo, como é o caso da vacina VARIVAX (varicela-zona).

Dada a informação acima, parece que todas as vacinas são inerentemente perigosas e cada indivíduo, não uma agência governamental, deveria estar a fazer a sua própria análise de risco-benefício para o uso desses produtos. Isso também significa que todos estamos a participar numa experiência com a qual não concordamos e sobre a qual ainda estamos a descobrir quais as consequências não intencionais do consumo desses produtos.

Não é um segredo – embora raramente seja debatido pelos meios de comunicação e profissionais médicos a quem confiamos os nossos filhos – que as infecções para as quais temos vacinas eram infecções infantis agudas, auto-limitadas, comuns, como pode ser visto aqui neste artigo fundamentado com uma pesquisa muito boa:

Consequências não intencionais genes sujos nas vacinas
Número de mortes estimado por cada tipo de acidente [dados dos EUA]. Fonte

Antes da vacinação, o risco de morrer dessas infecções ainda é menor do que o risco de morrer com um relâmpafo, sufocado ou escorregar no chuveiro. Era pouco frequente a criança ter um resultado adverso dessas infecções. Assim como é fora de vulgar a criança ter um resultado adverso com a vacinação, talvez tenhamos apenas trocado uma criança geneticamente susceptível por outra?

O Dr. James Lyons-Weiler explicou melhor:

“Se nós, como sociedade, desfrutamos do benefício colectivo da proteção contra doenças infecciosas devido às vacinas então, como sociedade, partilhamos a responsabilidade colectiva de proteger aqueles que correm um maior risco de danos das vacinas. Chega de propaganda que afirma que não existem riscos. Chega. Genética e atenção cuidadosa aos factores de risco confiáveis terão um papel fundamental na protecção daqueles que são mais susceptíveis…”.

Agora que 54% das nossas crianças sofrem de pelo menos uma de 20 doenças crónicas, incluindo transtornos do neurodesenvolvimento, distúrbios convulsivos, alergias severas, doenças auto-imunes e cancro, começamos a perceber que, se tem uma criança saudável, agora faz parte da minoria. Talvez seja hora de voltarmos às nossas raízes e abraçarmos os remédios naturais. Talvez seja a hora de pararmos de acreditar nos produtos farmacêuticos e nos médicos que os prescrevem em exclusivo. Talvez tenha chegado o momento de separarmos as grandes farmacêuticas e o estado.

Fonte: https://www.ipakmedicalhealthnews.com/home/unintended-consequences-dirty-genes-in-vaccines?fbclid=IwAR1kICgMTxPKzaXk5gAJd-YNW1M569xQYMRaRJSAD8OHWwlSYmGUjEw9lUs