Categoria: Vacinados Vs Não Vacinados

Pesquisas governamentais confirmam que o sarampo é propagado pelos vacinados

Pesquisas governamentais confirmam que o sarampo é propagado pelos vacinados

Pesquisas governamentais confirmam que o sarampo é propagado pelos vacinadosAs pesquisas revelam que um indivíduo vacinado não só pode ser infectado com o sarampo, como também o pode transmitir a outras pessoas que também estão vacinadas contra ele – duplamente refutando a tese de que a administração de doses múltiplas da vacina da tríplice viral é “97% eficaz”, como é amplamente alegado.

Um dos erros fundamentais no pensamento sobre a eficácia da vacina contra o sarampo é que receber a vacina contra o sarampo-papeira-rubéola (MMR) equivale à imunidade genuína contra o vírus do sarampo. De facto, é frequentemente alegado por organizações de saúde como o Centro de Controlo de Doenças [CDC] dos EUA que receber duas doses da vacina MMR é “97% eficaz na prevenção do sarampo”, apesar de um corpo volumoso de evidências contraditórias de epidemiologia e experiência clínica.

Esse pensamento erróneo levou o público, os meios de comunicação e o governo a atribuirem a origem dos surtos de sarampo, como o relatado na Disney em 2015 (e que levou à aprovação da lei SB277 naquele ano, retirando as isenções de vacinação por quaisquer razões médicas) na Califórnia, aos não vacinados, embora 18% dos casos de sarampo tenham ocorrido naqueles que foram vacinados contra o mesmo – dificilmente as duas doses da vacina alegaram “97% de eficácia”. A falibilidade óbvia da vacina também é indiciada pelo facto de que o CDC agora requer duas doses.

Mas os problemas ao redor das falhas da vacina da tríplice viral são muito mais profundos. Primeiro, eles acarretam riscos de saúde profundos (mais de 25 dos quais indexados aqui: riscos de vacina da tríplice viral), incluindo aumento do risco de autismo, que um cientista sénior do CDC confessou que a sua agência encobriu e que não justifica o risco, dado que o sarampo não só não é mortal, como também confere benefícios significativos à saúde que foram validados na literatura biomédica. Em segundo lugar a vacina MMR não só não confere consistentemente imunidade, como aqueles que foram “imunizados” com duas doses da vacina da tríplice viral ainda podem transmitir a infecção a outros – um fenómeno que ninguém relata na corrida para culpar os vacinados pelos surtos.

Os vacinados com a vacina da tríplice viral ainda podem propagar o Sarampo

Há três anos, um estudo inovador publicado na revista Clinical Infectious Diseases, em cuja lista de autores estavam incluídos cientistas que trabalhavam para o Departamento de Imunização, Departamento de Saúde e Higiene Mental de Nova York, para o Centro Nacional de Imunização e Doenças Respiratórias e para o Centro de Controlo de Doenças (CDC), examinou evidências do surto de sarampo de Nova Iorque de 2011, de que indivíduos com a vacinação prévia contra o sarampo e imunidade conferida pela vacina eram ambos capazes de serem infectados pelo sarampo e infectarem outras pessoas com ele (transmissão secundária).

Essa descoberta até despertou a atenção dos principais noticiários, como este artigo da Sciencemag.org de abril de 2014 intitulado “surto de sarampo rasteado até paciente totalmente vacinado, pela primeira vez“.

Intitulado “surto de sarampo entre pessoas com evidências prévias de imunidade, Cidade de Nova Iorque, 2011“, o estudo inovador reconheceu que “o sarampo pode ocorrer em indivíduos vacinados, mas a transmissão secundária por tais indivíduos não foi documentada”.

A fim de descobrirem se os indivíduos em conformidade com a vacina contra o sarampo são capazes de serem infectados e transmitirem a infecção a outras pessoas, eles avaliaram os casos suspeitos e indivíduos expostos durante o surto de sarampo de 2011 em Nova York. Eles focaram-se num paciente que recebeu duas doses da vacina que continha sarampo e descobriu que,

“Dos 88 contactos foram confirmados quatro casos secundários que continham duas doses de vacina contendo sarampo ou um anticorpo IgG positivo para o sarampo. Todos os casos tinham confirmação laboratorial de infecção por sarampo, sintomas clínicos compatíveis com sarampo e anticorpos de IgG de alta avidez característicos de uma resposta imune secundária”.

A conclusão é notável:

“Este é o primeiro relato de transmissão de sarampo por um indivíduo vacinado duas vezes. A apresentação clínica e os dados laboratoriais do índice eram típicos do sarampo num indivíduo não vacinado. Os casos secundários tinham respostas anamnésticas robustas. Não ocorreram casos terciários apesar de numerosos contactos. O surto enfatiza a necessidade de uma investigação epidemiológica e laboratorial completa dos casos suspeitos de sarampo, independentemente do estado da vacinação”

Consegue acompanhar o racciocínio? Verificou-se que um indivíduo vacinado duas vezes, num surto de sarampo em Nova Iorque transmitiu o sarampo a quatro dos seus contactos, dois dos quais receberam duas doses da vacina MMR e tiveram resultados de anticorpos IgG contra o sarampo, presumivelmente, preventivos.

Este fenómeno – o de um indivíduo que cumpre o plano de vacinação da tríplice viral infectar outros indivíduos cumpridores do plano de vacinação da mesma vacina – tem sido ignorado pelas agências de saúde e pelos meios de comunicação. Esses dados corroboram a possibilidade de que, durante o surto de sarampo da Disney, os 18% previamente vacinados (qualquer um dos 18% que se saiba ter sido infectado) possam ter infectado ou já estarem propagando o sarampo de uma vacina e transmitido o sarampo aos vacinados e não vacinados.

Para além disso, esses cientistas do CDC e da Agência de Imunização de Nova Iorque identificaram a “necessidade” de haver uma “investigação epidemiológica e laboratorial completa dos casos suspeitos de sarampo independentemente do estado da vacinação” ou seja, os investigadores devem descartar a falha da vacina e a infecção por indivíduos totalmente infectados como parte preponderante dos surtos de sarampo.

Em vez disso o que está a acontecer agora é que no momento em que ocorre um surto de sarampo, uma atitude reflexiva de “culpar a vítima” é tomada, e os organismos de saúde e meios de comunicação e / ou saúde relatam o surto como se tivesse sido provado que as vítimas estão sub-vacinados ou não vacinados – muitas vezes sem evidências suficientes para suportarem essas alegações. Claramente, as partes interessadas no debate entre vacinar / não-vacinar precisam de olhar para a situação através da lente das evidências em si e não da ciência por meio das proclamações ou apelos à autoridade.

Surpreendentemente, a verdade foi suprimida ao longo de décadas. Há vinte anos atrás, a vacina da trípllice viral infectou virtualmente todos os seus receptores com sarampo. Os cientistas que trabalham no Centro Nacional de Doenças Infecciosas do CDC, financiado pela Organização Mundial de Saúde e pelo Programa Nacional de Vacinas, descobriram algo realmente perturbador sobre a vacina da MMR: ela leva à infecção detectável pelo sarampo na vasta maioria daqueles que a recebem. A fabricante da vacina MMR, a Merck, descreve na bula que a vacina pode causar a encefalite por inclusão de sarampo (MIBE), uma forma rara, mas potencialmente fatal, de infecção cerebral pelo sarampo. Saiba mais lendo meu artigo sobre o tema “O sarampo é propagado pelos vacinados: Os documentos da Organização Mundial de Saúde, Merck e do CDC confirmam“.

Parem de deitar as culpas de uma vacina que funciona nos não vacinados

A moral desta história é que não pode culpar os pais que não vacinam pela morbidade e mortalidade de doenças infecciosas quando a vacinação não resulta em imunidade e não impede que aqueles que são vacinados infectem outras pessoas. De facto, os surtos secundados pelas falhas da vacina contra o sarampo e a disseminação em até 99% das populações cobertas pela imunização ocorrem desde há décadas. Aqui estão apenas alguns exemplos relatados na literatura médica:

  • 1985, Texas, EUA: De acordo com um artigo publicado no New England Journal of Medicine em 1987, “um surto de sarampo ocorreu entre adolescentes de Corpus Christi, Texas, na Primavera de 1985, embora os requisitos de vacinação para a frequência escolar tivessem sido completamente cumpridos”. Eles concluíram: “Concluímos que surtos de sarampo podem ocorrer em escolas secundárias, mesmo quando mais de 99% dos estudantes foram vacinados e mais de 95% estão imune”. 1
  • 1985, Montana, EUA: De acordo com um artigo publicado no American Journal of Epidemiology intitulado “Um surto persistente de sarampo, apesar das medidas apropriadas de prevenção e controlo”, um surto de 137 casos de sarampo ocorreu em Montana. Os registos escolares indicaram que 98,7% dos estudantes foram adequadamente vacinados, levando os investigadores a concluirem que: “Este surto sugere que a transmissão do sarampo pode persistir em alguns contextos, apesar da implementação apropriada da actual estratégia de eliminação do sarampo”.
  • 1988, Colorado, EUA: De acordo com um artigo publicado no American Journal of Public Health em 1991, “no início de 1988 um surto de 84 casos de sarampo ocorreu numa faculdade do Colorado em que mais de 98 por cento dos estudantes tinham a documentação de imunidade adequada contra o sarampo… devido a uma exigência de imunização em vigor desde 1986. Eles concluíram: “(…) os surtos de sarampo podem ocorrer em populações universitárias altamente vacinadas”. 3
  • 1989, Quebec, Canadá: Segundo um artigo publicado no Canadian Journal of Public Health em 1991, o surto de sarampo de 1989 foi “amplamente atribuído a uma cobertura vacinal incompleta”, mas após uma extensa revisão, os investigadores concluíram que “a cobertura vacinal incompleta não era uma explicação válida para o surto de sarampo na cidade de Québec”. 4
  • 1991-1992, Rio de Janeiro, Brasil: De acordo com um artigo publicado na Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, no surto de sarampo de Março de 1991 a Abril de 1992 no Rio de Janeiro, 76,4% dos suspeitos de infecção tinham recebido a vacina contra o sarampo antes do primeiro aniversário. 5
  • 1992, Cidade do Cabo, África do Sul: De acordo com um artigo publicado no South African Medical Journal em 1994, “[Em] Agosto de 1992, um surto ocorreu, com casos relatados em muitas escolas em crianças presumivelmente imunizadas”. A cobertura de imunização contra o sarampo foi de 91% e a eficácia da vacina foi de apenas 79%, levando-os a concluir que a falha primária e secundária da vacina era uma possível explicação para o surto. 6

Existem muitos outros exemplos da falha abjeta da vacina contra o sarampo, incluindo um estudo publicado na PLoS intitulado “dificuldades na eliminação do sarampo e no controlo da rubéola e papeira [caxumba]: um estudo transversal duma primeira vacinação contra sarampo e rubéola e de uma segunda vacinação contra o sarampo, papeira [caxumba] e rubélula” e que trouxe à luz a gritante ineficácia das duas vacinas contra o sarampo (sarampo-rubéola (MR) ou sarampo-papeira-rubéola (MMR)) no cumprimento da sua promessa amplamente reivindicada de prevenir surtos em populações altamente compatíveis com vacinas. Nós mergulhamos profundamente nas implicações deste estudo no nosso artigo intitulado “Porque é que a China tem surtos de sarampo quando 99% são vacinados?

O exemplo mais recente foi divulgado no site do CDC hoje num relatório intitulado “Surto de Sarampo numa população altamente Vacinada em Israel, de Julho a Agosto de 2017“, onde eles mencionam um paciente zero que recebeu três doses de tríplice viral. Não é de surpreender que o CDC não tenha chegado à conclusão óbvia de que a vacina da tríplice viral falhou mas, pelo contrário, pedem para os médicos considerarem a possibilidade do paciente ter sarampo quando examinam alguém com sintomas de febre e erupção cutânea, mesmo quando o paciente é vacinado.

Pesquisas governamentais confirmam que o sarampo é propagado pelos vacinadosFonte: Centro de Controlo de Doenças dos EUA

Estes sete surtos não são de forma alguma representativos da literatura biomédica, mas ilustram o quanto o público em geral está a ser enganado sobre a eficácia das vacinas contra o sarampo e a agenda de vacinação em geral. Nenhuma quantidade de ignorância histórica irá apagar o facto de que a vacinação equivale à imunização e que a antigenicidade não é igual a imunogenicidade.

Tão pouco os efeitos adversos, não intencionais, da tríplice viral e de outras vacinas nas agendas de vacinação são retratados com precisão, impedindo o acesso ao princípio ético médico do consentimento informado.

Para saber mais sobre este assunto leia o meu artigo anterior, “O sarampo propagado pelos vacinados: Documentos da Organização Mundial de Saúde, Merck e CDC confirmam“.

REFERÊNCIAS

1T L Gustafson, A W Lievens, P A Brunell, R G Moellenberg, C M Buttery, L M Sehulster. Measles outbreak in a fully immunized secondary-school population. N Engl J Med. 1987 Mar 26 ;316(13):771-4. PMID: 3821823

2R M Davis, E D Whitman, W A Orenstein, S R Preblud, L E Markowitz, A R Hinman. A persistent outbreak of measles despite appropriate prevention and control measures. Am J Epidemiol. 1987 Sep ;126(3):438-49. PMID: 3618578

3B S Hersh, L E Markowitz, R E Hoffman, D R Hoff, M J Doran, J C Fleishman, S R Preblud, W A Orenstein. A measles outbreak at a college with a prematriculation immunization requirement. Am J Public Health. 1991 Mar ;81(3):360-4. PMID: 1994745

4N Boulianne, G De Serres, B Duval, J R Joly, F Meyer, P Déry, M Alary, D Le Hénaff, N Thériault.[Major measles epidemic in the region of Quebec despite a 99% vaccine coverage]. Can J Public Health. 1991 May-Jun;82(3):189-90. PMID: 1884314

5S A de Oliveira, W N Soares, M O Dalston, M T de Almeida, A J Costa. Clinical and epidemiological findings during a measles outbreak occurring in a population with a high vaccination coverage. Rev Soc Bras Med Trop. 1995 Oct-Dec;28(4):339-43. PMID: 866883

6N Coetzee, G D Hussey, G Visser, P Barron, A Keen. The 1992 measles epidemic in Cape Town–a changing epidemiological pattern. S Afr Med J. 1994 Mar ;84(3):145-9. PMID: 7740350

Fonte: http://www.greenmedinfo.com/blog/measles-transmitted-vaccinated-gov-researchers-confirm

As Enormes Mentiras sobre as Vacinas

As Enormes Mentiras sobre as Vacinas

As Enormes Mentiras sobre as Vacinas

Colocadas as mentiras sobre vacinas no contexto de uma sessão de perguntas e respostas:

P: Digamos que aceito a ideia de que as vacinas dão protecção contra as doenças. As vacinas criam imunidade. Qual é o problema? Porque é que eu me deveria preocupar? Porque é que eu deveria procurar informações fora dos meios convencionais?

R: Bem, vamos começar por aqui. A teoria da vacinação afirma que as vacinas fazem com que o sistema imunológico de uma pessoa entre em acção contra um germe em particular que é colocado na vacina. Este é um “ensaio” que prepara o sistema imunológico para reagir quando a doença e o germe reais vierem mais tarde. Faz sentido?

P: Sim. Isso foi o que me ensinaram.

R: Mas repare, há uma vacina (da Hepatite B) que é administrada a bebés logo no dia em que nascem. O bebé não possui um sistema imunológico próprio. Na verdade, alguns investigadores afirmam que uma criança não desenvolve completamente o seu próprio sistema imunológico até os 12-14 anos.

P: Ai é? Como assim?

R: Uma vacina não pode criar o “ensaio” desejado, a menos que o destinatário tenha seu próprio sistema imunológico. Isso é óbvio.

P: Mas isso significaria que a vacina não pode funcionar ao longo daqueles anos em que uma criança não possui seu próprio sistema imunológico completamente desenvolvido.

R: Correcto.

P: Mas, então, todos os especialistas estariam errados.

R: Isso mesmo.

P: E quanto aos idosos? Nós ouvimos constantemente que eles devem receber vacinas porque têm sistemas imunológicos fracos.

R: Essa é outra informação falsa. As vacinas não podem tornar um sistema imunitário fraco mais forte. De acordo com a sabedoria convencional, as vacinas apenas preparam um sistema imunitário funcional para uma doença que virá mais tarde. Na verdade, uma vacinação dada a pessoas cujo sistema imunológico é fraco pode ter um efeito decididamente negativo. A vacinação pode sobrecarregar o sistema imunitário fraco.

P: Mas temos uma grande quantidade de informações que afirmam que as vacinas aniquilaram as doenças tradicionais. A taxa de sucesso foi notável.

A: Dois pontos aqui. Como Ivan Illich afirma no seu livro, Nemesis Médica:

“A taxa de mortalidade combinada da escarlatina, difteria, tosse convulsa e sarampo entre as crianças até quinze anos mostra que quase 90 por cento do declínio total da mortalidade entre 1860 e 1965 ocorreu antes da introdução dos antibióticos e da imunização generalizada. Em parte, esta recessão pode ser atribuída à melhoria das condições de habitação e à diminuição da virulência dos microrganismos mas, de longe, o factor mais importante foi a maior resistência do hospedeiro devido à melhor nutrição. ” (Ivan Illich, Medical Nemesis, Bantam Books, 1977)

P: E qual é o outro ponto?

R: Quando os especialistas afirmam que as vacinas aniquilaram as doenças tradicionais, o que é que eles estão realmente a dizer? Eles estão a dizer que os sintomas visíveis dessas doenças raramente são vistos, em comparação com as décadas anteriores. Mas porque é que esses sintomas visíveis se tornaram residuais?

P: Sim, porquê?

R: Pode ser porque esses sintomas foram eliminados. Mas pode ser também porque esses sintomas foram suprimidos.

P: Eu não estou a entender.

R: Considere os sintomas básicos do sarampo. Erupções cutâneas, febre. Na abordagem convencional eles são simplesmente o resultado da infecção pelo vírus do sarampo? Não. Os sintomas são uma combinação da infecção e da reacção do sistema imunológico do organismo ao germe. Essa reacção – a resposta inflamatória – é a tentativa do corpo de se descartar dos efeitos do germe. É POR ISSO QUE VEMOS OS SINTOMAS.

P: Ai é? Como assim?

R: As vacinas contêm elementos tóxicos. Germes, produtos químicos como o alumínio e o formaldeído. Se essas substâncias tóxicas enfraquecem o sistema imunológico, então NÃO haverá uma resposta inflamatória completa. O sistema imunológico não será capaz de montar essa resposta. Portanto, os sintomas visíveis da doença não aparecerão quando a doença real vier. Entende?

P: Sim. O sistema imunológico estará muito fraco para lutar.

R: A vacinação enfraquece o sistema imunológico. Então, quando a doença do sarampo chega posteriormente, a pessoa que recebeu a vacina não conseguirá confronta-la facilmente. Portanto, não verá as erupções cutâneas e a febre. As erupções cutâneas e a febre ocorrem quando o sistema imunológico é capaz de montar uma resposta completa.

P: Portanto?..

R: Portanto, após as campanhas de vacinação em massa contra o sarampo parecerá que o sarampo foi aniquilado porque, em geral, não vemos os sintomas tradicionais. Mas isso é uma ilusão. O sarampo realmente não foi exterminado. Em vez disso, as pessoas agora sofrem com um sistema imunológico mais fraco e os sintomas disso serão diferentes.

P: Essa é uma ideia perturbadora.

R: Sim é. Porque agora estamos a falar de doenças crónicas e não do sarampo agudo que se elimina rapidamente na presença de um sistema imunológico totalmente funcional.

P: Espere um minuto. Durante muito tempo milhões de casos de sarampo foram relatados no Terceiro Mundo, onde o sistema imunológico das crianças é muito fraco. Portanto, os sintomas do sarampo foram visíveis.

R: Sim. Digamos que o sistema imunológico dessas crianças foi, ao mesmo tempo, forte o suficiente para montar uma resposta inflamatória. É por isso que as erupções e a febre apareceram. Mas, depois da vacinação com elementos tóxicos, deixou de ser esse o caso. Todas essas crianças estavam agora “abaixo da linha”. Quando o sarampo surgiu deixamos de ver os sintomas. Após a vacinação, o seu sistema imunológico tornou-se muito fraco para montar a resposta inflamatória. Isso não é “eliminar o sarampo”. Isso é “substituir o sarampo pelas doenças crónicas”.

P: Parece estar a dizer que precisamos de fortalecer o sistema imunológico das pessoas. Essa é a verdadeira resposta. Então as crianças terão doenças verdadeiras e vão supera-las – e então elas terão imunidade para o resto da vida.

R: Sim, absolutamente.

P: Qual o “tratamento” médico que poderá conseguir isso?

R: Não há nenhum. Reforçar o sistema imunológico de uma pessoa é uma situação não médica. Envolve uma melhor nutrição, melhor higienização local e outros factores, nenhum dos quais tem que ver com o tratamento médico.

P: Também afirma que um sistema imunológico fraco abre a porta a todo tipo de doenças.

R: Correto. A vacinação não pode curar um sistema imunológico fraco. A solução não deve ser médica.

P: Imagino que essa ideia não seja apelativa para os médicos.

R: Dizer que não é apelativa é muito lisongeiro.

P: Mas deve haver uma solução médica para os sistemas imunológicos fracos.

R: Porquê?

P: Porque se não houver então tudo o que nos ensinaram está errado.

R: E não consegue aceitar isso?

P: Se eu aceitasse isso significaria que o sistema médico tem uma grande responsabilidade na debilidade do sistema imunológico das pessoas.

R: E a interminável propaganda diz-lhe que isso não pode ser verdade.

P: Certo.

R: E de quem é esse problema?

[SILÊNCIO]

P: Eu não quero pensar sobre isso. Prefiro enterrar minha cabeça na areia. Deixe-me mudar a conversa para algo sobre o qual escreveu – a vacina contra a gripe. Isso também me incomoda. Citou o autor Peter Doshi, que publicou um artigo no BMJ Journal. Posso citá-lo?

R: À vontade. Continue.

P:

“O Dr. Peter Doshi, no BMJ online (British Medical Journal), revela uma monstruosidade”.

“Como a Doshi afirma, todos os anos centenas de milhares de amostras respiratórias são retiradas de pacientes com gripe nos EUA e testadas em laboratórios. Aqui está destaque: apenas uma pequena percentagem dessas amostras evidencia a presença de um vírus da gripe”.

“Isso significa: a maioria das pessoas na América e que são diagnosticadas por médicos com a gripe não têm o vírus da gripe no corpo”.

“Então eles não têm gripe”.

“Portanto, mesmo que assuma que a vacina contra a gripe é útil e segura, não pode prevenir todos aqueles “casos de gripe” que não são casos de gripe”.

“A vacina nunca poderia funcionar”.

“A vacina não é projectada para prevenir a falsa gripe, a menos que os porcos tenham asas”.

“Aqui está a citação exacta da revisão do BMJ por Peter Doshi, (BMJ 2013; 346: f3037)”:

“…mesmo a vacina ideal contra a gripe, combinada perfeitamente com as cepas circulantes da gripe selvagem e capaz de parar todos os vírus da gripe, só pode lidar com uma pequena parte do problema da “gripe” porque a maioria das “gripes”parece não ter nada a ver com gripe. Todos os anos, centenas de milhares de espécimes respiratórios são testados por todos os EUA. Daqueles testados, em média 16% são validados como gripes”.

“(…) Não é de admirar que muitas pessoas sintam que as “vacinas contra a gripe” não funcionam: para a maioria das gripes não podem”. (Fim da citação de Doshi)

“Porque a maioria dos casos diagnosticados de gripe não são gripe”.

“Então, mesmo se for um verdadeiro crente na teoria das vacinas, está a cair num engodo. Eles estão a aldraba-lo.”

R: Tem alguma pergunta sobre isso?

P: É mais como uma… é chocante. Profundamente chocante.

R: É suposto ser chocante. Os factos às vezes são.

P: Mas como é que isto consegue escapar ao jornalismo convencional? Porque é que esta história de proporções gigantescas não é relatada na imprensa? Porque é que o governo não investiga isto?

R: Porque é que não responde à sua própria pergunta?

P: Porque eu tenho medo de ficar em estado de choque com a minha resposta.

R: E de quem é esse problema?

[SILÊNCIO]

Estudo conclui que a vacina da tríplice bacteriana aumenta a mortalidade em lactentes, 5 a 10 vezes mais em comparação com lactentes não vacinados

Estudo conclui que a vacina da tríplice bacteriana aumenta a mortalidade em lactentes, 5 a 10 vezes mais em comparação com lactentes não vacinados

Tríplice Viral. Durante muitos anos os defensores da saúde pública apelaram em vão ao CDC [Centro para o controlo de Doenças dos EUA] e à Organização Mundial de Saúde para realizarem estudos que comparassem as populações vacinadas versus as não vacinadas para medirem os resultados globais de saúde. Agora, uma equipa de cientistas escandinavos realizou um estudo deste tipo e os resultados são alarmantes. Esse estudo, financiado em parte pelo governo dinamarquês e liderado pelo Dr. Soren Wengel Mogensen, foi publicado em Janeiro na EBioMedicine. Mogensen e a sua equipa de cientistas descobriram que as crianças africanas inoculadas com a vacina DTP (difteria, tétano e tosse convulsa), durante o início dos anos 80, tiveram uma mortalidade entre 5 e 10 vezes maior do que a dos seus pares não vacinados.

Os dados sugerem que, embora a vacina tenha protegido contra a infecção dessas três bactérias, torna as crianças mais susceptíveis a morrerem de outras causas.

Os cientistas chamam o estudo de “experiência natural”, já que um sistema de vacinação baseado em aniversários empregue pelo Projecto de Saúde Bandim (BHP) na Guiné-Bissau, na África Ocidental teve o efeito de criar uma coorte vacinada e um grupo controlo não vacinado similarmente situado. No período de tempo coberto por este estudo, a Guiné-Bissau tinha taxas de mortalidade infantil de 50% para crianças até aos cinco anos de idade. A partir de 1978, os profissionais de saúde da BHP contactaram as mães grávidas e encorajaram-nas a visitarem as sessões de pesagem infantil fornecidas por uma equipa BHP três meses após o nascimento do filho. A partir de 1981, a BHP ofereceu vacinas nas sessões de pesagem. Uma vez que as vacinas DPT e OPV (polio oral) foram oferecidas somente a crianças com pelo menos três meses de idade nas sessões de pesagem, os aniversários aleatórios das crianças permitiram a análise de óbitos entre os 3 e 5 meses de idade, dependendo do status da vacinação. Assim, por exemplo, uma criança nascida a 1 de Janeiro e pesada a 1 de Abril seria vacinada, mas uma criança nascida no dia 1 de Fevereiro não seria vacinada até à sua próxima visita dos 5 meses a 1 de Julho.

Na primeira análise, os lactentes vacinados com DTP experimentaram mortalidade cinco vezes maior que os lactentes não vacinados com DTP. A mortalidades para as meninas vacinadas era de 9,9 vezes mais do que aquelas no grupo de controlo não vacinado, enquanto a mortalidade para os meninos vacinados era 3,93 vezes mais do que o de controlo. Estranhamente, os cientistas descobriram que as crianças que receberam a vacina oral contra a poliomielite simultaneamente com a DTP se saíram muito melhor do que as crianças que não o fizeram. A vacina de OPV parece ter mitigado o efeito negativo da vacina DTP, reduzindo a mortalidade para 3,52 vezes a do grupo controle. No geral, a mortalidade entre crianças vacinadas foi 10 vezes maior do que a do grupo controlo quando as crianças receberam apenas a DTP.

Mogensen e os seus colegas sugerem que a vacina DTP pode enfraquecer o sistema imunológico da criança contra infecções não-alvo. Eles concluem

Embora proteja contra a doença alvo, a DTP pode aumentar a susceptibilidade a infecções não relacionadas… a DTP foi associada a uma mortalidade 5 vezes maior do que nos não vacinados. Nenhum estudo prospectivo demonstrou efeitos de sobrevivência benéficos da DTP.

O estudo de Mogensen apoia as conclusões das investigações anteriores sobre a sobrevivência da criança após a vacinação. Um estudo anterior do Dr. Peter Aaby, sobre a introdução do DTP na Guiné-Bissau rural, indicou uma mortalidade 2 vezes maior entre as crianças vacinadas (Aaby et al., 2004a). O relatório Aaby é um dos vários estudos iniciais que documentaram o status da vacinação e seguiram crianças de forma prospectiva. Todos eles indicaram que as crianças vacinadas com DTP morreram em taxas muito superiores à mortalidade entre o grupo de controlo. Uma metanálise de todos os oito estudos conhecidos encontrou uma mortalidade duas vezes maior nos vacinados com DTP comparativamente aos não vacinados com DTP (Aaby et al., 2016) (Apêndice A).

Em 2014, o Grupo Estratégico Consultivo de Especialistas em Imunização (SAGE) da Organização Mundial de Saúde (OMS) realizou a sua própria revisão da literatura sobre os potenciais efeitos não específicos (NSEs) de várias vacinas, incluindo a DTP, e constatou que a maioria dos estudos relatou um efeito prejudicial da DTP (Higgins et al., 2014, Grupo Consultivo Estratégico de Peritos de Imunização, 2014) devido à sua propensão para aumentar a susceptibilidade a infecções não relacionadas. O SAGE recomendou pesquisas adicionais.

Para além disso, Mogensen e os seus colegas observam que os estudos revistos ​​pelo SAGE provavelmente subestimaram o efeito letal da vacina DTP por causa da mortalidade invulgarmente alta nos grupos de controlo:

As crianças não vacinadas nesses estudos geralmente eram crianças frágeis, muito doentes ou desnutridas para serem vacinadas e os estudos podem, portanto, ter subestimado o efeito negativo da DTP .

O estudo de Mogensen procurou evitar esta armadilha utilizando controlos seleccionados por aniversário e eliminando crianças com baixo peso e órfãos tanto do grupo de estudo como do grupo de controlo. Incluía apenas crianças amamentadas. Todas as crianças estavam saudáveis ​​no momento da vacinação. No entanto, os autores do estudo de Mogensen destacam que, mesmo no seu estudo, as crianças não vacinadas apresentaram um estado nutricional ligeiramente pior e viajaram mais – vieses que tendem a aumentar a mortalidade. Eles concluem que “a estimativa da experiência natural pode, portanto, ainda ser conservadora”.

A importância das descobertas do estudo de Mogensen é sublinhada pela observação de que

Infelizmente, a DTP é a vacina mais utilizada e a proporção que recebe DTP3 é usada globalmente como indicador do desempenho dos programas nacionais de vacinação.

Os autores concluem com uma repreensão forte aos reguladores da saúde pública,

Deve ser motivo de preocupação que o efeito das vacinações de rotina sobre a mortalidade, por todas as causas, não tenha sido testada em ensaios aleatórios. Todas as evidências actualmente disponíveis sugerem que a vacina DTP pode matar mais crianças devido a outras causas que não a difteria, tétano ou tosse convulsa. Embora uma vacina proteja as crianças contra a doença-alvo pode simultaneamente aumentar a susceptibilidade a infecções não relacionadas.

Essas palavras devem servir como um balde de água fria e um apelo à acção da Organização Mundial de Saúde (OMS), do CDC e de outros funcionários de saúde pública. O público, tanto nos países pobres como nos ricos, tem o direito a provas cientificamente fundamentadas de que os programas internacionais de vacinação são tão seguros quanto possível e que foram completamente testados ao nível da segurança. As melhores métricas para medir a segurança são estudos que comparam os resultados de saúde de coortes vacinados versus não vacinados. No entanto, tanto o CDC como a OMS têm desencorajado agressivamente o desenvolvimento de tais estudos.

Finalmente, é importante notar que a vacina DTP usada na Guiné-Bissau no início da década de 1980 quase certamente continha altas concentrações de mercúrio e alumínio. Os fabricantes de vacinas criaram pela primeira vez a vacina contra a difteria, tétano e tosse convulsa combinada na década de 1940, misturando um adjuvante de alumínio e um conservante de mercúrio (timerosal) desde o início. Naquela época, a Academia Americana de Pediatria recomendou a DTP para uso em massa nas crianças. Antes de 1990, a DTP era a única vacina contendo timerosal recomendada para lactentes.

Cinco fabricantes forneceram à UNICEF as vacinas DTP utilizadas na África Ocidental no final dos anos 70 e no início dos anos 80. Um deles, a Biken do Japão, descreveu o padrão da indústria no seu relatório de laboratório de 1987: “Esboço do Método de Fabricação – A preparação [de DTP] também contém timerosal como conservante”.

No início dos anos 80, uma cascata de acções judiciais arquivadas nos Estados Unidos em nome de crianças feridas por vacinas estavam a afligir os fabricantes da DTP do mercado e a ameaçar o encerramento da produção da vacina DTP e de outras vacinas. Essa ameaça levou o Congresso dos Estados Unidos a conceder imunidade legal aos fabricantes de vacinas através do Programa Nacional de Lesões por Vacinas Infantis em 1986, aem Dezembro de 1987 pela implementação do “Tribunal das Vacinas”. Seguindo as recomendações do Instituto de Medicina dos EUA, os fabricantes removeram o Timerosal da DTP americana entre 2001-2003. No entanto, as vacinas DTP de doses múltiplas dadas a dezenas de milhões de crianças por todo o continente africano continuam a conter doses massivas de timerosal (25mcg de etilmercúrio por injecção) que excedem os níveis máximos de exposição permitidos pela EPA [Agência Reguladora do Ambiente nos EUA] em muitas vezes. Nem o CDC nem a OMS jamais publicaram um estudo de vacinados versus não-vacinados, que seria necessário para determinar os impactos globais sobre a saúde desta potente toxina, nas crianças africanas. O relatório de Mogensen é um grande apelo a esse estudo.

Fonte: http://www.collective-evolution.com/2017/04/24/new-study-finds-dtp-vaccine-increases-mortality-in-young-infants-5-to-10-fold-compared-to-unvaccinated-infants/?mc_cid=ffa65457bb&mc_eid=680cf9fc9e

Estudo Piloto entre Crianças Vacinadas Precocemente Vs Não Vacinadas Denota o Aumento Exponencial de Doenças e Transtornos Crónicos

Estudo Piloto entre Crianças Vacinadas Precocemente Vs Não Vacinadas Denota o Aumento Exponencial de Doenças e Transtornos Crónicos

Estudo comparativo entre Vacinados e Não Vacinados. Este estudo inovador foi imediatamente retraído por razões políticas. Leia a nossa actualização sobre isso aqui.

O progresso no sentido da vacinação obrigatória já não é uma teoria da conspiração. O projecto de lei 277 do Senado da Califórnia despertou as famílias para uma realidade onde o consentimento informado e a liberdade em matéria de saúde não se aplicam.

Actualmente, o povo americano enfrenta 173 projectos de lei relacionados com as vacinas em 40 estados diferentes. A linguagem de muitas das novas leis visa aumentar o rastreamento, identificar as famílias que não vacinam, forçar os calendários de vacinação e perseguir ainda mais as famílias que optam por não dar as vacinas. Os produtos privados de empresas farmacêuticas com fins lucrativos e legalmente protegidas. Os meios de comunicação corporativos e as indústrias médicas têm exercido a sua plena influência por detrás da mensagem de transparência e segurança das grandes farmacêuticas. Ao mesmo tempo, ambas as indústrias estão simultaneamente a censurar as discussões sobre a fraude, os perigos, os danos crescentes e o comportamento criminoso inerente à indústria das vacinas e daqueles que pressionam no sentido da vacinação obrigatória. Um ponto central da disputa e de violação de direitos humanos é o facto de que, historicamente, nenhum estudo comparativo sério tinha sido feito entre as populações vacinadas versus não vacinadas. No entanto, esse estudo já existe agora.

O Estudo

Tendo trabalhado no estudo ao longo de 15 anos, desde a sua concepção original à conclusão, o Dr. Anthony Mawson e os seus co-autores viram agora o seu trabalho publicado no Journal of Translational Science. O estudo, intitula-se “estudo piloto comparativo na saúde entre crianças vacinadas e crianças não vacinadas dos 6 aos 12 anos de idade nos EUA”. [1] Uma vez que os efeitos sobre a saúde a longo prazo, do calendário de vacinação actual, não foram estudados, o Dr. Mawson e os seus co-autores foram então comparar as crianças vacinadas e não vacinadas através de uma ampla gama de resultados de saúde. O estudo foi concebido como um estudo transversal de mães  e das suas crianças biológicas vacinadas e não vacinadas com idades entre os 6 e os 12 anos de idade, em regime de ensino doméstico. Incluiu mães de 666 crianças que vão desde as totalmente vacinadas, parcialmente vacinadas e não vacinadas. As mães foram convidadas a indicar, numa lista de mais de 40 doenças agudas e crónicas, todas aquelas que nos seus filhos tinham sido diagnosticadas por um médico, entre outras questões.

Os Resultados

As crianças vacinadas tinham significativamente mais probabilidade, do ​​que as não vacinadas, de lhes ser diagnosticada: rinite alérgica, outras alergias, eczema / dermatite atópica, uma deficiência de aprendizagem, distúrbios do espectro do autismo, qualquer distúrbio do desenvolvimento neurológico e doença crónica.

O que se segue é a enumeração dos resultados específicos para as crianças vacinadas:

  • Os Transtornos do Espectro do Autismo (ASD) eram 4,7 vezes superiores em crianças vacinadas;
  • O risco de Transtorno de Défice de Atenção e Hiperactividade era 4,7 vezes maior;
  • O risco de incapacidades de aprendizagem era 3,7 vezes maior;
  • As crianças vacinadas do estudo tinham 3,7 vezes mais probabilidades de serem diagnosticadas com algum tipo de distúrbio do sistema neurológico;
  • O parto prematuro e a vacinação foram associados a probabilidades aumentadas de 6,6 vezes de distúrbios do sistema neurológico;
  • As crianças vacinadas também estavam significativamente mais propensas a serem diagnosticadas com um distúrbio imunológico. O risco de rinite alérgica (vulgarmente conhecida como a febre do feno) era 30 vezes maior em crianças vacinadas, enquanto o risco de outras alergias foi aumentado 3,9 vezes, e o risco de eczema aumentava 2,4 vezes.

Vacinados e não vacinados

A Conclusão

Dado o clima global nos dias que correm, conforme descrito na introdução deste artigo, o estudo destacou três conclusões extremamente notáveis, ​​que são:

“…a força e a consistência das descobertas, a aparente relação “dose-resposta “entre o estado de vacinação e várias formas de doenças crónicas, e a associação significativa entre a vacinação e os distúrbios do sistema neurológico, suportam a possibilidade de que algum aspecto do actual programa de vacinação possa ter contribuindo para os riscos de mortalidade infantil”.

“A vacinação também permaneceu significativamente associada aos distúrbios do desenvolvimento neurológico após estarem controlados outros factores…”

“…o parto prematuro associado à vacinação estava associado a um aparente aumento sinergético das probabilidades de distúrbios do desenvolvimento neurológico, mais elevados do que na vacinação isolada”.

Embora todas as três conclusões possam, e ressoem profundamente por entre as massas de profissionais de saúde e pais, a terceira conclusão do estudo é particularmente oportuna e relevante para além da sua asserção declarada. Ao longo do último ano, numerosos denunciantes médicos e trabalhos de investigação científica têm alertado e evidenciado que as lesões estão a ocorrer, devido às vacinações de rotina, em prematuros nas unidades de cuidados intensivos neonatais hospitalares. As enfermeiras denunciantes Michelle Rowton James e Joanne [apelido não disponível] destacaram publicamente como as lesões desumanas e comuns das vacinas administradas nas unidades de cuidados intensivos neonatais hospitalares, têm raízes na cultura médica do estabelecimento. Entretanto, três grandes estudos [2],[3],[4] corroboram os relatos das enfermeiras delatoras. Em Abril de 2017, o Instituto para o Conhecimento Puro e Aplicado (IPAK) emitiu uma declaração a pedir que todos os americanos se juntassem a eles no seu apelo à proibição da vacinação de crianças nas unidades de cuidados intensivos neonatais hospitalares. Falando sobre o apelo à acção, o Dr. James Lyons-Weiler, PhD, CEO e Diretor do IPAK, declarou:

“Pedimos à comunidade biomédica que produzisse estudos que mostrassem os efeitos negativos das vacinas sobre os recém-nascidos, e eles não os produziram”.

Actualmente, está a ocorrer um choque entre o dogma do tipo religioso, da vacinação, e os segmentos cada vez mais conscientes das comunidades públicas, de pesquisa e médica. Na corda bamba está a oportunidade de uma discussão verdadeiramente aberta sobre as vacinas e uma rara oportunidade de reformar uma comunidade médica dominada pelas farmacêuticas, e totalmente sem rumo. Tendo em conta a tendência actual, as consequências de não aproveitarmos a oportunidade para termos um diálogo aberto, parece levar-nos por um caminho de actos médicos obrigatórios e censura sobre o aumento exponencial dos danos humanos e da mortalidade. Simplificando, a batalha agora ao rubro entre a abertura e a transparência versus a protecção, por meio da omissão e da censura aberta, do modelo de negócios das grandes farmacêuticas e da necessidade de expansão a todo custo.

Referências:

[1] Anthony R Mawson, Brian D Ray, Azad R Bhuiyan, Binu Jacob (2017) Pilot comparative study on the health of vaccinated and unvaccinated 6- to 12- year old U.S children, Journal of Translational Science, DOI: 10.15761/JTS.1000186

[2] Sen S, Cloete Y, Hassan K, Buss P (2001) Adverse events following vaccination in premature infants, Acta Paediatrica, Aug;90(8):916-20.

[3] J  Bonhoeffer, C‐A Siegrist, and P T Heath (2006), Immunisation of premature infants, Archives of Disease in Childhood, Nov; 91(11): 929–935. DOI: 10.1136/adc.2005.086306

[4] Stephen D. DeMeo, Sudha R. Raman, Christoph P. Hornik, Catherine C. Wilson, Reese Clark, and P. Brian Smith, (2015), Adverse Events After Routine Immunization of Extremely Low Birth Weight Infants, JAMA Pediatrics, 2015 Aug 1; 169(8): 740–745. DOI: 10.1001/jamapediatrics.2015.0418