Categoria: Toxicidade

Alumínio, Flúor e Glifosato – Uma sinergia tóxica perfeita associada ao Autismo e à doença de Alzheimer

Alumínio, Flúor e Glifosato – Uma sinergia tóxica perfeita associada ao Autismo e à doença de Alzheimer

alumínio, glifosato e flúor

O alumínio é uma neurotoxina conhecida e, de acordo com o professor Christopher Exley da Universidade Keele, os produtos que contêm alumínio provavelmente estão implicados no aumento da incidência da doença de Alzheimer. [1] Num artigo publicado na revista Frontiers in Neurology [2] ele escreve:

“Estamos a acumular uma neurotoxina conhecida, no nosso cérebro, desde a nossa concepção até à nossa morte. A presença de alumínio no cérebro humano deve ser sinalizada com uma bandeira vermelha, alertando-nos para todos para os perigos potenciais do mesmo. Como sabemos se a doença de Alzheimer não é a manifestação da toxicidade crónica do alumínio, nos seres humanos?”

As pessoas que sofrem com a toxicidade de alumínio apresentam muitos dos mesmos sintomas que daquelas com demência, Parkinson, défice de atenção e hiperactividade, autismo e outras doenças neurológicas, e as evidências crescentes sugerem que o alumínio pode desempenhar um papel significativo no desenvolvimento dessas (e de outras) doenças.

Ao tomar medidas para se proteger, pode minimizar a sua exposição, maximizando a capacidade do seu corpo de se descartar desse metal tóxico, o que o levará a uma vida longa e saudável até aos seus últimos anos. Outras toxinas para as quais devemos estar alerta também incluem o flúor e o glifosato. São todas tóxicas por direito próprio, mas as pesquisas sugerem que eles podem ser ainda mais perigosos quando combinados.

Pode estar mais exposto ao alumínio do pensa

O alumínio pode ser encontrado numa ampla gama de produtos de consumo incluindo:

  • Alimentos como o fermento em pó, farinha de trigo, sal, fórmulas para bebés, cremes de café, produtos cozidos e alimentos processados, corantes e aglomerantes.
  • Fármacos como anti-ácidos, analgésicos, anti-diarreicos e outros, aditivos como o estearato de magnésio.
  • Vacinas, incluindo a da hepatite A e B, Hib, DTaP (difteria, tétano, tosse convulsa), vacina pneumocócica, Gardasil (HPV) e outras – muitas dos quais também contêm também glifosato.
  • Cosméticos e produtos de cuidados pessoais como antitranspirantes, desodorizantes (incluindo os que contêm cristais de sal que feitos de alumínio), loções, protectores solares e champôs.
  • Produtos de alumínio, incluindo o papel de alumínio, latas, pacotes de sumos, latas e garrafas de água.

De acordo com o CDC [Centro para o controlo de doenças dos EUA], o adulto médio dos EUA consome cerca de sete a nove mg de alumínio por dia na alimentação, para além de uma menor quantidade proveniente da contaminação do ar e da água.

Aproximadamente um por cento do alumínio que ingere por via oral é absorvido pelo seu corpo, sendo que o resto é excretado para fora pelo seu trato digestivo – desde que esteja a funcionar em pleno. O alumínio remanescente é então depositado não apenas no tecido cerebral, mas também nos seus nervos, ossos, fígado, coração, baço e músculos.

Embora um por cento possa soar a pouco, a carga tóxica global dependerá da quantidade total de toxinas que às quais esteja exposto ao longo do tempo. A sua dieta e saúde digestiva, bem como as exposições tóxicas em curso, também determinarão o quanto o seu corpo é realmente capaz de eliminar, e o quanto se irá acumular.

A exposição ocupacional ao alumínio aumenta o risco da doença de Alzheimer

Um estudo de caso publicado [3] encontrou elevados níveis de alumínio no cérebro de um homem que foi exposto ao alumínio, no exercício da sua profissão, durante oito anos. Ele morreu posteriormente com doença de Alzheimer.

De acordo com os autores, este é o primeiro caso que mostra uma ligação directa entre a doença de Alzheimer e a concentração elevada de alumínio no cérebro, após a exposição ocupacional. [4]

Outro estudo [5] sugeriu que o alumínio dos alimentos e da água potável pode estar a ontribuir para o aumento da incidência da doença de Alzheimer, e destacou que:

“Nos últimos anos, o interesse no papel potencial dos metais na patogénese da doença de Alzheimer (DA) cresceu consideravelmente. Em particular, a neurotoxicidade do alumínio (Al) foi sugerida após a sua descoberta nas placas senil e emaranhados neurofibrilares que representam as principais características neuropatológicas da DA.

“O alumínio está omnipresente na vida cotidiana e pode entrar no corpo humano através de várias formas, principalmente bebendo água e consumindo alimentos… [Os] elementos presentes na água potável, como o flúor, cobre, zinco ou ferro também podem ter um efeito sobre deficiência cognitiva ou na modificação de qualquer neurotoxicidade do alumíno”.

De facto, dezenas de estudos mostraram que o flúor causa danos cerebrais e reduz o QI. O flúor libertado pelas plantas de alumínio também foi associado a doenças nos animais. [6] Agricultores na Islândia, por exemplo, afirmam que os seus animais ficam enjoados pela contaminação ambiental com fluór – alguns até o ponto de terem que ser mortos. Outros relatam taxas superiores de problemas dentários e infertilidade nos seus animais. (Pode aprender mais sobre os efeitos prejudiciais da exposição ao flúor aqui.)

Outro estudo relacionado [7] associou a exposição ocupacional ao alumínio com o desenvolvimento da fibrose pulmonar, condição em que a cicatrização dos seus pulmões dificulta a respiração. Neste caso, a exposição ocorreu durante o lixamento do material Corian.

Resumindo, parece razoável concluir que a combinação do alumínio, flúor e / ou uma série de outras toxinas pode promover a doença de Alzheimer, para além de uma série de outros problemas de saúde. (Você pode aprender mais sobre isso aqui)

Os pesticidas também podem causar danos nas funções cerebrais

Os pesticidas, por exemplo, também demonstraram ter um efeito adverso na função neurológica e na saúde do cérebro [8]. Num estudo, os agricultores expostos aos inseticidas organoclorados revelaram um risco aumentado de 90 por cento de depressão, em comparação com aqueles que não os utilizaram. A exposição aos fumigantes aumentou o risco de depressão em 80%. As pessoas expostas a pesticidas também são mais propensas a terem a doença de Parkinson.

O glifosato também é conhecido por danificar o fígado e os rins, aumentar significativamente o risco de cancro e aumentar os efeitos nocivos de outros resíduos químicos e toxinas.

É claro que, quando se trata de toxinas em geral, a menos que o produto químico seja extremamente tóxico, o dano real ocorre quando o seu corpo é cronicamente sobrecarregado com eles, e a maioria das pessoas hoje em dia está exposta a milhares, e talvez dezenas de milhares de produtos químicos diferentes, regularmente. E os agricultores não são os únicos em risco de efeitos adversos da exposição aos pesticidas: o glifosato pode ser encontrado na maioria dos alimentos processados na dieta ocidental, cortesia das beterrabas e canas de açúcar geneticamente modificadas, do milho e da soja – e pode ser mesmo encontrado em tampões e vacinas. Está, literalmente, por todo o lado.

Enquanto que quase 454.000 toneladas glifosato são pulverizados nas culturas de agricultura convencional e geneticamente modificadas por todo o mundo e a cada ano, as culturas geneticamente modificadas recebem os maiores montantes. As carnes de animais criados em operações de alimentação a animais confinados (CAFOs), também podem conter quantidades maiores de resíduos de glifosato, uma vez que a soja geneticamente modificada é um elemento básico da alimentação para o gado convencional.

Infelizmente, o glifosato não fica apenas dentro do limite das culturas convencionais e de organismos geneticamente modificados. Ele propaga-se – conforme documentado neste relatório – contamina tudo, incluindo alimentos orgânicos, interrompendo completamente o equilíbrio natural da biologia do solo.

Também é crucial entender que a contaminação por glifosato é sistémica, o que significa que está integrado em cada célula da planta, da raiz à ponta. Normalmente, é necessário lavar completamente os seus produtos para remover os resíduos de pesticidas mais perigosos, mas é simplesmente impossível remover o glifosato de seus produtos. Este é o aspecto fundamental que torna os alimentos geneticamente modificados tão prejudiciais para a sua saúde – não é apenas uma questão de contaminação por este tipo de produtos, como acontece com muitos outros químicos agrícolas pulverizados nas culturas.

O envenenamento sinergético por alumínio e glifosato associado ao autismo

A Dra. Stephanie Seneff, investigadora sénior do Massachusetts Institute of Technology (MIT), tem desempenhado um papel fundamental na educação das pessoas sobre os perigos do glifosato. No vídeo abaixo, ela explica como o alumínio e o glifosato actuam de forma combinada como venenos sinergéticos que promovem o autismo.

Com base na tendência atual, a Dr. Seneff prevê que, até 2025, metade de todas as crianças nascidas será diagnosticada com autismo. Claramente, devemos identificar os principais factores ambientais que contribuem para essa tendência assustadora. A falta de vitamina D causada pela exposição inadequada ao Sol é um fator. A deficiência nutricional causadas pela má alimentação é outra.

As toxinas ambientais não devem ser negligenciadas mas, no entanto, algumas toxinas – glifosato e alumínio incluídos – são muito mais perigosas e omnipresentes do que outras e, portanto, são susceptíveis de contribuirem mais. Como a Dr. Seneff explica, os mecanismos dos danos causados pelo glifosato torna-o particularmente problemático. Na verdade, de acordo com a Dr. Seneff, o glifosato é possivelmente “o factor mais importante no desenvolvimento de múltiplas doenças crónicas e condições que se tornaram prevalentes nas sociedades ocidentais” incluindo, entre outras:

  • Alergias
  • Doença de Alzheimer
  • Autismo
  • Cancro
  • Doença cardiovascular
  • Depressão
  • Doenças gastrointestinais, como a doença inflamatória intestinal, diarreia crónica, colite e doença de Crohn
  • Infertilidade
  • Esclerose múltipla
  • Obesidade
  • Mal de Parkinson
  • Esclerose lateral amiotrófica

Dicas para evitar essas toxinas perniciosas

Parece bastante claro que a exposição ao alumínio desempenha um papel em doenças neurodegenerativas como a doença de Alzheimer. Outras neurotoxinas, como o flúor e o glifosato, aumentam a carga tóxica. A melhor forma de se proteger é ter cuidado com as suas escolhas de produtos alimentares e pessoais e minimizar o uso de vacinas e de outros medicamentos que muitas vezes estão contaminados com alumínio. A optimização do enxofre na dieta também é essencial, pois seu corpo precisa do enxofre para fabricar a sua arma número um contra a sobrecarga de alumínio: a glutationa.

Ao tomar algumas medidas para se proteger, minimizará a sua exposição, maximizando a capacidade do seu corpo de se descartar desse metal tóxico, o que o levará a uma vida longa e saudável até aos seus últimos anos. Para dicas e estratégias adicionais que podem ajudar a prevenir e / ou tratar a doença de Alzheimer, consulte o meu artigo anterior Dois avanços relativos à doença de Alzheimer que são empolgantes: um novo teste de detecção precoce usando manteiga de amendoim e um estudo sobre o óleo de coco.

Fontes e referências:

Mecanismos das Vacinas no Autismo

Mecanismos das Vacinas no Autismo

vacinas e autismo

As Vacinas e o Autismo. Este artigo explicará como os adjuvantes específicos das vacinas, em combinação com o herbicida glifosato, mantêm o cérebro num estado inflamatório permanente, levando aos sintomas como os observados no autismo. Ele indicará os principais adjuvantes que se acreditam estarem envolvidos no desenvolvimento do autismo. Por fim, abordará brevemente a os sectores-chave do cérebro envolvidos, assim como as novas possibilidades terapêuticas.

Contexto

1983: uma criança saudável é vacinada de acordo com o esquema de vacinação do CDC [Centro para o Controlo de Doenças do CDC] [2] e recebe 6 vacinas nos primeiros 15 meses de vida. A taxa de autismo é de 1: 10.000.

2017: uma criança saudável é vacinada de acordo com o esquema de vacinação do CDC [3] e recebe 23 vacinas nos primeiros 15 meses de vida. A taxa de autismo é 1:68.

Isso significa que nos últimos 30 anos, a prevalência de autismo aumentou 14,700% [3]. Os custos projectados para os Estados Unidos aumentarão para mais de 1 trilião de dólares até 2025 [4] se a prevalência continuar a subir, com as taxas observadas apenas na última década.

Quero explicar-lhe como se desenvolve o autismo. Apenas para esclarecer: não sou contra o conceito de vacinação. Eu sou contra as toxinas contidas nas vacinas. Se acha que a indústria de vacinas testou todos os ingredientes das vacinas nos seres humanos, você está totalmente enganado.

Convido-o a examinar os dados cientificamente documentados, e descobrir que o que está a acontecer está para além do que possa ser considerado preocupante. As vacinas estão associadas ao autismo. E é por isto.

Como funcionam as vacinas (de acordo com o CDC):

“As vacinas ajudam a desenvolver a imunidade imitando uma infecção. Este tipo de infecção, no entanto, não causa doenças, mas faz com que o sistema imunitário produza linfócitos T e anticorpos. Às vezes, após a obtenção de uma vacina, a imitação da infecção pode causar sintomas menores, como a febre. Tais sintomas menores são normais e devem ser esperados à medida que o corpo constrói a imunidade. Uma vez que a imitação da infecção desaparece, o corpo é deixado com uma reserva de linfócitos T de “memória”, bem como linfócitos B que se lembrarão de como combater essa doença no futuro”. [5] – Centro para o controlo de doenças (CDC), CDC.GOV

O conteúdo de uma vacina é injectado no músculo. A partir daí, provoca uma resposta específica do sistema imunitário. Aditivos chamados de adjuvantes são colocados nas vacinas para tornarem a resposta do sistema imunitário mais pronunciada e, portanto, mais eficaz. O objectivo da adição de adjuvantes às vacinas é que os adjuvantes protegem as células T CD8 de memória protectora para exposição futura. [29]. Quando seu sistema imunitário está a responder aos ingredientes das vacinas, ele cria células de memória que estarão prontas para matarem as bactérias ou vírus reais, quando expostas a ele no futuro [6]. As vacinas têm partículas minúsculas do vírus ou bactérias, que o seu sistema imunitário reconhece como uma ameaça viral ou bacteriana verdadeira.

Microglia – A Auto-inteligência do seu Cérebro

barreira hematoencefálica
Figura 1 – barreira hematoencefálica

O cérebro é como um país com fronteiras muito cerradas. As moléculas só passam para o ambiente cerebral após uma verificação adequada. Essa barreira é chamada de barreira hematoencefálica. O que torna essa barreira eficaz são as suas junções apertadas, permitindo que apenas algumas moléculas passem através dela [7]. Essa barreira separa o seu cérebro do resto do corpo, que é chamado de “periferia”. A razão pela qual isso é fundamental é porque, ao vacinar, os ingredientes da vacina nunca deveriam entrar no cérebro.

As células da microglia são como olhos no interior do seu cérebro
Figura 2 – As células da microglia são como olhos no interior do seu cérebro

Se, contudo, existirem pequenas partículas estranhas a “infiltrarem-se” mesmo assim, elas são neutralizadas pelo mecanismo muito eficaz que é controlado por uma estrutura celular no seu cérebro chamada da microglia [8] [Figura 2]. Essas células maravilhosas são mais prevalentes no seu cérebro do que as células cerebrais reais. Em geral, a microglia supera as células neuronais em 1,5 a 1 vezes [9]. O que torna as células da microglia tão interessantes é que, no desenvolvimento do sistema nervoso central (SNC), elas podem estar no modo (“pró-inflamatório”) de “guerra”, bem como no modo (antiinflamatório) “benéfico” [10]. Faz sentido que sejam alertados quando algumas partículas estranhas estão, subitamente, no cérebro. Eles recrutam muitas outras microglias para ajudarem imediatamente a eliminarem os perigos. A célula da microglia no “modo de guerra” cuidam de qualquer ameaça (bacteriana, viral, exógena), enquanto que no modo benéfico, elas realmente ligam os neurónios e são responsáveis por manterem os nossos circuitos neuronais a trabalharem meticulosamente, resultando na homeostase cerebral.

As células da microglia existem em 3 estados:

  • Estado de repouso
  • Estado pró-inflamatório activado, chamado M1
  • Estado benéfico anti-inflamatório / “reconstrutivo”, chamado M2 [11]
As células da microglia nos 3 estados possíveis
Figura 3 – As células da microglia nos 3 estados possíveis

Estado de repouso da microglia

Uma vez que a microglia reside exclusivamente no sistema nervoso central, elas são activadas por diferentes antigenos (Figura 4, partículas vermelhas). Quando ainda não estão em contacto com o antigeno, as microglia (Fig.4, partículas verdes) estão no seu estado de repouso.

estado de repouso e vigilância
Figura 4 – estado de repouso e vigilância

O que faz a microglia?

Aqui está um exemplo de como a inflamação no cérebro começa. A imagem abaixo descreve uma microglia (partícula verde) que detecta um antigeno bacteriano chamado lipopolisacarídeo (LPS) (partícula vermelha).

Microglia (à esquerda) prestes a entrar em contacto com o antigeno LPS (à direita).
Figura 5 – Microglia (à esquerda) prestes a entrar em contacto com o antigeno LPS (à direita).

A activação induzida por Lipopolissacarídeo [LPS] da microglia foi bem documentada [13]. A LPS é uma partícula das bactérias que o seu sistema imunitário reconhece como exógeno. Uma vez que a microglia entre em contacto com ela, um poderoso grito de ajuda é a consequência, porque a LPS é uma forte activadora da microglia. A resposta é que a microglia secreta citocinas, pequenas moléculas que recrutam outras células inflamatórias para ajudarem a limpar o antigeno ofensivo [25]. Isso atrairá os poderosos soldados, como as células imunes, para destruirem a partícula. Como em qualquer guerra, existem muitas vítimas inocentes, geralmente resultando em inflamação neuronal não planejada.

A microglia (à esquerda) a libertar citocinas pró-inflamatórias.
Figura 6 – A microglia (à esquerda) a libertar citocinas pró-inflamatórias.

A LPS costumava ser incluída nas vacinas, mas criou tantas reacções adversas (como por exemplo febres), que os cientistas reescreveram este antigeno em versões modificadas, como a Monofosforil lípido A (MPL) [13]. O MPL é um ingrediente activo da vacina da hepatite B dada aos recém-nascidos da Cervarix (vacina anti-cancro cervical). Com a ajuda da engenharia bio-sintética, mais desses adjuvantes que se assemelham à LPS foram desenvolvidos [14]. Outros activadores microgliais são as partículas virais contidas nas vacinas. A vacina da tríplice viral, por exemplo, contém hemaglutinina, que mostrou activar diretamente a microglia [16] e está associada ao autismo [15].

As vacinas também transportam outros antigenos, nem virais nem bacterianos. Estes, é claro, também podem activar a microglia. [14] Estes adjuvantes estão compilados na lista de ingredientes das vacinas do CDC [17]. Apenas para clarificar, uma vacina não deve funcionar activando intencionalmente a microglia para o estado M1 pró-inflamatório. Os adjuvantes das vacinas NÃO devem entrar no seu cérebro.

Lista de ingredientes das vacinas pelo CDC (cdc.gov)
Figura 8 – Lista de ingredientes das vacinas pelo CDC (cdc.gov)

As investigações sobre esses adjuvantes está a crescer e, actualmente, mais de 40.000 artigos contêm informações sobre os “adjuvantes de vacinas” na Biblioteca Nacional de Medicina (desde 2017) [18].

Resumindo

Certos adjuvantes das vacinas são activadores poderosos da microglia cerebral. Os metais pesados como o alumínio mantêm a microglia no estado activado por mais tempo e tornam difícil a transição para o estado anti-inflamatório [23]. O alumínio está actualmente contido nas vacinas da DTaP, poliomielite e Hib, Hepatite A e B, Gardasil, Influenza e Pneumococcus [140]. Como em breve descobrirá, existe um produto químico não declarado nas vacinas, que foi descoberto, e que impede que a microglia saia do estado inflamatório. Esse químico é chamado de glifosato [ver mais abaixo].

Estado M2 Benéfico da microglia

Enquanto a Microglia no estado M1 se comporta mais como Pacmans a consumirem a substância ofensiva e a libertar citocinas pró-inflamatórias, também existe um outro lado da sua incrível versatilidade. No seu estado benéfico M2, a microglia possui funções fisiológicas importantes na aprendizagem e na memória, promovendo a formação de sinapses relacionadas com a aprendizagem. Elas literalmente ligam as suas células cerebrais! Isso toca no conceito da neuroplasticidade [102]. As funções do estado M2 microglial são de arte científica e biológica. Elas organizam elegantemente as etapas cruciais do desenvolvimento do sistema nervoso central. Alguns dos benefícios que estas células do estado M2 fornecem incluem a sobrevivência neuronal e apoptose, crescimento axonal, migração de neurónios, podas de sinapses supernumerárias e maturação funcional de sinapses em desenvolvimento [28].

Estado M2 Benéfico da microglia
Estado M2 Benéfico da microglia

Semelhante ao estado M1, o estado M2 benéfico liberta citocinas anti-inflamatórias e factores de crescimento que participam numa ampla gama de respostas biológicas, incluindo o aumento da neurogénese e desenvolvimento, bem como modulação da inflamação e respostas imunes [104], [105] , [106], [107], [108], [109]. Elas literalmente mantêm as chaves para a regulação da homeostase cerebral [68].

Para fins de referência, as seguintes citocinas anti-inflamatórias são libertadas pela microglia no estado M2:

VEGF, IL-6, IL-10, PG, óxido nítrico sintase induzível, IDO (funções imunorreguladoras e estimuladoras da proliferação), IL-4, IL-10, IL-13 e TGF-beta.

Adjuvantes nas vacinas

Ao procurarem tornar as vacinas mais eficazes, o desenvolvimento da indústria farmacêutica de adjuvantes de vacinas aumentou rapidamente. Eles querem respostas imunes mais fortes, respostas mais específicas, respostas mais rápidas. É por isso que o alumínio está incluído na maioria das vacinas para potencializar e prolongar o estado M1 activado global [23], porque a forma como funciona o alumínio é unir-se firmemente ao adjuvante. Costumava ser etilmercúrio (Thiomersal), mas hoje em dia raramente está em vacinas (2017: presente apenas na gripe (gripe comum), meningocócica) [141].

A adição de um adjuvante a uma vacina existente, como foi feito para a gripe [19], ou uma mudança do alumínio para um adjuvante mais eficaz, como o vírus da hepatite B (VHB) representa um benefício substancial para os pacientes [20] [de acordo com as farmacêuticas]. Há um número significativo de pessoas para quem as vacinas actuais, mesmo aquelas que utilizam um adjuvante de alumínio, que não consegue uma imunidade adequada. Por detrás das cortinas, a indústria farmacêutica gastou cerca de 2 biliões em investigação em 2016 para desenvolverem “melhores vacinas” [21].

Os seguintes são apenas alguns adjuvantes que estão a ser adicionados às vacinas padrão [22]:

AS01 / AS02 / AS03 / AS04 / RC-529 / CpG 7909 / CpG1018 / IC31 / Imiquimod / Flagellin / AS15 / Alum / MF59 / AF03 / Virosomes / Iscomatrix / Montanide ISA51 / Montanide ISA720 / LT / LTK63

Cada composto é fabricado e vendido. Alguém está a desenvolvê-los por um motivo.

O AS04, por exemplo, é um adjuvante aprovado e está contido na vacina contra o HPV e hepatite B, e contém MPL e hidróxido de alumínio.

Como os adjuvantes fazem com que a microglia atinja o estado M1 pró-inflamatório

Os seguintes são alguns adjuvantes sobre os quais existem evidências a partir de investigações, de que eles interagem com os receptores microgliais (chamados Toll-Like-Receptors ou TLRs). Eles são activadores microgliais e são factores que estimulam a alteração do estado para o M1 pró-inflamatório.

Receptores da microglia que são pró-inflamatórios: TLR 2 / TLR 3 / TLR 4.

Receptores pró-inflamatórios da microglia: TLR2, TLR3 e TLR4.
Figura 10a – Receptores pró-inflamatórios da microglia: TLR2, TLR3 e TLR4.

 

Exemplo de hemagluttinina de partículas de sarampo que é retirada pelo receptor microglial chamado TLR2 e convertem a célula microglial para o estado M1 pró-inflamatório.
Figura 10b: Exemplo de hemagluttinina de partículas de sarampo que é retirada pelo receptor microglial chamado TLR2 e convertem a célula microglial para o estado M1 pró-inflamatório.

Os activadores do receptor TLR2 incluem [24]:

  • Hemagluttinina (Sarampo) [15] (veja a imagem acima)
  • Peptidoglicanos (bactérias Gram +)
  • Lipoproteínas (variedade de agentes patogénicos)
  • Ácido lipotóicoico (bactéria Gram +)
  • Zymosan (Fungi)
  • HSP70 (hospedeiro, indução de stresse, hipertermia, stresse oxidativo e alterações no pH)
  • EDN (host)

O activador do receptor TLR3 inclui:

  • ARN de cadeia dupla (Rotavirus)

Os activadores do receptor TLR4 incluem:

  • LPS (Gram-bactérias)
  • Taxol (planta)
  • Fusion protein (RSV)
  • HSP70 (host)
  • AS04 (hepatite B e Gardasil)

Se estudar esta lista acima com cuidado, percebe que é um “vacinador” perfeito se eventualmente TODOS os receptores se activarem. O que leva muitas crianças ao estado de “regressão” é a vacina da tríplice viral, que seria a última vacina e que se encaixa no último receptor da microglia. Isso significa que o cérebro está em num estado pró-inflamatório.

adjuvantes adicionados por ano [140].
Figura 10c: Adjuvantes adicionados por ano [140].
É perceptível que o alumínio tem sido um ingrediente já desde à décadas (Figura 10c). Acontece que esses adjuvantes foram introduzidos em meados da década de 1990. Curiosamente, foi quando as taxas de autismo subiram (14,000%, lembre-se? [3]). A correlação não significa causalidade, mas tente encontrar uma explicação melhor. A explicação habitual dos “melhores critérios de diagnóstico” simplesmente não satisfaz.

Por exemplo, imagine o adjuvante MPL. É um activador do receptor TLR4. Ele vem juntamente com o alumínio, que se liga firmemente ao MPL e o expõe ao seu sistema imunitário por mais tempo.

Então, se o injectarmos, é como atirar um pedaço de açúcar (como, por exemplo, o antigeno) para debaixo de uma colmeia, e depois dar um pontapé na colmeia.

A microglia aceita o mercúrio orgânico e converte-o no mercúrio inorgânico mais tóxico [112]. A exposição crónica ao metilmercúrio leva a um grande aumento na microglia activada [111]. Os metais pesados podem, portanto, causar stresse oxidativo nos neurónios, não só pela influência directa no metabolismo do enxofre, mas também pela promoção da neuroinflamação na base da microglia [110]. Aliás, a propósito, não podemos esquecer que o alumínio é um metal pesado [113].

Inflamação cerebral e sintomas de autismo.
Figura 11 – Inflamação cerebral e sintomas de autismo.

A resposta a estes adjuvantes de vacinas é que a microglia secreta citocinas, pequenas moléculas que recrutam outras células inflamatórias para ajudar a limpar o antigeno ofensivo [25]. Isso, como qualquer guerra, tem muitas vítimas inocentes, geralmente resultando em ativação neuronal não intencional.

Em Janeiro de 2017, um estudo da Universidade de Yale comparou os níveis de citocinas entre crianças autistas e não autistas, e descobriu que as crianças autistas tinham níveis estatisticamente e significativamente maiores de factores de necrose tumoral alfa (TNFa) [26]. A TNFa é uma citocina da microglia no estado M-1 pró-inflamatório. Sabe-se que o TNF evita a conversão do M1 (pró-inflamatório) para o estado M2 (estado benéfico) [27].

A inflamação do cérebro no autismo é asséptica, o que significa que não é causada por uma infecção real, mas por continuamente canalizar apenas os adjuvantes suficientes, através das vacinas, para manter permanentemente a microglia no estado pró-inflamatório. Uma vez que a microglia é menos densa na zona do tronco cerebral, ao contrário do que acontece nas estruturas cerebrais mais elevadas, não existem muitas doenças motoras no autismo. As convulsões são comuns mas, no entanto, é estimado que a incidência seja de 1 em cada 3 [30]. Na verdade, ficará a perceber que a inflamação e a lesão no cerebelo são provavelmente a fonte dos sintomas fundamentais do autismo (ver abaixo).

ADN humano e nanopartículas em vacinas

Adjuvantes de vacinas derivados de células humanas.
Figura 12 – Adjuvantes de vacinas derivados de células humanas.

O quê? A sério? Existem células humanas nas vacinas? A resposta é sim. Embora essas células sejam cultivadas, elas ainda têm a mesma fonte:

  • A MRC-5 (Estirpe celular 5 do Conselho de Pesquisa Médica) é uma linha de cultura celular diploide humana composta por fibroblastos derivados do tecido pulmonar de um feto masculino caucasiano abortado, de 14 semanas [31].
  • WI-38: A linha celular WI-38 foi desenvolvida em julho de 1962 a partir de tecido pulmonar retirado de um feto terapeuticamente abortado com cerca de 3 meses de idade gestacional [32].
  • HEK-293: as células foram geradas no início da década de 1970 pela transformação de culturas de células de rim embrionárias humanas normais, enxertado com DNA de adenovírus 5 no laboratório de Alex Van der Eb em Leiden, nos Países Baixos. As células de rim embrionárias humanas foram obtidas de fetos previamente abortados e saudáveis [33].

Um artigo recente demonstrou que essas partículas de DNA humano por si só, são uma explicação plausível e desempenham um papel no desenvolvimento do autismo [69]. Também sabemos que a microglia deteta o ARN viral através do seu receptor TLR3 (como por exemplo, nas partículas de rotavírus) [34].

Um estudo italiano recente testou vacinas, e deu conta de uma contaminação generalizada por sais de alumínio tóxicos, glóbulos vermelhos de origem desconhecida e detritos inorgânicos de partículas estrangeiras em agregados, aglomerados e partículas independentes [100]. Os investigadores também identificaram algumas partículas incorporadas num substrato biológico, provavelmente proteínas, endotoxinas e resíduos de bactérias. Os investigadores encontraram contaminação em 43 das 44 amostras de vacinas testadas. Os autores declararam que esses contaminantes não deveriam estar presentes em nenhuma vacina, e que sua presença não foi declarada pelos fabricantes [101].

Além dos mecanismos inflamatórios mediados pela microglia, o glutamato de excitotoxina libertado pela microglia activada também é uma preocupação fundamental, pois o excesso de glutamato no cérebro é tóxico para os neurónios e conexões sinápticas [128].

Porque é que nem todos aqueles que são vacinados desenvolvem autismo?

A resposta rápida para esta pergunta é: o glifosato.

Eu escrevi vários artigos sobre como o glifosato desempenha um papel chave no autismo [35], [36] & [37]. O glifosato [a.k.a Roundup, produzido pela Monsanto, Inc.) é o herbicida mais produzido no mundo. Desde 1974, nos EUA, sob a forma de herbicida Roundup, foram aplicados mais de 1,6 biliões de quilogramas de glifosato, contribuindo para 19% da utilização global estimada de glifosato (8,6 biliões de quilogramas) [38].

Há apenas alguns meses, a Food Democracy Now testou produtos alimentares comuns. Uma vez que qualquer produto geneticamente modificado está, por definição, contaminado com glifosato (eles foram manipulados geneticamente para resistirem ao glifosato, para que possa ser pulverizado tantas vezes quantas quiser). E praticamente qualquer coisa que não seja orgânica possui glifosato. Lecitina de soja, xarope de milho rico em frutose, partículas de milho, etc. Por exemplo, foi descoberto que os cheerios continham 1,125 ppb de glifosato neles! Para além de todos esses alimentos testados, foram detectados nas vitaminas pré-natais do One-A-Day da Bayer, na fórmula para recém-nascidos [39] e em todas as vacinas de infância que foram testadas [40] (ver abaixo).

Resultados críticos de testes a vacinas pelo Moms Across America.
Figura 13 – Resultados críticos de testes a vacinas pelo Moms Across America.

A razão pela qual isso é importante é por causa das consequências biológicas que o glifosato tem para potenciar ainda mais os mecanismos acima discutidos de activação microglial para o estado M1. Verificou-se que o glifosato inibe a enzima P450 no fígado [41], [47]. Se inibir a P450 no fígado, certamente pode inibir a mesma enzima encontrada na microglia do cérebro, uma vez que o acesso ao cérebro seja concedido. É concedido, quando deixamos de ter quem o detenha antes que ele chegue lá: o poderoso composto chamado GcMAF. Vamos rapidamente ficar a conhecer o GcMAF, antes de mostrar o quadro geral.

GcMAF – Os Pacmans do seu fígado

A enzima P450 participa num passo importante da activação da vitamina D3 [42] para produzir um composto poderoso chamado GcMAF. Este composto come as partículas estranhas do seu corpo (como a microglia no cérebro). No cérebro, a enzima específica contida na microglia é chamada P450D6.

Tal como a microglia no cérebro, o GcMAF come as partículas estranhas nos seus sistemas periféricos.
Figura 14 – Tal como a microglia no cérebro, o GcMAF come as partículas estranhas nos seus sistemas periféricos.

O GcMAF envolve duas proteínas que o ligam, juntamente com o eixo da vitamina D, composto pela forma biologicamente activa da vitamina D (1,25 (OH) (2) D3). Essas proteínas são o receptor de vitamina D (VDR) e a proteína de ligação à vitamina D, que é o precursor do factor de ativação de macrófagos derivados da proteína de ligação à vitamina D, também denominado GcMAF [43]. A vitamina D 25-hidroxilase é um membro da superfamília do citocromo P450 de enzimas.

Encontrada no fígado, esta enzima é uma hidroxilase de vitamina D microsomal que converte a vitamina D em 25-hidroxivitamina D (calcidiol), que é a principal forma circulatória da vitamina [44], e que formará o GcMAF.

Como o GcMAF é formado no fígado com a ajuda da P450.
Figura 15 – Como o GcMAF é formado no fígado com a ajuda da P450.

O GcMAF não causa danos colaterais. Essas pequenas moléculas milagrosas são como pequenos aspiradores, sugando as partículas estranhas que entraram no sistema, seja por injeção ou ingestão.

Eles só existem no “estado benéfico”. Ao nível molecular, essas células são provavelmente a sua mais poderosa defesa contra proteínas exógenas que se infiltram através do trato gastrointestinal. O mecanismo para activar esses compostos de GcMAF utiliza Vitamina D, cálcio e o seu fígado [novamente, usando especificamente a enzima P450] para fazer com que isso aconteça.

Resumindo:

Pense no GcMAF como um Pacman monstruoso, comendo tudo o que é exógeno, processando-o e excretando-o. Em teoria, se injectar uma criança com vacinas e o seu fígado funcionar bem, o GcMAF deverá evitar que os adjuvantes das vacinas alcancem o cérebro. Mas e se não tiver muito GcMAF devido à exposição crónica ao glifosato? O glifosato injectado, juntamente com o adjuvante, está destinado a causar problemas.

Em que circunstâncias poderá estar a expor o seu filho ao glifosato?

doença intestinal nas crianças
Doença intestinal nas crianças

Durante a gravidez, às pacientes são recomendadas vitaminas pré-natais, testes de açúcar (com base em milho) e a vacina para a gripe e a Tdap recomendadas pelo CDC [40]. Muitos pacientes não sabem que os alimentos não orgânicos muito provavelmente não vão conter resíduos de glifosato [45]. A EPA [agência de protecção ambiental dos EUA definiu limites arbitrários para o glifosato nos nossos alimentos] [71]. Mas e os efeitos cumulativos? Para onde quer que olhemos, o glifosato está surpreendentemente associado a problemas. Comece pela produção: é produzido no laboratório por fusão da glicina, formaldeído e ácido fosforoso [74]. Isso envolve um intermediário chamado fósforo branco [72], um produto químico altamente tóxico usado na guerra química [73].

O glifosato provoca inflamação intestinal [46], infiltrações intestinais, expondo o glifosato ao fígado, onde o P450 inibe a produção do GcMAF e levará a uma resposta suprimida às vacinas injectadas intramuscularmente.

Esta é a razão pela qual o glifosato é capaz de entrar no sistema nervoso central. O glifosato é pequeno o suficiente para passar pela barreira hematoencefálica. Para atravessar a barreira hematoencefálica, apenas moléculas com menos de 800-1000 amu (unidade de massa atómica), em peso molecular, podem passar. O peso molecular do glifosato é de cerca de 169 amu.

Contaminação com glifosato em:

→ Vitaminas pré-natais
→ Vacinas
→ Alimentos
→ Fórmulas para recém-nascidos
→ Vinhos, chás, refrigerantes
→ Glucose de gravidez (resultados ainda por validar pendentes)?

O glifosato inibe a alteração do estado M1 pró-inflamatório para o estado M2 anti-inflamatório

Sempre que tem uma inflamação no cérebro, o seu corpo produz muitos receptores chamados CB2.
Este é um receptor de cannabinóides. A activação deste receptor ajuda na neuroprotecção [48], [49], [50], [51], [52], [54], [55], como também é evidenciado pela Patente do Governo dos Estados Unidos 6630507 [53]. Ele protege dos dano do glutamato e está envolvido em actividades antioxidantes.

A questão é: onde podemos encontrar esse receptor no cérebro? Para fechar o ciclo, a resposta é: na microglia.

Os cérebros saudáveis não têm a expressão do receptor CB2 no cérebro, um facto desconhecido para a maioria, mas tão crucial de entender. O CB2 é apenas expresso quando é preciso “arrefecer” a sobre-activação da microglia, alterando-a do estado M1 pró-inflamatório para o estado M2 anti-inflamatório. Normalmente, isso acontece no momento em que a inflamação começa. A Universidade de Michigan recentemente demonstrou que, para auto-corrigir e dissipar a inflamação, o cérebro faz uso do seu próprio endocanabinóide [anandamida] para produzir um composto chamado 5,6-EET-EAs para activar o receptor CB2 da microglia [76]. Este produto químico é 1000x mais forte do que o CBD [76]. O problema é que, para esta conversão acontecer, a enzima P450 é necessária. E como o glifosato iniba esta enzima, a microglia permanece activada permanentemente! Mais uma vez, quero enfatizar que o receptor CB2 é praticamente inexistente em cérebros saudáveis [75]. É por isso que tratar o seu filho com canabidiol é absurdo e pode agravar ainda mais os sintomas do paciente, uma vez que as superdoses reduzirão as propriedades neuroprotectoras do receptor CB2.

“Uma vez que o glifosato iniba a enzima P450, a microglia permanece activada permanentemente!”

Se o contributo das acções da microglia nas doenças neurodegenerativas progressivas está associado à elevação do fenótipo pro-inflamatório M1, ou a uma capacidade diminuída das células para se diferenciarem no fenótipo de tipo M2, continua a ser um problema por esclarecer no presente estudo.

Representação gráfica de como o seu corpo usa a anandamida para a activação microglial CB2 (anti-inflamatória) com a ajuda da enzima P450 (que é bloqueada pelo glifosato).
Figura 16 – Representação gráfica de como o seu corpo usa a anandamida para a activação microglial CB2 (anti-inflamatória) com a ajuda da enzima P450 (que é bloqueada pelo glifosato).

Glifosato – está por toda parte

23 vacinas nos primeiros 15 meses de vida estão no plano de vacinação para cada novo membro da nossa sociedade. De acordo com Stephanie Seneff, se as taxas de autismo continuarem a progredir como ao longo das últimas décadas, teremos 1 em cada 9 crianças com autismo até 2025 [77].

Existirão poucas almas para para comporem as nossas forças armadas. Assim, pode-se concluir que o autismo constitui uma ameaça à segurança nacional dos Estados Unidos.

Todas as vacinas testadas tinham glifosato nelas [40]! Pode ver como uma dieta rica em glifosato irá colocá-lo em risco. De acordo com o cientista investigador e denunciante do CDC, Dr. William Thompson [78], existiram dados omitidos sobre crianças afro-americanas que receberam a vacina da tríplice viral. E, de facto, existe um vínculo aparente ao autismo.

Porque é que isso afectará mais os filhos de afro-americanos? Uma explicação plausível é a de que (de acordo com o Centro Nacional para a Pobreza na Infância) 33% das crianças negras (3,6 milhões) vivem na pobreza. Nos 10 estados mais populosos, as taxas de pobreza infantil entre crianças negras variam de 29% na Califórnia e Flórida até 47% no Ohio [79]. A pobreza significa escolhas alimentares com alimentos mais processados (mais baratas), o que significa mais alimentos derivados de OGMs, o que significa mais glifosato.

O VAXXED é um excelente documentário que demonstra a fraude e o encobrimento [80]. Del Bigtree, Andrew Wakefield e Polly Tommey estão a viajar pelo mundo para estimularem a consciencialização na sua cruzada pela verdade, arriscando tanto pelo bem dos nossos filhos.

As quantidades acumuladas de glifosato contidas nessas vacinas que as grande farmacêuticas regularmente promovem para recém-nascidos, são preocupantes. Poucas horas após o nascimento, a vacinação para a hepatite B está na agenda. Conforme discutido acima, contém o AS04 (activador), para além do glifosato (um inibidor de estado benéfico) [24]. Para além disso, o leite materno e a fórmula podem conter glifosato [81] & [82]. A hepatite B e o Rotavírus activam 2 dos 3 receptores de TLR microgliais, e as partículas virais activam o terceiro [24].

Mais de 90% da soja, algodão e milho são pulverizados com glifosato nos EUA. 544.000 toneladas por ano nos EUA.
Figura 17 – Mais de 90% da soja, algodão e milho são pulverizados com glifosato nos EUA. 544.000 toneladas por ano nos EUA.

É importante notar que, uma vez que o glifosato nunca é usado sozinho na indústria, a detecção de glifosato pode ser um indicador da presença de muitos outros co-formulantes em herbicidas à base de glifosato, o que recentemente foi demonstrado pela equipa do cientista francês Seralini, pela presença de disruptores endócrinos até 1000 vezes mais tóxicos do que o glifosato por si só [67].

O glifosato mantém a inflamação em caracter permanente, inibindo as defesas cerebrais naturais.
Figura 18 – O glifosato mantém a inflamação em caracter permanente, inibindo as defesas cerebrais naturais.

O cerebrelo – o comando central da microglia

O cerebelo está envolvido num número substancial de funções complexas, desde a coordenação dos movimentos até o processamento das funções da linguagem, na cognição espacial e outras funções cognitivas e afectivas superiores [114], [115], [116]. Cresce imenso e reorganiza-se a nível das sinapses após o nascimento, levando ao desenvolvimento de circuitos cerebelares que estão envolvidos em funções motoras e cognitivas [130]. Os danos no cerebelo geralmente leva a défices motores, mas também podem resultar em deficiências cognitivas, como a perda da memória funcional e fluência verbal, e estão associadas a condições como o autismo e dislexia.

Matéria cinzenta no cerebelo de indivíduos com autismo, a incrível e nova evidência que aponta para que este seja o local da inflamação cerebral.
Figura 19 – Matéria cinzenta no cerebelo de indivíduos com autismo, a incrível e nova evidência que aponta para que este seja o local da inflamação cerebral.

A activação microglial foi documentada no cerebelo de indivíduos com autismo [119], [120], [121], [122], [126]. Múltiplos estudos demonstraram reduções significativas na matéria cinzenta do cerebelo de indivíduos com autismo [123], [124], [125]. Essas reduções correlacionaram-se com as pontuações que avaliaram comportamentos repetitivos e estereotipados, e comportamentos sociais e de comunicação [124]. Os estudos de autópsias realizados em cérebros de autistas revelaram activação marcada da microglia [127], e respostas inflamatórias neurológicas sustentadas devido à activação microglial na substância branca cortical e subcortical, bem como no cerebelo [119]. Mais evidências de que o cerebelo é provavelmente o alvo dos adjuvantes de vacinas é que os hemisférios laterais envolvidos em processamentos cognitivos maduros são particularmente atrasados [129].

Isso torna o cerebelo vulnerável a influências ambientais, tais como os adjuvantes de vacinas. Em conclusão, o cerebelo é o local de uma extensa patologia de distúrbios do espectro do autismo, incluindo anormalidades nas conexões do cérebro cerebelar cerebral a outros locais do cérebro, bem como em várias proteínas e neurotransmissores que afectam múltiplos domínios funcionais [131-139].

Cannabis – O activador do estado M2 da microglia

germinaçãoAté agora aprendemos que os adjuvantes das vacinas (alumínio + antigeno) activam a microglia para o estado M1 pró-inflamatório. A adição do glifosato inibe os nossos próprios endocanabinoides que revertem esse processo. O resultado é a activação irreversível da microglia, deixando o cérebro num estado inflamatório permanente. O resultado é o autismo, onde a formação da memória está muito prejudicada e a desregulação imune é consequência. Problemas intestinais, sobrecrescências parasitárias e disfunções metabólicas são frequentemente evidentes em crianças afectadas com autismo. Esses crescimentos bacterianos e parasitares no corpo fornecem possivelmente ainda mais citocinas para o cérebro, mantendo a microglia com o estado M1 activo.

Então, e porque é que a cannabis é assim tão interessante? Abordei extensivamente os mecanismos dos fitocanabinóides aqui:

  • Sistema Endocanabinoide no Autismo e a Cannabis Parte 1 [95]
  • Função dos fito-cnabinóides nas terapias do distúrbio do espectro do autismo Parte 2 [96]
  • Abordagem prática das terapias ASD baseadas na cannabis Parte 3 [97] O cérebro do autismo –
  • Como o glifosato destrói a produção de “super-cannabinoides” [98]
  • O que o glifosato faz ao seu cérebro [99]

Como é que exactamente a cannabis interage com a microglia? A resposta é simples, eles têm os receptores CB2 e TRVP. O THC mostrou reduzir a quantidade de citocinas pró-inflamatórias através da interação CB2 [52]. Na verdade, os receptores CB2 raramente foram observados nos neurónios e são expressos principalmente nas células microgliais [117], [118].

receptores neuroprotectores CB2
Figura 20 – Os receptores neuroprotectores CB2 começam a aparecer quando há inflamação. Quando activado, as convulsões param e o comportamento do autismo melhora. As evidências anedóticas deixam qualquer um sem palavras.

Os efeitos tremendo dos fito-canabinoides (de plantas) na microglia foram relatados recentemente por um estudo da Universidade de Madrid [57].

As evidências do controlo microglial pelos fito-canabinoides

  • O receptor CB2 é regulado positivamente quando a microglia se transforma em células pró-inflamatórias [56]. Isso significa que o cérebro é auto-regulado. Lembre-se, o glifosato, contido nas nossas dietas (e em todas as vacinas) inibe esse processo.
  • A activação do CB2 via anandamida suprime as citocinas pró-inflamatórias, a TNF-alfa e o óxido nitroso [58]
  • Os canabinóides potenciam a produção de citocinas anti-inflamatórias IL-6 [60].
  • Os canabinóides evitam a produção de citocinas pró-inflamatórias induzidas pelo LPS [61].
  • Endo e e fito-cocanabinoides activam o CB2 para induzirem a migração celular (para dizerem a outra microglia para ajudar na limpeza e reestruturação) [62] [63], [64].
  • O canabinóide activa o CB2 na microglia para aumentar a proliferação do estado M2 benéfico [65].
  • A activação do CB2 mediada pelo THC resulta num menor número de células microgliais e de neurónios degenerados [66]

A cannabis continua a ser classificada como um medicamento com características prejudiciais e, portanto, os ensaios clínicos são impossíveis de realizar. É por isso que é imperativo que o governo federal reclassifique a cannabis.

Recursos

Recursos extensos sobre a cannabis e o autismo:

  1. MAMMAs (Mothers Advocating Medical Marijuana for Autism) (Facebook [87] e website)
  2. Mieko Hester Perez, a fundação não convencional para o autismo [93]
  3. Acesso a plantas para o tratamento do autismo (Facebook [86])

Excelentes recursos sobre o glifosato:

  1. Marcha contra a Monsanto [89] & [90]
  2. Moms Across America [91] & [92]
  3. Stephanie Seneff, investigadora do MIT [77]
  4. Biblioteca Nacional de Medicina Toxicológica [94]

Este artigo será fortemente criticado. Provavelmente tem falhas e erros mas, em geral, referi mais de 140 fontes que fundamentam a posição, descrevendo os princípios fundamentais da fisiopatologia do autismo. Leia-os na íntegra antes de pensar em desacreditar a informação.

Afirmo que o impedimento do uso da cannabis para fins medicinais é uma violação dos direitos humanos, uma vez que não existem provas sólidas de que isso possa causar danos. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, quase seis milhões de pessoas morrem por causa do consumo de tabaco e 2,5 milhões pelo consumo prejudicial de álcool, por ano e em todo o mundo mas, ainda assim, ambos são legais. Mais importante ainda, no entanto, é que estamos a causar danos aos nossos filhos com calendários de vacinação imprudentes, que são mal estudados e pouco testados em seres humanos. Isso tem de acabar. Devemos exigir mudanças. Hoje.

~ Dr. Christian Bogner, MD

REFERÊNCIAS

[1] https://worldmercuryproject.org/robert-f-kennedy-jr-announces-world-mercury-projects-100000-challenge-goal-stopping-use-highly-toxic-mercury-vaccines/#sthash.QyUVDJh9.dpuf

[2] https://www.cdc.gov/vaccines/schedules/images/schedule1983s.jpg

[3] https://www.cdc.gov/vaccines/schedules/hcp/imz/child-adolescent.html

[4] http://www.foxnews.com/health/2015/07/30/autism-costs-may-reach-1-trillion-by-2025-surpassing-diabetes-care-study.html

[5] https://www.cdc.gov/vaccines/hcp/conversations/downloads/vacsafe-understand-color-office.pdf

[6] Coffman RL, Sher A, Seder RA. Vaccine adjuvants: putting innate immunity to work. Immunity. 2010;33(4):492-503.

[7] The Blood-Brain Barrier in Health and Disease, Volume One: Morphology, Biology and Immune Function, CRC Press (June 23, 2015)

[8] Ransohoff RM, El khoury J. Microglia in Health and Disease. Cold Spring Harb Perspect Biol. 2015;8(1):a020560.

[9] Azevedo FA, Carvalho LR, Grinberg LT, et al. Equal numbers of neuronal and nonneuronal cells make the human brain an isometrically scaled-up primate brain. J Comp Neurol. 2009;513(5):532-41.

[10] Glial Physiology and Pathophysiology, Wiley-Blackwell; 1 edition (April 15, 2013)

[11] Cherry JD, Olschowka JA, O’banion MK. Neuroinflammation and M2 microglia: the good, the bad, and the inflamed. J Neuroinflammation. 2014;11:98.

[12]Ransohoff RM, El khoury J. Microglia in Health and Disease. Cold Spring Harb Perspect Biol. 2015;8(1):a020560

[13]Zariri A, Pupo E, Van riet E, Van putten JP, Van der ley P. Modulating endotoxin activity by combinatorial bioengineering of meningococcal lipopolysaccharide. Sci Rep. 2016;6:36575.

[14] Coffman RL, Sher A, Seder RA. Vaccine adjuvants: putting innate immunity to work. Immunity. 2010;33(4):492-503.

[15] Singh VK, Lin SX, Newell E, Nelson C. Abnormal measles-mumps-rubella antibodies and CNS autoimmunity in children with autism. J Biomed Sci. 2002;9(4):359-64.

[16] Bieback K, Lien E, Klagge IM, et al. Hemagglutinin protein of wild-type measles virus activates toll-like receptor 2 signaling. J Virol. 2002;76(17):8729-36.

[17] https://www.cdc.gov/vaccines/pubs/pinkbook/downloads/appendices/B/excipient-table-2.pdf

[18] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/?term=vaccine+adjuvant

[19] Podda A. The adjuvanted influenza vaccines with novel adjuvants: experience with the MF59-adjuvanted vaccine. Vaccine. 2001;19(17-19):2673-80.

[20] Beran J. Safety and immunogenicity of a new hepatitis B vaccine for the protection of patients with renal insufficiency including pre-haemodialysis and haemodialysis patients. Expert Opin Biol Ther. 2008;8(2):235-47.

[21] https://report.nih.gov/categorical_spending.aspx

[22] De gregorio E, Caproni E, Ulmer JB. Vaccine adjuvants: mode of action. Front Immunol. 2013;4:214.

[23] Exley C, Siesjö P, Eriksson H. The immunobiology of aluminium adjuvants: how do they really work?. Trends Immunol. 2010;31(3):103-9.

[24] Cancer and Inflammation Mechanisms: Chemical, Biological, and Clinical Aspects 1st Edition (March 31, 2014)

[25] Gertig U, Hanisch UK. Microglial diversity by responses and responders. Front Cell Neurosci. 2014;8:101.

[26] Guloksuz SA, Abali O, Aktas cetin E, et al. Elevated plasma concentrations of S100 calcium-binding protein B and tumor necrosis factor alpha in children with autism spectrum disorders. Rev Bras Psiquiatr. 2017;

[27] Kroner A, Greenhalgh AD, Zarruk JG, Passos dos santos R, Gaestel M, David S. TNF and increased intracellular iron alter macrophage polarization to a detrimental M1 phenotype in the injured spinal cord. Neuron. 2014;83(5):1098-116.

[28] Mosser CA, Baptista S, Arnoux I, Audinat E. Microglia in CNS development: Shaping the brain for the future. Prog Neurobiol. 2017;

[29] Macleod MK, Mckee AS, David A, et al. Vaccine adjuvants aluminum and monophosphoryl lipid A provide distinct signals to generate protective cytotoxic memory CD8 T cells. Proc Natl Acad Sci USA. 2011;108(19):7914-9.

[30] Tuchman R. Autism and epilepsy: what has regression got to do with it?. Epilepsy Curr. 2006;6(4):107-11.

[31] http://ccr.coriell.org/Sections/Search/Sample_Detail.aspx?Ref=AG05965-C&PgId=166

[32] http://ccr.coriell.org/Sections/Search/Sample_Detail.aspx?Ref=AG06814-J&PgId=166

[33] http://en.wikipedia.org/wiki/HEK_cell#Origins_of_HEK_293_Cells

[34] Ge Y, Mansell A, Ussher JE, et al. Rotavirus NSP4 Triggers Secretion of Proinflammatory Cytokines from Macrophages via Toll-Like Receptor 2. J Virol. 2013;87(20):11160-7.

[35] http://drbogner.com/glyphosate-autism/

[36] http://drbogner.com/glyphosate-vs-brain/

[37] http://drbogner.com/autismfile/

[38] Benbrook CM. Trends in glyphosate herbicide use in the United States and globally. Environ Sci Eur. 2016;28(1):3.

[39] Samsel A, Seneff S. Glyphosate, pathways to modern diseases III: Manganese, neurological diseases, and associated pathologies. Surg Neurol Int. 2015;6:45.

[40] http://www.momsacrossamerica.com/glyphosate_in_childhood_vaccines

[41] Samsel A, Seneff S. Glyphosate’s Suppression of Cytochrome P450 Enzymes and Amino Acid Biosynthesis by the Gut Microbiome: Pathways to Modern Diseases. Entropy 2013, 15(4), 1416-1463

[42] Christakos S, Dhawan P, Verstuyf A, Verlinden L, Carmeliet G. Vitamin D: Metabolism, Molecular Mechanism of Action, and Pleiotropic Effects. Physiol Rev. 2016;96(1):365-408.

[43] Thyer L, Ward E, Smith R, et al. A novel role for a major component of the vitamin D axis: vitamin D binding protein-derived macrophage activating factor induces human breast cancer cell apoptosis through stimulation of macrophages. Nutrients. 2013;5(7):2577-89.

[44] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/gene?Db=gene&Cmd=ShowDetailView&TermToSearch=120227

[45] http://www.fooddemocracynow.org/blog/2016/nov/14

[46] National Toxicology Data Network, Glyphosate. https://toxnet.nlm.nih.gov/cgi-bin/sis/search/a?dbs+hsdb:@term+@DOCNO+3432

[47] World Health Organization WHO/ International Programme on Chemical Safety; Environmental Health Criteria 159, Glyphosate, (1994)

[48] Cassano T, Calcagnini S, Pace L, De marco F, Romano A, Gaetani S. Cannabinoid Receptor 2 Signaling in Neurodegenerative Disorders: From Pathogenesis to a Promising Therapeutic Target. Front Neurosci. 2017;11:30.

[49] Fernández-trapero M, Espejo-porras F, Rodríguez-cueto C, et al. Up-regulation of CB2 receptors in reactive astrocytes in canine degenerative myelopathy, a disease model of amyotrophic lateral sclerosis. Dis Model Mech. 2017;

[50] Navarro G, Morales P, Rodríguez-cueto C, Fernández-ruiz J, Jagerovic N, Franco R. Targeting Cannabinoid CB2 Receptors in the Central Nervous System. Medicinal Chemistry Approaches with Focus on Neurodegenerative Disorders. Front Neurosci. 2016;10:406.

[51] Javed H, Azimullah S, Haque ME, Ojha SK. Cannabinoid Type 2 (CB2) Receptors Activation Protects against Oxidative Stress and Neuroinflammation Associated Dopaminergic Neurodegeneration in Rotenone Model of Parkinson’s Disease. Front Neurosci. 2016;10:321.

[52] Xie J, Xiao D, Xu Y, et al. Up-regulation of immunomodulatory effects of mouse bone-marrow derived mesenchymal stem cells by tetrahydrocannabinol pre-treatment involving cannabinoid receptor CB2. Oncotarget. 2016;7(6):6436-47.

[53] US patent 6630507,Cannabinoids as antioxidants and neuroprotectants, https://docs.google.com/viewer?url=patentimages.storage.googleapis.com/pdfs/US6630507.pdf

[54] Fernández-Ruiz JJ, Gonzalez S, Romero J, Ramos JA. Cannabinoids in neurodegeneration and neuroprotection Cannabinoids as Therapeutics 2005,Birkhäuser Verlag: Switzerland; 79–109.109In: Mechoulam R (ed)

[55] Walsh SK, Hepburn CY, Keown O, et al. Pharmacological profiling of the hemodynamic effects of cannabinoid ligands: a combined in vitro and in vivo approach. Pharmacol Res Perspect. 2015;3(3):e00143.

[56] Carlisle SJ, Marciano-Cabral F, Staab A, Ludwick C, Cabral GA (2002). Differential expression of the CB2 cannabinoid receptor by rodent macrophages and macrophage-like cells in relation to cell activation. Int Immunopharmacol 2: 69–82

[57] Benito C, Tolón RM, Pazos MR, Núñez E, Castillo AI, Romero J. Cannabinoid CB2 receptors in human brain inflammation. Br J Pharmacol. 2008;153(2):277-85.

[58] Molina-Holgado F, Lledo A, Guaza C. Anandamide suppresses nitric oxide and TNF-alpha responses to Theiler’s virus or endotoxin in astrocytes. Neuroreport. 1997;8:1929–1933.

[59] Walter L, Franklin A,Witting A,Wade C, Xie Y, Kunos G et al. (2003).Nonpsychotropic cannabinoid receptors regulate microglial cell migration. J Neurosci 23: 1398–1405.

[60] Molina-Holgado F, Molina-Holgado E, Guaza C. The endogenous cannabinoid anandamide potentiates interleukin-6 production by astrocytes infected with Theiler’s murine encephalomyelitis virus by a receptor-mediated pathway. FEBS Lett. 1998;433:139–142.

[61] Puffenbarger RA, Boothe AC, Cabral GA. Cannabinoids inhibit LPS-inducible cytokine mRNA expression in rat microglial cells. Glia. 2000;29:58–69.

[62] Walter L, Franklin A,Witting A,Wade C, Xie Y, Kunos G et al. (2003). Nonpsychotropic cannabinoid receptors regulate microglial cell migration. J Neurosci 23: 1398–1405.

[63] Klein TW, Lane B, Newton CA, Friedman H. The cannabinoid system and cytokine network. Proc Soc Exp Biol Med. 2000;225:1–8.

[64] Franklin A, Stella N (2003). Arachidonylcyclopropylamide increases microglial cell migration through cannabinoid CB2 and abnormal cannabidiol-sensitive receptors. Eur J Pharmacol 474: 195–198.

[65] Carrier EJ, Kearn CS, Barkmeier AJ, Breese NM, YangW, Nithipatikom,K et al. (2004). Cultured rat microglial cells synthesize the endocannabinoid 2-arachidonylglycerol, which increases proliferation via a CB2 receptor-dependent mechanism. Mol Pharmacol 65: 999–1007.

[66] Kreutz S, Koch M, Ghadban C, Korf HW, Dehghani F (2007). Cannabinoids and neuronal damage: differential effects of THC,AEA and 2-AG on activated microglial cells and degenerating neurons in excitotoxically lesioned rat organotypic hippocampal slice cultures. Exp Neurol 203: 246–257.

[67] https://goo.gl/LVgj8q

[68] Glial Physiology and Pathophysiology, Wiley-Blackwell; 1 edition (April 15, 2013

[69] http://cogforlife.org/SCPIIMFARHR.pdf

[70] http://bit.ly/glyphosateFood

[71] https://goo.gl/KIKjT8

[72] http://www.essentialchemicalindustry.org/chemicals/phosphorus.html

[73] https://en.wikipedia.org/wiki/Fallujah,_The_Hidden_Massacre

[74] https://pubchem.ncbi.nlm.nih.gov/compound/glyphosate

[75] Onaivi ES, Ishiguro H, Gu S, Liu QR. CNS effects of CB2 cannabinoid receptors: beyond neuro-immuno-cannabinoid activity. J Psychopharmacol (Oxford). 2012;26(1):92-103.

[76] Snider NT, Sikora MJ, Sridar C, Feuerstein TJ, Rae JM, Hollenberg PF. The endocannabinoid anandamide is a substrate for the human polymorphic cytochrome P450 2D6. J Pharmacol Exp Ther. 2008;327(2):538-45.

[77] https://people.csail.mit.edu/seneff/

[78] http://vaxxedthemovie.com/download-the-cdc-autism-mmr-files-released-by-dr-william-thompson/

[79] http://www.nccp.org/media/releases/release_34.html

[80] http://vaxxedthemovie.com/

[81] http://www.momsacrossamerica.com/more_roundup_found_in_usa_moms_breast_milk

[82] Samsel A, Seneff S. Glyphosate, pathways to modern diseases III: Manganese, neurological diseases, and associated pathologies. Surg Neurol Int. 2015;6:45.

[83] http://www.drugfree.org/news-service/who-report-smoking-and-drinking-cause-millions-of-deaths-worldwide/

[84] http://www.marchagainstmonsanto.com

[85] http://www.worldmercuryproject.org

[86] https://goo.gl/x8r17z

[87] https://goo.gl/5w081b

[88] https://goo.gl/gBkdqX

[89] https://goo.gl/AbXYiB

[90] https://goo.gl/ok8mMY

[91] https://goo.gl/9l4PeS

[92] https://goo.gl/cZPtzU

[93] https://goo.gl/DZWFCj

[94] https://goo.gl/21Kmlt

[95] http://drbogner.com/endocannabinoid-system-autism-cannabis-part-1/

[96] http://drbogner.com/role-phytocannabinoids-autism-therapy-part-2/

[97] http://drbogner.com/practical-approach-to-cannabis-based-asd-therapies-part-3/

[98] http://drbogner.com/glyphosate-autism/

[99] http://drbogner.com/glyphosate-vs-brain/

[100] http://medcraveonline.com/IJVV/IJVV-04-00072.pdf

[101] http://www.ecowatch.com/kennedy-metal-debris-vaccines-2276687112.html

[102] https://en.wikipedia.org/wiki/Neuroplasticity

[103] Handbook of the Cerebellum and Cerebellar Disorders, Manto, 2013 [Springer]

[104] Aarum J, Sandberg K, Haeberlein SLB, Persson MAA (2003) Migration and differentiation of neural precursor cells can be directed by microglia. Proc Natl Acad Sci USA 100:15983–15988

[105] Morgan SC, Taylor DL, Pocock JM (2004) Microglia release activators of neuronal proliferation mediated by activation of mitogen-activated protein kinase, phosphatidylinositol-3-kinase/Akt and delta–Notch signalling cascades. J Neurochem 90:89–101

[106] Battista D, Ferrari CC, Gage FH, Pitossi FJ (2006) Neurogenic niche modulation by activated microglia: transforming growth factor β increases neurogenesis in the adult dentate gyrus. Eur J Neurosci 23:83–93

[107] Butovsky O, Ziv Y, Schwartz A, Landa G, Talpalar AE, Pluchino S et al (2006) Microglia activated by IL-4 or IFN-γ differentially induce neurogenesis and oligodendrogenesis from adult stem/ progenitor cells. Mol Cell Neurosci 31:149–160

[108] Ziv Y, Ron N, Butovsky O, Landa G, Sudai E, Greenberg N et al (2006) Immune cells contribute to the maintenance of neurogenesis and spatial learning abilities in adulthood. Nat Neurosci 9:268–275

[109] Vukovic J, Colditz MJ, Blackmore DG, Ruitenberg MJ, Bartlett PF (2012) Microglia modulate hippocampal neural precursor activity in response to exercise and aging. J Neurosci 32: 6435–6443

[110] The Neurochemical Basis of Autism, Springer; 2010 edition (March 10, 2010)

[111] Charleston JS, Bolender RP, Mottet NK, Body RL, Vahter ME, Burbacher TM. (1994) Increases in the number of reactive glia in the visual cortex of Macaca fascicularis following subclinical long-term methyl mercury exposure. Toxicol Appl Pharmacol 129:196–206.

[112] Charleston JS, Body RL, Mottet NK, Vahter ME, Burbacher TM. (1995) Autometallographic determination of inorganic mercury distribution in the cortex of the calcarine sulcus of the monkey Macaca fascicularis following long-term subclinical exposure to ethylmercury and mercuric chloride. Toxicol Appl Pharmacol 132:325–333.

[113] http://education.jlab.org/itselemental/ele013.html

[114] Baudouin, S. J., Gaudias, J., Gerharz, S., Hatstatt, L., Zhou, K., Punnakkal, P., et al. (2012). Shared synaptic pathophysiology in syndromic and nonsyndromic rodent models of autism. Science, 338(6103), 128–132.

[115] Schmahmann, J. D. (2010). The role of the cerebellum in cognition and emotion: personal reflections since 1982 on the dysmetria of thought hypothesis, and its historical evolution from theory to therapy. Neuropsychology review, 20(3), 236–260.

[116] Tsai, P. T., Hull, C., Chu, Y., Greene-Colozzi, E., Sadowski, A. R., Leech, J. M., et al. (2012). Autistic-like behaviour and cerebellar dysfunction in Purkinje cell Tsc1 mutant mice. Nature, 488(7413), 647–651.

[117] Carrier EJ, Kearn CS, Barkmeier AJ, Breese NM, Yang W, Nithipatikom K, Pfister SL, Campbell WB, Hillard CJ (2004) Cultured rat microglial cells synthesize the endocannabinoid 2-arachidonylglycerol, which increases proliferation via a CB2 receptor-dependent mechanism. Mol Pharmacol 65:999–1007

[118] Gong JP, Onaivi ES, Ishiguro H, Liu QR, Tagliaferro PA, Brusco A, Uhl GR (2006) Cannabinoid CB2 receptors: immunohistochemical localization in rat brain. Brain Res 1071:10–23

[119] Vargas DL, Nascimbene C, Krishnan C et al (2005) Neuroglial activation and neuroinflammation in the brain of patients with autism. Ann Neurol 57:67–81

[120] Chaste P, Leboyer M: Autism risk factors: Genes, environment, and gene-environment interactions. Dialogues Clin Neurosci 14:281–292, 2012.

[121] Jyonouchi H, Sun S, Le H: Proinflammatory and regulatory cytokine production associated with innate and adaptive immune responses in children with autism spectrum disorders and developmental regression.J Neuroimmunol 120:170–179, 2001.

[122] Ashwood P, Krakowiak P, Hertz-Picciotto I, Hansen R, Pessah I, Van de Water J: Elevated plasma cytokines in autism spectrum disorders provide evidence of immune dysfunction and are associated with impaired behavioral outcome. Brain Behav Immun 25:40–45, 2011.

[123] McAlonan GM, Cheung V, Cheung C et al (2005) Mapping the brain in autism: a voxel-based MRI study of volumetric differences and intercorrelations in autism. Brain 128:268–276

[124] Rojas DC, Peterson E, Winterrowd E et al (2006) Regional gray matter volumetric changes in autism associated with social and repetitive behavior symptoms. BMC Psychiatry 6:56

[125] Toal F, Bloemen OJ, Deeley Q et al (2009) Psychosis and autism: magnetic resonance imaging study of brain anatomy. Br J Psychiatry 194:418–425

[126] Morgan JT, Chana G, Pardo CA, Achim C, Semendeferi K, Buckwalter J, Courchesne E,Everall IP. Microglial activation and increased microglial density observed in the dorsolateral prefrontal cortex in autism. Biol. Psychiatry (2010) 68:368-376.

[127] Pardo CA, Vargas DL, Zimmerman AW. Immunity, neuroglia and neuroinflammation in autism. Int. Rev. Psychiatry (2005) 17:485-495.

[128] Blaylock RL. Chronic Microglial Activation and Excitotoxicity Secondary to Excessive Immune Stimulation: Possible Factors in Gulf War Syndrome and Autism. J. Am. Phys.Surg. (2004) 9:46-51.

[129] Tiemeier H, Lenroot RK, Greenstein DK et al (2010) Cerebellum development during childhood and adolescence: a longitudinal morphometric MRI study. Neuroimage 49(1):63–70

[130] Perez-pouchoulen M, Vanryzin JW, Mccarthy MM. Morphological and Phagocytic Profile of microglia in the Developing Rat Cerebellum(1,2,3). eNeuro. 2015;2(4)

[131] Fatemi SH, Stary JM, Halt AR, Realmuto G (2001) Dysregulation of Reelin and Bcl-2 proteins in autistic cerebellum. J Autism Dev Disord 6:529–535

[132] Fatemi SH, Halt AR, Realmuto G, Earle J, Kist DA, Thuras P, Merz A (2002a) Purkinje cell size is reduced in cerebellum of patients with autism. Cell Mol Neurobiol 22:171–175

[133] Fatemi SH, Halt AR, Stary JM, Kanodia R, Schulz SC, Realmuto GR (2002b) Glutamic acid decarboxylase 65 and 67 kDa proteins are reduced in autistic parietal and cerebellar corticies. Biol Psychiatry 52:805–810

[134] Fatemi SH, Snow AV, Stary JM, Araghi-Niknam M, Reutiman TJ, Lee S, Brooks AI, Pearce DA (2005) Reelin signaling is impaired in autism. Biol Psychiatry 57:777–787

[135] Fatemi SH, Reutiman TJ, Folsom TD, Thuras PD (2009a) GABA(A) receptor downregulation in brains of subjects with autism. J Autism Dev Disord 39:223–230

[136] Fatemi SH, Folsom TD, Reutiman TJ, Thuras PD (2009b) Expression of GABA(B) receptors is altered in brains of Subjects with autism. Cerebellum 8:64–69

[137] Fatemi SH, Reutiman TJ, Folsom TD, Rooney RJ, Patel DH, Thuras PD (2010) mRNA and protein levels for GABA(A) alpha 4, alpha 5, beta 1, and GABA(B)R1 receptors are altered in brains from subjects with autism. J Autism Dev Disord 40:743–750

[138] Fatemi SH, Folsom TD, Kneeland RE, Liesch SB (2011) Metabotropic glutamate receptor 5 upregulation in children with autism is associated with underexpression of both Fragile X mental retardation protein and GABAA receptor beta 3 in adults with autism. Anat Rec 294:1635–1645

[139] Fatemi SH, Aldinger KA, Ashwood P, Bauman ML, Blaha CD, Blatt GJ, Chauhan A, Chauhan V, Dager SR, Dickson PE, Estes AM, Goldowitz D, Heck DH, Kemper TL, King BH, Martin LA, Millen KJ, Mittleman G, Mosconi MW, Persico AM, Sweeney JA, Webb SJ, Welsh JP (2012) Consensus paper: pathological role of the cerebellum in autism. Cerebellum 11:777–807

[140] Available at: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2210762211000052. Accessed March 14, 2017.

[141] https://www.cdc.gov/vaccines/pubs/pinkbook/downloads/appendices/B/excipient-table-2.pdf

Fonte: http://drbogner.com/vaccine-mechanisms-in-autism/

As Novas Vacinas ainda causam Autismo

As Novas Vacinas ainda causam Autismo

autismo

Autismo. Hoje nos EUA e num número crescente de outros países, a política oficial é a de que qualquer estudo científico, independentemente da sua metodologia, qualidade, credenciais de autor e processo revisto por pares é sumariamente descartado como incompleto, irrelevante ou sem suporte se for encontrada uma ligação entre qualquer vacina ou combinação de vacinas, e distúrbios do espectro do autismo.

Mesmo quando o imunologista do CDC, o Dr. William Thompson, denúncia e fornece milhares de páginas de dados científicos e pesquisas que provam a ligação vacina-autismo, a questão é rapidamente colocada debaixo da mesa. No caso da revelação dos documentos confidenciais do Dr. Thompson a um subcomité do Congresso, o CDC dissimulou intencionalmente as evidências de que os meninos afro-americanos com menos de 36 meses tinham maior risco de autismo após receberem a vacina MMR. Os documentos também provaram que o CDC sabe há muito tempo que os tiques neurológicos, indicando distúrbios cerebrais, foram associados às vacinas que continham timerosal, como a vacina contra gripe.

Sabemos também há mais de quinze anos, graças a uma declaração conseguida pela Lei da Liberdade de Informação [freedom of information act] que os funcionários do CDC, cientistas de vacinas no painel consultivo de vacinas do CDC, OMS e executivos farmacêuticos privados se encontraram secretamente ao longo de dois dias no centro de retiros de Simpsonwood, perto de Atlanta. Deliberaram sobre as descobertas da pesquisa Verstraeten demonstrando o papel do timerosal na ascensão do autismo. A reunião foi realizada com o propósito específico de encontrarem formas de impedir que as descobertas chegassem ao público, e de dar a volta e manipular os dados para refutar a ligação vacina-autismo.

Mais recentemente, um médico consultor privado, Barry Rumack MD, foi contratado pela FDA [Organismo Governamental para a Segurança dos Medicamentos] para rever esse estatuto do mercúrio para crianças com ênfase nas vacinas infantis. De acordo com as suas descobertas,

Em nenhum momento, do nascimento aos 16-18 meses de idade, as crianças tinham níveis de mercúrio abaixo das directrizes da Agência de Potecção Ambiental [EPA] para a exposição permissível ao mercúrio… De facto, de acordo com os modelos, os níveis sanguíneos e de carga corporal de mercúrio atingiram o pico aos seis meses de idade com um nível chocante de 120 ng / L. Para colocar isto em perspectiva, o CDC classifica a intoxicação por mercúrio como existente a partir de níveis de mercúrio no sangue superiores a 10 ng / L.

O Dr. Rumack realça que o FDA escolheu esconder esta descoberta do público e dos oficiais nas hierarquias mais elevadas da saúde. [1]

Outro caso condenável de conhecimento do governo e da indústria sobre uma ligação vacina-autismo é um documento revelado a  16 de Dezembro de 2011, da GlaxoSmithKline, um dos maiores fabricantes de vacinas do mundo. O texto admite que a corporação tem conhecimento dos riscos de autismo associados à sua vacina Infanrix, que combina a difteria, o tétano, a pertussis acelular, a hepatite B, a pólio inactivada e os vírus haemophilus influenza. O relatório detalha os efeitos adversos associados com o autismo, incluindo a encefalite, atrasos no desenvolvimento, estados alterados de Consciência, atrasos de fala e outras reacções adversas. [2]

Embora esses eventos possam ser considerados actividades criminosas que ameaçam directamente a saúde pública, eles tiveram pouco efeito sobre a mudança de política nacional sobre a segurança das vacinas. Em vez disso, a negação oficial de qualquer possível associação entre vacinas e autismo tem endurecido com um dogma absoluto. E até hoje, não há uma única publicação sólida para refutar com total certeza a ligação vacina-autismo.

Infelizmente, os meios de comunicação americanos aceitaram a negação federal como absoluta também. Nunca ouvimos os meios de comunicação a questionarem a veracidade e a legitimidade científica da doutrina oficial. Na verdade, os meios de comunicação vão ainda mais longe, abraçando os princípios das notícias falsas para atacar cientistas, médicos e pais que fornecem provas em contrário. Portanto, o que se segue é para que os leitores possam discernir e refletir sobre as provas apresentada que mostram uma relação inequívoca entre vacinação e distúrbios autistas.

Ao contrário dos Estados Unidos, do Reino Unido e da Austrália, a maioria dos ministérios governamentais de saúde no mundo industrializado moderno não assume uma posição nacional oficial sobre a controvérsia das vacinas contra o autismo e outras lesões graves relacionadas com a vacina. Apenas dezanove países, incluindo os EUA, têm políticas de imunidade criminal para a indústria farmacêutica com programas de compensação por lesões causadas por vacinas. Isso deve-se, em parte, ao facto das agências de saúde americanas e britânicas estarem fortemente comprometidas pelos interesses privados em vacinas. As jogadas de bastidores e o conflito de interesses entre essas agências federais e a indústria farmacêutica foram bem documentados. Nos Estados Unidos, a comunidade de consultores de vacinas do CDC está no bolso das empresas farmacêuticas. Este não é o caso para a maioria das nações em que a integridade científica e independente das instituições oficiais para eventos adversos de vacina continua a ser a norma. Em 2014, as autoridades francesas decidiram que havia uma relação directa entre a vacina contra a hepatite B e um aumento súbito na esclerose múltipla. [3] Em 2012, depois de um longo processo de investigação, um tribunal italiano decidiu que a vacina MMR causava lesões cerebrais levando ao autismo no caso de Valentino Bocca. [4] Essa decisão foi intencionalmente omitida pelos meios de comunicação americanos. O governo japonês parou a MMR em 1993 devido ao aumento das taxas de autismo. Até o momento, o tribunal de compensação por lesões de vacinas dos EUA pagou aproximadamente 3,1 biliões de dólares às famílias das crianças vítimas de vacinas. Contudo, o número real de casos adjudicados é muito reduzido em comparação com o grande número de pedidos apresentados e subsequentemente negados. Entre estes estão os casos relacionados ao autismo, como o de Hannah Poling, Bailey Banks, Ryan Mojabi, Emily Moller, e diversos outros. Muitas compensações foram concedidas aos casos de encefalite induzida por vacina ou inflamação cerebral, um evento comum associado ao autismo regressivo. Portanto, dentro do registro legal, contrariamente às negativas inflexíveis do CDC e pró-vaxxers como Paul Offit, as vacinas podem causar autismo.

O Timerosal, o conservante de etilmercúrio vulgarmente encontrado nas vacinas, é talvez o ingrediente com a mais longa história de controvérsia. A empresa farmacêutica Eli Lily testouo  timerosal já em 1930, dando-lhe um registo limpo de segurança, embora os seus próprios ensaios tenham mostrado que causou sérios danos neurológicos e até mesmo a morte em animais e seres humanos. Durante essa década, um fabricante de vacinas concorrente, a Pittman-Moore, também realizou estudos toxicológicos com cães e concluiu que o conservante era “insatisfatório como um soro destinado a ser usado em cães”. Durante a Segunda Guerra Mundial, as vacinas com timerosal eram rotuladas como “veneno” e, mais tarde, em 1972, a própria Eli Lily descobriu que o timerosal em doses cem vezes mais fracas do que numa vacina típica daquela época, era “tóxica para as células dos tecidos”. No entanto, a farmacêutica continuou a promover a ilusão de que o timerosal era seguro e altamente adequado como conservante de vacinas. As autoridades governamentais de saúde e fabricantes de vacinas até mesmo hoje sabem da longa história de pesquisas que confirmam que o timerosal é um veneno tóxico inadequado para humanos. Um antigo investigador de vacinas e líder da Merck havia advertido uma vez a empresa sobre os perigos de administrar vacinas com mercúrio a recém-nascidos e bebés e declarou que a indústria sabe muito bem que existem “alternativas não tóxicas” igualmente eficazes e que podem ser usadas para substituir o timerosal.

A literatura científica utilizada para desacreditar os riscos do timerosal contém sérias falhas na concepção do ensaio e na qualidade da ciência. Quando o pai da ideologia pró-vacina moderna, o Dr. Paul Offit, saiu a atacar e condenar qualquer pessoa que sugira uma associação timerosal-autismo, é difícil para uma pessoa racional e objectiva levá-lo a sério. Nenhum dos mais citados vinte estudos primários mais referenciados para desacreditar os riscos do timerosal é um estudo biológico. Em vez disso, cada um deles é um relatório ecológico ou de coorte. A maioria desses estudos foi revista e descartada de forma independente por preconceitos grosseiros, falhas graves de projecto e negligência científica. O principal autor do sempre popular inquérito sobre o timerosal-autismo dinamarquês está sob investigação criminal por desviar vastos fundos do CDC para financiar o estudo. Uma revisão dos métodos de recolha do estudo dinamarquês revela imediatamente que foi uma farsa completa. Uma vez que estes estudos são apenas análises estatísticas que utilizam uma variedade de parâmetros de “dados massajados” para comparar populações seleccionadas ou subgrupos dentro de uma população, eles estão altamente predispostos a defeitos de projecto intencionais e de manipulação de dados, a fim de alcançar o resultado desejado. Por essa razão, os estudos ecológicos e de coorte são politicamente desejáveis ​​dentro da indústria de vacinas e CDC. Os dados podem ser massajados de várias maneiras para chegar à conclusão escolhida. No entanto, no mundo real da ciência pura e dura, tais estudos observacionais e não-biológicos carecem do rigor metodológico para estabelecer suposições científicas confiáveis. De facto, a única conclusão que podemos extrair do arsenal de estudos citados incessantemente pelos negadores da neurotoxicidade do timerosal é que uma pesquisa mais abrangente e rigorosa é exigida.

Isso não quer dizer que todos os estudos ecológicos e de coorte não valem nada. Há também muitos estudos de coorte importantes mostrando uma relação vacina-autismo. Alguns destes também sofrem de má concepção. No entanto, estudos populacionais são inconclusivos e nunca devem ser usados ​​como prova substancial nem a palavra final para postular ou negar a actividade biomolecular e os efeitos adversos de qualquer substância química ou substância tóxica. Apenas a pesquisa biológica de ensaios duplamente cegos, controlados por placebo, pode determinar uma certeza médica provável. No caso do timerosal e outros ingredientes vacinais, isto requer uma detecção e medição precisa da actividade tóxica e das suas consequências a nível celular. Isto é conseguido através da observação de efeitos neurotóxicos em qualquer um dos dois métodos. Um é por estudos in vivo, que observam todo o organismo vivo. Por exemplo, estudos in vivo conduzidos na Universidade de Pittsburgh relatam que quando os macacos foram inoculados com vacinas contendo timerosal equivalente ao calendário de vacinas de um bebé humano, exibiram distúrbios neurotóxicos característicos do autismo. Pela primeira vez, um modelo animal examinou as consequências comportamentais e neuromorpométricas do calendário de vacinação da infância do CDC e os primatas replicaram as anomalias autistas.

O estudo de Pittsburgh estudado foi atacado vigorosamente pela comunidade de vacinação. Por conseguinte, nunca passou pela revisão pelos pares para publicação numa revista médica líder. Tudo foi tentado para desacreditar as descobertas, alegando falhas na pesquisa. No entanto, mesmo se houver falhas no projecto do estudo ou execução, um estudo biológico deveria ter alertado as autoridades federais de saúde que uma investigação mais profunda e financiamento era essencial para replicar convincentemente os resultados de Pittsburgh resultados ou negá-los. Em vez disso, o estudo foi negado de imediato e nenhum esforço foi feito pelo CDC ou através de subsídios para lançar um estudo biológico mais aprofundado em primatas para trazer maior clareza ao debate vacina-autismo.

O segundo método são os estudos in vitro que investigam a toxicidade de uma substância nas células ou tecidos num ambiente artificial, como um meio de cultura, que é conhecida factualmente por estar relacionada com uma doença grave ou neurológica. Um estudo in vitro críticamente importante notou uma associação directa entre o timerosal e a deterioração das mitocôndrias nas células cerebrais humanas.

Numa edição de 2012 do Journal of Toxicology, os neurocientistas do prestigiado Methodist Hospital Medical Center, em Houston, publicaram a sua investigação sobre os efeitos toxicológicos do timerosal nas mitocôndrias em células de astrócitos humanos. Os astrócitos são as células mais abundantes encontradas no cérebro humano e são críticas para manter a função da barreira sangue-cérebro normal e saudável. Os investigadores observaram que o etilmercúrio das vacinas, que é mais lipofílico (capaz de atravessar a barreira hematoencefálica) do que o metilmercúrio, é facilmente absorvido pelas mitocôndrias dos astrócitos, interrompendo assim as funções respiratórias da célula e levando à morte celular. Os pesquisadores observaram que os astrócitos, quando expostos ao timerosal, exibiam sinais extremos de oxidação e de “ADN mitocondrial altamente danificado”. [5] Este estudo parece fornecer evidências biológicas para sustentar as alegações de que o timerosal está muito provavelmente associado a algumas incidências de autismo.

A vacina contra a gripe, que continua a utilizar um nível elevado de mercúrio e a MMR são as duas vacinas mais citadas como estando associadas ao autismo. No entanto, estudos apontam para outras vacinas também. Médicos do Stony Brook University Medical Center determinaram que os bebês do sexo masculino vacinados com a vacina contra a hepatite B antes de 1999 têm uma incidência de autismo três vezes maior. O risco era maior entre os meninos não brancos. Durante o primeiro período de quatro anos do estudo – entre 1997 e 2000 – o timerosal ainda era usado como conservante na vacina contra hepatite. [6]

Embora uma atenção significativa esteja a ser colocada na presença de timerosal nas vacinas, a maioria das vacinas já não contém o conservante de mercúrio. Em 2001, com excepção da vacina contra a gripe, o mercúrio foi completamente removido ou estará presente apenas em vestígios de todas as outras vacinas administradas a crianças com idade inferior a 6 meses. Seria, portanto, esperar que as taxas de autismo fossem diminuir visivelmente. No entanto, o contrário aconteceu. Desde 2001, o autismo continua a aumentar constante e anualmente. O CDC argumenta que isso prova que o timerosal não é o culpado. Ignora um estudo australiano de 2012 publicado na revista Toxicological and Environmental Chemistry sobre a transferência materna directa de etilmercúrio de mães grávidas para o embrião / feto. Continua a ser a política de saúde federal americana para as mulheres grávidas receberem a vacina contra a gripe que contém 25 mg de mercúrio. Mas vacinação com “ligações a condições neurodegenerativas” nunca foi exclusivamente sobre o timerosal. Outro ingrediente culpado, agora convencionalmente usado na maioria das vacinas na infância, e também associado a efeitos neurológicos adversos é o alumínio adjuvante. Desde 2000, à medida que o timerosal foi eliminado, a carga de adjuvante de alumínio aumentou. [8]

De forma semelhante ao timerosal, o alumínio é um metal pesado que contribui para o estresse oxidativo levando à neuroinflamação e microgliose, uma reação adversa intensa da microglia do sistema nervoso central que leva a uma característica de resultados patogénicos em algumas condições de Amnésia Epilética Temporária. A Biblioteca Nacional de Medicina lista mais de 2.000 referências sobre a toxicidade do alumínio na bioquímica humana. Os perigos do alumínio, muitas vezes encontrados como alúmen ou hidróxido de alumínio em vacinas e preparações alimentares, são conhecidos desde 1912, quando o primeiro director da FDA, Dr. Harvey Wiley, renunciou mais tarde desgostoso com o seu uso comercial em conservas de alimentos. Ele também esteve entre os primeiros funcionários do governo a alertar sobre os riscos do cancro do tabaco em 1927. [10]

Um argumento comum contra os oponentes das vacinas que culpam o alumínio por uma variedade de condições de saúde, incluindo o autismo, é que o metal é o terceiro elemento mais prevalente encontrado na Terra. O que eles não conseguem reconhecer é que o nosso sistema gástrico intestinal é bastante impermeável à absorção do alumínio. Cerca de 2% do alumínio consumido oralmente do ambiente é realmente absorvido e grande parte é mais tarde expelido do corpo por outros meios. Contudo, os compostos de alumínio injectáveis ​​e intravenosos que entram directamente na corrente sanguínea são uma questão completamente diferente. E é por isso que o uso de adjuvantes de alumínio em vacinas carrega um elevado risco neurodegenerativo de autismo. A neurotoxicidade do alumínio em recém-nascidos pré-termo após a alimentação intravenosa, que então continha alúmen, foi observada em 1997 e relatada no New England Journal of Medicine [11]. Trinta e nove por cento das crianças que receberam soluções contendo alumínio desenvolveram problemas de aprendizagem ao entrar nas escolas em comparação com aquelas que receberam soluções isentas de alumínio.

Os Drs. Christopher Shaw e Lucjia Tomljenovic, do grupo Neural Dynamics da Universidade de British Columbia, realizaram a mais extensa pesquisa até o momento para determinarem os efeitos neurotóxicos da vacina alumínio e a sua correlação com o aumento dos distúrbios do espectro do autismo. Existe já uma forte correlação entre as crianças nos países com as mais altas taxas de autismo e a quantidade de exposição à vacina de alumínio. A quantidade máxima de alumínio permitida numa única dose de vacina é de 850 mg. No entanto, a FDA estabeleceu esta medição com base na quantidade necessária para desencadear a vacinação antigenicidade em vez de preocupações tóxicas sobre a segurança. Num estudo anterior publicado na revista de Medicina Neuromolecular, o Dr. Shaw e a sua equipe demonstraram que a toxicidade extrema dos adjuvantes de alumínio contribuiu para a morte de neurónios motores associada à doença da Guerra do Golfo.

Outro estudo recente de 2012 realizado no MIT e publicado na revista Entropy  e que requer uma séria investigação adicional, é potencialmente uma combinação do adjuvante do alumínio e acetaminofeno, ou tylenol, e o aparecimento de autismo. Isto foi observado particularmente em crianças que receberam as vacinas MMR e Hepatite B. Ambas as vacinas têm elevada incidência de febres altas após a administração. É uma prática comum para os pais administrarem o Tylenol infantil para combater a febre induzida pela vacina. Embora este estudo não fosse biológico, mas sim uma revisão e análise de dados de lesões de vacinas da base de dados VAERS do CDC. Permanecendo inconclusivo, o estudo identifica uma observação importante que pode explicar porque é que as taxas de autismo não mostram nenhum sinal de declínio. [13]

Algumas das pesquisas para descobrir vacinas com adjuvante de alumínio níveis tóxicos e os seus efeitos adversos encontraram o seguinte:

  • O alumínio inflige forte neurotoxicidade nos neurónios primários. [14]
  • As vacinas com liga de alumínio aumentam os níveis de alumínio no tecido cerebral murino, levando a neurotoxicidade. [15]
  • O Hidróxido de alumínio, a forma mais comum de adjuvante utilizado nas vacinas deposita-se principalmente no rim, fígado e cérebro. [16]
  • A exposição prolongada ao hidróxido de alumínio derivado de vacina (que é hoje um ingrediente em quase todas as vacinas) resulta em lesões de miofagite macrofágica. [17]

Os oponentes de vacinas há muito tempo que se concentraram nos ingredientes não virais das vacinas. Isso levou a que uma facção considerável dentro desta comunidade alegasse ser pró-vacinas, mas exigisse vacinas mais seguras. De acordo com este argumento, simplesmente a remoção dos ingredientes tóxicos, tais como o timerosal, alumínio, polissorbato 80, formaldeído e outros tornará a vacinação segura. No entanto, isso nega outros riscos da vacina. A contaminação significativa das fórmulas vacinais durante o processo de fabricação é uma séria ameaça que a indústria vacinal não tem solução para prevenir. Hoje, o facto de uma vacina provavelmente estar contaminada com DNA e fragmentos genéticos exógenos é um dado adquirido. Os riscos biomoleculares e neuronais decorrentes da contaminação genética continuam a ser uma terra de ninguém e as autoridades federais mal começaram a resolver esse problema.

Para além disso, desde 2000, os avanços na virologia estão agora a identificar os riscos sérios dos vírus e componentes virais nas próprias vacinas. Outros factores que aumentam o risco da vacinação incluem reacções imunológicas anormais em resposta à vacinação. Em 2002, os investigadores da Universidade Estadual de Utah realizaram um estudo sorológico de anticorpos elevados do sarampo e autoanticorpos de proteína básica de mielina (MBP) em 125 crianças autistas e 92 crianças num grupo controle normal. A MBP foi identificada como desempenhando um papel significativo no início do autismo. Noventa por cento das crianças autistas testaram positivo para os anticorpos MMR e também para autoanticorpos MBP. Os investigadores concluíram que “uma resposta inadequada de anticorpos à MMR, especificamente à componente do sarampo, pode estar relacionada com a patogénese do autismo”. [18] É bem conhecido que, para além de metais como o mercúrio e o alumínio, as infecções virais também causam stresse oxidativo, o que diminui a capacidade de metilação comum no autismo. [19]

Embora não seja um estudo longitudinal prolongado, e tenha um número limitado de participantes, o Dr. J Bradstreet detectou ARN genómico do vírus do sarampo da vacina no líquido cefalorraquidiano de crianças com autismo regressivo ou encefalopatia autista (AE). Mais ainda, cada criança tinha sintomas gastrointestinais concomitantes anteriormente observados pelo Dr. Andrew Wakefield no Hospital Real de Londres na década de 1990. [20]

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, os EUA ocupam o 39º lugar na saúde geral da população. Em grande parte esta posição no ranking é deve-se à saúde das crianças com deficiência, com transtornos autistas e neuro-desenvolvimento que em breve atingirá 1 em  cada 50.

O público precisa de exigir um debate nacional entre aqueles que defendem a vacinação obrigatória e aqueles que os desafiam. Mais do que nunca é imperativo que esse diálogo ocorra, visto que cada vez mais é dominado por interesses privados infiltrados nas salas dos legisladores, a exercerem pressão . É altamente previsível que as taxas de autismo aumentem à medida que mais vacinas chegam ao mercado e os estados exijam os calendários de vacinação mais preenchidos. O público precisa ser educado sobre a ciência e, finalmente, decidir por si mesmos. Numa democracia real, um paciente informado deve ter a liberdade de escolha de tomar as suas próprias decisões sobre saúde. Hoje não é possível um debate honesto sem consentimento informado, sem ciência real, sem transparência na pesquisa das vacinas e sem estatísticas precisas. Em vez disso, temos as instituições governamentais de saúde, como o CDC, no seu próprio site a proferir afirmações falsas, defendendo notícias falsas. Finalmente, o pior é que os poderes nacionais e locais estão a ser usados ​​para exigirem a aplicação da vacinação de forma totalitária sobre os seus cidadãos. Isso não é democracia, trata-se de tirania médica.

autismo

Para mais pesquisas sobre vacinas, visite o painel de pesquisa do GreenMedInfo.com.

Referências:

[1] http://cdc.news/2017-02-02-americas-taxpayer-funded-bureaucracies-lie-about-vaccine-safety.html

[2] https://docs.google.com/file/d/0B-jYsdHZuRhCVXZUbFFlUzdfNGM/edit?pli=1

[3] https://healthimpactnews.com/2014/new-study-hepatitis-b-vaccination-in-france-sparked-a-wave-of-new-cases-of-ms/

[4] https://www.undergroundhealth.com/courts-quietly-confirm-mmr-vaccine-causes-autism/

[5] Sharpe MA, Livingston AD, Baskin DS. Thimerosal-derived ethylmercury is a mitochondrial toxin in human astrocytes: possible role of Fenton chemistry in the oxidation and breakage of mtDNA. Jounral of Toxicology vol. 2012, (2012)

[6] J Toxicol Environ Health A. 2010;73(24):1665-77. doi: 10.1080/15287394.2010.519317.

[7] Gallagher CM, Goodman MS. Hepatitis B vaccination of male neonates and autism diagnosis, NHIS 1997-2002. Toxicological and Environmental Chemistry. Volume 94, Issue 8, 2012

[8] Brown IA, Austin DW. Maternal transfer of mercury to the developing embryo/fetus: is there a safe level?

[9] Seneff S, Davidson RM, Liu JJ. Empirical Data Confirm Autism Symptoms Related to Aluminum and Acetaminophen Exposure. September 24, 2012

[10] http://www.fda.gov/aboutfda/whatwedo/history/centennialoffda/harveyw.wiley/default.html

[11] Bishop NJ, Morley R, Day JP, Lucas A. Aluminum neurotoxicity in preterm infants receiving intravenous-feeding solutions. New England Journal Medicine. May 29, 1997 336(22):1557-61

[12] Shaw C. Aluminum adjuvant linked to gulf war illness induces motor neuron death in mice. Neuromolecular Medicine, 2007

[13] Seneff S, Davidson RM, Liu JJ. Empirical Data Confirm Autism Symptoms Related to Aluminum and Acetaminophen Exposure. September 24, 2012

[14] Kawahara M et al. Effects of aluminum on the neurotoxicity of primary cultured neurons and on the aggregation of betamyloid protein. Brain Res. Bull. 2001, 55, 211-217

[15] Redhead K et al. Aluminum adjuvanted vaccines transiently increase aluminum levels in murine brain tissue. Pharacol. Toxico. 1992, 70, 278-280

[16] Sahin G et al. Determination of aluminum levels in the kidney, liver and brain of mice treated with aluminum hydroxide. Biol. Trace. Elem Res. 1994. 1194 Apr-May;41 (1-2): 129-35

[17] Gherardi M et al. Macrophagaic myofastitis lesions assess long-term. Brain. 2001. Vol. 124, No. 9, 1821-1831

[18] Singh VK, Lin SX, Newell E, Nelson C. Abnormal measles-mumps-rubella antibodies and CNS autoimmunity in children with autrism. J. Biomed Science. 2002 Jul-Aug;9(4):359-64.[19]James J, Culter P, Melnyk S, Jernigan S, Janak L, Gaylor DW. Metabolic biomarkers of increased oxidative stress and impaired methylation capacity in children with autism. Am J Clin Nutr December 2004 vol. 80 no. 6 1611-1617

[20] http://www.jpands.org/vol9no2/bradstreet.pdf

Written By: Gary Null, PhD and Richard Gale

Fonte: http://www.greenmedinfo.com/blog/new-vaccines-still-cause-autism-and-our-government-knows

Vacinas Humanas Testadas estavam Contaminadas com Metais e Detritos Tóxicos, novo estudo revela

Vacinas Humanas Testadas estavam Contaminadas com Metais e Detritos Tóxicos, novo estudo revela

vacinas e contaminantes

Investigadores examinaram 44 amostras de 30 vacinas diferentes e encontraram contaminantes perigosos, incluindo glóbulos vermelhos numa vacina e metais tóxicos em cada amostra testada – excepto numa vacina animal.

Utilizando tecnologias extremamente sensíveis não utilizadas na fabricação de vacinas, cientistas italianos relataram que ficaram “confusos” com as suas descobertas que incluíam partículas únicas e agregados de detritos orgânicos, incluindo glóbulos vermelhos de origem humana ou possivelmente animal e metais, incluindo chumbo, tungstênio, ouro e crómio, que têm sido associados às doenças autoimunes e leucemia.

No estudo, publicado esta semana no International Journal of Vaccines and Vaccination, os investigadores liderados por Antoinetta Gatti, do Conselho Nacional de Pesquisa de Itália e o Director Científico de Nanodiagnóstico, afirmam que os resultados “revelam a presença de micro e nano partículas e compostos de elementos inorgânicos nas amostras de vacinas e que “não estão declarados nas listas de ingredientes dos produtos”.

Partículas de chumbo foram encontradas nas vacinas contra o cancro do colo do útero, a Gardasil e a Cevarix, por exemplo, e na vacina contra a gripe sazonal Aggripal, fabricada pela Novartis, bem como na vacina Meningetec destinada a proteger contra a meningite C.

Verificou-se que as amostras de uma vacina infantil denominada Infarix Hexa (contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B, poliomielite e haemophilus influenzae tipo B) fabricada pela GlaxoSmithKline (GSK) continham aço inoxidável, tungsténio e um agregado ouro-zinco.

Outros contaminantes de metal incluíam platina, prata, bismuto, ferro e crómio. O crómio (isolado ou em liga com ferro e níquel) foi identificado em 25 das vacinas humanas de Itália e França que foram testadas.

A vacina Fluarix da GSK, para crianças de três anos ou mais, continha 11 metais e agregados de metais. Agregados semelhantes aos identificados nas vacinas têm-se mostrado prevalentes em casos de leucemia, realçaram os investigadores.

vacinas contaminadas 2

Muitas das vacinas continham ferro e ligas de ferro que, de acordo com os pesquisadores, “podem ser corroídas e os produtos da corrosão exercem uma toxicidade que afecta os tecidos”.

Os investigadores fornecem uma imagem de uma área numa gota da vacina Repevax da Sanofi Pasteur MSD (difteria, tosse convulsa, tétano, poliomielite) “onde a morfologia dos glóbulos vermelhos – não podemos dizer se eles são humanos ou animais – é claramente visível “a presença de “detritos” de compostos de alumínio, bromo, silício, potássio e titânio”.

A Feligen, a única vacina veterinária testada nas 44 vacinas totais amostradas, provou ser a única amostra livre de contaminação inorgânica.

A investigação revelou que o alumínio e o cloreto de sódio, o componente habitual da solução salina, como era esperado estavam presentes, pois eles são nomeados ingredientes da maioria das vacinas. Usando um Microscópio de Varrimento de Campo Eletrónico, os investigadores produziram fotos deste sal de alumínio que formaram ramos cristalinos brancos semelhantes aos da geada numa superfície de vidro, no topo das gotas de líquido da vacina. Uma vacina alemã contra as alergias produziu uma camada de sais inorgânicos tão espessa que os pesquisadores não conseguiram penetrar na gota para nem detectar outros contaminantes particulados.

O alumínio tem uma neurotoxicidade por si só já documentada. As vacinas veterinárias francesas excluem-no por esse motivo. As vacinas humanos. Os investigadores expressam a sua preocupação com a sinergia de múltiplas toxinas adicionadas a esta conhecida neurotoxina.

“É um facto bem conhecido em toxicologia que os contaminantes exercem um efeito mútuo, sinérgico e, na medida em que o número de contaminantes aumenta, os efeitos tornam-se menos e menos previsível. Tanto mais que algumas substâncias são desconhecidas”.

“A quantidade de corpos estranhos detectada e, em alguns casos, as suas composições químicas invulgares confundiram-nos”, evidenciam os investigadores. “Na maioria das circunstâncias, as combinações detectadas são muito estranhas, pois não têm uma utilidade técnica, não podem ser encontrados em qualquer manual de materiais e parecem ser o resultado da formação aleatória que ocorre, por exemplo, quando o lixo é queimado. Em qualquer caso, qualquer que seja a sua origem, não deveriam estar presentes em nenhum medicamento injectável, muito menos em vacinas destinadas a lactentes”.

Impacto indesejável

vacinas contaminadas 3

O estudo explica que estas impurezas estranhas, quando injectadas, podem explicar uma vasta gama de eventos adversos, aparentemente não relacionados mas associados à vacinação, como dores de cabeça, convulsões, fadiga, dores musculares, paralisia e o síndrome de morte súbita infantil. Muito provavelmente, especulam, os contaminantes das vacinas “terão um impacto mais sério em organismos muito pequenos como os das crianças”.

Uma vez no interior do corpo, o material estranho numa injecção de uma vacina, esteja destinado a lá estar como no caso do alumínio ou não, como no caso dos contaminantes, acciona o formidável sistema imunológico.

Como com qualquer coisa pequena e estranha, a sua reacção aos ingredientes das vacinas é potente, mal compreendida, imprevisível e, como os investigadores italianos afirmam, pode ser “indesejável.” O sistema imunitário pode despachar um exército de grandes glóbulos brancos chamados macrófagos para engolir os corpos estranhos e contê-los em inchaços e granulomas no local da injecção. Mas se os contaminantes são varridos pela circulação do sangue para qualquer local distante ou órgão, incluindo a microbiota que regula numerosas funções, incluindo o sistema imunológico, o seu efeito pode ser sentido muito tempo após eles secretamente terem entrado no corpo.

Nalguns casos o sistema imunológico inicia um ataque inflamatório contra o que ele percepciona como invasor. Isso pode incluir o lançamento de uma série de compostos chamados de citocinas. Alguns desses mensageiros químicos como a interleucina-6 estão ligados ao autismo.

Por o corpo não se poder livrar desses contaminantes – os poluentes metálicos não são biodegradáveis ​​- este tipo de inflamação pode ser sustentada e crónica, e pode manifestar-se posteriormente em doenças autoimunes quando o sistema imunológico ataca as suas próprias células como na esclerose múltipla ou na diabetes do tipo 1.

Também foi demonstrado que os contaminantes encontrados nas vacinas podem entrar nos núcleos das células e interagir com o ADN, realçam os investigadores. Ninguém sabe o que isso pode fazer.

História Obscura

As vacinas têm uma longa e sórdida história de contaminação. Em 1955, os lotes de vacinas contra a poliomielite contendo o vírus vivo da pólio infectaram e paralisaram centenas de crianças. A tragédia ficou conhecida como o incidente Cutter para o laboratório onde as vacinas tinham passado os testes de segurança com distinção.

Mas há dezenas de outros “incidentes”, que poderiam melhor serem apelidados de actos de negligência criminal, incluindo:

  • A vacina contra a pólio distribuída entre 1955 e 1963 foi contaminada com o vírus símio 40 (SV40) das células de rins de macaco usadas para produzir a vacina. Tem sido associada à crescente epidemia de cancro.
  • Em 2007, a Merck & Company, Inc. mandou recolher 1,2 milhões de doses de vacinas Hib devido à contaminação com bactérias chamadas de cereus, uma bactéria potencialmente letal que causa intoxicação alimentar.
  • Em 2009, mais de 40.000 doses de uma vacina contra a meningite C para bebés foram retiradas do mercado britânico quando se descobriu que estavam contaminadas com bactérias venenosas para o sangue S aureus.
  • Em 2010, a análise da sequência profunda de oito diferentes vacinas vivas atenuadas revelou sequências virais inesperadas em três delas: a leucose aviária retrovírus foi encontrada numa vacina contra o sarampo, um vírus semelhante ao retrovírus simio foi identificado na vacina antidiarréia Rotateq desenvolvida pela consultora CDC Paul Offit, e toda a sequência genómica do cirovírus porcino1 foi encontrada na Rotarix levando a FDA a suspender a vacina contra o rotavírus.
  • Em 2014, a Food and Drug Administration (FDA) dos EUA ordenou à GlaxoSmithKline que revisse o processo de fabrico da sua vacina contra a gripe quando detectou contaminação microbiológica em produtos que se pretendiam estéreis.
  • Em 2013, a Merck & Company, Inc. mandou recolher um lote de Gardasil quando partículas de vidro foram descobertas em várias ampolas.
  • Recentemente foi relatado que a Sanofi Pasteur se recusou a recolher a sua vacina ActHIB para bebés, mesmo sabendo que estava contaminada com fragmentos de vidro. A FDA não se opôs.

Existem dezenas desses casos e, mesmo se os fabricantes de vacinas são omissos nos vários “avisos”, as acções raramente são tomadas para limpar o processo de fabricação da vacina. Uma vez que as empresas farmacêuticas têm imunidade geral em acções judiciais para as vacinas com defeito, não há incentivo para que eles corrijam os seus actos.

vacinas contaminadas 4

Um perigo claro e presente

Os investigadores do estudo concluem que a contaminação detectada por si nas vacinas é provavelmente acidental. “A nossa hipótese é que essa contaminação não é intencional, uma vez que é provavelmente devida a componentes poluídos ou a procedimentos de processos industriais (por exemplo, filtrações) usados na produção de vacinas, não investigados e não detectados pelos Produtores”.

A discussão sobre porque é que as empresas farmacêuticas não produzem vacinas limpas é uma coisa distinta. Mas a realidade das vacinas como elas o são agora é outra. Isso não muda o conteúdo do que está a ser injectado em milhões de pessoas hoje. As toxinas não intencionais e perigosas estão em cada uma das vacinas testadas nesta investigação, com excepção de uma para gatos.

Esta pesquisa não mostra apenas que as vacinas estão cheias de contaminantes que os cientistas de topo nem sequer conseguem definir. Faz um escárnio das agências de supervisão da saúde como o FDA e o CDC e as suas mentiras acerca das vacinas passarem por verificações e avaliações de risco de segurança adequadas.

Não se limita a revelar que as consequências a longo prazo da vacinação nem sequer podem ser avaliadas. Se vacinas as anticancro como a Gardasil e o Cevarix contêm agregados cancerígenos de metais tóxicos, o seu uso como uma arma contra o cancro numa menina que tem zero hipóteses de o contrair antes de fazer 21 anos não é apenas inútil. É um abuso flagrante.

Agora, todas as reivindicações de vacinas para salvar vidas devem ser pesadas contra os seus riscos de causar cancro, doenças de desenvolvimento neurológico, doenças autoimunes e todos os outros “misteriosos” distúrbios mediados pelo sistema imunológico, agora classificados como epidemias em ascensão.

Os resultados dessas investigações não só negam toda afirmação de que as vacinas são “seguras e eficazes”, mas confirmam que eles são realmente um perigo claro e presente.

Veja o novo estudo na sua totalidade aqui.

Para mais pesquisas sobre os efeitos adversos e indesejados da vacinação, use o painel de pesquisa do GreenMedInfo.com sobre o tópico:

vacinas contaminadas 5

Publicado originalmente pelo Children’s Medical Safety Research Institute 

Fonte: http://www.greenmedinfo.com/blog/dirty-vaccines-every-human-vaccine-tested-was-contaminated-metals-and-debris-new-

Injecção Vs Ingestão: Toxicidade sinergética e segurança das vacinas

Injecção Vs Ingestão: Toxicidade sinergética e segurança das vacinas

Toxicidade sinergética

Toxicidade. Certamente, se está na linha de frente do debate sobre as vacinas, já terá ouvido aquele argumento a favor das vacinas, de que uma lata de atum tem aproximadamente a mesma quantidade de mercúrio que uma vacina. Ou sobre o alumínio por exemplo: “um queque terá tanto alumínio como uma vacina”. É um argumento tolo, mas mostra a mentalidade de algumas dessas pessoas que não questionam e pesquisam as próprias bulas das vacinas, ou as informações disponíveis para elas antes de serem injectadas.

Em primeiro lugar, qualquer pessoa com um conhecimento básico de biologia deve saber a diferença entre a injecção e a ingestão, uma é pela corrente sanguínea e a outra é pelo tracto gastrointestinal. Biologicamente, eles são muito diferentes, e isso desmonta esse argumento com apenas uma simples lógica biológica. Vamos aprofundar isto ainda mais, mas também tentaremos manter a explicação simples.

O timerosal é um conservante de vacinas e uma neurotoxina bem conhecida (1), composta em 49,55% do seu peso por mercúrio (56,73% em peso por “Ethylmercury (etHg)”).

Quando ingerido, a maior parte do mercúrio no atum não entra no corpo, e é expelido pelas fezes. O mercúrio absorvido é metabolizado como metilmercúrio (MEHG). Absorvido no intestino, e primeiro através do fígado. Isso é chamado de “primeira passagem”. O mercúrio que atravessa o fígado é conjugado com a glutationa, e posteriormente a  glutationa conjugada é passada pela bílis e depois nas fezes.

Quando injectada, é metabolizado (convertida) no metilmercúrio, que é mais tóxico e nocivo. Como é injectada, evita a “primeira passagem” através do fígado, onde pode ser filtrada e, em vez disso, circula por todos os outros tecidos e órgãos. O mercúrio tem uma alta afinidade (liga bem) com certos tecidos, incluindo o tecido neurológico, cérebro, rins, etc. Então, em suma, o mercúrio mais perigoso e persistente a longo prazo é retido no tecido corporal (Dr. Paul G King). Qualquer um pode posquisar sobre a bio-acumulação do mercúrio no corpo e pelo seu tempo de meia-vida, e não é bonito de se ler.

Na vida real, o efeito tóxico quer da ingestão quer da injecção de ambos os tipos, “etHg e mehg combinados, pode resultar em efeitos neurotóxicos amplificados”. Mas os estudos parecem indicar que “o conhecimento sobre este assunto ainda está incompleto e é necessário mais para abordar a previsibilidade dos efeitos toxicológicos aditivos ou sinérgicos do etHg e meHg (ou outros neurotóxicos)”. (1a)

O defensor das vacinas geralmente tentará confundi-lo neste momento com algum tipo de mudança de direcção da conversa sobre como qualquer um desses, metilmercúrio ou etilmercúrio, é perfeitamente seguro e / ou que são inofensivos e são expelidos em segurança independentemente das circunstâncias. A agência reguladora americana discorda e, na verdade, eles dizem:

“Carece de dados definitivos a comparação das toxicidades do etil versus metilmercúrio, considerando o etil e o metilmercúrio como equivalentes na avaliação de risco. Existem alguns dados e estudos que incidem directamente sobre a toxicidade do timerosal e estes estão resumidos nesta secção.” (2)

O CDC [Centro Para o Controlo de Doenças dos EUA] afirma:

“O timerosal é seguro para as pessoas? Sim. O timerosal é usado com segurança em vacinas há já muito tempo (desde a década de 1930) e tem um histórico comprovado de segurança. Uma variedade de cientistas têm estudado o uso de vacinas que têm timerosal neles ao longo de muitos anos. Eles não encontraram nenhuma evidência real de que o timerosal cause danos”. (3)

É certamente fácil não encontrar nenhuma evidência se você não estiver à procura dela. Nenhum estudo de segurança foi feito pelas nossas agências de saúde e, no entanto, tem sido usado no público desde a década de 1930. Não há um histórico comprovado “com estudos” de que seja seguro, portanto não existem estudos, de modo que “até agora nenhum cientista o estudou”, a menos que eles simplesmente não publicassem as suas descobertas ou a menos que os estudos tivessem sido financiados pelas grandes farmacêuticas. Eu acho que o CDC devia falar com as outras agências reguladores. Existe uma boa razão pela qual a investigação de 3 anos feita pelo governo levou à retirada final do mercado de “algumas” vacinas (4).

Além disso, a injecção “(mercúrio) é distribuída principalmente no sistema nervoso central, nos rins, no fígado e na pele. O mercúrio atravessa a barreira hematoencefálica e a placenta. Os bebés e os fetos correm maior risco de ocorrência de toxicidade. Foi demonstrado que a exposição ao mercúrio em mulheres grávidas causa anormalidades neurológicas. Os bebés, expostos no útero ao mercúrio, mostraram atrasos no desenvolvimento. Além disso, a possibilidade de uma ligação entre a exposição ao mercúrio e distúrbios neurológicos como o autismo e o transtorno do défice de atenção e hiperactividade foi avaliada. As concentrações de timerosal em vacinas e imunoglobulinas variam entre 0,005 e 0,02%, uma concentração não tóxica. No entanto, existe uma preocupação, não da exposição a uma única vacina, mas, durante um período de tempo relativamente curto, as crianças podem ser expostas a vacinas múltiplas contendo timerosal. Esta exposição repetida pode colocar as crianças em risco de toxicidade por mercúrio”. (5)

A FDA [agência reguladora para os fármacos e alimentos nos EUA] admitiu que a segurança do Thimerosal, quando usado como conservante, não foi estabelecida no padrão regulatório como “suficientemente não tóxico…” (6). Esse facto foi estabelecido numa investigação de três anos por um Comité da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos e apresentado nas conclusões “do seu relatório publicado de 2003 conforme estabelecido no Título 21 do Código dos Regulamentos Federais dos Estados Unidos (21 CFR) no parágrafo 610.15 (a) [21 CFR § 610.15 (a)]. (7)

O problema é que o estudo do Comité da Câmara dos representantes analisou apenas os efeitos de um único produto, e não o efeito de múltiplos produtos (muitas vacinas diferentes durante um curto período de tempo). Não há estudos que mostrem a segurança de misturar metais pesados ​​diferentes, como o Al (Alumínio) e o Thimerosal. Existem estudos físicos sobre o mercúrio e ao alumínio em experiências ao ar livre que mostram um stresse oxidativo rápido e reacções violentas. Não foram feitos testes sobre o que acontece quando esses elementos se reúnem, digamos, no cérebro ou nos órgãos.

A literatura que vem com a maioria das vacinas admite que… “não foi avaliada quanto ao seu potencial cancerígeno ou mutagénico, ou quanto ao seu potencial para prejudicar a fertilidade”.

A vacina contra a gripe avisa que a “segurança e a eficácia não foram estabelecida em mulheres grávidas” e, no entanto, continua a ser recomendado para elas. Então, o que acontece quando todas estas substâncias são misturadas?

Toxicidade sinérgica 2Imagem: https://livelovefruit.com/wp-content/uploads/2015/05/sfasdf.jpg

Fontes das imagens: 1ª caixa, página 42ª caixa, página 73ª caixa, página 74ª caixa, página 35ª caixa, página 18

Toxicidade sinergética

E isso leva-nos a considerar a toxicidade sinérgica, que é a combinação de mais do que uma substância tóxica num cocktail a ser injectado, e os perigos que isso implica.

Toxicidade sinérgica

O site Safeminds explica:

“… quando exposto a duas toxinas [ou mais], o nível de toxicidade é muito maior do que os níveis de toxicidade aditiva das duas toxinas sozinhas”. (8)

Um bom exemplo que demonstra a “toxicidade sinérgica” é um estudo de 1978 feito em ratos (Shubert et al., Efeitos Combinados em Toxicologia – Um Procedimento Rápido de Teste sistemático: Cádmio, Mercúrio e Chumbo. J. of Toxicology & Environmental Health 4: 763, 1978). O estudo tomou a quantidade de sal de mercúrio que mata 1 em 100 ratos e 1/20 da quantidade de sal de chumbo que mata 1 em 100 ratos. Quando estas quantidades de sal de mercúrio e sal de chumbo foram administradas, a toxicidade sinérgica destas duas toxinas matou 100 em cada 100 ratos:

“Com toxicidade aditiva, seria de esperar 1 + 0,05 = 1,05 ratos a morrer (1 ou 2)”

“Com toxicidade sinérgica, os resultados foram: 1 + 0,05 = 100 ratos que morreram” (9)

Para além disso, “existe um potencial significativo de efeitos inesperados de” toxicidade sinérgica” das vacinas, particularmente para uma população susceptível que já pode ter altos níveis de toxinas devido a uma menor capacidade de excretar toxinas. No entanto, a toxicidade sinérgica das vacinas não foi estudada – os estudos se concentraram-se apenas na toxicidade individual de um único componente das vacinas (por exemplo, mercúrio ou vírus do sarampo). ” (10) [Ênfase meu]

De todos os debates sobre as vacinas a que assisti, desde que minha pesquisa sobre vacinas começou em 2009, ainda ouvi ninguém a levantar a questão da toxicidade sinérgica uma vez sequer. Isso parece extremamente importante e central no debate. Certamente, o alumínio também é tóxico, como mostraremos mais tarde. Alguns outros estudos sobre a toxicidade, muitos sugerindo a necessidade urgente de estudos de toxicidade sinérgica. (11) (12) (13) (14)

Então, vamos ver se entendemos. O timerosal nunca foi testado por nenhuma das nossas agências de saúde e tem sido usado em vacinas, de qualquer forma, desde a década de 1930 e, finalmente, removido da maioria por causa do protesto público e depois do governo começar a estudá-lo , e aí decidiu que provavelmente não era seguro. O mesmo provavelmente acontecerá com o alumínio daqui a 20-30 anos após os protestos do público novamente, mas quantos filhos e pessoas terão que sofrer até então? Novamente, um video de 2 minutos sobre as audiências realizadas no Congresso dos EUA sobre o Thimerosal.

Os defensores das vacinas dizem “Ah, mas não existe mais Thimerosal nas vacinas!” É interessante notar que as poucas vacinas que são administradas a bebés que ainda têm Thimerosal são as da Hep B e DipTet (e vacina contra a gripe que é recomendado para as mães agora). Então, a afirmação de que foi removido de todas as vacinas é uma mentira e um erro de orientação. Se eles a dão a todos os recém-nascidos, então todos os recém-nascidos estão a receber esse timerosal.

“Foi removido de muitas vacinas infantis em 2002, mas permanece em algumas vacinas (como por exemplo o vírus da hepatite B e influenza)” (15).

Eles recebem doses múltiplas de diferentes cocktails.

Outros estudos sugerem que as taxas de notificação de mortalidade fetal (morte) têm aumentos súbitos na base de dados do VAERS [sistema de registo das reacções adversas às vacinas nos EUA] em relação às tendências anuais relatadas. Assim, uma toxicidade fetal sinérgica provavelmente resultou das múltiplas exposições combinadas (16), bem como muitas outras descobertas mostram

“(…) uma correlação positiva entre o número de doses de vacinas administradas e a percentagem de hospitalizações e óbitos. Uma vez que as vacinas são administradas a milhões de crianças por ano, é imperativo que as autoridades de saúde tenham dados científicos dos estudos de toxicidade sinérgica em todas as combinações de vacinas que os bebés possam receber. Encontrar formas de aumentar a segurança das vacinas deve ser a mais elevada prioridade”. (17)

Para além disso, “etilmercúrio (EtHg) e o adjuvante Al (alumínio) são as exposições intervencionistas dominantes com as quais os fetos, recém-nascidos e bebés se deparam devido à imunização com vacinas que contêm Thimerosal (TCVs). Apesar do seu uso prolongado como agentes activos de medicamentos e fungicidas, os níveis de segurança dessas substâncias NÃO FORAM DETERMINADOS, nem em animais nem em humanos adultos – muito menos em fetos, recém-nascidos, bebés e crianças… o potencial efeito sinérgico de ambos os agentes tóxicos não foi devidamente estudada. Portanto, a exposição na fase inicial da vida a ambos, o etHg e Al, merece consideração”. (18)

Potencial carcinogénico e mutagénico sinérgico

Então, quais os efeitos de todos os outros ingredientes das vacinas, tais como as células fetais abortadas, formaldeído, ADN de outras espécies como macacos, galinhas, porquinhos da Índia, etc.? Bem, ninguém sabe! Nenhum foi avaliado pelo seu potencial cancerígeno ou mutagénico individualmente ou combinado (toxicidade sinérgica), ou pelo seu potencial para prejudicar a fertilidade, e eles dizem isso exactamente nas instruções / bula / caixa!

As vacinas que foram cultivadas ou fabricadas usando a linha celular fetal WI-38, como a Meruva®®, MMRII®, Varivax®, Havrix® e Pentacel®, são adicionalmente contaminadas com fragmentos de retrovírus endógeno humano HERVK (Victoria et al., 2010). Evidências recentes mostraram que os transcritos retrovirais endógenos humanos são elevados no cérebro de pacientes com esquizofrenia ou transtorno bipolar (Frank et al., 2005), em leucócitos mononucleares de sangue periférico de pacientes com espectro autista (Freimanis et al., 2010), também como estando associados a várias doenças autoimunes (Tai et al., 2008). A forte associação ecológica entre as vacinas fabricadas com células dos fetos humanos e os pontos de alteração do transtorno autista requer uma investigação mais aprofundada desses contaminantes das vacinas infantis. (19) (20) (21)

Estes já são considerados um risco biológico antes de serem usados ​​para propagar um vírus que é usado numa vacina.

“ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES: produtos de cultura celular podem transmitir agentes infecciosos. Os produtos devem ser tratados de acordo com o manual CDC-NIH, Biossegurança em Laboratórios Microbiológicos e Biomédicos, 2007.” (22)

As vacinas abaixo foram desenvolvidas usando as cepas das células WI-38 ou MRC-5. Essa lista não é exaustiva:

– Vacinas contra hepatite A [VAQTA / Merck, Havrix / GlaxoSmithKline e parte de Twinrix / GlaxoSmithKline]

– Vacina contra a rubéola [MERUVAX II / Merck, parte da MMR II / Merck e ProQuad / Merck]

– Varicela (varíola) vacina [Varivax / Merck, e parte da ProQuad / Merck]

– Vacina Zoster (Zinga) [Zostavax / Merck]

– Vacina oral para o adenovírus tipo 4 e tipo 7 [Barr Labs]

– Vacina contra a raiva [IMOVAX / Sanofi Pasteur]

Resumindo

Como você provavelmente poderá concluir, o argumento da “lata de atum” fica mudo neste ponto e, enquanto você ler os estudos abaixo, começará a perceber ainda mais porquê. Eles não podem esconder o facto de que essas substâncias são tóxicas mesmo em doses baixas, e em particular em doses múltiplas. Considerando os outros factores, como a toxicidade sinérgica, o potencial carcinogénico sinérgico e as próprias descobertas do governo (bem como os estudos abaixo), podemos descartar esse argumento esfarrapado. O Programa de Compensação Por danos causados pelas Vacinas nos EUA pagou mais de 3,1 biliões de dólares para por mortes e danos até agora. Quando é que eles admitirão que não são seguras? Mesmo o Supremo Tribunal teve de admitir que as vacinas estavam numa categoria de produtos “inevitavelmente inseguros”. (23)

A verdadeira questão agora é, depois de todas as audiências, descobertas e estudos do governo, porque é que o timerosal ou o alumínio ainda estão a ser usados e mesmo combinados uns com os outros, bem como com todos os outros aditivos? E porque é que os czares da nossa saúde continuam a mentir-nos?

Leia o meu outro artigo popular: “Porque é que ainda estamos a vacinar? Perguntas de um ex-defensor das vacinas

Referências:

1. Thimerosol in Vaccines: http://www.fda.gov/BiologicsBloodVaccines/SafetyAvailability/VaccineSafety/UCM096228
1a. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23401210
2. FDA Blood Biologics: http://www.fda.gov/BiologicsBloodVaccines/SafetyAvailability/VaccineSafety/UCM096228#thi
3. http://www.cdc.gov/vaccinesafety/Concerns/thimerosal/thimerosal_faqs.html
4. http://vaccines.procon.org/sourcefiles/Burton_Report.pdf
5. https://www.uic.edu/pharmacy/services/di/thimerosal.htm
6. The relevant portion of 21 CFR § 610.15(a), an explicit binding requirement on all manufacturers of biological drug products, including vaccines, states (emphasis added),“ Any preservative used shall be sufficiently nontoxic so that the amount present in the recommended dose of the product will not be toxic to the recipient.”
7. “Mercury in Medicine–Taking Unnecessary Risks, A Report Prepared by the Staff of the Subcommittee on Human Rights and Wellness, Committee on Government Reform United States House of Representatives, Chairman Dan Burton, May 2003 (This Report Is the Result of a Three Year Investigation Initiated in the Committee on Government Reform)”, which was also published in the Extended Congressional Record, May 21, 2003 CONGRESSIONAL RECORD—Extensions of Remarks, pages E1011-E1030; the relevant finding is disclosed in column 3 of page E1012 (emphasis added). http://vaccines.procon.org/sourcefiles/Burton_Report.pdf “3.Manufacturers of vaccines and thimerosal, (an ethylmercury compound used in vaccines), have never been tested…
8. http://www.safeminds.org/mercury/synergistic-toxicity.html
9. Ibid
10. Ibid
11. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25625408
12. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12297370
13. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3170075/
14. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23023030
15. (Page 21) http://www.epa.gov/ncer/childrenscenters/events/2007/presentations/07childrenworkshop_summary.pdf
16. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23023030
17. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22531966
18. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25625408
19. http://academicjournals.org/article/article1411048618_Deisher%20et%20al.pdf
20. http://www.atcc.org/products/all/CCL-75.aspx
21. http://www.atcc.org/products/all/CCL-171.aspx
22. http://www.cellprolabs.com/sites/default/files/downloads/Production%20Information-Cell%20Lines%20-%202014AUG07_0.pdf
23. http://www.supremecourt.gov/opinions/10pdf/09-152.pdf
________________________________________________

– Mais estudos aqui
– https://goo.gl/62Dosd
 http://vaccines.procon.org/sourcefiles/Burton_Report.pdf

 

Fonte: https://livelovefruit.com/synergistic-toxicity-and-vaccine-safety/

A barreira sangue-cérebro (Hematoencefálica): o sistema de segurança da Natureza

A barreira sangue-cérebro (Hematoencefálica): o sistema de segurança da Natureza

A barreira sangue-cérebro. Parece ser um problema muito desafiador: como permitir que as moléculas essenciais e necessárias nutram e suportem o cérebro enquanto se filtram as bactérias e produtos químicos potencialmente prejudiciais? A barreira sangue-cérebro ​​é uma das muitas soluções surpreendentes e elegantes da natureza que permite que a vida humana e animal exista como a conhecemos.

A barreira sangue-cérebro é um dos mais estudados e complexos sistemas do corpo. Na Universidade Johns Hopkins, o grupo de trabalho da barreira hematoencefálica descreve-a desta forma:

“A barreira hematoencefálica ​​é uma interface dinâmica que separa o cérebro do sistema circulatório e protege o sistema nervoso central de produtos químicos potencialmente nocivos, enquanto rege o transporte de moléculas essenciais e mantem um ambiente estável “. (1)

Conforme descrito por esse grupo de trabalho médico, células altamente especializadas alinham os capilares do cérebro e facilitam uma “interacção complexa entre os diferentes tipos de células (como as células endoteliais, astrócitos e pericitos) e a matriz extracelular do cérebro e do fluxo sanguíneo nos capilares”.

A Society for Neuroscience chama a isso de “sistema de segurança do cérebro” e explica que, como é o caso em todos os vasos sanguíneos do corpo, “os vasos sanguíneos do cérebro são alinhados com células endoteliais, que servem de interface entre o sangue circulante e a parede do vaso. No entanto, ao contrário de outros vasos sanguíneos no corpo, as células endoteliais do cérebro estão bem próximas, criando um limite quase impermeável entre o cérebro e a circulação sanguínea”. (2)

A Descoberta da Barreira Hematoencefálica

Como muitas vezes acontece na ciência, a barreira sangue-cérebro foi descoberta essencialmente por acidente durante a investigação de outra coisa. Em 1885, o cientista alemão Paul Ehrlich (que ficou famoso por ter descoberto a cura para a sífilis) estava a tentar descobrir porque é que diferentes tecidos corporais absorviam corantes químicos de diferentes formas. Ele descobriu que, quando os ratos eram injectados por via intravenosa com um corante azul, todos os seus órgãos ficavam corados, excepto o cérebro e o sistema nervoso central.

A conclusão original de Ehrlich foi que o corante tinha menor afinidade para as células nervosas do que para outros tecidos. Mais tarde, em 1913, Edwin Goldman, um colega de Ehrlich, descobriu que, quando o corante era injectado directamente no líquido cefalorraquidiano dos animais em estudo, o cérebro e apenas o cérebro ficava manchado de azul. Embora isso tenha levado a uma Consciência de que havia uma barreira física real entre o cérebro e o resto do sistema circulatório, só foi na década de 1960, e com o auxílio do microscópio electrónico – aproximadamente 5.000 vezes mais poderoso do que o de Ehrlich – que os cientistas poderam confirmar e detalhar a estrutura do sistema defensivo do cérebro, que se tornou conhecida como a barreira hematoencefálica. (3)

A barreira Hematoencefálica impede muitas intervenções

Desde então, grande parte da pesquisa da barreira sangue-cérebro concentrou-se em tentar ignorar a barreira para medicar ou manipular a química do cérebro de alguma forma… o que é muito difícil porque a barreira sangue-cérebro faz o seu trabalho incrivelmente bem. Como os guardas de segurança em qualquer instalação de importância vital, as células dentro e de cada lado da barreira sangue-cérebro são híper-vigilantes e estão em constante comunicação uns com os outros, monitorizando, permitindo ou bloqueando o transporte de moléculas circulantes.

A água, os gases e as moléculas que são muito pequenas ou lipídicas (gordas) são susceptíveis de passar pela barreira de forma bastante fácul (antidepressivos, medicamentos anti-ansiedade, álcool, cocaína e muitas hormonas, por exemplo), enquanto outras moléculas que são maiores (como a glicose e a insulina) precisam de ser transportadas “à boleia” em “proteínas transportadoras”. (4, 5)

Encontrar maneiras de “enganar” a barreira para permitir que os medicamentos que salvam vidas penetrem no cérebro, é apenas um dos obstáculos enfrentados pelos investigadores médicos. O outro é o problema oposto: encontrar formas de curar brechas na barreira ou reparar danos que podem ocorrer com certas lesões cerebrais ou infecções.

O desenvolvimento fetal da barreira Hematoencefálica

A barreira sangue-cérebro do bebé é muitas vezes referido como “imaturo”, um adjectivo que geralmente foi interpretado como “com fugas”, “não funcional”, ou mesmo “ausente” por muitos investigadores.(6) Mais recentemente, porém, estudos mostraram que a barreira é de facto totalmente funcional, começando no início do processo de desenvolvimento, mas várias das suas características diferem das de um adulto. Por exemplo, alguns transportadores são mais activos no cérebro em desenvolvimento e os vasos cerebrais fetais são mais frágeis em comparação com o sistema neurológico maduro.(7)

Por estas razões, os mecanismos que afetam a barreira hematoencefálica fetal “embora funcionalmente eficazes no cérebro em desenvolvimento podem, no entanto, ser mais susceptíveis do que o do adulto a circunstâncias adversas, e que o danos aos mecanismos da barreira cerebral durante o desenvolvimento, podem levar à disfunção neurológica e neuropsicológica na vida adulta”. (8)

Desafiando a barreira Hematoencefálica com Vacinas

Qualquer toxina capaz de atravessar a barreira sangue-cérebro, e existem muitas que o podem fazer, podem causar danos aos neurónios e à glia no cérebro, principalmente através de um processo oxidativo que pode comprometer “as funções do sistema nervoso central expressas como défices motores e alterações sensoriais, cognitivas e psicológicas”. (9)

Dado o aumento dos tipos das exposições tóxicas com que o desenvolvimento do feto se depara no útero, incluindo a tendência alarmante para a administração de vacinas contra a gripe, a difteria, o tétano e a tosse convulsa em mulheres grávidas que começam no primeiro trimestre, o impacto de qualquer tratamento no pré-termo ou infantil sobre a barreira hematoencefálica merece atenção. Como Joseph Mercola, MD, afirmou:

“Hoje, as crianças são vacinadas no nascimento contra a Hepatite B e começam a sua longa jornada de vacinação aos 2 meses de idade, antes da barreira hematoencefálica estar totalmente desenvolvida. Uma revisão da literatura médica por todo o mundo apresentará muitos artigos que associam as vacinas a muitos distúrbios neurológicos “. (10)

Referências:

1 The Blood-Brain Barrier (working group). About the Blood-Brain Barrier. Johns Hopkins University 2015.
2 The Society for Neuroscience. The Blood-Brain Barrier. July 2, 2014.
3 The Society for Neuroscience. The Blood-Brain Barrier. July 2, 2014.
4 Dash P. Blood-brain Barrier Maintains the Constancy of the Brain’s Internal Environment. The University of Texas Health Science Center. 1997-present.
5 The Society for Neuroscience. The Blood-Brain Barrier. July 2, 2014.
6 Saunders NR et al. The Rights and Wrongs of Blood-Brain Barrier Permeability Studies: A Walk Through 100 Years of History. Frontiers in Neuroscience December 2014.
7 Saunders NR et al. Barrier Mechanisms in the Developing Brain. Frontiers in Neuroscience March 2012.
8 Saunders NR et al. Barrier Mechanisms in the Developing BrainFrontiers in Neuroscience March 2012.
9 Reiter RJ et al. Neurotoxins: Free Radical Mechanisms and Melatonin Protection. Current Neuropharmacology. September 2010.
10 Mercola J. Vaccines and Neurological Damage. Mercola.com c 2016.

Fonte: http://www.thevaccinereaction.org/2016/02/the-blood-brain-barrier-natures-security-system/