Categoria: Compostos das Vacinas

“Vaccinegate”: relatório da análise metagenómica da Gardasil 9

“Vaccinegate”: relatório da análise metagenómica da Gardasil 9

Resultados

Com estas análises, terminamos a triagem de primeiro nível da vacina Gardasil 9.

Presença de material genético adventício em quantidades residuais. Os seguintes pontos essenciais podem ser resumidos:

Presença de material genético adventício como ADN:

Bactérias: A percentagem é significativa: 54% do ADN total. A contaminação pode derivar principalmente da cultura de fungos, mas também de contaminantes no laboratório. Mais soluções em branco foram feitas para minimizar o erro devido à contaminação ambiental, mas teremos dados mais precisos quando fizermos réplicas com outros laboratórios. O ADN bacteriano pode interagir com o alumínio adjuvante e causar alergias, inflamação e auto-imunidade. Dados a confirmar.

ADN humano e de ratos: a sua origem não é conhecida! Pode ser que o ADN humano possa ser uma contaminação cruzada de outras linhas celulares usadas na produção de vacinas (é uma hipótese). Esse ADN pode interagir com o alumínio adjuvante e causar reacções inflamatórias e auto-imunes.

Vírus adventícios: fragmento L1 do ADN de dupla tensão do vírus HPV – vem do processo de fabricação do antígeno. É um contaminante porque apresenta problemas de segurança, pois não é degradado e permanece nos macrófagos ligados ao alumínio adjuvante por um longo período. O seu efeito biológico não é totalmente conhecido, mas provavelmente pode ser integrado no ADN hospedeiro, estimular a inflamação através da produção de citocinas pró-inflamatórias e reacções auto-imunes (ver pesquisa do Prof. Lee).

Fagos: eles derivam do processo de fabricação, são contaminantes adventícios comLet perigos desconhecidos. Os anticorpos contra fagos podem interagir com bactérias na flora bacteriana intestinal? Eles podem integrar-se na flora bacteriana?

Vírus de moluscos contagiosos: pertencem à família Poxviridae, subfamília Chordopoxvirinae, género Molluscipoxvirus. O termo varíola contido no nome desses vírus vem das vesículas (N.T.: do inglês “poxes”) produzidas pelo vírus da varíola.

Retrovírus: potencialmente incorporáveis no ADN. Podem causar transformação neoplásica e mutações do genoma do hospedeiro. Derivam da contaminação do ADN humano e dos ratos, uma possível contaminação cruzada com outras linhas celulares.

  • Vírus da leucemia do rato.
  • Retrovírus endógeno humano K.

Material genético adventício presente como ARN:

Bactérias: as transcrições indicam que as bactérias estão presentes e activas durante o processo de fabricação.

Construções sintéticas (sequências artificiais): podem derivar do processo de produção de antigéno por recombinação genética com o plasmídeo. Elas são potencialmente capazes de se recombinar com o ADN humano. A ligação com o adjuvante de alumínio pode prolongar e aumentar o efeito biológico (inflamação e auto-imunidade).

Os fungos e os seus vírus (vírus L-BC e narnavírus): o ARN dos fungos pode dar origem a proteínas alergénicas (que podem ligar-se ao alumínio adjuvante) enquanto, no que diz respeito aos vírus, não são conhecidos efeitos sobre as células humanas e da microbiota.

O vírus da anemia equina infecciosa e o vírus da leucemia do rato: (este último está presente tanto no ADN como no RNA e, portanto, é um vírus completo). Esses vírus são derivados da contaminação de matérias-primas e não devem estar presentes.

Descarregue: CORVELVA-Metagenomic-análise-relatório-em-Gardasil-9.pdfF

Fonte: https://www.corvelva.it/speciali-corvelva/analisi/vaccinegate-metagenomic-analysis-report-on-gardasil-9.html?fbclid=IwAR13to_mTxQw_DzQYNweb8HhVr1QrtrzNgvATvbHRD2Pq7xzxPwML-JrYz4