Categoria: Educação

As memórias epigenéticas são passadas ao longo de 14 gerações sucessivas, revela pesquisa revolucionária

As memórias epigenéticas são passadas ao longo de 14 gerações sucessivas, revela pesquisa revolucionária

A memória epigenética é passadas ao longo de 14 gerações sucessivas pesquisa revolucionária revela

O passado dos nossos ancestrais sobrevive através de nós: uma pesquisa inovadora ilustra como a experiência dos pais não é apenas epigeneticamente impressa na prole, mas num número sem precedentes de gerações futuras. Em vez de ocorrer na escala de tempo alongada de milhões de anos, a mudança genética pode acontecer em tempo biológico real através de nanopartículas conhecidas como exossomos.

Até recentemente, acreditava-se que os nossos genes ditavam nosso destino. Que estamos fadados às doenças que acabarão por nos afligir com base no código indecifrável pré-codificado gravado em pedra no nosso material genético. O florescente campo da epigenética, no entanto, está derrubando esses princípios e introduzindo uma escola de pensamento em que a nutrição, e não a natureza, é vista como a influência predominante quando se trata da expressão genética e da nossa liberdade ou aflição por doenças crónicas.

Epigenética: o fim do determinismo biológico

A epigenética, ou o estudo dos mecanismos fisiológicos que silenciam ou activam genes, engloba processos que alteram a função do gene sem alterar a sequência de pares de bases nucleotídicas no nosso ADN. Traduzido literalmente significa “além de alterações na sequência genética”, a epigenética inclui processos como metilação, acetilação, fosforilação, sumolização e ubiquidação, que podem ser transmitidos para as células filhas quando da divisão celular (1). A metilação, por exemplo, é a ligação de marcadores simples de grupos metílicos a moléculas de ADN, que podem reprimir a transcrição de um gene quando ocorre na região de um gene promotor. Esse simples grupo metil, ou um carbono ligado a três moléculas de hidrogénio, efetivamente desliga o gene.

Modificações pós-traducionais de proteínas histonas são outro processo epigenético. As histonas ajudam a empacotar e condensar a dupla hélice do ADN no núcleo da célula num complexo chamado cromatina, que pode ser modificado por enzimas, grupos acetila e formas de ARN chamadas pequenos ARNs de interferência e microARNs (1). Essas modificações químicas da cromatina influenciam a sua estrutura tridimensional, que por sua vez governa a sua acessibilidade para a transcrição do ADN e determina se os genes são expressos ou não.

Nós herdamos um alelo, ou variante, de cada gene da nossa mãe e outro do nosso pai. Se o resultado dos processos epigenéticos for o imprinting, um fenómeno em que um dos dois alelos de um par de genes é desactivado, e isso pode gerar um resultado pouco benéfico para a saúde se o alelo expresso estiver com algum defeito ou aumentar a nossa susceptibilidade a infecções ou substâncias tóxicas (1). Estudos relacionam cancros de quase todos os tipos e disfunções neurocomportamentais e cognitivas, doenças respiratórias, distúrbios autoimunes, anomalias reprodutivas e doenças cardiovasculares a mecanismos epigenéticos (1). Por exemplo, a droga antiarrítmica cardíaca procainamida e o agente anti-hipertensivo hidralazina podem causar lúpus em algumas pessoas, causando padrões aberrantes de metilação do DNA e interrompendo as vias de sinalização (1).

Os Genes carregam a arma mas é o ambiente que puxa o gatilho

Os produtos farmacêuticos, no entanto, não são os únicos agentes que podem induzir perturbações epigenéticas. Se nasceu de parto vaginal ou cesariana, amamentado ou por mamadeira, criado com um animal de estimação em casa ou infectado com certas doenças na infância, tudo isso influencia a sua expressão epigenética. Se é sedentário, reza, fuma, medita ou pratica yoga, tem uma extensa rede de apoio social ou está alienado da sua comunidade – todas as suas escolhas de estilo de vida influenciam o risco de doenças que operam através dos mecanismos de epigenética.

De facto, o Centro de Controlo de Doenças (CDC) afirma que a genética responde por apenas 10% das doenças, sendo os restantes 90% devido a variáveis ambientais (2). Um artigo publicado na Biblioteca Pública da Science One (PLoS One) intitulado “Factores genéticos não são as principais causas das doenças crónicas” ecoa essas alegações, citando que a doença crónica é apenas 16,4% genética e 84,6% ambiental (3). Os conceitos fazem sentido à luz da pesquisa sobre os exposomas, a medida cumulativa de todos os ataques ambientais em que um indivíduo incorre durante o seu curso de vida e que determina a suscetibilidade à doença (4)

Ao delinear a totalidade das exposições às quais um indivíduo é submetido ao longo da sua vida, o exposomema pode ser subdividido em três domínios sobrepostos e entrelaçados. Um segmento do exposoma chamado de ambiente interno é composto por processos inatos ao corpo que colidem com o meio celular. Isso engloba hormonas e outros mensageiros celulares, o stresse oxidativo, inflamação, peroxidação lipídica, morfologia corporal, microbiota intestinal, envelhecimento e stresse bioquímico (5).

Outra parte do exposoma, o ambiente externo específico, consiste em exposições, incluindo patógenos, radiação, contaminantes químicos e poluentes, e intervenções médicas, bem como elementos dietéticos, de estilo de vida e ocupacionais (5). A um nível ainda mais amplo, sociocultural e ecológico, está o segmento do exposoma chamado ambiente externo geral, que pode circunscrever factores como o stresse psicológico, status socioeconómico, variáveis geopolíticas, nível educacional, residência urbana ou rural e clima (5).

A herança transgeracional das mudanças epigenéticas: os disruptores endócrinos aceleram a infertilidade nas gerações futuras

Os cientistas anteriormente especularam que as mudanças epigenéticas desapareciam a cada nova geração durante a gametogénese, a formação de espermatozóides e óvulos e após a fertilização. No entanto, esta teoria foi contestada pela primeira vez pela pesquisa publicada na revista Science que demonstrou que a exposição transitória de ratas prenhas ao inseticida metoxicloro, um composto estrogénico, ou o fungicida vinclozolina, um composto antiandrogénico, resultou num aumento da incidência de infertilidade masculina e na diminuição. produção e viabilidade do esperma em 90% dos machos das quatro gerações subsequentes que foram rastreadas (1).

Mais notavelmente, esses efeitos reprodutivos foram associados a desarranjos nos padrões de metilação do ADN na linhagem germinativa, sugerindo que as mudanças epigenéticas são passadas às gerações futuras. Os autores concluíram que:

“A capacidade de um factor ambiental (por exemplo, um desregulador endócrino) reprogramar a linhagem germinativa e promover um estado de doença transgeracional tem implicações significativas para a biologia evolucionária e etiologia da doença” (6, p. 1466).

Isso pode sugerir que os produtos de higiene pessoal e os produtos de limpeza comercial que contêm disruptores endócrinos e fragrâncias aos quais todos estamos expostos, podem desencadear problemas de fertilidade em várias gerações futuras.

A herança transgeracional de episódios traumáticos: A experiência parental dá forma às características da prole

Para além disso, as experiências traumáticas podem ser transmitidas às futuras gerações via epigenética como uma forma de informar a prole sobre as informações mais importantes necessárias para a sua sobrevivência (7). Num estudo, os investigadores colocaram a acetofenona química, presente nas cerejas, nas câmaras com ratos enquanto administravam choques eléctricos, condicionando os ratos a temer o cheiro (7). Essa reacção foi passada em duas gerações sucessivas, que estremeceram significativamente mais na presença da acetofenona, apesar de nunca a terem encontrado, em comparação com osdescendentes dos ratos que não receberam esse condicionamento (7).

O estudo sugere que certas características do ambiente sensorial parental vivido antes da concepção pode remodelar o sistema nervoso sensorial e a neuroanatomia nas gerações subsequentemente concebidas (7). As alterações nas estruturas cerebrais que processam os estímulos olfatórios foram observadas, assim como a representação aumentada do receptor que percepciona o odor em comparação com os ratos de controle e a sua descendência (7). Essas mudanças foram transmitidas por mecanismos epigenéticos, conforme ilustrado pelas evidências de que os genes sensíveis à acetofenona em ratos com medo eram hipometilados, o que pode ter aumentado a expressão de genes de receptores de odorante durante o desenvolvimento, levando à sensibilidade à acetofenona (7).

A experiência humana da fome e tragédia abrange gerações

O estudo do rato, que ilustra como as células germinativas (óvulo e espermatozóide) exibem plasticidade dinâmica e adaptabilidade em resposta aos sinais ambientais, é espelhada por estudos em humanos. Por exemplo as exposições a certos factores de stress, como a fome, durante o período gestacional, está associada a resultados perniciosos para a saúde dos filhos. As mulheres que passam fome antes da concepção dos seus filhos têm demonstrado dar à luz crianças com baixa saúde mental autorreferida e qualidade de vida, por exemplo (8).

Estudos também destacam que:

“A exposição da fome materna ao longo da concepção tem sido relacionada com a prevalência de transtornos afetivos maiores, transtornos de personalidade antissocial, esquizofrenia, diminuição do volume intracraniano e anormalidades congénitas do sistema nervoso central” (8).

A exposição gestacional à fome holandesa em meados do século XX também está associada à menor percepção de saúde (9), bem como ao aumento da incidência de doenças cardiovasculares, hipertensão e obesidade na prole (8). A desnutrição materna durante a gravidez leva à adiposidade neonatal, que é um preditor da obesidade futura (10) nos netos (11).

O impacto da epigenética também é exemplificado pela pesquisa sobre os efeitos intergeracionais do trauma, que esclarece que descendentes de pessoas que sobreviveram ao Holocausto apresentam perfis anormais da hormona de stresse e baixa produção de cortisol em particular (12). Por causa da sua resposta prejudicada ao cortisol e da reactividade ao stresse alterada, os filhos de sobreviventes do Holocausto estão frequentemente sob maior risco de transtorno de stresse pós-traumático (TEPT), ansiedade e depressão (13).

A exposição intrauterina ao stresse materno na forma de violência pelo parceiro íntimo durante a gravidez também pode levar a mudanças no status da metilação do receptor de glicocorticoide (GR) dos seus filhos adolescentes (14). Esses estudos sugerem que a experiência de trauma de um indivíduo pode predispor os seus descendentes a doenças mentais, problemas comportamentais e anormalidades psicológicas devido à “programação epigenética transgeracional de genes operando no eixo hipotalâmico-hipofisário-adrenal”, um conjunto complexo de interações entre glândulas endócrinas e que determinam a resposta ao stresse e a resiliência (14).

As células do corpo passam informação genética directamente para as células espermáticas

Para além disso, os estudos esclarecem que a informação genética pode ser transferida através das células da linhagem germinativa de uma espécie, em tempo real. Estas descobertas que mudam o paradigma derrubam a lógica convencional, que postula que a mudança genética ocorre ao longo da escala de tempo prolongada de centenas de milhares ou mesmo milhões de anos. Num estudo relativamente recente, descobriu-se que os exossomas eram o meio pelo qual a informação era transferida das células somáticas para os gametas.

Esta experiência envolveu o xenotransplante, um processo em que células vivas de uma espécie são enxertadas num receptor de outra espécie. Especificamente, células tumorais do melanoma humano geneticamente modificadas para expressar genes para uma enzima traçadora fluorescente chamada plasmídeo codificador de EGFP, foram transplantadas em ratos. Os investigadores descobriram que moléculas contendo informações e o marcador EGFP foram libertadas no sangue dos animais (15).

Os exossomas, ou “vesículas nanométricas membranosas especializadas derivadas de compartimentos endocíticos que são libertadas por muitos tipos de células” foram encontrados entre as moléculas rastreáveis de EGFP (16, p. 447).

Os exossomas, que são sintetizados por todas as células vegetais e animais, contêm repertórios protéicos distintos e são criados quando o brotamento interno ocorre a partir da membrana de corpos multivesiculares (MVBs), um tipo de organelo que funciona como um compartimento de triagem dentro de células eucarióticas (16). Os exossomas contêm microARN (miARN) e ARN pequeno, tipos de RNA não codificador envolvidos na regulação da expressão génica (16). Neste estudo, os exossomas libertaram ARNs para amadurecerem as células espermáticas (espermatozóides) e permaneceram armazenadas (15).

Os investigadores destacam que esse tipo de ARN pode-se comportar como um “determinante transgeracional das variações epigenéticas hereditárias e que o ARN dos espermatozóides pode transportar e fornecer informações que causam variações fenotípicas na descendência” (15). Por outras palavras, o ARN transportado para espermatozóides por exossomas pode presidir à expressão génica de uma forma que altera as características observáveis e o risco de doença na descendência, bem como a sua morfologia, desenvolvimento e fisiologia.

Este estudo foi o primeiro a elucidar a transferência de informação mediada por ARN das células somáticas para as células germinativas, que fundamentalmente subverte o que é conhecido como a barreira de Weisman, um princípio que afirma que o movimento da informação hereditária dos genes para as células do corpo é unidirecional, e que a informação transmitida pelo óvulo e espermatozoide às gerações futuras permanece independente das células somáticas e da experiência parental (15).

Para além disso, isto pode trazer implicações para o risco de cancro, já que os exossomas contêm grandes quantidades de informações genéticas que podem ser a fonte da transferência génica lateral (17) e são abundantemente libertadas das células tumorais (18). Isso pode ser conciliado com o fato de que vesículas que se assemelham a exossomas foram observadas em vários mamíferos (15), incluindo humanos, em estreita proximidade com espermatozóides em estruturas anatómicas, como o epidídimo, assim como no fluido seminal (19). Esses exossomas podem depois ser propagados para gerações futuras pela fertilização e aumentar o risco de cancro na prole (20).

Os investigadores concluíram que os espermatozóides podem actuar como repositórios finais de informações derivadas de células somáticas, o que sugere que os ataques epigenéticos nas células do nosso corpo podem ser retransmitidos para as gerações futuras. Essa noção é validadora da teoria evolucionista da “herança branda” proposta pelo naturalista francês Jean-Baptiste Lamarck, segundo a qual as características adquiridas ao longo da vida de um organismo são transmitidas à prole, conceito que a genética moderna rejeitou antes que a epigenética entrasse em cena. Desta forma, os espermatozóides são capazes de assimilar espontaneamente moléculas exógenas de ADN e ARN, comportando-se tanto como vectores do seu genoma nativo na medida que o material genético extracromossómico estranho é “entregue aos oócitos na fertilização na geração de animais fenotipicamente modificados” ( 15).

Mudanças epigenéticas duram mais do que o previsto

Num estudo recente, minhocas nematóides foram manipuladas para abrigar um transgene para uma proteína fluorescente, o que fez com que os vermes brilhassem sob a luz ultravioleta quando o gene era activado (21). Quando os vermes foram incubados sob a temperatura ambiente de 20°C (68 ° Fahrenheit), observou-se brilho insignificante, indicando baixa actividade do transgene (21). No entanto, a transferência dos vermes para um clima mais quente de 25°C (77°F) estimulou a expressão do gene, pois os vermes brilhavam intensamente (21).

Mais ainda, essa alteração induzida pela temperatura na expressão génica persistiu por pelo menos 14 gerações, representando a preservação de memórias epigenéticas da mudança ambiental num número sem precedentes de gerações (21). Por outras palavras, os vermes transmitiram memórias de condições ambientais passadas para seus descendentes, através do veículo de mudança epigenética, como forma de preparar os seus filhos para as condições ambientais vigentes e garantir a sua sobrevivência.

Orientações Futuras: Para onde vamos a partir daqui?

Tomada cumulativamente, a investigação acima mencionada desafia as leis mendelianas tradicionais da genética, que postulam que a herança genética ocorre exclusivamente através da reprodução sexual e que os traços são passados para os descendentes através dos cromossomas contidos nas células germinativas, e nunca através de células somáticas (corporais). Efetivamente, isso prova a existência da herança transgeracional não mendeliana, em que traços separados dos genes cromossómicos são transmitidos à descendência, resultando em fenótipos persistentes que perduram ao longo de gerações (22).

Esta pesquisa dá um novo significado ao princípio da mordomia de sete gerações ensinada pelos nativos americanos, que exige que consideremos o bem-estar de sete gerações futuras em cada uma de nossas decisões. Não só devemos incorporar essa abordagem nas práticas de sustentabilidade ambiental, mas seria sensato considerar como as condições a que submetemos os nossos corpos – a poluição e os tóxicos que permeiam a paisagem e permeiam os nossos corpos, o solo sem nutrientes que engendra alimentos pobres em micronutrientes, os transtornos do nosso ritmo circadiano devido à omnipresença dos dispositivos electrónicos, o nosso divórcio da natureza e o desaparecimento das nossas afiliações tribais – podem-se traduzir em efeitos prejudiciais à saúde e qualidade de vida diminuída, para um número anteriormente não-comprovado de gerações subsequentes.

Os riscos da agricultura moderna, a revolução industrial e a vida contemporânea são os

“Impulsionadores conhecidos ou suspeitos por detrás dos processos epigenéticos… incluindo metais pesados, pesticidas, gases de escape do diesel, fumo do tabaco, hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, hormonas, radioactividade, vírus, bactérias e nutrientes básicos”(1, p. A160).

Por acaso, no entanto, muitos insumos como exercício físico, atenção plena e componentes bioactivos em frutas e vegetais, como o sulforafano em vegetais crucíferos, o resveratrol das uvas vermelhas, a genisteína da soja, o sulfeto de dialila do alho, a curcumina do açafrão, a betaína da beterraba e a catequina do chá verde podem modificar favoravelmente os fenómenos epigenéticos

“Inibindo directamente as enzimas que catalisam a metilação do DNA ou as modificações das histonas, alterando a disponibilidade de substratos necessários para essas reacções enzimáticas” (23, p. 8).

Isso sublinha, essencialmente, que o ar que respiramos, a comida que comemos, os pensamentos que nos permitimos ter, as toxinas a que estamos expostos e as experiências pelas quais passamos podem perseverar nos nossos descendentes e permanecerem na nossa descendência muito depois de termos desaparecido. Precisamos de estar cientes dos efeitos das nossas acções, pois provocam um efeito em cascata através das proverbiais areias do tempo.


Referências

1. Weinhold, B. (2006). Epigenetics: The Science of Change. Environmental Health Perspectives, 114(3), A160-A167.

2. Centers for Disease Control and Prevention. (2014). Exposome and Exposomics. Retrieved from https://www.cdc.gov/niosh/topics/exposome/

3. Rappaport, S.M. (2016). Genetic factors are not the major causes of chronic diseases. PLoS One, 11(4), e0154387.

4. Vrijheid, M. (2014). The exposome: a new paradigm to study the impact of environment on health. Thorax, 69(9), 876-878. doi: 10.1136/thoraxjnl-2013-204949.

5. Wild, C.P. (2012). The exposome: from concept to utility. International Journal of Epidemiology, 41, 24–32. doi:10.1093/ije/dyr236

6. Anway, M.D. et al. (2005). Epigenetic transgenerational actions of endocrine disruptors and male fertility. Science, 308(5727), 1466-1469.

7. Dias, B.G., & Ressler, K.J. (2014). Parental olfactory experience influences behavior and neural structure in subsequent generations. Nature Neuroscience, 17(1), 89-98.

8. Stein, A.D. et al. (2009). Maternal exposure to the Dutch Famine before conception and during pregnancy: quality of life and depressive symptoms in adult offspring. Epidemiology, 20(6), doi:  10.1097/EDE.0b013e3181b5f227.

9. Roseboom, T.J. et al. (2003). Perceived health of adults after prenatal exposure to the Dutch famine. Paediatrics Perinatal Epidemiology, 17, 391–397.

10. Badon, S.E. et al. (2014). Gestational Weight Gain and Neonatal Adiposity in the Hyperglycemia and Adverse Pregnancy Outcome Study-North American Region. Obesity (Silver Spring), 22(7), 1731–1738.

11. Veenendaal, M.V. et al. (2013). Transgenerational effects of prenatal exposure to the 1944-45 Dutch famine. BJOG, 120(5), 548-53. doi: 10.1111/1471-0528.

12. Yehuda, R., & Bierer, L.M. (2008). Transgenerational transmission of cortisol and PTSD risk. Progress in Brain Research, 167, 121-135.

13. Aviad-Wilcheck, Y. et al. (2013). The effects of the survival characteristics of parent Holocaust survivors on offsprings’ anxiety and depression symptoms. The Israel Journal of Psychiatry and Related Sciences, 50(3), 210-216.

14. Radke, K.M. et al. (2011). Transgenerational impact of intimate partner violence on methylation in the promoter of the glucocorticoid receptor. Translational Psychiatry, 1, e21. doi: 10.1038/tp.2011.21.

15. Cossetti, C. et al. (2014). Soma-to-Germline Transmission of RNA in Mice Xenografted with Human Tumour Cells: Possible Transport by Exosomes. PLoS One, https://doi.org/10.1371/journal.pone.0101629.

16. Zomer, A. et al. (2010). Exosomes: Fit to deliver small RNA. Communicative and Integrative Biology, 3(5), 447–450.

17. Balaj, L. et al. (2011) Tumour microvesicles contain retrotransposon elements and amplified oncogene sequences. Natural Communications, 2, 180.

18. Azmi, A.S., Bao, B., & Sarkar, F.H. (2013). Exosomes in cancer development, metastasis, and drug resistance: a comprehensive review. Cancer Metastasis Review, 32, 623-643

19. Poliakov, A. et al. (2009). Structural heterogeneity and protein composition of exosomes-like vesicles (prostasomes) in human semen. Prostate, 69, 159-167.

20. Cheng, R.Y. et al. (2004) Epigenetic and gene expression changes related to transgenerational carcinogenesis. Molecular Carcinogenesis, 40, 1–11.

21. Klosin, A. et al. (2017). Transgenerational transmission of environmental information in C. elegans. Science, 356(6335).

22. Lim, J.P., & Brunet, A. (2013). Bridging the transgenerational gap with epigenetic memory. Trends in Genetics, 29(3), 176-186. doi: 10.1016/j.tig.2012.12.008

23. Choi, S.-W., & Friso, S. (2010). Epigenetics: A New Bridge between Nutrition and Health Advances in Nutrition: An International Review Journal, 1(1), 8-16. doi:10.3945/an.110.1004.

Fonte: http://www.greenmedinfo.com/blog/epigenetic-memories-are-passed-down-14-successive-generations-game-changing-resea

Debate sobre Vacinação ~ 5 de Novembro ~ Sintra

Debate sobre Vacinação ~ 5 de Novembro ~ Sintra

Um convite para um debate amigável para falar sobre vacinação.

Um debate em círculo com moderador e convidado. Com base em informação científica, faremos um debate deste tema tão controverso, não para criar um consenso, mas para dar espaço a cada um para ouvir outras informações e opiniões.

A decisão informada e consciente cabe a cada um e deve ser respeitada, encorajada e defendida.

Reservas (inscrições limitadas a 30 Px): geral@infovacinas.com

debate sobre vacinação

As Verdadeiras Notícias Falsas: quando a Ciência é usada como Propaganda

As Verdadeiras Notícias Falsas: quando a Ciência é usada como Propaganda

propaganda

Propaganda. Sabia que os médicos e cientistas podem ser corrompidos ou estarem simplesmente errados?

As pessoas parecem dar aos médicos e aos cientistas o benefício da dúvida quando se fala das suas descobertas e opiniões sobre coisas como aquecimento global, organismos geneticamente modificados, pesticidas, produtos químicos e o quão pouco saudáveis certos alimentos e hábitos são.

Mas, tal como qualquer outro ser humano, os cientistas e os médicos são, bem… humanos. Eles podem equivocar-se, ficarem confusos, serem corrompidos e obstinadamente opinativos.

De acordo com a Natural News, cerca de 20 mil médicos recomendaram fumar cigarros para ajudar na digestão.

A Camel em 1940 tinha uma campanha publicitária cujo slogan era “More Doctors Smoke Camels” [Mais Médicos fumam Camel].

Eles até distribuíram maços de tabaco aos médicos numa convenção médica e depois entrevistaram os médicos na entrada, perguntando qual era a sua marca de cigarros favorita ou o qual era a marca do maço que eles tinham no bolso naquele momento.

Infelizmente, o dinheiro corrompeu as indústrias como as grandes farmacêuticas que pagam aos médicos e cientistas para assumirem uma determinada posição e prescreverem fármacos e tratamentos específicos. Muitos estudos revistos ​​por pares têm resultados predeterminados que basicamente cuscam os factos adequados à sua narrativa. É mais um estratagema de marketing para publicar em revistas científicas e médicas do que evidências de descobertas credíveis.

O açúcar foi há muito considerado bom para enfiar pela garganta das crianças porque na década de 1960 um punhado de cientistas foi pago para o declarar como “bom”.

Os documentos mostram que um grupo comercial chamado Sugar Research Foundation, hoje conhecido como Sugar Association, pagou a três cientistas de Harvard o equivalente a cerca de 50.000 em dólares de hoje para publicarem uma revisão, em 1967, das pesquisas sobre o açúcar, a gordura e as doenças cardíacas.

Os estudos utilizados na revisão foram escolhidos a dedo pelo Sugar Research Foundation, e o artigo, que foi publicado no prestigiado New England Journal of Medicine, minimizou o vínculo entre o açúcar e a saúde do coração e despoletou confusão sobre o papel da gordura saturada.

Mas, mesmo na ausência da verdadeira corrupção, erros crassos estão a ser cometidos nas conclusões científicas.

A correlação não é causalidade. Este é um princípio fundamental da ciência. Duas coisas podem estar fortemente correlacionadas, mas isso não prova que uma cause a outra.

De acordo com a Reason Magazine:

Quando se trata de separar o trigo do joio nos estudos que são medíocres ou simplesmente de má qualidade, o epidemiologista Geoffrey Kabat da Universidade de Medicina Albert Einstein, é um tesouro nacional.

“A maioria das descobertas evidenciadas pelas pesquisas são falsas ou exageradas, e quanto mais dramático o resultado, menos provável é que seja verdade”, ele afirma no seu excelente e novo livro Getting Risk Right [Interpretando bem o Risco].

Kabat discute como “a dose faz o veneno”, na medida em que dizer que algo duplica o risco de uma doença pode ser estatisticamente irrelevante.

Por exemplo, pode acontecer que tenha ouvido que comer bacon aumenta o risco de cancro colorretal. Tecnicamente, isso é verdade. Se comer duas fatias de bacon todos os dias da sua vida, o risco de cancro colorretal aumenta de 5 para 6 por cento. Isso não é exactamente o mesmo risco que fumar cigarros, que aumenta o risco de cancro do pulmão entre 20 a 50 vezes.

E então, é claro, deve ser tido em conta o viés editorial. “Está a arriscar a sua vida ao comer Bacon” tem mais cliques do que “comer bacon todos os dias aumenta o risco de cancro em 1%”.

Kabat sugere que o princípio da precaução – “é melhor jogar pelo seguro” – é, em grande parte, um estratagema ideológico para alarmar o público e obter o seu apoio em relação às preferências políticas dos promotores.

Ele também destaca “a noção simplista de que o “consenso” entre os cientistas existe sempre.” Ele ressalva que o “consenso cientifico” já considerou outrora que as úlceras eram causadas pelos alimentos picantes e stresse em vez das bactérias…

avaliando o risco

O ponto a reter aqui é este: gosto de ser saudável e eu, pessoalmente e muitas vezes, sigo o princípio do “jogar pelo seguro”. Mas é um enorme abuso de autoridade impingir essa visão aos outros através do medo. É a atitude do “eu sei mais do que esses pacóvios” que infelizmente permeia a comunidade científica e médica.

Os OGMs [Organismos Geneticamente Modificados], pesticidas e produtos químicos como o BPA realmente são tão maus quanto dizem? Pessoalmente, eu evito-os mas, honestamente, não pesquisei o suficiente por mim mesmo para aferir com total certeza.

A gordura e o sal foram considerados e desconsiderados vezes sem conta como saudáveis e vice-versa.

O sal e a gordura foram considerados vezes sem conta como saudáveis, depois não saudáveis, e depois saudáveis ​​pelos especialistas.

As pessoas buscam nos médicos e cientistas orientação e, muitas vezes, sofrem uma lavagem cerebral através dos próprios preconceitos desses indivíduos e das suas opiniões infundadas.

Se um especialista não pode ou não quer responder a perguntas sobre o seu próprio trabalho, isso é um sinal de alerta. Quando as pessoas falam sobre o consenso entre especialistas em vez dos factos tangíveis, esse é outro sinal de alarme.

Muitas vezes na história recente deu-se o caso dos especialistas, cientistas e médicos estarem intencionalmente ou equivocadamente errados.

Às vezes, sim, devemos socorrer-nos dos especialistas, uma vez que é simplesmente impossível pesquisarmos tudo por nós mesmos. Mas isso não significa que devemos renunciar às devidas diligências, socorrendo-nos do pensamento crítico que a acompanha.

O medo vende. Estamos habituados a isso nos meios de comunicação mas, regra geral, não estamos à espera disso por parte dos médicos e cientistas. Mas eles também são humanos e estão tão propensos quanto os outros a promoverem e avançarem com a sua agenda pessoal em detrimento da verdade.

Fonte: http://www.thedailybell.com/news-analysis/real-fake-news-science-used-as-propaganda/

Os 10 piores EMBUSTES na Saúde e que foram promovidos como “ciência” nos últimos 100 anos

Os 10 piores EMBUSTES na Saúde e que foram promovidos como “ciência” nos últimos 100 anos

fraude na saúde

Quando uma tendência se torna viral, milhões de pessoas “juntam-se à caravana” sem pensarem duas vezes. No entanto, posteriormente descobre-se que a maioria dessas tendências massivamente populares não são tendências, mas sim esquemas em pirâmide na saúde, promovidos por propaganda e que levam milhões de pessoas (que agem como ovelhas ignorantes) ao seu próprio penhasco da Saúde. Muito antes da internet e mesmo antes da televisão, os demónios da ciência (humanos doentios que vestem batas brancas de laboratório) estavam a cogitar formas de envenenar lentamente a população com alimentos e medicamentos químicos, e eles precisavam de especialistas em marketing para enganarem o público, com uma imagem e slogans apelativos que pudessem ser aproveitados pelos meios de comunicação impressos.

Tudo o que parece ser bem pesquisado e é transmitido e anunciado através de milhares de canais de comunicação, eventualmente, e não importa o quanto a mentira é doente e dementia, depois de marketing e publicidade suficientes, as massas compram. A isso chama-se dissonância cognitiva – algo provoca o seu cérebro apenas o suficiente para suscitar o seu interesse, sendo que depois acaba por pesquisar um pouco, repara que “os outros estão a fazer isso”, e depois salta para a caravana do que está na moda. Da má ciência dos alimentos à péssima ciência da medicina, tudo se resume a más escolhas e a uma má saúde, e não existem maiores máquinas de fazer dinheiro do que aquelas administradas pelas grandes corporações do sector alimentar e as grandes farmacêuticas. Vamos então aprofundar isto, retrocedendo até ao princípio do século passado, quando o enredo do mal tinha começado na terra dos alimentos tóxicos processados e dos tratamentos crónicos de doenças.

Atente aos 10 piores embustes na Saúde promovidos como “ciência” nos últimos 100 anos

Mentira # 1

Se um estudo de saúde é “revisto por pares”, então é baseado em evidências, fiável e verdadeiro.

Sabia que 90% da informação médica publicada, na qual os médicos confiam, é completamente errada? É verdade. Muitos “estudos” científicos e pesquisas têm resultados predeterminados e que são primeiramente condicionados pelas empresas e corporações que beneficiarão da venda do produto e, após disso, os testes são “executados” por cientistas que ajustam, distorcem ou mesmo descartam aquilo que não se enquadra na conclusão do guião providenciado inicialmente. Posteriormente, o dinheiro passa de mão em mão e as descobertas são publicadas em revistas para os curiosos como a JAMA (Journal of the American Medical Association). Isso já acontece desde há um século.

Mentira # 2

Se um aditivo alimentar, medicamento de prescrição ou imunização for aprovado pelos agentes reguladores, isso quer dizer que os cientistas o testaram completamente no que diz respeito à sua “segurança e eficácia” e deve consumi-lo sem questionar.

Os agentes reguladores são fachadas para as empresas que buscam o lucro nas despesas de saúde da população. Nunca confie em nada aprovado por essas agências “reguladoras” que se movem por interesses próprios e que estão no negócio dos tratamentos crónicos a doentes e sempre estiveram, desde a sua criação. Peça ao seu médico naturopata conselhos sobre alimentos e medicamentos que são “aprovados” pelas agências reguladoras.

Mentira # 3

Os cigarros são bons para a digestão e recomendados por mais de 20 mil médicos.

Sim, eles fizeram isso. Os médicos anunciavam as suas marcas favoritas e mentiram durante décadas mesmo após a ciência ter provado que o fumo do cigarro causava cancro do pulmão.

Mentira # 4

A vacina contra a poliomielite é uma invenção milagrosa que erradicou a pandemia de poliomielite que assolava o mundo.

O infame Dr. Salk não inventou uma vacina que impediu a pólio, mas sim misturou várias estirpes de poliomielite e ajudou a propagar a doença ao redor do mundo. O embuste funcionou porque as estatísticas foram distorcidas para mostrarem que quaisquer casos de poliomielite que não debilitavam as vítimas eram classificados como meningite e, portanto, “provar” que a vacina quase eliminou a poliomielite em todo o mundo! E foi assim que milhões de pessoas foram alvo de uma lavagem cerebral para serem levadas a acreditar que as vacinas de hoje são “seguras e eficazes”.

Mentira # 5.

Os edulcorantes artificiais não contêm calorias, pelo que então ajudam-no a perder peso.

Os açúcares falsos são centenas de vezes mais doces do que a sacarose, enganando o seu corpo ao ingeri-los e fazendo-o desejar ainda mais açúcar. Diga adeus ao autocontrolo.

Mentira # 6.

Qualquer colesterol “alto” é um colesterol mau e por isso deve pedir ao seu médico um medicamento para o baixar.

Errado! Por outro lado, de acordo com um artigo altamente informativo publicado na Metabolic Healing, “Os esforços para reduzir a produção de colesterol e as lipoproteínas adjacentes do corpo, seja por meio de intervenção médica ou por meio de intervenção nutricional, podem ter repercussões muito graves para a saúde”.

Mentira # 7

Todas as gorduras saturadas são insalubres e causam doenças cardiovasculares.

A conspiração contra as gorduras saturadas já foi completamente desmascarada.

Mentira # 8

Leite – faz bem ao corpo.

Os produtos lácteos mais processados ​​(homogeneizados / pasteurizados) causam inflamações e produção excessiva de muco. Pesquise sobre isso.

Mentira # 9

Os OGM (Organismos Geneticamente Modificados) são resistentes à seca, seguros para consumo humano, aumentam o rendimento dos agricultores e são totalmente sustentáveis.

OGM significa que pesticidas tóxicos foram infundidos nos genes das culturas, e muitos agricultores que cultivam OGMs estão a descobrir que precisam de usar muito mais pesticidas para controlarem os insetos e ervas daninhas agora.

Mentira # 10

A quimioterapia é a sua melhor hipótese, e pode ser a sua única hipótese, de sobreviver ao cancro.

A quimioterapia tem uma miserável taxa de sucesso média de 2,3%. A quimioterapia destrói o seu sistema imunológico – a única coisa que o ajuda a sobreviver ao cancro. Vá-se lá perceber.

Pergunte ao seu médico naturopata se as fraudes na saúde são adequadas para si

Conclusão

Quando ouve um slogan de saúde na televisão, impresso no jornal ou veiculado por algum político que continua a insistir nisso incessantemente, pode ter 99,9% de certeza de que é um embuste de saúde projectado e propagandeado para roubar o seu dinheiro e a sua paz de espírito. Os efeitos secundários dos engodos na saúde incluem o cancro, a doença de Alzheimer e a perda de competências de pensamento crítico. Pergunte ao seu médico naturopático se os embustes mais conhecidos na saúde são bons para si. Para ler ciência a sério com resultados credíveis publicados, confira o site Science.NaturalNews.com, onde a verdade reina.

As fontes deste artigo incluem:

AHRP.org

TruthWiki.org

CDC.news

Tobacco.Stanford.Edu

TruthWiki.org

Science.NaturalNews.com

MetabolicHealing.com

NaturalNews.com

RealFarmacy.com

Fonte: http://www.naturalnews.com/2017-07-02-the-10-worst-health-hoaxes-pushed-as-science-over-the-last-100-years.html

Seis fármacos que pioram a sua Saúde instantaneamente

Seis fármacos que pioram a sua Saúde instantaneamente

medicamentos e saúde

Consegue imaginar quantos americanos tomam medicamentos prescritos? Pensa que são 1 em cada 20 ou talvez 1 em cada 10? Ou provavelmente acha que são 1 em cada 5 americanos? Se acredita que a resposta correcta é alguma das anteriores, está errado. Um novo relatório publicado pelo CDC [Centro para o Controlo de Doenças dos EUA] evidencia que quase metade de todos os americanos toma medicamentos químicos para as suas doenças. Isso significa que mais de 150 milhões de americanos usam fármacos químicos experimentais, não testados, que nadam na sua corrente sanguínea neste momento, potenciando o caos na saúde que advém principalmente dos produtos químicos que consomem.

O que é ainda mais chocante é que a estatística revelou um aumento de quase dez por cento desde o início da década de 1990. Qual a razão de tal pico em pouco mais de duas décadas? Bem, foi quando os fármacos começaram a ser publicitados directamente ao consumidor através dos nossos aparelhos de televisão. Antes disso, era ilegal na América as empresas farmacêuticas publicitarem, nos canais de televisão, os seus venenos como se fazia com os alimentos.

Se é um daqueles que se deixou hipnotizar pela publicidade enganosa, devia “perguntar ao seu médico se…” – um produto químico inventado num laboratório com o propósito de encobrir os seus sintomas resultantes de um estilo de vida pouco saudável – “é bom para si”. Devia saber que não só os medicamentos químicos raramente vão curar os seus males, bem como a maioria deles piora a sua saúde instantaneamente.

A maioria das pessoas ignora de que os medicamentos prescritos são realmente maus para a sua saúde a curto e a longo prazo. As pessoas tendem a ignorar a lista de efeitos colaterais horríveis – mesmo que eles normalmente até estejam descritos na bula dos medicamentos e das vacinas, ou até mencionados nos próprios anúncios da televisão – porque eles estão mais interessados ​​no alívio imediato do que naquilo que lhes dá saúde.

Aqui estão seis dos medicamentos e procedimentos médicos mais populares e que realmente pioram tudo numa questão de dias, às vezes apenas numa questão de horas, após os tomar:

# 1. Vacina contra a gripe (vacina contra influenza)

A maioria das vacinas contra a gripe contêm quantidades chocantes de mercúrio (listado como timerosal), alumínio e formaldeído. O mercúrio, seja em que quantidade for, é altamente tóxico para os seres humanos. Injectar mercúrio no tecido muscular envia ondas de choque através do corpo e provoca uma resposta de híper-imunidade imediata e perigosa por parte do sistema nervoso central. Isso não é natural. A toxicidade do mercúrio pode causar problemas de saúde orais, desequilíbrios digestivos, problemas respiratórios, perda de memória, depressão, ADD e doenças cardiovasculares. Muitas vacinas contra a gripe causam pneumonias, infecções no ouvido e bronquiolites no espaço de poucos dias após a vacinação, pois a imunidade é diminuída por todos os carcinogéneos na injecção.

# 2. Anticoagulantes

Embora os anticoagulantes sejam frequentemente anunciados como “medicamentos que salvam vidas”, a nova geração de “anticoagulantes” também acrescenta a fatalidade aos efeitos colaterais, que não tem possibilidade de reversão. Qualquer corte simples, incluindo uma lesão interna menor, pode ser fatal porque será quase impossível parar o sangramento. Bateu apenas com a cabeça num armário ou ao entrar no carro? Pode morrer numa questão de poucas horas. Pisou um pedaço de vidro ou uma tampa de uma garrafa enquanto caminhava com os pés descalços? Perigo – pode sangrar até morrer. Para além disso, os anticoagulantes esgotam os nutrientes essenciais do corpo, diariamente. Os médicos não têm permissão para prescrever ou até mesmo para falar do resveratrol, que é um remédio natural para os coágulos sanguíneos. Pergunte ao seu médico naturopata sobre remédios naturais.

# 3. Quimioterapia

A quimioterapia deveria ser ilegal. A maioria não faz a menor ideia de que a quimioterapia apenas tem uma taxa de sucesso de 2,3 por cento e que, em média, não consegue vencer o cancro 97,7% das vezes. Para além disso, 75 por cento dos médicos e oncologistas nunca utilizariam a própria quimioterapia ou a recomendariam aos familiares com cancro. O que é que isso lhe diz? A quimioterapia imediatamente torna o sangue ácido, convidando à formação e multiplicação fora de controlo de mais células cancerígenas, mesmo que mate as existentes. A quimioterapia destrói as bactérias intestinais benéficas e degrada a imunidade humana, retirando a competência natural da pessoa de combater o cancro. A quimioterapia para o cancro é como despejar um balde cheio de pesticidas tóxicos numa piscina enquanto nada, apenas para matar alguns insetos que estão na água.

# 4. Vacina contra o rotavírus

Não há nenhuma forma de medicamento mais perigoso do que injetar combinações de vírus mortais conhecidos juntamente com bactérias geneticamente modificadas no tecido muscular humano. A vacina Rotateq, desenvolvida pelo insidioso Dr. Paul Off, contém duas cepas de um vírus mortal de porco chamado circovírus, e não há nenhuma explicação sobre o motivo pelo qual este vírus mortal, que mata milhares de porcos na China, é agora um ingrediente numa vacina para tratar a diarreia infantil. Se você não acredita que isso seja verdade, verifique o folheto informativo da vacina da Merk por si mesmo.

# 5. Benzodiazepínicos (medicamentos para a ansiedade)

Os “Benzos” são altamente perigosos e com efeitos imediatos, pois retardam o sistema nervoso central, dando-lhe a falsa impressão de que está relaxado tanto física quanto mentalmente. Isso promove directamente efeitos colaterais indesejados e, quanto maior a dose, mais intensos serão esses efeitos colaterais. Todos os benzodiazepínicos também são fisicamente viciantes. Os benzodiazepínicos mais populares incluem o Xanax, Klonopin, Valium e Ativan. Eles são a medicação mais amplamente prescrita para a ansiedade. Os efeitos colaterais imediatos incluem o aumento da ansiedade (a sério?), irritabilidade, agitação, agressão, raiva, mania, comportamento impulsivo, depressão agravada (de acordo com a FDA [Agência Reguladora dos Fármacos nos EUA]), alucinações e, claro, aumento dos pensamentos suicidas. Combinar benzo’s com antidepressivos ISRS (como o Prozac e o Zoloft) pode aumentar a toxicidade do benzo.

# 6. Medicamentos para as convulsões

Toda esta classe de fármacos para as convulsões pode causar danos no fígado muito rapidamente. Às vezes, os danos no fígado não aparecerão até semanas ou meses depois, mas isso não significa que os danos não tenham sido causados imediatamente. De que serve parar as convulsões se a medicação prejudica seu fígado? É possível viver sem o seu fígado? Não é compreensível! Pergunte a um médico naturopata sobre como o óleo de CBD [à base de cannabis] é conhecido por parar as convulsões epiléticas em cerca de 50% dos casos.

Referências:

BeWellBuzz.com

Rejuvination-Science.com

Scribd.com

RealFarmacy.com

CancerFightingStrategies.com

NaturalNewsReference.com

EDrugSearch.com

HelpGuide.org

NaturalNews.com

Books.Google.com

CDC.news

Fonte: http://www.naturalnews.com/2017-07-18-six-pharmaceutical-medicines-that-instantly-make-your-health-worse.html

Propaganda na Saúde: as 10 frases mais usadas

Propaganda na Saúde: as 10 frases mais usadas

A propaganda na saúde é persuasiva. Existem muitos equívocos, omissões, distorções e mentiras em torno das questões da saúde e da medicina.

Muitas são propagadas pelos proprietários das grandes farmacêuticas (ou sejam, os Rockefeller e afins) que fundaram a plataforma para a Alopatia ou Medicina Ocidental, para assumirem o monopólio e dominarem o ramo da saúde (ou mais precisamente a “gestão da saúde”) no início do século XX (Este artigo The Flexner Report: Como John D. Rockefeller usou a Associação de Médicos Americana para assumir o controlo da medicina ocidental revela como eles o fizeram).

Infelizmente, grande parte dessa desinformação é propagada involuntariamente por pais bem intencionados, que querem que os seus filhos sejam saudáveis, mas simplesmente não conseguem vislumbrar toda essa propaganda em torno da saúde.

O resultado é uma população que foi treinada para buscar externamente a cura, para depender do Governo e das grandes farmacêuticas para cuidar da sua saúde e para aceitar inquestionavelmente a opinião do seu médico (ocidental).

propaganda na saúde

Enquanto isso, epidemias de cancro, diabetes e doenças neurodegenerativas (Parkinson, Alzheimer e demência) propagam-se furiosamente pelos EUA, Austrália e muitas nações ocidentais.

Tendo isso em mente, aqui está uma compilação das 10 melhores peças da propaganda moderna na área da saúde, parte 2 de uma série (clique aqui para ler a 1.ª parte).

1. A sua saúde depende apenas do acaso e / ou da genética

Quantas pessoas caíram nesta?

Os temas banais por detrás dessas duas crenças são o fatalismo e o encontrar uma desculpa para não assumirem a responsabilidade.

Se está destinado a ficar doente, qual é o objectivo de tentar viver de forma saudável? Se sucumbe frequentemente à má sorte em termos de saúde, para quê tentar?

Está limitado por “genes de má qualidade”, tal e qual, sendo assim qual será então o objectivo?

É verdade que a genética indica as tendências e a propensão, mas essas tendências e a propensão ainda precisam de ser activadas.

Considere o trabalho pioneiro do Dr. Bruce Lipton sobre a epigenética, a forma como os genes são lidos pelas células e subsequentemente produzem as proteínas.

Este site oferece uma boa introdução ao tema da epigenética:

  • “A epigenética controla os genes. Certas circunstâncias da vida podem fazer com que os genes sejam silenciados ou expressados ao longo do tempo. Por outras palavras, eles podem ser desligados (ficarem adormecidos) ou ligados (tornarem-se ativos).
  • A epigenética está por todo o lado. No que come, onde mora, com quem interage, quando dorme, como se exercita, e até no envelhecimento – tudo isso pode eventualmente causar modificações químicas em redor dos genes, o que activará esses genes ao longo do tempo. Para além disso, em certas doenças, como o cancro ou no Alzheimer, vários genes sofrem alterações para o estado oposto, longe do estado normal / saudável.
  • A epigenética torna-nos únicos. Mesmo sendo todos humanos, porque é que alguns de nós têm o cabelo loiro ou a pele mais escura? Porque é que alguns de nós odeiam o sabor de cogumelos ou de beringelas? Porque é que alguns de nós são mais sociáveis do que outros? As diferentes combinações de genes que estão activados ou desativados é o que torna cada um de nós único. Para além disso, existem indícios de que algumas mudanças epigenéticas podem ser herdadas”.

O ponto a reter aqui é este: você é que controla quais os genes que se vão expressar (activar-se) ou ser suprimidos (ficarem adormecidos). De uma certa forma, a vida é frágil.

Ao mesmo tempo, nós não somos apenas uma pequena mancha de poeira impotente e que não tem uma palavra a dizer nem controlo sobre o que acontece – embora certamente seja conveniente, para aqueles que ocupam posições de poder, que você acredite que é.

propaganda na saúde
“O… paciente deverá entender que ele ou ela tem que assumir a responsabilidade pela sua vida. Não leve o seu corpo ao médico como se fosse à oficina.”

2. Podemos sempre ficar curados graças a um comprimido mágico providenciado pelas Grandes Farmacêuticas

Falso. Este é um corolário do primeiro ponto acima mencionado. Se cair na armadilha de não assumir a responsabilidade pela sua saúde – e quando digo isto refiro-me a todos os aspectos (físicos, mentais, emocionais e espirituais) – então tenderá a ver o corpo como uma máquina ou um veículo que precisa de ser reparado por um “médico-mecânico”.

Também poderá ter tendência a acreditar na mentira de que as Grandes Farmacêuticas têm um comprimido mágico para tudo, e que esse comprimido mágico pode resolver todos os seus problemas (sem quaisquer efeitos colaterais) e que, mesmo que as Grandes Farmacêuticas não tenham um comprimido mágico agora, futuramente irão ter.

No entanto, basta apenas olhar para a contagem chocante de mortes iatrogénicas (óbitos causados por médicos no Ocidente e pelos métodos da medicina ocidental – cerca de 225.000 por ano, de acordo com o Dr. Starfield no seu estudo de 2000, o que a torna no 3.º maior assassino de americanos) para perceber que a medicina ocidental está a causar muitos danos graves, ao mesmo tempo que trata as pessoas.

Como é que as Grandes Farmacêuticas e a Medicina Ocidental poderiam eventualmente criar a “cura perfeita” ou a “cura para tudo”, alicerçados em modelos científicos limitados e materialistas, que não conseguem entender a natureza holográfica e energética da realidade?

Para além disso, ao comprarem e suprimirem as curas genuínas, as Grandes Farmacêuticas mostraram que se preocupam mais com o “tratar” e “gerir” as doenças (que é mais lucrativo) do que em curá-las (ou dar saúde, o que seria um outro nível acima).

3. O cancro é uma doença terminal e não é curável

Falso! Quantos sobreviventes de cancro por aí andam e contradizem este slogan de propaganda de saúde moderna?

O número de remédios, curas e protocolos naturais eficazes e bem-sucedidos contra o cancro acumula-se a cada dia que passa.

Existem agora tantos agora: laetrilo / amigdalina / vitamina B17 (geralmente de amêndoas de damasco), DCA, óleo de cannabis, salvestrol, graviola / gravioleira, o tratamento com bicarbonato de acér, injeções intravenosas de bicarbonato de sódio, como revelado pelo italiano Dr. Simoncini, a dieta Budwig, cloreto de césio, a Terapia de Gerson, a cura de Hoxsey, Chá de Essiac, o tratamento anti-neoplástico do Dr. Stanislaw Burzynski, entre outros.

O CancerTutor.com é um óptimo recurso para aqueles que o investigam.

E sim, o cancro pode ser assustador, mas é importante saber que existem opções naturais par além da quimioterapia e da radiação tóxica, cujas curas são mais mortais do que as próprias doenças.

4. As “Comidas Boas para o Coração” [Heart-Healthy Foods™] são boas para o seu coração e para a sua saúde

Nem sempre – e às vezes são atrozes para o seu coração! Este tipo de propaganda tóxica de saúde é particularmente insidiosa, uma vez que engana as pessoas a pensarem que estão a fazer algo de bom para elas mesmas quando compram pacotes com esse ou outros símbolos.

A Heart-Healthy Food é uma criação da AHA (American Heart Association) que utilizou a pesquisa falaciosa do Dr. Ancel Keys, um indivíduo que se tornou proeminente na década 50 (e foi capa da revista Time) para promover a falsa ideia de que as gorduras saturadas causavam doenças cardíacas.

Sobre o contexto desta propaganda de saúde, leia o artigo óleos de plásticos vs. gorduras saturadas: desmistificando a propaganda.

A AHA tem promovido a mesma linha de desinformação desde então alegando que, por todas as gorduras saturadas serem “más”, é melhor comer margarina em vez de manteiga.

Isso equivale a dizer que as gorduras hidrogenadas e trans são mais saudáveis do que as gorduras naturais de fontes animais (como por exemplo, as de produtos lácteos) e plantas (coco).

E sim, a AHA também defende uma variedade de frutas e vegetais, grãos integrais, nozes e leguminosas, mas a sua informação foi distorcida pelas corporações que a financiam, e que promoveram os óleos “vegetais” (um nome deliberadamente incorreto e que realmente significa óleos de sementes industriais).

5. Comer comida crua é mau, insalubre e perigoso

Não é verdade. A demonização da comida crua faz sentido quando se tem em conta que as forças que movem o mundo o querem dissuadir de optar por formas naturais, suculentas e vibrantes de comer e viver em prol das sintéticas, secas e mortas.

Quando o medo de um patogeno fica fora do controlo, as autoridades governamentais muitas vezes respondem com um martelo quando, na realidade, o que era necessário era um pente fino. Veja como a Califórnia agora é obrigada a pasteurizar todas as amêndoas, por lei!

E sim, comer comida crua aumenta a probabilidade (embora ainda pequena) de contrair algumas bactérias nocivas, mas também aumenta a probabilidade (para um certo nível) de obter mais nutrição e vitalidade da sua comida!

A dieta crua não é para todos, no entanto, existem poucas dúvidas de que a introdução de mais alimentos crus resultará na melhoria da sua saúde.

6. O jejum é perigoso

Falso. Existem muitas formas de jejuar, de fazer jejum intermitente (um padrão de alimentação com ciclos entre os períodos de jejum e em que pode comer ao longo do dia) ou com intervalos de 3 dias, 7 dias, 10 dias ou até mesmo mais.

Algumas pessoas fazem uma grande desintoxicação (consumindo apenas sumo de limão, xarope de ácer e bebida de pimenta caiena), enquanto outras fazem jejuns com sumos de vegetais, e outras ainda fazem jejum com água apenas.

O jejum não é para todos, em particular para crianças ou mulheres grávidas.

É melhor procurar a orientação de outros que o fizeram e começar devagar, mas as evidências mostram que, ao dar ao seu corpo um pausa na digestão, poderá conseguir muitos benefícios para a sua saúde.

Você permite que o seu corpo se repare e regenere de uma forma que não pode fazer se estiver sempre a digerir comida.

Mais propaganda de saúde: a maioria dos suplementos são inúteis e, na realidade, são prejudiciais para si.

7. A maioria dos suplementos são excelentes para sua saúde

Falso. Muitos deles são feitos de vitaminas sintéticas, recheadas com aditivos e até mesmo contêm ingredientes de OGM.

É preferível satisfazer todas as suas necessidades nutricionais directamente a partir dos alimentos mas, no entanto, se tomar suplementos, use aqueles que são derivados de ervas, plantas e outras fontes orgânicas ou colhidas no seu estado selvagem.

Os suplementos de cálcio são particularmente perigosos, uma vez que são compostos por fósseis moídos e podem levar à calcificação.

Muitas pessoas sofrem de calcificação em muitas áreas do corpo como por exemplo nos olhos (cataratas), na boca (placa), nos ossos (artrite), no coração (ataque cardíaco) ou no cérebro (acidente vascular cerebral).

Os depósitos de cálcio obstruem o fluxo interno de energia, causam inflamação, inibem a glândula pineal e podem levar ao cancro.

Para mais informações sobre as diferenças entre as vitaminas sintéticas e naturais, veja a pesquisa de pessoas como Dr. Theil.

8. A homeopatia é charlatanismo e não funciona

Falso. Mais arrogância proveniente da ignorância. A homeopatia baseia-se numa compreensão completamente diferente (e mais profunda) da realidade do que aquela da medicina ocidental, puramente racionalista e materialista, e que não pode aceitar que vivamos num mundo holográfico, onde as formas de pensamento e a energia são forças poderosas que moldam a nossa realidade física mais perceptível.

Perceba como funciona a homeopatia em poucas palavras. Existem duas abordagens fundamentais para o tratamento de doenças.

Pode seguir a Lei dos Contrários onde, se alguém tiver dor, é-lhe dada uma substância que neutraliza (age de forma oposta) essa dor.

Alternativamente, você pode seguir a Lei dos Similares, onde se usa uma substância que produziria sintomas numa pessoa saudável, mas na realidade cura esses mesmos sintomas numa pessoa doente.

A homeopatia funciona pelo princípio descrito nesta última lei.

São precisas substâncias que sejam venenos, que depois se agitam e diluem sucessivamente, até que a água restante ou sedimento contenha apenas uma fração ou impressão do veneno – a suficiente para, quando ingerida, estimular o corpo a corrigir o desequilíbrio.

Também utiliza substâncias saudáveis e não tóxicas e dilui-as da mesma forma.

A homeopatia reconhece que o corpo é o melhor curador. Ela é projectada para estimular os mecanismos de cura do corpo, em vez de suprimir os sintomas ou proporcionar um alívio temporário da dor, como na Alopatia.

Em 1890, nos EUA (antes do Relatório Flexner), cerca de 25% dos médicos eram homeopáticos, incluindo o médico pessoal de John D. Rockefeller e os médicos da Família Real Britânica.

Como David Icke escreve no livro Phantom Self (leia a minha revisão do livro aqui):

“A homeopatia é uma técnica de cura, ridicularizada pelas doutrinas convencionais pelo mesmo motivo – pela ignorância… A homeopatia é fundamentada no facto de que tudo é informação, independentemente de estarmos a falar de uma planta ou de uma gota de água…

“O Instituto Aeroespacial de Estugarda, na Alemanha, é [um] centro de informação na investigação da água… eles colocaram uma flor num tanque de água numa experiência e, quando foi removida, fotografaram as gotículas”.

“O que descobriram confirmou duas verdades principais sobre a nossa realidade. Uma deles foi que, mais uma vez, o princípio holográfico em que as informações de toda a flor podiam ser encontradas em cada gotícula “.

“A segunda foi que, mesmo quando a flor “física” era removida, a informação da flor era mantida na água. Só tenho uma coisa a dizer… homeopatia”.

A propaganda moderna de saúde, nos dias que correm, insiste que a homeopatia é charlatanismo – no entanto, só descarta a homeopatia devido à pura ignorância.

9. Os medicamentos aprovados pelas agências reguladoras são seguros

Nem sequer está perto da verdade. As agências reguladoras trabalham a soldo das grandes farmacêuticas e funcionam como o seu animal domesticado e não como o nosso cão de guarda.

Você sabia que, de acordo com este recente artigo da Natural News, uns impressionantes 33%, ou um terço dos medicamentos aprovados pela FDA [Agência Reguladora de Fármacos Norte-americana] acabam por causar sérios efeitos colaterais e problemas de saúde – tão sérios que são retirados do mercado?

Como pode alguém confiar no processo de aprovação da FDA com taxas de insucesso deste género?

10. As vacinas são seguras

De forma alguma! As vacinas estão entre as principais armas da propaganda moderna em termos de saúde nos dias que correm, e existem movimentos em curso por todo o mundo para as tornar obrigatórias o que é, nada mais nada menos, do que tirania médica ou fascismo médico.

Ano após ano, as vítimas de danos causados por vacinas amontoam-se, sejam pessoas que tiveram sintomas de febre, problemas de infertilidade, paralisia, danos cerebrais ou morte.

Nos EUA, as grandes farmacêuticas conseguiram a proficiência legal e política de fazerem com que uma lei fosse aprovada e que as isenta de serem processadas por danos causados por vacinas, nos tribunais normais.

Enquanto isso, o sistema que foi configurado (Vaccine Injury Compensation Program [VICP]) é um quase-tribunal que favorece os fabricantes de vacinas. Para citar um outro artigo da Natural News,

“… O governo pagou mais de 3 biliões de dólares em compensações e custos legais às famílias de pessoas que foram afetadas por danos causados por vacinas, entre os anos de 1989 e 2015.”

“No total, 3.937 casos resultaram na concessão de compensação financeira através do Programa de Compensação de Acidentes com Vacinas (VICP). E esses são apenas aqueles que conseguiram convencer o tribunal de que uma vacina causou danos ao seu filho ou a eles mesmos. Cerca de 10.000 pessoas tiveram os seus casos rejeitados pelo tribunal…”

Robert Moxley, um ex-advogado de vacinas, escreve:

“Desde a aprovação da legislação em 1986, o processo foi manipulado, um passo principal de cada vez, a favor do complexo vacinal industrial”.

O VICP protege a indústria das vacinas, em vez dos humanos prejudicados pelas inoculações…

“As lesões continuam, e as compensações continuam a ser dadas, de forma praticamente secreta”, e ele afirma… “os casos de lesões por vacinas continuaram acumular-se e, o governo, ao invés de responsabilizar os fabricantes, escolheu rever os seus padrões para as reivindicações sobre lesões causadas por vacinas – tornando ainda mais difícil dar provimento às reivindicações”.

Conclusão: Propaganda na Saúde

Tal como acontece com a geopolítica (na 1.ª parte desta série de artigos), existe uma grande e difundida propaganda na saúde moderna. Neste caso, o que você não sabe pode, de facto, matá-lo.

É de vital importância educar-se sobre saúde, nutrição, curas naturais, remédios, medicamentos e protocolos, os pontos fortes e fracos dos diferentes sistemas médicos e a natureza das Grandes Farmacêuticas.

Ainda mais importante é a sua mentalidade. Sim, é óptimo conseguir reconhecer a propaganda na saúde, mas muito melhor é assumir a total responsabilidade pelo seu estado de saúde.

Por Makia Freeman, autora convidada do HumansAreFree.com

Referências:

*http://freedom-articles.toolsforfreedom.com/western-medicine-rockefeller-medicine/

*http://freedom-articles.toolsforfreedom.com/flexner-report-rockefeller-ama-takeover/

*https://www.whatisepigenetics.com/what-is-epigenetics/

*https://www.jhsph.edu/research/centers-and-institutes/johns-hopkins-primary-care-policy-center/Publications_PDFs/A154.pdf

*http://freedom-articles.toolsforfreedom.com/natural-cancer-cure-laetrile/

*http://www.toolsforfreedom.com/category-s/153.htm

*http://freedom-articles.toolsforfreedom.com/natural-cancer-cure-laetrile/

*http://freedom-articles.toolsforfreedom.com/salvestrols-organic-fruit-veg-cancer/

*http://www.burzynskiclinic.com

*https://www.cancertutor.com

*http://freedom-articles.toolsforfreedom.com/true-healing-beyond-managing-curing/

*http://freedom-articles.toolsforfreedom.com/plastic-oils-vs-saturated-fats/

*https://www.youtube.com/watch?v=H8hTFdSJOUM

*http://freedom-articles.toolsforfreedom.com/david-ickes-phantom-self-book-review/

*http://www.naturalnews.com/2017-05-17-fake-science-an-astonishing-one-third-of-all-fda-approved-drugs-turn-out-to-have-serious-safety-problems.html

*http://freedom-articles.toolsforfreedom.com/australian-mandatory-vaccines-no-jab-no-pay/

*http://www.naturalnews.com/2017-05-17-if-vaccines-are-100-safe-and-have-harmed-no-one-then-why-did-the-u-s-government-pay-out-over-3-billion-in-awards-to-thousands-of-families-damaged-by-vaccines.html

*http://www.encognitive.com/files/vaccination-lawsuit-compensation-report.pdf

Fonte: http://humansarefree.com/2017/06/exposing-top-10-health-propaganda.html

Pensamento Holístico Vs Compartimentalizado

Pensamento Holístico Vs Compartimentalizado

pensamento holístico

Pensamento Holístico. O conceito de yin e yang, ou o “Princípio da Polaridade”, é uma lei natural, fundamental para a nossa vida aqui. Irá encontrar uma dualidade em quase tudo. Esquerda / direita. Preto / branco. Quente / frio. Este princípio tem muitas manifestações no nosso corpo também. É um conceito crucial para quem quiser aprimorar a sua saúde.

Quando se trata de saúde mental, neste caso processamento de informações, essa polaridade mostra as suas duas caras novamente. Numa extremidade temos o pensamento compartimentalizado, e noutro temos o que é conhecido como pensamento “holístico”.

O pensamento compartimentalizado é o pensamento do “cérebro esquerdo”. Calculista. Programado. Mente científica. É aí que se concentra em tópicos específicos, reunindo o máximo de dados possível para formular as suas teorias.

É assim que o nosso sistema de educação nos ensina. Química. Biologia. Física. Tudo está separado. O nosso sistema médico é compartimentalizado também. “Neurologistas”, “imunologistas”, “oncologistas”. Ensinar desta forma traz problemas, e não é por acidente. É fácil enganar as pessoas quando você as leva pelo mesmo caminho durante toda a sua vida. Eles podem pensar que são “lógicos”, mas estão a ser tudo menos isso.

O pensamento holístico é o que está no outro extremo do espectro, o processamento do cérebro direito. O pensamento intuitivo. É ser capaz de sentir como os pontos de informação se ligam, agregando-os para resolver problemas. Os trabalhadores da “saúde holística” associam as imagens de tudo o que pode tornar alguém “saudável” para encontrarem o melhor caminho. A sua popularidade está em alta e a resolver muitas questões que outros não conseguem por uma razão. A lógica precisa da intuição para a equilibrar, para se certificar de que você não está a ser aldrabado. A sua mais profunda sensação está geralmente correcta, certo?

Temos problemas sempre que a dualidade Yin / Yang está em desequilíbrio. O problema na nossa sociedade de agora é que estamos muito compartimentalizados, e essa responsabilidade recai sobretudo sobre o meio académico, mas também é reforçada por hábitos culturais.

Os médicos geralmente não sabem nada sobre nutrição e é por isso que eles estão a ter muitas dificuldades em pôr um fim às epidemias de saúde. Têm uma visão demasiado compartimentalizada. As pessoas têm perspectivas distorcidas sobre o que está a acontecer no mundo porque eles não vêem como certas coisas se associam, e é por isso que estão híper-focadas numa questão e não conseguem ver o quadro geral. Estes são apenas alguns exemplos deste desequilíbrio.

Se treinar para ser não apenas um esquerdino cerebral da linha dura, um “gravador e regurgitador” de conhecimento, mas também um destro cerebral que interliga pontos, então não terá nenhum problema em navegar neste mundo e em entendê-lo.

99 problemas para uma mente afinada para resolver.

Fontes: http://higherdiscernment.blogspot.pt/2017/04/compartmentalized-vs-holistic-thinking.html