Categoria: Doenças e Prevenção

Vírus do sarampo extingue tumor cancerígeno do tamanho duma bola de golfe em 36 horas

Vírus do sarampo extingue tumor cancerígeno do tamanho duma bola de golfe em 36 horas

O sarampo pode ser uma “cura única para o cancro”, afirma um médico da Clínica Mayo

Os ensaios clínicos em andamento na Clínica Mayo estão a revelar um improvável aliado na luta contra o cancro… o vírus do sarampo.

Os cientistas há muito que sabem que ficar doente com o sarampo às vezes pode provocar uma redução espontânea no tamanho dos tumores, mas os recentes testes clínicos na Clínica Mayo demonstraram o potencial que o vírus tem para ser uma arma poderosa.

Num estudo de 2014, uma dose concentrada de sarampo colocou um paciente com cancro, em estágio avançado, em remissão a longo prazo.

A mulher em estado terminal havia sido tratada com todo o tipo de quimioterapias disponíveis e dois transplantes de células-tronco, apenas para reincidir sucessivamente.

Ela tinha um caso avançado de mieloma múltiplo, um cancro mortal do sangue difundido por todo o seu corpo e medula óssea, quando os investigadores propuseram-lhe um último recurso – uma dose enorme do sarampo.

Em cinco minutos, ela teve uma dor de cabeça e febre de 40.5º, seguida por vómitos e tremores.

No espaço de 36 horas, um tumor do tamanho de uma bola de golfe na sua testa tinha desaparecido, e duas semanas depois não havia nenhum cancro detectável no seu corpo.

“Foi o tratamento mais fácil que eu já fiz até agora”, afirmou à CNN.

A cepa do vírus foi projetacda e enfraquecida em laboratório, e depois de administrada numa dose forte o suficiente para vacinar 10 milhões de pessoas.

Tratar cancros com vírus não é novidade. Os cientistas da Clínica Mayo afirmam que a “viroterapia” tem sido usada com sucesso em milhares de pacientes com cancros, mas este é o primeiro caso de um paciente com cancro propagado por todo o corpo e entrar em remissão.

“Acho que tivemos sucesso porque aumentamos a dose mais do que nos outros”, afirmou o principal autor do estudo, o Dr. Stephen Russell.

“E eu acho que isso é crítico. A quantidade de vírus que está na corrente sanguínea é realmente o factor que determina o quanto penetra nos tumores.”

O vírus do sarampo faz as células cancerígenas unirem-se e explodirem, explica a pesquisadora da Clínica Mayo, a Dra. Angela Dispenzieri. Existem também evidências de que o vírus estimula o sistema imunológico, ajudando-o a reconhecer quaisquer células cancerígenas recorrentes e a “limpá-las”.

Ensaios clínicos subsequentes mostraram resultados similares com cancro do ovário, da mama e linfoma não-Hodgkin, de acordo com um estudo de 2016 intitulado “salvo pelo sarampo”. Os testes, actualmente, estão a avaliar o efeito do sarampo no glioblastoma multiforme, mesotelioma e carcinoma de células escamosas.

“Recentemente, começamos a pensar sobre a ideia de uma cura única para o cancro – e esse é o nosso objectivo com esta terapia”, afirmou Russell.

Comentário do autor: Fascinante. Na entrevista com a Dra. Stephanie Seneff, discutiu-se a ideia de que aquilo que pensamos serem bactérias e vírus patogénicos pode realmente servir como uma função útil para o organismo. Nós claramente temos uma compreensão bastante simplista de qual o efeito que os vírus e bactérias realmente têm sobre o organismo, tanto que, uma descoberta como esta, parece completamente desconcertante.

Fonte:https://www.sott.net/article/406958-Measles-virus-wipes-out-golf-ball-sized-cancer-tumor-in-36-hours

Infanrix Hexa: 65 toxinas encontradas, somente riscos e nenhum benefício

Infanrix Hexa: 65 toxinas encontradas, somente riscos e nenhum benefício

Já desde há vários ANOS que afirmo que temos de angariar 50 mil dólares para testarmos todas as vacinas para sabermos o que realmente é injectado por essas agulhas. Isso ficou claro para mim em 2009 com o fiasco da “gripe suína” do H1N1. Tantas pessoas ficaram com danos causados por ela e um grande aumento nos abortos e nados-mortos ocorreu. Comecei-me a perguntar em voz alta: “O que é que há nessas coisas? Devíamos testar esses frascos”.

Bem, finalmente está a acontecer.

Com a implementação das vacinas obrigatórias pelo governo, que de repente exigiram que as crianças italianas recebessem 11 vacinas para frequentarem a escola, os italianos estão a reagir.

Primeiro, eles substituíram o governo que pressionou pela obrigatoriedade das vacinas. Apelidando o seu movimento de #GovenmentofChange [#GovernodaMudança]. E, a 4 de Dezembro, o novo ministro da saúde italiano expulsou todos os 30 membros do conselho consultivo para a política de saúde.

A 13 de Dezembro, o Corvelva, um grupo de pesquisa científica, anunciou que havia recebido 10.000€ da Ordem Nacional de Biólogos da Itália para o projecto de usar o dinheiro para testarem o conteúdo de cada vacina actualmente disponível no mercado. O resultado do primeiro teste foi lançado em 16 de Dezembro, e o relatório deixa qualquer um boquiaberto.

Certamente não vai ouvir isto vindo dos meios de comunicação social convencionais.

A primeira vacina que testaram completamente foi a Infanrix Hexa – uma vacina seis-em-um fabricada pela GlaxoSmithKline (GSK) que deveria conter os seguintes antígenos: toxóides do tétano, da difteria e da tosse convulsa, estirpes virais de poliomielite inactivadas 1-2-3, antígeno de superfície da hepatite B. De forma chocante, o Corvelva não encontrou NENHUM desses antígenos na vacina, o que significa que nenhum anticorpo para os antígenos pretendidos será criado.

E, pior ainda, para além de nenhum antígeno de vacina, eles descobriram o seguinte:

  • vestígios de 65 contaminantes cruzados químicos de outras linhas de fabricação;
  • toxinas químicas;
  • macromoléculas irreconhecíveis;
  • vários peptídeos bacterianos livres que são potenciais alergénos e são capazes de induzir reacções auto-imunes;

Estas descobertas podem trazer justiça aos pais que perderam os seus filhos em 2009, quando 36 crianças morreram e mais de 1.700 ficaram com danos resultantes de um “ensaio clínico” – um bom nome para a experimentação em seres humanos.

Eu suspeito que, à medida que continuarem a testar cada uma das vacinas do calendário infantil. eles encontrarão compostos metálicos, nanotecnologia e uma longa lista de contaminantes químicos. Nalgum momento o trabalho publicado anteriormente por Gattis será vingado. Eu escrevi sobre as suas descobertas chocantes em um artigo anterior que poderá encontrar aqui.

O Infanrix Hexa é amplamente utilizado no mercado internacional. A vacina comporta todos os riscos e, literalmente, nenhum benefício. A sua utilização deve ser suspensa imediatamente, aguardando uma futura investigação. Se os testes continuarem a revelar cada vez mais inconsistências, a GSK poderá ficar em sérios apuros legais por rotulagem inadequada, processos de fabricação deficientes e talvez até serem acusados de homicídio.

Fonte:  https://vaxxter.com/infanrix-hexa-65-toxins-found-all-risk-no-benefit/?fbclid=IwAR2EZohKxrLFe1eNM4RyO7r3lgWbvpM1K3BubgxeEchZOwBRXsCsPxaiHWk

Compromisso entre a vacina e a doença enganando o sistema imunitário da criança

Compromisso entre a vacina e a doença enganando o sistema imunitário da criança

Compromisso entre a vacina e a doença enganando o sistema imunitário

Hoje em dia os formuladores de políticas, um após outro, parecem estar a promover políticas de vacinação sem isenções – apresentando um incessante e crescente volume de vacinas infantis que começa no período pré-natal e continua ao longo de toda a infância. Apesar desses esforços, a narrativa de que as vacinas mantêm as crianças saudáveis está rapidamente a desmoronar-se. As taxas de doenças crónicas e auto-imunes em crianças americanas subiram a níveis obscenos (54% na última contagem), concomitantemente com o aumento das taxas de vacinação – enquanto a expectativa de vida dos EUA está a diminuir.

Nenhum dos indivíduos que apresentam a vacinação como um bem inquestionável discute os compromissos envolvidos na adulteração do sistema imunológico humano primorosamente sofisticado, em particular durante os primeiros estágios de desenvolvimento da criança, nem reconhecem que as duas das premissas básicas da vacinação são inerentemente falsas:

  1. Tornou-se claro que a produção de anticorpos de curta duração que as vacinas buscam induzir não se compara à imunidade abrangente ao longo da vida que resulta da infecção natural.
  2. Uma análise honesta das estatísticas de saúde mostra que as vacinas exigem um alto custo quando redesenham o sistema imunológico das crianças e, ao invés de entrarem na vida adulta com saúde uma robusta, muitas crianças estão a pagar o preço através de alguma forma de disfunção imunológica nalgum momento da sua vida.

Criando um sistema imunitário desequilibrado

Os cientistas admiram o sistema imunitário como “o sistema mais complexo que o corpo humano possui”. É também um “modelo de versatilidade”, realizando uma impressionante variedade de funções essenciais. Estes incluem a diferenciação entre “eu inofensivo” e os invasores prejudiciais (por exemplo, bactérias, vírus, fungos ou toxinas), amplificação da resposta imune, excreção de detritos celulares (através de mecanismos como a febre, sudorese, erupção cutânea e expectoração) envolvimento na reparação de tecidos, interacção com o microbioma intestinal e muito mais.

Este sistema “incrivelmente preciso” tem dois braços coordenados. O sistema imunológico celular é caracterizado pela actividade dos glóbulos brancos que viajam para a(s) área(s) da infecção com o objectivo de eliminar as células infectadas. O sistema imunológico humoral estimula a formação de anticorpos que atacam as proteínas específicas do invasor (antígenos) para a sua destruição.

“Interferir com uma resposta imunológica tão precisa (o resultado de milhões de anos de afinação evolucionária) acarreta um risco massivo de consequências indesejadas – e essas consequências estão agora a manifestar-se sob a forma duma crise de auto-imunidade.”

A marca registada da vacinação é o ignorar da resposta mediada pelas células a favor de uma “infecção simulada”, enquanto incentiva uma resposta humoral desproporcional. De acordo com um novo e elegante livro do Dr. Thomas Cowan (Vacinas, Autoimunidade e Mudança da Natureza da Doença na Infância), essa supressão “imprudente” da resposta mediada por células é uma ideia muito má: “Interferir com uma resposta imune tão precisa (o resultado de “milhões de anos de aperfeiçoamento evolucionário”) acarreta um enorme risco de consequências não intencionais”- e essas consequências estão agora a manifestar-se sob a forma de uma crise de auto-imunidade.”

Cowan afirma:

“A provocação deliberada de anticorpos sem actividade mediada por células produz um desequilíbrio no nosso sistema imunológico e um estado de produção excessiva de anticorpos. Essa produção excessiva de anticorpos realmente define a doença autoimune. (…) Com milhões de pessoas que sofrem de doenças autoimunes, em número inédito antes da introdução dos programas de vacinação em massa, como é que essa associação pode ser considerada controversa?” [Ênfase no original]

Perdendo a protecção

A desregulação imunológica – incluindo a disfunção do tipo que é causada pela vacinação – está associada não apenas à autoimunidade mas também ao cancro, e os cancros infantis estão a subir em flecha.

Em contraste, muitas das doenças da infância outrora universais eram, de facto, protectoras contra vários tipos de cancro. Dito de outra forma, as infecções agudas, e em particular aquelas que causavam febre, eram historicamente “antagónicas ao cancro”. Por exemplo:

  • A papeira [caxumba] adquirida naturalmente gera imunidade contra o cancro do ovário através dos anticorpos contra um antigeno associado ao cancro.
  • Os indivíduos que tiveram doenças infecciosas indutoras da febre na infância (como a rubéola e a varicela) tinham um risco menor de cancros não relacionados com a mama, incluindo o melanoma e cancro do ovário.
  • As infecções agudas da infância protegem contra o linfoma de Hodgkin e o sarampo, em particular, protege contra o linfoma não-Hodgkin.

“As crianças que passam com sucesso pelo sarampo têm menos doenças cardíacas, artrite, alergias, doenças auto-imunes e, em geral, melhor saúde do que aquelas que nunca contraem sarampo.”

Apesar das histórias frenéticas dos meios de comunicação sobre os “surtos de sarampo”, existem várias razões para considerar a infecção natural pelo sarampo na infância, benéfica. Conforme resumido no livro de Cowan, “as crianças que passam com sucesso pelo sarampo têm menos doenças cardíacas, artrite, alergias, doenças auto-imunes e saúde em geral melhor do que aquelas que nunca contraem sarampo”.

A Children’s Health Defense evidenciou anteriormente como os benefícios do sarampo antigamente eram dados como garantidos até que, afirma Cowan, a vacina surgiu “e mudou a forma como pensamos sobre o sarampo”.

Ironicamente, o potencial dos vírus para servirem como “possíveis agentes de destruição de tumores” despertou o interesse há um século atrás, quando as experiências clínicas mostraram que, “dado o conjunto certo de condições, o cancro regrediria durante infecções virais naturalmente adquiridas“. Na era actual, o uso dos vírus como tratamento anti-cancro transformou-se no “campo respeitável” da viroterapia oncolítica, levando até mesmo a testes clínicos – e “o vírus do sarampo ainda representa um candidato altamente interessante para essa abordagem”.

As intervenções virais geneticamente modificadas também prometem lucros para a indústria farmacêutica, ao passo que o simples facto de permitir que as crianças contraiam o sarampo e adquiram sua protecção contra o cancro naturalmente, inviabiliza o lucro.

Infelizmente, o entusiasmo pelos vírus como “sérios concorrentes no tratamento do cancro” fortaleceu ainda mais a confiança dos cientistas nas cepas de vacinas contra o vírus do sarampo – que são, afinal, “passíveis de modificação genética em laboratório” – estimulando o zelo por uma “nova era” de engenharia da imunidade ”e mais fé deslocada para a “manipulação racional do sistema imunológico” que levou às vacinas em primeiro lugar (e se alguém está preocupado com o potencial desses vírus geneticamente modificados para provocarem mais consequências não intencionais, eles estão a guardar essas preocupações para si mesmos). As intervenções virais geneticamente modificadas também prometem lucros para a indústria farmacêutica, ao passo que o simples facto de permitir que as crianças contraiam o sarampo e adquiram sua protecção contra o cancro naturalmente, inviabiliza o lucro.

Apertando o cerco

Cada vez mais os arruaceiros das vacinas empregam estratégias que seriam impensáveis até há cinco anos atrás. Por exemplo, um hospital para crianças na Flórida, que está sob investigação por erros médicos e uma taxa inesperadamente alta de mortalidade em pacientes jovens de cirurgias cardíacas, anunciou recentemente que negará serviços a crianças não vacinadas ou parcialmente vacinadas e o hospital também está a “endurecer” relativamente às vacinas contra a gripe, exigindo não apenas aos funcionários, mas também aos “médicos não-funcionários, estudantes de medicina em formação, comerciais da indústria farmacêutica e de dispositivos médicos e voluntários”, que tomem a vacina ou, (no caso dos funcionários) correm o risco de serem despedidos. A razão citada para essas políticas não anunciadas é a da “segurança do paciente”.

As vacinas prejudicam a função normal do sistema imunológico e deixam as crianças e adultos vulneráveis a doenças crónicas muito mais graves.

À medida que essas tácticas de linha-dura se multiplicam, é vital tornar visível o fracasso do programa de vacinação dos EUA, aos olhos do público. O fenómeno, longe de ser invulgar, do fracasso da vacina em indivíduos vacinados, tornou bem claro que uma resposta de anticorpos induzida pela vacina – o típico indicador de “protecção” da vacina – é essencialmente inútil como garantia da imunidade real.

Pior ainda, as vacinas estão a prejudicar a função normal do sistema imunológico e a deixar as crianças e adultos vulneráveis às doenças crónicas muito mais graves. O status quo das vacinas pode não estar disposto a admitir que o paradigma da vacinação é fatalmente errado, mas é lamentavelmente aparente que, nas palavras do Dr. Cowan:

“As nossas comunidades, hospitais e escolas estão a transbordar com crianças doentes e com danos — padecendo com frequência de doenças que mal existiam há cem anos atrás”.

Fonte: https://childrenshealthdefense.org/news/vaccine-vs-disease-trade-offs-cheating-childrens-immune-systems/?utm_source=mailchimp

Consequências não intencionais: genes sujos nas vacinas

Consequências não intencionais: genes sujos nas vacinas

Consequências não intencionais genes sujos nas vacinas

O que acontece quando as nossas agências reguladoras governamentais, encarregues de proteger a saúde pública, não divulgam os riscos conhecidos pela indústria?

No caso dos vírus e ADN nas vacinas, a FDA [agência reguladora dos fármacos e alimentos nos EUA] observou, a nível interno, que:

“Pequenas quantidades de ADN de substrato celular residual inevitavelmente estão presentes em todas as vacinas virais, assim como em outros produtos biológicos produzidos que usam substratos celulares. Existem várias formas possíveis do ADN ser um factor de risco. O ADN pode ser oncogénico ou infeccioso. Para além disso pode causar a mutagénese por inserção através da integração no genoma do hospedeiro”.

Como todas as vacinas contêm ADN residual que tem potencial para ser oncogénico (causando cancro), mutagénico (alterando o seu código genético) e infeccioso, não é de grande preocupação que a secção 13 de cada folheto informativo da vacina afirme que o produto não foi avaliado para efeitos cancerígenos (causadores de cancro) ou mutagénicos?

A FDA continua, afirmando que:

“O uso de linhas celulares derivadas de tumores humanos apresenta preocupações de segurança adicionais em relação à potencial presença de vírus inesperados e desconhecidos. Estes incluem vírus que podem estar presentes na linhagem celular devido à sua existência no tecido do paciente, tais como vírus de ADN latentes oncogénicos (por exemplo adenovírus, hepadenovírus, herpesvírus, papilomavírus, poliomavírus) e retrovírus endógenos (ERVs), que existem normalmente num estado latente no ADN da célula hospedeira de todas as espécies…”

Isto sugere que estes vírus estão adormecidos e inativos e actualmente não se expressam e têm todo o potencial para causarem infecções se forem despertados. Esses vírus silenciosos e adormecidos só podem ser detectados nas células usadas para produzir vacinas se forem activados, expondo-se, pelo que a sua detecção é bastante problemática. Este é um problema de todas as cepas celulares usadas para produzir vacinas e não é exclusivo das células tumorigénicas humanas.

A engenheira genética Dr. Theresa Deisher, PhD em Fisiologia Molecular e Celular da Universidade de Stanford, com mais de 20 anos de experiência em biotecnologia, relata que:

“Células humanas, não as só danificadas, mas também as células humanas saudáveis, podem absorver ADN estranho espontaneamente. O ADN humano estranho captado pelas células humanas será transportado para os núcleos e integrado ao genoma do hospedeiro, o que causará mudança fenotípica”.

Então, aqui temos as provas de que o ADN humano nas vacinas seguintes tem o potencial de causar mudanças genéticas em todas as crianças que as recebem:

  1. Vacina contra o sarampo, papeira [caxumba], rubéola / MMR / tríplice viral
  2. Vacina contra a difteria, tétano, tosse convulsa [coqueluche] e poliomielite (DTaP / TdP)
  3. Vacina contra a varicela e zona
  4. Vacina contra a hepatite A
  5. Vacina antirábica
  6. Vacina contra a poliomielite
  7. Vacina contra a Haemophilus influenzae

De acordo com o Comité Consultivo de Práticas de Imunização [Advisory Committee on Immunization Practices ou ACIP] e dependendo dos produtos utilizados, uma criança tem o potencial de receber até seis injecções separadas que contêm ADN humano residual até aos dois anos de idade.
A FDA prossegue, discutindo o aspecto da segurança do ADN residual nas vacinas: o Dr. Peden, chefe do Laboratório de ADN de Vírus da FDA, afirma que:

“Depende do mecanismo de transformação. Por exemplo, mutações, rearranjos cromossómicos, translocações, retrotransposições, etc., envolvem ADN. Portanto, a redução do tamanho e da quantidade do ADN deverá mitigar esse risco” (ênfase a negrito adicionado).

A conclusão de que o tamanho do ADN reduzirá o risco de mutagénese e infecção é baseado em nada mais do que uma crença. Pesquisas mostram que em mamíferos, tal como nos humanos, o código genético é altamente repetitivo, o que significa que é homólogo (similar em estrutura).

Pequenos fragmentos de ADN são usados para obter modificações genéticas de forma terapêutica. Não é muito difícil imaginar que essa mesma observação também ocorra de forma não terapêutica:

“A substituição homóloga é usada para modificar sequências genéticas específicas do ADN cromossómico num processo denominado “substituição homóloga de fragmento pequeno”, onde fragmentos de DNA substituem o alvo genómico, resultando em mudanças específicas na sequência.”

Estudos mostram que é a genética do indivíduo que aumenta o risco e a susceptibilidade à natureza infecciosa do ADN e mutagénese de inserção:

“O ADN residual (rADN) é composto por fragmentos de ácido desoxirribonucleico (ADN) e moléculas de maior comprimento originadas do organismo hospedeiro que podem estar presentes em amostras de processos biológicos recombinantes. Embora similar em unidades básicas básicas de pares de bases, o rADN pode existir em diferentes tamanhos e formas físicas. O interesse em medir o rDNA em produtos recombinantes é baseado principalmente na demonstração de purificação efetiva durante a fabricação, mas também em algumas preocupações hipotéticas de que, em casos raros, dependendo do sistema de expressão do hospedeiro, algumas sequências de ADN podem ser potencialmente infecciosas ou oncogénicas (por exemplo, vírus HIV e o oncogene Ras, respectivamente)”.

O Dr. Peden prossegue afirmando que “nas células primárias e diplóides não há limites para a quantidade de ADN nas vacinas”. Isso significa que essas medidas de segurança para limitar a quantidade de ADN residual não se aplicam às vacinas de vírus vivos cultivadas em células diplóides humanas, como a MMR (tríplice viral) e varicela.

Além da abominação de modificar geneticamente os nossos filhos através da mutagénese de inserção de ADN de linhagem diplóide humana macho e fêmea sem um consentimento informado, há outro elefante na sala: a presença de retrovírus endógeno humano K (HERV-K) que foi encontrado na MMRII e VARIVAX. É importante notar que foram as cepas de células WI-38 e MRC-5 que contêm esse contaminante que foram usadas e, como tal, todo e qualquer produto usado com essas linhas de células irá conter HERV-K.

Consequências não intencionais genes sujos nas vacinas
Veja Victoria et al., (2010)

O retrovírus endógeno humano (HERV) está associado a uma miríade de estados de doenças crónicas:

“Vários mecanismos pelos quais os HERVs poderiam produzir efeitos patológicos foram propostos, incluindo a criação de novas variantes de HERVs, mutagénese de inserção e toxicidade proteica. A este respeito, a activação do HERV parece influenciar a agressividade de diferentes cancros, incluindo o seminoma, melanoma, leucemia, carcinoma hepatocelular, sarcoma, próstata, mama e cancro do cólon. Da mesma forma, o processo patológico de doenças reumáticas, lúpus eritematoso sistémico, esclerose múltipla, transtornos do espectro do autismo, esquizofrenia, transtorno bipolar, psoríase, diabetes tipo I e esclerose sistémica mostra uma correlação com a actividade do HERV ”.

Consequências não intencionais genes sujos nas vacinas

Os cancros infantis estão em ascensão e não podemos subestimar o papel que a injecção directa de HERV-K tem nesse contexto, em particular quando está directamente associado à leucemia, como pode ser visto aqui:

“Em pacientes com leucemia, a presença de anticorpos contra o HERV-K foi identificada, o que poderia sugerir um aumento da expressão do HERV-K em células leucémicas.”

E aqui:

“A resposta do anticorpo contra os peptídeos HERV-K foi relatada em pacientes com leucemia, sugerindo uma possível superexpressão dessa sequência em células leucémicas.”

Consequências não intencionais genes sujos nas vacinas

Aqui vemos que os vírus herpes reactivam o HERV:

“Os vírus herpes também podem ser um gatilho significativo na expressão do HERV no SNC. Vários relatos detectaram EBV, vírus herpes simplex tipo 1 (HSV-1), vírus varicela-zona (VZV) e vírus herpes humano tipo 6 (HHV-6) em amostras de pacientes com EM. Todos esses vírus herpes também demonstraram desencadear a expressão dos HERVs.”

Deve ser altamente preocupante para todos haver HERV-K na presença de um vírus herpes vivo, como é o caso da vacina VARIVAX (varicela-zona).

Dada a informação acima, parece que todas as vacinas são inerentemente perigosas e cada indivíduo, não uma agência governamental, deveria estar a fazer a sua própria análise de risco-benefício para o uso desses produtos. Isso também significa que todos estamos a participar numa experiência com a qual não concordamos e sobre a qual ainda estamos a descobrir quais as consequências não intencionais do consumo desses produtos.

Não é um segredo – embora raramente seja debatido pelos meios de comunicação e profissionais médicos a quem confiamos os nossos filhos – que as infecções para as quais temos vacinas eram infecções infantis agudas, auto-limitadas, comuns, como pode ser visto aqui neste artigo fundamentado com uma pesquisa muito boa:

Consequências não intencionais genes sujos nas vacinas
Número de mortes estimado por cada tipo de acidente [dados dos EUA]. Fonte

Antes da vacinação, o risco de morrer dessas infecções ainda é menor do que o risco de morrer com um relâmpafo, sufocado ou escorregar no chuveiro. Era pouco frequente a criança ter um resultado adverso dessas infecções. Assim como é fora de vulgar a criança ter um resultado adverso com a vacinação, talvez tenhamos apenas trocado uma criança geneticamente susceptível por outra?

O Dr. James Lyons-Weiler explicou melhor:

“Se nós, como sociedade, desfrutamos do benefício colectivo da proteção contra doenças infecciosas devido às vacinas então, como sociedade, partilhamos a responsabilidade colectiva de proteger aqueles que correm um maior risco de danos das vacinas. Chega de propaganda que afirma que não existem riscos. Chega. Genética e atenção cuidadosa aos factores de risco confiáveis terão um papel fundamental na protecção daqueles que são mais susceptíveis…”.

Agora que 54% das nossas crianças sofrem de pelo menos uma de 20 doenças crónicas, incluindo transtornos do neurodesenvolvimento, distúrbios convulsivos, alergias severas, doenças auto-imunes e cancro, começamos a perceber que, se tem uma criança saudável, agora faz parte da minoria. Talvez seja hora de voltarmos às nossas raízes e abraçarmos os remédios naturais. Talvez seja a hora de pararmos de acreditar nos produtos farmacêuticos e nos médicos que os prescrevem em exclusivo. Talvez tenha chegado o momento de separarmos as grandes farmacêuticas e o estado.

Fonte: https://www.ipakmedicalhealthnews.com/home/unintended-consequences-dirty-genes-in-vaccines?fbclid=IwAR1kICgMTxPKzaXk5gAJd-YNW1M569xQYMRaRJSAD8OHWwlSYmGUjEw9lUs

A quimioterapia pode espalhar o cancro e desencadear tumores mais agressivos, alertam cientistas

A quimioterapia pode espalhar o cancro e desencadear tumores mais agressivos, alertam cientistas

A quimioterapia pode espalhar o cancro e desencadear tumores mais agressivos alertam cientistas

A quimioterapia pode permitir que o cancro se espalhe e desencadear tumores mais agressivos, sugere um novo estudo.

Investigadores dos EUA estudaram o impacto de fármacos em pacientes com cancro da mama e descobriram que os medicamentos aumentam a probabilidade das células cancerígenas migrarem para outras partes do corpo, onde são quase sempre letais.

Cerca de 55.000 mulheres são diagnosticadas com cancro da mama na Grã-Bretanha a cada ano e 11.000 morrerão dessa doença.

Muitas recebem quimioterapia antes da cirurgia, mas a nova pesquisa sugere que, apesar de diminuir os tumores a curto prazo, pode desencadear a disseminação de células cancerígenas por todo o corpo.

Acredita-se que a medicação tóxica desliga um mecanismo de reparação do corpo que, em última análise, permite aos tumores voltarem a crescer mais fortes. Também aumenta o número de “portas” nos vasos sanguíneos que permitem que o cancro se espalhe por todo o corpo.

A quimioterapia pode espalhar o cancro e desencadear tumores mais agressivos alertam cientistas
Uma imagem mostrando a abertura das “portas” nos vasos sanguíneos que permitem a disseminação dos tumores. CRÉDITO: GEORGE KARAGIANNIS

O Dr. George Karagiannis, da Faculdade de Medicina Albert Einstein da Universidade de Yeshiva, em Nova Iorque, descobriu que o número de canais de entrada foi aumentado em 20 pacientes que receberam dois medicamentos de quimioterapia comuns.

Ele também descobriu que, em ratos, a quimioterapia para o cancro da mama aumentava o número de células cancerígenas que circulavam no corpo e nos pulmões.

Karagiannis afirmou que as mulheres podem ser monitorizadas durante a quimioterapia para verificar se o cancro está a começar a circular e se as portas de passagem estão a aparecer.

“Uma abordagem seria obter uma pequena quantidade de tecido tumoral após algumas doses de quimioterapia pré-operatória”, afirmou ele.

“Se observarmos que a presença dos marcadores está aumentado, recomendaríamos a interrupção da quimioterapia e a cirurgia primeiro, seguida da quimioterapia pós-operatória. Actualmente, estamos a planear ensaios mais extensos para resolver o problema.

“Neste estudo, investigamos apenas a disseminação de células cancerígenas induzidas por quimioterapia no cancro da mama. Actualmente estamos a trabalhar noutros tipos de cancro para ver se efeitos semelhantes são provocados”.

 O estudo foi publicado na revista Science Translational Medicine.

Fonte:https://www.telegraph.co.uk/science/2017/07/05/chemotherapy-may-spread-cancer-trigger-aggressive-tumours-warn/

Pesquisas governamentais confirmam que o sarampo é propagado pelos vacinados

Pesquisas governamentais confirmam que o sarampo é propagado pelos vacinados

Pesquisas governamentais confirmam que o sarampo é propagado pelos vacinadosAs pesquisas revelam que um indivíduo vacinado não só pode ser infectado com o sarampo, como também o pode transmitir a outras pessoas que também estão vacinadas contra ele – duplamente refutando a tese de que a administração de doses múltiplas da vacina da tríplice viral é “97% eficaz”, como é amplamente alegado.

Um dos erros fundamentais no pensamento sobre a eficácia da vacina contra o sarampo é que receber a vacina contra o sarampo-papeira-rubéola (MMR) equivale à imunidade genuína contra o vírus do sarampo. De facto, é frequentemente alegado por organizações de saúde como o Centro de Controlo de Doenças [CDC] dos EUA que receber duas doses da vacina MMR é “97% eficaz na prevenção do sarampo”, apesar de um corpo volumoso de evidências contraditórias de epidemiologia e experiência clínica.

Esse pensamento erróneo levou o público, os meios de comunicação e o governo a atribuirem a origem dos surtos de sarampo, como o relatado na Disney em 2015 (e que levou à aprovação da lei SB277 naquele ano, retirando as isenções de vacinação por quaisquer razões médicas) na Califórnia, aos não vacinados, embora 18% dos casos de sarampo tenham ocorrido naqueles que foram vacinados contra o mesmo – dificilmente as duas doses da vacina alegaram “97% de eficácia”. A falibilidade óbvia da vacina também é indiciada pelo facto de que o CDC agora requer duas doses.

Mas os problemas ao redor das falhas da vacina da tríplice viral são muito mais profundos. Primeiro, eles acarretam riscos de saúde profundos (mais de 25 dos quais indexados aqui: riscos de vacina da tríplice viral), incluindo aumento do risco de autismo, que um cientista sénior do CDC confessou que a sua agência encobriu e que não justifica o risco, dado que o sarampo não só não é mortal, como também confere benefícios significativos à saúde que foram validados na literatura biomédica. Em segundo lugar a vacina MMR não só não confere consistentemente imunidade, como aqueles que foram “imunizados” com duas doses da vacina da tríplice viral ainda podem transmitir a infecção a outros – um fenómeno que ninguém relata na corrida para culpar os vacinados pelos surtos.

Os vacinados com a vacina da tríplice viral ainda podem propagar o Sarampo

Há três anos, um estudo inovador publicado na revista Clinical Infectious Diseases, em cuja lista de autores estavam incluídos cientistas que trabalhavam para o Departamento de Imunização, Departamento de Saúde e Higiene Mental de Nova York, para o Centro Nacional de Imunização e Doenças Respiratórias e para o Centro de Controlo de Doenças (CDC), examinou evidências do surto de sarampo de Nova Iorque de 2011, de que indivíduos com a vacinação prévia contra o sarampo e imunidade conferida pela vacina eram ambos capazes de serem infectados pelo sarampo e infectarem outras pessoas com ele (transmissão secundária).

Essa descoberta até despertou a atenção dos principais noticiários, como este artigo da Sciencemag.org de abril de 2014 intitulado “surto de sarampo rasteado até paciente totalmente vacinado, pela primeira vez“.

Intitulado “surto de sarampo entre pessoas com evidências prévias de imunidade, Cidade de Nova Iorque, 2011“, o estudo inovador reconheceu que “o sarampo pode ocorrer em indivíduos vacinados, mas a transmissão secundária por tais indivíduos não foi documentada”.

A fim de descobrirem se os indivíduos em conformidade com a vacina contra o sarampo são capazes de serem infectados e transmitirem a infecção a outras pessoas, eles avaliaram os casos suspeitos e indivíduos expostos durante o surto de sarampo de 2011 em Nova York. Eles focaram-se num paciente que recebeu duas doses da vacina que continha sarampo e descobriu que,

“Dos 88 contactos foram confirmados quatro casos secundários que continham duas doses de vacina contendo sarampo ou um anticorpo IgG positivo para o sarampo. Todos os casos tinham confirmação laboratorial de infecção por sarampo, sintomas clínicos compatíveis com sarampo e anticorpos de IgG de alta avidez característicos de uma resposta imune secundária”.

A conclusão é notável:

“Este é o primeiro relato de transmissão de sarampo por um indivíduo vacinado duas vezes. A apresentação clínica e os dados laboratoriais do índice eram típicos do sarampo num indivíduo não vacinado. Os casos secundários tinham respostas anamnésticas robustas. Não ocorreram casos terciários apesar de numerosos contactos. O surto enfatiza a necessidade de uma investigação epidemiológica e laboratorial completa dos casos suspeitos de sarampo, independentemente do estado da vacinação”

Consegue acompanhar o racciocínio? Verificou-se que um indivíduo vacinado duas vezes, num surto de sarampo em Nova Iorque transmitiu o sarampo a quatro dos seus contactos, dois dos quais receberam duas doses da vacina MMR e tiveram resultados de anticorpos IgG contra o sarampo, presumivelmente, preventivos.

Este fenómeno – o de um indivíduo que cumpre o plano de vacinação da tríplice viral infectar outros indivíduos cumpridores do plano de vacinação da mesma vacina – tem sido ignorado pelas agências de saúde e pelos meios de comunicação. Esses dados corroboram a possibilidade de que, durante o surto de sarampo da Disney, os 18% previamente vacinados (qualquer um dos 18% que se saiba ter sido infectado) possam ter infectado ou já estarem propagando o sarampo de uma vacina e transmitido o sarampo aos vacinados e não vacinados.

Para além disso, esses cientistas do CDC e da Agência de Imunização de Nova Iorque identificaram a “necessidade” de haver uma “investigação epidemiológica e laboratorial completa dos casos suspeitos de sarampo independentemente do estado da vacinação” ou seja, os investigadores devem descartar a falha da vacina e a infecção por indivíduos totalmente infectados como parte preponderante dos surtos de sarampo.

Em vez disso o que está a acontecer agora é que no momento em que ocorre um surto de sarampo, uma atitude reflexiva de “culpar a vítima” é tomada, e os organismos de saúde e meios de comunicação e / ou saúde relatam o surto como se tivesse sido provado que as vítimas estão sub-vacinados ou não vacinados – muitas vezes sem evidências suficientes para suportarem essas alegações. Claramente, as partes interessadas no debate entre vacinar / não-vacinar precisam de olhar para a situação através da lente das evidências em si e não da ciência por meio das proclamações ou apelos à autoridade.

Surpreendentemente, a verdade foi suprimida ao longo de décadas. Há vinte anos atrás, a vacina da trípllice viral infectou virtualmente todos os seus receptores com sarampo. Os cientistas que trabalham no Centro Nacional de Doenças Infecciosas do CDC, financiado pela Organização Mundial de Saúde e pelo Programa Nacional de Vacinas, descobriram algo realmente perturbador sobre a vacina da MMR: ela leva à infecção detectável pelo sarampo na vasta maioria daqueles que a recebem. A fabricante da vacina MMR, a Merck, descreve na bula que a vacina pode causar a encefalite por inclusão de sarampo (MIBE), uma forma rara, mas potencialmente fatal, de infecção cerebral pelo sarampo. Saiba mais lendo meu artigo sobre o tema “O sarampo é propagado pelos vacinados: Os documentos da Organização Mundial de Saúde, Merck e do CDC confirmam“.

Parem de deitar as culpas de uma vacina que funciona nos não vacinados

A moral desta história é que não pode culpar os pais que não vacinam pela morbidade e mortalidade de doenças infecciosas quando a vacinação não resulta em imunidade e não impede que aqueles que são vacinados infectem outras pessoas. De facto, os surtos secundados pelas falhas da vacina contra o sarampo e a disseminação em até 99% das populações cobertas pela imunização ocorrem desde há décadas. Aqui estão apenas alguns exemplos relatados na literatura médica:

  • 1985, Texas, EUA: De acordo com um artigo publicado no New England Journal of Medicine em 1987, “um surto de sarampo ocorreu entre adolescentes de Corpus Christi, Texas, na Primavera de 1985, embora os requisitos de vacinação para a frequência escolar tivessem sido completamente cumpridos”. Eles concluíram: “Concluímos que surtos de sarampo podem ocorrer em escolas secundárias, mesmo quando mais de 99% dos estudantes foram vacinados e mais de 95% estão imune”. 1
  • 1985, Montana, EUA: De acordo com um artigo publicado no American Journal of Epidemiology intitulado “Um surto persistente de sarampo, apesar das medidas apropriadas de prevenção e controlo”, um surto de 137 casos de sarampo ocorreu em Montana. Os registos escolares indicaram que 98,7% dos estudantes foram adequadamente vacinados, levando os investigadores a concluirem que: “Este surto sugere que a transmissão do sarampo pode persistir em alguns contextos, apesar da implementação apropriada da actual estratégia de eliminação do sarampo”.
  • 1988, Colorado, EUA: De acordo com um artigo publicado no American Journal of Public Health em 1991, “no início de 1988 um surto de 84 casos de sarampo ocorreu numa faculdade do Colorado em que mais de 98 por cento dos estudantes tinham a documentação de imunidade adequada contra o sarampo… devido a uma exigência de imunização em vigor desde 1986. Eles concluíram: “(…) os surtos de sarampo podem ocorrer em populações universitárias altamente vacinadas”. 3
  • 1989, Quebec, Canadá: Segundo um artigo publicado no Canadian Journal of Public Health em 1991, o surto de sarampo de 1989 foi “amplamente atribuído a uma cobertura vacinal incompleta”, mas após uma extensa revisão, os investigadores concluíram que “a cobertura vacinal incompleta não era uma explicação válida para o surto de sarampo na cidade de Québec”. 4
  • 1991-1992, Rio de Janeiro, Brasil: De acordo com um artigo publicado na Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, no surto de sarampo de Março de 1991 a Abril de 1992 no Rio de Janeiro, 76,4% dos suspeitos de infecção tinham recebido a vacina contra o sarampo antes do primeiro aniversário. 5
  • 1992, Cidade do Cabo, África do Sul: De acordo com um artigo publicado no South African Medical Journal em 1994, “[Em] Agosto de 1992, um surto ocorreu, com casos relatados em muitas escolas em crianças presumivelmente imunizadas”. A cobertura de imunização contra o sarampo foi de 91% e a eficácia da vacina foi de apenas 79%, levando-os a concluir que a falha primária e secundária da vacina era uma possível explicação para o surto. 6

Existem muitos outros exemplos da falha abjeta da vacina contra o sarampo, incluindo um estudo publicado na PLoS intitulado “dificuldades na eliminação do sarampo e no controlo da rubéola e papeira [caxumba]: um estudo transversal duma primeira vacinação contra sarampo e rubéola e de uma segunda vacinação contra o sarampo, papeira [caxumba] e rubélula” e que trouxe à luz a gritante ineficácia das duas vacinas contra o sarampo (sarampo-rubéola (MR) ou sarampo-papeira-rubéola (MMR)) no cumprimento da sua promessa amplamente reivindicada de prevenir surtos em populações altamente compatíveis com vacinas. Nós mergulhamos profundamente nas implicações deste estudo no nosso artigo intitulado “Porque é que a China tem surtos de sarampo quando 99% são vacinados?

O exemplo mais recente foi divulgado no site do CDC hoje num relatório intitulado “Surto de Sarampo numa população altamente Vacinada em Israel, de Julho a Agosto de 2017“, onde eles mencionam um paciente zero que recebeu três doses de tríplice viral. Não é de surpreender que o CDC não tenha chegado à conclusão óbvia de que a vacina da tríplice viral falhou mas, pelo contrário, pedem para os médicos considerarem a possibilidade do paciente ter sarampo quando examinam alguém com sintomas de febre e erupção cutânea, mesmo quando o paciente é vacinado.

Pesquisas governamentais confirmam que o sarampo é propagado pelos vacinadosFonte: Centro de Controlo de Doenças dos EUA

Estes sete surtos não são de forma alguma representativos da literatura biomédica, mas ilustram o quanto o público em geral está a ser enganado sobre a eficácia das vacinas contra o sarampo e a agenda de vacinação em geral. Nenhuma quantidade de ignorância histórica irá apagar o facto de que a vacinação equivale à imunização e que a antigenicidade não é igual a imunogenicidade.

Tão pouco os efeitos adversos, não intencionais, da tríplice viral e de outras vacinas nas agendas de vacinação são retratados com precisão, impedindo o acesso ao princípio ético médico do consentimento informado.

Para saber mais sobre este assunto leia o meu artigo anterior, “O sarampo propagado pelos vacinados: Documentos da Organização Mundial de Saúde, Merck e CDC confirmam“.

REFERÊNCIAS

1T L Gustafson, A W Lievens, P A Brunell, R G Moellenberg, C M Buttery, L M Sehulster. Measles outbreak in a fully immunized secondary-school population. N Engl J Med. 1987 Mar 26 ;316(13):771-4. PMID: 3821823

2R M Davis, E D Whitman, W A Orenstein, S R Preblud, L E Markowitz, A R Hinman. A persistent outbreak of measles despite appropriate prevention and control measures. Am J Epidemiol. 1987 Sep ;126(3):438-49. PMID: 3618578

3B S Hersh, L E Markowitz, R E Hoffman, D R Hoff, M J Doran, J C Fleishman, S R Preblud, W A Orenstein. A measles outbreak at a college with a prematriculation immunization requirement. Am J Public Health. 1991 Mar ;81(3):360-4. PMID: 1994745

4N Boulianne, G De Serres, B Duval, J R Joly, F Meyer, P Déry, M Alary, D Le Hénaff, N Thériault.[Major measles epidemic in the region of Quebec despite a 99% vaccine coverage]. Can J Public Health. 1991 May-Jun;82(3):189-90. PMID: 1884314

5S A de Oliveira, W N Soares, M O Dalston, M T de Almeida, A J Costa. Clinical and epidemiological findings during a measles outbreak occurring in a population with a high vaccination coverage. Rev Soc Bras Med Trop. 1995 Oct-Dec;28(4):339-43. PMID: 866883

6N Coetzee, G D Hussey, G Visser, P Barron, A Keen. The 1992 measles epidemic in Cape Town–a changing epidemiological pattern. S Afr Med J. 1994 Mar ;84(3):145-9. PMID: 7740350

Fonte: http://www.greenmedinfo.com/blog/measles-transmitted-vaccinated-gov-researchers-confirm

Exposição natural vs artificial ao sarampo: não é a mesma coisa

Exposição natural vs artificial ao sarampo: não é a mesma coisa

Exposição natural vs artificial ao sarampo: não é a mesma coisa

Há um facto raramente considerado pelas autoridades de saúde pública: a vacinação não é uma intervenção que elimina a exposição à doença pelos indivíduos. A vacinação substitui a exposição natural pela exposição artificial e não é a mesma coisa. Estamos há muitas décadas em campanhas de vacinação em massa e é alarmante que, em vez da comunidade médica e científica recuar para examinar o impacto geral na saúde pública e individual para ver se as estratégias actuais devem ser reavaliadas, o foco está naqueles que questionam ou recusam a vacinação.

Os especialistas reconheceram que a actual vacina contra o sarampo não pode erradicar o sarampo por causa de falhas primárias e secundárias. [1] Estudos descobriram que a concentração e a duração da protecção dos anticorpos maternos para bebés com mães vacinadas é menor do que a proteção providenciada pelas mães não vacinadas [2], e verificou-se que uma terceira dose da tríplice viral [MMR] não pode aumentar a protecção por um período de tempo indefenido [3], deixando a maioria dos adultos desprotegidos. Entramos numa era em que vacinamos bebés e idosos vulneráveis ​​- populações que estavam protegidas quando o sarampo circulava naturalmente. É um enigma confuso cuja responsabilidade não pode ser colocada sobre daqueles que desistem da vacinação. Para a grande maioria das crianças saudáveis ​e ​que podem lidar facilmente com um caso de sarampo na infância, a vacinação não oferece nenhum benefício pessoal e apenas as expõe ao risco de lesões vacinais e vulnerabilidade ao sarampo na vida adulta.

Uma vez que a indústria não disponibiliza uma única vacina contra o sarampo, isso deixa apenas a controversa tríplice viral [MMR] que parece não ter tido nenhum ensaio clínico. A MMR contém ADN fetal fragmentado na porção da rubéola, que alguns acham moralmente censurável e outros medicamente problemáticos devido ao potencial de autoimunidade e mutagénese insercional [4]. Para além disso, a vacina é altamente contaminada com glifosato a partir da gelatina [5], e não existem estudos que mostrem que a injecção de glifosato seja segura ou como pode alterar a resposta imune aos outros ingredientes. Acrescente-se que a Merck já foi acusada de falsificar a eficácia da porção da papeira na sua vacina [6] e, Houston, temos um problema.

100% de vacinação não alteraria o dilema da falha ou risco da vacina. A OMS [Organização Mundial de Saúde] escolheu o objectivo da erradicação global antes de ter uma ferramenta segura capaz de o alcançar. Ao invés de pressionar por uma maior aceitação, o tempo e o dinheiro seriam muito melhor gastos na implementação de programas rápidos de diagnóstico e notificação usando novas tecnologias para detectar e isolar como antigamente, pesquisando os melhores e mais seguros tratamentos para o sarampo, cultivando os princípios básicos da imunidade saudável nas comunidades mais pobres: acesso a água limpa e saneamento e nutrição adequados.

Referências

[1] Poland, Gregory A and Robert M Jacobson. “The re-emergence of measles in developed countries: time to develop the next-generation measles vaccines?” Vaccine vol. 30,2 (2012): 103-4.

[2] Waaijenborg, et al. “Waning of Maternal Antibodies Against Measles, Mumps, Rubella, and Varicella in Communities With Contrasting Vaccination Coverage.” OUP Academic, Oxford University Press, 8 May 2013, academic.oup.com/jid/article/208/1/10/796786.

[3] Fiebelkorn AP, Coleman LA, Belongia EA, et al. Measles virus neutralizing antibody response, cell-mediated immunity, and IgG antibody avidity before and after a third dose of measles-mumps-rubella vaccine in young adults. The Journal of infectious diseases. 2016;213(7):1115-1123. doi:10.1093/infdis/jiv555.

[4] Deisher, T A, et al. “Epidemiologic and Molecular Relationship Between Vaccine Manufacture and Autism Spectrum Disorder Prevalence.” Issues in Law & Medicine., U.S. National Library of Medicine, 2015, www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26103708.

[5] Honeycutt, Zen. “Glyphosate in Childhood Vaccines.” Moms Across America, www.momsacrossamerica.com/glyphosate_in_childhood_vaccines.

[6] Solomon, Lawrence. “Merck Has Some Explaining To Do Over Its MMR Vaccine Claims.” HuffPost Canada, HuffPost Canada, 27 Nov. 2014, www.huffingtonpost.ca/lawrence-solomon/merck-whistleblowers_b_5881914.html.

Fonte: https://www.bmj.com/content/362/bmj.k3976/rr-11?fbclid=IwAR2Chr6XxBjV_C9JIrQN2bg84DZBtI94HZ9lL1PN4eHaAgLrE2MGy2s-ULQ

Tudo o que aprendeu sobre os vírus está errado

Tudo o que aprendeu sobre os vírus está errado

Tudo o que aprendeu sobre vírus está errado

Pesquisas pioneiras indicam que a maior parte do que acreditamos acerca das propriedades, supostamente mortais, de vírus como o da gripe é baseado apenas em superstições e mitos institucionalizados.

A teoria dos germes é uma força imensamente poderosa neste planeta, afetando desde as interações quotidianas como um aperto de mão até ás agendas nacionais de vacinação e campanhas de erradicação globais.

Mas e se as pesquisas fundamentais sobre o que exactamente esses “patogenos” são e como eles nos infectam ainda não foram concretizadas? E se muito do que é assumido e acreditado acerca do perigo dos micróbios, em particular dos vírus, tiver sido completamente comprometido à luz das novas descobertas radicais da microbiologia?

Alguns do nossos leitores já sabem que, nas minhas publicações anteriores, abordei o porquê do conceito de “germes como inimigos” ter sido dizimado pela descoberta relativamente recente do microbioma. Para obter informações detalhadas sobre esse assunto, leia meu artigo anterior, Como o microbioma destruiu o ego, a política das vacinas e o patriarcado. Também pode ler as Implicações Profundas do Viroma para a Saúde Humana e Autoimunidade, para entender melhor como os vírus são realmente benéficos para a saúde.

Neste artigo, vou adoptar uma abordagem menos filosófica e focar-me na gripe como um exemplo mais concreto da mudança de paradigma de uma forma copernicana na biomedicina e nas ciências da vida em que estamos actualmente totalmente imersos, apesar da medicina dominante falhar em reconhecê-lo.

Os mortais vírus da gripe: vacinar ou morrer?

Pela forma hiperbólica com que os formuladores de políticas de saúde e os grandes meios de comunicação falam sobre isso hoje, o vírus da gripe é uma força letal, contra a qual todos os cidadãos, de 6 meses ou mais, precisam tomar uma vacina anual contra a gripe para se protegerem, para não enfrentarem as suas consequências mortais. Pior, aqueles que defendem objecções religiosas ou filosóficas, ou que se opõem conscientemente à vacinação, estão a ser caracterizados como prejudiciais aos outros ao negar-lhes a imunidade colectiva (um conceito que foi completamente desmentido por um estudo cuidadoso das evidências, ou pela falta delas). Por exemplo, na entrevista abaixo, Bill Gates diz a Sanjay Gupta que ele acha que os não-vacinadores “matam crianças”:

Mas e se eu lhe dissesse que nem sequer existe o vírus da gripe, na forma de um vector de doença monolítico existente fora de nós, concebido como a relação entre predador e presa?

Primeiro, considere que a muito autoritária Cochrane Colaboration reconhece que existem muitos vírus da gripe diferentes e que não são, de facto, a influenza A – contra as quais as vacinas contra a gripe são direccionadas – mas que podem contribuir para sintomas idênticos aos atribuídos à gripe A:

“Mais de 200 vírus causam gripe e doenças semelhantes à gripe e que produzem os mesmos sintomas (febre, dor de cabeça, dores, tosse e corrimento nasal). Sem exames laboratoriais os médicos não conseguem distinguir as duas doenças. Ambas duram dias e raramente levam a morte ou doença grave. Na melhor das hipóteses, as vacinas podem ser eficazes contra apenas a Influenza A e B, que representam cerca de 10% de todos os vírus circulantes”. (Fonte: Cochrane Summaries). [Ênfase adicionado]

Isso faz com que um quadro de complexidade que mina poderosamente as políticas de saúde que pressupõem que a vacinação é equivalente à imunidade legítima e, por implicação, exige que o rebanho participe colectivamente no ritual das campanhas de vacinação em massa como uma questão de responsabilidade social e de necessidade.

Até mesmo o uso da palavra “imunização” para descrever a vacinação é altamente enganador. No momento em que a palavra é usada, ela já pressupõe eficácia, e faz parecer que os não-vacinadores são anti-imunidade, em vez do que eles realmente são: pró-imunidade (via ar, comida e água limpa e luz solar), mas não querem submeter-se a si mesmos ou aos seus filhos saudáveis a procedimentos médicos “inevitavelmente inseguros”, com apenas benefícios teóricos.

Porque é que o vírus da gripe não existe (da maneira como foi dito)

Mas o tópico fica ainda mais interessante quando consideramos as descobertas de um estudo de 2015 intitulado Características específicas conservadas e hospedeiras da arquitetura do virião da gripe. Esse foi o primeiro estudo a analisar a real composição molecular do vírus da influenza. Surpreendentemente e dada a longa história de uso e promoção de vacinas, a caracterização completa das proteínas que ela contém e de onde elas derivam nunca tinha sido realizada anteriormente. Como investimos bilhões de dólares anualmente em vacinas contra a gripe e criamos uma campanha global para contra-atacar um inimigo viral, cujos blocos básicos que nem conhecemos, é difícil de entender. Mas é verdade, contudo.

O resumo do estudo abre com esta linha altamente provocadora:

“Os vírus usam viriões para se disseminarem entre os hospedeiros, e a composição do virião é, portanto, o principal determinante da transmissibilidade e imunogenicidade viral” [Ênfase adicionado]

Os viriões também são conhecidos como “partículas virais” e são os meios pelos quais os ácidos nucleicos virais são capazes de se moverem e “infectarem” organismos vivos. Sem a partícula viral (transporte) para transportar o ADN do vírus (passageiro) seria inofensivo e, de facto, os vírus são frequentemente descritos como existindo em algum lugar entre objectos vivos e inanimados por essa razão: eles não produzem a sua própria energia, nem são transmissíveis sem um hospedeiro vivo. E assim, nesta primeira linha, os autores deixam claro que a composição do virião é também o determinante primário de um vírus ser infeccioso (transmitir) e que efeitos ele terá no sistema imunológico do hospedeiro infectado.

Tudo o que aprendeu sobre vírus está errado
Partículas virais da gripe.

Essa distinção é importante porque muitas vezes pensamos nos vírus como simples cadeias patogênicas de ADN ou ARN. A ironia, é claro, é que as próprias coisas às quais atribuímos tanta letalidade, como os ácidos nucléicos virais, nem estão vivos, nem podem infectar um organismo sem todos os outros componentes (proteínas, lipídios e ácidos nucleicos extra-virais) que são, tecnicamente, de origem não viral e participam do processo. E assim, se os componentes que não são virais são essenciais para o vírus causar danos, como podemos continuar a afirmar que enfrentamos uma entidade monolítica da doença “lá fora” e que “nos infecta”, uma vítima passiva? É fundamentalmente não sensorial, dados esses achados. Isso também enfraquece claramente a retórica incessante e baseada no medo que é atribuída ao uso pró-vacina para coagir as massas a se submeterem ao ritual da vacinação baseada na fé.

Vamos nos aprofundar as descobertas do estudo…

A próxima linha do estudo aborda o facto que mencionamos no início deste artigo, que existe uma grande complexidade ao nível da variabilidade profunda na composição do virião:

“No entanto, os viriões de muitos vírus são complexos e pleomórficos, dificultando a análise detalhada”

Mas esse problema da grande variabilidade na composição do vírus da gripe é exactamente o motivo pelo qual o estudo foi conduzido. Eles explicam:

“Aqui tratamos disso identificando e quantificando proteínas virais com espectrometria de massa, produzindo um modelo completo e quantificável das centenas de proteínas virais e codificadas pelo hospedeiro que compõem os viriões pleomórficos do vírus da gripe. Mostramos que uma arquitetura conservada do virião da gripe, que inclui quantidades substanciais de proteínas hospedeiras, bem como a proteína viral NSI, é elaborada com características abundantes e dependentes do hospedeiro. Em resultado disso, os viriões da gripe produzidos por hospedeiros mamíferos e aviários têm composições proteicas distintas.”

Por outras palavras eles descobriram que o vírus da gripe é composto tanto por material biológico do hospedeiro que o vírus infecta, quanto pelo material genético viral do vírus em si.

Como então diferenciamos o vírus da influenza do “outro”? Dado que não existiria sem as proteínas do “eu”, ou de outros animais hospedeiros como pássaros (aves) ou insetos, isso seria impossível de fazer mantendo qualquer honestidade intelectual intacta.

Existe também o problema significativo apresentado pela produção de vacinas contra a gripe. Actualmente, o antígeno da vacina contra a gripe humana é produzido por meio de insetos e ovos de galinha. Isto significa que as partulas virais extra destes hospedeiros conteriam proteínas estranhas e iriam, portanto, produzir respostas imunológicas diferentes e / ou imprevisíveis em seres humanos comparado ao que seria esperado de partíulas virais de influenza humanas. Uma possibilidade é que as dezenas de proteínas estranhas encontradas dentro da gripe aviária possam, teoricamente, produzir antígenos em humanos que reagem de forma cruzada com as autoestruturas, resultando em autoimunidade. O teste de segurança, actualmente, não testa essas reações cruzadas. Claramente, esta descoberta abre uma caixa de Pandora de potenciais problemas que nunca foram suficientemente analisados, uma vez que nunca foi entendido até agora que a “gripe” é tão completamente dependente do hospedeiro para a sua transmissibilidade e imunogenicidade.

Serão os vírus da gripe somente exossomas “sequestrados”?

Por fim, o estudo identificou algo ainda mais surpreendente:

“Finalmente, notamos que os viriões da gripe partilham uma composição proteica subjacente com os exossomos, sugerindo que os viriões da gripe formam-se subvertendo a produção da miro-vesícula.”

O que esses investigadores dizem é que descobriram que as partículas de viriões partilham semelhanças impressionantes com as partículas semelhantes a vírus que ocorrem naturalmente, produzidas por todas as células vivas e chamadas de exossomas. Os exossomas, como muitos vírus (isto é, vírus com envelope) estão encerrados numa membrana e estão dentro da gama de tamanho dos 50-100 nanómetros que os vírus têm (20-400 nm). Eles também contêm moléculas biologicamente activas, como proteínas e lípidos, bem como informações, como moléculas que contêm informações como os ARNs – exactamente, ou muito semelhantes, aos tipos de conteúdos que encontramos nas partículas virais.

Assista a este vídeo básico sobre exossomas para para entender melhor:

Quando começamos a olhar para os vírus através das lentes da sua sobreposição com os exossomas que, como portadores de ARNs são essenciais para regularem a expressão da grande maioria do genoma humano, começamos a entender como sua função poderia ser considerada neutra como “transmissores de informação” se não mesmo benéfica. Tanto os exossomas como os vírus podem, na verdade, ser responsáveis pela comunicação e regulação inter-espécies ou entre os reinos da biosfera, por serem capazes de facilitar e intermediar a transferência horizontal de informações entre os organismos. Até mesmo comer um pedaço de fruta contendo esses exossomas pode alterar a expressão de genes de importância vital no nosso corpo.

Tudo o que aprendeu sobre vírus está errado
Exossomas.

À luz dessa perspectiva da Teoria pós-germes, os vírus poderiam ser descritos como peças de informação em busca de cromossomas não inerentemente “maus” mas, de facto, essenciais para mediar a relação genótipo / fenótipo dentro dos organismos, que devem adaptar-se às condições ambientais em constante mudança e em tempo real para sobreviverem. Algo que o ritmo glacial das mudanças genéticas dentro das sequências primárias de nucleotídeos do nosso ADN não pode fazer (por exemplo, pode levar cerca de 100.000 anos para uma sequência genética codificadora de proteína mudar em segundos para que a expressão de um gene codificador da proteína seja alterada via modulação via ARNs virais ou exossómicos).

Isso também não significa que eles sejam “todos bons”. Às vezes, dadas muitas condições fora do seu controlo, as suas mensagens podem apresentar desafios ou desinformação para as células às quais estão expostas, o que poderia resultar num “sintoma de doença”. Mas com a ressalva de que esses sintomas da doença são muitas vezes, se não invariavelmente, tentativas do organismo de se auto-regular e, por fim, melhorar e curar-se.

Por outras palavras, a composição viral do vírus parece ser o subproduto do mecanismo de produção e tráfico de exossomas normais da célula (também conhecido como microvesícula), embora seja influenciado pelo ADN da influenza. E tal como os exossomas, os vírus podem ser um meio de comunicação extracelular entre as células, em vez de simplesmente serem uma entidade patológica da doença. Isso poderia explicar porque é que o corpo acumulado de pesquisas sobre o papel do viroma na saúde humana indica que os chamados agentes infecciosos, incluindo vírus como o do sarampo, conferem benefícios significativos à saúde. [veja: os benefícios para a saúde do sarampo e o poder curativo dos germes].

Outros investigadores chegaram a descobertas semelhantes sobre a relação entre exossomas e vírus, algumas vezes descrevendo o sequestro viral de vias exossómicas como uma hipótese de “cavalo de Tróia”. O HIV pode ser um exemplo disso.

Observações Finais

A descoberta notavelmente recente da natureza dependente do hospedeiro da composição do virião do vírus da gripe, é realmente apenas a ponta de um iceberg intelectual que ainda não emergiu completamente à luz do dia, mas que já está afundando navios, os navios do paradigma, se quiser entender dessa forma.

Um desses paradigmas é o de que os germes são combatentes inimigos e que os vírus não desempenham um papel fundamental na nossa saúde e devem ser erradicados da Terra com drogas e vacinas, se possível.

Essa crença, no entanto, é insustentável. Com a descoberta do papel indispensável do microbioma e a subpopulação de vírus dentro dele – o viroma – nós entramos numa visão inteiramente nova, baseada na ecologia, do corpo e dos seus arredores, e que são fundamentalmente inseparáveis.

Ironicamente, a única coisa que a gripe pode ser capaz de matar é a própria teoria dos germes.

Para uma exploração mais aprofundada disso, assista à palestra abaixo sobre o viroma. Eu prometo que, se fizer isso, não será mais capaz de defender a teoria dos germes como uma verdade monolítica por muito mais tempo. Pode até começar a entender como podemos considerar alguns vírus como “nossos amigos” e por que precisamos dos vírus muito mais do que eles precisam de nós.

Fonte: http://www.greenmedinfo.com/blog/why-only-thing-influenza-may-kill-germ-theory?fbclid=IwAR35T_SuwYphPs2Ix8HTpr_Vd8sjF_JyoqDxj_trf8mVGfMAncO4AIumnHE

A Vacina contra o Tétano: como sabemos se funciona?

A Vacina contra o Tétano: como sabemos se funciona?

vacina do tétano

Como podemos saber se a vacina contra o tétano funciona? O estabelecimento médico tem uma visão de que a vacina evita o tétano, mas como podemos ter a certeza de que essa perspectiva está correcta?

A cura para o tétano, uma doença que ameaça a vida e é muitas vezes mortal, foi procurada desde o início do moderno campo da imunologia. O tratamento anti-soro de cavalo original do tétano foi desenvolvido no final do século 19 e introduzido na prática clínica numa altura em que o conceito bio-estatístico de ensaio aleatório controlado por placebo (RCT) ainda não existia.

A terapia tornou-se infame por gerar uma reacção adversa grave chamada “doença do soro” atribuída à intolerância dos seres humanos ao soro derivado de cavalo. Para tornar esta terapia tetânica utilizável, era imperativo substituir a origem animal do anti-soro pela origem humana. Mas injectar uma toxina letal em voluntários humanos como substitutos de cavalos teria sido impensável.

Uma solução prática foi encontrada em 1924: o pré-tratamento da toxina do tétano com formaldeído (um produto químico fixador) fez com que a toxina perdesse a capacidade de causar sintomas clínicos do tétano. A toxina do tétano tratada com formaldeído é chamada de toxóide. O toxóide do tétano pode ser injetado em voluntários humanos para produzir um produto terapêutico humano comercial a partir dos seus soros denominado imunoglobulina tetânica (TIG), um substituto moderno do anti-soro de cavalo original. O toxóide do tétano também se tornou a vacina contra o tétano clínico.

A toxina do tétano, chamada tetanospasmina, é produzida por numerosas cepas bacterianas de C. tetani. A C. tetani normalmente vive nos intestinos dos animais, principalmente em cavalos, sem causar tétano aos portadores intestinais. Essas bactérias requerem condições anaeróbias (sem oxigénio) para estarem activas, enquanto que na presença de oxigénio elas tornam-se esporos resilientes mas inactivos, que não produzem a toxina. Reconheceu-se que os esporos de tétano inativos são omnipresentes no solo. O tétano pode resultar da exposição à C. tetani através de feridas ou cortes mal geridos propícios ao tétano, mas não pela ingestão oral dos esporos do tétano.

Muito pelo contrário, a exposição oral à C. tetani constroi resistência ao tétano sem risco de doença, conforme descrito na secção “Resistência natural ao tétano”.

Uma vez segregada pela C. tetani e germinada numa ferida contaminada, a tetanospasmina difunde-se através dos fluídos intersticiais do tecido ou corrente sanguínea. Ao chegar às terminações nervosas, é adsorvido pela membrana celular dos neurónios e transportado através dos troncos nervosos para o sistema nervoso central, onde inibe a libertação do neurotransmissor ácido gamma-aminobutírico (GABA). Esta inibição pode resultar em vários graus de sintomas clínicos do tétano: espasmos musculares rígidos, bloqueios, sorriso sardónico e convulsões severas que frequentemente levam a fraturas ósseas e à morte devido ao comprometimento do sistema respiratório.

Os efeitos curativos da terapia de anti-soro, bem como os efeitos preventivos da vacinação contra o tétano, dependem de uma molécula de anticorpo chamada antitoxina. Mas a suposição de que essa antitoxina era o único ingrediente “activo” no anti-soro de cavalo original não foi confirmada experimentalmente. Uma vez que os cavalos são portadores naturais dos esporos de tétano, a sua corrente sanguínea poderá conter outros componentes não reconhecidos, que foram aproveitados no anti-soro terapêutico. Na secção “Resistência natural ao tétano” discutem-se outras entidades séricas detectadas em animais de pesquisa portadores da C. tetani, que melhor se correlacionaram com sua protecção contra o tétano clínico do que os níveis séricos de antitoxina. No entanto, o principal esforço de investigação no campo do tétano permaneceu estreitamente focado na antitoxina.

Acredita-se que as moléculas de antitoxinas inactivam as moléculas de toxinas correspondentes em virtude da sua capacidade de ligação à toxina. Isso implica que, para ter o seu efeito protector, uma antitoxina deve-se aproximar fisicamente duma toxina e combinar-se com ela de forma a prevenir a ligação da toxina às terminações nervosas.

A pesquisa inicial sobre a antitoxina recém-descoberta foi feita em animais de laboratório de tamanho pequeno, como porquinhos da índia. A toxina do tétano foi pré-incubada num tubo de ensaio com o soro do animal contendo a antitoxina antes de ser injectado noutro animal (livre de antitoxina), susceptível ao tétano. Tal pré-incubação fez com que a toxina perdesse a sua capacidade de causar tétano em animais que de outra forma eram suscetíveis – isto é, a toxina foi neutralizada.

No entanto, os investigadores do final do século XIX e início do século XX ficaram desconcertados por uma observação peculiar. Os animais de pesquisa, cujo soro contém suficiente antitoxina para inactivar uma certa quantidade de toxina num tubo de ensaio, sucumbiram ao tétano quando foram injectados com a mesma quantidade de toxina. Para além disso observou-se que o modo de injecção da toxina teve um efeito diferente sobre a capacidade da antitoxina não soro para proteger o animal.

A presença da antitoxina no soro dos animais providenciou alguma protecção contra a toxina injectada directamente na corrente sanguínea (por via intravenosa). No entanto, quando a toxina foi injectada na pele era tão letal para os animais que continham níveis substanciais de antitoxina sérica quanto para aos animais practicamente isentos de antitoxina sérica [1].

A diferença observada no “comportamento” protector da antitoxina sérica foi atribuída à propensão da toxina para se ligar mais rápidamente às células nervosas do que à antitoxina sérica. Uma pré-incubação da toxina com antitoxina num tubo de ensaio ou uma injecção da toxina diretamente na corrente sanguínea, onde a antitoxina de soro se encontra dá um avanço à antitoxina na combinação e neutralização da toxina. No entanto, uma injecção na pele ou músculo da toxina não fornece anti-toxina no soro como vantagem.

Os investigadores do século 21 desenvolveram uma técnica avançada de rotulagem fluorescente para rastrear a absorção da toxina do tétano injectada nos neurónios. Utilizando esta técnica, os investigadores examinaram o efeito da antitoxina sérica induzida pela vacinação em ratos com uma vacina contra o toxóide tetânico antecipadamente, bloqueando a absorção neuronal e transporte do fragmento C da toxina Tetânica (TTC) para o cérebro a partir do local da injecção intramuscular. Os animais vacinados e não vacinados apresentavam valores semelhantes de TTC no cérebro. Os autores do estudo concluem que a “absorção de TTC pelos terminais nervosos de um depósito intramuscular é um processo aberto e rápido e não está bloqueado pela vacinação”. [2] Adicionalmente comentaram que os seus resultados parecem ser surpreendentes tendo em conta os efeitos protectores da imunização com o toxóide do tétano. Na realidade, o estabelecimento médico tem uma visão de que a vacina contra o tétano evita o tétano, mas como podemos ter a certeza que está correta?

Tétano Neonatal

O tétano neonatal é comum nos países subdesenvolvidos e tropicais, mas é extremamente raro nos países desenvolvidos. Esta forma de tétano resulta de práticas obstétricas anti-higiénicas, quando o corte do cordão umbilical é realizado com dispositivos não esterilizados, potencialmente contaminando-o com esporos de tétano. Aderir a práticas obstétricas adequadas remove o risco de tétano neonatal, mas este não tem sido o padrão das práticas de nascimento para algumas pessoas indígenas e rurais, no passado ou mesmo no presente.

Os autores do estudo do tétano neonatal realizado na década de 1960 na Nova Guiné descrevem como condições típicas de parto entre os locais:

“A mãe corta o cordão a 2,5 cm (1 polegada) ou menos da parede abdominal e nunca está amarrada. No passado ela sempre usaria porção de casca de sagu, mas agora ela usa uma faca de aço ou uma velha navalha de lâmina. Estes não são limpos ou esterilizados de forma alguma e nenhum curativo é colocado no cordão. A criança é colocada após o nascimento num pedaço sujo de casca macia, e a lâmina de corte pode facilmente contaminar-se com a poeira do chão da cabana ou fezes da mãe expelidas durante o parto, bem como pela faca ou pelo seu dedo “. [3]

De forma pouco surpreendente, a Nova Guiné tem uma elevada taxa de tétano neonatal. Porque melhorar as práticas de nascimento parecia algo inalcançável em lugares como a Nova Guiné, submeter as mulheres grávidas à vacinação contra o tétano foi contemplado pelas autoridades de saúde pública como uma possível solução para o tétano neonatal.

Um estudo controlado aleatório (RCT), para avaliar a eficácia da vacina do tétano na prevenção do tétano neonatal por meio da vacinação materna, foi realizado na década de 1960 na Colômbia rural numa comunidade com elevadas taxas de tétanos neonatal [4]. O projecto deste teste foi revisto recentemente pela Cochrane Collaboration para possíveis vieses e limitações e, com comentários de menor importância, foi considerado de boa qualidade para fins de determinação da eficácia da vacina (mas não da sua segurança). [5] O ensaio definiu que uma dose única da vacina contra o tétano administrada antes ou durante a gravidez tinha um efeito parcial na prevenção do tétano neonatal na descendência: redução de 43% no grupo vacinado contra o tétano em comparação com o grupo de controlo, que em vez da vacina do tétano recebeu uma vacina contra a gripe. Uma série de duas ou três doses de reforço do tétano, com seis ou mais semanas de intervalo antes ou durante a gravidez, reduziu o tétano neonatal em 98% no grupo vacinado contra o tétano em comparação com o grupo de controlo com a vacina da gripe. A duração do acompanhamento neste teste foi inferior a cinco anos.

Para além de testar os efeitos da vacinação, este estudo também documentou uma clara relação entre a incidência do tétano neonatal e a forma como o parto foi realizado. Nenhum bebé nascido num hospital, na presença de um médico ou uma enfermeira contraiu o tétano neonatal, independentemente do estado de vacinação da mãe. Por outro lado, os bebés nascidos em casa com parteiras amadoras tiveram a maior taxa de tétano neonatal.

O parto higiénico parece ser altamente eficaz na prevenção do tétano neonatal e torna o regime de vacinação contra o tétano durante a gestação desnecessário para as mulheres que dão à Luz em condições higiénicas. Para além disso, foi estimado, em 1989 na Tanzânia, que 40% dos casos de tétano neonatal ainda ocorriam em bebés nascidos de mães que foram vacinadas durante a gravidez [6], enfatizando a importância das práticas de higiene no nascimento, independentemente do estado de vacinação materna.A ilusão das Vacinas

Para saber mais leia o livro de Tetyana. Pode descarrega-lo aqui.

Tétano em adultos

Com base no efeito protector da vacinação materna no tétano neonatal, demonstrado pelo estudo de controlo aleatório discutido acima, podemos ser tentados a inferir que a mesma vacina também protege do tétano adquirido pisando em pregos enferrujadas ou sofrendo outras lesões propensas ao tétano, quando administradas em crianças ou adultos, rotineiramente ou como medida de emergência. No entanto, devido às possíveis diferenças biológicas de como o tétano é contraído por recém-nascidos versus crianças mais velhas ou adultos, devemos ter cuidado ao tirar tais conclusões sem antes termos as provas directas da eficácia da vacina na prevenção do tétano não neonatal.

Presume-se geralmente que a toxina do tétano deve primeiro propagar-se para o sangue (onde seria interceptado pela antitoxina, se já estiver lá devido à vacinação oportuna) antes de atingir as terminações nervosas. Este cenário é plausível no tétano neonatal, pois parece que o cordão umbilical não tem seus próprios nervos. [7] Por outro lado, a secreção da toxina pela C. tetani germinando em cortes na pele ou nas lesões musculares é mais relevante para a forma como as crianças ou adultos podem sucumbir ao tétano. Em tais casos, poderão haver terminações nervosas perto de C. tetani em germinação, e a toxina poderá atingir essas terminações nervosas sem primeiro passar pelo sangue para ser interceptado pela antitoxina sérica induzida por vacina. Este cenário é consistente com os resultados das experiências iniciais em ratos, discutidas no início.

Embora seja uma doença importante em países subdesenvolvidos tropicais, o tétano nos EUA tem sido muito raro. No passado, o tétano ocorreu principalmente em segmentos pobres da população nos estados do Sul e em emigrantes mexicanos na Califórnia. Diminuiu rapidamente nas décadas antes de 1950 (na era pré-vacinação), como inferido dos registos de mortalidade do tétano e rácios de casos-fatalidade semelhantes (cerca de 67-70%) no início do século 20 [8] versus meio do século 20). [9] A vacina contra o tétano foi introduzida nos EUA em 1947 sem serem realizados ensaios clínicos controlados com placebos no segmento da população (crianças ou adultos) onde agora é rotineiramente utilizada.

O raciocínio para a introdução da vacina do tétano na população dos EUA, com baixo risco geral de contrair tétano de qualquer forma, foi simplesmente baseado no seu uso no pessoal militar dos EUA durante a Segunda Guerra Mundial. De acordo com um relatório pós-guerra: [10]

  1. 1. O pessoal militar dos EUA recebeu uma série de três injeções do toxóide do tétano, a injeção estimulante de rotina foi administrada um ano após a série inicial e uma dose estimulante de emergência era administrada sobre as feridas, queimaduras severas ou outras lesões que poderiam resultar em tétano;
  2. 2. Durante todo o período da Segunda Guerra Mundial, 12 casos de tétano foram documentados no Exército dos EUA;
  3. 3. Na Primeira Guerra Mundial, ocorreram 70 casos de tétano entre aproximadamente meio milhão de admissões por feridas e lesões, uma incidência de 13,4 por cada 100 mil feridas. Na Segunda Guerra Mundial, ocorreram quase três milhões de admissões por feridas e lesões, com uma taxa de caso de tétano de 0,44 por cada 100.000 feridas.

O relatório leva-nos a concluir que a vacinação desempenhou um papel na redução do tétano nos soldados feridos dos EUA durante a Segunda Guerra Mundial, em comparação com a Primeira Guerra Mundial, e que esta redução atesta a eficácia da vacina contra o tétano. No entanto, existem outros factores (por exemplo diferenças nos protocolos de tratamento de feridas, incluindo o uso de antibióticos, maior probabilidade de contaminação da ferida com esterco de cavalo rico em C. tetani nas guerras anteriores quando os cavalos eram utilizados pela cavalaria, etc.), o que deve impedir-nos de atribuir, de forma crítica, a redução do tétano durante a Segunda Guerra Mundial aos efeitos da vacinação.

O tétano grave e mesmo mortal é conhecido por ocorrer em pessoas recentemente vacinadas com elevados níveis de antitoxina sérica [11]. Embora os cépticos possam dizer que nenhuma vacina é eficaz 100% do tempo, a situação da vacina contra o tétano é bastante diferente. Nestes casos de tétano não prevenível da vacina, a vacinação foi realmente muito eficaz na indução da antitoxina sérica, mas a antitoxina sérica não pareceu ter ajudado a prevenir o tétano nesses indivíduos infelizes.

A ocorrência de tétano, apesar da presença de antitoxina no soro, deveria ter feito soar o alarme em relação às justificações do programa de vacinação contra o tétano. Mas tais relatórios foram invariavelmente interpretados como uma indicação de que os níveis mais altos do que previamente pensado de antitoxina sérica devem ser mantidos para proteger do tétano, daí a necessidade de impulsores mais frequentes, se não incessantes. Então, quanto mais “do que se pensava anteriormente” de níveis séricos de antitoxina se deve ter para garantir a protecção contra o tétano?

Crone & Reder (1992) documentaram um caso curioso de tétano grave num homem de 29 anos sem condições pré-existentes e sem histórico de abuso de drogas, típico das vítimas modernas do tétano nos EUA. Para além da série regular de vacinação contra o tétano e impulsionadores dez anos antes durante o seu serviço militar, este paciente tinha sido hiperimunizado (imunizado com o toxóide tetânico para ter o nível de antitoxina sérica extremamente alto) como voluntário para fins de produção comercial da TIG . Ele foi monitorizado quanto aos níveis de antitoxina no seu soro e, como esperado, desenvolveu níveis extremamente elevados de antitoxina após o procedimento de imunização. No entanto, ele sofreu de tétano grave 51 dias após o procedimento, apesar da presença claramente documentada de antitoxina sérica antes da doença. De facto, após a admissão hospitalar para o tratamento do tétano, os seus níveis séricos de antitoxina eram cerca de 2.500 vezes mais altos do que o nível considerado protector. O seu tétano foi severo e exigiu mais de cinco semanas de internação para salvar a sua vida. Este caso demonstrou que a antitoxina sérica não conseguiu prevenir o tétano grave, mesmo nas quantidades 2.500 vezes maiores do que o que é considerado suficiente para a prevenção do tétano em adultos.

O estabelecimento médico opta por fechar os olhos à falta de evidências científica sólidas para sustentar a fé na vacina do tétano. Ele também escolhe ignorar as evidências experimentais e clínicas disponíveis que contradizem a capacidade assumida, mas não comprovada, da antitoxina sérica induzida pela vacina de reduzir o risco de tétano em qualquer pessoa que não seja recém-nascido materno-vacinado, que nem precisa dessa medida de vacinação quando o seu cordão umbilical é tratado com técnicas estéreis.

Ácido ascórbico no tratamento do tétano

O anti-soro não é a única medida terapêutica testada no tratamento do tétano. O ácido ascórbico (vitamina C) também foi tentado. Pesquisas preliminares sobre o ácido ascórbico demonstraram que também poderia neutralizar a toxina do tétano [12].

Num estudo clínico sobre o tratamento do tétano realizado em Bangladesh em 1984, a administração de procedimentos convencionais, incluindo o soro antitetânico, aos pacientes que contraíram tétano, deixou 74% deles mortos na faixa etária entre 1 a 12 anos e 68% mortos na faixa etária dos 13 aos 30 anos. Em contraste, a co-administração diária de uma grama de ácido ascórbico por via intravenosa reduziu essa alta mortalidade para 0% na faixa etária de 1 a 12 e para 37% na faixa etária de 13 a 30 anos. [13] Os pacientes mais velhos foram tratados com a mesma quantidade de ácido ascórbico sem ajustes para o peso corporal.

Embora este tenha sido um ensaio clínico controlado, não é claro a partir da descrição do ensaio na publicação de Jahan et al. se a atribuição de pacientes aos grupos de tratamento com ácido ascórbico versus o grupo de controlo de placebo foi aleatória e cega, que são requisitos bio-estatísticos cruciais para serem evitados diferentes vieses. Um estudo mais definitivo é considerado necessário antes de que o ácido ascórbico intravenoso possa ser recomendado como padrão de tratamento do tétano [14]. É estranho que nenhum estudo controlado aleatório devidamente documentado sobre o ácido ascórbico no tratamento do tétano tenha sido tentado desde 1984 em benefício dos países em desenvolvimento, onde o tétano tem sido uma das principais doenças mortais. Isso contrasta fortemente com os milhões de dólares filantrópicos que estão a ser investidos no patrocínio da implementação da vacina contra o tétano no Terceiro Mundo.

Resistência natural ao tétano

No início do século 20, os investigadores Drs. Carl Tenbroeck e Johannes Bauer prosseguiram uma linha de investigação em laboratório que estava muito mais perto de explicar a resistência natural ao tétano do que a pesquisa típica de laboratório sobre a antitoxina, nesse tempo. Omitido dos livros imunológicos e da história da pesquisa imunológica, as suas experiências de protecção contra o tétano em cobaias, juntamente com dados sorológicos e bacteriológicos relevantes aos humanos, fornecem uma boa explicação para o facto do tétano ser uma doença bastante rara em muitos países ao redor do mundo, excepto sob as condições das guerras passadas.

Na experiência desses investigadores do tétano, a injecção de esporos de tétano inativos nunca poderia, por si só, induzir o tétano em animais de pesquisa. Para induzir o tétano experimentalmente por meio de esporos de tétano (ao contrário de injectar uma toxina pré-fabricada, algo que nunca acontece nas circunstâncias naturais de qualquer forma), os esporos tiveram de ser pré-misturados com substâncias irritantes que poderiam prevenir a cicatrização rápida do local de injecção dos esporos, criando assim as condições propícias à germinação de esporos. No passado, os investigadores usaram estilhaços de madeira, saponina, cloreto de cálcio ou aleuronat (farinha feita com aleurona) para realizar esta tarefa.

Em 1926, já ciente de que a exposição oral aos esporos de tétano não levava ao tétano clínico, os Drs. Tenbroeck e Bauer procuraram determinar se os animais de pesquisa alimentados com esporos de tétano poderiam fornecer protecção contra o tétano induzida por um método apropriado de injeção de esporos em laboratório. Na sua experiência, vários grupos de cobaias receberam alimentos que continham as cepas distintas de C. tetani. Um grupo separado de animais foi usado como controlo – a sua dieta estava livre de qualquer C. tetani. Após seis meses, todos os grupos foram injectados sob a pele com esporos pré-misturados com aleuronat. Os grupos que foram previamente expostos a esporos por via oral não desenvolveram nenhum sintoma de tétano após essa injecção de esporos propensos ao tétano, enquanto que o grupo controlo desenvolveu. A protecção observada era específica da cepa, já que os animais ainda contraiam tétano quando injectados com esporos duma estirpe incompatível – uma cepa com a qual não foram alimentados. Mas quando alimentados com múltiplas cepas, eles desenvolviam protecção contra todas.

De forma evidente, a proteção do tétano estabelecida através da alimentação com esporos não teve nada a ver com os níveis de antitoxina no soro desses animais. Em vez disso, a protecção correlacionou-se com a presença de outro tipo de anticorpo chamado aglutinina, assim chamado devido à sua capacidade de aglutinar (agrupar) esporos de C. tetani num tubo de ensaio. Assim como a protecção observada era específica da cepa, as aglutininas também eram específicas da mesma. Estes dados são consistentes com o papel das aglutininas específicas da cepa, não da antitoxina, na proteção natural contra o tétano. Ainda assim o mecanismo pelo qual as aglutininas específicas da cepa causaram, ou correlacionaram-se com a protecção contra o tétano nesses animais, permaneceu inexplorado desde então.

Na experiência de alimentação de esporos, ainda era possível induzir o tétano obliterando essa protecção natural nos animais de pesquisa. Mas, para realizar essa tarefa, era necessário um procedimento de força bruta. Um grande número de esporos purificados de C. tetani era selado numa cápsula de vidro. A cápsula era injectada sob a pele dos animais de pesquisa e depois esmagada.

Os pedaços de vidro quebrados foram propositadamente deixados sob a pele das pobres criaturas de modo que o caos sangrento fosse impedido de sarar durante muito tempo. Os investigadores conseguiram superar as defesas naturais do tétano com esse método excessivamente duro, talvez imitando um cenário de feridas infligidas pela guerra.

Como é que esses dados experimentais em animais de pesquisa se relacionam com os seres humanos?

No início do século 20, não só os animais, mas também os humanos, eram portadores intestinais de C. tetani sem desenvolver tétano. Cerca de 33% dos indivíduos humanos testados que viviam na zona de Pequim, na China, eram portadores de C. tetani sem histórico actual ou de antecedentes da doença do tétano [15]. Bauer & Meyer (1926) citam outros estudos, que relataram que cerca de 25% dos humanos testados eram portadores saudáveis da C. tetani noutras regiões da China, 40% na Alemanha, 16% na Inglaterra e, em média, 25% nos EUA, mais elevado na Califórnia central e mais baixo na Costa Sul. Com base no estudo, idade, género ou ocupação, na Califórnia, a proximidade com cavalos não pareceu desempenhar um papel na distribuição dos portadores humanos da C. tetani.

Outro estudo foi realizado na década de 1920 em San Francisco, CA. [16] Cerca de 80% dos indivíduos examinados apresentaram vários níveis de aglutininas para até cinco cepas de C. Tetani, de cada vez, embora nenhuma antitoxina pudesse ser detectada no soro desses indivíduos. Os organismos de C. tetani também não foram identificados nas fezes desses indivíduos. É provável que os esporos de tétano estivessem no intestino algures no passado, deixando evidências sorológicas da exposição oral, sem germinarem em organismos que produzem toxinas. Seria importante conhecer a extensão das aglutininas de esporos de C. tetani naturalmente adquiridas em seres humanos em várias partes do mundo agora, em vez de confiar nos dados antigos, mas estudos semelhantes provavelmente não serão mais realizados.

Infelizmente, novas pesquisas sobre as aglutininas naturalmente adquiridas e sobre exactamente como elas estão envolvidas na protecção do tétano clínico, pareceem ter sido abandonadas a favor das pesquisas mais lucrativas sobre antitoxinas e vacinas. Se essa pesquisa continuasse, isso daria-nos uma compreensão clara das defesas naturais contra o tétano que já possamos ter em virtude da nossa exposição oral aos esporos ubiquitários da C. Tetani, inativos.

Uma vez que a extensão da nossa resistência natural ao tétano clínico é desconhecida devido à falta de estudos recentes, tudo o que podemos ter certeza é que impedir que os esporos latentes do tétano gerem microorganismos produtores de toxinas é uma medida extremamente importante no maneio de cortes de pele e feridas potencialmente contaminados. Se este estágio crucial de controlo – no nível da prevenção da germinação de esporos – é falhado e a produção da toxina prossegue, a toxina deve ser neutralizada antes que ele atinja as terminações nervosas.

Tanto a antitoxina como o ácido ascórbico exibem propriedades de neutralização da toxina num tubo de ensaio. No corpo, no entanto, a antitoxina induzida pela vacina está localizada no sangue, enquanto que a toxina pode ser produzida localmente na pele ou na lesão muscular. Isso cria um impedimento físico óbvio para que a neutralização da toxina ocorra eficazmente e, se for caso disso, por meio da antitoxina sérica induzida pela vacina. Para aém disso, nenhum ensaio controlado com placebo já foi realizado para excluir a preocupação com esse impedimento, fornecendo evidências empíricas claras da eficácia do tétano em crianças e adultos. No entanto, o estabelecimento médico depende da indução da antitoxina sérica e retém o ácido ascórbico na prevenção e tratamento do tétano.

Quando um antigo procedimento médico de eficácia desconhecida, como a vacina do tétano, tem sido o padrão nos cuidados médicos desde há muito tempo, determinar a sua eficácia através de um estudo rigoroso rigoroso e controlado por placebo em humanos é considerado como sendo não ético. Portanto, a nossa única esperança para o avanço do tratamento do tétano é que seja realizada uma investigação mais aprofundada com a terapia do ácido ascórbico e que essa terapia se torne disponível para pacientes com tétano por todo o mundo, a ser confirmada como eficaz de acordo com os padrões bio-estatísticos rigorosos.

Até lá, que a fé cega na vacina do tétano nos ajude!

Sobre a autora

Tetyana ObukhanychTetyana Obukhanych terminou o seu Ph.D. em Imunologia na Universidade Rockefeller em Nova Iorque, com a sua dissertação focada na compreensão da memória imunológica, percepcionada pelo estabelecimento biomédico dominante como a chave para vacinação e imunidade. Posteriormente, ela foi envolvida em pesquisas laboratoriais como pesquisadora de pós-doutorado em importantes instituições biomédicas, como a Harvard Medical School e a Stanford University School of Medicine.

Tendo tido várias doenças na sua infância apesar de estar devidamente vacinada contra elas, a Dr. Obukhanych realizou uma investigação minuciosa das descobertas científicas sobre a vacinação e imunidade. Com base na sua análise, a Dra. Obukhanych articulou uma visão que desafia as premissas e as teorias gerais sobre a vacinação no seu e-book A Ilusão das Vacinas.

A Dra. Obukhanych continua a sua análise independente e aprofundada dos resultados científicos revistos por pares relacionados com a vacinação e dos requisitos naturais da função do sistema imunológico. O seu objectivo é mostrar uma perspectiva cientificamente fundamentada e sem dogmas, sobre a vacinação e imunidade natural aos pais e profissionais de saúde.

Disponível para descarregar aqui.

Referâncias do artigo

[1] Tenbroeck, C. & Bauer, J.H. The immunity produced by the growth of tetanus bacilli in the digestive tract. J Exp Med 43, 361-377 (1926).

[2] Fishman, P.S., Matthews, C.C., Parks, D.A., Box, M. & Fairweather, N.F. Immunization does not interfere with uptake and transport by motor neurons of the binding fragment of tetanus toxin. J Neurosci Res 83, 1540-1543 (2006).

[3] Schofield, F.D., Tucker, V.M. & Westbrook, G.R. Neonatal tetanus in New Guinea. Effect of active immunization in pregnancy. Br Med J 2, 785-789 (1961).

[4] Newell, K.W., Dueñas Lehmann, A., LeBlanc, D.R. & Garces Osorio, N. The use of toxoid for the prevention of tetanus neonatorum. Final report of a double-blind controlled field trial. Bull World Health Organ 35, 863-871 (1966).

[5] Demicheli, V., Barale, A. & Rivetti, A. Vaccines for women to prevent neonatal tetanus. Cochrane Database Syst Rev 5:CD002959 (2013).

[6] Maselle, S.Y., Matre, R., Mbise, R. & Hofstad, T. Neonatal tetanus despite protective serum antitoxin concentration. FEMS Microbiol Immunol 3, 171-175 (1991).

[7] Fox, S.B. & Khong, T.Y. Lack of innervation of human umbilical cord. An immunohistological and histochemical study. Placenta 11, 59-62 (1990).

[8] Bauer, J.H. & Meyer, K.F. Human intestinal carriers of tetanus spores in California. J Infect Dis 38, 295-305 (1926).

[9] LaForce, F.M., Young, L.S. & Bennett, J.V. Tetanus in the United States (1965-1966): epidemiologic and clinical features. N Engl J Med 280, 569-574 (1969).

[10] Editorial: Tetanus in the United States Army in World War II. N Engl J Med 237, 411-413 (1947).

[11] Abrahamian, F.M., Pollack, C.V., Jr., LoVecchio, F., Nanda, R. & Carlson, R.W. Fatal tetanus in a drug abuser with “protective” antitetanus antibodies. J Emerg Med 18, 189-193 (2000).

Beltran, A. et al. A case of clinical tetanus in a patient with protective antitetanus antibody level. South Med J 100, 83 (2007).

Berger, S.A., Cherubin, C.E., Nelson, S. & Levine, L. Tetanus despite preexisting antitetanus antibody. JAMA 240, 769-770 (1978).

Crone, N.E. & Reder, A.T. Severe tetanus in immunized patients with high anti-tetanus titers. Neurology 42, 761-764 (1992).

Passen, E.L. & Andersen, B.R. Clinical tetanus despite a protective level of toxin-neutralizing antibody. JAMA 255, 1171-1173 (1986).

Pryor, T., Onarecker, C. & Coniglione, T. Elevated antitoxin titers in a man with generalized tetanus. J Fam Pract 44, 299-303 (1997).

[12] Jungeblut, C.W. Inactivation of tetanus toxin by crystalline vitamin C (L-ascorbic acid). J Immunol 33, 203-214 (1937).

[13] Jahan, K., Ahmad, K. & Ali, M.A. Effect of ascorbic acid in the treatment of tetanus. Bangladesh Med Res Counc Bull 10, 24-28 (1984).

[14] Hemilä, H. & Koivula, T. Vitamin C for preventing and treating tetanus. Cochrane Database Syst Rev 2:CD006665 (2008).

[15] Tenbroeck, C. & Bauer, J.H. The tetanus bacillus as an intestinal saprophyte in man. J Exp Med 36, 261-271 (1922).

[16] Coleman, G.E. & Meyer, K.F. Study of tetanus agglutinins and antitoxin in human serums. J Infect Dis 39, 332-336 (1926).

Fonte: http://www.greenmedinfo.com/blog/tetanus-shot-how-do-we-know-it-works

A vacina contra a gripe é totalmente ineficaz por causa da forma como é fabricada, revela um novo estudo

A vacina contra a gripe é totalmente ineficaz por causa da forma como é fabricada, revela um novo estudo

vacina da gripe

Um novo e inovador estudo publicado por investigadores do The Scripps Research Institute (TSRI) na Flórida, determinou que a forma como as vacinas contra a influenza são feitas, praticamente desde o início, é essencialmente imperfeita e o resultado final torna as vacinas contra a gripe em grande parte ineficazes.

Isso tem a ver com a forma como os fabricantes das vacinas usam os ovos de galinha como incubadoras para o crescimento dos vírus sazonais da gripe, uma prática que por si só é controversa pelo facto de que o uso de embriões de frango nas vacinas foi associado às alergias a ovos.

Pelo menos nos últimos 70 anos, os fabricantes das vacinas têm injectado vírus da gripe em ovos de galinha, de modo a permitir-lhes terem tempo para se replicarem. Depois desta replicação estar terminada, o fluido é drenado dos ovos e o vírus é extraído – os próprios ovos funcionam como um ambiente de crescimento artificial onde os vírus da gripe florescem.

Mas, de acordo com as descobertas deste novo estudo, que foram publicadas na revista de acesso livre PLOS Pathogens, os ovos de galinha realmente acabam por introduzir perturbações nas principais zonas-alvo dos anticorpos nas superfícies dos vírus da gripe, fazendo com que eles se tornem menos eficazes posteriormente quando são injectados nos corpos humanos.

“Agora podemos explicar – ao nível atómico – porque é que a produção de vacinas à base de ovos causa problemas”, afirmou Nicholas Wu, Ph.D., um dos principais autores do estudo. [enfase adicionado]

A forma como as vacinas são produzidas em massa faz com que elas adquiram mutações, tornando-as inúteis.

Para o estudo, Wu e seus colegas testaram a progressão do vírus da gripe H3N2 à medida que incubava nos ovos de galinha. O H3N2, afinal, é um dos vários subtipos de gripe que se tornou mais prevalente e virulento, razão pela qual tipicamente acaba nas vacinas contra a gripe ano após ano.

Usando uma técnica de imagem de alta resolução conhecida como cristalografia de raios-X, para examinar mais de perto o H3N2, a equipa descobriu que uma proteína chave no vírus muda tanto durante a incubação em ovos de galinha que já não funciona para o emparelhamento em seres humanos. Na realidade, o resultado final é que as células das aves, ao invés das células humanas, acabam por estar melhor ajustadas.

Esta mutação é descrita no estudo como L194P, e ocorre na glicoproteína da hemaglutinina H3N2, também conhecida como HA. Afirmam que interrompe completamente a região da proteína que o sistema imunológico humano pode reconhecer, tornando-a completamente ineficaz em termos prácticos.

Para que uma vacina contra a gripe (ou qualquer outra vacina no que a isto diz respeito) seja considerada eficaz, ela deve activar continuamente uma resposta imune dentro do corpo e que resulta na criação de anticorpos para combater o virus real. Mas a mutação H3N2 que resulta dos procedimentos convencionais de incubação durante a produção da vacina deixa o vírus impotente, por assim dizer.

“Qualquer vírus da gripe produzido em ovos tem de se adaptar ao crescimento nesse ambiente e, portanto, gerar mutações para crescer melhor”, admitiu Ian Wilson, um professor da Universidade de Hansen de biologia estrutural na TSRI, e o principal autor do estudo.

Para além disso, seu colega Wu pediu aos produtores das vacinas para “olharem para essa mutação” e trabalharem numa solução. Ele e os seus colegas afirmaram que outros métodos de produção de vacinas que as tornam mais eficazes “estão agora a serem usados e explorados”.

“Há uma grande necessidade de investigação das vacinas contra a gripe”, afirmou Wu.

A ineficácia das vacinas contra a gripe não é novidade, é claro. A Natural News tem feito soar o alarme sobre a fraude das vacinas contra a gripe desde há anos, destacando ainda que as pessoas correm um grande risco cada vez que concordam em ter seus órgãos injectados com vacinas contra a gripe que, além de vírus ineficazes, geralmente contêm mercúrio (timerosal), alumínio e vários outros aditivos auxiliares que são tóxicos.

As fontes deste artigo incluem:

ScienceDaily.com

TheRefusers.com

NaturalNews.com

Fonte: https://www.naturalnews.com/2017-11-02-scientific-proof-flu-vaccine-found-to-be-completely-ineffective-because-of-how-it-is-made-new-study-finds.html