Médicos patrocinados pela indústria: novo estudo mostra o alcance da influência comercial

Médicos patrocinados pela indústria: novo estudo mostra o alcance da influência comercial

Os eventos de educação profissional são fortemente patrocinados por empresas farmacêuticas, que promovem os seus produtos como sendo a solução. Essa técnica amplamente usada de coação e desinformação, onde fármacos com riscos elevados são apresentadas como tendo efeitos colaterais minimizados, foi exposta num recente estudo do BMJ Open.

A revista médica online BMJ Open publicou recentemente um estudo de coorte retrospectivo intitulado A educação patrocinada pela indústria promove o sobrediagnóstico e o tratamento excessivo da depressão, osteoporose e síndrome da bexiga hiperativa? Um estudo de coorte australiano, analisando os eventos patrocinados pela indústria, publicamente reportados na Austrália, de outubro de 2011 a setembro de 2015, os investigadores concentraram-se em três condições sujeitas a super-diagnóstico e tratamento: depressão, osteoporose e bexiga hiperactiva.

Durante o período de 4 anos do estudo, foram identificados 3.132 eventos, com aproximadamente 96.660 participantes. Esses eventos foram atendidos por médicos de cuidados primários com mais frequência do que os eventos patrocinados sem um foco nas três condições identificadas no estudo.

Os investigadores descobriram uma forte concentração de patrocínios entre apenas algumas empresas. Duas empresas patrocinaram mais de 70% dos eventos de depressão; outras duas empresas mais de 80% dos eventos da bexiga hiperactiva.

Os investigadores concluíram o seguinte:

“…os clínicos gerais geralmente eram direccionados, o jantar costumava ser oferecido e algumas empresas patrocinavam a maioria dos eventos. Na maioria dos casos, os produtos dos patrocinadores não são opções económicas para a condição especificada.”

Os investigadores inicialmente levantaram a hipótese de que os departamentos de marketing da empresa para cada condição patrocinariam eventos relacionados e que o público-alvo trabalharia principalmente nos cuidados primários, refletindo uma ampla população de pacientes. O que eles encontraram foi em alinhamento com a hipótese deles. Os resultados do estudo mostraram o seguinte:

“A Servier, que comercializa a Agomelatina ea AstraZeneca (quetiapina), patrocinou 51,2% e 23,0% dos eventos de depressão, respectivamente. A Amgen e a GlaxoSmithKline, que comercializam o Denosumabe, patrocinaram 49,5% dos eventos de osteoporose e a Astellas e a Commonwealth Serum Laboratories (CSL) (mirabegron). e solifenacina) patrocinaram 80,5% dos eventos de bexiga hiperactiva. ”

O estudo destaca a necessidade da educação profissional ser livre do patrocínio comercial.

Profissionais médicos são continuamente influenciados, directa e indirectamente, por interesses farmacêuticos e comerciais que podem ter consequências negativas no mundo real para os seus pacientes.

Enquanto o recente estudo australiano destaca o problema da influência patrocinada pela indústria, outro método mais insidioso pode ser igualmente alarmante. A natureza fraudulenta e selectiva da pesquisa patrocinada pela indústria frequentemente captura os pilares intelectuais e regulatórios da medicina. Por exemplo, em 2015, a BMJ publicou o Restoring Study 329, um esforço de uma década de vários investigadores para descobrirem a verdade sobre os riscos para a saúde e o valor do tratamento de um antidepressivo aprovado para uso por adolescentes. Usando os mesmos dados que a GlaxoSmithKline usou para comercializar o seu antidepressivo Paxil os investigadores, ao fazerem o estudo restaurativo 14 anos depois descobriram que:

“Nem a paroxetina nem a imipramina em altas doses demonstraram eficácia para a depressão maior em adolescentes, e houve um aumento nos danos com ambas as drogas”.

Enquanto isso, uma revisão sistemática da Cochrane, de 2012, descobriu que a quetiapina antipsicótica da AstraZeneca, destacada no recente estudo australiano da BMJ, tinha evidências de eficácia limitadas para a depressão.

A influência da indústria sobre a base de conhecimento, a prescrição de hábitos e crenças dos profissionais da medicina, muitas vezes torna os remédios naturais e as verdadeiras soluções de cura para a depressão, osteoporose e bexiga hiperactiva invisíveis. Modalidades com menos potencial para efeitos colaterais graves muitas vezes tornam-se as vítimas do efeito global, acabando o paciente por ter assumir o ónus do risco e de resultados abaixo do padrão.

Quão mau pode ser? Uma retrospectiva dos últimos vinte anos revela uma história corrosiva de uma epidemia de opiáceos nos E.U.A. causada, em parte, pela combinação da educação patrocinada pela indústria e pesquisas fraudulentas.

O Dr. David Kessler, comissário da Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA), quando o opióide OxyContin da Purdue Pharma, o fármaco que deu início à epidemia nos E.U.A, ganhou a aprovação da agência em 1995, reconheceu:

“Sem dúvida, foi um erro. Foi certamente um dos piores erros médicos, um grande erro.”

Foi o primeiro opiáceo a ganhar o selo de aprovação da FDA, apesar da falta de testes e provas comprovadas da segurança e eficácia dos medicamentos. A Purdue então enviou um vídeo promocional para aproximadamente 15 mil médicos, aos quais foi dito que o OxyContin era “menos de 1% viciante” – um número que estudos subsequentes provaram ser falso.

Uma vez que a esmagadora evidência da devastação da crise de opiáceos começou a ser destacada pelos meios de comunicação, o então presidente Richard Sackler, da Purdue, escreveu num e-mail confidencial:

“…Temos que martelar os abusadores de todas as formas possíveis. Eles são os culpados e são o problema. Eles são criminosos imprudentes”.

A medicina estabelecida parece estar nos estágios iniciais de confrontar os seus pontos cegos patrocinados pela indústria. À medida que mais profissionais começam a escapar dos seus grilhões farmacêuticos míopes em busca da verdadeira cura, é essencial que os pacientes se empoderem ao lado desse Despertar, e se tornem participantes activos nas suas jornadas individuais de cura. Por favor, use o painel de pesquisa da GreenMedInfo para aceder a mais de 10.000 tópicos, baseados em evidências, relacionados com a medicina natural e integrativa. E partilhe esse recurso, e este artigo e outros, com amigos e familiares, que podem subscrever, de forma complementar, a nossa newsletter aqui.

Médicos patrocinados pela indústria: novo estudo mostra o alcance da influência comercial 2

Jefferey Jaxen é pesquisador, jornalista investigador independente, escritor e voz da liberdade na saúde, na linha de frente da mudança da sociedade em direcção à Consciência superior. Visite o site dele aqui para saber mais.

Fonte: http://www.greenmedinfo.com/blog/industry-sponsored-doctors-new-study-shows-depth-commercial-influence?fbclid=IwAR3Rb4F211bUYFTmyxq8cqQ-tVGyMVDh_ZMUgZYqu5B0puIWAYr75DTLnas

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.