Mês: Outubro 2018

Tudo o que aprendeu sobre os vírus está errado

Tudo o que aprendeu sobre os vírus está errado

Tudo o que aprendeu sobre vírus está errado

Pesquisas pioneiras indicam que a maior parte do que acreditamos acerca das propriedades, supostamente mortais, de vírus como o da gripe é baseado apenas em superstições e mitos institucionalizados.

A teoria dos germes é uma força imensamente poderosa neste planeta, afetando desde as interações quotidianas como um aperto de mão até ás agendas nacionais de vacinação e campanhas de erradicação globais.

Mas e se as pesquisas fundamentais sobre o que exactamente esses “patogenos” são e como eles nos infectam ainda não foram concretizadas? E se muito do que é assumido e acreditado acerca do perigo dos micróbios, em particular dos vírus, tiver sido completamente comprometido à luz das novas descobertas radicais da microbiologia?

Alguns do nossos leitores já sabem que, nas minhas publicações anteriores, abordei o porquê do conceito de “germes como inimigos” ter sido dizimado pela descoberta relativamente recente do microbioma. Para obter informações detalhadas sobre esse assunto, leia meu artigo anterior, Como o microbioma destruiu o ego, a política das vacinas e o patriarcado. Também pode ler as Implicações Profundas do Viroma para a Saúde Humana e Autoimunidade, para entender melhor como os vírus são realmente benéficos para a saúde.

Neste artigo, vou adoptar uma abordagem menos filosófica e focar-me na gripe como um exemplo mais concreto da mudança de paradigma de uma forma copernicana na biomedicina e nas ciências da vida em que estamos actualmente totalmente imersos, apesar da medicina dominante falhar em reconhecê-lo.

Os mortais vírus da gripe: vacinar ou morrer?

Pela forma hiperbólica com que os formuladores de políticas de saúde e os grandes meios de comunicação falam sobre isso hoje, o vírus da gripe é uma força letal, contra a qual todos os cidadãos, de 6 meses ou mais, precisam tomar uma vacina anual contra a gripe para se protegerem, para não enfrentarem as suas consequências mortais. Pior, aqueles que defendem objecções religiosas ou filosóficas, ou que se opõem conscientemente à vacinação, estão a ser caracterizados como prejudiciais aos outros ao negar-lhes a imunidade colectiva (um conceito que foi completamente desmentido por um estudo cuidadoso das evidências, ou pela falta delas). Por exemplo, na entrevista abaixo, Bill Gates diz a Sanjay Gupta que ele acha que os não-vacinadores “matam crianças”:

Mas e se eu lhe dissesse que nem sequer existe o vírus da gripe, na forma de um vector de doença monolítico existente fora de nós, concebido como a relação entre predador e presa?

Primeiro, considere que a muito autoritária Cochrane Colaboration reconhece que existem muitos vírus da gripe diferentes e que não são, de facto, a influenza A – contra as quais as vacinas contra a gripe são direccionadas – mas que podem contribuir para sintomas idênticos aos atribuídos à gripe A:

“Mais de 200 vírus causam gripe e doenças semelhantes à gripe e que produzem os mesmos sintomas (febre, dor de cabeça, dores, tosse e corrimento nasal). Sem exames laboratoriais os médicos não conseguem distinguir as duas doenças. Ambas duram dias e raramente levam a morte ou doença grave. Na melhor das hipóteses, as vacinas podem ser eficazes contra apenas a Influenza A e B, que representam cerca de 10% de todos os vírus circulantes”. (Fonte: Cochrane Summaries). [Ênfase adicionado]

Isso faz com que um quadro de complexidade que mina poderosamente as políticas de saúde que pressupõem que a vacinação é equivalente à imunidade legítima e, por implicação, exige que o rebanho participe colectivamente no ritual das campanhas de vacinação em massa como uma questão de responsabilidade social e de necessidade.

Até mesmo o uso da palavra “imunização” para descrever a vacinação é altamente enganador. No momento em que a palavra é usada, ela já pressupõe eficácia, e faz parecer que os não-vacinadores são anti-imunidade, em vez do que eles realmente são: pró-imunidade (via ar, comida e água limpa e luz solar), mas não querem submeter-se a si mesmos ou aos seus filhos saudáveis a procedimentos médicos “inevitavelmente inseguros”, com apenas benefícios teóricos.

Porque é que o vírus da gripe não existe (da maneira como foi dito)

Mas o tópico fica ainda mais interessante quando consideramos as descobertas de um estudo de 2015 intitulado Características específicas conservadas e hospedeiras da arquitetura do virião da gripe. Esse foi o primeiro estudo a analisar a real composição molecular do vírus da influenza. Surpreendentemente e dada a longa história de uso e promoção de vacinas, a caracterização completa das proteínas que ela contém e de onde elas derivam nunca tinha sido realizada anteriormente. Como investimos bilhões de dólares anualmente em vacinas contra a gripe e criamos uma campanha global para contra-atacar um inimigo viral, cujos blocos básicos que nem conhecemos, é difícil de entender. Mas é verdade, contudo.

O resumo do estudo abre com esta linha altamente provocadora:

“Os vírus usam viriões para se disseminarem entre os hospedeiros, e a composição do virião é, portanto, o principal determinante da transmissibilidade e imunogenicidade viral” [Ênfase adicionado]

Os viriões também são conhecidos como “partículas virais” e são os meios pelos quais os ácidos nucleicos virais são capazes de se moverem e “infectarem” organismos vivos. Sem a partícula viral (transporte) para transportar o ADN do vírus (passageiro) seria inofensivo e, de facto, os vírus são frequentemente descritos como existindo em algum lugar entre objectos vivos e inanimados por essa razão: eles não produzem a sua própria energia, nem são transmissíveis sem um hospedeiro vivo. E assim, nesta primeira linha, os autores deixam claro que a composição do virião é também o determinante primário de um vírus ser infeccioso (transmitir) e que efeitos ele terá no sistema imunológico do hospedeiro infectado.

Tudo o que aprendeu sobre vírus está errado
Partículas virais da gripe.

Essa distinção é importante porque muitas vezes pensamos nos vírus como simples cadeias patogênicas de ADN ou ARN. A ironia, é claro, é que as próprias coisas às quais atribuímos tanta letalidade, como os ácidos nucléicos virais, nem estão vivos, nem podem infectar um organismo sem todos os outros componentes (proteínas, lipídios e ácidos nucleicos extra-virais) que são, tecnicamente, de origem não viral e participam do processo. E assim, se os componentes que não são virais são essenciais para o vírus causar danos, como podemos continuar a afirmar que enfrentamos uma entidade monolítica da doença “lá fora” e que “nos infecta”, uma vítima passiva? É fundamentalmente não sensorial, dados esses achados. Isso também enfraquece claramente a retórica incessante e baseada no medo que é atribuída ao uso pró-vacina para coagir as massas a se submeterem ao ritual da vacinação baseada na fé.

Vamos nos aprofundar as descobertas do estudo…

A próxima linha do estudo aborda o facto que mencionamos no início deste artigo, que existe uma grande complexidade ao nível da variabilidade profunda na composição do virião:

“No entanto, os viriões de muitos vírus são complexos e pleomórficos, dificultando a análise detalhada”

Mas esse problema da grande variabilidade na composição do vírus da gripe é exactamente o motivo pelo qual o estudo foi conduzido. Eles explicam:

“Aqui tratamos disso identificando e quantificando proteínas virais com espectrometria de massa, produzindo um modelo completo e quantificável das centenas de proteínas virais e codificadas pelo hospedeiro que compõem os viriões pleomórficos do vírus da gripe. Mostramos que uma arquitetura conservada do virião da gripe, que inclui quantidades substanciais de proteínas hospedeiras, bem como a proteína viral NSI, é elaborada com características abundantes e dependentes do hospedeiro. Em resultado disso, os viriões da gripe produzidos por hospedeiros mamíferos e aviários têm composições proteicas distintas.”

Por outras palavras eles descobriram que o vírus da gripe é composto tanto por material biológico do hospedeiro que o vírus infecta, quanto pelo material genético viral do vírus em si.

Como então diferenciamos o vírus da influenza do “outro”? Dado que não existiria sem as proteínas do “eu”, ou de outros animais hospedeiros como pássaros (aves) ou insetos, isso seria impossível de fazer mantendo qualquer honestidade intelectual intacta.

Existe também o problema significativo apresentado pela produção de vacinas contra a gripe. Actualmente, o antígeno da vacina contra a gripe humana é produzido por meio de insetos e ovos de galinha. Isto significa que as partulas virais extra destes hospedeiros conteriam proteínas estranhas e iriam, portanto, produzir respostas imunológicas diferentes e / ou imprevisíveis em seres humanos comparado ao que seria esperado de partíulas virais de influenza humanas. Uma possibilidade é que as dezenas de proteínas estranhas encontradas dentro da gripe aviária possam, teoricamente, produzir antígenos em humanos que reagem de forma cruzada com as autoestruturas, resultando em autoimunidade. O teste de segurança, actualmente, não testa essas reações cruzadas. Claramente, esta descoberta abre uma caixa de Pandora de potenciais problemas que nunca foram suficientemente analisados, uma vez que nunca foi entendido até agora que a “gripe” é tão completamente dependente do hospedeiro para a sua transmissibilidade e imunogenicidade.

Serão os vírus da gripe somente exossomas “sequestrados”?

Por fim, o estudo identificou algo ainda mais surpreendente:

“Finalmente, notamos que os viriões da gripe partilham uma composição proteica subjacente com os exossomos, sugerindo que os viriões da gripe formam-se subvertendo a produção da miro-vesícula.”

O que esses investigadores dizem é que descobriram que as partículas de viriões partilham semelhanças impressionantes com as partículas semelhantes a vírus que ocorrem naturalmente, produzidas por todas as células vivas e chamadas de exossomas. Os exossomas, como muitos vírus (isto é, vírus com envelope) estão encerrados numa membrana e estão dentro da gama de tamanho dos 50-100 nanómetros que os vírus têm (20-400 nm). Eles também contêm moléculas biologicamente activas, como proteínas e lípidos, bem como informações, como moléculas que contêm informações como os ARNs – exactamente, ou muito semelhantes, aos tipos de conteúdos que encontramos nas partículas virais.

Assista a este vídeo básico sobre exossomas para para entender melhor:

Quando começamos a olhar para os vírus através das lentes da sua sobreposição com os exossomas que, como portadores de ARNs são essenciais para regularem a expressão da grande maioria do genoma humano, começamos a entender como sua função poderia ser considerada neutra como “transmissores de informação” se não mesmo benéfica. Tanto os exossomas como os vírus podem, na verdade, ser responsáveis pela comunicação e regulação inter-espécies ou entre os reinos da biosfera, por serem capazes de facilitar e intermediar a transferência horizontal de informações entre os organismos. Até mesmo comer um pedaço de fruta contendo esses exossomas pode alterar a expressão de genes de importância vital no nosso corpo.

Tudo o que aprendeu sobre vírus está errado
Exossomas.

À luz dessa perspectiva da Teoria pós-germes, os vírus poderiam ser descritos como peças de informação em busca de cromossomas não inerentemente “maus” mas, de facto, essenciais para mediar a relação genótipo / fenótipo dentro dos organismos, que devem adaptar-se às condições ambientais em constante mudança e em tempo real para sobreviverem. Algo que o ritmo glacial das mudanças genéticas dentro das sequências primárias de nucleotídeos do nosso ADN não pode fazer (por exemplo, pode levar cerca de 100.000 anos para uma sequência genética codificadora de proteína mudar em segundos para que a expressão de um gene codificador da proteína seja alterada via modulação via ARNs virais ou exossómicos).

Isso também não significa que eles sejam “todos bons”. Às vezes, dadas muitas condições fora do seu controlo, as suas mensagens podem apresentar desafios ou desinformação para as células às quais estão expostas, o que poderia resultar num “sintoma de doença”. Mas com a ressalva de que esses sintomas da doença são muitas vezes, se não invariavelmente, tentativas do organismo de se auto-regular e, por fim, melhorar e curar-se.

Por outras palavras, a composição viral do vírus parece ser o subproduto do mecanismo de produção e tráfico de exossomas normais da célula (também conhecido como microvesícula), embora seja influenciado pelo ADN da influenza. E tal como os exossomas, os vírus podem ser um meio de comunicação extracelular entre as células, em vez de simplesmente serem uma entidade patológica da doença. Isso poderia explicar porque é que o corpo acumulado de pesquisas sobre o papel do viroma na saúde humana indica que os chamados agentes infecciosos, incluindo vírus como o do sarampo, conferem benefícios significativos à saúde. [veja: os benefícios para a saúde do sarampo e o poder curativo dos germes].

Outros investigadores chegaram a descobertas semelhantes sobre a relação entre exossomas e vírus, algumas vezes descrevendo o sequestro viral de vias exossómicas como uma hipótese de “cavalo de Tróia”. O HIV pode ser um exemplo disso.

Observações Finais

A descoberta notavelmente recente da natureza dependente do hospedeiro da composição do virião do vírus da gripe, é realmente apenas a ponta de um iceberg intelectual que ainda não emergiu completamente à luz do dia, mas que já está afundando navios, os navios do paradigma, se quiser entender dessa forma.

Um desses paradigmas é o de que os germes são combatentes inimigos e que os vírus não desempenham um papel fundamental na nossa saúde e devem ser erradicados da Terra com drogas e vacinas, se possível.

Essa crença, no entanto, é insustentável. Com a descoberta do papel indispensável do microbioma e a subpopulação de vírus dentro dele – o viroma – nós entramos numa visão inteiramente nova, baseada na ecologia, do corpo e dos seus arredores, e que são fundamentalmente inseparáveis.

Ironicamente, a única coisa que a gripe pode ser capaz de matar é a própria teoria dos germes.

Para uma exploração mais aprofundada disso, assista à palestra abaixo sobre o viroma. Eu prometo que, se fizer isso, não será mais capaz de defender a teoria dos germes como uma verdade monolítica por muito mais tempo. Pode até começar a entender como podemos considerar alguns vírus como “nossos amigos” e por que precisamos dos vírus muito mais do que eles precisam de nós.

Fonte: http://www.greenmedinfo.com/blog/why-only-thing-influenza-may-kill-germ-theory?fbclid=IwAR35T_SuwYphPs2Ix8HTpr_Vd8sjF_JyoqDxj_trf8mVGfMAncO4AIumnHE

As memórias epigenéticas são passadas ao longo de 14 gerações sucessivas, revela pesquisa revolucionária

As memórias epigenéticas são passadas ao longo de 14 gerações sucessivas, revela pesquisa revolucionária

A memória epigenética é passadas ao longo de 14 gerações sucessivas pesquisa revolucionária revela

O passado dos nossos ancestrais sobrevive através de nós: uma pesquisa inovadora ilustra como a experiência dos pais não é apenas epigeneticamente impressa na prole, mas num número sem precedentes de gerações futuras. Em vez de ocorrer na escala de tempo alongada de milhões de anos, a mudança genética pode acontecer em tempo biológico real através de nanopartículas conhecidas como exossomos.

Até recentemente, acreditava-se que os nossos genes ditavam nosso destino. Que estamos fadados às doenças que acabarão por nos afligir com base no código indecifrável pré-codificado gravado em pedra no nosso material genético. O florescente campo da epigenética, no entanto, está derrubando esses princípios e introduzindo uma escola de pensamento em que a nutrição, e não a natureza, é vista como a influência predominante quando se trata da expressão genética e da nossa liberdade ou aflição por doenças crónicas.

Epigenética: o fim do determinismo biológico

A epigenética, ou o estudo dos mecanismos fisiológicos que silenciam ou activam genes, engloba processos que alteram a função do gene sem alterar a sequência de pares de bases nucleotídicas no nosso ADN. Traduzido literalmente significa “além de alterações na sequência genética”, a epigenética inclui processos como metilação, acetilação, fosforilação, sumolização e ubiquidação, que podem ser transmitidos para as células filhas quando da divisão celular (1). A metilação, por exemplo, é a ligação de marcadores simples de grupos metílicos a moléculas de ADN, que podem reprimir a transcrição de um gene quando ocorre na região de um gene promotor. Esse simples grupo metil, ou um carbono ligado a três moléculas de hidrogénio, efetivamente desliga o gene.

Modificações pós-traducionais de proteínas histonas são outro processo epigenético. As histonas ajudam a empacotar e condensar a dupla hélice do ADN no núcleo da célula num complexo chamado cromatina, que pode ser modificado por enzimas, grupos acetila e formas de ARN chamadas pequenos ARNs de interferência e microARNs (1). Essas modificações químicas da cromatina influenciam a sua estrutura tridimensional, que por sua vez governa a sua acessibilidade para a transcrição do ADN e determina se os genes são expressos ou não.

Nós herdamos um alelo, ou variante, de cada gene da nossa mãe e outro do nosso pai. Se o resultado dos processos epigenéticos for o imprinting, um fenómeno em que um dos dois alelos de um par de genes é desactivado, e isso pode gerar um resultado pouco benéfico para a saúde se o alelo expresso estiver com algum defeito ou aumentar a nossa susceptibilidade a infecções ou substâncias tóxicas (1). Estudos relacionam cancros de quase todos os tipos e disfunções neurocomportamentais e cognitivas, doenças respiratórias, distúrbios autoimunes, anomalias reprodutivas e doenças cardiovasculares a mecanismos epigenéticos (1). Por exemplo, a droga antiarrítmica cardíaca procainamida e o agente anti-hipertensivo hidralazina podem causar lúpus em algumas pessoas, causando padrões aberrantes de metilação do DNA e interrompendo as vias de sinalização (1).

Os Genes carregam a arma mas é o ambiente que puxa o gatilho

Os produtos farmacêuticos, no entanto, não são os únicos agentes que podem induzir perturbações epigenéticas. Se nasceu de parto vaginal ou cesariana, amamentado ou por mamadeira, criado com um animal de estimação em casa ou infectado com certas doenças na infância, tudo isso influencia a sua expressão epigenética. Se é sedentário, reza, fuma, medita ou pratica yoga, tem uma extensa rede de apoio social ou está alienado da sua comunidade – todas as suas escolhas de estilo de vida influenciam o risco de doenças que operam através dos mecanismos de epigenética.

De facto, o Centro de Controlo de Doenças (CDC) afirma que a genética responde por apenas 10% das doenças, sendo os restantes 90% devido a variáveis ambientais (2). Um artigo publicado na Biblioteca Pública da Science One (PLoS One) intitulado “Factores genéticos não são as principais causas das doenças crónicas” ecoa essas alegações, citando que a doença crónica é apenas 16,4% genética e 84,6% ambiental (3). Os conceitos fazem sentido à luz da pesquisa sobre os exposomas, a medida cumulativa de todos os ataques ambientais em que um indivíduo incorre durante o seu curso de vida e que determina a suscetibilidade à doença (4)

Ao delinear a totalidade das exposições às quais um indivíduo é submetido ao longo da sua vida, o exposomema pode ser subdividido em três domínios sobrepostos e entrelaçados. Um segmento do exposoma chamado de ambiente interno é composto por processos inatos ao corpo que colidem com o meio celular. Isso engloba hormonas e outros mensageiros celulares, o stresse oxidativo, inflamação, peroxidação lipídica, morfologia corporal, microbiota intestinal, envelhecimento e stresse bioquímico (5).

Outra parte do exposoma, o ambiente externo específico, consiste em exposições, incluindo patógenos, radiação, contaminantes químicos e poluentes, e intervenções médicas, bem como elementos dietéticos, de estilo de vida e ocupacionais (5). A um nível ainda mais amplo, sociocultural e ecológico, está o segmento do exposoma chamado ambiente externo geral, que pode circunscrever factores como o stresse psicológico, status socioeconómico, variáveis geopolíticas, nível educacional, residência urbana ou rural e clima (5).

A herança transgeracional das mudanças epigenéticas: os disruptores endócrinos aceleram a infertilidade nas gerações futuras

Os cientistas anteriormente especularam que as mudanças epigenéticas desapareciam a cada nova geração durante a gametogénese, a formação de espermatozóides e óvulos e após a fertilização. No entanto, esta teoria foi contestada pela primeira vez pela pesquisa publicada na revista Science que demonstrou que a exposição transitória de ratas prenhas ao inseticida metoxicloro, um composto estrogénico, ou o fungicida vinclozolina, um composto antiandrogénico, resultou num aumento da incidência de infertilidade masculina e na diminuição. produção e viabilidade do esperma em 90% dos machos das quatro gerações subsequentes que foram rastreadas (1).

Mais notavelmente, esses efeitos reprodutivos foram associados a desarranjos nos padrões de metilação do ADN na linhagem germinativa, sugerindo que as mudanças epigenéticas são passadas às gerações futuras. Os autores concluíram que:

“A capacidade de um factor ambiental (por exemplo, um desregulador endócrino) reprogramar a linhagem germinativa e promover um estado de doença transgeracional tem implicações significativas para a biologia evolucionária e etiologia da doença” (6, p. 1466).

Isso pode sugerir que os produtos de higiene pessoal e os produtos de limpeza comercial que contêm disruptores endócrinos e fragrâncias aos quais todos estamos expostos, podem desencadear problemas de fertilidade em várias gerações futuras.

A herança transgeracional de episódios traumáticos: A experiência parental dá forma às características da prole

Para além disso, as experiências traumáticas podem ser transmitidas às futuras gerações via epigenética como uma forma de informar a prole sobre as informações mais importantes necessárias para a sua sobrevivência (7). Num estudo, os investigadores colocaram a acetofenona química, presente nas cerejas, nas câmaras com ratos enquanto administravam choques eléctricos, condicionando os ratos a temer o cheiro (7). Essa reacção foi passada em duas gerações sucessivas, que estremeceram significativamente mais na presença da acetofenona, apesar de nunca a terem encontrado, em comparação com osdescendentes dos ratos que não receberam esse condicionamento (7).

O estudo sugere que certas características do ambiente sensorial parental vivido antes da concepção pode remodelar o sistema nervoso sensorial e a neuroanatomia nas gerações subsequentemente concebidas (7). As alterações nas estruturas cerebrais que processam os estímulos olfatórios foram observadas, assim como a representação aumentada do receptor que percepciona o odor em comparação com os ratos de controle e a sua descendência (7). Essas mudanças foram transmitidas por mecanismos epigenéticos, conforme ilustrado pelas evidências de que os genes sensíveis à acetofenona em ratos com medo eram hipometilados, o que pode ter aumentado a expressão de genes de receptores de odorante durante o desenvolvimento, levando à sensibilidade à acetofenona (7).

A experiência humana da fome e tragédia abrange gerações

O estudo do rato, que ilustra como as células germinativas (óvulo e espermatozóide) exibem plasticidade dinâmica e adaptabilidade em resposta aos sinais ambientais, é espelhada por estudos em humanos. Por exemplo as exposições a certos factores de stress, como a fome, durante o período gestacional, está associada a resultados perniciosos para a saúde dos filhos. As mulheres que passam fome antes da concepção dos seus filhos têm demonstrado dar à luz crianças com baixa saúde mental autorreferida e qualidade de vida, por exemplo (8).

Estudos também destacam que:

“A exposição da fome materna ao longo da concepção tem sido relacionada com a prevalência de transtornos afetivos maiores, transtornos de personalidade antissocial, esquizofrenia, diminuição do volume intracraniano e anormalidades congénitas do sistema nervoso central” (8).

A exposição gestacional à fome holandesa em meados do século XX também está associada à menor percepção de saúde (9), bem como ao aumento da incidência de doenças cardiovasculares, hipertensão e obesidade na prole (8). A desnutrição materna durante a gravidez leva à adiposidade neonatal, que é um preditor da obesidade futura (10) nos netos (11).

O impacto da epigenética também é exemplificado pela pesquisa sobre os efeitos intergeracionais do trauma, que esclarece que descendentes de pessoas que sobreviveram ao Holocausto apresentam perfis anormais da hormona de stresse e baixa produção de cortisol em particular (12). Por causa da sua resposta prejudicada ao cortisol e da reactividade ao stresse alterada, os filhos de sobreviventes do Holocausto estão frequentemente sob maior risco de transtorno de stresse pós-traumático (TEPT), ansiedade e depressão (13).

A exposição intrauterina ao stresse materno na forma de violência pelo parceiro íntimo durante a gravidez também pode levar a mudanças no status da metilação do receptor de glicocorticoide (GR) dos seus filhos adolescentes (14). Esses estudos sugerem que a experiência de trauma de um indivíduo pode predispor os seus descendentes a doenças mentais, problemas comportamentais e anormalidades psicológicas devido à “programação epigenética transgeracional de genes operando no eixo hipotalâmico-hipofisário-adrenal”, um conjunto complexo de interações entre glândulas endócrinas e que determinam a resposta ao stresse e a resiliência (14).

As células do corpo passam informação genética directamente para as células espermáticas

Para além disso, os estudos esclarecem que a informação genética pode ser transferida através das células da linhagem germinativa de uma espécie, em tempo real. Estas descobertas que mudam o paradigma derrubam a lógica convencional, que postula que a mudança genética ocorre ao longo da escala de tempo prolongada de centenas de milhares ou mesmo milhões de anos. Num estudo relativamente recente, descobriu-se que os exossomas eram o meio pelo qual a informação era transferida das células somáticas para os gametas.

Esta experiência envolveu o xenotransplante, um processo em que células vivas de uma espécie são enxertadas num receptor de outra espécie. Especificamente, células tumorais do melanoma humano geneticamente modificadas para expressar genes para uma enzima traçadora fluorescente chamada plasmídeo codificador de EGFP, foram transplantadas em ratos. Os investigadores descobriram que moléculas contendo informações e o marcador EGFP foram libertadas no sangue dos animais (15).

Os exossomas, ou “vesículas nanométricas membranosas especializadas derivadas de compartimentos endocíticos que são libertadas por muitos tipos de células” foram encontrados entre as moléculas rastreáveis de EGFP (16, p. 447).

Os exossomas, que são sintetizados por todas as células vegetais e animais, contêm repertórios protéicos distintos e são criados quando o brotamento interno ocorre a partir da membrana de corpos multivesiculares (MVBs), um tipo de organelo que funciona como um compartimento de triagem dentro de células eucarióticas (16). Os exossomas contêm microARN (miARN) e ARN pequeno, tipos de RNA não codificador envolvidos na regulação da expressão génica (16). Neste estudo, os exossomas libertaram ARNs para amadurecerem as células espermáticas (espermatozóides) e permaneceram armazenadas (15).

Os investigadores destacam que esse tipo de ARN pode-se comportar como um “determinante transgeracional das variações epigenéticas hereditárias e que o ARN dos espermatozóides pode transportar e fornecer informações que causam variações fenotípicas na descendência” (15). Por outras palavras, o ARN transportado para espermatozóides por exossomas pode presidir à expressão génica de uma forma que altera as características observáveis e o risco de doença na descendência, bem como a sua morfologia, desenvolvimento e fisiologia.

Este estudo foi o primeiro a elucidar a transferência de informação mediada por ARN das células somáticas para as células germinativas, que fundamentalmente subverte o que é conhecido como a barreira de Weisman, um princípio que afirma que o movimento da informação hereditária dos genes para as células do corpo é unidirecional, e que a informação transmitida pelo óvulo e espermatozoide às gerações futuras permanece independente das células somáticas e da experiência parental (15).

Para além disso, isto pode trazer implicações para o risco de cancro, já que os exossomas contêm grandes quantidades de informações genéticas que podem ser a fonte da transferência génica lateral (17) e são abundantemente libertadas das células tumorais (18). Isso pode ser conciliado com o fato de que vesículas que se assemelham a exossomas foram observadas em vários mamíferos (15), incluindo humanos, em estreita proximidade com espermatozóides em estruturas anatómicas, como o epidídimo, assim como no fluido seminal (19). Esses exossomas podem depois ser propagados para gerações futuras pela fertilização e aumentar o risco de cancro na prole (20).

Os investigadores concluíram que os espermatozóides podem actuar como repositórios finais de informações derivadas de células somáticas, o que sugere que os ataques epigenéticos nas células do nosso corpo podem ser retransmitidos para as gerações futuras. Essa noção é validadora da teoria evolucionista da “herança branda” proposta pelo naturalista francês Jean-Baptiste Lamarck, segundo a qual as características adquiridas ao longo da vida de um organismo são transmitidas à prole, conceito que a genética moderna rejeitou antes que a epigenética entrasse em cena. Desta forma, os espermatozóides são capazes de assimilar espontaneamente moléculas exógenas de ADN e ARN, comportando-se tanto como vectores do seu genoma nativo na medida que o material genético extracromossómico estranho é “entregue aos oócitos na fertilização na geração de animais fenotipicamente modificados” ( 15).

Mudanças epigenéticas duram mais do que o previsto

Num estudo recente, minhocas nematóides foram manipuladas para abrigar um transgene para uma proteína fluorescente, o que fez com que os vermes brilhassem sob a luz ultravioleta quando o gene era activado (21). Quando os vermes foram incubados sob a temperatura ambiente de 20°C (68 ° Fahrenheit), observou-se brilho insignificante, indicando baixa actividade do transgene (21). No entanto, a transferência dos vermes para um clima mais quente de 25°C (77°F) estimulou a expressão do gene, pois os vermes brilhavam intensamente (21).

Mais ainda, essa alteração induzida pela temperatura na expressão génica persistiu por pelo menos 14 gerações, representando a preservação de memórias epigenéticas da mudança ambiental num número sem precedentes de gerações (21). Por outras palavras, os vermes transmitiram memórias de condições ambientais passadas para seus descendentes, através do veículo de mudança epigenética, como forma de preparar os seus filhos para as condições ambientais vigentes e garantir a sua sobrevivência.

Orientações Futuras: Para onde vamos a partir daqui?

Tomada cumulativamente, a investigação acima mencionada desafia as leis mendelianas tradicionais da genética, que postulam que a herança genética ocorre exclusivamente através da reprodução sexual e que os traços são passados para os descendentes através dos cromossomas contidos nas células germinativas, e nunca através de células somáticas (corporais). Efetivamente, isso prova a existência da herança transgeracional não mendeliana, em que traços separados dos genes cromossómicos são transmitidos à descendência, resultando em fenótipos persistentes que perduram ao longo de gerações (22).

Esta pesquisa dá um novo significado ao princípio da mordomia de sete gerações ensinada pelos nativos americanos, que exige que consideremos o bem-estar de sete gerações futuras em cada uma de nossas decisões. Não só devemos incorporar essa abordagem nas práticas de sustentabilidade ambiental, mas seria sensato considerar como as condições a que submetemos os nossos corpos – a poluição e os tóxicos que permeiam a paisagem e permeiam os nossos corpos, o solo sem nutrientes que engendra alimentos pobres em micronutrientes, os transtornos do nosso ritmo circadiano devido à omnipresença dos dispositivos electrónicos, o nosso divórcio da natureza e o desaparecimento das nossas afiliações tribais – podem-se traduzir em efeitos prejudiciais à saúde e qualidade de vida diminuída, para um número anteriormente não-comprovado de gerações subsequentes.

Os riscos da agricultura moderna, a revolução industrial e a vida contemporânea são os

“Impulsionadores conhecidos ou suspeitos por detrás dos processos epigenéticos… incluindo metais pesados, pesticidas, gases de escape do diesel, fumo do tabaco, hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, hormonas, radioactividade, vírus, bactérias e nutrientes básicos”(1, p. A160).

Por acaso, no entanto, muitos insumos como exercício físico, atenção plena e componentes bioactivos em frutas e vegetais, como o sulforafano em vegetais crucíferos, o resveratrol das uvas vermelhas, a genisteína da soja, o sulfeto de dialila do alho, a curcumina do açafrão, a betaína da beterraba e a catequina do chá verde podem modificar favoravelmente os fenómenos epigenéticos

“Inibindo directamente as enzimas que catalisam a metilação do DNA ou as modificações das histonas, alterando a disponibilidade de substratos necessários para essas reacções enzimáticas” (23, p. 8).

Isso sublinha, essencialmente, que o ar que respiramos, a comida que comemos, os pensamentos que nos permitimos ter, as toxinas a que estamos expostos e as experiências pelas quais passamos podem perseverar nos nossos descendentes e permanecerem na nossa descendência muito depois de termos desaparecido. Precisamos de estar cientes dos efeitos das nossas acções, pois provocam um efeito em cascata através das proverbiais areias do tempo.


Referências

1. Weinhold, B. (2006). Epigenetics: The Science of Change. Environmental Health Perspectives, 114(3), A160-A167.

2. Centers for Disease Control and Prevention. (2014). Exposome and Exposomics. Retrieved from https://www.cdc.gov/niosh/topics/exposome/

3. Rappaport, S.M. (2016). Genetic factors are not the major causes of chronic diseases. PLoS One, 11(4), e0154387.

4. Vrijheid, M. (2014). The exposome: a new paradigm to study the impact of environment on health. Thorax, 69(9), 876-878. doi: 10.1136/thoraxjnl-2013-204949.

5. Wild, C.P. (2012). The exposome: from concept to utility. International Journal of Epidemiology, 41, 24–32. doi:10.1093/ije/dyr236

6. Anway, M.D. et al. (2005). Epigenetic transgenerational actions of endocrine disruptors and male fertility. Science, 308(5727), 1466-1469.

7. Dias, B.G., & Ressler, K.J. (2014). Parental olfactory experience influences behavior and neural structure in subsequent generations. Nature Neuroscience, 17(1), 89-98.

8. Stein, A.D. et al. (2009). Maternal exposure to the Dutch Famine before conception and during pregnancy: quality of life and depressive symptoms in adult offspring. Epidemiology, 20(6), doi:  10.1097/EDE.0b013e3181b5f227.

9. Roseboom, T.J. et al. (2003). Perceived health of adults after prenatal exposure to the Dutch famine. Paediatrics Perinatal Epidemiology, 17, 391–397.

10. Badon, S.E. et al. (2014). Gestational Weight Gain and Neonatal Adiposity in the Hyperglycemia and Adverse Pregnancy Outcome Study-North American Region. Obesity (Silver Spring), 22(7), 1731–1738.

11. Veenendaal, M.V. et al. (2013). Transgenerational effects of prenatal exposure to the 1944-45 Dutch famine. BJOG, 120(5), 548-53. doi: 10.1111/1471-0528.

12. Yehuda, R., & Bierer, L.M. (2008). Transgenerational transmission of cortisol and PTSD risk. Progress in Brain Research, 167, 121-135.

13. Aviad-Wilcheck, Y. et al. (2013). The effects of the survival characteristics of parent Holocaust survivors on offsprings’ anxiety and depression symptoms. The Israel Journal of Psychiatry and Related Sciences, 50(3), 210-216.

14. Radke, K.M. et al. (2011). Transgenerational impact of intimate partner violence on methylation in the promoter of the glucocorticoid receptor. Translational Psychiatry, 1, e21. doi: 10.1038/tp.2011.21.

15. Cossetti, C. et al. (2014). Soma-to-Germline Transmission of RNA in Mice Xenografted with Human Tumour Cells: Possible Transport by Exosomes. PLoS One, https://doi.org/10.1371/journal.pone.0101629.

16. Zomer, A. et al. (2010). Exosomes: Fit to deliver small RNA. Communicative and Integrative Biology, 3(5), 447–450.

17. Balaj, L. et al. (2011) Tumour microvesicles contain retrotransposon elements and amplified oncogene sequences. Natural Communications, 2, 180.

18. Azmi, A.S., Bao, B., & Sarkar, F.H. (2013). Exosomes in cancer development, metastasis, and drug resistance: a comprehensive review. Cancer Metastasis Review, 32, 623-643

19. Poliakov, A. et al. (2009). Structural heterogeneity and protein composition of exosomes-like vesicles (prostasomes) in human semen. Prostate, 69, 159-167.

20. Cheng, R.Y. et al. (2004) Epigenetic and gene expression changes related to transgenerational carcinogenesis. Molecular Carcinogenesis, 40, 1–11.

21. Klosin, A. et al. (2017). Transgenerational transmission of environmental information in C. elegans. Science, 356(6335).

22. Lim, J.P., & Brunet, A. (2013). Bridging the transgenerational gap with epigenetic memory. Trends in Genetics, 29(3), 176-186. doi: 10.1016/j.tig.2012.12.008

23. Choi, S.-W., & Friso, S. (2010). Epigenetics: A New Bridge between Nutrition and Health Advances in Nutrition: An International Review Journal, 1(1), 8-16. doi:10.3945/an.110.1004.

Fonte: http://www.greenmedinfo.com/blog/epigenetic-memories-are-passed-down-14-successive-generations-game-changing-resea