A Vacina contra o Tétano: como sabemos se funciona?

 Em Artigos Científicos, Doenças e Prevenção, Tétano

vacina do tétano

Como podemos saber se a vacina contra o tétano funciona? O estabelecimento médico tem uma visão de que a vacina evita o tétano, mas como podemos ter a certeza de que essa perspectiva está correcta?

A cura para o tétano, uma doença que ameaça a vida e é muitas vezes mortal, foi procurada desde o início do moderno campo da imunologia. O tratamento anti-soro de cavalo original do tétano foi desenvolvido no final do século 19 e introduzido na prática clínica numa altura em que o conceito bio-estatístico de ensaio aleatório controlado por placebo (RCT) ainda não existia.

A terapia tornou-se infame por gerar uma reacção adversa grave chamada “doença do soro” atribuída à intolerância dos seres humanos ao soro derivado de cavalo. Para tornar esta terapia tetânica utilizável, era imperativo substituir a origem animal do anti-soro pela origem humana. Mas injectar uma toxina letal em voluntários humanos como substitutos de cavalos teria sido impensável.

Uma solução prática foi encontrada em 1924: o pré-tratamento da toxina do tétano com formaldeído (um produto químico fixador) fez com que a toxina perdesse a capacidade de causar sintomas clínicos do tétano. A toxina do tétano tratada com formaldeído é chamada de toxóide. O toxóide do tétano pode ser injetado em voluntários humanos para produzir um produto terapêutico humano comercial a partir dos seus soros denominado imunoglobulina tetânica (TIG), um substituto moderno do anti-soro de cavalo original. O toxóide do tétano também se tornou a vacina contra o tétano clínico.

A toxina do tétano, chamada tetanospasmina, é produzida por numerosas cepas bacterianas de C. tetani. A C. tetani normalmente vive nos intestinos dos animais, principalmente em cavalos, sem causar tétano aos portadores intestinais. Essas bactérias requerem condições anaeróbias (sem oxigénio) para estarem activas, enquanto que na presença de oxigénio elas tornam-se esporos resilientes mas inactivos, que não produzem a toxina. Reconheceu-se que os esporos de tétano inativos são omnipresentes no solo. O tétano pode resultar da exposição à C. tetani através de feridas ou cortes mal geridos propícios ao tétano, mas não pela ingestão oral dos esporos do tétano.

Muito pelo contrário, a exposição oral à C. tetani constroi resistência ao tétano sem risco de doença, conforme descrito na secção “Resistência natural ao tétano”.

Uma vez segregada pela C. tetani e germinada numa ferida contaminada, a tetanospasmina difunde-se através dos fluídos intersticiais do tecido ou corrente sanguínea. Ao chegar às terminações nervosas, é adsorvido pela membrana celular dos neurónios e transportado através dos troncos nervosos para o sistema nervoso central, onde inibe a libertação do neurotransmissor ácido gamma-aminobutírico (GABA). Esta inibição pode resultar em vários graus de sintomas clínicos do tétano: espasmos musculares rígidos, bloqueios, sorriso sardónico e convulsões severas que frequentemente levam a fraturas ósseas e à morte devido ao comprometimento do sistema respiratório.

Os efeitos curativos da terapia de anti-soro, bem como os efeitos preventivos da vacinação contra o tétano, dependem de uma molécula de anticorpo chamada antitoxina. Mas a suposição de que essa antitoxina era o único ingrediente “activo” no anti-soro de cavalo original não foi confirmada experimentalmente. Uma vez que os cavalos são portadores naturais dos esporos de tétano, a sua corrente sanguínea poderá conter outros componentes não reconhecidos, que foram aproveitados no anti-soro terapêutico. Na secção “Resistência natural ao tétano” discutem-se outras entidades séricas detectadas em animais de pesquisa portadores da C. tetani, que melhor se correlacionaram com sua protecção contra o tétano clínico do que os níveis séricos de antitoxina. No entanto, o principal esforço de investigação no campo do tétano permaneceu estreitamente focado na antitoxina.

Acredita-se que as moléculas de antitoxinas inactivam as moléculas de toxinas correspondentes em virtude da sua capacidade de ligação à toxina. Isso implica que, para ter o seu efeito protector, uma antitoxina deve-se aproximar fisicamente duma toxina e combinar-se com ela de forma a prevenir a ligação da toxina às terminações nervosas.

A pesquisa inicial sobre a antitoxina recém-descoberta foi feita em animais de laboratório de tamanho pequeno, como porquinhos da índia. A toxina do tétano foi pré-incubada num tubo de ensaio com o soro do animal contendo a antitoxina antes de ser injectado noutro animal (livre de antitoxina), susceptível ao tétano. Tal pré-incubação fez com que a toxina perdesse a sua capacidade de causar tétano em animais que de outra forma eram suscetíveis – isto é, a toxina foi neutralizada.

No entanto, os investigadores do final do século XIX e início do século XX ficaram desconcertados por uma observação peculiar. Os animais de pesquisa, cujo soro contém suficiente antitoxina para inactivar uma certa quantidade de toxina num tubo de ensaio, sucumbiram ao tétano quando foram injectados com a mesma quantidade de toxina. Para além disso observou-se que o modo de injecção da toxina teve um efeito diferente sobre a capacidade da antitoxina não soro para proteger o animal.

A presença da antitoxina no soro dos animais providenciou alguma protecção contra a toxina injectada directamente na corrente sanguínea (por via intravenosa). No entanto, quando a toxina foi injectada na pele era tão letal para os animais que continham níveis substanciais de antitoxina sérica quanto para aos animais practicamente isentos de antitoxina sérica [1].

A diferença observada no “comportamento” protector da antitoxina sérica foi atribuída à propensão da toxina para se ligar mais rápidamente às células nervosas do que à antitoxina sérica. Uma pré-incubação da toxina com antitoxina num tubo de ensaio ou uma injecção da toxina diretamente na corrente sanguínea, onde a antitoxina de soro se encontra dá um avanço à antitoxina na combinação e neutralização da toxina. No entanto, uma injecção na pele ou músculo da toxina não fornece anti-toxina no soro como vantagem.

Os investigadores do século 21 desenvolveram uma técnica avançada de rotulagem fluorescente para rastrear a absorção da toxina do tétano injectada nos neurónios. Utilizando esta técnica, os investigadores examinaram o efeito da antitoxina sérica induzida pela vacinação em ratos com uma vacina contra o toxóide tetânico antecipadamente, bloqueando a absorção neuronal e transporte do fragmento C da toxina Tetânica (TTC) para o cérebro a partir do local da injecção intramuscular. Os animais vacinados e não vacinados apresentavam valores semelhantes de TTC no cérebro. Os autores do estudo concluem que a “absorção de TTC pelos terminais nervosos de um depósito intramuscular é um processo aberto e rápido e não está bloqueado pela vacinação”. [2] Adicionalmente comentaram que os seus resultados parecem ser surpreendentes tendo em conta os efeitos protectores da imunização com o toxóide do tétano. Na realidade, o estabelecimento médico tem uma visão de que a vacina contra o tétano evita o tétano, mas como podemos ter a certeza que está correta?

Tétano Neonatal

O tétano neonatal é comum nos países subdesenvolvidos e tropicais, mas é extremamente raro nos países desenvolvidos. Esta forma de tétano resulta de práticas obstétricas anti-higiénicas, quando o corte do cordão umbilical é realizado com dispositivos não esterilizados, potencialmente contaminando-o com esporos de tétano. Aderir a práticas obstétricas adequadas remove o risco de tétano neonatal, mas este não tem sido o padrão das práticas de nascimento para algumas pessoas indígenas e rurais, no passado ou mesmo no presente.

Os autores do estudo do tétano neonatal realizado na década de 1960 na Nova Guiné descrevem como condições típicas de parto entre os locais:

“A mãe corta o cordão a 2,5 cm (1 polegada) ou menos da parede abdominal e nunca está amarrada. No passado ela sempre usaria porção de casca de sagu, mas agora ela usa uma faca de aço ou uma velha navalha de lâmina. Estes não são limpos ou esterilizados de forma alguma e nenhum curativo é colocado no cordão. A criança é colocada após o nascimento num pedaço sujo de casca macia, e a lâmina de corte pode facilmente contaminar-se com a poeira do chão da cabana ou fezes da mãe expelidas durante o parto, bem como pela faca ou pelo seu dedo “. [3]

De forma pouco surpreendente, a Nova Guiné tem uma elevada taxa de tétano neonatal. Porque melhorar as práticas de nascimento parecia algo inalcançável em lugares como a Nova Guiné, submeter as mulheres grávidas à vacinação contra o tétano foi contemplado pelas autoridades de saúde pública como uma possível solução para o tétano neonatal.

Um estudo controlado aleatório (RCT), para avaliar a eficácia da vacina do tétano na prevenção do tétano neonatal por meio da vacinação materna, foi realizado na década de 1960 na Colômbia rural numa comunidade com elevadas taxas de tétanos neonatal [4]. O projecto deste teste foi revisto recentemente pela Cochrane Collaboration para possíveis vieses e limitações e, com comentários de menor importância, foi considerado de boa qualidade para fins de determinação da eficácia da vacina (mas não da sua segurança). [5] O ensaio definiu que uma dose única da vacina contra o tétano administrada antes ou durante a gravidez tinha um efeito parcial na prevenção do tétano neonatal na descendência: redução de 43% no grupo vacinado contra o tétano em comparação com o grupo de controlo, que em vez da vacina do tétano recebeu uma vacina contra a gripe. Uma série de duas ou três doses de reforço do tétano, com seis ou mais semanas de intervalo antes ou durante a gravidez, reduziu o tétano neonatal em 98% no grupo vacinado contra o tétano em comparação com o grupo de controlo com a vacina da gripe. A duração do acompanhamento neste teste foi inferior a cinco anos.

Para além de testar os efeitos da vacinação, este estudo também documentou uma clara relação entre a incidência do tétano neonatal e a forma como o parto foi realizado. Nenhum bebé nascido num hospital, na presença de um médico ou uma enfermeira contraiu o tétano neonatal, independentemente do estado de vacinação da mãe. Por outro lado, os bebés nascidos em casa com parteiras amadoras tiveram a maior taxa de tétano neonatal.

O parto higiénico parece ser altamente eficaz na prevenção do tétano neonatal e torna o regime de vacinação contra o tétano durante a gestação desnecessário para as mulheres que dão à Luz em condições higiénicas. Para além disso, foi estimado, em 1989 na Tanzânia, que 40% dos casos de tétano neonatal ainda ocorriam em bebés nascidos de mães que foram vacinadas durante a gravidez [6], enfatizando a importância das práticas de higiene no nascimento, independentemente do estado de vacinação materna.A ilusão das Vacinas

Para saber mais leia o livro de Tetyana. Pode descarrega-lo aqui.

Tétano em adultos

Com base no efeito protector da vacinação materna no tétano neonatal, demonstrado pelo estudo de controlo aleatório discutido acima, podemos ser tentados a inferir que a mesma vacina também protege do tétano adquirido pisando em pregos enferrujadas ou sofrendo outras lesões propensas ao tétano, quando administradas em crianças ou adultos, rotineiramente ou como medida de emergência. No entanto, devido às possíveis diferenças biológicas de como o tétano é contraído por recém-nascidos versus crianças mais velhas ou adultos, devemos ter cuidado ao tirar tais conclusões sem antes termos as provas directas da eficácia da vacina na prevenção do tétano não neonatal.

Presume-se geralmente que a toxina do tétano deve primeiro propagar-se para o sangue (onde seria interceptado pela antitoxina, se já estiver lá devido à vacinação oportuna) antes de atingir as terminações nervosas. Este cenário é plausível no tétano neonatal, pois parece que o cordão umbilical não tem seus próprios nervos. [7] Por outro lado, a secreção da toxina pela C. tetani germinando em cortes na pele ou nas lesões musculares é mais relevante para a forma como as crianças ou adultos podem sucumbir ao tétano. Em tais casos, poderão haver terminações nervosas perto de C. tetani em germinação, e a toxina poderá atingir essas terminações nervosas sem primeiro passar pelo sangue para ser interceptado pela antitoxina sérica induzida por vacina. Este cenário é consistente com os resultados das experiências iniciais em ratos, discutidas no início.

Embora seja uma doença importante em países subdesenvolvidos tropicais, o tétano nos EUA tem sido muito raro. No passado, o tétano ocorreu principalmente em segmentos pobres da população nos estados do Sul e em emigrantes mexicanos na Califórnia. Diminuiu rapidamente nas décadas antes de 1950 (na era pré-vacinação), como inferido dos registos de mortalidade do tétano e rácios de casos-fatalidade semelhantes (cerca de 67-70%) no início do século 20 [8] versus meio do século 20). [9] A vacina contra o tétano foi introduzida nos EUA em 1947 sem serem realizados ensaios clínicos controlados com placebos no segmento da população (crianças ou adultos) onde agora é rotineiramente utilizada.

O raciocínio para a introdução da vacina do tétano na população dos EUA, com baixo risco geral de contrair tétano de qualquer forma, foi simplesmente baseado no seu uso no pessoal militar dos EUA durante a Segunda Guerra Mundial. De acordo com um relatório pós-guerra: [10]

  1. 1. O pessoal militar dos EUA recebeu uma série de três injeções do toxóide do tétano, a injeção estimulante de rotina foi administrada um ano após a série inicial e uma dose estimulante de emergência era administrada sobre as feridas, queimaduras severas ou outras lesões que poderiam resultar em tétano;
  2. 2. Durante todo o período da Segunda Guerra Mundial, 12 casos de tétano foram documentados no Exército dos EUA;
  3. 3. Na Primeira Guerra Mundial, ocorreram 70 casos de tétano entre aproximadamente meio milhão de admissões por feridas e lesões, uma incidência de 13,4 por cada 100 mil feridas. Na Segunda Guerra Mundial, ocorreram quase três milhões de admissões por feridas e lesões, com uma taxa de caso de tétano de 0,44 por cada 100.000 feridas.

O relatório leva-nos a concluir que a vacinação desempenhou um papel na redução do tétano nos soldados feridos dos EUA durante a Segunda Guerra Mundial, em comparação com a Primeira Guerra Mundial, e que esta redução atesta a eficácia da vacina contra o tétano. No entanto, existem outros factores (por exemplo diferenças nos protocolos de tratamento de feridas, incluindo o uso de antibióticos, maior probabilidade de contaminação da ferida com esterco de cavalo rico em C. tetani nas guerras anteriores quando os cavalos eram utilizados pela cavalaria, etc.), o que deve impedir-nos de atribuir, de forma crítica, a redução do tétano durante a Segunda Guerra Mundial aos efeitos da vacinação.

O tétano grave e mesmo mortal é conhecido por ocorrer em pessoas recentemente vacinadas com elevados níveis de antitoxina sérica [11]. Embora os cépticos possam dizer que nenhuma vacina é eficaz 100% do tempo, a situação da vacina contra o tétano é bastante diferente. Nestes casos de tétano não prevenível da vacina, a vacinação foi realmente muito eficaz na indução da antitoxina sérica, mas a antitoxina sérica não pareceu ter ajudado a prevenir o tétano nesses indivíduos infelizes.

A ocorrência de tétano, apesar da presença de antitoxina no soro, deveria ter feito soar o alarme em relação às justificações do programa de vacinação contra o tétano. Mas tais relatórios foram invariavelmente interpretados como uma indicação de que os níveis mais altos do que previamente pensado de antitoxina sérica devem ser mantidos para proteger do tétano, daí a necessidade de impulsores mais frequentes, se não incessantes. Então, quanto mais “do que se pensava anteriormente” de níveis séricos de antitoxina se deve ter para garantir a protecção contra o tétano?

Crone & Reder (1992) documentaram um caso curioso de tétano grave num homem de 29 anos sem condições pré-existentes e sem histórico de abuso de drogas, típico das vítimas modernas do tétano nos EUA. Para além da série regular de vacinação contra o tétano e impulsionadores dez anos antes durante o seu serviço militar, este paciente tinha sido hiperimunizado (imunizado com o toxóide tetânico para ter o nível de antitoxina sérica extremamente alto) como voluntário para fins de produção comercial da TIG . Ele foi monitorizado quanto aos níveis de antitoxina no seu soro e, como esperado, desenvolveu níveis extremamente elevados de antitoxina após o procedimento de imunização. No entanto, ele sofreu de tétano grave 51 dias após o procedimento, apesar da presença claramente documentada de antitoxina sérica antes da doença. De facto, após a admissão hospitalar para o tratamento do tétano, os seus níveis séricos de antitoxina eram cerca de 2.500 vezes mais altos do que o nível considerado protector. O seu tétano foi severo e exigiu mais de cinco semanas de internação para salvar a sua vida. Este caso demonstrou que a antitoxina sérica não conseguiu prevenir o tétano grave, mesmo nas quantidades 2.500 vezes maiores do que o que é considerado suficiente para a prevenção do tétano em adultos.

O estabelecimento médico opta por fechar os olhos à falta de evidências científica sólidas para sustentar a fé na vacina do tétano. Ele também escolhe ignorar as evidências experimentais e clínicas disponíveis que contradizem a capacidade assumida, mas não comprovada, da antitoxina sérica induzida pela vacina de reduzir o risco de tétano em qualquer pessoa que não seja recém-nascido materno-vacinado, que nem precisa dessa medida de vacinação quando o seu cordão umbilical é tratado com técnicas estéreis.

Ácido ascórbico no tratamento do tétano

O anti-soro não é a única medida terapêutica testada no tratamento do tétano. O ácido ascórbico (vitamina C) também foi tentado. Pesquisas preliminares sobre o ácido ascórbico demonstraram que também poderia neutralizar a toxina do tétano [12].

Num estudo clínico sobre o tratamento do tétano realizado em Bangladesh em 1984, a administração de procedimentos convencionais, incluindo o soro antitetânico, aos pacientes que contraíram tétano, deixou 74% deles mortos na faixa etária entre 1 a 12 anos e 68% mortos na faixa etária dos 13 aos 30 anos. Em contraste, a co-administração diária de uma grama de ácido ascórbico por via intravenosa reduziu essa alta mortalidade para 0% na faixa etária de 1 a 12 e para 37% na faixa etária de 13 a 30 anos. [13] Os pacientes mais velhos foram tratados com a mesma quantidade de ácido ascórbico sem ajustes para o peso corporal.

Embora este tenha sido um ensaio clínico controlado, não é claro a partir da descrição do ensaio na publicação de Jahan et al. se a atribuição de pacientes aos grupos de tratamento com ácido ascórbico versus o grupo de controlo de placebo foi aleatória e cega, que são requisitos bio-estatísticos cruciais para serem evitados diferentes vieses. Um estudo mais definitivo é considerado necessário antes de que o ácido ascórbico intravenoso possa ser recomendado como padrão de tratamento do tétano [14]. É estranho que nenhum estudo controlado aleatório devidamente documentado sobre o ácido ascórbico no tratamento do tétano tenha sido tentado desde 1984 em benefício dos países em desenvolvimento, onde o tétano tem sido uma das principais doenças mortais. Isso contrasta fortemente com os milhões de dólares filantrópicos que estão a ser investidos no patrocínio da implementação da vacina contra o tétano no Terceiro Mundo.

Resistência natural ao tétano

No início do século 20, os investigadores Drs. Carl Tenbroeck e Johannes Bauer prosseguiram uma linha de investigação em laboratório que estava muito mais perto de explicar a resistência natural ao tétano do que a pesquisa típica de laboratório sobre a antitoxina, nesse tempo. Omitido dos livros imunológicos e da história da pesquisa imunológica, as suas experiências de protecção contra o tétano em cobaias, juntamente com dados sorológicos e bacteriológicos relevantes aos humanos, fornecem uma boa explicação para o facto do tétano ser uma doença bastante rara em muitos países ao redor do mundo, excepto sob as condições das guerras passadas.

Na experiência desses investigadores do tétano, a injecção de esporos de tétano inativos nunca poderia, por si só, induzir o tétano em animais de pesquisa. Para induzir o tétano experimentalmente por meio de esporos de tétano (ao contrário de injectar uma toxina pré-fabricada, algo que nunca acontece nas circunstâncias naturais de qualquer forma), os esporos tiveram de ser pré-misturados com substâncias irritantes que poderiam prevenir a cicatrização rápida do local de injecção dos esporos, criando assim as condições propícias à germinação de esporos. No passado, os investigadores usaram estilhaços de madeira, saponina, cloreto de cálcio ou aleuronat (farinha feita com aleurona) para realizar esta tarefa.

Em 1926, já ciente de que a exposição oral aos esporos de tétano não levava ao tétano clínico, os Drs. Tenbroeck e Bauer procuraram determinar se os animais de pesquisa alimentados com esporos de tétano poderiam fornecer protecção contra o tétano induzida por um método apropriado de injeção de esporos em laboratório. Na sua experiência, vários grupos de cobaias receberam alimentos que continham as cepas distintas de C. tetani. Um grupo separado de animais foi usado como controlo – a sua dieta estava livre de qualquer C. tetani. Após seis meses, todos os grupos foram injectados sob a pele com esporos pré-misturados com aleuronat. Os grupos que foram previamente expostos a esporos por via oral não desenvolveram nenhum sintoma de tétano após essa injecção de esporos propensos ao tétano, enquanto que o grupo controlo desenvolveu. A protecção observada era específica da cepa, já que os animais ainda contraiam tétano quando injectados com esporos duma estirpe incompatível – uma cepa com a qual não foram alimentados. Mas quando alimentados com múltiplas cepas, eles desenvolviam protecção contra todas.

De forma evidente, a proteção do tétano estabelecida através da alimentação com esporos não teve nada a ver com os níveis de antitoxina no soro desses animais. Em vez disso, a protecção correlacionou-se com a presença de outro tipo de anticorpo chamado aglutinina, assim chamado devido à sua capacidade de aglutinar (agrupar) esporos de C. tetani num tubo de ensaio. Assim como a protecção observada era específica da cepa, as aglutininas também eram específicas da mesma. Estes dados são consistentes com o papel das aglutininas específicas da cepa, não da antitoxina, na proteção natural contra o tétano. Ainda assim o mecanismo pelo qual as aglutininas específicas da cepa causaram, ou correlacionaram-se com a protecção contra o tétano nesses animais, permaneceu inexplorado desde então.

Na experiência de alimentação de esporos, ainda era possível induzir o tétano obliterando essa protecção natural nos animais de pesquisa. Mas, para realizar essa tarefa, era necessário um procedimento de força bruta. Um grande número de esporos purificados de C. tetani era selado numa cápsula de vidro. A cápsula era injectada sob a pele dos animais de pesquisa e depois esmagada.

Os pedaços de vidro quebrados foram propositadamente deixados sob a pele das pobres criaturas de modo que o caos sangrento fosse impedido de sarar durante muito tempo. Os investigadores conseguiram superar as defesas naturais do tétano com esse método excessivamente duro, talvez imitando um cenário de feridas infligidas pela guerra.

Como é que esses dados experimentais em animais de pesquisa se relacionam com os seres humanos?

No início do século 20, não só os animais, mas também os humanos, eram portadores intestinais de C. tetani sem desenvolver tétano. Cerca de 33% dos indivíduos humanos testados que viviam na zona de Pequim, na China, eram portadores de C. tetani sem histórico actual ou de antecedentes da doença do tétano [15]. Bauer & Meyer (1926) citam outros estudos, que relataram que cerca de 25% dos humanos testados eram portadores saudáveis da C. tetani noutras regiões da China, 40% na Alemanha, 16% na Inglaterra e, em média, 25% nos EUA, mais elevado na Califórnia central e mais baixo na Costa Sul. Com base no estudo, idade, género ou ocupação, na Califórnia, a proximidade com cavalos não pareceu desempenhar um papel na distribuição dos portadores humanos da C. tetani.

Outro estudo foi realizado na década de 1920 em San Francisco, CA. [16] Cerca de 80% dos indivíduos examinados apresentaram vários níveis de aglutininas para até cinco cepas de C. Tetani, de cada vez, embora nenhuma antitoxina pudesse ser detectada no soro desses indivíduos. Os organismos de C. tetani também não foram identificados nas fezes desses indivíduos. É provável que os esporos de tétano estivessem no intestino algures no passado, deixando evidências sorológicas da exposição oral, sem germinarem em organismos que produzem toxinas. Seria importante conhecer a extensão das aglutininas de esporos de C. tetani naturalmente adquiridas em seres humanos em várias partes do mundo agora, em vez de confiar nos dados antigos, mas estudos semelhantes provavelmente não serão mais realizados.

Infelizmente, novas pesquisas sobre as aglutininas naturalmente adquiridas e sobre exactamente como elas estão envolvidas na protecção do tétano clínico, pareceem ter sido abandonadas a favor das pesquisas mais lucrativas sobre antitoxinas e vacinas. Se essa pesquisa continuasse, isso daria-nos uma compreensão clara das defesas naturais contra o tétano que já possamos ter em virtude da nossa exposição oral aos esporos ubiquitários da C. Tetani, inativos.

Uma vez que a extensão da nossa resistência natural ao tétano clínico é desconhecida devido à falta de estudos recentes, tudo o que podemos ter certeza é que impedir que os esporos latentes do tétano gerem microorganismos produtores de toxinas é uma medida extremamente importante no maneio de cortes de pele e feridas potencialmente contaminados. Se este estágio crucial de controlo – no nível da prevenção da germinação de esporos – é falhado e a produção da toxina prossegue, a toxina deve ser neutralizada antes que ele atinja as terminações nervosas.

Tanto a antitoxina como o ácido ascórbico exibem propriedades de neutralização da toxina num tubo de ensaio. No corpo, no entanto, a antitoxina induzida pela vacina está localizada no sangue, enquanto que a toxina pode ser produzida localmente na pele ou na lesão muscular. Isso cria um impedimento físico óbvio para que a neutralização da toxina ocorra eficazmente e, se for caso disso, por meio da antitoxina sérica induzida pela vacina. Para aém disso, nenhum ensaio controlado com placebo já foi realizado para excluir a preocupação com esse impedimento, fornecendo evidências empíricas claras da eficácia do tétano em crianças e adultos. No entanto, o estabelecimento médico depende da indução da antitoxina sérica e retém o ácido ascórbico na prevenção e tratamento do tétano.

Quando um antigo procedimento médico de eficácia desconhecida, como a vacina do tétano, tem sido o padrão nos cuidados médicos desde há muito tempo, determinar a sua eficácia através de um estudo rigoroso rigoroso e controlado por placebo em humanos é considerado como sendo não ético. Portanto, a nossa única esperança para o avanço do tratamento do tétano é que seja realizada uma investigação mais aprofundada com a terapia do ácido ascórbico e que essa terapia se torne disponível para pacientes com tétano por todo o mundo, a ser confirmada como eficaz de acordo com os padrões bio-estatísticos rigorosos.

Até lá, que a fé cega na vacina do tétano nos ajude!

Sobre a autora

Tetyana ObukhanychTetyana Obukhanych terminou o seu Ph.D. em Imunologia na Universidade Rockefeller em Nova Iorque, com a sua dissertação focada na compreensão da memória imunológica, percepcionada pelo estabelecimento biomédico dominante como a chave para vacinação e imunidade. Posteriormente, ela foi envolvida em pesquisas laboratoriais como pesquisadora de pós-doutorado em importantes instituições biomédicas, como a Harvard Medical School e a Stanford University School of Medicine.

Tendo tido várias doenças na sua infância apesar de estar devidamente vacinada contra elas, a Dr. Obukhanych realizou uma investigação minuciosa das descobertas científicas sobre a vacinação e imunidade. Com base na sua análise, a Dra. Obukhanych articulou uma visão que desafia as premissas e as teorias gerais sobre a vacinação no seu e-book A Ilusão das Vacinas.

A Dra. Obukhanych continua a sua análise independente e aprofundada dos resultados científicos revistos por pares relacionados com a vacinação e dos requisitos naturais da função do sistema imunológico. O seu objectivo é mostrar uma perspectiva cientificamente fundamentada e sem dogmas, sobre a vacinação e imunidade natural aos pais e profissionais de saúde.

Disponível para descarregar aqui.

Referâncias do artigo

[1] Tenbroeck, C. & Bauer, J.H. The immunity produced by the growth of tetanus bacilli in the digestive tract. J Exp Med 43, 361-377 (1926).

[2] Fishman, P.S., Matthews, C.C., Parks, D.A., Box, M. & Fairweather, N.F. Immunization does not interfere with uptake and transport by motor neurons of the binding fragment of tetanus toxin. J Neurosci Res 83, 1540-1543 (2006).

[3] Schofield, F.D., Tucker, V.M. & Westbrook, G.R. Neonatal tetanus in New Guinea. Effect of active immunization in pregnancy. Br Med J 2, 785-789 (1961).

[4] Newell, K.W., Dueñas Lehmann, A., LeBlanc, D.R. & Garces Osorio, N. The use of toxoid for the prevention of tetanus neonatorum. Final report of a double-blind controlled field trial. Bull World Health Organ 35, 863-871 (1966).

[5] Demicheli, V., Barale, A. & Rivetti, A. Vaccines for women to prevent neonatal tetanus. Cochrane Database Syst Rev 5:CD002959 (2013).

[6] Maselle, S.Y., Matre, R., Mbise, R. & Hofstad, T. Neonatal tetanus despite protective serum antitoxin concentration. FEMS Microbiol Immunol 3, 171-175 (1991).

[7] Fox, S.B. & Khong, T.Y. Lack of innervation of human umbilical cord. An immunohistological and histochemical study. Placenta 11, 59-62 (1990).

[8] Bauer, J.H. & Meyer, K.F. Human intestinal carriers of tetanus spores in California. J Infect Dis 38, 295-305 (1926).

[9] LaForce, F.M., Young, L.S. & Bennett, J.V. Tetanus in the United States (1965-1966): epidemiologic and clinical features. N Engl J Med 280, 569-574 (1969).

[10] Editorial: Tetanus in the United States Army in World War II. N Engl J Med 237, 411-413 (1947).

[11] Abrahamian, F.M., Pollack, C.V., Jr., LoVecchio, F., Nanda, R. & Carlson, R.W. Fatal tetanus in a drug abuser with “protective” antitetanus antibodies. J Emerg Med 18, 189-193 (2000).

Beltran, A. et al. A case of clinical tetanus in a patient with protective antitetanus antibody level. South Med J 100, 83 (2007).

Berger, S.A., Cherubin, C.E., Nelson, S. & Levine, L. Tetanus despite preexisting antitetanus antibody. JAMA 240, 769-770 (1978).

Crone, N.E. & Reder, A.T. Severe tetanus in immunized patients with high anti-tetanus titers. Neurology 42, 761-764 (1992).

Passen, E.L. & Andersen, B.R. Clinical tetanus despite a protective level of toxin-neutralizing antibody. JAMA 255, 1171-1173 (1986).

Pryor, T., Onarecker, C. & Coniglione, T. Elevated antitoxin titers in a man with generalized tetanus. J Fam Pract 44, 299-303 (1997).

[12] Jungeblut, C.W. Inactivation of tetanus toxin by crystalline vitamin C (L-ascorbic acid). J Immunol 33, 203-214 (1937).

[13] Jahan, K., Ahmad, K. & Ali, M.A. Effect of ascorbic acid in the treatment of tetanus. Bangladesh Med Res Counc Bull 10, 24-28 (1984).

[14] Hemilä, H. & Koivula, T. Vitamin C for preventing and treating tetanus. Cochrane Database Syst Rev 2:CD006665 (2008).

[15] Tenbroeck, C. & Bauer, J.H. The tetanus bacillus as an intestinal saprophyte in man. J Exp Med 36, 261-271 (1922).

[16] Coleman, G.E. & Meyer, K.F. Study of tetanus agglutinins and antitoxin in human serums. J Infect Dis 39, 332-336 (1926).

Fonte: http://www.greenmedinfo.com/blog/tetanus-shot-how-do-we-know-it-works

Artigos Recentes

Deixe uma resposta

Contacte-nos

Envie-nos um email e responderemos assim que possível.

Não legível? Alterar texto.

Pesquisar