Descoberta “Cura” Natural para o HPV

 Em Artigos Científicos, HPV, Saúde e Bem-Estar

hpv vírus do papiloma humano

Virus do Papiloma Humano (HPV). Apesar da crença generalizada de que a infecção pelo HPV é uma força letal contra a qual apenas temos a vacinação e a espera vigilante para nos defendermos, foi descoberto recentemente pela ciência que tanto a antiga medicina herbal como as defesas imunológicas inerentes ao nosso corpo, têm um poder significativo contra ela.

Um estudo inovador publicado no Asian Pacific Journal of Cancer Prevention, intitulado “Limpeza da infecção cervical do papilomavírus humano através aplicação tópica de curcumina e de creme de poliuretano: um estudo controlado aleatório de fase II”, revela que a vacinação e a espera vigilante não são o único recurso contra a infecção por HPV.

Acredita-se que o estudo seja o primeiro de seu tipo a encontrar uma intervenção terapêutica eficaz e segura para a depuração da infecção estabelecida pelo vírus do papiloma humano (HPV). Para além disso, o estudo confirmou que a infecção por HPV é autolimitada e limpa por conta própria em 73,3% do grupo placebo não tratado, no espaço de 37 dias.

Os investigadores avaliaram a eficácia das duas intervenções herbais na eliminação da infecção por HPV no colo do útero de mulheres que estavam identificadas como tendo a infecção pelo HPV através de exames de Papanicolau e testes de ADN de HPV (PCR), mas cuja condição ainda não havia progredido para neoplasias cervicais de elevado grau (ou seja pré-cancro cervical).

A primeira intervenção utilizada foi com um creme vaginal polivalente contendo extratos de curcumina, reetha, amla e aloe vera, conhecido pelo nome comercial de Basant. A segunda intervenção foi com uma cápsula vaginal de curcumina. Os outros dois grupos placebo receberam um creme de placebo vaginal ou uma cápsula vaginal de placebo.

Todos os 287 indivíduos foram instruídos a usarem uma aplicação da formulação atribuída diariamente durante 30 dias consecutivos, excepto durante a menstruação. Sete dias após a última aplicação, foram chamados para repetirem os testes de HPV, citologia e colposcopia.

Os resultados foram relatados da seguinte forma:

“A taxa de depuração do HPV no braço basante (87,7%) foi significativamente maior do que no grupo placebo combinado (73,3%). A curcumina causou uma maior taxa de depuração (81,3%) do que o placebo, embora a diferença não tenha sido estatisticamente significante”.

A irritação vaginal e a comichão, principalmente a leve a moderada, foi significativamente maior após a aplicação de Basant. Não foram observados eventos adversos graves.

Embora ambas as formulações de ervas tenham aumentado claramente a taxa de depuração de HPV, é de salientar que o grupo placebo também experimentou uma taxa de depuração de 73,3%, o que confirma que a maioria das infecções pelo HPV desaparecerá do corpo em resultado do correcto funcionamento do sistema imunológico. Os investigadores reconheceram que esta não é uma descoberta nova:

“Já está documentado que a maioria das infecções pelo HPV são auto-limitantes e a imunidade mediada pelas células é a responsável pela depuração espontânea”.

Na realidade, nós abordamos esse facto substimado um artigo anterior intitulado O Debate da Vacina do HPV: a Lei da Rolha:

[I] Em 2004, a Lancet publicou um estudo que descobriu que as lesões cervicais intra-epiteliais escamosas de baixo grau (LSIL), vulgarmente associadas à infecção por HPV retrocedem espontaneamente em 61% das mulheres no espaço de 12 meses e 91% em 36 meses. [i] as LSIL são consideradas uma forma ligeira de displasia cervical (CIN) mas, no entanto, muitas vezes é sujeita a medidas mais agressivas, como uma colposcopia com biópsia, [ii] o que às vezes leva ao tratamento cirúrgico.

Outro estudo de 2010 publicado no European Journal of Obstetrics, Gynecology and Reproductive Biology descobriu que ao final de 12 meses de seguimento, a taxa de regressão da CIN 2 era de 74% (31/42), a taxa de progressão para CIN 3 foi de 24% (10/42) e num caso a CIN 2 persistiu (2%). Finalmente, um estudo de 2011 no Journal of Lower Genital Tract Diseases descobriu que ao final de 12 meses 70% das lesões CIN 1 e 54% das CIN 2 regrediam espontaneamente (p <0,001). [iii]

As probabilidades, portanto, são claramente a favor das alterações celulares anormais associadas ao HPV (as lesões ditas “pré-cancerosas”) regredirem naturalmente, à semelhança da maioria das infecções virais auto-limitantes. As vacinas não são claramente responsáveis ​​pela “protecção” conferida pela nossa própria imunidade nem o vírus do HPV é uma força inevitável de mortalidade, que apenas as campanhas universais de vacinação contra o HPV podem efectivamente neutralizar.

Dada a crença generalizada de que a infecção pelo HPV é uma força letal contra a qual temos apenas a vacinação e a espera vigilante para nos defender, isso encoraja-nos a reconhecer tanto o poder do corpo humano, quanto os aliados que são as plantas naturais, para nos ajudarem a manter nossa saúde, apesar da ameaça constante de infecção.

Na realidade, os resultados da intervenção não são surpreendentes, dado o conjunto estabelecido de pesquisas que indicam o valor da curcumina como agente anticancerígeno. Não só este polifenol de açafrão poderoso foi amplamente investigado pelas suas propriedades anticancerígenas em mais de 100 tipos diferentes de células de cancro, como o banco de dados do GreeMedInfo contém 11 estudos específicos sobre as propriedades anti-cancro cervical da curcumina, e que podem ser lidos aqui.

Para obter informações adicionais sobre preocupações relacionadas ao HPV, veja as seguintes secções na nossa biblioteca:

HPV papilomavírus humano

Vacinação: HPV Gardisil

Cancro cervical

Fonte: http://www.greenmedinfo.com/blog/natural-herbal-hpv-cure-discovered

Artigos Recentes

Deixe uma resposta

Contacte-nos

Envie-nos um email e responderemos assim que possível.

Não legível? Alterar texto.

Pesquisar