O Porquê das Frutas e dos Vegetais se terem tornado menos Nutritivos

 Em Nutrição

Devido aos níveis actuais de desgaste do solo, modificação genética e pesticidas, as culturas produzidas há décadas atrás eram muito mais ricas em vitaminas e minerais do que as variedades que nós temos hoje. Mas qual é a diferença nutricional entre uma cenoura produzida em 1950 e as actuais?

Níveis mais altos de antioxidantes, menores cargas de pesticidas, melhores práticas agrícolas criam um produto final mais nutritivo quando se opta por alimentos orgânicos em vez de OGM (Organismos Geneticamente Modificados).

Mas o principal culpado desta preocupante tendência nutricional é o esgotamento do solo: os métodos agrícolas intensivos modernos eliminaram quantidades crescentes de nutrientes do solo em que os alimentos que comemos crescem.

Infelizmente, cada sucessiva geração de cenouras de rápido crescimento e resistentes às pragas é verdadeiramente pior para si que a anterior.

nutrição e agricultura

Nutrição. Um estudo inovador sobre o tema da autoria de Donald Davis, da equipa de investigadores da Universidade do Texas (UT) e do Departamento de Química e Bioquímica de Austin foi publicado em Dezembro de 2004 no Journal of American College of Nutrition.

Eles estudaram os dados nutricionais do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos entre 1950 e 1999 para 43 diferentes hortaliças e frutas, tendo encontrado declínios confiáveis na quantidade de proteínas, cálcio, fósforo, ferro, riboflavina (vitamina B2) e vitamina C ao longo do último meio século.

Davis e os seus colegas encontraram uma relação entre o conteúdo nutricional em declínio e a preponderância de práticas agrícolas destinadas a melhorar as características (tamanho, taxa de crescimento, resistência a pragas), além da nutrição.

Outros resultados publicados no Journal of Agricultural and Food Chemistry mostraram que as maçãs produzidas organicamente têm uma capacidade antioxidante 15 por cento maior do que as maçãs produzidas convencionalmente.

“Os esforços para criar novas variedades de culturas que proporcionam maior rendimento, resistência a pragas e adaptação ao clima têm permitido que as culturas cresçam mais rapidamente”, disse Davis, “mas a sua capacidade de fabricar ou absorver nutrientes não acompanhou o seu rápido crescimento”.

Existem provavelmente declínios noutros nutrientes também, ele afirmou, como o magnésio, zinco e vitaminas B-6 e E, mas eles não eram estudados em 1950 e mais pesquisas são necessárias para descobrir quanto é que estamos a receber a menos dessas Vitaminas e minerais essenciais.

A Associação de Consumidores Orgânicos cita vários outros estudos com achados semelhantes: Uma análise do Instituto Kushi de dados de nutrientes de 1975 a 1997 constatou que os níveis médios de cálcio em 12 legumes frescos caíram 27 por cento, os níveis de ferro 37 por cento, os níveis de vitamina A 21 por cento e os níveis de vitamina C 30 por cento.

Um estudo semelhante sobre os dados de nutrientes na Grã-Bretanha entre 1930 e 1980, publicado no British Food Journal, descobriu que em 20 legumes o teor médio de cálcio havia diminuído 19%, o Ferro 22 por cento e o potássio 14 por cento.

Ainda outro estudo concluiu que teríamos que comer oito laranjas hoje para obter a mesma quantidade de vitamina A para a qual os nossos avós apenas precisariam de comer uma.

Tomates cultivados por métodos orgânicos contêm mais compostos fenólicos do que aqueles cultivados usando os padrões comerciais.

Um estudo publicado no Journal of Agricultural and Food Chemistry analisou os perfis fenólicos de tomates da variedade “Daniela” cultivados usando métodos “convencionais” e orgânicos, validando que aqueles cultivados em condições orgânicas continham níveis significativamente maiores de compostos fenólicos do que os cultivados convencionalmente.

E o que pode ser feito? A chave para produtos mais saudáveis é o solo mais saudável. Alternar campos entre as estações de cultivo para dar tempo à terra de se regenerar seria um passo importante.

Para além disso, abandonar os pesticidas e fertilizantes a favor dos métodos de cultivo orgânico é bom para o solo, para os produtos e para os seus consumidores. Aqueles que querem obter as frutas e legumes mais nutritivos devem comprar regularmente aos agricultores orgânicos locais.

Davis da UT adverte que, apenas porque as frutas e vegetais não são tão saudáveis como costumavam ser, não significa que os devemos evitar.

“Os legumes são extraordinariamente ricos em nutrientes e fitoquímicos benéficos”, ele relatou. “Estes ainda estão lá, e os legumes e as frutas são as nossas melhores fontes desses nutrientes”.

A maioria das nações do mundo não tem nenhuma plataforma sobre não-OGM para proteger os seus cidadãos e, embora isso esteja a mudar lentamente, a maioria das nações está muito atrás de lugares como Equador, Peru, Venezuela, Egito, Rússia e outros que abdicaram dos OGMs ou têm proibições a nível nacional de OGMs .

Nações como os Estados Unidos, Canadá, China, Reino Unido, Austrália, México e a maior parte da América do Sul, Ásia e África, ainda não têm plataformas formais de não-OGM, pelo que continuam a usa-los de forma generalizada, e sem restrições, em todos os alimentos.

É importante realçar que estas deficiências são exactamente as mesmas que num ser humano aumentam a susceptibilidade às doenças, distúrbios de natureza diversa e cancro.

As pessoas que têm osteoporose têm níveis baixos em cálcio e de magnésio, e as pessoas que têm cancro têm níveis baixos manganês. E a lista continua indefinidamente.

Um estudo sobre o milho OGM Vs orgânico publicado no site Moms Across America mostra claramente a diferença entre o valor nutritivo do milho do OGM e o milho não-OGM.

O milho não-OGM tem 6130 ppm de cálcio enquanto o milho OGM tem 14 – o milho não-OGM tem 437 vezes mais cálcio.

O milho não-OGM tem 113 ppm de magnésio enquanto o milho OGM tem 2 – o milho não-OGM tem cerca de 56 vezes mais magnésio.

O milho não-OGM tem 113 ppm de potássio enquanto o milho transgênico tem 7 – o milho não-OGM tem 16 vezes mais potássio.

O milho não-OGM tem 14 ppm de manganês enquanto o milho OGM tem 2 – o milho não-OGM tem 7 vezes mais manganês.

Em geral, o milho não-OGM é 20 vezes mais rico em nutrientes, energia e proteínas em comparação com o milho transgênico.

Fonte: http://humansarefree.com/2017/01/why-fruits-and-vegetables-have-become.html?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+humansarefree%2FaQPD+%28Humans+Are+Free%29

Artigos Recentes

Deixe uma resposta

Contacte-nos

Envie-nos um email e responderemos assim que possível.

Não legível? Alterar texto.

Pesquisar