O Porquê da maioria dos Médicos recomendar cegamente a Vacinação

 Em Vacinas e a Comunidade Médica

Médicos e as Vacinas. As várias razões que explicam porque é que a grande maioria dos médicos apoia a vacinação

Médicos e as Vacinas. Os médicos recebem a maioria da sua formação na faculdade de medicina, que é fortemente influenciada pelas empresas farmacêuticas e instituições governamentais como as agências reguladoras da saúde.

Tanto as empresas farmacêuticas como as organizações governamentais apoiam uma agenda equivocada em que as vacinas são promovidas como uma ferramenta primária para prevenir doenças.

Os médicos são pressionados a vacinar ou enfrentarem as consequências profissionais e financeiras negativas. Os médicos pertencem a organizações médicas profissionais que recomendam vacinas.

Médicos e as Vacinas.

Médicos e as Vacinas.

Para resumir, os médicos existem num mundo onde as vacinas são consideradas a principal arma para a prevenção de doenças. A maioria acredita na segurança e eficácia das vacinas.

É preciso grande coragem, curiosidade e independência para os médicos pensarem fora da caixa e fazerem as suas próprias pesquisas sobre as vacinas. Para aqueles que se atrevem a pensar fora da caixa, eles podem enfrentar consequências profissionais e financeiras negativas.

A Formação em Vacinas na Faculdade

Ao ver um currículo real intitulado TIME (Ensino da Imunização para Educação Médica) utilizado na formação de médicos na escola de medicina, o foco parece estar na revisão do cronograma da vacinação infantil, métodos para incentivar a conformidade dos pais e a defesa da segurança e da eficácia das Vacinas na prevenção de doenças.

Este modelo foi usado na Faculdade de Medicina da Universidade de Pittsburgh, datado de 2011. [1,2]

Um exemplo de um cenário de preocupação dos pais sobre as vacinas em múltiplas doses:

“Como você responderia a pergunta dos pais:” São tantas doses realmente necessárias? ”

Historicamente, uma maior quantidade de casos de doenças evitáveis ​​pelas vacinas foi fortemente reduzida através da vacinação.

Mortes, hospitalizações e danos cerebrais também diminuíram. Uma vez que estas doenças são contagiosas, elas podem retornar se as taxas de imunização caírem, como aconteceu em noutros países desenvolvidos quando as taxas de vacinação caíram (ver Tabela 2).

O sistema imunitário é capaz de responder a 100.000 vacinas simultâneas, de acordo com a investigação do Dr. Offit, et al.”

O currículo lista os seguintes objectivos de aprendizagem para os estudantes de medicina:

  1. Dado o cenário de um paciente, recomenda a vacinação adequadamente, de acordo com o cronograma de imunização infantil recomendado, e indica os processos de administração e locais de toma dessas vacinas.

  2. Havendo uma criança que está atrasada no calendário de imunização, explique os princípios da vacinação acelerada e de recuperação, e determine as vacinas necessárias para as visitas actuais e subsequentes.

  3. Explicar o raciocínio subjacente à administração simultânea de vacinas e as potenciais consequências da administração não simultânea.

  4. Dado o cenário de um determinado paciente, identifique as contra-indicações e precauções válidas para a vacinação sem faltar às oportunidades de vacinação apropriadas.

  5. Explicar a segurança geral das vacinas e informações de eventos adversos, incluindo o Programa de Compensação de Danos por Vacinas (VICP), o Sistema de Notificação de Eventos Adversos das Vacinas (VAERS) e o uso das Declarações de Informação de Vacina (VISs). [Nota: Este ponto não é aplicável no nosso país visto não haver nem programa de compensação existente nem sistema de notificação de eventos adversos que especificamente distinga as vacinas dos outros medicamentos]

  6. Sugira três procedimentos que um médico possa implementar na prática clínica para melhorar as taxas de vacinação infantil.

Objectivos secundários:

  1. Dado o cenário de um paciente, recomenda a vacinação, se indicado, durante as visitas de atendimento agudo e bem-estar aos provedores, reduzindo assim as oportunidades perdidas.
  2. As fontes estatais de informações actuais sobre vacinação infantil, incluindo informações sobre o cronograma, intervalo mínimo entre doses e contra-indicações das vacinas”. [3] (ênfase adicionado)

“As formas de melhorar as taxas de vacinação nos locais de trabalho incluem o seguinte:

  1. Realização de actividades de resolução de problemas e metas, após uma avaliação das actuais taxas de vacinação praticadas. Posteriormente, as taxas de vacinação devem ser monitorizadas com feedback contínuo aos provedores sobre as taxas de vacinação.
  2. Ter colaboradores dedicados a avaliar o estado da vacinação no cadastro do paciente ou durante os sinais vitais. O computador do escritório pode gerar lembretes sobre vacinas.
  3. Administrar vacinas simultaneamente se assim for indicado.
  4. Ter um ponto dedicado no registro médico para informações de vacinação.
  5. Treinar provedores para distinguirem entre contra-indicações válidas e inválidas.
  6. Escrevendo ordens permanentes para permitir que a enfermeira administre as vacinas de rotina.
  7. Marcar cópias actualizadas das listas de verificação de horários e contra-indicações disponíveis.
  8. Taxas de monitorização, feedback, incentivo à competição e oferta de prémios.

Existem formas práticas de se aumentarem as taxas de vacinação que incluem a avaliação das taxas, resolução de problemas, definição de objectivos, monitorização e feedback” [4] (ênfase adicionado)

O que os médicos dizem sobre a sua formação

Este foco nas escolas de medicina sobre os calendários de vacinação e a conformidade foi validado por médicos que partilharam a sua experiência de formação na escola médica. Dois médicos bem conhecidos relataram o seguinte sobre a sua formação:

A Dra. Suzanne Humphries declarou:

“Nós aprendemos que as vacinas precisam ser dadas de acordo com um calendário. Somos doutrinados com o mantra de que “as vacinas são seguras e eficazes”, sendo que nenhum é verdadeiro. Actualmente, os médicos recebem um treinamento extensivo sobre como conversar com os pais “hesitantes” – como assustá-los com grandes enfatuações dos riscos durante a infecção natural… sobre a necessidade de torcer os braços dos pais para os validar ou incapacitar como pais. Os médicos são treinados de forma a que NENHUM mal deva ser dito sobre qualquer vacina, ponto final”.

O Dr. Bob Sears afirmou:

“Os médicos aprendem muito sobre doenças nas escolas de medicina, mas aprendemos muito pouco sobre as vacinas…”.

Nós não analisamos a pesquisa por nós mesmos. Nós nunca aprendemos o que se passa o fabrico de vacinas ou como a sua segurança é estudada. Então, quando os pacientes querem um pouco mais de informações sobre vacinas, tudo o que podemos realmente dizer como médicos é que as doenças são más e as vacinas são boas “. [5]

Aos médicos é ensinado que as vacinas salvam vidas

Os médicos são ensinados na escola de medicina que as vacinas são responsáveis ​​pela eliminação da doença. A sua formação é focada nos grandes perigos, que as outrora doenças normais da infância representavam.

Eles são informados sobre a morte e a miséria que resultaram dessas doenças, e que as vacinas ficaram com os louros pela sua erradicação. Opiniões contrárias, factos, realidade e posições sobre a eliminação de doenças e os perigos das vacinas não são enfatizados. [6]

O Financiamento das Escolas de Medicina

As empresas farmacêuticas doam biliões de dólares às escolas de medicina nos EUA, e com o seu financiamento veio a grande influência nos currículos dos estudantes de medicina.

As empresas farmacêuticas são os fabricantes de vacinas, de modo que eles beneficiam em grande parte pelo ensino dos estudantes de medicina, futuros médicos, sobre a importância das vacinas para a saúde.

O financiamento do governo é ainda maior em muitas escolas de medicina, o que significa que as instituições do governo, como as Agências Reguladoras, também exercem grande influência no currículo das escolas de medicina. Essas Agências promovem o actual cronograma da vacinação infantil.

A NPR [Rádio Pública Nacional nos EUA] fez uma pesquisa em que descobriu que entre 2 a 16 por cento dos orçamentos anuais das escolas médicas nos EUA eram derivados da indústria farmacêutica.

As suas organizações profissionais e os financiamentos das farmacêuticas

Todas as organizações médicas profissionais recomendam vacinas. Como um exemplo, a Academia Americana de Pediatria mantém uma posição em total conformidade com as vacinas.

A página inicial desta organização é inundada com informações sobre vacinas e a sua importância, incluindo a propaganda a lembrar os médicos das terríveis doenças que as vacinas são supostamente responsáveis ​​pela erradicação. [12]

No entanto, também é claro que a Academia Americana de Pediatria é altamente financiada pelas grandes empresas farmacêuticas, incluindo a Pfizer, Sanofi Pasteur, Merck, Meda Pharmaceutical e Astra Zeneca.

Essas empresas lucram com as vendas de vacinas e medicamentos, recomendadas pelos pediatras. [13]

Consequências para os médicos que NÃO vacinam

Os médicos podem enfrentar consequências negativas se não cumprirem os calendários de vacinação recomendados aos seus pacientes. Os médicos correm o risco de serem abandonados pelas companhias de seguros, perderem privilégios nos hospitais e serem condenados ao ostracismo pelos seus pares.

Eles podem enfrentar a perda de uma importante fonte de rendimento para as suas práticas se eles vacinarem menos. Para os médicos empregados em hospitais privados, a perda de bónus financeiro pode ser uma consequência da não vacinação. Em casos mais graves, os médicos podem mesmo arriscar-se a perder a sua licença médica. [14]

O Porquê de Não vacinar

Os médicos recebem uma visão unilateral sobre a segurança e a eficácia da vacinação. Na realidade, não foi provado que as vacinas sejam seguras ou eficazes na prevenção de doenças.

Os gráficos das vacinas mostram que a maioria das doenças foi eliminada antes da criação da vacina. As melhorias no saneamento são frequentemente creditadas com a eliminação da doença. [15, 16]

Mortalidades documentadas e mortes resultantes das vacinas, que desafiam a segurança das mesmas.

Surtos das doenças continuam a ocorrer naqueles que estão vacinados, levantando a questão da eficácia das vacinas. Para explorar mais dez razões para não vacinar, consulte o artigo dez razões para não vacinar.

Conclusão

Os médicos vivem num mundo onde as vacinas são uma parte fundamental do currículo da sua formação, com ênfase em como alcançar elevadas taxas de vacinação.

A segurança e a eficácia das vacinas na eliminação de doenças são enfatizadas, sem o ensino equilibrado sobre os perigos das vacinas e a sua eficácia questionável.

Os médicos enfrentam consequências negativas se questionarem as taxas de vacinação e não pressionarem os seus pacientes a serem vacinados. Todas as organizações profissionais de médicos apoiam fortes políticas de vacinação, o que coloca mais pressão adicional sobre os médicos para vacinarem seus pacientes.

As empresas farmacêuticas, que fazem as vacinas, são as financiadoras primárias da educação médica e das organizações profissionais médicas.

Este financiamento apresenta um enorme conflito de interesses. Com efeito, os médicos estão a ser usados ​​como comerciais de vendas para os fabricantes de vacinas.

A maioria dos médicos entra nessa profissão para curar os seus pacientes e ajudar a Humanidade.

Infelizmente, devido à grande influência das empresas farmacêuticas, agências governamentais e à sua formação, a maioria dos médicos são pressionados para recomendarem uma política de vacinação falhada e que já demonstrou ser mais perigosa do que benéfica para os seus pacientes.

Referências:

  1. http://c.ymcdn.com/sites/www.aptrweb.org/resource/resmgr/time…pdf
  2. http://www.aptrweb.org/?page=time
  3. http://c.ymcdn.com/sites/www.aptrweb.org/resource/resmgr/time…pdf
  4. http://c.ymcdn.com/sites/www.aptrweb.org/resource/resmgr/time…pdf
  5. https://www.vactruth.com/2012/07/31/what-your-doctors-know
  6. https://www.vactruth.com/2012/07/31/what-your-doctors-know
  7. http://www.npr.org/templates/story/story.php?storyId=4696316
  8. http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2012/06/02/bribery…
  9. http://www.cdc.gov/vaccines/programs/afix/about/overview.html
  10. http://www.cdc.gov/vaccines/programs/afix/resources.html
  11. http://www.cdc.gov/vaccines/programs/afix/components.html
  12. https://www.aap.org/en-us/advocacy-and-policy/aap-health-initiatives…
  13. https://www.aap.org/en-us/about-the-aap/corporate-relationships…
  14. http://healthimpactnews.com/2012/why-do-doctors-push-vaccines/
  15. http://www.healthsentinel.com/joomla/index.php…
  16. http://www.whale.to/vaccines/decline1.html

Fonte: http://humansarefree.com/2017/05/why-do-most-medical-doctors-blindly.html?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+humansarefree%2FaQPD+%28Humans+Are+Free%29

Artigos Recomendados

Deixe uma resposta

Contacte-nos

Envie-nos um email e responderemos assim que possível.

Não legível? Alterar texto.

Pesquisar