Injecção Vs Ingestão: Toxicidade sinergética e segurança das vacinas

Toxicidade sinergética

Toxicidade. Certamente, se está na linha de frente do debate sobre as vacinas, já terá ouvido aquele argumento a favor das vacinas, de que uma lata de atum tem aproximadamente a mesma quantidade de mercúrio que uma vacina. Ou sobre o alumínio por exemplo: “um queque terá tanto alumínio como uma vacina”. É um argumento tolo, mas mostra a mentalidade de algumas dessas pessoas que não questionam e pesquisam as próprias bulas das vacinas, ou as informações disponíveis para elas antes de serem injectadas.

Em primeiro lugar, qualquer pessoa com um conhecimento básico de biologia deve saber a diferença entre a injecção e a ingestão, uma é pela corrente sanguínea e a outra é pelo tracto gastrointestinal. Biologicamente, eles são muito diferentes, e isso desmonta esse argumento com apenas uma simples lógica biológica. Vamos aprofundar isto ainda mais, mas também tentaremos manter a explicação simples.

O timerosal é um conservante de vacinas e uma neurotoxina bem conhecida (1), composta em 49,55% do seu peso por mercúrio (56,73% em peso por “Ethylmercury (etHg)”).

Quando ingerido, a maior parte do mercúrio no atum não entra no corpo, e é expelido pelas fezes. O mercúrio absorvido é metabolizado como metilmercúrio (MEHG). Absorvido no intestino, e primeiro através do fígado. Isso é chamado de “primeira passagem”. O mercúrio que atravessa o fígado é conjugado com a glutationa, e posteriormente a  glutationa conjugada é passada pela bílis e depois nas fezes.

Quando injectada, é metabolizado (convertida) no metilmercúrio, que é mais tóxico e nocivo. Como é injectada, evita a “primeira passagem” através do fígado, onde pode ser filtrada e, em vez disso, circula por todos os outros tecidos e órgãos. O mercúrio tem uma alta afinidade (liga bem) com certos tecidos, incluindo o tecido neurológico, cérebro, rins, etc. Então, em suma, o mercúrio mais perigoso e persistente a longo prazo é retido no tecido corporal (Dr. Paul G King). Qualquer um pode posquisar sobre a bio-acumulação do mercúrio no corpo e pelo seu tempo de meia-vida, e não é bonito de se ler.

Na vida real, o efeito tóxico quer da ingestão quer da injecção de ambos os tipos, “etHg e mehg combinados, pode resultar em efeitos neurotóxicos amplificados”. Mas os estudos parecem indicar que “o conhecimento sobre este assunto ainda está incompleto e é necessário mais para abordar a previsibilidade dos efeitos toxicológicos aditivos ou sinérgicos do etHg e meHg (ou outros neurotóxicos)”. (1a)

O defensor das vacinas geralmente tentará confundi-lo neste momento com algum tipo de mudança de direcção da conversa sobre como qualquer um desses, metilmercúrio ou etilmercúrio, é perfeitamente seguro e / ou que são inofensivos e são expelidos em segurança independentemente das circunstâncias. A agência reguladora americana discorda e, na verdade, eles dizem:

“Carece de dados definitivos a comparação das toxicidades do etil versus metilmercúrio, considerando o etil e o metilmercúrio como equivalentes na avaliação de risco. Existem alguns dados e estudos que incidem directamente sobre a toxicidade do timerosal e estes estão resumidos nesta secção.” (2)

O CDC [Centro Para o Controlo de Doenças dos EUA] afirma:

“O timerosal é seguro para as pessoas? Sim. O timerosal é usado com segurança em vacinas há já muito tempo (desde a década de 1930) e tem um histórico comprovado de segurança. Uma variedade de cientistas têm estudado o uso de vacinas que têm timerosal neles ao longo de muitos anos. Eles não encontraram nenhuma evidência real de que o timerosal cause danos”. (3)

É certamente fácil não encontrar nenhuma evidência se você não estiver à procura dela. Nenhum estudo de segurança foi feito pelas nossas agências de saúde e, no entanto, tem sido usado no público desde a década de 1930. Não há um histórico comprovado “com estudos” de que seja seguro, portanto não existem estudos, de modo que “até agora nenhum cientista o estudou”, a menos que eles simplesmente não publicassem as suas descobertas ou a menos que os estudos tivessem sido financiados pelas grandes farmacêuticas. Eu acho que o CDC devia falar com as outras agências reguladores. Existe uma boa razão pela qual a investigação de 3 anos feita pelo governo levou à retirada final do mercado de “algumas” vacinas (4).

Além disso, a injecção “(mercúrio) é distribuída principalmente no sistema nervoso central, nos rins, no fígado e na pele. O mercúrio atravessa a barreira hematoencefálica e a placenta. Os bebés e os fetos correm maior risco de ocorrência de toxicidade. Foi demonstrado que a exposição ao mercúrio em mulheres grávidas causa anormalidades neurológicas. Os bebés, expostos no útero ao mercúrio, mostraram atrasos no desenvolvimento. Além disso, a possibilidade de uma ligação entre a exposição ao mercúrio e distúrbios neurológicos como o autismo e o transtorno do défice de atenção e hiperactividade foi avaliada. As concentrações de timerosal em vacinas e imunoglobulinas variam entre 0,005 e 0,02%, uma concentração não tóxica. No entanto, existe uma preocupação, não da exposição a uma única vacina, mas, durante um período de tempo relativamente curto, as crianças podem ser expostas a vacinas múltiplas contendo timerosal. Esta exposição repetida pode colocar as crianças em risco de toxicidade por mercúrio”. (5)

A FDA [agência reguladora para os fármacos e alimentos nos EUA] admitiu que a segurança do Thimerosal, quando usado como conservante, não foi estabelecida no padrão regulatório como “suficientemente não tóxico…” (6). Esse facto foi estabelecido numa investigação de três anos por um Comité da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos e apresentado nas conclusões “do seu relatório publicado de 2003 conforme estabelecido no Título 21 do Código dos Regulamentos Federais dos Estados Unidos (21 CFR) no parágrafo 610.15 (a) [21 CFR § 610.15 (a)]. (7)

O problema é que o estudo do Comité da Câmara dos representantes analisou apenas os efeitos de um único produto, e não o efeito de múltiplos produtos (muitas vacinas diferentes durante um curto período de tempo). Não há estudos que mostrem a segurança de misturar metais pesados ​​diferentes, como o Al (Alumínio) e o Thimerosal. Existem estudos físicos sobre o mercúrio e ao alumínio em experiências ao ar livre que mostram um stresse oxidativo rápido e reacções violentas. Não foram feitos testes sobre o que acontece quando esses elementos se reúnem, digamos, no cérebro ou nos órgãos.

A literatura que vem com a maioria das vacinas admite que… “não foi avaliada quanto ao seu potencial cancerígeno ou mutagénico, ou quanto ao seu potencial para prejudicar a fertilidade”.

A vacina contra a gripe avisa que a “segurança e a eficácia não foram estabelecida em mulheres grávidas” e, no entanto, continua a ser recomendado para elas. Então, o que acontece quando todas estas substâncias são misturadas?

Toxicidade sinérgica 2Imagem: https://livelovefruit.com/wp-content/uploads/2015/05/sfasdf.jpg

Fontes das imagens: 1ª caixa, página 42ª caixa, página 73ª caixa, página 74ª caixa, página 35ª caixa, página 18

Toxicidade sinergética

E isso leva-nos a considerar a toxicidade sinérgica, que é a combinação de mais do que uma substância tóxica num cocktail a ser injectado, e os perigos que isso implica.

Toxicidade sinérgica

O site Safeminds explica:

“… quando exposto a duas toxinas [ou mais], o nível de toxicidade é muito maior do que os níveis de toxicidade aditiva das duas toxinas sozinhas”. (8)

Um bom exemplo que demonstra a “toxicidade sinérgica” é um estudo de 1978 feito em ratos (Shubert et al., Efeitos Combinados em Toxicologia – Um Procedimento Rápido de Teste sistemático: Cádmio, Mercúrio e Chumbo. J. of Toxicology & Environmental Health 4: 763, 1978). O estudo tomou a quantidade de sal de mercúrio que mata 1 em 100 ratos e 1/20 da quantidade de sal de chumbo que mata 1 em 100 ratos. Quando estas quantidades de sal de mercúrio e sal de chumbo foram administradas, a toxicidade sinérgica destas duas toxinas matou 100 em cada 100 ratos:

“Com toxicidade aditiva, seria de esperar 1 + 0,05 = 1,05 ratos a morrer (1 ou 2)”

“Com toxicidade sinérgica, os resultados foram: 1 + 0,05 = 100 ratos que morreram” (9)

Para além disso, “existe um potencial significativo de efeitos inesperados de” toxicidade sinérgica” das vacinas, particularmente para uma população susceptível que já pode ter altos níveis de toxinas devido a uma menor capacidade de excretar toxinas. No entanto, a toxicidade sinérgica das vacinas não foi estudada – os estudos se concentraram-se apenas na toxicidade individual de um único componente das vacinas (por exemplo, mercúrio ou vírus do sarampo). ” (10) [Ênfase meu]

De todos os debates sobre as vacinas a que assisti, desde que minha pesquisa sobre vacinas começou em 2009, ainda ouvi ninguém a levantar a questão da toxicidade sinérgica uma vez sequer. Isso parece extremamente importante e central no debate. Certamente, o alumínio também é tóxico, como mostraremos mais tarde. Alguns outros estudos sobre a toxicidade, muitos sugerindo a necessidade urgente de estudos de toxicidade sinérgica. (11) (12) (13) (14)

Então, vamos ver se entendemos. O timerosal nunca foi testado por nenhuma das nossas agências de saúde e tem sido usado em vacinas, de qualquer forma, desde a década de 1930 e, finalmente, removido da maioria por causa do protesto público e depois do governo começar a estudá-lo , e aí decidiu que provavelmente não era seguro. O mesmo provavelmente acontecerá com o alumínio daqui a 20-30 anos após os protestos do público novamente, mas quantos filhos e pessoas terão que sofrer até então? Novamente, um video de 2 minutos sobre as audiências realizadas no Congresso dos EUA sobre o Thimerosal.

Os defensores das vacinas dizem “Ah, mas não existe mais Thimerosal nas vacinas!” É interessante notar que as poucas vacinas que são administradas a bebés que ainda têm Thimerosal são as da Hep B e DipTet (e vacina contra a gripe que é recomendado para as mães agora). Então, a afirmação de que foi removido de todas as vacinas é uma mentira e um erro de orientação. Se eles a dão a todos os recém-nascidos, então todos os recém-nascidos estão a receber esse timerosal.

“Foi removido de muitas vacinas infantis em 2002, mas permanece em algumas vacinas (como por exemplo o vírus da hepatite B e influenza)” (15).

Eles recebem doses múltiplas de diferentes cocktails.

Outros estudos sugerem que as taxas de notificação de mortalidade fetal (morte) têm aumentos súbitos na base de dados do VAERS [sistema de registo das reacções adversas às vacinas nos EUA] em relação às tendências anuais relatadas. Assim, uma toxicidade fetal sinérgica provavelmente resultou das múltiplas exposições combinadas (16), bem como muitas outras descobertas mostram

“(…) uma correlação positiva entre o número de doses de vacinas administradas e a percentagem de hospitalizações e óbitos. Uma vez que as vacinas são administradas a milhões de crianças por ano, é imperativo que as autoridades de saúde tenham dados científicos dos estudos de toxicidade sinérgica em todas as combinações de vacinas que os bebés possam receber. Encontrar formas de aumentar a segurança das vacinas deve ser a mais elevada prioridade”. (17)

Para além disso, “etilmercúrio (EtHg) e o adjuvante Al (alumínio) são as exposições intervencionistas dominantes com as quais os fetos, recém-nascidos e bebés se deparam devido à imunização com vacinas que contêm Thimerosal (TCVs). Apesar do seu uso prolongado como agentes activos de medicamentos e fungicidas, os níveis de segurança dessas substâncias NÃO FORAM DETERMINADOS, nem em animais nem em humanos adultos – muito menos em fetos, recém-nascidos, bebés e crianças… o potencial efeito sinérgico de ambos os agentes tóxicos não foi devidamente estudada. Portanto, a exposição na fase inicial da vida a ambos, o etHg e Al, merece consideração”. (18)

Potencial carcinogénico e mutagénico sinérgico

Então, quais os efeitos de todos os outros ingredientes das vacinas, tais como as células fetais abortadas, formaldeído, ADN de outras espécies como macacos, galinhas, porquinhos da Índia, etc.? Bem, ninguém sabe! Nenhum foi avaliado pelo seu potencial cancerígeno ou mutagénico individualmente ou combinado (toxicidade sinérgica), ou pelo seu potencial para prejudicar a fertilidade, e eles dizem isso exactamente nas instruções / bula / caixa!

As vacinas que foram cultivadas ou fabricadas usando a linha celular fetal WI-38, como a Meruva®®, MMRII®, Varivax®, Havrix® e Pentacel®, são adicionalmente contaminadas com fragmentos de retrovírus endógeno humano HERVK (Victoria et al., 2010). Evidências recentes mostraram que os transcritos retrovirais endógenos humanos são elevados no cérebro de pacientes com esquizofrenia ou transtorno bipolar (Frank et al., 2005), em leucócitos mononucleares de sangue periférico de pacientes com espectro autista (Freimanis et al., 2010), também como estando associados a várias doenças autoimunes (Tai et al., 2008). A forte associação ecológica entre as vacinas fabricadas com células dos fetos humanos e os pontos de alteração do transtorno autista requer uma investigação mais aprofundada desses contaminantes das vacinas infantis. (19) (20) (21)

Estes já são considerados um risco biológico antes de serem usados ​​para propagar um vírus que é usado numa vacina.

“ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES: produtos de cultura celular podem transmitir agentes infecciosos. Os produtos devem ser tratados de acordo com o manual CDC-NIH, Biossegurança em Laboratórios Microbiológicos e Biomédicos, 2007.” (22)

As vacinas abaixo foram desenvolvidas usando as cepas das células WI-38 ou MRC-5. Essa lista não é exaustiva:

– Vacinas contra hepatite A [VAQTA / Merck, Havrix / GlaxoSmithKline e parte de Twinrix / GlaxoSmithKline]

– Vacina contra a rubéola [MERUVAX II / Merck, parte da MMR II / Merck e ProQuad / Merck]

– Varicela (varíola) vacina [Varivax / Merck, e parte da ProQuad / Merck]

– Vacina Zoster (Zinga) [Zostavax / Merck]

– Vacina oral para o adenovírus tipo 4 e tipo 7 [Barr Labs]

– Vacina contra a raiva [IMOVAX / Sanofi Pasteur]

Resumindo

Como você provavelmente poderá concluir, o argumento da “lata de atum” fica mudo neste ponto e, enquanto você ler os estudos abaixo, começará a perceber ainda mais porquê. Eles não podem esconder o facto de que essas substâncias são tóxicas mesmo em doses baixas, e em particular em doses múltiplas. Considerando os outros factores, como a toxicidade sinérgica, o potencial carcinogénico sinérgico e as próprias descobertas do governo (bem como os estudos abaixo), podemos descartar esse argumento esfarrapado. O Programa de Compensação Por danos causados pelas Vacinas nos EUA pagou mais de 3,1 biliões de dólares para por mortes e danos até agora. Quando é que eles admitirão que não são seguras? Mesmo o Supremo Tribunal teve de admitir que as vacinas estavam numa categoria de produtos “inevitavelmente inseguros”. (23)

A verdadeira questão agora é, depois de todas as audiências, descobertas e estudos do governo, porque é que o timerosal ou o alumínio ainda estão a ser usados e mesmo combinados uns com os outros, bem como com todos os outros aditivos? E porque é que os czares da nossa saúde continuam a mentir-nos?

Leia o meu outro artigo popular: “Porque é que ainda estamos a vacinar? Perguntas de um ex-defensor das vacinas

Referências:

1. Thimerosol in Vaccines: http://www.fda.gov/BiologicsBloodVaccines/SafetyAvailability/VaccineSafety/UCM096228
1a. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23401210
2. FDA Blood Biologics: http://www.fda.gov/BiologicsBloodVaccines/SafetyAvailability/VaccineSafety/UCM096228#thi
3. http://www.cdc.gov/vaccinesafety/Concerns/thimerosal/thimerosal_faqs.html
4. http://vaccines.procon.org/sourcefiles/Burton_Report.pdf
5. https://www.uic.edu/pharmacy/services/di/thimerosal.htm
6. The relevant portion of 21 CFR § 610.15(a), an explicit binding requirement on all manufacturers of biological drug products, including vaccines, states (emphasis added),“ Any preservative used shall be sufficiently nontoxic so that the amount present in the recommended dose of the product will not be toxic to the recipient.”
7. “Mercury in Medicine–Taking Unnecessary Risks, A Report Prepared by the Staff of the Subcommittee on Human Rights and Wellness, Committee on Government Reform United States House of Representatives, Chairman Dan Burton, May 2003 (This Report Is the Result of a Three Year Investigation Initiated in the Committee on Government Reform)”, which was also published in the Extended Congressional Record, May 21, 2003 CONGRESSIONAL RECORD—Extensions of Remarks, pages E1011-E1030; the relevant finding is disclosed in column 3 of page E1012 (emphasis added). http://vaccines.procon.org/sourcefiles/Burton_Report.pdf “3.Manufacturers of vaccines and thimerosal, (an ethylmercury compound used in vaccines), have never been tested…
8. http://www.safeminds.org/mercury/synergistic-toxicity.html
9. Ibid
10. Ibid
11. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25625408
12. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12297370
13. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3170075/
14. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23023030
15. (Page 21) http://www.epa.gov/ncer/childrenscenters/events/2007/presentations/07childrenworkshop_summary.pdf
16. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23023030
17. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22531966
18. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25625408
19. http://academicjournals.org/article/article1411048618_Deisher%20et%20al.pdf
20. http://www.atcc.org/products/all/CCL-75.aspx
21. http://www.atcc.org/products/all/CCL-171.aspx
22. http://www.cellprolabs.com/sites/default/files/downloads/Production%20Information-Cell%20Lines%20-%202014AUG07_0.pdf
23. http://www.supremecourt.gov/opinions/10pdf/09-152.pdf
________________________________________________

– Mais estudos aqui
– https://goo.gl/62Dosd
 http://vaccines.procon.org/sourcefiles/Burton_Report.pdf

 

Fonte: https://livelovefruit.com/synergistic-toxicity-and-vaccine-safety/

Artigos Recomendados
Contacte-nos

Envie-nos um email e responderemos assim que possível.

Não legível? Alterar texto.

Pesquisar