A cúrcuma supera as vacinas pneumocócicas na protecção de bebés

 Em infecções pneumocócicas, Nutrição

curcuma

Curcuma. Apesar de não haver nenhuma evidência da sua eficácia na prevenção de doenças, as agências de saúde pública e a comunidade médica insistem que as crianças com idades entre os 2 e 12 meses necessitam de até quatro doses da Vacina Conjugada Pneumocócica (PCV). Agora, uma nova pesquisa identificou uma substância no açafrão e na cúrcuma que pode superar a vacina em termos de protecção duradoura contra danos pulmonares, potencialmente mortais, em bebés.

curcuma

Comparação de efeitos adversos conhecidos da vacina pneumocócita com os da cúrcuma

As bactérias pneumocócicas são a causa mais comum de infecções bacterianas em crianças, e uma causa frequente de infecções em adultos. A infecção começa no nariz ou na garganta, onde pode persistir ao longo de semanas ou meses. As infecções pneumocócicas também são a complicação mais comum resultante da gripe sazonal.

Os investigadores do Instituto de Pesquisa Biomédica de Los Angeles, no Centro Médico Harbor-UCLA (LA BioMed), usando modelos de doenças, descobriram que a cúrcuma forneceu a proteção a longo prazo contra os danos causados pela função pulmonar inadequada.

O estudo, publicado on-line pelo American Journal of Physiology, Lung Cellular and Molecular Physiology, descobriu que a cúrcuma forneceu a protecção contra a displasia broncopulmonar (BDP), uma condição caracterizada por cicatrizes e inflamações, e contra a hiperoxia, em que demasiado oxigénio entra no corpo, através de os pulmões.

Virender K. Rehan, MD, o investigador líder da LA BioMed, que escreveu o estudo, disse que este foi o primeiro estudo a descobrir os benefícios a longo prazo da cúrcuma na protecção da função pulmonar em lactentes.

“A cúrcuma é conhecida por potentes propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias e antimicrobianas, tornando-se uma terapia promissora”, afirmou o Dr. Rehan.

A BDP é considerada uma das doenças pulmonares crónicas mais comuns da infância nos EUA, sendo que a infância é rotulada como um grupo de risco clínico pneumocócico, para tomar até quatro doses da vacina pneumocócica conjugada entre os 2 e os 12 meses. A primeira dose geralmente é dada quando a criança tem 2 meses de idade. As doses de reforço são dadas aos 4 meses, 6 meses e nos 12 a 15 meses de idade. Os médicos também são aconselhados a que uma criança que tenha entre 24 meses e 5 anos de idade deva receber 1 ou 2 doses adicionais dessa vacina.

O Dr. Manjeet Kumar, especialista em medicina pediátrica, disse que a descoberta poderia revolucionar as agendas de vacinação pneumocócicas para crianças com menos de um ano.

“Sabemos que as vacinas conjugadas com pneumococos foram particularmente ineficazes na última década para a maioria das crianças, e o estudo do Dr. Rehan está a demonstrar um mecanismo de protecção a longo prazo e que agora está ausente nas práticas padrão de vacinação”, afirmou.

As vacinas conjugadas pneumocócicas afirmam prevenir doenças causadas por sete dos tipos mais comuns de bactérias pneumocócicas, porém as evidências emergentes mostram que essas afirmações são exageradas.

“Parece estar protegendo contra formas graves da doença menos de 20% do tempo, dependendo da pessoa”, afirmou o Dr. Kumar.

Esta é uma grande discrepância com a efetividade de 97% reivindicada pelas autoridades de saúde.
O Dr. Kumar enfatizou a riqueza da literatura científica que apoia os curcuminoides na prevenção de doenças, e espera que tais tratamentos sejam expandidos através da medicina convencional.

“Temos centenas de estudos científicos que suportam o papel dos curcuminoides e derivados de cúrcuma na prevenção de doenças, com actividade biológica aprimorada e muito mais estáveis e biodisponíveis do que os medicamentos actuais e vacinas no mercado – não é uma surpresa que estejam a superar os produtos farmacêuticos”.


Os derivados de cúrcuma estão a
ctualmente a ser sintetizados por indústrias farmacêuticas e de saúde natural devido à sua potência e actividade antioxidante. Os estudos sugerem que a biodisponibilidade da cúrcuma, e possivelmente dos seus derivados, é maior nos pulmões e no cólon, e que protege de uma diversidade de cancros.

O Dr. Kumar em breve estará envolvido em ensaios clínicos para realizar uma vigilância activa da doença invasiva pneumocócica, para avaliar os sorotipos e padrões de resistência a antibióticos, e fornecer evidências conclusivas de como os derivados da cúrcuma estão agora a superar todas as vacinas e medicamentos para pneumocócitos, nos grupos de risco designados.

Um dos resumos mais abrangentes, resultante de uma revisão de 700 estudos sobre a cúrcuma até à data, foi publicado pelo etnobotanista respeitado James A. Duke, Ph.D. Ele mostrou que o açafrão parece superar muitos produtos farmacêuticos nos seus efeitos contra várias doenças crónicas e debilitantes, e isso ocorre sem praticamente qualquer efeito colateral adverso.

Alzheimer

Duke encontrou mais de 50 estudos sobre os efeitos da cúrcuma no tratamento da doença de Alzheimer. Os relatórios indicam que os extratos de açafrão contêm uma série de agentes naturais que bloqueiam a formação da beta-amilóide, a substância responsável pelas placas que obstruem lentamente a função cerebral na doença de Alzheimer.

Artrite

A cúrcuma contém mais de duas dúzias de compostos anti-inflamatórios, incluindo seis diferentes inibidores de COX-2 (a enzima COX-2 promove dor, inchaço e inflamação; Os inibidores bloqueiam selectivamente essa enzima). Por si só, escreve Duke, a cúrcuma – o componente do açafrão mais citado pelos seus efeitos saudáveis é um agente antiinflamatório multifacetado, e os estudos sobre a eficácia da cúrcuma demonstraram alterações positivas nos sintomas artríticos.

Cancro

Duke encontrou mais de 200 citações para o açafrão e cancro, e mais de 700 para a cúrcuma e cancro. Ele observou que no manual Phytochemicals: Mechanisms of Action, a cúrcuma e / ou açafrão foram eficazes em modelos animais fr prevenção e / ou tratamento do cancro do cólon, cancro da mama, cancro da próstata, hepato-carcinogénese murina (cancro do fígado em ratos), cancro esofágico e cancro bucal. Duke disse que a eficácia da erva contra estes tipos de cancro foi comparada favoravelmente com a relatada para os produtos farmacêuticos.

Perda de peso

A cúrcuma dietética pode bloquear a propagação do tecido adiposo, inibindo o crescimento de novos vasos sanguíneos, chamada de angiogénese, e que é necessária para construir tecidos adiposos. Os grupos tratados com cúrcuma tiveram menos crescimento de vasos sanguíneos no tecido adiposo. Os níveis de glicose no sangue, triglicéridos, ácidos gordos, colesterol e gordura hepática também foram menores.

Parkinson

Uma equipa de investigadores agora demonstrou que as proteínas de alfa-sinucleína que se retardam lentamente são a causa do aglomeração, ou agregação, que é o primeiro passo de doenças como a de Parkinson. Um novo estudo liderado por Ahmad, que aparece no Journal of Biological Chemistry, mostra que a cúrcuma pode ajudar a evitar a aglomeração.

A nossa pesquisa mostra que a cúrcuma pode resgatar proteínas da agregação, os primeiros passos de muitas doenças debilitantes”, disse Lisa Lapidus, professora associada de física e astronomia da MSU, que co-autor do trabalho com Ahmad. “Mais especificamente, a cúrcuma liga-se fortemente à alfa-sinucleína e evita a agregação, a temperaturas corporais”.

Quando a cúrcuma se liga à alfa-sinucleína, não só pára a aglomeraração, mas também aumenta a taxa de desdobramento ou reconfiguração da proteína. Ao reduzir a velocidade, a cúrcuma move a proteína para fora de uma zona de velocidade perigosa, permitindo evitar a aglutinação com outras proteínas.

– Apenas 1 por cento dos idosos na Índia desenvolvem a doença de Alzheimer – este é um quarto da taxa de desenvolvimento de Alzheimer na América do Norte. Crê-se que esta diferença devida, em parte, ao consumo regular de caril na Índia.
– A ingestão diária de cúrcuma pode diminuir o risco de desenvolv
imento de pólipos no cólon, o que, por sua vez, diminui o risco de desenvolver cancro colorrectal.
– O consumo regular de açafrão pode ajudar a aliviar a dor e a inflamação que acompanham a artrite.
– A cúrcuma pode ser útil no tratamento de alguns casos de fibrose cística.
A cúrcuma pode ajudar a tratar eficazmente as células de cancro da pele.
– A cúrcuma pode ajudar a prevenir a propagação de células d
o cancro de mama.

As propriedades medicinais da açafrão são tão significativas que os Institutos Nacionais de Saúde estão actualmente a realizar ensaios clínicos para determinar se o açafrão (cúrcuma) deve passar a fazer parte das recomendações de tratamento convencional para mais de uma dúzia de doenças diferentes.

Na medicina ayurvédica, acredita-se que o açafrão possui muitas propriedades medicinais, e muitos na Índia usam isso como um anti-séptico prontamente disponível para cortes, queimaduras e contusões. Também é usado como agente antibacteriano.

curcuma

Fonte: http://www.greenmedinfo.com/blog/curcumin-found-outperform-pneumococcal-vaccines-protecting-infants

Artigos Recentes

Deixe uma resposta

Contacte-nos

Envie-nos um email e responderemos assim que possível.

Não legível? Alterar texto.

Pesquisar