A barreira sangue-cérebro (Hematoencefálica): o sistema de segurança da Natureza

A barreira sangue-cérebro. Parece ser um problema muito desafiador: como permitir que as moléculas essenciais e necessárias nutram e suportem o cérebro enquanto se filtram as bactérias e produtos químicos potencialmente prejudiciais? A barreira sangue-cérebro ​​é uma das muitas soluções surpreendentes e elegantes da natureza que permite que a vida humana e animal exista como a conhecemos.

A barreira sangue-cérebro é um dos mais estudados e complexos sistemas do corpo. Na Universidade Johns Hopkins, o grupo de trabalho da barreira hematoencefálica descreve-a desta forma:

“A barreira hematoencefálica ​​é uma interface dinâmica que separa o cérebro do sistema circulatório e protege o sistema nervoso central de produtos químicos potencialmente nocivos, enquanto rege o transporte de moléculas essenciais e mantem um ambiente estável “. (1)

Conforme descrito por esse grupo de trabalho médico, células altamente especializadas alinham os capilares do cérebro e facilitam uma “interacção complexa entre os diferentes tipos de células (como as células endoteliais, astrócitos e pericitos) e a matriz extracelular do cérebro e do fluxo sanguíneo nos capilares”.

A Society for Neuroscience chama a isso de “sistema de segurança do cérebro” e explica que, como é o caso em todos os vasos sanguíneos do corpo, “os vasos sanguíneos do cérebro são alinhados com células endoteliais, que servem de interface entre o sangue circulante e a parede do vaso. No entanto, ao contrário de outros vasos sanguíneos no corpo, as células endoteliais do cérebro estão bem próximas, criando um limite quase impermeável entre o cérebro e a circulação sanguínea”. (2)

A Descoberta da Barreira Hematoencefálica

Como muitas vezes acontece na ciência, a barreira sangue-cérebro foi descoberta essencialmente por acidente durante a investigação de outra coisa. Em 1885, o cientista alemão Paul Ehrlich (que ficou famoso por ter descoberto a cura para a sífilis) estava a tentar descobrir porque é que diferentes tecidos corporais absorviam corantes químicos de diferentes formas. Ele descobriu que, quando os ratos eram injectados por via intravenosa com um corante azul, todos os seus órgãos ficavam corados, excepto o cérebro e o sistema nervoso central.

A conclusão original de Ehrlich foi que o corante tinha menor afinidade para as células nervosas do que para outros tecidos. Mais tarde, em 1913, Edwin Goldman, um colega de Ehrlich, descobriu que, quando o corante era injectado directamente no líquido cefalorraquidiano dos animais em estudo, o cérebro e apenas o cérebro ficava manchado de azul. Embora isso tenha levado a uma Consciência de que havia uma barreira física real entre o cérebro e o resto do sistema circulatório, só foi na década de 1960, e com o auxílio do microscópio electrónico – aproximadamente 5.000 vezes mais poderoso do que o de Ehrlich – que os cientistas poderam confirmar e detalhar a estrutura do sistema defensivo do cérebro, que se tornou conhecida como a barreira hematoencefálica. (3)

A barreira Hematoencefálica impede muitas intervenções

Desde então, grande parte da pesquisa da barreira sangue-cérebro concentrou-se em tentar ignorar a barreira para medicar ou manipular a química do cérebro de alguma forma… o que é muito difícil porque a barreira sangue-cérebro faz o seu trabalho incrivelmente bem. Como os guardas de segurança em qualquer instalação de importância vital, as células dentro e de cada lado da barreira sangue-cérebro são híper-vigilantes e estão em constante comunicação uns com os outros, monitorizando, permitindo ou bloqueando o transporte de moléculas circulantes.

A água, os gases e as moléculas que são muito pequenas ou lipídicas (gordas) são susceptíveis de passar pela barreira de forma bastante fácul (antidepressivos, medicamentos anti-ansiedade, álcool, cocaína e muitas hormonas, por exemplo), enquanto outras moléculas que são maiores (como a glicose e a insulina) precisam de ser transportadas “à boleia” em “proteínas transportadoras”. (4, 5)

Encontrar maneiras de “enganar” a barreira para permitir que os medicamentos que salvam vidas penetrem no cérebro, é apenas um dos obstáculos enfrentados pelos investigadores médicos. O outro é o problema oposto: encontrar formas de curar brechas na barreira ou reparar danos que podem ocorrer com certas lesões cerebrais ou infecções.

O desenvolvimento fetal da barreira Hematoencefálica

A barreira sangue-cérebro do bebé é muitas vezes referido como “imaturo”, um adjectivo que geralmente foi interpretado como “com fugas”, “não funcional”, ou mesmo “ausente” por muitos investigadores.(6) Mais recentemente, porém, estudos mostraram que a barreira é de facto totalmente funcional, começando no início do processo de desenvolvimento, mas várias das suas características diferem das de um adulto. Por exemplo, alguns transportadores são mais activos no cérebro em desenvolvimento e os vasos cerebrais fetais são mais frágeis em comparação com o sistema neurológico maduro.(7)

Por estas razões, os mecanismos que afetam a barreira hematoencefálica fetal “embora funcionalmente eficazes no cérebro em desenvolvimento podem, no entanto, ser mais susceptíveis do que o do adulto a circunstâncias adversas, e que o danos aos mecanismos da barreira cerebral durante o desenvolvimento, podem levar à disfunção neurológica e neuropsicológica na vida adulta”. (8)

Desafiando a barreira Hematoencefálica com Vacinas

Qualquer toxina capaz de atravessar a barreira sangue-cérebro, e existem muitas que o podem fazer, podem causar danos aos neurónios e à glia no cérebro, principalmente através de um processo oxidativo que pode comprometer “as funções do sistema nervoso central expressas como défices motores e alterações sensoriais, cognitivas e psicológicas”. (9)

Dado o aumento dos tipos das exposições tóxicas com que o desenvolvimento do feto se depara no útero, incluindo a tendência alarmante para a administração de vacinas contra a gripe, a difteria, o tétano e a tosse convulsa em mulheres grávidas que começam no primeiro trimestre, o impacto de qualquer tratamento no pré-termo ou infantil sobre a barreira hematoencefálica merece atenção. Como Joseph Mercola, MD, afirmou:

“Hoje, as crianças são vacinadas no nascimento contra a Hepatite B e começam a sua longa jornada de vacinação aos 2 meses de idade, antes da barreira hematoencefálica estar totalmente desenvolvida. Uma revisão da literatura médica por todo o mundo apresentará muitos artigos que associam as vacinas a muitos distúrbios neurológicos “. (10)

Referências:

1 The Blood-Brain Barrier (working group). About the Blood-Brain Barrier. Johns Hopkins University 2015.
2 The Society for Neuroscience. The Blood-Brain Barrier. July 2, 2014.
3 The Society for Neuroscience. The Blood-Brain Barrier. July 2, 2014.
4 Dash P. Blood-brain Barrier Maintains the Constancy of the Brain’s Internal Environment. The University of Texas Health Science Center. 1997-present.
5 The Society for Neuroscience. The Blood-Brain Barrier. July 2, 2014.
6 Saunders NR et al. The Rights and Wrongs of Blood-Brain Barrier Permeability Studies: A Walk Through 100 Years of History. Frontiers in Neuroscience December 2014.
7 Saunders NR et al. Barrier Mechanisms in the Developing Brain. Frontiers in Neuroscience March 2012.
8 Saunders NR et al. Barrier Mechanisms in the Developing BrainFrontiers in Neuroscience March 2012.
9 Reiter RJ et al. Neurotoxins: Free Radical Mechanisms and Melatonin Protection. Current Neuropharmacology. September 2010.
10 Mercola J. Vaccines and Neurological Damage. Mercola.com c 2016.

Fonte: http://www.thevaccinereaction.org/2016/02/the-blood-brain-barrier-natures-security-system/

Artigos Recentes

Deixe uma resposta

Contacte-nos

Envie-nos um email e responderemos assim que possível.

Não legível? Alterar texto.

Pesquisar